AnáliseMorte: Kingdom Hearts 3 - Re-Mind (DLC)

O jogo saiu em 2019 e só agora consegui jogar a DLC. Mas agora que o fiz, finalmente poderei escrever sobre.

Kingdom Hearts III - Re-Mind


Conheça a DLC mais barra pesada já feita na história.

Boa leitura.

Introdução

Antes de tudo, eu recomendo que leia o artigo original de KH3, afinal, esse é um complemento. Aliás, que complemento pra lá de necessário viu. Aliás, pensei em fazer um índice assim como fiz no artigo de Control, porém ia demorar muito, acabei publicando. Mas, se tiver afim de ver um jeito fácil de derrotar os chefes da DLC, clique aqui que vai direto pra essa parte.



Bem, quando a DLC saiu eu não pude pagar o valor altíssimo da mesma (uns R$ 180,00), aliás, até poderia, mas achei injusto visto que eu tinha comprado o jogo completo, por preço completo (uns R$ 280,00) e a DLC nem veio inclusa (ela nem existia né). Pra variar, cerca de 2 semanas depois de comprar o jogo, o preço caiu pra uns R$ 80,00, sem brincadeira. Fiquei me sentindo um tolo, então aguardei baixar o valor da DLC pra algo mais em conta... algo que nunca ocorreu.

Foi graças a quebra de exclusividade do PS4 com uma série de jogos, que uma solução surgiu. Os caras decidiram lançar toda a franquia de Kingdom Hearts pra PC, pela primeira vez, de uma única vez. Nessa brincadeira, todas as coletâneas e até o Melody of Memory foram disponibilizados pela Epic Games... e eu... aproveitei pra finalmente jogar a DLC de KH3, dessa vez inclusa no jogo principal em lançamento.

O problema é que, o que começou como uma tremenda satisfação, logo se converteu num pesadelo. Se você não sabe caro leitor, eu tenho um hábito curioso de evitar jogar títulos que eu já tenha feito artigo. Faço isso pois, quero que os artigos sejam sempre os mais completos possível, então foco sempre o máximo de mim para que não seja necessário reaver os jogos.

Dito isto, imagina como fiquei ao saber que para jogar a DLC era necessário ao menos concluir a Campanha principal inteira!?


Claro, pra alguém que já tinha feito um artigo minucioso sobre KH3, não seria problema reaver o salvamento anterior não é? Pois é... como eu zerei num PS4, não era possível migrar o save. Ou seja... eu tinha me lascado.

Foi com um tremendo desânimo que eu preparei meu coração e iniciei uma jogatina intensa de KH3, com o único propósito de concluir o jogo o mais rápido possível e ver a bendita DLC.


Mas, ao longo do jogo, fui me maravilhando com tudo. Memória curta, pra mim tudo soava novidade. E logo me vi na mesma rotina de quando analiso algo, fotografando tudo que acho interessante e anotando mentalmente tudo o que falarei a respeito.

Cheguei ao ponto de perceber que, tinham coisas que eu queria ter dito e não disse. Foi ai que, enquanto jogava, eu também lia meu próprio artigo, e notava coisas que queria e precisava adicionar. Aos poucos, fui redescobrindo coisas e claro, adicionando linhas ao artigo, ao ponto de, deixa-lo um tiquinho maior do que era antes.

Ps.: Algo que não da pra não perceber na versão de PC são os Reflexos. O gráfico tá bem mais bonito, e tem essa opção de ativar reflexos em toda parte... ficou muito bom, apesar de ainda não ser perfeitinho.

Mas foi quando vi que eu fui injusto com vários detalhes, que minha casa caiu. Notei que, por exemplo, eu menosprezei os inimigos do jogo, sempre falando coisas como "Ah, é um monstro do jogo de Celular, ignore", quando na verdade, todos os inimigos de KH3 tem uma tremenda relevância!!!

Eu cheguei a teorizar sobre as origens deles (coisa que não fiz no artigo original) e ai decidi, que neste texto da DLC, eu faria justiça e reservaria um espaço pra falar dos monstros, da forma correta agora.

Outra coisa que notei, e me surpreendeu, foi que a DLC nos obriga (indiretamente) a fazer TUDO do jogo.

Foi vergonhoso isso, mas vou contar: Quando comecei minha nova campanha, a primeira diferença que reparei foi uma Pergunta Extra do que eu preferia pro meu jogo.

Em KH, sempre que se inicia, você tem de escolher entre 3 coisas, como "Ataque, Magia ou Defesa". Isso não afeta a história, mas acaba determinado a tendência do seu personagem ao longo do jogo, se terá mais ataque, ou mais defesa, coisas assim. Dessa vez, uma opção a mais surgiu me perguntando se eu queria "Cheats Fáceis, Sem Cheats ou Profissionais".


Eu nem li o que eram direito, apenas fui la e "Opa, quero Profissional, obrigado". Foi nesse momento que cometi o maior erro, e também o maior acerto, em prol do artigo.

Como funcionam os "Cheats"? Bem, os Fáceis liberam trapaças que o jogador pode ativar quando desejar, que apelam pra facilidade do jogo, como regeneração acelerada de vitalidade, de mana, e até mesmo Hit Kill em inimigos comuns.

A opção Sem Cheats é justamente pra que o jogador nem pense em trapacear, e apenas curta a jogatina do jeito convencional mesmo.

Agora, a versão Profissional, é pra masoquista. Basicamente você ativa Hacks Invertidos, como Drenar HP continuamente, ou tirar todos os status de nível dos personagens, ou tirar o apoio de amigos, impossibilitar uso de algumas magias, como cura, etc. É pra quem quer sofrer, em troca de troféu.


Eu não sou esse tipo de jogador, e ainda mais considerando que eu já zerei o game e só queria ver a DLC, era mais do que óbvio que eu escolheria o Cheat Fácil né, seria muito mais rápido! Mas o bestão aqui não lê as coisas direito e comete essas gafes.

Pior que, isso nem faz muita diferença, pois mesmo sem essas trapaças, pude terminar o jogo no nível 35 sem dificuldades. Praticamente corri, e olha que eu ainda assisti os filminhos pra, constatar se tiveram mudanças (e não, não tiveram) da versão de PS4 pra de PC. O tempo de jogo? Menos de 40 horas. 


Daí fui pra DLC e... ela é resumidamente uma recapitulação do último e longo trecho do jogo principal. Pra quem tinha acabado de passar correndo por essa parte, e nem esperou pra começar a jogar a DLC, rever tudo foi extremamente desgastante.


Ainda mais considerando que muitas das cutscenes apenas foram repetidas, como a do final mesmo. E elas são longas.

Claro que, tem seus atrativos e diferenças né. Em Re-Mind, há novas cutscenes e eventos que revelam o que ocorreu enquanto Sora lutava desesperadamente pra ajudar seus amigos, com direito até a gameplay com outros personagens. Ou seja, em teoria nós acompanharíamos os demais personagens, pela perspectiva deles... mas na prática as coisas são menos dinâmicas... muito menos. 

Agora, vamos começar o artigo pra valer. Detalhe: Não vou repetir o perfil de personagens, nem a mecânica geral do jogo pois, isso ta no artigo principal. Exceto é claro... do que for novo.

Então, bora la!

O Encontro de Xigbar e Luxord

Antes da história principal começar, um encontro inesperado é mostrado.

Lembra aquele momento em que Maléfica e Bafo estão em busca da misteriosa Caixa e encontram a Caixa de Pandora no mundo de Hércules? Lembra que Xigbar aparece ao fundo e começa a falar uma frase, sendo cortado pela edição? Então, conhecemos o que ocorreu em seguida.


Xigbar fala "Que seu coração seja sua Chave Guia", frase preferida dos maiores Keybladers da história. Em seguida, surge Luxord, o loirinho das cartas.


Luxord protagoniza um dos maiores e mais épicos interrogatórios, praticamente desmascarando Xigbar ali mesmo. Basicamente ele descobre, apenas fazendo perguntas e fazendo Xigbar tropeçar nas respostas, que ele tava planejando algo muito maior que o que Xehanort.


Xigbar tinha pedido pra ele procurar a tal Caixa, dizendo que era um dos pedidos de Xehanort. Depois ele muda falando que foi Xemnas quem pediu. Mas no fim, mesmo sem admitir, Luxord descobre que é tudo ideia de Xigbar mesmo, e que ele nem mesmo sabe o que tem na caixa. 


Porém no fim, Luxord diz que fingirá que não sabe de nada, e vai procurar a caixa assim mesmo. Nessa hora, ao mesmo tempo que Luxord questiona quem Xigbar realmente é, Xigbar faz o mesmo com relação ao apostador. Depois falarei mais disso...


Re-Mind - A História


Então tudo se inicia pelo final. A história de Re-Mind parte daquele instante em que Sora decide ir atrás de Kairi sozinho, e nos revela o que ocorreu com ele.


Sora não fazia ideia de pra onde ir, e acabou abrindo caminho pro Mundo Final, ou como ele chama: Mundo do Céu e Mar. La ele foi em busca do amigo recente Chirithy, quem o ajudou a passar por esse mundo pouco tempo antes, pra ver se tinha como dar uma força pra achar Kairi, apesar de Chirithy dizer que é impossível.


É ai que Sora recebe a péssima notícia de que, trapacear a vida tem consequências severas. Ele chega a dizer algo como "A cara, eu já salvei 6 pessoas! O que é mais uma?" e o gatinho diz que, isso que ele fez, de resgatar os corações dos amigos da última vez, foi contra as leis da natureza.


A consequência de mexer com isso, com as regras do universo, era a perda da própria existência.

Se não entendeu o que levou Sora a chegar nessa situação, eu explico resumidamente: Ele conseguiu no fim de KH3 o tal "Poder de Acordar" ou "Despertar". Esse poder permite viajar pra qualquer mundo que ele quiser, independente da distância, ou até mesmo do tempo, desde que tenha uma conexão forte com  o coração de alguém naquele mundo. Só que, usar esse poder pra viajar é perigoso, pois ele consome o próprio coração de quem ta viajando.


Sora usou isso 6 vezes seguidas, pra salvar os corações de seus amigos durante a batalha final, e chegou até mesmo a VOLTAR NO TEMPO, pois ele retorna num ponto da batalha que antecede a derrota de todos.


Como consequência, ele já tava condenado. Porém, aproveitando que já ia sumir mesmo, Sora decide emplacar na busca por Kairi e trazer ela a todo custo. É assim que ele começa a revisitar o passado.


A última aventura dele consistiria em viajar mais uma vez para o passado, agora em uma forma Astral. Ele usaria seu próprio coração como destino, pois deveria aproveitar que já mudou o fluxo do tempo antes pra "tapear a realidade", transitando por esse momento outra vez. Só que, pra não piorar tudo, ele não poderia mudar nada outra vez.


Tudo isso seria pra ir pulando de Coração em Coração até chegar ao de Kairi, no momento crucial para salva-la (porque ele não vai direto pro de Kairi? Sei lá! É Kingdom Hearts!).


Além disso, pra fortalecer toda essa conexão, ele deveria emergir nos sentimentos e emoções mais poderosas de todos aqueles com quem se conectasse, e de alguma forma os auxiliar com isso. 

Sora então viaja pro momento no qual ele mudou o passado pela primeira vez, e a primeira coisa que tenta fazer, é mudar o passado de novo. Ele se joga na direção de Ventus quando o jovem é arremessado pelo Terra possuído, tentando resgata-lo, algo que não fez no passado.


Mas, seu corpo não acompanha ele, e apenas sua versão Astral faz o movimento. Isso significa que, por mais que ele tentasse mudar as coisas, não daria certo. No entanto, seu coração se conecta com o de Ventus ali.


E dentro do coração de Ventus, Sora é forçado a enfrentar um Sem-Coração bastante poderoso (que inclusive é um chefe especial na campanha principal, mas depois falarei dele). Ele representava todo o pesar de Ventus, que naquele momento tava bem triste por causa de Terra. Tecnicamente, deveria ser um Unversed, e não um Sem-Coração (pois Unverseds são do universo do Ventus, e são também a representação das emoções negativas) mas, o que importa é que Sora derrota ele e purifica o primeiro coração.


Em seguida, a batalha continua seguindo o rumo da Derrota. A primeira realidade, na qual todo mundo apanha e Donald usa o Zettaflare (melhor momento!) pra despachar Terra. Daí, quando Aqua vai resgatar Ventus, Sora sai do coração dele e pula pro dela.


No coração de Aqua ele encontra muito mais dor e pesar, além de confusão e medo. A garota tava péssima, apesar de tentar não mostrar isso por fora. É ai que rola a cena em que todos começam a ser atacados e tomados pelos Sem-Coração, destruídos um por um, começando por Aqua.


O curioso, é que agora que Sora ta dentro dela, ele pode ver o que ela via. Ao invés de enxergar um tornado de Sem-Corações como todos os outros, ela via um tornado de Dark Aquas! Todos ali eram como ela, ou ela se sentia como eles. Foi por isso que ela nem reagiu quando o tornado a varreu.


Daí, Sora luta contra uma única Dark Aqua, dentro do coração de Aqua (reproduzindo o cenário da Praia Sombria). Poderia ser um Tornado de Dark Aquas? Sim... mas a luta é basicamente a mesma que teve no jogo quando Sora resgatou Riku e Mickey, com a Dark Aqua agora um pouco mais forte.


Ao derrota-la, Sora volta pro campo de verdade e assiste todos serem tomados pelos Sem-Coração. Quando ele vê Kairi, ele perde a chance de pular no coração dela, e se desespera. Aquele momento, em que Sora perde a noção e grita, é o desespero do Sora viajante, o afetando. Ele tinha voltado pro coração dele próprio.


Mas, no meio da gritaria e desespero, uma luz surge dentro dele. Naminé, acaba indo pra ele, depois de ser expulsa do coração de Kairi. Ta, aqui entra uma parte complicada. Quando Sora encontra Naminé, seu eu real já havia viajado no tempo e resgatado a todos, e também já havia encontrado ela no mundo da Céu e Mar.


Ou seja, Naminé tava passeando pelos corações, em busca de Terra, assim como ela disse que faria. Mas ela diz que Terra tava estranho de mais e ela nem conseguia chegar perto, e apesar de ficar surpresa ao encontrar Sora ali, ela pede ajuda.


Sora então fala pra Naminé mostrar o caminho pro coração de Terra, que ele faria o resto. E pede pra ela voltar pro mundo Final, e esperar.


Então, no Coração de Terra, Sora acompanha a luta que ele teve contra o Terra-Xehanort. Lembrando que, Terra tinha possuído sua Armadura Keyblader pra poder enfrentar seu corpo real, que tava possuído. Foi isso que salvou a todos quando Sora voltou no tempo, mas a luta não tinha acabado.


Terra-Armadura tava tomando uma surra, e ia ser destruído pelo impostor. É ai que Sora QUEBRA AS REGRAS, e pula de dentro do coração de Terra-Armadura, e enfrenta o Terra-Xehanort.


O filha da mãe chega a falar todo pomposo "Você viaja no tempo Xehanort, eu também posso, bobão". Só que ele tava abusando bonito.


Bem, a Armadura de Terra acaba se desfazendo depois que Sora aparece, justamente pra tentar proteger o jovem. E ele assume a luta, tomando uma surra independente de vencer.


Esse Sora Astral acaba sendo tomado pela escuridão e... desaparece. 


A partir daí passamos a controlar novamente o Sora normal, revivendo os eventos de antes (sem o Sora Astral dentro dele). O que muda é que também enxergamos a perspectiva de outros personagens.


Sora ta la andando no labirinto da Organização, já na parte em que todos vão enfrentar em grupos separados, os membros das sombras.

O jogador passa pelas mesmas lutas, só que agora tem uns especiais em parceria com os personagens.


Além disso, dependendo da luta, da pra escolher um dos aliados de Sora pra jogar.

Mas, de resto, as cutscenes são praticamente todas as mesmas. Claro que, tem adições... 

A luta de Mickey contra Xemnas, Larxene, Marluxia e Luxord é a mesma coisa. Sora aparece, Mickey vai pra carta de Luxord, ai ele tem de enfrentar geral sozinho, enquanto Xemnas foge, depois de buffar Luxord. 


Não tem cena especial nessa parte. Poderiam ter explicado o que tem na carta que Luxord deu pra Sora (que se mantém um mistério), mas nem mostraram.


A luta de Riku contra o Dark Riku e Xigbar no entanto já é diferente um pouquinho.

Primeiro que da pra escolher Riku como jogável. Ele e sua Keyblade de Carro...


Os movimentos dele são bastante genéricos. Ele ataca, tem um especial, e esquiva, é isso. Poderiam ter usado alguns movimentos de quando ele foi controlado pelo jogador em outros games? Sim... mas preferiram manter a jogabilidade de quando ele é controlado em KH3 mesmo, sem grandes coisas.


Tudo acontece como antes, mas agora, depois que eles vencem e Sora parte pra ajudar os outros, Riku fica com o corpo falso (que o Dark Riku deixou), pra ver o que fará. É ai que é mostrado que, Demix apareceu logo em seguida, ainda como Incorpóreo mas, sem ser aliado da Nova Organização XIII.


Ele diz que é um aliado da luz agora, até mostra um Gummifone pra provar que tão do mesmo lado, e diz que levará o corpo pros outros prepararem pra receber Naminé. Riku até diz "Cuidado, é importante". Mas Demix já tinha feito uma entrega assim antes. Foi justamente como ele conseguiu provar que era aliado.


A luta seguinte é obrigatoriamente a de Aqua e Ventus, contra Vanitas e Terra-Xehanort. Diferente da outra vez, o jogador não pode escolher a rota nessa segunda leva de lutas.

Bem, as coisas mudam logo no começo com a perspectiva de Aqua e Ventus sendo mostrada antes mesmo de Sora chegar. Não tem nada tão interessante, só rolam provocações, com Vanitas dizendo que é  muito mais que apenas o lado sombrio de Ventus, e é realmente o irmão dele, pois ele sempre existiu, só tava preso dentro de Ventus, e também tem Terra-Xehanort provocando.


A luta também começa com o jogador no controle de Aqua. Outra vez, reciclando os movimentos que ela usou quando lutou contra Vanitas, também no controle do jogador, na campanha principal. Só que agora, ela pode usar um especial em parceria com Ventus, jogando magia de gelo pra ele surfar.


Aqua tem um ou dois movimentos do jogo solo dela, podendo inclusive trocar a forma de batalha uma vez, ficando com ataques cristalizados e praticamente dançando enquanto luta.


Mas, não demora muito pra Sora aparecer e tudo acontecer assim como foi na luta originalmente vista. Ainda é possível escolher com quem jogar (eu escolhi Aqua, pra variar) e tudo se segue igual, até a parte que eles derrotam Terra-Xehanort.


Nesse momento, o Sora Astral acorda. Ele ainda tava preso no Terra-Xehanort depois da derrota que sofreu, mas as coisas não tavam ruins. Na verdade, no momento que Terra-Xehanort agarrou o garoto, Terra saiu do coração dele (ele tinha se alocado la depois que a Armadura se desfez) e pulou no Sem-Coração que Terra-Xehanort projetava pra atacar. Sem que o cara percebesse, Terra tinha possuído o Sem-Coração dele, e manteve Sora adormecido junto com ele, o salvando.


Então, rola aquele momento em que Terra desperta na forma de Sem-Coração, tira as faixas da boca e manda a real pro Terra-Xehanort. Paralelo a isso, Sora Astral volta pro seu corpo real, e fica acompanhando ele novamente. É ele quem da aquela ideia de abrir o coração de Terra-Xehanort pro Terra voltar pra ele. E assim, Terra recupera seu corpo.


Bem, de volta à sincronia com o corpo real, Sora vai ajudar Kairi e Axel contra Xemnas, Saix e a misteriosa encapuzada (Xion).


Mais uma vez, a perspectiva deles é mostrada antes de Sora chegar. E algumas coisas são explicadas...

Xemnas, quem criou a Organização XIII pela primeira vez, conta o que sabe sobre a encapuzada. Ele revela que ela era desconhecida por todos, que tudo dela foi apagado, exceto os dados que seu criador (Vexen) manteve. Ele também diz que, em prol dos planos de Xehanort, eles a refizeram do jeitinho que ela era, e que ela tinha muito a acertar com Axel.


No entanto, Axel não se lembrava dela. Na verdade, nem mesmo Xemnas lembrava, mas quis provocar. Aliás, Xemnas diz que tanto Vexen quanto Demix poderiam servir pra formar a Nova Organização XIII, mas essa encapuzada era perfeita pois foi criada com uma conexão com Sora, e eles precisavam disso.


Inclusive, ela pode usar a mesma Keyblade de Sora (bons tempos em que isso era surreal, pois só Sora podia usar Keyblades, além de Mickey), sendo esse o principal motivo dela ser tão especial pra organização.

No entanto, ainda durante a conversa, ela começa a ter recaídas ao ouvir o nome de Roxas e Axel, sem lembrar deles, mas sentindo que tinha alguma relação com eles. Até Saix nota isso, mas a garota fica em fúria e decide atacar pra resolver sua dor de cabeça, mirando Axel, que inclusive passa a suspeitar que ela era Roxas (afinal permanecia encapuzada). É Kairi quem nota que é uma garota.


Bem, toda essa passagem ocorre antes de Sora chegar, e até tem uma luta de Kairi e Axel contra Xion, mas é em cinemática. O jogador não chega a controlar nem Axel, nem Kairi, o que é uma pena nessa parte.


Logo em seguida, chega Sora e tudo segue o padrão da campanha principal, com uma rápida batalha que se encerra com a cinemática mostrando Axel apanhando pra Xemnas e Xion o salvando, mas sendo forçada a ataca-lo em seguida, até que Sora intervém.


Bem, nesse momento, o Coração de Roxas desperta ainda dentro de Sora e o chama. Sora acaba nesse exato momento, recordando da existência de Xion (por isso ele fala o nome dela) e ao mesmo tempo, ele convoca Roxas.


O rapaz, já restaurado por uma das réplicas em sua forma física, ainda não tinha despertado em coração. Sora Astral acaba fazendo isso quando o mesmo reage dentro do Sora Físico, ao ver Xion depois de tanto tempo. Assim, ele o convoca, mas ainda não era o fim da participação de Sora.


Quando Roxas surge como uma estrela cadente, preparado pra lutar, ele ainda pede em coração pra que Sora o ajude uma última vez. Ai tem uma uma cutscene que não rolou na batalha original, com eles enfrentando Xemnas, e até Kairi dando uma surra nele.


Mas ele consegue prender Sora e Kairi, enquanto permanece provocando Axel e os demais. Sora Físico fica atordoado pra dizer que ele não viu o que ocorreu, pois o Sora Astral permanece dando suporte ao coração de Roxas.


Sem escolha, controlamos Roxas, que carrega duas Keyblades como característica e usa o Movimento Esquiva. 


Em "Kingdom Hearts 2" durante o início do jogo, quando também controlamos Roxas, esse é seu movimento de destaque, com ele saltando pras costas dos inimigos quando apertávamos o Triângulo, uma ação que chegou a ser utilizada por Sora, mas era mais a cara dele. 


Isso é reproduzido em seu gameplay aqui, mas ele não ganha tantos movimentos ou ataques, nem especiais. No máximo ele pode realizar um combo com Axel e Xion, que se tornam seus aliados nessa batalha.


Aliás, quando isso corre, por um breve momento podemos até controlar Axel, atirando suas Chakrans de Fogo, apesar de que o controle principal do personagem permanece em Roxas (basicamente martelamos o botão pra dar dano e é isso).

No fim, Sora Astral conecta os corações de Xion, Roxas e Axel ao de Xemnas, com o único propósito de extrair a marca X que ele atribuiu a eles. Quando Xemnas nomeou seus incorpóreos, ele colocou essa marca neles, que acabou sendo uma forte conexão entre os 3 jovens. Tecnicamente ela não ia causar nada de mais, pois quando Xemnas sumisse, ela iria junto. Mas Roxas queria mantê-la como prova da amizade dele com os demais... puro capricho esse que custou Kairi.


Acontece que assim que o Sora real e Kairi despertam, e se preparam pra batalhar, Xemnas fica irritado e decide sequestrar a garota, impedindo assim que Sora Astral finalmente a alcançasse. Ele tava muito perto, e perde a chance num piscar de olhos. Assim ele se vê forçado a lutar ao lado de Roxas outra vez, seguindo aquela mesma batalha da campanha.


Roxas, Sora e Xion contra Saix doidão. Quando eles o derrotam, Sora Astral pensa no que fará pra alcançar Kairi. Ele já tinha pulado em 5 corações até então (Aqua, Ventus, Terra, Roxas e Xion, tecnicamente) então ele não tinha mais tantas opções. Assim, ele vai pra última batalha, contra Xemnas, Ansem e Jovem Xehanort. O tenso disso é que é exatamente o momento em que Kairi ta perto da morte.


As lutas são as mesmas da campanha, com os 3 chefes ao mesmo tempo apelando, e o Xehanort Velho dando suporte as vezes, invocando Keyblades do cemitério ao redor.


Depois de vencer, Kairi é cristalizada e posteriormente, executada por Xehanort, tudo pra irritar Sora e fazê-lo lutar. Aparentemente já era tarde pra busca-la, e é por isso que Sora fica depressivo (influenciado pelo Sora Astral), até que Donald e Pateta aparecem.


No entanto, Mickey começa a falar mentalmente com Sora Astral, dizendo que ainda havia uma chance de salvar Kairi. É bem estranho ele falar com esse Sora nessa hora pois, o Mickey real estava ali em cena, ou pelo menos ele entra em cena pouco depois. Da a entender que ele sabia do Sora Astral e o que ele estava fazendo.


Bem, ele diz que Xehanort meio que guardou Kairi, afinal ela era um dos 7 Corações Puros (uma das 7 Princesas) e, apesar de também ser uma Guardiã da Luz, ela valia mais viva como parte do Plano B (consistia em usar os 7 Corações Puros pra invocar Kingdom Hearts caso o plano original falhasse) e assim, Sora mantém a esperança.


Naquele momento que eles usam Xehanort pra abrir um portal vinculando seu coração com o mundo de origem dele, Sora Astral salta antes, deixando seu corpo físico e avançando pro portal por conta própria, pra tentar chegar em Kairi antes de Xehanort se livrar totalmente dela.


Quando ele chega no mundo e Xehanort, ele de fato encontra Kairi, e rola um passeio pela cidade onde Sora tem de enfrentar um Heartless iluminado de rosa (provavelmente o de Kairi) até conseguir um fragmento de seu coração.


Depois, ele tem de buscar outros fragmentos estranhamente escondidos pela cidade toda. O último fragmento toma inclusive a forma de um Sem Coração Gigante (outro de Kairi provavelmente, ou seja, o coração dela era extremamente poderoso, pois cada fragmento tinha potencial pra se converter num heartless).


Mesmo depois de conseguir 5 fragmentos, Xehanort aparece em pessoa e diz pro Sora Astral que, ainda faltavam 2 fragmentos mas ele fez questão de esconder muito bem. Legal que ele não nota de cara que aquele era apenas uma projeção do verdadeiro Sora, vinda do futuro, mas quando percebe ele debocha dizendo que o jovem optou pelo preço caro.


Pior, Sora fica sem tempo pois o outro Sora aparece acompanhado de Donald e Pateta, e ele é forçado a voltar pra ele. Assim, ele vai pro confronto contra os 13 Xehanorts e depois, o próprio com a Keyblade suprema, mas isso não é mostrado.


Ao invés disso, acompanhamos o Sora Astral lamentando por ainda não ter conseguido. Ele pensa um pouco e decide se conectar com os corações que faltam pra tentar achar Kairi, assim, ele segue o de Riku, voltando lá pra onde todos os Guardiões da Luz estavam.


Eles tinham usado os poderes de suas Keyblades pra segurar Kingdom Hearts enquanto Sora enfrentava Xehanort no mundo dele. Só que as coisas não dão muito certo, pois ao mesmo tempo que Xehanort invoca Kingdom Hearts na luta contra Sora, aquele que eles detinham se torna pura sombra e libera os 13 Xehanorts, tunados e preparados pra destruir tudo.


Não apenas isso, um monte de portais em formas de fechaduras (assim com os que Xehanort invoca com a x-Blade na luta final) aparecem por todos os lados, e os heróis se unem pra enfrentar tudo isso de uma vez.


Nós ganhamos assim o controle de todos eles ao mesmo tempo, num Quick Time Event em que pouco a pouco, um deles realiza uma ação.


É muito legal, e é um momento épico em que podemos tecnicamente controlar todos um pouco, apesar de ser bem limitado. Apenas atacamos e fazemos o especial quando o QTE aparece.


Riku, Terra, Axel, Roxas e Ventus formam um círculo de ataque, todos eles realizando golpes ofensivos, enquanto Aqua, Xion e Mickey ficam no centro do círculo, criando um escudo de magia pra defender todos quando os Xehanorts Sombrios atacam.


Então o combate se resume a isso, atacar, defender e usar especiais, enquanto a tela gira lentamente e uma música épica toca.


Mas no fim, eles são derrotados de toda forma. Cada um dos keybladers é jogado em uma fechadura, e desaparece. O único que fica ali, no meio do céu, flutuando, fraco, e cercado pelos 13 inimigos, é Mickey. Riku até tenta ajuda-lo, mas acaba sendo jogado numa fechadura também, mas... da tempo de Sora Astral pular do coração dele pro do Rei.


Assim, um dos momentos que eu mais esperei em Kingdom Hearts acontece! Com Sora em seu coração, sem saber, Mickey mostra porque é o Rei, e simplesmente se levanta e... NÓS O CONTROLAMOS!


O controle é limitado sim, podemos andar lentamente, afinal ele ta fraco, e apenas contra-atacar os inimigos que surgem, enquanto ele caminha pra única fechadura que sobrou. Ele sofre muito.


As vezes os inimigos atacam todos juntos, e até atiram lasers de longe, que Mickey rebate. 


Quando ele acaba caindo, pode levantar novamente usando o poder da força de vontade, e nunca desiste de continuar lutando.


Daí os 13 inimigos se juntam pra derrota-lo, Mickey quase perde, mas Sora se projeta ao seu lado e o ajuda, ao bom estilo Goku e Gohan versus Cell!


Então Mickey lança toda sua energia na fechadura pra conectar-se a todos seus aliados, mas ai ele enfraquece e cai. Ele nota Sora Astral que, explica que ta la pra buscar Kairi e agradece pela ajuda, e claro, decide completar o que Mickey começou.


Ele segue a luz que Mickey lançou e vai parar num tipo de Reino de Fechaduras, e redireciona a luz pra todas elas, uma a uma. Demora um pouco, mas ele consegue conectar todas elas, fazendo com que a luz de Mickey alcance seus amigos de fato e os traga de volta.


Nesse processo ele também consegue os dois últimos fragmentos de Kairi que precisava, que por conveniência estavam trancafiados por ali também. Assim ele consegue restaurar seu coração, e invoca-la de volta com o Poder do Despertar.


Finalmente juntos, Sora e Kairi acabam tendo de lutar contra uma versão sombria de Xehanort ali mesmo... quem provavelmente tenta impedir o resgate.


Podemos escolher entre jogar como Sora ou Kairi, e obviamente eu escolhi Kairi.


Os ataques dela são simples, como golpes rápidos de Keyblade, e especiais que se ativam em parceria com Sora, incluindo um que invoca asas angelicais muito legal.


A luta em si é bem tensa também, pois Xehanort é rápido e usa 13 Keyblades ao mesmo tempo.


Além disso tem uma parte que ele invoca um monte de meteoros de suas fechaduras e, simplesmente não param de cair. É meteoro por toda parte causando explosões, enquanto ele ataca.


Quando ele já tá praticamente derrotado, Kairi e Sora invocam todos os seus amigos que juntos acabam com essa versão de Xehanort.


Daí todo mundo fica lá encarando o céu, quando Sora e Kairi evaporam na frente deles. 


Aliás, Axel chega a falar que, tanto Sora quanto Kairi estavam ali, e todos agem naturalmente, afinal é totalmente normal isso ai. Riku até fala "Liga não mano, isso é Kingdom Hearts, só curte."... mentira, na verdade ele fala que eles estavam ali pois, os corações estavam conectados, então tava tudo bem.


Enfim, paralelo a tudo isso, Sora, o daquele tempo, tava se matando (literalmente) contra o Xehanort verdadeiro, mas já tinha lançado o ataque final com ajuda de Donald e Pateta, e eles aproveitam que abriram uma fechadura com a luta e seguem pra ajuda-lo a selar o Kingdom Hearts do outro lado.


Enquanto isso, Sora (Astral) e Kairi vão pro Mundo Final já no tempo normal, onde Kairi fica maravilhada com o que vê.


Sora percebe então que já tá desaparecendo de vez, mas não conta nada pra ela. Pelo contrário, ele decide apresenta-la pro Chirithy, e convoca o pequeno.


Depois uma rápida apresentação. Sora nem da tempo do pequeno falar muito e apenas, convida ele pra ir embora. Apesar dele ter feito tal convite antes, dessa vez ele insiste tanto, que Chirithy acaba aceitando.


Assim, os 3 saem do Mundo do Céu e Mar, e vão pro mundo real, com Sora prometendo que ajudará Chirithy a achar seu antigo amigo.

Então, rola o final, o mesmo que acaba com corações na campanha principal, só que agora pior ainda, pois descobrimos que Sora e Kairi estavam em todos os locais mostrados.


Quando Mickey volta pro seu reino, Sora, Kairi e Chirithy tavam la vendo os fogos sem que ninguém percebesse.


Quando Ventus, Aqua e Terra sepultam o mestre Eraqus, são Sora e Kairi que estimulam Chirithy e sair de trás do muro e ir encontrar Ven, afinal ele era seu antigo amigo. (Ou seja, foi Sora quem o convenceu a voltar pro seu antigo "mestre").


Quanto Axel e os outros tavam tomando sorvete salgado na torre de Twilight Town, eles tavam lá, só que sentados numaparte ainda mais acima.


Quando Ansem e os outros tão terminando de ajustar o receptáculo de Naminé, são Sora e Kairi quem a despertam. Sora abre o coração de Kairi e liberta Naminé para o corpo novo. Eles estavam ali sem ninguém perceber.


E por fim, quando geral tá na praia das Ilhas do Destino curtindo, Sora tá com Kairi e, provavelmente é o momento que ele conta que vai desaparecer... o que ocorre logo em seguida. Por isso ela chora... por isso nós choramos.


E é isso.

Finais Extras

Os finais alternativos que aparecem depois disso são os mesmos da campanha principal, com o desfecho mostrando Xigbar encontrando os antigos mestres Keybladers da Era das Fadas, juntamente com a tão procurada e misteriosa Caixa Preta, enquanto Malévola e Bafo os observam... 


E o final maluco de Sora e Riku aparecendo numa cidade grande com Yozora os observando de longe.


E claro, aquela parte desse mesmo final em que o Mestre dos Mestres faz o símbolo de Coração na lua do mundo de Yozora... alias...


O Encontro de Xehanort e MoM

Deixei pra falar disso agora mas, antes da campanha Re-Mind começar pra valer, tem uma longa cutscene do Mestre dos Mestres se encontrando com o Jovem Xehanort, e uma do Xehanort explicando seus planos pros seus principais aliados.


Dessas cutscenes o mais importante a falar é da primeira, em que o Jovem Xehanort conversa com o misterioso encapuzado.


A conversa gira em torno da roupa que o jovem Xehanort tá usando. Ele ainda não começou a fazer as viagens temporais e muito menos começou a tentar invocar Kingdom Hearts, mas ele estava usando a roupa pois o Mestre passou ela pra ele.


Xehanort tinha recebido essa vestimenta para que explorasse o mundo sem se preocupar em ser afetado pelas sombras. A roupa escura com capuz tinha a capacidade de repelir escuridão, o que é revelado nesse diálogo.


Aparentemente, Mestre dos mestres entregou essa vestimenta pra Xehanort, e pediu pra que ele visse o mundo com seus próprios olhos, o que acabou despertando o desejo dele em refazer o mundo inteiro, por acreditar que a luz tava corrompida.


É impossível não perceber que este é o mesmo Mestre que incumbiu os personagens de Back Cover, os Antigos mestres (aqueles mesmos que Xigbar convocou). Os trejeitos dele são únicos, e ele se move bastante, gesticulando muito, e sendo estranhamente simpático de mais.


Xehanort até suspeita disso, e pergunta se ele é bom ou mal, e o que ele quer. A resposta dele? Simples: Eu sou o que você vê. Ainda é um baita mistério quem ou o que ele é. 


Inclusive, Xehanort pergunta o nome dele, e ele não nega falar. 


Ele revela, mas quando diz isso, a cena se distorce com luz, e Xehanort faz uma cara de surpresa.


Depois disso, ele fala que é um dos Mestres Perdidos, e se despede, com a famigerada frase "Que seu coração seja sua chave guia".


Xehanort aparentemente nunca mais o encontrou, pois logo em seguida é mostrado ele já idoso, se encontrando com a Nova Organização XIII, onde repassa os planos com Saix e Xigbar.


Nesse momento é revelado que Xehanort sabia da busca pela Caixa Preta por Xigbar, mas não se importa, nem Saix.


Não tem nada tão importante pra falar dessa longa reunião pois, ela basicamente repassa quem e o que cada um dos membros da organização é, e eu já falei disso no artigo principal.

Bem, agora, bora falar dos inimigos, e suas características mais importantes.

Inimigos

Algo que lamento ter menosprezado tanto no artigo original, foi a lista de Sem-Corações principalmente. Venho agora me redimir!

Sem-Corações

KH3 não trouxe tantos novos exemplares desse inimigo característico, mas ele manteve a lógica de seus antecessores, com alguns inimigos inéditos que representavam algo além de meros bichinhos malignos pra se espancar. Agora vou cita-los, e explicar suas respectivas origens (conforme eu entendi e interpretei)

Puros


Shadow, Neoshadow, Fluttering

Os puros já são bem conhecidos na franquia, sempre aparecendo como os primeiros combates e os mais "fracos". Apesar dessa vez ter alguns mais poderosos pela união (como é o caso da Shadow Wave, mas falarei depois dela), a maioria segue o mesmo padrão.


Eles são heartless gerados de corações extraídos, em sua forma mais pura e sombria. Eles ainda não foram adaptados ou transformados pelo ambiente, por isso apenas apresentam uma única cor escura, com a capacidade de entrar no solo pra se mover, através da própria sombra.

Alguns ficam tanto tempo sem receber influência e mudar pro modo "Emblem", que apenas crescem, esticam, e viram os Neoshadows ou até mesmo os chefões sombrios com um espaço vazio no peito. Quanto mais tempo uma pessoa permanece como um Shadow, mais ela cresce em escuridão ou, se mistura com as demais.


Assim como Sora virou um Shadow quando se transformou em Heartless, Kairi também vira um, porém ela rapidamente vai mudando, ganhando aspectos cada vez maiores, e tem o diferencial de ter a aura rosa que a destaca.

Outro detalhe é que, não é apenas o Shadow que evolui ainda na forma sombria. Um outro modelo, apresentado em KH2, aparece aqui um pouco mais dinâmico, e até mesmo com hábitos que refletem a forma que ele tomou, apesar de ainda ser um "Puro" de única cor. Os Morcegos, ou Fluttering, são Heartless voadores sem nada além das asas. São tão simples que parecem incompletos, porém eles aqui tem hábitos de morcegos mesmo, ficando pendurados em árvores repousando de cabeça pra baixo, e atacando em hordas, voando quando despertam.


Em teoria, os Heartless Voadores (que surgiriam do desejo de "voar", no sentido de ser livre e explorar) acabam recebendo essa forma antes de se influenciarem e virarem Heartless. Os que não passam pelo processo de virar um Flying Soldier da vida ou parecidos, acaba permanecendo e assume um papel de "morcego", se desenvolvendo nesse aspecto.

Humanoides (Emblem)


Soldier, High Soldier, Flying Soldier, Sátiro, Mecanitaur,  Parasol, Spear Lizard, Anchor Raider

Depois que um Shadow passa a ser influenciado pelo ambiente e se adapta, ele se converte em um Emblem, que são os Heartless coloridos com poderes variados. Cada um com sua forma, eles tendem a se assemelhar a algo que compartilhe a vontade do coração original deles, com algo que já existia na região em que surgem.


Os soldados e soldados equipados são aqueles que queriam ser guerreiros, ou tinham uma força de vontade grande. 

Os soldados voadores, tinham desejo de voar e dar apoio, fica até claro isso quando eles trabalham em equipe com outro tipo de heartless.
  

Os sátiros e mecanitauros são mais temáticos, mas também remetem ao poder de batalha. Como um de seus ataques principais é correr dando investidas, da a entender que são heartless de pessoas que gostavam de velocidade.


Parasol, a moça de vestido, é um caso bastante peculiar. Todas são femininas, e eu até achei que eram o primeiro exemplar de Heartless Femininos em KH, no entanto, vi que la em KH2 tinha um em Agrabah que voava, e usava magias, mas era obviamente um heartless feminino, lembrando odaliscas. Pois então... a teoria sobre esse heartless é justamente a Princesa do mundo.


Acontece que os dois mundos onde Parasol aparece são de Princesas, e pra variar, são de princesas que estiveram afastadas do povo por muito tempo (Rapunzel, Elza e Anna). É possível que mulheres e crianças desse mundo tenham desejado se tornar essas princesas, e quando transformados em Heartless, assumiram a forma feminina e culta em questão.


Isso é reforçado pela existência da heartless de Agrabah em KH2, pois la a princesa também era reclusa (Jasmine) e o povo não a conhecia totalmente. O desejo de conhecer a princesa, ser como ela e até mesmo o sonho de talvez ser a própria, fez dessas moças esse tipo de Heartless.

Tem um heartless que lembra muito os vistos nos mundos aquáticos de Ariel, mas que aqui só aparece em terra firme, no mundo de Piratas do Caribe. Imagino que sejam originados de pescadores, pois boa parte desse mundo agora é visto pelo lado marítimo, e não pelo lado "pirata".


Tem um que é refletido em piratas, e voa tecnicamente. Eles que controlam os navios que surgem no meio do mar atacando Sora, e as vezes podem ser confrontados diretamente, mas as vezes afundam com os navios como bons comandantes. 


Na lógica, são heartless de marinheiros e piratas.


Defensores


High Body, Helmed Body, Rock Troll e Metal Troll

Esses são os defensivos, presentes em todos os jogos, e nunca mudam. Apesar de que agora o Gordão ganhou uma versão ainda mais protegida, com um capacete, não tem mais aquelas versões tematizadas como as de Agrabah.


São geralmente pessoas que tinham um forte desejo defensivo e, converteram-se em criaturas robustas com características focadas em defesa, após o período de desenvolvimento heartless.

Ao que parece, quanto mais tempo eles existem nessa forma, mais partes defensivas recebem, por isso que surgiu o Helmed Body.

Os Troll também seguem esse mesmo padrão, porém eles são mais bestiais e também carregam armas pesadas e grandes. Ambos são parecidíssimos, mudando apenas por causa do ambiente onde são encontrados, e também aparecem como chefes no primeiro encontro, mas são heartless "comuns", apesar de poderosos.


Eles podem entrar em frenesi, mudando as armas e ficando bem mais defensivos ou ofensivos dependendo do momento.


Magos


Vermilion Samba, Marine Rumba, Gold Beat, Malachite Bolero

Sempre tiveram os maguinhos, com nomes baseados em estilos musicais. Porém dessa vez eles aparecem ainda mais evoluídos.


Todos tem auras de magias com seus elementos flutuando e se formando em torno deles quando iniciam suas magias. Seus elementos são: Fogo, Água, Raio e Vento, na ordem da imagem.


A origem deles não mudou, são provavelmente pessoas com inclinação arcana que viraram heartless.

Híbridos


Popcat, Marionete, Pogo Shovel, Chieff Puff, Puffball, Chaos Carriage, Frost Serpent, Vaporfly, Canhão e Tireblade.

A lista de híbridos leva todos aqueles que tem formas meio misturadas. Geralmente são Heartless que não tem uma única base de origem e apenas, se convertem num misto de características coloridas.

O primeiro a mencionar é o Popcat, que é quase uma evolução dos Potes Aranhas que apareciam nos jogos anteriores, mas que agora também tem um ser vivo combinado com o pote (logo, não são apenas o objeto se movendo). Eles são visualmente um Gato, dentro de um Pote, que se esconde e só ataca quando Sora tenta quebra-lo.



Normalmente tem vários juntos, e eles são inimigos pequenos, cada um dando algum item ao ser destruído. Bem, a primeira coisa que lembrei ao vê-los foi da corriqueira dúvida sobre "O que há na caixa preta", e isso me fez pensar no "Gato de Schrödinger", algo que inclusive combinou com a ideia dele. Provavelmente, esses felinos Heartless em potes são a personificação do desejo de esconder algo, e da dúvida do que foi escondido. 


Seriam pessoas que queriam muito manter algo em segredo, por exemplo, e ressurgiram como esses heartless. Porém, também podem ser uma simples referência ao mistério da caixa.

Outro heartless hibrido que se enquadra nesse "duplo significado" é o tipo Marionete. Não é totalmente inédito o surgimento de um heartless capaz de manipular seres inanimados, sem distorce-los totalmente ou se fundir completamente a eles (transformando-os em corpos), mas é a primeira vez que um aparece em grandes quantidades.


Antes, tinham alguns heartless sombras sem uma forma própria, no mundo de Fera em KH2, que possuíam estátuas inanimadas, fazendo com que elas virassem heartless temporários (mas sem de fato serem heartless). Essa versão, Marionete, é como se eles tivessem evoluído, assumindo uma forma própria dessa vez, mas ainda dedicados ao controle de outros corpos.


Eles são como a vontade de assumir o papel de outro, personificada em uma forma de brinquedo (pelo mundo em que aparecem). Esses Heartless são usados pelo Jovem Xehanort pra tomar controle de brinquedos inanimados no mundo de Toy Story, e até mesmo usa um deles pra possuir Buzz Lightyear em uma parte da história.

Isso significa que eles podem possuir pessoas também, desde que tenham o coração previamente enfraquecido com escuridão, que é o que ocorre com o Buzz. Talvez esses heartless sejam a representação do mal possuindo o bem, e o controlando, com as trevas cobrindo a luz. É justamente isso que os vilões de KH mais desejam.

O Pogo Shovel é um hibrido ao estilo clássico de KH2, sendo apenas uma mistura estranha de elementos. De início até parece que ele se fundiu a pás e tomou essa forma, mas parte dele também remete a trabalhadores. Na lógica, são Sem-Corações nascidos de pessoas focadas no trabalho. A primeira aparição deles é em Monstros S.A., mas tem alguns no meio da rua de Big Hero 6, então a relação com "trabalho" (visto que ambos se passam em meios empresariais e urbados) é a explicação mais óbvia.


O sem-coração que parece uma planta é o primeiro que eu notei que se multiplica. Na verdade um de seus ataques é soltar sementes, que por sua vez são cada uma um heartless. Eles são hibridos com plantas do tipo Dente-de-Leão, mas o que simbolizam não sei dizer. Talvez sejam resultantes da ideia de proliferação e reprodução, presente no coração das pessoas que os originaram.


A Carruagem é de início um heartless hibrido chefe, que depois vira um inimigo comum. Aliás ele é formado por vários heartless em conjunto, cada um cuidando de uma parte do corpo. Essa combinação pra dar mobilidade e força, provavelmente é a personificação do desejo de trabalho em equipe daqueles que o originaram, ou apenas a negação ao desapego com entes e seres queridos que também se converteram.


Difícil é imaginar de onde saiu o Dragão de Gelo Voador que quando morre vira um dragão de ossos subterrâneo. Um ser que surge somente no mundo de Frozen, foi tecnicamente criado por Larxene (uma incorpórea) e enviado numa avalanche contra os heróis. Porém, um incorpóreo não tem o poder de criar Sem-Corações do nada, então o que exatamente seria esse dragão?


Ele até aparece como inimigo comum, mas apenas em uma região específica e em pares. É de certa forma raro após o combate com três ao mesmo tempo (quase uma luta de chefe) que acontece depois da Avalanche na qual esses mesmos três dragões perseguem Sora e seus amigos montanha abaixo.


Bem, à primeira vista ele realmente parece um dragão, no entanto, esse heartless é formado por puro gelo acumulado. Suas asas são Vitrais, a cauda é um Lustre, e o corpo são Colunas sobrepostas que parecem uma coluna vertebral mesmo. Tudo isso feito de gelo.


Esse heartless parece ter se aproveitado da construção de um castelo de gelo, por Larxene, pra tomar forma, assim possuindo o gelo em si, que em sua transformação virou esse tipo de dragão. Quando ele perde as asas e cauda, ele vira apenas um esqueleto de gelo, que na verdade são Colunas de gelo sozinhas, com gelo pontiagudo se formando nas partes perdidas. Também pode ter ocorrido apenas de, durante o processo de construção de Larxene, heartless Sombras terem sido remodelados à força sem querer, virando parte do castelo em si, e depois se soltando como esses dragões no meio da avalanche.

Tem um sem-coração também voador mas, ainda mais especial. Ele surge inicialmente como um inimigo e aliado forçado, numa batalha contra chefe no mundo de Piratas do Caribe. É inclusive curioso que os dois chefes Hearltess que aparecem abruptamente no mundo de Piratas do Caribe, se parecem versões evoluídas de dois tipos de heartless que só aparecem nesse mundo, mas depois falo melhor disso.


Esses são heartless voadores, seguindo o padrão de criação desse tipo, provavelmente são originários de exploradores e desbravadores transformados, não necessariamente alguém que queria "voar", mas alguém que queria conhecer o mundo explorando livremente, e virou um heartless antes disso. Isso corrobora com o fato deles demarcarem o local por onde passam (assim como exploradores fazem pra marcar descobertas), soltando fumaça colorida.

No mundo de Toy Story e no mundo de Big Hero 6, aparecem os Pole Cannons, que são basicamente canhões de segurança. Talvez sejam sem-corações de porteiros e seguranças (sem brincadeira viu). Pessoas que viviam para resguardar locais, e acabaram reforçando esse hábito ao virarem heartless.


Tireblades são sem corações pequenos, mas que parecem pequenos carrinhos de três rodas. Eles podem se transformar durante a batalha, virando aviõezinhos e voando de um canto pro outro rapidamente. Nesse caso, esses heartless só aparecem no mundo de Big Hero 6, e pra mim, são motoristas apegados aos seus veículos, que depois de se converterem em Shadows buscaram uma forma que alimentasse a vontade de dirigir/pilotar. A forma voadora reflete o sentimento de fuga que eles tinham, provavelmente no momento em que foram transformados em heartless.


Só pra constar, é em Big Hero 6 que é enfatizado que pessoas comuns estavam virando Heartless. Mesmo que não pareça, afinal KH não costuma mostrar esse lado, todo Heartless é derivado de uma pessoa "morta" recentemente... ou seja, por mais estranho que possa parecer, essas origens são bem lógicas.

Animais


Powerwild, Winterhorn, Sea Sprite

Não há muitos animais que viraram heartless, pelo menos não que fique tão evidente. Talvez boa parte dos animais que acabam passando por esse processo não abandonam a forma Shadow, ou apenas viram os Bats mesmo, e aqueles que se acostumam se desenvolvem nessa nova forma.

Porém, aqui surgem os Macacos, que já tinham aparecido antes, no mundo de Tarzan em KH1. A questão é que dessa vez eles só aparecem na forma masculina. Antes, tinham femininos também (sendo outro modelo de Heartless feminino aliás), e no mundo de Piratas da Caribe, nas muitas ilhas pelo jogo. Teoricamente, são heartless dos macacos e animais dessas ilhas.


Winderhorn já é um que só aparece no mundo de Frozen, e provavelmente é o heartless formado depois das Renas (assim como o Sven) terem perdido seus corações. Elas até retornam pra forma de renas, mas sob o processo de transformação Heartless.


Sea Sprite são peixes que mudam de cor dependendo do elemento que carregam. Elas são provavelmente os animais aquáticos de Piratas do Caribe transformados... simples assim. Se notar bem, elas são bastante simplificadas e até meio transparentes. Pode ser que sejam justamente as Águas-Vivas que Sora encontra aos montes, depois de "mortas" e convertidas em Sem-Corações.


Elementais


Flame Core, Water Core, Earth Core e Earth Core Torre

Agora, tem uns modelos inéditos de Heartless, começando pelos elementais. Eles são formados a partir de elementos naturais, apenas isso.

Inclusive, são basicamente Heartless Puros, mas que tomaram uma forma dedicada a algum elemento natural, assim virando mais elemento do que heartless, tanto que a presença deles influencia os ambientes ao redor.

Tem 3 tipos, mas um deles vem em duas versões. O de Fogo causa incêndio onde aparece.


O de Água causa ondas e deixa torrentes mais violentas caso tenha algum riacho ou água perto deles.


Já os de Terra, podem aparecer numa forma solidificada, ou arenosa. A sólida é extremamente defensiva (poderia até ser um defensor) recebendo danos apenas pela parte da frente, onde fica o rosto.


A arenosa se forma em locais com muita areia, como Praias (tem muito em Piratas do Caribe, mas a primeira aparece no mundo de Hércules) e cria uma torre com a areia em torno de si, ficando alta pra caramba.


Todos esses Sem-Coração podem ser apenas Shadows que, sem vontade alguma, se uniram ao elemento mais próximo, fazendo assim do elemento em questão sua vontade pra existir.

Atiradores


Bizarre Archer, Toy Trooper

Outro modelo "inédito" é o de atiradores. Digo entre aspas pois em Kingdom Hearts Union Cross já é bem comum achar esse tipo, mas, eles nunca deram as caras nos jogos das plataformas de mesa, pelo menos não até agora.


Os atiradores, como o nome sugere, são aqueles que usam alguma arma de disparos. Ta certo que tem muito sem-coração que atira naturalmente, mas que seja no formato humanoide e ande equipado com armas assim, esses são os únicos.


Bizarre Archer aparece mais no mundo de Hércules, enquanto Toy Trooper é originário do mundo dos brinquedos em Toy Story. São provavelmente pessoas boas de mira que perderam seus corações. 

7 Flans


Esse é um equivalente aos Cogumelos que apareceram de forma especial nos KH1 e 2. Enquanto no 1 eles tinham cores diferentes e eram pacíficos, no 2 eles viraram praticamente membros de uma organização XIII só de cogumelos. Agora, eles surgem como pudins.

São apenas 7 Flans, cada um levando uma fruta diferente na cabeça, e com um desafio próprio. Eis eles:

Laranja

O Flan da Laranja aparece no mundo de Enrolados (Rapunzel), e o desafio dele consiste em tirar fotos. Sora tem um limite de 7 fotos, e elas podem ser Ruins, Boas ou Excelentes, tudo depende da pose dos flans quando o flash ocorre.


Tem alguns bem fáceis de capturar, mas outros como os minúsculos, ou os de movimentação única (como os que viram um bolo) que acabam sendo mais difíceis de ver ou perceber.


Não há uma dica de quantos pontos irão "zerar" o jogo, mas a reação do Flan depois que o desafio acaba define se você foi bem ou não, e se vai receber prêmios. Ele pode ficar desapontado, feliz, ou muito alegre e até pulando. 


Aliás, cada desafio tem uma pontuação mínima pra vence-lo de vez, sendo 20 a 30 mil pontos normalmente.

Melão

Esse flan fica no mundo de Big Hero 6, e seu desafio é simplesmente pular em cima de vários dele que surgem.


Sora salta automaticamente ao cair na cabeça de um deles, mas só pode pular 1 vez em cada um, pois eles abrem a boca e podem engoli-lo, falhando com o desafio. O objetivo é ficar pulando e pegando pontos.

As vezes, uns começam a brilhar, e pular neles leva Sora pra outro prédio pra continuar pulando, com nivelamentos diferentes. É complicado em alguns prédios pois Sora vai tão alto, que quando cai entra na ação de "Queda Livre", e dificulta reposiciona-lo pra não errar o Flan. Mas é um desafio simples até.

Uva

O de Uva aparece no mundo de Frozen, e é um desafio do tipo combate. Sora precisa destruir o máximo de Flans no tempo limite.


É uma batalha, mas eles não são letais nem difíceis. os Flans de Uva usam magias roxas que deixam o chão escorregadio (pro Sora poder deslizar, o ajudando) e aparecem por momentos breves, e aos montes.

Sora só tem que ser bem rápido pra alcança-los e destruí-los, pois não são fortes.

Cereja

Esse é chatinho, pois a mecânica dele é ruim. Consiste num desafio de escorregar no Escudo do Pateta, no mundo do Hércules.


Sora e seus amigos ficam no escudo e saem deslizando, tendo de encostar em Flans no meio do caminho. Também é preciso pegar velocidade, além de direcionar o escudo, pra não bater e parar de se mover.

Caso isso ocorra, o desafio acaba. O chato é que é bem difícil de direcionar o escudo, ainda mais quando ele passa por becos e trajetos estreitos, com desvios bruscos. Há setas especiais no chão que aceleram e redirecionam Sora, mas até isso as vezes não ajuda muito, dando velocidade de mais em momentos que já são difíceis de guiar. 

Sora não tem nenhuma ação além de direcionar, nessa parte. Nem mesmo pular ele pode, sendo que pra saltar, é preciso acelerar em barrancos ou cair de telhados.


Porém, acertando um número legal de Flans, o desafio é finalizado.

Morango

Este fica no mundo de Toy Story e é bem interessante e dinâmico.

Seu desafio é sair girando (numa Taça de Parque de Diversões, do especial de Sora mesmo) e encostando em Flans espalhados pelo mapa. Cada Flan pego, fica em cima da taça e vai se empilhando, formando uma torre.


Quanto maior ela ficar, mais pontos Sora recebe. Pra atrapalhar, tem Flans em cima de Morangos gigantes que entram no caminho, e derrubam alguns flans da torre se a tocarem. Porém, não se perde pontos com isso.

A altura da Torre que define os pontos, então mesmo se eles caem, só é preciso empilhar de novo. Mas, ela só contabiliza novos marcos quando alcança uma altura maior que a torre anterior. 


Tem flans pequenos, médios, e uns voadores, e quanto maior a torre fica, mais pro centro do mapa Sora tem de ir, se não ela não cresce, e é no Centro que tem mais Flans pra atrapalhar. 

Banana

O Flan da Banana fica no mundo de Monstros S.A., e seu desafio também é combate, só que diferente um pouco.


Nele, é preciso derrotar os flans pequenos (que morrem com um golpe) ao mesmo tempo que se escapa do Flan gigante. Só isso.

O mapa é estreito, mas repleto de Flans pequenos, que se renovam rapidamente. Mas, o grandão se move rápido, e suas investidas ficam cada vez mais constantes ao longo do tempo. 

Existe um tempo limite, e é preciso encerra-lo pra concluir o joguinho. Caso Sora seja engolido, ele perde.

Melancia

O da melancia fica no mundo de Piratas do Caribe, e é bem simples de vencer.

A câmera fica fixa no topo do cenário e é preciso atirar com canhões em até 4 linhas diferentes, pra acertar os flans voadores, antes deles chegarem nos canhões.


Cada canhão pode ser ativado com um golpe de Sora, e tem um sino no centro que se recarrega com o tempo e se acionado, atira os 4 canhões ao mesmo tempo, várias vezes, limpando mais facilmente as filas de Flans.

As vezes aparece um flan grande que vale mais pontos, mas se move na horizontal. Se ele é acertado ele também explode em área, acertando os demais que estiverem próximos dele, e fica mais fácil atingi-lo usando os múltiplos canhões ao mesmo tempo.


Algo que notei, é que se usar magia de Trovão (que é em área) os canhões se ativam ao mesmo tempo também, independente do Sino estar ativo ou não.

Bem, vencer os 7 Flans de Frutas não é tão difícil, mas além de dar frutas (pra cozinhar) e até Habilidades (eles liberam isso na grade de habilidades de Sora, alguns), caso todos os 7 sejam desafiados e vencidos com a pontuação máxima (se saltarem de alegria), Sora recebe um "Orichalcum +".


Esse item é raríssimo, e só tem 7 no jogo, servindo apenas pra uma coisa: Ultima Blade, a melhor Keyblade... mas depois falo disso.

Unverseds


Inundar, Flowersnake, Spiked Turtletoad, Turtletoad

Apenas pra mencionar mesmo, os Unverseds que surgem são apenas 4, e aparecem no mundo de Monstros S.A. por causa da presença de Vanitas (ele quem os cria).


O mais simples sempre apareceu junto com ele, mas os outros 3 são novos (sendo um na verdade o mesmo, só que maior).

Tem um que é um chefe, feito de escuridão misturado com tecnologia do mundo dos monstros. É apenas um Unversed mais forte.


Eles não são a mesma coisa que Sem-Corações, pois são gerados por energia negativa, processada por Vanitas. Ele se baseia em meras emoções pra dar vida a essas criaturas, razão inclusive pela qual ele ta no mundo de monstros S.A. (tentando coletar medo, e também outras emoções negativas, pra aumentar seu exército).

Incorpóreos

Ninja e Reaper


Também apenas pra mencionar mesmo, dentre os incorpóreos que surgem dois são originais, e refletem as personalidades de Larxene e Marluxia, respectivamente.

No artigo de KH2 cheguei a dizer que um incorpóreo feminino que aparece poderia ser de Larxene, no entanto de fato ele não era, pois o que ela treinou é o Ninja.

Heartless Chefes

Apesar de eu ter falado dos chefes todos no artigo principal, é interessante citar alguns específicos que, tecnicamente, são Heartless. Não irei falar da batalha em si, mas do que eles significariam, seguindo o padrão "Heartless".

Demon Wave

Quando muitos Sem-Corações Puros se unem, viram algo ainda mais poderoso.


Ao invés de se fundirem e virarem um tipo de "Sem-Coração Gigante", eles apenas viram um aglomerado que se move como uma onda giratória, poderosa e maligna, capaz de consumir tudo o que toca, e coletar mais corações pra aumentar seu tamanho.


Esse aglomerado de sem-corações surge como chefe em vários momentos da campanha principal.

Dragon Gigas, Ovni e Boneca Heartless

Eles não são Sem-Corações, na verdade são apenas brinquedos sem alma que foram controlados pelo Marionete. 


Apesar de marcantes, eles são apenas cascas vazias, que provavelmente espelham seres reais do mundo de Toy Story verdadeiro (la, os brinquedos tem vida). 

King of Toys

Por outro lado, esse é um Heartless gigante que se forma nesse mundo falso. De quem ele é gerado não da pra saber, mas ele tem uma forma "Amorfa", pois junta vários brinquedos diferentes em seu corpo (se assemelhando mais com uma nave alienígena). 


Quem o invoca é o Jovem Xehanort, depois de tentar controlar a mente de Buzz usando um Marionete, mas, não tem nenhum personagem inimigo ou vilão na história (pois toda a aventura de Sora e os outros nesse mundo é só um passeio por um shooping), logo, de quem esse Sem-Coração foi extraído nesse mundo é um baita de um mistério. 

Grim Guardianess

No caso de Enrolados (Rapunzel), o heartless chefe que surge nasce do coração maligno da mãe adotiva de Rapunzel. Isso fica bem claro quando Marluxia o extrai. Aliás, tecnicamente Incorpóreos (como Marluxia) não podem criar e controlar Sem-Corações como bem entendem, no entanto eles podem deixar o coração da vítima maligno o bastante pra que, quando ela pereça, se converta num heartless forte. É como ele manipula Gothel pra virar essa coisa.


Ela se transforma numa árvore, e é isso. Não vejo muito significado na sua aparência final... pelo menos não que eu consiga interpretar. Se bem que, quando ela usa o especial, notei que o que antes achei serem "corvos", na verdade são pardais ou canários.


Além disso, os especiais dela que prendem são como jaulas invocadas em torno dela. Ou seja, seria como a personificação do desejo de manter Rapunzel presa pra tirar proveito dela. 


Aliás, eu não me surpreenderia se sua aparência lembrasse "erva-de-passarinho", pois tudo aponta pra ela ser um tipo de parasita.

Ice Wolf

Isso muda no Sem-Coração de Hanz, que Larxene extrai no mundo de Frozen.


A aparência de Lobo, apesar de referenciar o fato de Hanz ser um "Lobo em pele de cordeiro" na história, onde se passa por pretendente de Anna mas na verdade queria apenas o poder e reinado dela pra si, ele pode ter outro significado, ao menos pra mim pareceu.


Existe um livro de Frozen chamado "Frozen 2 - A Floresta Sombria", que uma amiga leu pra mim. Ele é complementar pro universo de Frozen, e pode ser que tenham usado o inimigo dele como inspiração pra esse Heartless. No livro, um monstro em forma de lobo Fantasma aparece, chamado "Nattmara", que é derivado de um sonho/pesadelo de Anna no fim das contas.

Raging Vulture

Esse é um chefe enfrentado nos céus de Piratas do Caribe, e é um Heartless grande da categoria líder, no entanto também não da pra saber de quem ele é extraído.


Curiosamente, em seu mundo tem 2 Heartless Chefes, e também tem 2 membros da Organização XIII recém transformados em incorpóreos perambulando (Luxord e Vexen). Eu não me atreveria a dizer que estes são os novos Sem-Coração que eles formaram quando voltaram a ser Incorpóreos, mas é bem suspeito essa coincidência. 


Também da pra se considerar que dois personagens foram removidos da trama para que Sora e seus amigos fossem incluídos (Ragetti e Pintel).

Lightning Angler

O peixe gigante, que aparece protegendo um baú que Sora tenta pegar por pura curiosidade, é o outro chefe desse mundo.


Ele é um chefe submarino, enquanto o outro é voador, são opostos completamente, e sim, lembram um pouco Ragetti e Pintel. Talvez sejam deles... talvez não... vai saber.


Os Sem-Corações Chefes não costumam ser formados apenas pela vontade e desejo da pessoa de quem surgiram, mas também e principalmente pela quantidade de maldade e escuridão presente em tais corações. Não imagino que esses dois eram tão perversos assim originalmente, mas na história de Piratas do Caribe, mesmo sendo alívios cômicos posteriormente, eles eram piratas vilões malignos no primeiro filme, e talvez nunca tenham mudado por conta da influência de Sora.

Darkubes

Seria forçar a barra tentar apontar um dono pra esse Heartless, que eu mesmo nem sei se é do tipo Puro, Emblem, Artificial ou Elemental.


Esses cubos nanoteclógicos imitam o trabalho de Hiro no filme original de Big Hero 6, mas são criação da organização, no caso do Dark Riku (que por si só é uma cópia). O objetivo desse vilão no mundo de Big Hero era descobrir se era possível criar um Coração Artificial, assim como Hiro fez com o chip de Baymax.


Não é a primeira vez que algo assim é feito, e em Kingdom Hearts 1, o doutor maluco do "Estranho Mundo de Jack" fez um heartless artificial, se inspirando nos Heartless. Logo, é provável que Dark Riku tenha usado as tecnologias nano de Hiro, perdidas na outra dimensão, pra tentar replicar um Sem-Coração, que gerou isso.


Porém, como sai um coração desse heartless quando ele é derrotado, pode-se dizer que, ou Dark Riku foi bem sucedido, ou ele usou um sem-coração menor pra dar vida a este, e manipula-lo.

Catastrochorus

Esse é outro chefe heartless que surge no mundo de Big Hero 6, mas ele também não tem uma origem clara.


É um dinossauro com um canhão de lava nas costas (que imita um vulcão) e uma calda onde a cabeça do Heartless se esconde. Não tem como saber quem o gerou, pois tecnicamente não há vilões nesse mundo também, não mais. A história se passa depois dos eventos do filme original, e duvido que Dark Riku tenha transformado o vilão do filme nessa criatura.


Ou seja, é mais um heartless de categoria chefe sem origem conhecida.

Lich

Esse é um Puro que simplesmente é... assustador.


Lich é um heartless obcecado pela coleta de corações, e almas. Ele o faz, mas não para si. Diferente dos Sem-Corações que costumam coletar corações pela vontade de voltar a existir como pessoa, o que cria uma bola de neve e só gera mais e mais sem-corações, o Lich sequestra corações e almas, mas sem consumi-los.


Talvez fosse por estar seguindo ordens da organização, ou apenas por um hábito estranho, esse Heartless pode se mover no mundo dos sonhos e levar almas e corações junto de si, sem consumi-las. Além disso, ele tem controle por outros sem-Corações, podendo invoca-los quando desejar.


O mais assustador dele é que ele é do tipo Puro, ou seja, existe a tempo o bastante pra ter evoluído pra essa forma sem jamais ter se vinculado a algo do mundo material. É um verdadeiro fantasma Hearltess.

E bem, estes são todos os Sem-Corações que eu precisava falar, e não falei no artigo principal.

Espero que não tenha me alongado muito, mas acho bom deixar isso registrado pra futuras consultas. Vai que preciso né.

Heartless Puro Evoluído de Ven

Em Re-Mind o único Heartless totalmente original é o que aparece dentro do coração de Ventus, mas como eu disse, ele é como uma projeção dos males que o próprio Ventus criou.


Heartless Puro Grande de Kairi

Também tem o Heartless rosa de Kairi em sua forma Grande, mas ele apenas é assim por causa do coração puríssimo de Kairi... aliás, falando nisso...


Heartless Puro Grande Transparente

No começo da campanha principal mesmo, aparece um Heartless chefe branco, meio transparente, contra o qual Sora luta no modo Tutorial.


Esse tipo de combate sempre costuma acontecer no começo dos KH, porém é a primeira vez que um heartless transparente aparece, e pra variar, no mundo do Céu e Mar, o Mundo Final.

Nesse caso, o tutorial se passa no que seria a representação do interior de Sora, seu coração mesmo, tanto que começa em cima do círculo coma a imagem dele (e isso simboliza o coração da pessoa), cercado pelas memórias flutuantes dele, antes de virar o Mundo Final.


Bem, pensando assim, imagino que o Heartless Transparente seja justamente o mal interior de Sora, em sua forma heartless, desaparecendo, não por Sora estar perdendo seu lado sombrio, mas sim por ele estar sumindo.

Seria o prelúdio do fim, já no começo. Sora já tava desaparecendo aos poucos no começo da história, e não notou.

Keyblades

Sem me alongar muito, vou falar das Keyblades que faltaram no jogo principal! Dessa vez eu tive de pegar todas (pokémon!).

Keyblade do Mundo de Jogos Clássicos


A primeira que peguei das especiais foi a que se recebe dos Jogos Clássicos. Esse mundo, composto por 19 minigames do Mickey com o Sora, acabou por ser totalmente menosprezado por mim no artigo principal.

Acreditei veemente que era apenas uma jogada de marketing com o jogo de celular, mas nunca se sabe quando algo do tipo pode ter importância no mundo de KH. Até poderia relacionar os 19 joguinhos mas, são todos simples de mais e o único destaque que tem é de que, Mickey e Sora trabalham juntos em todos eles.


Bem, o que importa é a arma que se ganha ao concluir todos (E nem precisa vencer eles, é só jogar). Aliás, a parte difícil não nem é vencer os jogos, mas encontra-los, pois cada um dos 19 minigames está em algum baú pelos mundos que Sora visita, tirando aqueles que se ganha de graça em Twilight Town, só de falar num mural (onde Sora escaneia os jogos com o Gummifone).

Essa Keyblade lembra muito o Martelo e Foguete de Toy Story, e até faz sentido usar ela como modelo visto que também é um "brinquedo", mas ela tem uma função diferente que é muito mais interessante.


Tanto na forma Corneta (que é o martelo) quanto na Furadeira (que é o foguete) ela tem as mesmas funções, com combos de ataque explosivo e, com esquiva que entra na terra.


Porém, ela se destaca por ter muito mais força, e por ter um especial de Mira único, capaz de manipular o tempo.


Ela trava o tempo por alguns segundos, e cria uma animação em Preto e Branco, invocando várias telas antigas ao redor do inimigo e causando dano com a investida de Sora.


Esse tiro de investida é também parecido com o que a Keyblade de Toy Story faz, mas com essa o efeito é ainda mais gritante, e o tempo parado é maior.

Keyblade da Cozinha de Ratatouille


Outra Keyblade que se obtém ao completar algo especial que eu simplesmente não fiz originalmente, é a da Cozinha.


Pra pegar, só é necessário fazer ao menos 1 prato de todos que existem no cardápio da Cozinha de Ratatouille. Não é difícil preparar, mas é difícil achar todos os ingredientes, principalmente os que os Flans dão (frutas) e os que só da pra pegar no mundo do Ursinho Pooh (Legumes, Mel e mais frutas).


A Keyblade da Cozinha é basicamente uma remodelagem da Keyblade do Escudo (aquela que pega no mundo de Hércules). Ela tem exatamente a mesma função, virando um Escudo de Frigideira quando Sora consegue se transformar.


O diferencial no entanto é que, além dela ser do elemento Fogo (a de Hércules é elétrica) ela é muito mais forte, e pra variar, ela permite andar enquanto estiver defendendo (isso é bem útil).


Também tem a função de defesa contínua, e contra-ataque de socos (nesse caso ela desfere golpes de fogo).


Além disso, ela tem um ataque bem legal que invoca um monte de frutas e fatia elas, levando junto os inimigos que estiverem perto.


O especial dela não é tão grande quanto o do Escudo do Hércules, e tudo que faz é flambar o mapa rapidamente (não vira um cavalinho que fica 3 horas voando tacando raios).

Ultima Blade (Arma Artema)


E ai vem a senhora Keyblade toda poderosa que eu me matei pra conseguir.


Já vou falar exatamente como a peguei, mas o que importa é o que ela faz:


Essa Keyblade pode invocar várias Keyblades! Ela faz Sora voar continuamente, e pra variar, tem um poder mágico e físico absurdo.


Seu especial de Mira tem uma mira única, que causa um dano enorme (apesar de demorar pra focar), e ela própria tem muitos combos poderosíssimos.

A defesa dela não é contínua, mas é maior que as demais, e usa várias Keyblades em torno de Sora.

De resto, é isso. Ela só é bem poderosa mesmo, e quando peguei ela consegui vencer o chefe mais poderoso rapidinho (falarei disso depois)... pena que ela é demorada pra um caramba de se obter...


Um dos pré-requisitos são os 7 "Orichalcum +" do jogo... conseguir alguns é fácil, mas outros é bem demorado... Irei relata-los resumidamente a seguir:

Desafio Flans

O primeiro como eu já adiantei é a recompensa definitiva ao vencer todos os Flans. Leva tempo.

Baú em Piratas do Caribe

Um dos mais fáceis de pegar é o que fica submerso em Piratas do Caribe. Por mais que esse mundo seja gigante, o Orichalcum + ta justamente no caminho que Sora faz no comecinho da campanha, antes mesmo de lutar contra o chefe Peixe. Só é preciso explorar com atenção os túneis submersos.

Baú no Mundo Final


Esse é ainda mais fácil, e fica bem na entrada do Mundo Final, mas Sora precisa voltar pra esse mundo pelo portal que fica no Cemitério de Keyblades. É simples, e ele nem fica escondido.

Desafio Frozen

As coisas começam a demorar nesse desafio. No mundo de Frozen, Elza passa a empurrar Sora montanha abaixo com Pateta e Donald no escudo, como um minigame. Não tem nada tão desafiador, sendo preciso apenas deslizar por vários caminhos ao longo da montanha, pegando pontos com os itens no meio da descida.


Porém, pra pegar o Orichalcum +, é necessário encontrar os 10 ícones numerados que ficam escondidos pela montanha. Fazer isso, enquanto desliza em velocidade máxima, sem saber onde eles ficam ou como chegar neles, leva um baita tempo. Mesmo usando um guia pra saber a localização deles, é difícil, pois alguns precisam de bastante precisão nos controles pra serem alcançados, e tudo sempre parece bem igual.

O bom é que sempre que se pega um símbolo, ele fica demarcado na lista, sendo preciso apenas tentar várias vezes a descida até pegar todos.

Ticket Moogle

Esse é uma loteria. É tão aleatório que vale mais usar truques pra conseguir do que, tentar na marra.


A cada compra que se faz na loja Moogle (de 2 a 5 itens seguidos, independente do valor), pode ser que o Moogle vendedor presenteie Sora com um Ticket. Ao depositar esse ticket na Caixa de Correios que fica em Twilight Town (do lado do vendedor Moogle de la), pode ser que o jogador ganhe um Orichalcum +, ou algum outro item aleatório.

Só pode sair um Orichalcum + apenas, e as chances são aleatórias. Mas, da pra "trapacear" nisso, usando o truque do salvamento.

O que fiz foi pegar uns 3 ou 4 tickets, e salvar. Em seguida fui na Caixa de Correios e os troquei. Quando não veio o Orichalcum +, eu sai do jogo e carreguei meu save, com os tickets ainda no inventário, e tentei de novo, até ele vir. Funcionou na segunda tentativa.

Fotos do Mickey


Lembro-me que na primeira vez que joguei fiquei horas procurando os símbolos do Mickey pelos mapas (sem usar guia) pra conseguir o final secreto do Yozora. Tinha que fotografar uns 50 se não me engano.

Pois bem, agora pra pegar o Orichalcum +, é preciso fotografar ao menos 80, dos 90 emblemas da sorte do Mickey.


Achar isso tudo na marra é possível, mas demora. Então peguei um guia e fui fotografando. Me senti um turista hehe.

Esses símbolos ficam escondidos pelos mapas, uns estando bem fáceis de perceber, e outros muito bem escondidos. Demora muito pra encontrar mesmo com guia, pois é preciso viajar por todos os mapas, mas uma hora eu consegui.

Nave Gummi

Okay, essa é simples e não é ao mesmo tempo. Esse Orichalcum + é conquistado ao se derrotar um Chefe Secreto no Subspace, o mundo espacial de KH.

Eu nunca escondi como eu odeio viajar de nave Gummi, e é uma das coisas mais chatas de todos os Kingdom Hearts, por isso eu sempre evito essa parte do jogo.


Tanto o esquema de montar sua própria nave, quanto os desafios no espaço, quanto coleta de materiais, enfim, eu nunca fui de jogar nada disso. Mas dessa vez eu fiz praticamente TUDO!

A razão é a seguinte: Esse Orichalcum + é pego depois de enfrentar um chefe que pra ser liberado, precisa que o jogador derrote 5 hordas de inimigos em cinco partes diferentes de um mesmo ponto no espaço. Fazendo isso ele surge no centro desse local.

Legal, isso é bacana. O tenso é que desses 5 desafios, 3 são chefes, e são poderosos.

Durante meu primeiro gameplay eu nem cheguei a usar outra nave Gummi além da de fábrica, e dessa vez usei uma que ganhei (sei la como) como Especial. Ela era um Besouro, lento, mas forte, que atirava pros quatro cantos ao invés de em linha reta.


Pro jogo em si ela cumpria sua função. Viajar pelos mapas e enfrentar alguns inimigos fortinhos que surgiam aqui e acolá, mas meu.... ela não prestava pros chefes finais, muito menos pro Secreto. Foi ai que eu me vi tentando desenhar minha própria navezinha, com as armas que eu tinha (poucas) e sem muito material, ou level.

Fiz isso... 


Deu errado.

Então me vi forçado a entender como tudo funcionava nesse subspace... 

A primeira coisa que aprendi é que, os asteroides vistos em muitos lugares, que davam pra explodir inclusive, liberavam itens. Era aleatório, e podia cair até itens de forja (da pra refinar as Keyblades deixando elas mais fortes com esses itens, fiz muito isso pra tentar vencer os chefes secretos que falarei daqui a pouco).


Depois entendi que tinham Cristais que liberavam Blocos de Construção pras naves.

Além disso, tinham Constelações que se fotografadas corretamente, liberavam uma NAVE pra Sora. Só que pra habilitar isso era preciso ir no menu de missões Gummi, e olhar. Eu já tinha tirado um monte de fotos dessas, por puro lazer mesmo, e não tinha liberado nada pois não tinha olhado a lista de missões, só isso, pra validar a conquista automaticamente. Aliás, nem gasta nada pra usar essas naves ganhas.


Eu tinha inclusive pego uma das melhores naves do jogo, sem saber. Foi com ela inclusive que derrotei o chefe secreto e peguei o Orichalcum +.

Só que, tipo... eu ainda fiquei curioso. Fiquei tanto tempo jogando no espaço que achei melhor só, explorar tudo.

Notei que apesar de ter vários chefes no espaço e tal, os Especiais pra liberar o Orichalcum + eram apenas variações de alguns deles, mais poderosos. Então decidi catalogar todos os chefes:

Chefes Gummi

Robô Heartless


Esse é um chefe obrigatório que surge no caminho pro mundo de Toy Story. Ele é praticamente um robô gigante espacial que atira lasers.

Castelo de Gelo Heartless


Esse já é mais difícil e aparece no caminho do mundo de Frozen, apesar de não ser obrigatório (acabei indo nele). Esse chefe consiste numa fortaleza de gelo, que atira laser.

Primeiro é preciso destruir os cristais de fora, o que demora muito no começo do jogo (pois a nave é fraca). Depois, sem o gelo, a fortaleza se defende com vários inimigos e canhões, e é preciso destruir tudo, pra então ir até o topo dela (automaticamente).

La o núcleo do Heartless é enfrentado, com ele sendo derrotado. Tudo que ele faz é lançar mais laser.

Serpente Heartless


No caminho pro mundo de Monstros S.A., surge esse heartless espacial em forma de serpente, que não é difícil, mas só recebe dano na cabeça e na cauda, e fica se movendo de um lado pro outro, dando investidas e atirando de vez em quando.

Nave Mãe Heartless

Indo pro Cemitério de keyblades pra batalha final, tem um encontro com esse Heartless, que também é obrigatório.


Depois de passar por um labirinto chato no espaço, ele aparece, sendo basicamente uma enorme fortaleza repleta de armas.

Primeiro é preciso derrotar a parte de cima, destruindo tudo que tem nela, pra depois ir pra parte de baixo e repetir o processo (com ela apelando pra lasers nessa segunda parte).

Então, o núcleo fica exposto e fim. Dos que encontramos ao jogar normalmente, esses são os chefes, mas tem outros. Aliás, o primeiro dos chefes que deve-se derrotar pra liberar o que da o Orichalcum +, é esse.

Minhoca Heartless


Ao viajar é possível encontrar alguns planetoides, que dentro deles levam esse heartless enorme. Ele é basicamente uma minhoca gigante que fica entrando nos planetoides pra se esconder, e atira quando exposta.

Estrela Heartless


No espaço pode aparecer um tipo de heartles chefe mecânico que parece uma nave.


Mas, durante a luta ele se abre e mostra uma forma estelar, com o símbolo e núcleo no meio. Só isso.

Serpente Heartless Vermelha


Esse é outro dos chefes secretos pra liberar o chefão especial. Ele é exatamente como a Serpente, só que mais forte, resistente, e vermelho (rosado).

Robô Heartless Vermelho


Exatamente como o outro, ele é um robô, mais forte e rápido (atira bem mais) e, vermelho. Também um dos requisitos pra liberar o chefe especial.

Nave Mãe Heartless Vermelha


No fim, o chefe especial é na verdade a versão da nave mãe, só que avermelhada. 

Consequentemente é muito mais resistente e poderosa, mas o padrão de batalha é o mesmo (apenas mais demorado). 


Ao vencer ela, recebe-se o Orichalchum +.


Minhoca Heartless Vermelha

Esse chefe aparece escondido em uma bola de areia espacial, que só da pra acessar usando uma nave rápida (com ao menos 200 de velocidade de movimento).


É basicamente o chefe Minhoca, porém em dobro. No meio da luta aparece outro, também se escondendo em planetoides, e eles ficam intercalando durante a luta, cada um com sua própria barra de vida.


Aliás, só da pra ver a barra de vida dos chefes espaciais se a nave tiver um visualizador equipado (é um item especial que da pra por). Caso contrário, a luta é às cegas (passei muita raiva com isso no começo).

Ovni Heartless

Por fim, tem um chefe que de fato é bem especial, e difícil, e aparece no meio de um tornado espacial.


Ele tem uma música muito louca com temática alienígena, e lembra um pouco as criaturas de Tron. É um heartless poderoso que atira laser e invoca escudos voadores, e só pode ser enfrentado com uma nave rápida (também ao menos 200 de velocidade).


Depois que a unidade grande dele é destruída (demora) ele vira um pequeno e fica atirando feito louco enquanto se move pela tela. Eu não sei porque mas na hora pareceu que era um ovni com pernas.


Nem tem nada de mais ao vencer ele. Tudo que se ganha é um canhão fortinho que só da pra equipar em naves que dê pra mexer no modelo, mas eu acabei enfrentando pela curiosidade mesmo... e confesso... foi divertido.

Depois de derrotar ele também se ganha a Nave Dourada, que é simplesmente uma versão da Nave Gummi comum de Sora, só que dourada, sendo mais rápida, forte, e muito melhor que qualquer nave. Eu peguei ela!!!


Bem, aproveitando o espaço, vale mencionar que da pra usar naves secundárias junto com a principal, e da pra modelar elas como quiser (toda nave tem um número máximo de blocos pra usar). Apesar de não curtir perder tempo com isso, acabei formando coisas loucas como uma nave acessório full defesa, e outra full ataque (uma delas carregando também o visualizador de hp), só pra melhorar ainda mais as naves padrão. Algumas, não da pra modificar (pois elas não carregam naves auxiliares) mas as que davam, eu aproveitei.

Ultima Blade (Parte 2)

Voltando pro Orichalcum +, depois de se pegar o último, ainda era preciso pegar o Modelo da Keyblade.

Pra conquistar esse modelo, e só então fabrica-la, é necessário coletar ao menos 1 unidade dos 58 itens de fabricação do jogo, sendo cristais, minérios, etc.

É o prêmio por se catalogar tudo, mas eu dei o azar de não pegar todos, pois como fui rápido de mais no jogo, acabei passando direito por alguns que só da pra achar em pontos bastante específicos. O medo bateu nessa hora, mas acabei pegando a lista e comparando tudo o que eu tinha, com tudo que era necessário (na internet mesmo), e descobri o que faltava.

Assim, a ultima Blade foi feita, e finalizei o jogo.

É agora que falarei a razão de tamanho sacrifício!

Episódio Limit Cut

Depois de concluir a DLC Re-Mind, notei que surgiu um novo Episódio na guia de arquivos para baixar. A DLC escondida se chamava "Limit Cut", e eu não havia ouvido falar dela.


Foi então que comecei, e me surpreendi com uma cutscene inédita mostrando Riku e Terra treinando. Ambos não haviam interagido tanto depois do reencontro, e isso era bem novo.


Mas além disso, também é explicado o que houve 1 ano após Sora ter desaparecido.


Sim, se passou um ano, e ele ainda não retornou. Nesse meio tempo todos estão fazendo de tudo pra encontra-lo, com Kairi por exemplo num coma induzido (o que gerou o Melody of Memory), e Aqua, Terra e Ven viajando pelo Reino das Sombras em busca do garoto.


Todos estavam também revisitando os mundos que Sora já tinha ido (já até imagino um KH sem o Sora em que Roxas, ou outro personagem parecido, vai nos mundos de KH1 e KH2...) e Riku estava em Radiant Garden (mundo que não apareceu em KH3).


Lá, ele encontra os personagens de Final Fantasy que costumavam dar as caras nos outros jogos: Leon (Squad de FF8), Yufi (FF7), Aerith (FF7) e Cid (FF7). É bem interessante ver eles, inclusive no novo visual de KH3, pois como falei no artigo principal, houve total ausência de personagens de FF (exceto os sempre presentes Moogles), o que levantava suspeitas.


Aliás, até mesmo a presença deles aqui corrobora com a suspeita anterior, de que no futuro próximo, KH abordará a estranha existência desses personagens da Square espalhados pelos mundos da Disney (e de Kingdom Hearts).


Bem, o grupo estava também investigando o paradeiro de Sora, buscando pistas através de um computador da antiga Organização XIII, em Radiant Garden. É estranho justamente eles acessarem esse programa visto que Ienzo e o próprio Ansem estavam no terminal principal onde a Organização XIII foi criada (que se não me engano também fica em Radiant Garden), mas estavam ocupados vasculhando as memórias de Kairi.


No entanto, não deixa de ser estranho justamente eles, um grupo que originalmente ficava em Traverse Town, do nada aparecer mexendo com programas em outro mundo... mas okay. No caso, Cid mexe no sistema e encontra uma versão Data de Sora (sim, é parecido com o Data Sora de ReCoded) atualizada com tudo o que Sora se tornou em KH3.


Ou seja, a Nova Organização XIII havia coletado dados de Sora e armazenado naquele programa, sabe-se la pra quais fins. É justamente pra tentar descobrir isso, que eles pedem ajuda pra Riku.


Quando começamos essa DLC, estamos no controle de Riku, porém não podemos fazer nada além de andar e conversar com os npcs dentro de uma pequena sala. Dela, só é possível ir pro computador, onde temos duas opções: Acessar o sistema da Organização XIII, ou acessar o Modo Foto.


Esse Modo Foto é algo bem legal mas que nem ousei fuçar muito. Consiste em um cenário manipulável em que da pra por os personagens que quisermos, as armas e itens, e fotografar como desejarmos. Só isso. Se tiver algum valor canônico nisso, é pra falar que Xehanort gravou tudo o que Sora fez em sua jornada.


Mas, a parte que importa, e mais cruel de todas, é a Batalha da Nova Organização XIII.

Ao acessar o sistema, Riku assume o papel de Sora, e com suas habilidades (no corpo de Data Sora), ele precisa investigar o sistema. Como isso? Simples! Ele deve enfrentar os 13 membros da Nova Organização XIII, que são como as chaves de segurança para o que quer que eles estivessem escondendo.


Cada membro tem uma porta simbolizada pela arma que utiliza, e duas delas ficam desabilitadas até que as demais sejam superadas, sendo elas as mais difíceis. Agora... dificuldade...

Todas as portas são extremamente difíceis. Uma é pior que a outra e todas são piores que tudo que qualquer Kingdom Hearts já mostrou. Ouso dizer que Sephiroth, do primeiro KH, e Terra, do KH2, são fichinha perto do desafio que essas 13 portas oferecem.

Os inimigos são os mesmos vistos na campanha principal, os 13 membros da nova organização. Lembra um pouco aquela batalha sequencial que ocorre na versão Remix do segundo Kingdom Hearts, em que dava pra enfrentar a Organização inteira se você encontrasse as cartinhas e tal.


Mas agora, ta tudo ali, na sua frente, pra enfrentar na ordem que preferir, e sem nem ter de procurar nada, é só entrar na porta.

Agora pense em algo surpreendentemente difícil! Todos os chefes vem configurados no nível "ultra hard impossível from hell expert pro". Mesmo sendo os inimigos que enfrentamos em sequência na parte final do jogo, duas vezes (se contar o Re-Mind) e ainda por cima, teoricamente em dificuldade elevada pois tava todo mundo junto, aqui as coisas conseguem ser bem mais difíceis.

Eles estão sozinhos, mas estão com suas habilidades invocadas no tinhoso. Só de cara, por exemplo, o Copy-Riku que foi o primeiro que enfrentei, já começa invocando não uma, nem duas, mas 50 Estacas de Energia Sombria pelo mapa. Cara!? O chefe normal invocava 3, isso no modo difícil!


Mas tudo vai piorando, e muito. Cada chefe tem suas frescuras, que nos fazem chorar de raiva, e foi nesse momento que percebi que, não ia vencer no level 35 nem sonhando.


Pra superar o desafio de Limit Cut, fui obrigado a chegar no level 99, o que não levou nem 2 horas pois, tem um truque legal que faz passar de level rápido. Não é nenhuma trapaça, é apenas um jeito fácil mesmo. No mundo do Hércules, depois que terminamos o jogo, surge um desafio de enfrentar hordas de Sátiros. 


Esses desafios surgem em todos os mundos, e servem pra habilitar os Documentos Secretos (são 13 no total). Só que esse dos Sátiros da uma exp enorme (2 leveis por enfrentamento), e são bem rápidos de derrotar usando Magia de Trovão em Área. Só pra constar, eu cheguei a fazer os 13 desafios na primeira vez que joguei, e achei o chefe final difícil... como fui ingênuo.


Bem, mesmo com o nível máximo, o desafio ainda é enorme pois, isso não muda praticamente nada. Isso faz Sora ficar mais resistente e mais forte, mas perto de inimigos que são brutais, isso não significa tanto assim. Além disso, nas lutas das 13 portas, Sora vai sozinho, sem Donald ou Pateta, foi ai que eu comecei a notar algumas coisas que não percebi antes.

Primeiro que, pra vencer os 13 inimigos quase impossíveis de Limit Cut, eu me vi obrigado a revisitar toda a campanha várias vezes. A razão disso? Bem, eu precisei coletar acessórios, equipamentos, itens consumíveis, e até mesmo Keyblades, que eu não havia pego antes.


Isso pois como eu fui rápido de mais, eu deixei os extras e coisas que não faziam parte da história de lado. Mas, tem muita coisa que só é habilitada se você pegar essas coisas paralelas. Uma delas é a Ultima Blade.

A espada mais forte do jogo só pode ser obtida se você fizer, tecnicamente, tudo que é considerado "extra" no jogo. Tudo que não faz parte da campanha, você precisa não só participar, mas "PLATINAR"...

E olha que, na preguiça de buscar tudo isso eu até me vi desafiando e derrotando algumas das portas, na marra mesmo. Mas quando chegou nas 2 últimas, não tive escolha. Ou eu buscava ajuda, ou desistia.

Foi por causa disso, principalmente pela busca da Ultima Blade, que eu acabei praticamente jogando tudo outra vez, mas agora buscando o conteúdo especial. Apesar do tempo dobrado de jogatina (até mais que o tempo original que levei na primeira análise), compensou pois vi muita coisa que eu tinha menosprezado e pude relacionar aqui.

Mas, falando agora dos 13 malditos chefes... Vamos pela ordem de enfrentamento que eu sofri:

Data Dark Riku / Riku Replica


O primeiro, como já mencionei, foi aquele que me chocou com a quantidade absurda de coisas invocadas no mapa ao mesmo tempo em que ele atacava.


Todos os ataques dele eram do tipo explosivo que jogava energia sombria pra várias direções, e ia pra longe pra variar.

Além disso, ele era tão rápido que praticamente teletransportava, já metendo a faca.

O mapa, sempre é um círculo pequeno o bastante pra não ter pra onde fugir, e sem paredes. Isso é pra todos os chefes, mas a música tema, e os detalhes dos cenários mudam pra se adaptarem a quem ta sendo enfrentado.


Bem, Riku é implacável e não para de bater, inclusive apelando pra sua forma sombria onde fica ainda mais rápido e forte, e imparável.

Eu nem tinha a Ultima Blade, ou qualquer outra coisa, além dos leveis que foi tudo que me forcei a pegar na hora, então a única forma de combater ele foi... martelar o mouse e teclado feito condenado.

As vezes, o ataque dava certo e por algum milagre a cadeia de movimentos dele rompia e era possível encaixar um combo. Daí, quando ele caia, eu usava o breve intervalo pra me curar.


A questão é que, pra atacar ele dessa forma eu precisava tomar muitos golpes, e meu HP era praticamente reduzido ao nada. Além disso, eu tinha de sempre contar com o Contra-Ataque das Esquivas e Defesas pra tentar bater nele, no meio dos ataques dele. Era puro desespero.

Eu nem tava ligando pro fato de ser possível apenas curar 1 vez pois, a Mana é reduzida TOTALMENTE quando se usa Cura, e é preciso esperar recarregar (as demais magias consomem uma quantidade pequena da barra, e apenas Cura e Invocações fazem isso, de zerar a barra), e tudo que fazia era, atacar feito louco, e esperar na sorte.

Aliás, haviam momentos em que meu HP era reduzido ao zero e surgia a chance de virar o Dark Sora. Transformando nele, a Barra de Vida regenerava totalmente, mas ao usar os especiais dele ela sumia. Eu demorei pra entender que não precisava necessariamente usar os especiais, e podia apenas ficar atacando, mas passei a usar essa forma como um salva-vidas, quando ela surgia.

Legal que demorei umas 20 lutas pra conseguir derrotar ele assim. Mas, foi a primeira porta fechada. Mal sabia eu que ele era o mais fácil.

Data Young Xehanort


Se só ser rápido não basta, que tal parar o tempo? Pois é exatamente isso que esse chefe faz!

O Jovem Xehanort, conhecido nos becos de Scala Caelum como "O menino que some sem vê", tem a fatídica capacidade de manipular o fluxo do tempo como bem entender.

Outros Mestres Keybladers, como Mickey e Yen Sid conseguem fazer isso tranquilamente, mas Xehanort, na flor da idade já mostrava aptidão extra com tais técnicas temporais, tanto que quando cresceu e ficou careca, ele já tinha viajado no tempo no mínimo 13 vezes. 


Bem, sua versão Data usa uma Keyblade, mas ela pode se transformar num tipo de chicote de energia, que ele usa pra segurar Sora e causar dano. Mas, quem dera isso fosse tudo que ele utilizasse.

Young Xehanort consegue se mover bem rápido, e fica invulnerável enquanto pula de um lado pro outro no campo, atacando de tempos em tempos. Mas "Tempo" é seu maior forte.

Ele pode usar um ataque com seu "chicote" em que paralisa Sora, mas não é um paralisar comum, é um paralisar temporal. Todo o tempo para enquanto Sora fica imóvel e não é possível voltar ao normal. Assim, Young Xehanort ataca livremente, pois ele consegue se mover, e só depois de ser espancado Sora consegue se liberar.

Pior é quando ele usa seu especial, em que simplesmente PARALISA O TEMPO TODO, indeterminadamente.


Sora não fica paralisado (pois isso deixaria simplesmente impossível jogar), mas Xehanort passa a se mover muito, mas muito mais rápido. Ele fica intocável, e não para de atacar, pulando de um canto pro outro, surgindo e desaparecendo.

Pra sair disso, é preciso acertar uns 3 golpes nele, só isso. Mas são pouquíssimos os momentos em que Young Xehanort fica vulnerável, e quando fica é sempre rápido de mais.

Pra passar dele, eu usei um pouco o sistema de Mira e Tiro, pois ele desacelera o tempo para Sora brevemente, o que ajudava a encontrar o vilão. Também tinha a possibilidade de usar isso pra "teletransportar" onde o vilão estava. Feito certo isso realmente ajudava, pois a mira só travava nele quando ele ficava parado, e este era o momento vulnerável.

Outra coisa que também passei a fazer (ou ao menos tentar) foi o esquema de defesa. Da pra defender e contra-atacar, sendo preciso apenas apertar o botão na hora certa do ataque. Isso é bom pra conseguir interromper as sequências destrutivas do cara. O ruim é que a defesa não funciona pra tudo (o chicote paralisador por exemplo).


Também acabei contando com a Forma do Herói, aquela que surge da Keyblade pega no mundo de Hércules. Ela vira um Escudo que simplesmente defende por um longo tempo (sem precisar apertar na hora). Além disso, depois de receber uns 3 golpes, ela fica carregada e qualquer ataque que Sora fizer, vira um monte de murros que causam um dano colossal (eu não tinha pego a Frigideira ainda).

Lembro-me de ter ficado todo empolgado quando descobri que com um golpe desse carregado no máximo, 3 barras de vida dos chefes sumiam (que geralmente vem com umas 15 mas, já era algo ótimo!).

Como esse chefe ataca bastante, e rápido, no modo Especial, essa forma do Escudo era muito boa, ainda por cima com os socos em área que desferia quando carregada (que facilitam acerta-lo). O ruim mesmo era só conseguir ativar a forma, pois é preciso encher 3 barras de ataque pra ela surgir, e isso ocorre justamente ao se atacar o inimigo várias vezes... Mas, eu fui tentando e tentando (dezenas de vezes) até que por um milagre consegui vencer.

Data Larxene


Rápida. 

A Larxene é simplesmente rápida, tanto que todos os ataques dela são baseados em sua velocidade. Ela alias é tão rápida, mas tão rápida, que eu derrotei ela na segunda luta.


Poxa, parece fácil né? Mas na verdade isso foi desesperador! Acontece que, eu apelei horrores pra vencer ela, usando da velocidade uma arma também.

Todos os ataques dela são como Magias, então não dava pra defender, nem mesmo com o Escudo. Daí, quando percebi isso, resolvi usar a técnica da luta contra Riku e só ir pra cima feito maluco. Só que, ela era tão rápida, que sumia do alvo sem dar tempo de alcança-la pra acertar um único hit. E, além disso, ela criava clones só por se movimentar.

Cada vez mais Larxenes, o campo não demora até virar um borrão amarelo com ela gritando de um lado pro outro. E foi ai que notei, que os gritos dela indicavam momentos pra atacar e acertar, pois era quando ela atacava (ou eu só dei sorte mesmo no desespero).

Passei a esperar ela começar os ataques e fui martelando o botão de esquiva, defesa, e ataque. Os momentos de Contra-Ataque sortidos eram o ápice da batalha, onde eu conseguia acertar ela só porque ela me acertou!


No fim derrotei, mas nessa brincadeira gastei muitas Ultra Poções, gastei uma Moeda Moogle, e gastei tanta cura que nem consigo contar.

Aliás, foi quando eu passei a reparar no quanto o inventário poderia ajudar nas batalhas. Eu nunca nem tinha usado poções no jogo, só pra constar, e ai do nada me vejo apelando pra isso.

As poções tem uma regra chata, onde pra usar, mesmo se você tiver 99 delas no inventário, você só consegue consumir aquelas que tiverem equipadas no personagem. Sora pode equipar até 8 consumíveis, então só dava pra usar 8 no máximo, em uma luta (visto que não da pra abrir o menu de configuração do personagem durante a luta, pra equipar mais).

Mas, com apenas 8 já era o suficiente pra segurar a luta por um tempo, ou ao menos pra intercalar com as curas. Como Sora tem uma habilidade que permite que ele use Cura mesmo se tomar dano durante a conjuração, essa sempre é a melhor opção pra se regenerar no meio de uma surra. As poções só dão pra usar nos intervalos em que o chefe para de espancar o jogador, mas geralmente é nesse momento que o jogador pode atacar. Daí vem o dilema.


Como eu passei a contar com o contra-ataque nessa batalha, dava pra deixar a regeneração pros momentinhos finais de cada combo, onde Larxene parava meio tonta por uns 2 segundos.

Ah, também passei a contar com os tão ignorados Equipamentos. Eu tinha vários coletados ao longo do jogo, mas preferia usar os que davam mais ataque ou defesa. Só que dessa vez, pensei um pouco, e já que Larxene só usava Raio, eu equipei coisas que davam resistência a Raio. Resultado: Isso permitiu tomar mais alguns golpes até conseguir acerta-la.

Junta tudo isso a salva-vidas (Dark Sora), e pronto! Vencida.

Data Luxord


Na hora que eu pensei "Ah, não da pra ficar mais difícil poxa, todo chefe tem o mesmo padrão, é só bater!", eis que surge um que não segue as regras.


A versão data de Luxord é tão filha da mãe quanto o verdadeiro. Obcecado por jogos de azar, a luta contra ele é justamente, um grande jogo de azar.

É parecido com a batalha no final do jogo, mas pior, muito pior. Luxord invoca suas cartas por todo o mapa, e te ataca o tempo inteiro, jogando elas em padrões diferentes, uns mais fáceis de esquivar mas outros com uma dificuldade desumana.

Pra variar, ele tem uma única barra de vida! Legal né? Seria... se ele não fosse intocável.


Simplesmente não da pra acertar Luxord, pois qualquer ataque passa direto por ele.

A única forma de ter uma chance de tirar HP dele, é esperando ele atacar bastante, e decidir ter a boa vontade de começar um jogo.

De início tem dois jogos que ele faz, e todo jogo é sempre algo relacionado a cartas.


Um consiste nele lançando 5 cartas em torno de si, que giram. O jogador precisa acertar a carta que tiver um "Zero" marcado, e evitar acertar os que tiverem um "Xis". Sempre que a carta certa é atingida, ela some, e uma das outras vira uma com um "Zero", sendo necessário repetir isso 5 vezes, pra tirar todas as cartas.


Depois disso, ele fica vulnerável a golpes por 1 segundo. Sora tem que ser rápido e aproveitar pra descer o coro no malandro, mas se demorar muito, ele foge.

Além disso, caso o jogador demore de mais pra atacar uma das cartas (acho que é mais de 3 segundos) ele cancela o jogo e ataca, causando muito dano. Isso também acontece se atacar a carta errada, sem segunda chance.

O outro jogo que ele usa é ainda mais divertido: Luxord desaparece do mapa e invoca umas 30 cartas, todas viradas pro lado oposto de Sora. Então, o jogador precisa atacar 5 cartas dentre elas que tem um "Zero" marcado. Se ele tentar andar entre elas pra ver o que tem do outro lado, as cartas viram junto com ele.

Mas, as cartas com "Zero" viram alguns milissegundos mais lento. É assim que da pra saber quais são (muito fácil poxa!!!). Também tem vezes que elas não viram totalmente, ficando meio tortas, ou vezes em que o jogador é rápido com a câmera e da pra ver o que tem nas cartas antes delas virarem por completo, sendo preciso apenas contar com a memória pra ir atrás delas.

Junte essa singela tarefa com o fato de, não ser possível ficar mais de 3 segundos sem atacar uma carta ou, o jogo é encerrado e Sora sofre danos.

Também tem o fato de Luxord atacar Sora periodicamente, com uma das cartas com "Xis". E, caso Sora acerte uma dessas cartas, o jogo também é encerrado. Bacana né?


Além disso tudo, mesmo depois de atacar as 5 cartas certas, é preciso correr, pois Luxord aparece escondido em uma das cartas (todas se viram) e é a chance de ataca-lo. Se demorar, ele foge e mais dano pro jogador.

A questão desse dano todo é simplesmente cruel de mais pra se mencionar, mas vou falar, afinal sou pago pra isso (na verdade não sou mas, fazer o que). Luxord e Sora compartilham nessa luta a mesma Barra de Vida.


Se Sora toma dano, Luxord recupera, e vice-versa. Só que, isso só vale pra barrinha do topo. Sora também tem sua barra de vida normal, que se for reduzida também causa fim de jogo, então tecnicamente tem 2 barras pra se administrar, uma delas impossível de curar!

Sem controle de vida, inimigo invulnerável na maioria dos momentos. Imagina como a luta é legal. Pois é... 

Isso pois ele ainda apela pra uns golpes mágicos com cartas e, tem seu especial, onde o maldito invoca 300 cartas por todo o mapa, e é preciso ir encontrando e acertando as cartas que tiverem ele marcado, num jogo longo, demorado, cheio de momentos com pegadinhas (ele troca a imagem das cartas, ou gira elas escondendo).


Ele faz isso, e ainda bota estágios nesse especial! Tem três níveis, e a cada vez que o jogador superar Luxord em um desses níveis, o desafio fica mais difícil, com o círculo de cartas reduzido mas, muito mais rápido e instável, e ainda com ataques individuais... é uma loucura!


Legal que se o jogador errar, é fim de jogo independente da parte que tiver, e é mais um monte de dano gratuito pra barrinha do Sora. Caso vença, tem um breve momento pra atacar Luxord.... agora vença! Ele é muito trapaceiro.

No fim da luta ele ainda começa a deixar os jogos mais difíceis, aumenta a velocidade das cartas que giram, e a distancia que elas ficam dele (pra dar tempo dele fugir), ou coloca ainda mais cartas em campo no jogo de procurar por ele.


Por fim, eu quase desisti de derrota-lo. Soava impossível manter a barrinha compartilhada cheia, e ainda reduzir a metade dele, sendo que quase não dava pra acerta-lo. Era difícil de mais vencer os jogos, e ainda por cima esquivar de todos os ataques dele, e quando eu fazia isso, um único deslize e ele tirava metade da barra do Sora, e enchia a dele de novo (pois pra variar, é desproporcional, e ele se cura mais).

Foi ai que em pura raiva, descobri que dava pra acertar alguns golpes no momento de invulnerabilidade dele. Bem na hora que ele ta causando mais dano, com as Cartas Mágicas e suas firulas, ele também fica ligeiramente vulnerável. É breve, mas no desespero da pra acertar ele e, trapacear no próprio jogo já trapaceado e desbalanceado dele.

Descobri isso quando fiquei irritado e disse "Vô matar você nem que seja na força do ódio" acabou que funcionou. Não derrotei ele apenas nisso, mas isso ajudou a manter a vitalidade dele menor que a minha, até encerrar a luta através das regras dele.

Data Marluxia


Ta bom, tem um que invoca de tudo no mapa, um que é rápido, um que para o tempo, e um que simplesmente tem suas próprias regras e é quase imortal... o que pode ser pior? Que tal um chefe que te mata quando o tempo acabar?


Marluxia já foi chefe final de um dos jogos (Re-Chain of Memories) e suas técnicas remetem aquele tempo. Não me surpreendi quando, depois de vários golpes de foice, do nada apareceu uma contagem regressiva de 10 segundos acima de Sora. 

Não dei nem tempo de ver o que isso causava, pois é óbvio: Morte instantânea.


Pra interromper a contagem, Sora tem que acertar ele e quebrar o especial (retirando a barra de vida extra que ele cria pra si). Depois disso, a luta volta aos moldes costumeiros, com chefe apelão, voando de um canto pro outro, atacando com combos longos, e magias chatas.


Eu usei tudo que pude. Esquiva, Contra-Ataque, Escudo, Mira, Poção, Forma Sombria e Desespero do Mouse (atacar feito louco). No fim, deu certo, e ele apelou pra um especial que gerou um contador de 99... golpes?

Não sei o que reduzia ele, só sei que ele reduzia rápido de mais, várias unidades por segundo. Em menos de 5 segundos já tava em 40 e descendo.


Felizmente meu desespero não deu tempo de constatar o desfecho, pois venci Marluxia em uma única tentativa. Foi fácil? Coisa nenhuma. No fim ele fica muito rápido e o cronômetro da morte realmente assusta. Mas, depois de passar por um Luxord, aprendi que as vezes na hora do desespero, é bom partir pra ignorância e apenas espancar o vilão ao máximo, antes de capotar. Não minto que acabei gastando uma Moeda Moogle nisso, e nem foi pra contagem regressiva, foi pras ceifadas sequenciais e pétalas mortais dele mesmo.

Aliás, eu não falei direito, mas a Moeda Moogle é um item comprado antes da batalha (se o jogador for na loja Moogle). Só da pra carregar 1, e ela é consumida se o jogador perder a luta. Ela é um Continue, que traz ele de volta pra batalha na hora, com toda a vitalidade e magia carregados.


O problema disso é que só funciona uma vez, e não da pra acumular. Uma vez que gastou, já era (apesar de que, caso o jogador seja derrotado, da pra tentar novamente sem que os itens consumidos sejam contabilizados, principalmente a Moeda).

Data Xigbar


Outro diferentão, Xigbar é o chefe que fica de longe. Ele já começa a partida usando o especial dele, que consiste num buraco gigante no meio do cenário, que não da pra passar por cima (nem mesmo voando, tem parede invisível pra atravessar), e ele do outro lado, impossível de alcançar. Então ele começa a atirar, vários disparos diferentes, com intervalos diferentes, e munições também.

As vezes, ele teletransporta pra perto pra dar tiros à queima-roupa, sendo esse um único momento pra atacar ele. Mas, não é a única forma não.


Na verdade, Xigbar é bem vulnerável. Como ele usa apenas tiros, e boa parte deles é rebatível e defensível, fica fácil causar dano nele. Ao se defender, os tiros dele voltam pra ele.

É difícil defender vários sequenciais? Um pouco, mas ai entra a Keyblade que vira Escudo. Ela defende independente da ordem ou sequencia, então ao usar essa forma, fica muito fácil rebater os tiros.

O problema de Xigbar é que, os danos são desproporcionais. Um tiro dele dói muito, mas quando volta pra ele quase nem faz cócegas. Quase nem faz diferença isso, sendo preciso atacar diretamente, e como ele fica geralmente longe sempre, e ainda teletransporta (e pode ficar pendurado no ar, voando, surgindo em todo canto), é difícil alcança-lo.


Mas, quando ele recebe os tiros de volta, em alguns momentos ele fica vulnerável, e aberto aos ataques de Mira, facilitando assim os ataques diretos.

Ele tem outros especial além do círculo grande, em que ele faz o campo ficar minúsculo, e mete bala feito louco. Vem tiro de todo canto, e não da pra acertar ele pois ele fica invulnerável e inalcançável, voando e atirando de cima. Mas é só sobreviver pois, acaba depois de um tempo.

Outro especial dele, e nesse caso é o mais dinâmico, é um duelo.


As vezes, ao acertar muitos tiros rebatidos (foi o que notei) ele interrompe a luta frenética, e convida Sora pra um verdadeiro duelo ao estilo saque-rápido. Sora fica de um lado, ele do outro, e o jogador precisa esperar a hora certa pra apertar o botão e contra-atacar o tiro dele. É um momento de paciência e ação rápida.

Se o jogador consegue bater o golpe, ele fica aberto aos golpes e combos. Caso contrário, Sora leva dano, muito dano.

Apesar de soar algo simples, e um combate simples de pura defesa e rebate de golpes, não é bem assim, pois Xigbar é muito rápido e instável em seus disparos, e as vezes ele lança Torpedos que não podem ser defendidos, sendo preciso esquivar.


Apesar do Escudo ser supereficiente contra ele, é preciso saber desviar dos ataques indefensíveis pra que ele seja bem aproveitado, sem contar que demora até ele poder ser ativado, uma vez que o requisito pra mudar de forma é justamente, atingir golpes. 

Depois de umas 30 vezes eu peguei o jeito, pois aprendi os padrões dos tiros e consegui defender as sequências normalmente, antes mesmo de liberar a forma do Escudo. Então consegui vencer, comemorando horrores.

Data Terra-Xehanort


Esse é um dos que achei mais fáceis, pois apesar de ter poder bruto, e ser violento, ele não chega a ser desafiador nem ter suas próprias regras de combate. Parece um chefe genérico até... claro que, ele tem seus diferenciais.


A versão Data de Terra-Xehanort simula tanto ele, quanto sua Sombra, aquela que na campanha acaba sendo possuída por Terra real. E bem, ele ataca com ambos, ao mesmo tempo.

Isso configura múltiplos ataques em um intervalo curto, o que gera muito dano, mas também é meio fácil tanto de esquivar, quanto defender (apesar de nem todo golpe ser defensível). Terra é bem rápido pra se mover.


Intercalando entre a sombra e seus próprios golpes de Keyblade, Terra costuma usar golpes de luz sombria de longe, em tiros rápidos (rebatíveis), e também pode usar uns que cobrem todo o cenário. 

Inclusive, um especial que ele usa bastante consiste nele saindo de campo, enquanto deixa sua sombra lutando (quem não sofre dano) e lançando golpes de luz negra, paralelo a um círculo feito de pilares de energia sombria, girando ao redor de Sora.


Ele também tem um golpe chatinho em que usa a sombra pra se defender (ficando inatingível) e se cura lentamente. Da pra interromper isso na base do ódio (só atacar muito) mas, é chato.

Apesar de ser desafiador, mais pela força bruta em si e a velocidade com que ele reduz a energia vital de Sora na porrada e magias, ele foi um dos menos memoráveis, apesar de eu ter demorado horas contra ele.

Ah é, tem uma hora que ele fica poderosão, revestido com a escuridão, e atacando feito louco. Ele não pode ser batido até sair desse estado... mas tem um que é bem pior...

Data Saix


Parecido com o Data Terra-Xehanort, o Data de Saix é simplesmente implacável, e cheio de frescuras.

Ele luta baseado nas fases da Lua (???) o que sempre foi meio que uma temática dele. No caso, seus ataques consistem em golpes brutos, de magia e físicos, em que ele pega uma ou várias espadas gigantes e espanca tudo que tiver perto, criando grandes explosões.


Ele também é rápido é claro, mas não tanto quanto os demais.

O que varia nele é que, ele tem uma barra de estamina que se preenche e esvazia com o tempo, mudando de cor.


Ela define o estado lunar dele, em que ele pode simplesmente focar em cortes com a espada, golpes mágicos com a espada, ou espancamento brutal sem medir consequências destruidores de horizontes do inferno... com a espada.

Quando ele entra em estado frenético, onde simplesmente ativa o "botão dane-se", ele sai esmagando tudo, se jogando pra todo lado, enquanto pega fogo, e fica indestrutível.


Boa parte dos ataques dele são indefensíveis, ou seja, só da pra vencer esquivando e atacando nas horas que ele fica de boa, causando menos dano.

Esperar esses momentos, fugindo das horas em que ele fica pistola, foi o que eu fiz pra vencer, depois de umas horas sofrendo.

Data Vanitas


Esquiva.

Se Larxene era rápida, Vanitas é perito em esquivar, praticamente intocável. Tanto que ele deixa cópias de si de tão rápido em esquivar que é.


Ele fica viajando pelo mapa, sumindo e atacando, e caso o jogador tente contra-atacar, ele esquiva, e quem contra-ataca é ele. E se o jogador contra-ataca o contra-ataque dele, ele esquiva, e contra-ataca o contra-ataque do contra-ataque. E se por acaso o jogador contra-ata... você entendeu.

É um inimigo chato, pois não da pra acertar. Mesmo a tática do escudo, por mais que funcionasse na hora de defender os golpes, não surtia efeito na hora de desferir, pois ele simplesmente esquivava. Além disso, ele usa muitas magias, principalmente congelantes, e de fogo... e uns cortes de luz negra chatos que só.

Derrotar Vanitas é um teste de paciência em que o jogador precisa fugir de tudo que ele fizer, e esperar algum momento em que ele esqueça de esquivar pra acertar um hit. Se acerta-lo, da pra combar e causar um bom dano. Mas são raros esses momentos.


Ainda por cima, ele tem golpes que congelam... nessa parte eu ainda não tinha me ligado que, precisava me preparar... mas eu dei um jeito de aprender os padrões e superar ele.

O especial dele consiste em subir em cima de Keyblades mortas, e surfar, enquanto dispara magia congelante de longe e fica imortal temporariamente. Depois ele ainda cria uma esfera sombria e simplesmente massacra cortando enquanto fica aparecendo e sumindo.


Ele também tem ataques de frenesi em que simplesmente fica intocável, e bastante violento. Mas no geral, o truque com ele é ter paciência, torcer pra ele vacilar e não perdoar. Ele não perdoa.

Data Xemnas


O que me lembro desse cara é "Parede".


Xemnas em sua versão data é simplesmente apelão e confuso. Ele não da brecha em seus golpes, e pra variar tem um golpe muito chato que prende o jogador e joga em paredes que ele mesmo cria, no ar.

Boa parte da luta inclusive acaba se passando no meio do ar, o que dificulta esquivar, e mesmo defender é difícil pois muitos de seus golpes quebram defesa. E ele domina o mapa assim.


Sempre voando de um canto pro outro, Xemnas faz jus ao posto de liderança da antiga Organização XIII (quando era só de Incorpóreos) e é bem difícil de derrotar, abusando de golpes rápidos, magias de luz sombria, golpes que atordoam, puxões aéreos, cortes mortais com seus dois sabres de luz vermelho e... quer mais?

Xemnas tem como especial a famigerada cúpula laser, em que depois de fazer um monte de golpes confusos, em que é impossível acerta-lo (até dá, mas é inútil, pois ele teletransporta logo após e continua atacando), ele encerra atirando, de todos os lados, por todos os cantos, com lasers e mais lasers.


Da pra defender, mas ele faz disparos intercalados, o que exige que o jogador interrompe a defesa, pra tentar defender a próxima leva de disparos. Geralmente, golpes em sequência são defendidos automaticamente sendo preciso só segurar o botão. Mas, como tem intervalos, as vezes isso engana o jogador e mesmo segurando todos os primeiros tiros, do nada eles começam a acertar como se tivessem quebrado a defesa, pois vieram de uma nova leva, com um breve intervalo de diferença.

O Escudo é bem útil pra defender isso (já que ele dura muito mais tempo entre os intervalos), mas é difícil guardar essa forma pra esses momentos em particular, visto que também é útil durante toda a batalha, e tem duração limitada.

Mesmo assim, fiz o possível pra usar essa tática e vencer. Demorou, mas funcionou.

Data Ansem


Esse não foi um chefe muito memorável pois, os ataques dele eram todos praticamente Magias de Luz Sombria.


Ele fica flutuando, normalmente de longe, invocando suas magias em forma de lasers ou esferas, que por sua vez atacam de todos os lados.

Mesmo se tentar ataca-lo, ele costuma se afastar (não é rápido, nem se move tanto quanto os outros, mas ele sempre vai pra longe, voando).


As vezes ele até avança pessoalmente, mas é em um especial em que se protege com os lasers e voa na direção de Sora, pra causar dano com encontrões ignorantes.

Ele também tem um especial em que escurece tudo e lança magias sombrias pra caramba, enquanto fica, como sempre, flutuando de longe, e pra variar com duas esferas enormes perto dele pra evitar que receba dano, sem ao menos devolver em dobro.


Eu demorei nele, mais pelo dano contínuo que ele causa do que pela dificuldade em si. Ele só é bem fujão, mas no fim derrotei ele usando as táticas de sempre.

Data Xion


Ai você se pergunta: "Ué, você derrotou todo mundo e nem tava com a Ultima Blade, não entendi onde foi que você precisou dela tão desesperadamente!?" E eu te respondo: Xion.


Data Xion pros íntimos. Essa criatura nefasta é tão somente a coisa mais perversa e errada que já vi num jogo! Ela é muito desbalanceada.

Tanto a versão data de Xion quanto do Mestre Xehanort são liberadas somente depois de concluir as 11 lutas. Antes disso, são portas seladas. Quando elas se abriram eu já tremi de medo e fiquei um tempo tomando coragem pra acessa-las...

Quando o fiz, Sora desapareceu num flash de luz branca. Eu não entendi o que ocorreu... numa hora, Xion encapuzada tava ali, na outra eu tava morto.


Sem exagero, essa criatura é tão rápida, e letal, e assustadoramente implacável, que não da tempo de entender a luta no primeiro encontro.

Ela só tem 2 ataques... e apenas com esses 2 ataques se converte num pesadelo.

O primeiro, é simples: Ela bate e some em forma de luz, enquanto invoca 500 pilares de luz na sua direção.


Não da tempo de pensar, ela só aparece, bate, e some, 30 vezes por segundo! Queria eu estar exagerando (até estou), mas é pura verdade.

Só pra constar, os Pilares de Luz que ela invoca tem um tipo de efeito passivo bem gracioso: Cada Pilar de Luz que te acerta, remove PERMANENTEMENTE parte da sua vitalidade.

Isso significa que durante os ataques físicos do sumidão que ela da, ela também remove seu HP, sem que você possa curar. A barra limite do HP diminui e não cura por nada, nem Cura, nem Poção, nada.

Até da pra remover esse efeito, usando a Mudança de Forma. Quando Sora troca a arma ao mudar de forma, o HP costuma voltar ao normal. E a forma Sombria também tem o efeito de curar tudo, logo, é o único jeito de quebrar esse efeito.


Mas, considerando que ela quase não da tempo de respirar em luta, quem dirá trocar de forma, já que quase não da pra ataca-la (e pra mudar, é preciso atacar).

No entanto, ela tem um segundo tipo de ataque: Ela para, e atira sua Keyblade, que gira e causa um dano absurdo, além de também aplicar o efeito de redução de HP.

Apesar dos pesares, esse momento é o único que ela fica tecnicamente vulnerável. Não no primeiro, nem no segundo disparo, mas lá pro quinto, ela costuma parar pra respirar um cadinho, por 1 segundo. É a chance de atacar.

Quando ela tá batendo desesperadamente até tem um momento ou outro que da pra contra-atacar, mas as chances de dar errado e a morte vir são enormes.

Se não bastasse, ela tem especial também, dois pra variar.


O primeiro, ela se reveste com uma armadura de luz e simplesmente fica imbatível. Além de não parar de atacar, e não sofrer dano algum, ela ainda explode tudo com luz, salta de um canto pro outro, esmaga o chão, e esquarteja a alma do jogador.

E se não bastasse tudo isso, ela também atordoa. Significa que um ataque que ela acerta, te faz parar de lutar e tomar todo o resto, sem nem poder esquivar ou contra-atacar.

Isso dura um tempo, um bom tempo, ou da pra quebrar o efeito, acertando ela algumas vezes pra destruir a armadura de luz (que vira uma barra de vida especial). Compensa? Nenhum pouco. Melhor esperar ela espancar porque tentar bater nela enquanto tá espancando é oferecer o rosto pra tomar espancamento.

Enfim, o segundo especial dela é mais tranquilo, ela só cobre o mapa inteiro com luz e te ataca junto com as luzes que invoca, mais rápida que antes, e na base de encontrões injustos. Além disso atordoar, as luzes também aplicam o efeito de redução de vida, ou seja, justo pra caramba!

Depois que fiquei até 4 horas da manhã de um sábado sofrendo pra ver um jeito de derrotar essa porcaria... eu apenas desisti.


Eu pensei "Impossível". Mas eu estava enganado. Vi guias na internet de como derrotar ela e notei que, minha estratégia, de defender com o escudo, era até melhor que as contagens de passos que os caras faziam. 

No entanto tinha algo que eu não tava fazendo: Preparação.

A primeira coisa que notei é que os caras usavam equipamentos, itens, estratégias e truques pra de alguma forma vencer mais fácil. Poxa, tinha item que evitava atordoar, e eu nem sabia. Na verdade, uma das Keyblades padrões (a do mundo de Big Hero 6) dava efeito de resistência a atordoamento! Eu nem sabia desse detalhe.

Foi quando passei a ver os equipamentos e comecei a escolher a dedo o que usar, e como usar. A estratégia de equipar a Espada Nanotecnológica pra evitar atordoamento era interessante, mas não muito funcional pois eu dependia muito do Escudo. E trocar as armas durante a luta, por mais que fosse possível (da pra escolher 3 keyblades antes da luta começar, e intercalar entre elas), era inviável pois, na versão de PC o botão pra trocar de espada é o direcional, sendo que você joga com uma mão no ASDW, e outra no mouse. Soltar o mouse pra ir no direcional e mudar a arma pra voltar pro mouse levava tempo de mais! 


E a estratégia de defender tudo o que ela lançava, pra mudar pra forma Escudo, e continuar defendendo, era útil pra caramba, pois defender evitava que as luzes causassem o debuff do HP.

Ou seja, eu precisava do Item Anti-Atordoamento, pra poder ao menos continuar de pé nos especiais dela. E foi atrás disso que eu fui.

Esse item só podia ser obtido vencendo o Desafio B lá do mundo de Big Hero 6. Era fácil até, tinha que pegar o rank B no desafio, com uns 50 mil pontos no máximo, e podia vim uma Medalha com efeito relacionado a eletricidade, ou a anti-atordoamento. Em duas tentativas peguei a que eu queria.

E só com ela já foi super fácil derrotar Xion! Demorei mais 2 dias, mas venci ela com umas 80 tentativas. Eu aprendi todos os movimentos dela e todos os momentos pra atacar, e a única coisa que me derrubava era o atordoamento, que eu superei com esse acessório.

Claro que apelei pra várias mudanças de forma, um monte de Ultra Poções, Cura pra caramba, e Moeda Moogle. Uma hora deu. E sim, ainda não tinha pego a Ultima Blade... mas já tava considerando essa possibilidade.

Data Master Xehanort


E ai teve o medo. Eu nem quis entrar na luta de Xehanort. Se Xion foi assim, com só 2 ataques, imagina o último chefão!


Eu já aproveitei o fato de que tinha buscado ajuda dos universitários no youtube e, bisbilhotei como ele era... e sim, ele era assustador. Bem pior que ela.

Nem perdi tempo, já fui cogitando a hipótese de conquistar a Ultima Blade. Pesquisei os requisitos, e eram coisas fáceis pra caramba, como coletar 58 itens diferentes, completar as missões mais difíceis e demoradas (tipo tirar 80 fotos dos "mickeys" escondidos), incluindo derrotar um chefe secreto do Subspace com a tão odiada (por mim) Gumminave... e bem, eu falei "Deixa, eu cheguei até aqui sem ela, não vou precisar."

Entrei no Xehanort, e morri.

O cara não da tempo pra nada, em apenas 2 movimentos ele já começava o especial dele, que se resume a atacar com mais força do que antes.


Vamos explicar: Primeiro ele começa a atirar Bolas de Energia Sombria, paralelo a Lasers de Luz. Ele faz isso AO MESMO TEMPO. Da pra defender das bolas, mas não da pra defender dos lasers...

Depois, ele pega a Keyblade dele e joga. Ela acertando ou não, já abre espaço pra ele começar um combo de Especiais, com 3 elementos diferentes (É fogo, gelo e raio vindo de todo canto) lasers e mais lasers ao fundo, e explosões por toda parte, com ele encerrando vindo pessoalmente dar mais umas Keybladas na nuca de Sora.

Tudo isso é feito com direito a Atordoamento, e Congelamento, sequenciais viu.


Depois, ele vai pro canto e inicia o especial, trocando o cenário e enchendo o meio com pilares de luz rotatórios, que se expandem aos poucos.

Além disso, ele aparece as vezes, lançando mais pilares de luz, e atacando com sua Keyblade giratória (ele joga primeiro um golpe de energia, e depois ataca). O golpe que ele arremessa é defensível, mas ele explode depois e CONGELA, pelas costas de Sora. 

Os pilares de luz, tem o efeito de remoção permanente de HP, só pra variar!

Ele fica nesse especial até ser acertado ao menos 1 vez. Só que isso é bem difícil, pois ele fica teletransportando e saindo do mapa o tempo todo, e as poucas vezes que aparece é quase intocável. Só da pra acertar ele nos últimos combos que faz, e são momentos brevíssimos de vulnerabilidade.


Saindo desse especial bacana, ele volta pro padrão Atirar Lasers e Bolas, Congelar, Atordoar, e ainda libera mais uns movimentos como invocar uns 7 canhões de luz ao longe, ou ir pessoalmente atacar com a Keyblade em fúria.

Ele também apela pro arremesso de energia que explode e congela, e isso nem é o mais difícil. Todos os ataques dele são com "Mira". Ou seja, ele aponta pro Sora e atira. Da pra esquivar, mas apenas se ele o fizer na hora certa do ataque... e nem tudo da pra defender.

Ainda por cima, quando ele tá perto de ser derrotado, com poucas barras de vida, ele usa um segundo especial que é simplesmente maligno de mais. 

Ele muda o cenário pra uma versão sombria, e invoca um monte de sombras dele que dão hits rápido, enquanto ele próprio atira lasers de longe. As vezes, ele aparece pra finalizar os combos, com a qui-Blade, que não da pra defender, e causa um dano absurdo além de ATORDOAR.

Ele faz isso, e não pode sofrer dano durante o especial inteiro, que dura uns 30 segundos.

Pois é, eu tentei, tentei e tentei. Cheguei ao cumulo de me desesperar e quase desistir de jogar KH pra sempre. Mas, foi quando falei "Vou pegar a Ultima Blade...".

Antes, eu fiz a missão pra pegar a Keyblade dos Mini-Games Antigos, e a Keyblade Culinária, mas nenhuma das duas ajudou, apesar de ambas serem fortes. Como eu já tava me vendo saindo da DLC e voltando pra campanha pra reexplorar em busca de coisas pra deixar a luta mais fácil, eu decidi ir logo pra coisa mais forte.


Detalhe que, eu já tinha até pego o Item que evitava Congelar (fica no castelo no mundo de Frozen, é fácil de achar), e também tava equipado com o de evitar Atordoar. Além disso, só pra garantir, eu equipei a Keyblade do mundo de Frozen (que evita Congelar, se estiver equipada na hora) e a do mundo de Big Hero 6, pra dar aquele apoio moral (mesmo que eu não conseguisse trocar elas durante a luta), e nada tinha ajudado a derrotar ele, pois me faltava dano.

Aí fiz a Keyblade mais poderosa. Demorou... mas como consequência eu fiz todo o resto do jogo que eu tinha ignorado, e como já falei lá em cima, você viu como foi complicado.

Então, entrei pra lutar contra Xehanort e venci ele em 2 combates.


Eu já tava calejado de saber os movimentos dele, conseguia evitar boa parte, e mesmo os que não conseguia, eu tinha truques pra superar (por exemplo, usava o Escudo pra defender na hora do último especial). Eu fiquei nervoso pra caramba no último golpe dele, pois ele não parou, e tava muito mais rápido e poderoso, com o HP no mínimo, e eu tava quase morrendo, então usei o Efeito especial do Escudo (que invoca uma Carruagem que atira Raios e deixa Sora imune a dano por alguns segundos).

Deu certo, e os últimos golpes foram por esse especial. Era umas 5 da manhã (madruguei pra isso) e me vi gritando de alegria.

Fim, de Limit Cut.

Ao encerrar, o mais legal é que, não tinha nada nos dados da Organização XIII! 


Riku e Cid meio que ficam decepcionados pois, no fim não encontraram nada (ou seja, foi em vão!), mas, aparece a Fada Madrinha de Cinderela.


Ela surge, enviada por Merlin e Yen Sid, pra ajudar Riku a interpretar o sonho que ele vinha tendo recentemente.

Como a fada mesma diz, ela é especialista em sonhos, então ela poderia ajuda-lo a descobrir o que esse sonho significa.


Acontece que, aquela cena final do jogo, mostrando Sora, Riku, e Yozora, num mundo moderno, era tudo um mero sonho de Riku, que passou a ter depois que Sora sumiu.

A Fada diz que isso talvez seja uma pista, pois Riku já esteve dentro dos sonhos de Sora (em Dream Drop Distance) e talvez, eles estivessem conectados por esse mundo.


Mas, ela também diz que a resposta para tudo isso dependia de mais 2 sonhadores. Um deles, é Kairi, e como sabemos pelo Melody of Memory, o outro é a Estrela que Sora conheceu no mundo Final.


E assim termina a DLC Limit Cut... mas... não era o fim.

Episódio Secreto: Yozora


Assim que o Limit Cut acaba, uma nova DLC Secreta surge...

Assistimos uma cutscene de Sora acordando no Mundo Final, porém de noite. Ao invés de nuvens, tem estrelas.


Sora fica confuso e chama por alguém, quando ele nota uma silhueta e caminha até ela.


A silhueta ao longe se revela Yozora, o próprio em carne e osso, e Sora o reconhece imediatamente.


Quando eles conversam, Yozora vai se apresentar mas Sora o interrompe já dizendo saber quem ele é, e ainda diz que, a Estrela Misteriosa havia lhe contado seu nome, então ele já esperava por ele.


Mas, Yozora também diz saber quem Sora é, e pra piorar, ele fala que está ali por ele, mas que aquele que ele estava vendo não era seu corpo real, nem aparência real. Yozora é bem misterioso, mas ele diz que está lá pra ajudar Sora, e salva-lo.


É ai que ele puxa sua arma e começa a atacar. O cenário muda, e mesmo Sora questionando a razão do ataque, Yozora é implacável.


Só pra constar, a luta ocorre no mapa de Yozora, em sua cidade, em cima de um prédio. Porém, ele se forma em cima do Coração de Sora, logo, se passa dentro de Sora.


Eu perdi, assim que a luta começou. Depois de alguns golpes o primeiro movimento de Yozora é um especial em que ele simplesmente TOMA A ARMA DE SORA.


O cara pega a Keyblade de Sora, impossibilitando que ele ataque ou defenda, ou use magias, e trucida ele com a mesma, com direito a especiais lançando um monte de keyblades (pra fazer isso tem que ser muito poderoso, visto que as Keyblades nunca abandonam seu dono, e podem voltar por teletransporte).


Ao vencer, Yozora diz pra Sora, que começa a congelar, que ele jamais perde. Em seguida Sora explode e some, e Yozora brilha, reaparecendo no Mundo Final, só que de dia.


Ele diz que não falhará, e que conseguirá salva-lo. Não fica claro se ele tá falando de Sora, o mesmo Sora de KH, ou algum outro que confundiu, ou outra pessoa. Apenas da pra ver que ele quer salvar alguém... e pra isso é preciso "matar" a tal pessoa, sendo ele o único com força suficiente pra isso. Ao menos é isso que parece.


Após isso, Yozora acorda, em um carro...


Ele tem o mesmo pensamento que Sora teve lá no primeiro Kingdom Hearts, filosofando sobre a realidade. Inclusive da pra ouvir a voz de Sora junto com a dele ao fundo.


E ai, termina.


Porém, esse é apenas um dos finais.

Depois de ficar cheio de dúvidas sobre o que vi, eu pesquisei e vi que tem um jeito de derrotar Yozora, e se o fizer, um final alternativo aparece. Torna-se possível acessar a DLC Secreta no menu... então dava pra tentar vencer Yozora...


La me vi tentando derrota-lo mas, não dava.


Yozora não tinha apenas o roubo de Keyblade como especial e vantagem, ele tinha o corte de vitalidade, e mais uma porrada de combos diferentes. Tinha duas armas com ele, uma de tiro e uma de corte, e usava ambas intercaladamente.


Em meio aos disparos e ataques diretos, ele também era rápido e poderosíssimo, e claro, esquivava.

Seu especial então, era ainda mais apelativo. Ele invoca um tipo de Globo no centro do mapa, e altera o cenário pra algo que lembra o universo, com constelações e tal. Nesse mapa ele aparece e atira com lasers, que refletem no globo e viajam pelo mapa em direções diferentes.


Ele fica um tempão nisso, as vezes aparecendo pra atacar diretamente, com cada golpe arrancando quase metade do hp de Sora.

Depois, ele troca o cenário pra algo todo branco, como se fosse um programa de computador em desenvolvimento, com blocos nos cantos. Nesse mapa, ele sai de cena mas invoca vários daqueles Robôs do jogo Verum Rex, que Sora enfrentou antes. Eles aparecem só pra causar dano, e mesmo tendo HP próprio, é indiferente ataca-los.


Depois disso, ele volta pro cenário do Globo de Luz, só que seus ataques passam a ser mais físicos do que com laser. Ele também controla a gravidade do campo, forçando Sora a ficar no ar (o que reduz a capacidade de esquiva, pois no ar não da pra esquivar rápido), e apela pra mais e mais ataques consecutivos, misturados com tiros de laser.

Depois disso ele faz o campo branco outra vez, mas agora com várias cópias de si atacando rapidamente e sumindo, todas causando dano elevado.


E por fim, ele volta pro cenário do Globo, só que o globo no centro começa a implodir e puxa Sora e todo o cenário pro centro, onde cria uma grande explosão.


Só pra constar, durante esse processo todo, não da pra causar qualquer dano ao Yozora... e isso demora.

Bem, depois disso ele fica ainda mais rápido e forte, e é claro que ele faz esse especial mais vezes enquanto a luta durar.

Mesmo de Ultima Blade, era impossível durar tanto numa batalha tão intensa e fervorosa. Além disso, ele tem o esquema de roubar coisas. Quando digo coisas... meus amigos... eu tive a impressão de ver ele roubar Poções e até dinheiro.... mas o que tive certeza que ele roubou foi a Moeda Moogle que levei.


Mesmo ela nem ficando tanto tempo no inventário pois, ele sempre fazia ela ser consumida rápido, tiveram vezes que eu vi aparecer no chat de batalha "Yozora surrupiou na cara dura tua moedinha de continue, chora".

Véi, o cara é forte, rápido, apela pra especiais longos, tira a arma do jogador, tira o HP do jogador, e claro, ele também tira os itens do jogador! Isso é justo?

O Truque: Como derrotar todos os chefes.

Fui pesquisar uma forma desesperada de derrotar ele, e ai descobri em um vídeo que, tem uma fraqueza colossal na maioria desses chefes, e se chama: Ariel.


Sora pode invocar alguns aliados em batalha, são os Summons dele, costumeiro desde o primeiro KH. Eu nunca fui de usa-los, pois eles drenam todo o MP, e eu nunca vi muita vantagem neles. Eis que me deparo com a revelação de que, a invocação de Ariel, tem dois efeitos muito trapaceiros...

O primeiro, é a cura total de Sora. Parece bobo, mas saber que o Summon dela (acho que os outros também fazem isso) cura tudo, já torna o uso da Mana até melhor que um simples Curar.


Mas o melhor é o segundo efeito. Durante um longo período de invocação (que pode ser aumentado com algumas habilidades) ela e Sora ficam pulando no chão, como se o chão virasse água, e se tornam potencialmente invulneráveis. Sora até pode receber dano nesse estado, mas como ele fica pouco tempo em campo, o dano além de ser reduzido, quase nem é percebido.


O efeito também dura muito tempo e não pode ser interrompido, ou seja, em especiais como esse longo que Yozora usa, esse Summon é uma mão na roda.

E isso nem é tudo. Paralelo aos saltos de Sora e Ariel, eles atiram Bolas de Água que, causam um dano absurdo em tudo que tocam. Elas caem aleatoriamente pelo mapa, mas é fácil de acabar acertando chefes que ficam pulando de um lado pro outro feito malucos. E o dano é realmente alto, ficando ainda maior com Equipamentos que melhoram dano de Água e tal.


Isso tudo, somado a 8 Ethers (curam Mana total), foi o suficiente pra vencer Yozora.

O truque? Simples, usa o summon de Ariel no começo da batalha, e atira feito louco. Quando terminar, usa uma poção de Ether e convoca Ariel de novo. Repete isso até Yozora morrer, pois ele não aguenta 9 invocações seguidas, nem em sonhos.

Eu fiquei pensando... isso funciona nos outros chefes? E fui no Xehanort. Sim. Fui na Xion. Sim. Cara, tudo isso foi perda de tempo pois eu podia ter usado a invocação de Ariel pra acabar com a raça de todo mundo e.... RAIVA!


Mas, compensou, pois no fim eu pude ver o final certo de Yozora e tive um certo prazer em derrotar na marra os 13 chefes da Organização.

O final Bom de Yozora

Quando ele é derrotado, Yozora começa a brilhar e se desfazer. Sora fica sem entender nada e Yozora diz que, pelo jeito, ele não precisará de ajuda.


Assim, Sora reaparece no mundo Final, de dia, mas a cena é cortada antes que ele fale qualquer coisa.


Yozora acorda, no carro... porém dessa vez tem alguém na frente dele.


Esse alguém, tem a mesma voz e cabelo de Luxord, que é tudo que da pra ver dele, quem chama Yozora de comandante e pergunta se ele está pronto.


Yozora tem então o pensamento filosófico compartilhado com Sora, e encerra sua participação até então no jogo.


Pois é, é nesse misterioso desfecho que KH3 - Re-Mind termina.

Explicando Yozora

Quem é Yozora afinal? O que aconteceu de verdade com Sora? Bem... isso só vai ser revelado de fato... em outro jogo. Mas, já tem muito pra se teorizar.

A primeira grande pista é justamente esse final de Yozora, na verdade os dois finais dele.


Ambos refletem exatamente uma cena descartada, tecnicamente, de Final Fantasy XV. Porém, as coisas vão muito além disso.

Ao que parece, o próprio Yozora, e seu mundo (de Verum Rex) são um descarte de Final Fantasy XV. Na verdade, tudo indica que Verum Rex e seus elementos são na verdade, Final Fantasy Versus XIII, a versão Beta de Final Fantasy XV.


Confuso? Eu explico...

Quando FF15 foi criado, o diretor do projeto era o mesmo de KH. Porém, o jogo não começou como o décimo quinto título da franquia Final Fantasy. Ele era parte de Final Fantasy 13, intitulado "Versus 13". A ideia na época era lançar 3 jogos com o título "Final Fantasy 13(XIII)", todos eles formando um tipo de trilogia, conectada pelos mitos nos quais as histórias, cada uma individual e completa, com inclusive "mundos" próprios, se passariam.


Acontece que, ainda no promissor desenvolvimento, já com boa parte do jogo produzido, demonstrações rolando nas convenções, e muitos vídeos promocionais, Versus 13 foi interrompido.

Era nítida a semelhança pelos gameplays divulgados, com Kingdom Hearts. O visual era mais realista (padrão FF), mas a jogabilidade era um Action RPG, marca registrada dos KH. Se comparar isso com o FF13, do qual o tal spinoff fazia parte, ambos não tinham absolutamente nada a ver um com o outro. 


A história de Versus 13 era muito original também, falando de um rei destronado, uma princesa com poderes, pessoas que invocavam magias baseadas em espadas flutuantes... e pra variar, o jogo tinha muita coisa dinâmica, como um momento nos trailers em que surgem os personagens montando em MECHAS, muito parecido com o que Sora faz quando vai no mundo de Toy Story.


Então, num belíssimo dia, sei lá a razão, os chefões da Square decidiram trocar o responsável pelo projeto e o entregaram pra outro diretor, mudando o nome pra Final Fantasy 15. A ideia original dele era ser lançada pra PS3, mas demorou um pouco e, foi cotado como lançamento pra uma nova geração, o PS4, e usaram isso como justificativa pra mudar tudo.

Isso ocasionou na mudança drástica também de boa parte do enredo, e roteiro, e claro, muito do que tinha sido feito foi literalmente descartado, ou mudado.


A base do jogo permaneceu a mesma, mas sob uma nova direção, aquele não era mais o que o criador de KH (Tetsuya Nomura) tinha idealizado. Ironicamente, ele quem criou Noctis, personagem este que ainda é citado por ele como seu favorito (ao lado de Sora), o qual também foi preservado no corte final de FF15 (não mudaram o nome dele, apesar de mudarem a aparência um pouco, e quase todo o enredo do qual participa). Imagina como o cara deve ter ficado.

Bem, Kingdom Hearts 3, surge Yozora, personagem esse com as mesmas características e até um visual semelhante ao de Noctis (até em sua batalha, seus movimentos de teletransporte pela espada lembram Noctis), e junto com ele, uma cutscene que é idêntica a uma das que foram cortadas de Versus XIII.


Pois é, Nomura optou por de alguma forma ressuscitar seu projeto do jeitinho que foi concebido, ou pelo menos parte dele, em sua outra franquia.

Já vi teorias inclusive de que Verum Rex inteiro é um tipo de Mundo Incorpóreo nascido de Final Fantasy XV. O que seria inédito, mas ao mesmo tempo até faz sentido no universo de Kingdom Hearts. Mas, eu prefiro acreditar que esse seja o próprio mundo de Versus XIII.


Acredito que Sora esteja fadado a visitar mundos descartados e "apagados" agora que ele próprio passou por isso. Isso abriria precedentes pra viagens por projetos que não chegaram a ver a luz do dia, ou foram substituídos e trocados por outras coisas. Não apenas jogos, mas curtas da Pixar, e até filmes da Disney, que por alguma razão acabaram nunca saindo de fato.

Também há a possibilidade de Sora estar visitando mundos dos Games agora, e seu primeiro acesso foi numa versão Beta mesmo. Talvez ele use como pretexto a missão de ajudar personagens apagados a encontrarem um novo mundo pra viverem, como forma de se locomover em futuras aventuras. Isso até lembra um pouco a história de Detona Ralph (que por usa vez, resgata personagens de outros jogos pois estes foram removidos da loja, uma parte do filme dele), jogo que até fez ponta em KH3 pela invocação do próprio Ralph como Summon.


É revelado pela frase de Sora pra Yozora, que aquela Estrela Misteriosa disse o nome "Yozora" pra ele. Originalmente, achei que ela tinha dito o próprio nome, nas na verdade a conversa era sobre alguém importante pra ela. Inclusive, ela diz que ela virou uma Estrela ali pois alguém tomou seu corpo e existência... isso me faz pensar no seguinte:


Stella Nox Fleuret, é a estrela... ou é inspirada nela.


Stella é bastante famosa pra quem conhece a história de Versus XIII. Ela seria o equivalente a Lunafreya (FF15), inclusive leva o mesmo sobrenome que ela, porém diferentemente, Stella na trama original seria uma guerreira, com poderes semelhantes ao de Noctis, até mesmo parecendo uma rival as vezes.


Ela, ou uma personagem muito parecida com ela (logo, alguém inspirado), é vista na introdução de Verum Rex quando Sora visita o mundo de Toy Story. Não só ela, mas personagens que são parecidos com Ignis, Gladiolus e Prompto (misturado com Ardyn) aparecem também.


Ou seja, ao que parece, Stella foi apagada pra dar lugar a Lunafreya, assim como todo o resto do mundo de Versus XIII pra dar lugar ao FFXV, mas, eles ainda existem, e vão aparecer aos poucos em KH.


Como Nomura pretende explicar os demais personagens de Final Fantasy que surgiram ao longo da franquia KH, desde os moradores da Destiny Island até as fadinhas mercenárias de Hollow Bastion, ainda é um mistério, mas talvez Verum Rex seja a chave.

Aliás, "Verum Rex" significa "Rei Verdadeiro" em Latim. Talvez seja uma indireta do criador para o fato de FF Versus XIII ser o verdadeiro mundo de Noctis, sua criação.


Além disso, Noctis, Yozora e Sora tem muito mais semelhanças do que um criador em comum.

Primeiro, no mundo de Toy Story algo que sempre me incomodou foi o fato de Rex alegar de pés juntos que Sora era o Action Figure de Yozora, gritando "Yozora" o tempo todo (chega a irritar). Meu, Yozora tem cabelos prateados, e é a cara cuspida de Riku, não sendo nada parecido com Sora.


Mas a insistência de Rex acaba levantando suspeitas. Qual a razão da comparação? No mundo dos brinquedos, nem mesmo a roupa de Sora se assemelha com a do personagem, então, porque isso?

Bem, a resposta está no nome.

Sora significa Céu.


Yozora significa Céu Noturno.


De fato, um é espelho do outro nominalmente. Mas as coisas vão além... muito além.

Nomura nomeou Noctis como "Noctis Lucis Caelum", nome este preservado na versão final.


Durante o desenvolvimento de Versus XIII, Noctis tinha olhos vermelhos. Quando saiu a versão de FFXV, ele teve os olhos mudados pra azuis. 

Bem, Noctis Lucis Caelum significa "Luz do Céu Noturno".

Yozora tem um olho vermelho, e um olho azul. Ele é basicamente a mistura de Noctis de Versus XIII e XV.


Ou seja, Yozora, Sora, e Noctis, são todos relacionados pelo nome que levam.

Pega isso tudo, e a fixação de Nomura com o número "13", e o número "7" e... pior que pensando bem... todos os personagens de Final Fantasy, aliás, da Square Enix, que apareceram em Kingdom Hearts até então, se não me engano, são... de projetos em que Tetsuya Nomura esteve envolvido no designe dos personagens... pera...

Final Fantasy VI: Setzer 
Final Fantasy VII: Yuffie, Aerith, Cloud, Cid, Tifa, Sephiroth
Crisis Core - Final Fantasy VII: Zack
Final Fantasy VIII: Leon (Squall), Selphie (criança), Seifer, Raijin e Fujin
Final Fantasy X: Tidus, Wakka (crianças) e Auron (morto).
Final Fantasy X-2: Yuna, Rikku e Paine (como fadas)
The World Ends with You: Neku, Shiki, Joshua, Beat e Rhyme

O único que não teve envolvimento de Nomura mas, apareceu, foi o Vivi do Final Fantasy IX.... no KH2... isso é suspeito. Se bem que, o único personagem que realmente parece ter conexão com o enredo de Kingdom Heats, nem que seja no conceito, é o Vivi. Alguém artificial deslocado em meio a pessoas com corpos reais... 

Mas é a exceção. Tirando os Moogles, que tão em tudo quanto é KH, os demais só fizeram participações especiais e, não tem grande envolvimento na trama, mas estiveram ali, e são de jogos em que Nomura ou foi Designer, ou foi Produtor.

Curioso... se pegar a lista de participações de Nomura tem coisa como "Super Mario RPG", "Chrono Trigger", e até "Parasite Eve". Caras... se de fato jogos da Square entrarem pra tabela de mundos visitados... imagine as possibilidades, seguindo este padrão é claro.

Se o envolvimento dos personagens da Square em Kingdom Hearts é um tipo de protesto pacífico de um Designer que não teve seus créditos exaltados nas obras em que participou, ou de fato são parte de um plano grandioso... bem, isso só nos resta esperar.

Aliás, entendi também porque tem Dissidia referenciado lá no mundo dos brinquedos em KH3... Nomura tá envolvido e é responsável pelo designe dos personagens tudo, além de ser o produtor criativo da bagaça. Carta branca pra utilizar os personagens de outros FF's ele já tem rs. Quem sabe a ideia de fazer de Dissidia um KH não volte a tona e faça parte dos próximos projetos?!

Enfim, é isso.

Desculpe pelo texto longo, e espero que não tenha sido exaustivo ler.

Demorei um pouco neste, mas foram os contratempos mencionados que me atrasaram. Espero que meu próximo texto seja menor e mais interessante... mas se curtiu, agradeço muito! Caso não tenha gostado, vou me esforçar mais no próximo.

Muito obrigado pela leitura... 

See yah!

Postar um comentário

8 Comentários

  1. Wow...

    Esse foi...demorado, em todos os sentidos...tipo...



    Qual foi a última vez que vi KH aqui? No ano passado?!
    A demora pra ler esse texto foi impressionante, nem acredito que demorei 3 dias pra ler, mas valeu a pena.


    Primeiro que, isso não é uma DLC, É um jogo com 2 DLCs secretas que é vendido como DLC...
    É uma DLC que tem uma DLC que por si só tem uma DLC...

    A cada dia que passa, o sentido das DLCs se perde.
    (Quanta DLC...aliás, esse comentário tem uma DLC, que tem varias DLCs, e essa DLC se expande para outros artigos, trazendo mais DLCs...


    Veja só que legal, eu sou uma DLC...


    DeLCia).



    Mas falando serio, DLC barra pesada essa, tem conteúdo pra caramba, e foi engraçado pacas ver você relatando suas lutas contra os chefes barra pesada da DLC secreta da DLC...



    Eu chorei de rir, principalmente quando eu vi(li) que tu poderia ter derrotado todos eles muuito mais facilmente kkkkk.


    Quando eu vi o Yozora, logo pensei:
    "Esse cara é faynalfantasiano, olha a cara dele, igualzinho"
    Bem legal esses Ester Eggs do jogo da produção, aliás, legal a tua bris...teoria sobre, pior que faz sentido.
    Tudo indica que o Universo de KH vai se expandir muito, e eu só fico imaginando KH nos cinemas...
    (Duvido que a disney ceda dos direitos para fazerem algo da área dela, mas ainda seria engraçado).



    Engraçado que eu faço a mesma coisa que tu quando eu to lendo, eu faço marcações mentais para na hora de eu fazer este comentário maluco que você está lendo, eu citar coisas que eu penso que daria para comentar sobre.





    E uma delas é:

    Como Rex poderia jurar de pé junto, tipo, já viu os pés dele? Não tem articulação tridimensional, é apenas bidimensional, não teria como ele juntar os pés...para jurar alguma coisa...



    Portanto, sua teoria foi refutada, e ignorada.
    (Zueira leila).



    Ah, e..
    Quando...
    Sairá...
    O...
    Próximo...
    Texto...
    Relativamente informativo sobre vídeo-jogos?


    (""Sairá em algum momento do futuro próximo ao nosso presente, dentro de nossa capacidade mental de raciocinar tempo com o espaço figurado, portando diria-a-vos que sairá daqui a 2.678.400 segundos próximos a data de hoje"").


    Ok.....eu acho....isso é tempo pra caramba, mas beleza...enfim....




    Hay Ees¡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o próximo artigo de game sair em 31 dias... tu é um profeta dos bons. Vô me esforçar mas, tecnicamente, é bem provável que seja esse o tempo. Ainda preciso me decidir sobre qual jogo irei jogar agora.

      E bem, o que mais complicou nessa dlc foi o fato de ter rejogado o game desde o início. Praticamente refiz a análise, apenas cortei a parte em que falo da mecânica e personagens...

      Se parar pra pensar, eu fiz quase o mesmo com o Artigo de KH2, onde dividi em 3 partes. Aqui, foram em duas partes, mas foi justificado pela DLC...

      O nome "Re-mind" é justamente pra dar um ar de jogo novo. Esse seria um dos intermediários a partir do lançamento de KH3. Até então, já tem 2 jogos assim, Re-mind, e Melody of memory.

      Sobre filmes... na lógica, a Disney não precisa autorizar nada. Percebeu que Kingdom Hearts usa como pano de fundo os universos da Disney, mas na verdade ele tem o seu próprio? Podem fazer um filme inteiro apenas contanto com o universo de Kingdom Hearts! Já fizeram isso aliás, se chama Back Cover...

      Mas um onde Sora aparece, teria de contar com Donald e Pateta, no mínimo. A menos é claro que optem por contar uma história antes deles irem pra jornada, ou até mesmo posterior. Quem sabe uma história que não se passe nos mundos Disney ou Pixar, mas da própria Square? Sora agora ta sozinho afinal de contas, e ele já tem holofotes pra caramba pra não depender mais da Disney.

      É bacana isso, mas no começo, eu jogava KH por causa da Disney, e a curiosidade pra ver os mundos deles... agora jogo pela própria história de KH. Uma armadilha que Nomura criou... e funcionou.

      Aliás, obrigado pela leitura sr Wilson. Sei que foi cansativo mas, significa muito pra mim. Bom que se divertiu rs.

      Alguma ideia de qual o próximo game?

      Excluir
    2. Eu não, Rogers que é...

      Ele aprendeu com os próprios palestinos a habilidade de previsão, onde ele está entre um consenso do espírito e do corpo, e sua proximidade com a raça absoluta nunca foi vista antes, ele está além da onipotência, ele...


      Beira a onipotência @_@

      (""Nah, foi apenas uma conclusão indutiva com base no espaçamento padrão entre cada texto, isso foi visto e analisado por meses, para que eu chegasse nesse consenso e consiga prever de forma significativamente bem o período de tempo restante a se consumir entre o artigo mais atual e o artigo mais próximo em termos de um futuro não tão distante...



      Em resumo, foi tudo uma grande brisa"").





      E aliás, essa foi a resposta a um comentário mais rápida que eu há pude vivenciar, 9 minutos...uau kkkk.

      Alias 2, a "mágica" ocorreu de novo, o penúltimo paragrafo e o ultimo foram adicionados "magicamente" enquanto eu estou digitando isso, antes, eles não existiam.


      Aliás, não, não foi cansativo, eu só dei uma estendida na minha leitura pois sabia que iria demorar para mais uma leitura tão grande...
      Pse, mas nem foi tão grande, eu poderia ler isso em 3 horas, ou menos, mas resolvi transformar 3 horas em 3 dias hahahah.




      Eu não sei se KH teria tanta graça sem os personagens da Disney, meio que eles são completamente diferentes das animações, a única coisa que não mudou é o visual.
      Se esse "próximo KH" se passasse antes, talvez não teria ainda mais graça, ou não, sei la kkkkk.


      Os personagens Finalfantasianos nunca fizeram tanta participação, talvez "nesse" eles sejam as grandes estrelas.


      Eu não tenho nenhuma ideia de jogo, na real, o último jogo que eu joguei foi o Oracle of seasons, e isso foi a 4 meses atrás...
      Não tenho jogado muito, mas de qualquer forma...

      Me surpreenda!!





      Aliás, eu tive um sonho (leia por sua conta e risco)
      extremamente brisado no dia 20 de abril (de 20 para 21).


      Meu, é tão doido pensar que já faz tanto tempo, e eu guardei sabe se lá onde isso...
      Agora é hora de esvaziar a mente:

      -o Sonho é sobre viagem no tempo, e por incrível que pareça, no sonho, eu estava na cama (exatamente da mesma forma como eu estava quando fechei os olhos pela última vez antes de dormir) e eu começei a sonhar...

      Não sei como, nem onde, mas estava olhando para a tela do computador, e apareceu um clarão na minha cara, e eu apareci no mesmo lugar, só que 5 anos no passado.
      Antes de eu me tocar disso, eu fui para a escola (pois aparentemente, em um intervalo de 5 anos para o passado, eu estudava de manhã).
      E eu apareci lá, e a configuração da sala era a mesma, eu acho que eu estava no 3° ano, e ai eu me toquei disso, quando eu falei isso, assustado, as pessoas olharam pra mim de um jeito estranho, e ai eu percebi que não se tratava de um sonho, era real, eu comecei a suar frio, pois a primeira coisa que eu pensei foi:
      "Eu vou viver todos esses 5 anos, pela 2° vez...AHHhHHHHhHh!!!"

      E sai correndo da sala, e da escola, e fui pra casa (sendo que na época eu não saia para a escola sozinho)


      cheguei em casa, estava vazio, na hora não achei estranho (mas era estranho) e fui para o computador...


      Eu fui em direção a pessoa mais louca que eu conheço (no bom sentido)...

      Você!
      Abri o blog, e constatei que era 24 de junho de 2016 (Repito, não sei de onde saiu isso)
      e ai, eu fui para o artigo do Zelda TP (sendo que, se eu não me engano, ele não tinha sido postado ainda) e ai fui correndo comentar...


      E então, o clarão voltou, e estava lá eu, comentando no mesmo artigo, só que na versão eu do presente (que já é passada rs) e então coloquei um PS no meu comentário:
      "Hey shady, o que tu diria se o meu eu de 5 anos atrás dissesse que é um viajante do tempo e que veio 5 anos do futuro para você?"


      E ai, eu acordei, e disse:
      "Foi apenas um sonho"

      E ai eu de fato acordei, e pensei:
      "Caralho, que sonho maluco, preciso anotar ele em algum lugar"



      E ai que entra o motivo de eu estar escrevendo isso, estou anotando hahaha.

      Excluir
    3. Adorei o sonho... finalmente participei de algum, mesmo que indiretamente né kkk.

      Aliás, eu diria "Que honra, você se deu ao trabalho de encontrar meu site mesmo depois de viajar no tempo... to feliz".

      Eu já imaginei o que faria e sempre penso que, seria uma tremenda derrota ver que todos os artigos que fiz sumiram. Eu seria incapaz de reescrever exatamente como são... poderia tentar, mas jamais sairiam do mesmo jeito. Então, eu nunca gostaria de viajar no tempo...

      Bem, obrigado mesmo por ler e comentar, e vou tentar diminuir o tempo entre um artigo de jogo e outro... é difícil mas, vou fazer o possível.

      Oracles... ta ai um que to afim de conferir. São dois jogos, que da pra concluir com certa facilidade e criar um artigo partilhado, ou até mesmo dois artigos individuais... curioso curioso... pensei em fazer um "Artigo Espelhado"... dois artigos com exatamente a mesma estrutura, mas que se conectam e complementam de forma que você teria de ler ambos ao mesmo tempo... meu deus tive uma ideia.

      Enfim, vamos esperar pelo futuro.

      Excluir
    4. Eu não consigo pensar em futuro, enquanto eu penso nele...


      Ele já chegou.

      Enfim, eu tive a mesma ideia ideaistíca que tu quando estava a escrever...


      Eu imaginei o seguinte:

      Fazer dois textos, iguais, em termos de estrutura, e a única coisa que muda é o jogo, e ai...

      Dependendo do que o leitor escolher, o outro jogo ficara ocultado para ela, como se o artigo deixasse de existir, mas só tenha ficado ocultado para ela.

      E ai, segue o artigo...

      No final, você vai deixar o final do artigo meio em aberto, e colocara o link para a continuação (claro, o leitor pode simplesmente chegar até o final do artigo e clicar no link, Mas isso não faria sentido, e ele provavelmente faria isso só por curiosidade)
      .
      .
      .
      Essa continuação seria a do próprio jogo, e ai o artigo iria continuar.
      Aliás, dessa forma seria apenas um artigo, pois enquanto ele estiver nesse artigo da continuação, o outro seria ocultado...


      Meu, eu não faço ideia se isso é possível, mas ainda é uma ideia valida haha.

      Excluir
    5. Faz isso não sr Wilson, eu vi a foto nova e o novo nome (Linkachu, bom) e achei que era leitor novo... pif.

      E bem, essa ideia é muito boa e dá pra fazer, acho... no entanto envolve programação pacas e, eu não sei se dou conta. Vou tentar, afinal eu realmente acho bacana e dinâmico dar essa variada, e casa perfeitamente com a ideia de Oracles (logo, seria a melhor maneira de transmitir a sensação de jogar)... mas tenho que ver se ficará prático, mesmo caso consiga fazer. Vou ter de testar em celulares e desktops pra ver se a leitura flui, e também verificar erros possíveis que podem ocorrer. Vai ser trabalhoso mas, vou ver se consigo fazer.

      Excluir
    6. Leitor novo hahah.

      Seria engraçado se fosse...
      Magina, um fan de Zelda e Pokémon ao mesmo tempo, isso seria doido demais!
      (Não que não exista, mas é bem raro)




      faria sentido, seria legal pra caramba, e ainda seria um dos artigos mais bonitos do blog, justamente por ter dado tanto trabalho...


      Quer dizer, não da tanto trabalho assim, mas demora...e tal demora já é esperada então, não tem por quê não fazer.




      Se o Pikachu fosse para o mundo de Zelda, como ele iria para a pokebola?


      Ele entraria na triforce que mais representa ele, então o Pikachu entraria...


      Na triforce da coragem! Acho...
      Sei la kkk.

      Excluir
    7. Bem, se eu for levar a ideia pra frente, provavelmente será bastante trabalhoso, mas vou me divertir.

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)