SérieMorte: The Walking Dead - Dead City - 1° Temporada - 1° Episódio - A série morreu mas continua andando.

The Walking Dead voltou... mas na verdade nunca havia parado. A série inspirada nos quadrinhos de mesmo nome foi um sucesso fenomenal a alguns anos, até cair no esquecimento e virar exatamente aquilo que seu nome sugere: Um morto ambulante.

Falarei o que achei a seguir...

Boa leitura.

The Walking Dead?

Além do show principal, alguns spin-offs foram criados, desde web-séries curtas, até séries com temporadas inteiras como "Fear" e "World Beyond". Muitos jogos nasceram também, principalmente (mas não exclusivamente) os da Telltale, que renderam premiações e uma enxurrada de fãs.

Contudo, o gás dos zumbis (que nunca são chamados de zumbis) foi se dissolvendo conforme as histórias se tornavam desinteressantes, repetitivas e pouco criativas. Muito além de se distanciar do material base (os quadrinhos), tudo que acabava indo pra TV não passava de melodrama entre pessoas ruins e pessoas mais ruins ainda, sobrevivendo num mundo acabado.

Eu, particularmente, nunca assisti (e nem pretendo) os últimos episódios da série mãe. Eu tentei, muito, mas ela em nada se parecia com aquilo que tanto me atraiu no início. Esse papo inclusive é comum entre muitos fãs, e já adianto que não há problema algum em curtir essas temporadas, afinal gosto não se discute, mas algo que ficou nítido em The Walking Dead é que a série se perdeu a muito tempo.

Mas isso não significa que ela não renda lucros pros desenvolvedores e atores. E pensando nisso, optaram por manter o morto andando e anunciaram vários spin-offs, e até filmes, inspirados na série mãe, e protagonizados pelos personagens mais chamativos dela.

A primeira a ver a luz do dia foi "Dead City", série protagonizada por Maggie (Lauren Cohan) e Negan (Jeffrey Dean Morgan), que lamentavelmente só estica o melodrama característico das últimas temporadas da série principal.

Dead City vs The Walking Dead

Queria poder dizer que pelo menos ela tem identidade própria, como foi com Fear e seu "drama familiar", ou até mesmo com aquela novela adolescente do World Beyond (essa eu desisti de acompanhar no segundo episódio). Contudo, ela é apenas mais do mesmo.

Inclusive nem mesmo um roteiro original possui. Ela repete a MESMA HISTÓRIA vista na série principal, quando Maggie retornou e teve seu encontro com o assassino de seu marido.

Por mais que troquem as palavras, o texto é exatamente o mesmo, onde a moça que deixou o grupo a tempos, retorna para pedir ajuda, e se depara com seu antigo inimigo, tendo de trabalhar ao lado dele enquanto nutre uma vingança pelo passado.

Lembro-me claramente de ter visto exatamente isso na história principal, onde Negan parecia alguém redimido depois de tudo que fez, mas acaba voltando a ter o ar vilanesco conforme contracena com uma Maggie mais independente e rebelde, além de bad-ass.

E foi exatamente por esse motivo que eu parei de assistir. O que antes era a história de Rick Grimes buscando sua família e lutando pra mantê-la a salvo num apocalipse zumbi, virou a história de dezenas de personagens caricatos que acabavam se destacando pelo ótimo desempenho dos atores, e ganhavam falas extras, até virarem estrelas e tomarem o show pra si.

Se ao menos isso fosse interessante, tudo bem, mas conforme as histórias se estendiam, tudo sempre se resumia ao mesmo: Vilões grandes com objetivos vagos, sendo enfrentados em guerras, com zumbis como armas ou coadjuvantes.

E não há problema nisso, óbvio que não. Porém faltou um pouco de esforço da equipe de desenvolvedores em tentar ao menos emplacar alguma trama decente que surpreendesse e nos amedrontasse, assim como era no inicio de tudo, o que foi justamente o que atraiu o público.

The Walking Dead nunca foi uma série de zumbis, mas sim de pessoas sobrevivendo em meio a um colapso social ocasionado por zumbis. Mas o que chama a atenção da galera não é a discussão sobre o aquecimento global ou direitos humanos. O que chama a atenção são os monstros resultantes dos mortos, que podem a qualquer momento levar pro lado deles, qualquer um, qualquer personagem, sem dó nem piedade.

Mas claro que, rostinhos bonitos e boas atuações ganharam direito ao "Roteiro Perpétuo", e se tornaram apenas imortais, no meio de tramas mortais, o que vai em contramão ao tema base que tanto nos amedrontava.

A série é boa?

Vi apenas o primeiro episódio, e não posso falar que a série inteira se resumirá ao que assisti, mas preciso alertar que não, ela não é boa. Muito dela repete fórmulas vistas em The Walking Dead, mas não é só por isso que ela falha.

Ela falha por insistir em erros graves de narrativa, com falas que remetem a eventos da série principal, e praticamente nos obriga a conhecê-los pra sentir o mínimo de empatia pelos personagens.

Eu, como alguém que se recusa a ver o final de TWD, não deveria sofrer pra entender o que uma série alegadamente "spin-off" tem a contar, mas eu não só fiquei confuso com o posicionamento de alguns personagens, como também não entendi o que é novo e o que é velho.

As falas dos personagens por várias vezes são apenas conversas soltas, sobre eventos antigos sem nexo com o atual. Constantemente eles falam de eventos passados, tentam se explicar, ou contam apenas sobre coisas pessoais que não conciliam em nada com o que rola em cena.

Por exemplo, numa hora Maggie tem um pesadelo com Negan matando Glenn, com direito a flashback de cenas de The Walking Dead. Então, ao acordar e ver Negan ali do lado dela, o próprio começa a contar sobre como queria ver a Estátua da Liberdade junto com seu pai. Tipo? Além disso em nada se ligar ao que se passa na cabeça de Maggie, ainda por cima não condiz com uma conversa normal, e fica nítido que é apenas um gancho narrativo pra alguma cena futura de Negan na tal estátua.

Outro exemplo é a cena do cara no barco. Um membro dos Federais (explico depois) é pego como refém e levado num barco por Maggie e Negan. Então, Negan decide jogar ele pra fora do barco afinal ele é um inimigo, mas Maggie tenta impedi-lo, e sem nem tentar negociar ela consegue. Negan do nada começa a falar que ele não é um vilão, que ela também não é, e que talvez todos ali sejam e ponto final. Daí ele esquece a ameaça do Federal, deixa ele no barco e segue viagem.

Mais uma cena totalmente desconexa é a do Federal contando a razão de estar caçando Negan, e citando com detalhes como ele matou Glenn, quase como se ELE ESTIVESSE LÁ, sendo que a razão dele estar caçando o antigo vilão seria uma vingança pessoal, travestida de justiça, que ocorreu muito depois dos eventos de Negan malvadão, e em nada se conectam com a famosa cena do bastão Lucile na nuca de Glenn. 

Nem comento a reação dos personagens coadjuvantes, que poderiam facilmente resolver tudo apenas falando a verdade, mas preferem mentir na cara dura, sem motivo algum (eles não deviam nada pro Negan e dizer a verdade não os prejudicaria de forma alguma, afinal eles não tinham como saber que ele era procurado, e só deram emprego pra ele), e morrerem por uma causa ilógica.

Por mais que tais cenas façam sentido, elas são forçadas, e construídas com diálogos péssimos de pura exposição emocional, só pra encaminhar pro drama corriqueiro que será abordado ao longo da temporada.

Ainda tem o fator "lógica" onde quando se trata do protagonista, as regras do mundo mudam. Por exemplo na primeira cena, Maggie mata um zumbi ao se esconder de uma horda. Ela grita, ela faz muito barulho, ela até mesmo chora gritando ao lembrar de seu marido... mas nenhum zumbi a escuta. Se fosse um coadjuvante ele morreria na primeira luta com o primeiro zumbi e os demais chegariam em seguida pra esquarteja-lo.

Inclusive isso ocorre! Um cara segura uma porta, e tudo que ele precisa fazer é impedir que as pessoas vivas saiam, ou tentem sair. Ele tá armado, ele ta afastado da porta, ele nem mesmo precisa ficar perto dela (está trancada, os zumbis estão empilhados nela). Mas basta um zumbi romper a porta, que o cara esquece que tem pernas, esquece que tem uma arma, esquece que não precisa ficar encostado na porta, e é devorado ali mesmo... coberto por zumbis.

Qual a história?

A trama é sobre Maggie em busca de seu filho (Hershell), que foi sequestrado por bandidos que extorquem ela mensalmente, cobrando recursos dela pra manter ele vivo. Mas ao invés dela ir sozinha pra salva-lo, ou buscar algum contato antigo, ela vai atrás de Negan, sim, o mesmo que matou Glenn (seu marido) e a traumatizou, para pedir a tal ajuda, pois os bandidos que a atacaram já fizeram parte do grupo dele.

Nessa forçada história, acompanhamos o casal lavando roupa suja enquanto fala do passado, e viaja pra ilha de Manhattan, onde rolou o epicentro da pandemia de mortos vivos, que forçou o isolamento da ilha. Lá é o palco da temporada, por isso o nome "Dead City".

Então assistimos Negan e Maggie aprendendo a se ajudar, na busca por Hershell e contra um vilão canastrão que sequestra, tortura e mata pessoas, estando ele alocado na ilha repleta de zumbis. E o objetivo do vilão? Bem, ele sequestra pessoas pra conseguir recursos pro seu grupo, saqueando comunidades fora da ilha (o que por si só já deve gastar recursos de mais), e nem mesmo armas tem... mas é uma ameaça pois o roteiro quer isso.

E pra apimentar as coisas, temos um Federal (pelo que entendi é um tipo de policial mesmo) que persegue Negan pra prendê-lo... e nessa perseguição está disposto a executar seus próprios companheiros e quase ser morto já no primeiro encontro (ele é poupado, e meu, a Maggie ainda deixa A ARMA DELE PRA ELE).

Onde tudo isso irá parar? Bem, tanto faz. É só algo genérico como sempre.

Compensa acompanhar?

Apesar de ter sido um sucesso na estreia pela AMC, a série não prende a atenção.

Pra quem gosta de The Walking Dead, pense nela como só a história de Negan e Maggie esticada. Eles vão se descobrir, conhecer, aprender a conviver, e aceitar (ou não) suas responsabilidades. Agora quanto ao mundo pós-apocalíptico... bem, tem zumbis que devoram coadjuvantes mas são inofensivos pros protagonistas, e sabemos quem são os protagonistas.

O morto permanece andando.

E é isso.

See yah!

Postar um comentário

2 Comentários

  1. ele estao rico e vc escrevneo porcari ano seu bloqznho que ninguem da a minima, qum e o patetico ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que nenhum dos dois é patético, felizmente não usei essa palavra. E ainda bem que tenho esse espaço pra escrever, e que bom que o conteúdo te alcançou. Ao menos 1 pessoa ligou!!!

      Bem, quem sabe um dia eu consiga ficar rico também, mas isso ocorrendo ou não, não mudará minha opinião sobre a qualidade de "Dead City", ou melhor, sobre a necessidade de "Dead City".

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)

DIVULGANTE
MORTE