SérieMorte: Chucky - Uma grande porcaria.

É uma grande porcaria.

Fim.

Obrigado pela leitura.

See yah!

Originalmente, juro que queria deixar o artigo só nessa intro. Pra mim já bastaria, o que seria muito melhor que gastar horas escrevendo sobre algo que eu simplesmente repudiei de tão terrível (no pior sentido).

Todavia, já que gastei de fato horas assistindo, não vou desperdiçar esse tempo com a possibilidade de, a longo prazo, esquecer o quão revoltado fiquei, e ousar pensar que talvez, a série tenha algo bom.

Dito isto irei descrever absolutamente tudo sobre a catástrofe que Mancini (que tem a audácia de se equiparar a escritores renascentistas no fim da obra, hilário) nos ofereceu.

Boa leitura, pois se tentar assistir... coragem.

Não escondo o fato de que estive bem ansioso por assistir a série, que eu nem botava tanta fé de início, até ver o primeiro trailer e pensar "Talvez seja boa, vamos ver o que tenho a perder?". Eu desvalorizei meu próprio tempo pois, eu o perdi.

Entretanto, fui muito mais longe do que apenas assistir... eu levei isso a sério. Tanto que depois que cheguei no terceiro episódio e vi que precisava comprar outro caderno imaginário de anotações (eu nunca anoto as coisas, mas imagino um caderninho onde as anoto coisas pra criticar, pra escrever depois, e eu consegui lotar ele ao ponto de imaginar uma loja pra comprar um novo... negócio tava feio), eu decidi parar tudo, e procurar por mais embasamentos.

É que, eu comecei a assistir a série assim que o terceiro episódio saiu (o primeiro e segundo saíram juntos), e já pensei em desistir de acompanhar. Ela era repleta de falhas (irei contar todas elas com muita calma logo mais), no entanto eu engoli seco e me desafiei a interpreta-la de um jeito mais saudosista, afinal, vai que a série tava sendo boa eu nem tava entendendo por não captar as referências.

Afinal, talvez a série tinha sido feita para fãs, e não necessariamente pro público geral. Talvez as continuidades mal pensadas, as conveniências de roteiro, as inconsequências dos eventos e os muitos erros lógicos que acompanhei, fossem liberdades criativas que os filmes do Brinquedo Assassino teriam estabelecido para seu público. 

Foi justamente por isso que assisti tudo sobre Brinquedo Assassino e ainda escrevi a respeito, numa maratona que eu sinceramente curti. O resultado eu publiquei e então me preparei pra voltar à série, agora com um novo olhar, e preparado pra compreendê-la.

Fui todo empolgado pra série uma vez mais e... desisti no quinto episódio, pois nem maratonar os filmes tudo, e o spin-off, me fez gostar um pouco mais disso. Pelo contrário, eu só consegui reparar o quão estúpida ela tava sendo, indo muito além de falhas da série em si, mas com falhas na FRANQUIA.

No entanto, é claro que eu não ficaria na curiosidade e veria tudo quando terminasse de lançar, e por sorte, ela só teve 8 episódios.

Assim que saiu o 8° episódio, segurei meu vômito e assisti tudo, só pra confirmar o que os 5 episódios que eu já tinha visto já haviam deixado muito claro: A série é porquíssima.

O roteiro dela é fraco, e repleto de furos e incongruências referentes a si própria e ao material original. E não da pra culpar o roteirista por isso, pois o próprio criador de Chucky fez essa porcaria. Mesmo assim, ele conseguiu a infame proeza de arruinar sua própria obra, desfazendo algo que miraculosamente ele havia conseguido nas empreitadas anteriores.

Os filmes do brinquedo assassino sempre foram meio bobinhos, com um terror que beirava o terrir, repleto de humor sórdido e um gore datado. O foco era quase ser uma autoparódia misturada com mistério que vai pirando na batatinha mas, sempre foi no mínimo aproveitável (vamos considerar o 3 como um bom filme apesar de tudo).

A série Chucky tinha absolutamente tudo pra ser tão boa quanto os filmes, mas preferiram estragar tudo com fanservice, repetição de elementos dos filmes originais, referências completamente gratuitas de coisas que nada tem a ver com Chucky, e claro, "Terror Social".

Ah esse tipo de terror... é aquele que tenta nos fazer refletir sobre nossa posição na sociedade, os comportamentos interpessoais da galera, e claro, como algo assombroso pode não ser tão perturbador quanto nosso cotidiano.

A série pesa a mão numa novela sobre jovens se descobrindo sexualmente, e sobre famílias de diferentes esferas sociais se desenvolvendo. E o boneco assassino fica de lado só observando.

Com uma cota pra bater, de 1 morte no mínimo por episódio, 90% de cada capítulo gira em torno dessas histórias mal atuadas, mal dirigidas, nada envolventes e lotadas de clichês, e o que se reserva ao que da nome ao projeto, rola apenas em 5%, normalmente com aparições do brinquedo e interações muito forçadas com o elenco principal, e claro, as mortes (que nem parecem fazer parte da série só pra constar).

Os 5% restantes são de flashbacks da infância e passado de Chucky, que tenta contar a origem do Charles Lee Ray, na proposta de tapar buracos das tramas originais ou... eu sei lá, preencher o enredo com algo relacionado ao brinquedo? Só que, no fim, só serve pra contar nada com coisa alguma.

Não há apenas uma falha ou outra, o projeto inteiro parece se perder no que quer mostrar. Mas, vamos por partes:

Existem vários atores mirins e adultos que tinham tudo pra serem ao menos adequados pro que a série parecia querer mostrar.

O protagonista é um estudante, artista, e gay, que sofre bullying na escola por ser pobre (marcou todos os pontos de lacração, faltou só ser negro). Então surge Chucky numa venda de garagem, e o brinquedo se revela ser aquele mesmo encapetado possuído por um serial killer, que parece querer transformar o jovem num assassino como ele, ao invés de só passar a faca em geral... 

É nesse ponto, que tudo desanda. Pois essa ideia se perde junto a um emaranhado de ideias que surgem e se vão quase como se a série estivesse sendo escrita em cima da hora.

O garoto logo no começo já mostra que não vai colaborar com o brinquedo, mas a série tenta empurrar a ideia de que ele vai se converter num serial killer também, forçando a barra com uma atuação instável, que uma hora mostra um garoto perturbado, outra hora alguém em dúvida, noutra alguém carente, e em outras vezes alguém apaixonado.

As emoções dele seguem o que é mostrado no roteiro a risca, mas esqueceram de combina-las com os eventos que rolam durante este roteiro. Tem mortes acontecendo, mas nada afeta ninguém. Ele vê o próprio pai fritar na frente dele, e não reage a isso. Pra ser sincero, ele até reage, por algumas cenas, quando a história pede pra ter alguma consequência. Depois disso ele parece esquecer tudo e só segue adiante.

Mas, o pior é que isso se aplica a todos os personagens. Ninguém tem reações naturais, tudo é novelado e romantizado de um jeito que, soa antinatural e fere nossa percepção emocional. Personagens que uma hora choram e logo em seguida estão sorrindo, são mais comuns aqui do que em... em... eu sei lá, pense em algo tão falso que parece que foi feito pra gente ignorar e passar adiante...

Exemplo disso, é a "antagonista" (vamos chamar assim mas, ela não é isso). Uma garota muito chata que pratica um bullying terrível com os outros (ao ponto de nos fazer desejar a morte dela, sério), mas que do nada, absolutamente do nada, se transforma numa amorosa, delicada, meiga, engraçada e até gentil estudante que só tem problemas pra se abrir.

To falando a real, a personagem consegue desconstruir a si mesma do nada, e isso nos deixa confusos. Eu sei que há obras que quebram nossa expectativa revelando mais de seus personagens e nos fazendo revê-los com novos olhos ao passo que são desenvolvidos... mas não é isso que é feito aqui.

Num episódio ela se fantasia como o pai morto do garoto numa festa de halloween e zomba dele em público, sem qualquer consequência. No outro, ela vira amiga do garoto e mesmo descobrindo que ele tentou mata-la, o ajuda a vencer Chucky, arriscando a própria vida, saúde, e relacionamento, por alguém que ela evidentemente desprezava.

Ah é simplesmente tão ruim, mas tão ruim, que eu não vou te torturar assim. Não te farei ter dúvidas ou curiosidade, irei descrever a história enquanto digo o que há de errado nela, episódio por episódio.

Episódio 1

Tudo começa com uma cena no passado em primeira pessoa de alguém andando na direção de uma mulher, ai corta...

Pro Chucky sendo comprado numa venda de garagem, pelo protagonista. E não, nunca é explicado como ele foi parar ali.

Aí rola novela, com famílias brigando, o garoto ouvindo um podcast do namorado futuro e no fim, Chucky mata um gato.


Daí rola mais novela, com mais família discutindo. Os tios do garoto e seu primo vão almoçar em sua casa. Seu pai e seu tio eram gêmeos mas, enquanto o pai dele era um fracassado, o tio era bem sucedido. Mas o que importa é a parte em que a tia dele vai pro quarto dele, pra ligar pra alguém em segredo. Sim, ela vai pro quarto do sobrinho, sem motivo nenhum, e lá decide fazer uma ligação misteriosa. Seria um amante? Seria uma amante? Seria pra pedir pizza? Nah, Chucky observa de longe e tem mistério e mais mistério, mas é claro que nada acontece, ninguém morre, só da suspense mesmo, afinal, é o começo ainda.


Depois do pai do garoto pistolar sem razão e destruir seus brinquedos ele diz "Filho meu num tem boneca, se livra disso ou eu quebro ele e sua cara". É algo assim, então o garoto decide vender na internet e descobre que é caro pra caramba! Um boneco Garoto Bonzinho é caríssimo, e ele bota seu anúncio.

Mas, ao invés de guardar num lugar seguro, ele decide levar pro colégio. Sim, o garoto pega um brinquedo grande e chamativo, de criança, e leva pra escola só pra ser zoado mesmo. Depois reclama pelo bullying. Aliás, só pra não deixar passar, rola muito destaque pro fato do jovem ter uma queda pelo amigo.

Então, na escola, depois do bullying corriqueiro, começa uma aula qualquer de dissecação, da qual o garoto pode participar tranquilo com um BRINQUEDO DO LADO ao invés de um colega, e olha que curioso, o boneco assassino dilacera um sapo, sem ninguém ver, nem o garoto (que olha pro lado) nem a professora (que olha pro teto) nem os demais alunos que estão todos posicionados logo atrás dele (ELE SENTA NA FRENTE DA SALA). Ninguém vê, mas a professora ao notar o trabalho do jovem diz "Num é assim que se faz, tomou zero". Ninguém viu o brinquedo se mexer... ninguém viu o brin... ok.

Daí tem mais novela, o garoto é zoado por ser pobre, e a mina que praticou bullying é obrigada a ficar na sala depois da aula, pra tomar bronca da professora. Isso, ao passo que o garoto pede pra professora guardar seu brinquedo num lugar seguro. Claro que é tudo só pra fazer o brinquedo matar a garota na sala né? 


Mas nada acontece, feijoada. Mesmo ela vendo o brinquedo se mover, ela só se assusta e derruba o celular, e a professora chega, e pega o brinquedo. A garota mesmo perdendo o celular, vai embora como se nada tivesse ac... é sério isso?

Então beleza, de volta em casa, o garoto passa por mais novela, mas o mais importante é a ligação misteriosa que ele recebe de um comprador do brinquedo. Alguém que pergunta se se chama Chucky, e o avisa pra ficar longe. Logo em seguida ele pesquisa e vê a história de Andy.


Mas beleza, o garoto vai pra escola pra um show de talentos (sim, é do nada, não tem ninguém comentando ou se preparando pra isso, só do nada ele vai pro show de talentos e fim), pra assistir o namorado tocando piano, e ai do nada, o brinquedo aparece atrás dele, vaiando a garota que praticava bullying, e ironicamente, tava apresentando o show em si!


Então, ao ver que seu boneco está vivo, e ciente pelas pesquisas que fez que o boneco assassino provavelmente era real, o jovem protagonista foge de lá assim que ele começa a falar pega o boneco e obedece suas ordens, subindo no palco e fingindo ser ventríloquo.


Então Chucky xinga e ameaça geral, num show de comedia que evidentemente é suspeito, chegando ao cúmulo de citar o segredo da tia do garoto. Além disso, ele usa o celular da garota chata e lê as mensagens pessoais dela pra todo mundo ver, como vingança ao que ela fez ao seu novo amigo. Daí ambos são expulsos do show, já reaparecendo em casa com o pai bêbado do protagonista brigando com ele, em uma nova novelinha.


Então o garoto chora porque seu pai foi mal com ele e o botou de castigo, e diz que o odeia. Ao ouvir isso Chucky decide ser um bom samaritano e executa o homem bêbado.


A morte ocorre no porão. Chucky desliga a energia elétrica cortando os fios e os deixando desencapados no chão. O cara bêbado desce para religar as luzes, quando Chucky aparece, e vomita uma garrafa de bebida inteira que ele entornou. 


O líquido toca nos fios e nos pés do cara que é eletrocutado junto ao disjuntor no qual ele tava com a mão. Seu olho explode, em referência a uma das mortes vistas no último filme do Chucky, e pra terminar, o protagonista assiste a cena toda, com Chucky dando um salve atrás dele.


Mas nada acontece, os policiais chegam, investigam a cena do crime e deduzem que o pai bêbado derramou a bebida e se eletrocutou sozinho. O garoto, que tava na cena do crime passa batido pelas acusações, e a detetive principal apenas lamenta pela tragédia e respeita o luto do garoto, enquanto o colega dela já suspeita dele de início.


Então, o episódio termina com uma referência ao primeiro interrogatório de Chucky, e o garoto segura o boneco (que ele sabe que ta vivo) e balança pedindo pra ele responder, até tomar um tapão na cara, e Chucky anunciar que só tá começando. Ele começa então a explicar pro garoto o quão encrencado ele tá.


Ah, também voltamos a primeira cena com a pessoa em primeira pessoa no passado, e era Charles Lee Ray, ainda criança, que já aponta que terão flashbacks de sua infância, aparentemente conectados aos eventos atuais (só que não).


Episódio 2

Nosso segundo episódio começa com uma cena do pequeno Charles comendo uma maçã da cesta de doces do halloween, com uma gilete dentro. Algum maluco botou no meio dos doces pra sabotar a criançada, mas o Pequeno Charles é problemático então ele come, se machuca, e gosta. 


Depois do Gore gratuito pra fingir que é uma série de terror pesada, vamos para mais novela. O jovem rapaz foi adotado pelos tios e levou o boneco junto mas, esquece Chucky. O que importa é acompanhar o jovem até a escola pra ver como ele é recebido pela turma depois de um tempo sem ir, afinal o pai dele morreu.

Mas é Haloween, então todos estão preparando uma festa e, convidam o jovem protagonista pra participar, da forma menos natural que você puder imaginar. E tá tudo certo, com ele sendo convidado a levar o boneco junto pra dar uma de ventríloquo novamente.


Enquanto o garoto permanece la na escola, ai sim vimos como ta Chucky, em casa, fingindo ser um brinquedo novamente. Daí ele fica entediado e mata a empregada, empurrando em umas facas na lava louças. Moral da história: Jamais deixe a louça virada pra cima quando for lavar ou secar, é burrice.


Agora que Chucky já matou, a série pode focar em conversa e drama barato, e já começamos com a descoberta da moça morta, de uma forma enrolada. Os jovens (primo e protagonista) chegam em casa e conversam, conversam, conversam e conversam, e só aí, notam que tem uma mulher morta no cenário. 


Aí chamam os pais e a polícia, e rola aquele clichê de gente rica desvalorizando seus empregados sem conhecer suas famílias e tal (não tendo a quem avisar da morte da moça). Mas beleza, isso é mais pra botar os dois policiais entrando em acordo quanto a estranheza de mortes rolarem onde o protagonista está. 


Então a cena corta pro protagonista trocando ideia com Chucky e brigando com ele por ter matado uma pessoa. Chucky mente descaradamente, e em seguida ainda começa a tentar converser o jovem a participar de assassinatos com ele. 

Na verdade ele se finge de amigo, e ainda lê o diário do rapaz, descobrindo tudo sobre ele, e dizendo que vai ajuda-lo. Nessa parte inclusive ele menciona o filho "queer" que teve, uma breve referência à Glen, mas que serve apenas pra dizer que ele entende a orientação de seu novo amigo.


Conversa vai conversa vem, e a série só enrola, mostrando a família discutindo sobre o filho, e depois o primo invadindo o quarto dos outros e mexendo na cara dura no laptop do protagonista. Claro que, ele descobre que ele tava pesquisando sobre a namorada dele, tudo pra ter uma briguinha boba e troca de olhares, nada de mais. Legal que depois que o primo sai do carro, o protagonista tenta chamar a atenção de Chucky e toma um murro no olho, fora das câmeras.

Daí corta pra outra família, a da Prefeita da cidade, que calhou de ser a mãe da moça chata. A irmã da moça chata é uma desenhista incrível, mas tem um tipo de autismo, sei lá, e não é fácil de lidar. Isso não serve pra absolutamente nada no resto da série mas, finge que é importante. Deve ser pra tentar justificar o comportamento da moça chata, mas sinceramente, isso não funciona.


Aí mostra outra família (a série é assim!), agora a do garoto negro que o protagonista ta afim. A mãe dele é a policial, e ela sabe que ele é gay mas finge que não sabe, e apoia sem dizer que apoia. Mas ela diz pra ele ficar longe do protagonista pois, é encrenca. 


Então, hora da festa. É claro que todo mundo esqueceu a empregada morta e vai sair pra festejar né! Assim, o primo sai primeiro, e o protagonista nem ia sair, até que percebe que Chucky sumiu e deduz que ele vai matar a garota chata. Assim ele sai correndo pra impedir. Detalhe: Os tios dele percebem o olho roxo do garoto e supõe que é apenas uma maquiagem. Mesmo ele e o filho deles nã ose dando bem, e ele sofrendo bullying constantemente... sim, ninguém se importa.


Paralelo a isso, Chucky bota uma máscara e se finge de criança pra coletar doces, afinal é Halloween!!! Na verdade ele procura pela festa da criançada pra matar a loirinha mesmo, e vai perguntando pras pessoas. A primeira que ele encontra, já conta tudo, em troca de uma maçã que adivinha, tem uma gilete dentro! Mas isso vai voltar depois...


E é aqui que rola uma das coisas mais toscas da série, numa sucessão de descontinuidade assustadora. Primeiro, tudo começa com Chucky chegando e descobrindo onde a moça chata tá, perguntando mesmo, ainda disfarçado. Depois o protagonista chega na festa, encontra seu namorado e ambos começam a procurar por ela, sem que o protagonista diga a razão de ser tão importante acha-la.


Porém, eles são interrompidos e jogados juntos num armário, pra passarem um tempo conversando e quem sabe se beijando. Todo mundo na festa ta torcendo por isso. Mas é claro que nada acontece, apenas enrolam. Vai ser o grande ápice da história quando eles se assumirem, mas é preciso enrolar é claro. É uma série sobre romance adol... não, é de terror... ou... ah mano.


Enquanto isso, Chucky conheceu a irmã da moça chata, e ta jogando vídeo game com ela, e tentando conquistar a confiança dela e fazê-la virar uma assassina. Mas ela não liga muito, e apenas o considera seu melhor amigo.

Nesse mesmo momento (a cena corta sem qualquer elipse), a garota chata e o primo do protagonista tão se preparando pra copular. Ou tentando (sim, adolescentes, a série não ta nem ai!), mas é claro que nada acontece. No entanto, de baixo da cama, tá Chucky (sim, ele teletransportou) e ele tenta esfaquear eles por baixo. Como não funciona, é fim


Só pra confirmar que não deu tempo de Chucky subir as escadas, indo do porão pro segundo andar e se esconder de baixo da cama, eis que os jovens apaixonados do armário saem, 7 minutos depois ( o jogo é 7 minutos no paraíso afinal... ou inferno como chamam aqui).


E ao saírem, ta a garota chata TOTALMENTE FANTASIADA E MAQUIADA, fingindo ser o pai falecido do protagonista, que só pra constar, é o tio do namorado dela viu. Todo mundo RI! Todo mundo se diverte, só porque ela é famosinha. Os mesmos jovens que ficaram de boa com o casal gay no armário, ficam animados ao ver uma fantasia que fere qualquer senso de moral, e ainda por cima com apresentação e tudo mais (ela finge que ta sendo eletrocutada). Muito lógico.

Claro que ele fica chateado, e decide ir embora e deixar ela morrer mesmo, que se lasque.

Porém ele muda de ideia logo em seguida e volta pra salvar ela, que vai buscar a irmã pra ir embora, e olha que curioso, ela tava com Chucky novamente! Ele quase a mata, mas o protagonista aparece, pega o boneco e foge.


Enquanto isso, a mulher que pegou a maçã fala com a policial, acusando uma criança ruiva de ter atacado ela com essa fruta. Ela não recebe qualquer medicação, nem curativo, e fala com a boca ensanguentada. Normal isso. Mas a cena serve pra botar a policial na pista de Chucky, pois ela questiona a respeito da roupa e percebe que é a mesma do brinquedo.


E pra fechar com chave de bos... ouro, Chucky ta no quarto do protagonista, depois da festa já, conversando mais uma vez e tentando fazer sua cabeça. Ele fala que a moça chata é malvada e tal, e merece morrer, e não há nada de errado nisso. E, fala que já que o protagonista não quer deixar ele matar, ele mesmo teria de fazê-lo. Então, o protagonista aceita o desafio, pega a faca e faz cara de mal.


Episódio 3

Esse episódio começa com Chucky contando de seu passado pro protagonista. E isso é o gancho pra um flashback dele numa festa de aniversário que num tem absolutamente nada de importante pra comunicar.


Assim, a cena é cortada pra professora do protagonista sendo interrogada pela policial. Esse professora é meio curiosa, pois ela pouco participa mas parece receber bastante destaque (há quem teorize que ela é a Glenda mais velha, a outra filha de Chucky, algo até reforçado posteriormente por uma frase da policial, mas nada disso importa.) Ela se recusa a contar qualquer coisa dos alunos e pronto.


Ai tem mais enrolação, com um encontro forçadíssimo do protagonista com o namorado e depois com a professora, que diz que chamou os tios dele, e os pais da garota chata, pra falar a respeito do bullying sofrido na festa. Ele não foi convidado.


Daí o protagonista diz que ta atrasado pra uma tarefa, e corre pra matar a garota chata no meio de um treinamento de corrida num parque... sim, claro, durante a aula! Ele rastreia o celular dela, por isso sabia onde ela estava.

Aí ele corre e quase esfaqueia ela pelas costas, mas na hora que ela vira, não era ela, era o primo dele, que tava usando A MESMA ROUPA QUE ELA, pra correr também. Ele nem vê a faca, só acha estranho o primo ter perseguido ele e fica por isso mesmo.

Em seguida ele vai pra namorada, e fala que não gostou do que ela fez com o primo, e ela deveria se desculpar. É enrolação. Aliás, ele tava com o celular dela porque sim.


Aí vemos a irmã dela numa cena chata onde ela reclama de tudo e no fim, diz que quer o Chucky de volta, e essa é a deixa pra que a garota chata vá até o protagonista.

Ela vai, ele finge que vai matar ela pelas costas mas não mata, e ela é chata como sempre, pede desculpas e depois se gaba, pedindo pra que ele retribua o favor, emprestando o Chucky pra irmã dela. Ele recusa é claro, deixando ela brava.


Então ela vai embora, e ele volta pro quarto e esfaqueia uma boneca gigante que fez dela, que tem até bolinhas vermelhas dentro pra simular sangue (onde ele achou tempo pra isso!? E MATERIAL?), e olha que legal, Chucky vê isso e diz "amigo, é sua ansiedade falando, me deixe fazer isso por você" e ele concorda, decidindo levar Chucky pra casa dela.


Detalhe, a cena seguinte é muito, mas muito tensa, então prepare-se. A policial ta lavando roupa e passa do lado da porta do quarto do filho, que ta escutando gravações que fez do namorado falando. Ela escuta através da porta, e entra.

Aí mostra que ele ta escutando com fones. E se surpreende com a entrada repentina dela, parando o áudio e tirando os fones pra conversar.

Então ela reforça que é bom ficar longe do protagonista, e sai do quarto, com o filho botando os fones novamente e escutando o áudio que, ELA NÃO TINHA COMO TER ESCUTADO. Mas calma, erros desse tipo são comuns de mais ao longo da série.


Daí o protagonista entrega Chucky na mão da irmã da garota chata. E vai embora de boas.


Todo mundo feliz, os pais da garota convenientemente saem pra reunião lá com a professora, e deixam ela sozinha com a irmã, e claro, o brinquedo. E ele nem espera, já tenta matar ela na cara dura pelas custas... só que ai chega o galerê. Ninguém vê o brinquedo andando atrás dela quando ela abre a porta.

Ela já tinha planejado uma festa e convidado todo mundo, inclusive o namorado do protagonista. Quando isso ocorreu? Não importa, mas isso frustra a tentativa inicial de Chucky.

Na reunião, a revelação da brincadeira desumana da loirinha é feita, e a reação do tio do protagonista é totalmente de acordo com a realidade, visto que ela zombou da morte do irmão dele. Mas, fica tudo por isso mesmo e nunca mais tocam no assunto.


Daí vem a passagem final que é repleta de enrolações e tal. Chucky é posto pra dormir junto com a irmã da moça chata, e paralelo a isso, todo mundo começa a dançar de fones. Tem ciúmes adolescente e no fim, Chucky vai matar a moça, e por sumir, a irmã dela acorda e enche o saco.

Aí é um jogo de gato e rato. Chucky procura loirinha pra matar, loirinha procura Chucky pra por a irmã pra dormir, todo mundo dança sem ver nem ouvir nada (literalmente, geral fecha os olhos!) e ai, pum, sem motivo algum, um garoto da festa aparece no segundo andar e é esfaqueado por chucky que se engana achando que era a moça chata. Aí ele esfaqueia o garoto até a morte, com todo mundo dançado logo a frente mas, ninguém percebendo.


Paralelo a isso, só pra tentar enganar nossa percepção de espaço e tempo, um flashback do pequeno Charles é mostrado intercalado com as cenas na casa, mostrando quando sua família foi assassinada por um invasor, e ele se escondeu.

Voltando a cena principal no presente, como se a casa fosse uma mansão, a moça loira vê a irmã dormindo sem o boneco e fica feliz, ignorando a festa que tá rolando no andar de baixo (o corredor não é tão grande!) e ignorando o corpo que ta caído no chão (ela nem vê!), indo fumar maconha no próprio quarto (???). Daí, Chucky aparece e pula nela.

Mas, a maconha cai numa cortina e vira uma fogueira, a casa inteira pega fogo e, fica por isso mesmo. Chucky derruba a moça e ri no meio do incêndio, e o suspense rola.


Enquanto isso, o jovem protagonista tava no cemitério, indo visitar o tumulo do pai e da mãe, e ao perceber as sirenes dos policiais, bombeiros ou ambulâncias (sei la) ele começa a chorar e pedir desculpas afinal, ele sabe o que houve. Como se lamentar o inocentasse, sendo que ele deixou o brinquedo assassino la pra massacrar geral.


Nem faz sentido nada disso. Ele deveria ter criado um álibi ao invés de ir pra um lugar onde ninguém sabia que ele estaria! Mas tudo bem, a cena só serve mesmo pra desviar a câmera pro túmulo de Charles Lee Ray, afinal aquela era sua cidade natal, onde ele foi enterrado. E detalhe: Nem fizeram o túmulo igual ao original, mostrado em "A Noiva de Chucky". 


São túmulos diferentes! 

Mas continuando, o episódio termina com Charles matando a própria mãe no flashback, e se aparecendo pro serial killer que invadiu sua casa. Aí recebe uma dica de como melhorar nas matanças e é deixado vivo. Assim surgiu o lado assassino dele... aham.

Episódio 4

Quer saber como tudo acabou na casa incendiada? Pois é, o episódio começa com geral já no hospital, e ninguém se feriu, nem mesmo a moça loira! Tá, alguns ficaram desacordados, mas ninguém se machucou de verdade, exceto o garoto esfaqueado e provavelmente carbonizado no segundo andar... 


A gente vê isso tudo pela perspectiva do jovem protagonista que vai do cemitério direto pro hospital e ta todo mundo resgatado já (magia). Lá, ele decide por burrice revelar toda a verdade pra loirinha, que viu o boneco tentar mata-la, foi encurralada, e por alguma razão escapou sendo que, nada foi mostrado! dentre as verdades que ele conta, ele revela por estupidez mesmo, que ele pediu pro Chucky matar ela. Tudo normal.


Aí eles brigam mas é só pra enrolar pois, cenas depois ela volta pra tentar encontrar o brinquedo assassino. Mas isso demora com enrolações do tipo, mostrar a irmã dela encubada (pois respirou a fumaça enquanto dormia).


O namorado do protagonista com o braço machucado só pra, ter cenas com a mãe dele e o namorado mesmo.


E por fim, as famílias se encontrando no corredor (só dos protagonistas) e discutindo pela morte do garoto na casa da prefeita... e a policial interrompendo a briga pra revelar que ele morreu por assassinato, esfaqueado, e todos ali seriam investigados. Lol.


Sabe qual a decisão do protagonista e da garota chata? Ir até a casa recém incendiada procurar pelo brinquedo assassino. Daora.


Eles teletransportam do hospital pra lá, e invadem a casa (que foi fechada pra perícia!) com lanternas.


Paralelo a isso, primo do protagonista recebe anestesia e vê o Chucky, mas isso num interfere em absolutamente nada, é só pra enrolar.

Enquanto o namorado investiga os casos de assassinatos ligados ao boneco do protagonista, por que sim. E descobre TUDO SOBRE ELE, NO GOOGLE.

Isso é só pra encaixar de alguma forma um flashback do Chalers adolescente num orfanato, pra dizer que agora vai mostrar um pouco do passado dele nessa idade mas, só mostra ele matando um cara e levando uma criança pra mexer no corpo.


Daí volta pra casa queimada e, adivinha, enrolação. O casal improvável discute relação enquanto, andam como lesmas pra subir uma escada. Daí rola briguinha, e a moça chata despenca com o protagonista segurando ela pelas mãos. 

Aí Chucky aparece no fundo da cena, pede pra ele soltar ela pra ela morrer 9com ose a queda fosse matar haha) e ele tenta esfaquear ela no pé. Mas é claro que o garoto consegue puxar ela, até que um policial aparece, não pra verificar de quem são as luzes que invadiram a cena do crime, de noite, mas sim pra buscar, adivinha, a porcaria do boneco pra filha da prefeita, e calhou de ta ali, nos pés dele, com metade do rosto queimado.


Não to mentindo, o policial sai da casa dizendo pros adolescentes que invadiram a cena do crime de um deles (independente de ser a casa da mina, uma pessoa morreu ali e ela é suspeita, E ELE SABE DISSO), apenas irem até a viatura. Ele não os rende nem nada, eles ainda imploram pra ele largar o boneco e fica por isso mesmo.


Na cena seguinte, eles tão na viatura com ele, na parte de trás (aha, foram presos? Não!) e ele só sai do carro e deixa eles livres mesmo, fim. Mas, a policial aparece e diz que quer falar com o protagonista a sós (afinal, é claro que a filha da prefeita não é suspeita de um incêndio causado na casa dela, com o foco iniciado no quarto dela, com um corpo caído justamente no corredor do quarto dela!


Sem enrolar, o policial leva o boneco pra menina desacordada independente dele tar todo acabado, e aproveita pra roubar doces dela. Que legal, e lógico isso. O Boneco então pula nele e o mata com seringas no peito.


Vale dizer que pra atingir o policial ele atinge a coluna vertebral dele com uma faca, e ele cai paraplégico. Chucky arremessa a faca! Chucky é o Gavião Arqueiro dos brinquedos!


Mas beleza, a policial interroga o protagonista e não dá em nada, ao mesmo tempo que a moça chata conta do boneco assassino que precisa encontrar, pro namorado do protagonista que, eu sei lá meu, é pra ele entrar no trio jovial de heróis e pronto.


Daí tudo acaba com os médicos indo até a sala da garotinha dormindo, pois os equipamentos dela foram desligados pelo Chucky, e ninguém nota o corpo morto no chão, até religar os equipamentos. 


Aliás, eles não notam o corpo quando botam a tomada, eles só notam quando a mocinha já ta bem, ai enfermeira olha pro chão e percebe que tem alguém morto!


E, se não bastasse tamanha besteira, Chucky se move na frente de todo mundo, sentado na bancada, com o rosto derretido pela metade (chama a atenção mesmo se não se movesse) e mostra o dedo do meio pros 3 heróis adolescentes que a série pintou. 


A reação deles é totalmente ridícula, e pra variar, ninguém além deles vê o gesto obsceno do brinquedo. É rir pra não chorar.


Antes que me esqueça, paralelo a essa pataquada toda, é revelado o nome da única criança que Chucky conseguiu convencer a mexer no corpo que ele matou. Era o mesmo nome do sócio dele nos crimes, o mesmo que abandonaria ele no futuro e ele voltaria pra matar no primeiro filme.

Episódio 5

Acaba logo por favor! O episódio começa com Charles já jovem adulto conhecendo uma mulher num bar e se amassando com ela. Seria essa a Tiff? Mistério!!!


Todo mundo ta bem já. A garota trocou de quarto no hospital mas já acordou, e ela rejeita o boneco pois ele ta feio. O pai dela pega e joga no lixo do hospital então, e Chucky fica todo animadinho com as seringas perfurando seu corpo. Aparentemente ele se drogou ou algo assim, no lixo hospitalar. Ele já fica todo perfurado com agulhas só de cair lá... guarde isso.


Olha que coisa mais daora. A garota loira só vai perguntar do Chucky agora, e ela descobre que ele foi direto pro lixo. Então ela conta pros amiguinhos, e 3 adolescentes vão pra ala de lixo hospitalar de um hospital, sem ninguém pra impedi-los, e... fazem mais estupidez gratuita (sério, deveriam ter cortado isso pois não tem absolutamente nada a comunicar ou adicionar pra trama, e é muito ridículo!)


Eles, leia bem, eles pegam luvas e uma vassoura, e ENFIAM AS MÃO NO LIXO HOSPITALAR COM SERINGAS USADAS PRA PROCURAR O BONECO ASSASSINO! MEU DEUS MANO DO CÉU PORQUEEEEEEE!


Tudo isso a troco de nada pois o boneco não ta lá. Mas, rola uma cena do garoto protagonista caindo nos braços do namorado e ficando parado olhando pra ele com cara de bobo apaixonado. 


É tão fofo, meu deus, esqueça as doenças que eles poderiam ter pego, esqueça toda a ausência de lógica em toda essa composição, e toda a falta de significado nessa parte da trama... é tão fofo ver eles se ajudando!!! Ownnn.


Daí o tempo passa. Ta todo mundo feliz na escola. Falam umas duas ou três palavras em condolências ao falecido aluno e já vão pra primeira aula como se nada tivesse ocorrido. Mas, há uma mudança agora... o trio impossível forma uma panelinha e deixa quem de fora? O Primo! Que também é namorado da loirinha. Não é atoa que ele fica enciumado.


E pra que isso? Nada, eles tão combinando formas de rastrear e encontrar Chucky, como se fosse algo plenamente natural. No entanto, pausa de alguns minutos pro casal jovem mais fofo da escola dando as mãos no corredor, com os alunos dando voltas e voltas e voltas na escola em câmera acelerada, mas eles dois parados (notei a moça de blusa amarela passando uma três vezes).


Corta pra discussão gratuita na casa da prefeita que já tá reformada, ou parcialmente reformada... o tempo é ligeiro aqui.


E temos o que? A mocinha já totalmente recuperada dizendo que ama o Chucky novamente, ao receber um novo boneco, só que agora chamado Tommy.


Loirinha surta e tenta destruir o brinquedo na frente de todo mundo, ninguém tenta nem parar ela, mas ela para bruscamente e, tira uma foto pra por no grupo do zap.


Normal.


Enquanto isso (la tava de dia, como da pra ver pelas janelas) o protagonista ta jantando com seu primo e seus tios em casa (de noite como da pra notar... sim, o tempo é diferente em cada região da cidade) e ele recebe o zap da amiga falando do novo brinquedo.


Ilógico pensar que ela esperou literalmente o dia inteiro pra mandar a mensagem pra ele... mas fato é que Chucky não gosta do novo brinquedo que ta com sua amiga, e decide stalkear pela janela, na chuva.


O pai da garota nota ao dar boa noite, que o brinquedo deformado ta jogado do lado da filha dele perto da cama, e acha que a filha chata tentou pregar alguma peça, da uma bronca, e joga o brinquedo no lixo (já parou de chover).


Então a moça percebe, e vai até a lixeira, e segura ela, pedindo pros amigos irem até ela pros três destruírem Chucky finalmente. Afinal, certeza que era ele.


A parte engraçada... a lata se mexe, como se algo vivo estivesse dentro dela, fazendo eles confirmarem que era Chucky mesmo tentando sair. Então eles fazem contagem regressiva, com um saco na mão, e tiram a tampa. Quando ela abre, um Gambá pula e... ELE PULAM DE MEDO. Se fosse Chucky mesmo estariam todos mortos.


Daí eles pegam o brinquedo do lixo, jogam no saco, e pisoteiam ao som de uma música animada. E aí, comemoram a morte do brinquedo. Viva, a série realmente acha que engana.


Então, todo mundo vai feliz pra casa, e finalmente, os dois namoradinhos podem se beijar. Viva, diz que é o fim!!!


Cena corta, flashback do Charles jovem adulto levando uma mulher prum quarto de hotel, onde ele costuma matar junto com aquela que ele conheceu antes. Mas, eis que essa mulher aceita a morte e implora pra ele executa-la... empolgada! Isso faz ele mudar de alvo e mata a antiga mulher que ele tava, e ambos massacram ela.

Daí, a voz dela muda (???). Aqui preciso explicar uma coisa...

A voz do Charles jovem adulto é a mesma do Chucky, mas o ator não é o mesmo. Eis que dublaram (no áudio original mesmo, em inglês) o ator que interpretou o antigo Charles Lee Ray em sua versão jovem adulto, com a voz do ator que dubla o Chucky. Isso pois, o ator que dubla o Chucky é o mesmo que interpretou o Charles Lee Ray lá do primeiro filme, quando morreu.

Desde aquele filme, ele dubla o brinquedo. Então essa voz é a voz do Charles. Por isso que eles dublaram o personagem (e fica bem esquisito), pois não daria pro ator reinterpretar ele mais jovem (ele já tá bem velho). E olha que em "A Maldição de Chucky" eles usaram ele pra interpretar Charles Lee Ray num flashback, sob muita maquiagem pra parecer mais jovem.

Enfim, isso importa, pois a voz que passa a aparecer na moça que entrou pra dupla de Chucky no flashback, depois dela matar a outra, é a voz da Jennifer Tilly, a eterna noiva do Chucky. Ela dubla a boneca, e ela é a atriz que interpreta a atriz de mesmo nome... O engraçado é que ela percebe a mudança de voz no flashback, mas isso não faz parte da cena em si, é algo pra que a gente identifique os personagens. O cara era Chucky, a garota era Tiff.

Criativo... mas sinceramente as vozes não combinam em nada e a dublagem ficou esquisita. Pior ainda é a versão brasileira, onde pegaram uma voz mais jovem e totalmente diferente pra dublar o jovem Charles, literalmente cagando pro esforço da obra em dar a voz pra ele. Aqui, poderiam manter a voz do Chucky mesmo (que é boa pacas) mas, nop. Contraditoriamente, a voz da garota pe da mesma dubladora da Jennifer Tilly/Tiff, então, o que raios quiseram fazer na dublagem brasileira?

Acabou? Cabou nada. Acompanhamos uma revelação bombástica! A tia do protagonista tinha câncer, esse era o segredo dela la do começo, e ela ia morrer em breve. Ela revela isso ao conversar com sua psicóloga.


Mas, isso não é tudo, Nica e Tiff, estavam se pegando longe da cidade, e elas aparecem em cena, ambas se beijando e tal, na frente de uma de suas vítimas em potencial. Na verdade, Nica era Chucky incorporado assim como ocorreu no final de "O Culto de Chucky", e é aqui que tudo continua.


Mas aí ocorre algo inédito. Ao ver sangue, Nica recobra a consciência e domínio pelo corpo, mas perde os movimentos das perdas. Biologia básica, a alma que manda nos nervos.


Assustada ela tenta libertar a vítima, que reage e atordoa ela, afinal, cara, a mina é louca. Mas ela conta um resumão de tudo que ocorreu nos dois últimos filmes de Chucky, pra atualizar quem tiver assistindo (como se isso explicasse alguma coisa, até eu ficaria boiando se não tivesse acabado de ver os filmes).


Daí Tiff aparece, e não percebe a transição da moça, pois Chucky retorna pelo supetão do cara burro (podia ter sobrevivido).

Aí ele levanta, e sai de cena, voltando em seguida (achei isso bem atuado, a atriz da Nica é boa) e diz pro cara não contar nada disso pra ninguém, mas corta a garganta dele pra confirmar.

Daí quase vomitei, não pela cena de gore, mas por ser sangue digital falso que só, e ainda por cima muito mal editado.


E acabou? Ainda não. O pessoal da cidade é convidado pra um tipo de conferência na escola, onde a prefeita, diretora e policial diriam algo importante pra todos na cidade. É mó perda de tempo, e isso tudo só acontece pra que a diretora (nem é importante na real) tenha sua cabeça decapitada por Chucky e revele aos jovens felizes que, ele não morreu.


Aí sim, acaba.


Com a revelação de que, o óbvio aconteceu. Chucky migrou a alma prum novo brinquedo assim como sempre faz desde... os dois últimos filmes.

Episódio 6

Esse episódio começa com Tiff narrando a retrospectiva. Isso não importa em nada, mas compensa citar, afinal é aqui que ela conta também um pouco de quem é (citando vagamente eventos dos filmes em que participou). 

Isso pois agora, ela ta no elenco principal da série, assim do nada. Ela e a Nica.


Mas não é só elas não, Andy e Kyle também voltam. Andy do primeiro, segundo e terceiro filme, e também da participação no último. E Kyle do segundo e de uma participação no último, nas cenas pós créditos.


Ambos agora caçam os membros do culto do Chucky. Andy fugiu do hospital psiquiátrico e se uniu a sua irmã adotiva pra caçar os brinquedos que fugiram. Eis que ele encontra aquele da mão derretida, e executa ele a sangue frio, com u mtiro na cabeça, do lado de uma garotinha!


Sem consequência alguma, ele vai de encontro ao último brinquedo restante, aquele que ele encontrou com um garoto na cidade natal de Charles Lee Ray. Sim, foi Andy o misterioso que ligou pra ele (ah, nossa!!!). Ele vai até a cidade com sua irmã pra executar o que seria aparentemente o último exemplar da alma de Chucky.

Detalhe, ele explica pra irmã que Chucky dividiu a alma em várias partes, mas faz misterio quanto a última (que tava em Nica).


Enquanto isso na escola, tudo normal como sempre. Mas ai a polícia chega e prende a professora! Do nada! O trio perfeito intervém a favor dela, mas são ignorados afinal, são crianças, o que sabem!


Paralelo a isso, Tiff e Chucky se preparam pra uma mudança, pra onde? Segreeedo. Então, Chucky vê sangue e Nica assume.

Mas pulamos prum flashback aleatório que mostra o jovem adulto Charles com Tiff, comprando o carro que eles usaram no último filme. O carro era importante quem diria. Eles compram e matam o vendedor, então entram e... é explicado de onde Charles tirou a ideia de usar Vodoo!!! Ele leu num livro, era seu hobby, menos um mistério pra lista hein.


De volta a novela de costume. A tia conta pra família que vai morrer. todo mundo fica triste, até o protagonista. Isso num tem nada a ver com Chucky mas, ta bom, precisamos de um novo arco dramático.


Corta pra Nica jogando com Tiff. Ela finge que é Chucky mas Tiff descobre e, diz que prefere ela, mas logo em seguida bate com uma frigideira na cabeça dela, a atordoando.


Corta pro trio perfeito pesquisando sobre Andy Barclay. Razão? Nenhuma mano, ele agora ta no elenco, a série precisa explicar que mele é. Então, eles procuram no Google mesmo, e descobrem tudo sobre ele inclusive que é fugitivo do hospício. E... Andy liga pro celular dele... e cai na caixa postal que diz o nome dele... e ele atende em segu... a mano, mano, MANO! A polícia num tava atrás dele? Se era tão fácil assim achar ele, porque não... ah esquece, a polícia num pega nem um Boneco Assassino, vai conseguir pegar um ex-estudante militar?


Eles ligam pra ele, e ele atende como eu citei, e pergunta onde o Chucky está. O protagonista da o endereço da casa do primo dele, pra um estranho no telefone, e fica por isso mesmo. Agora é esperar até o episódio 8 quando Andy chegará e salvará o dia.

Enquanto isso, a garota chata, que agora é legal, então vamos chamar de garota legal, decide terminar com o primo do protagonista. ela não quer terminar, mas ele sim, e ela prefere isso à contar a verdade e incluí-lo no clubinho. Detalhe, ela chega a contar a verdade pra ele, do brinquedo assassino e talz, mas ele chama ela de louca e só termina. 


Corte de cena, Tiff ta na cidade já, a mesma que todo mundo ta indo. Comprou uma casa, a mesma onde Charles cresceu, e levou Nica. ela ama a Nica agora, e mantém ela amordaçada em sua casa. Ela enjoou do Chucky e quer que a Nica se mantenha ativa no corpo, mas, ela também quer mantê-la à força com ela.


Corta pra delegacia. A policial interroga a professora, que agora ta cheia de marra pedindo o advogado. Aí ela joga um misterio no ar: A professora teve um passado delinquente... huuum... será que ela é a Glenda? Nunca saberemos! (por favor, nunca saberemos!!! Não lancem continuação pra explicar!)


Então, chega a parte em que a série lembra que é terror. A tia vai pra psicóloga e deixa o filho sozinho, no carro. Ela então se consulta e decide lutar pra continuar viva... aí Chucky empurra ela do prédio com um carrinho.


Ela cai, de costas...


Mas chega de rosto no carro onde o filho tava, pra gerar aquele trauma no filho.


Corta pra conversa em casa sobre ela ter cometido suicídio, com a psicóloga explicando (perícia pra que?).


E então, chega a hora da estupidez adolescente. O namorado do protagonista vê num filme uma forma de capturar vilões. Filme antigo aliás. Ele deveria construir uma armadilha sinalizadora no centro de uma casa ou algo assim, e é isso que ele faz. Ele não usa os alarmes da casa pois não queria que a mãe del e fosse la e, pra que exatamente isso serviria? Meu, é muita burrice pra uma série só.


Não dá em nada, o alarme chega a se mexer, mas os jovens ficam assustados com o alarme se mexendo kkk. Aí Chucky entra pela chaminé (quem mexeu o alarme então?) e pronto, começa o massacre? Nada.

Todo mundo procura no escuro (Chucky desliga a energia, ele teletransporta mano), e no fim, ele encurrala a garota legal, no segundo andar, em um quarto, e ao invés de matar ela, fica tentando convencer ela a matar o protagonista. Mas agora ela é legal.

Então o protagonista e seu namorado lembram que ela ta sozinha e decidem verificar, encontrando Chucky e pegando ele pelas costas. Mas, olha a sucessão de burradas:

Protagonista não bate no boneco e é esfaqueado na perna pois se assusta com ele, de COSTAS.

Namorado acerta o boneco com uma arma de choque, E ELA ATORDOA ELE, fazendo ele voar um pouco longo mas ainda à vista, e sem a faca! Aí o que ele faz? Ele fica batendo no Taser pra ele recarregar rápido, e deixa o brinquedo se recuperar, reclamar que ta velho, pegar a faca, e correr na direção dele gritando! ELE FICA ASSUSTADO E DEIXA O BRINQUEDO PASSAR.

Aí eles estranham o fato do boneco ter escapado sem matar ninguém, ainda. E a mãe do garoto aparece, a policial mesmo. E Chucky pula nas costas dela empurrando ela nas escadas e, fazendo ela quebrar o pescoço na queda.

Pois é.


Episódio 7

Tudo retorna no velório da... tia. Ninguém liga pra policial morta.


Mas o garoto que perdeu a mãe, vai lá né, pra conversar com os amigos e tomar a decisão burra costumeira "Vamos parar de procurar o Chucky, vamos nos separar, podemos sobreviver mais fácil assim, dificultando o trabalho pra ele" Sim, ele diz isso, queria eu tar exagerando ou zoando.


Então o primo aparece todo bravo pela morte da mãe e culpa o protagonista, batendo nele, como se isso fizesse algum sentido.

E, pra variar, Tiff aparece no velório, e vai direto pro tio do protagonista (que acabou de perder a esposa e foi la impedir o filho de ser um idiota) e olha que legal, uma senhora desconhecida dá um beijo na boca dele e deseja pêsames, indo embora em seguida, e deixando todo mundo confuso. Mas ele curtiu.


Flashback, Tiff e Chucky matam um cara sem importância quando jovens e se divertem.


No presente, Andy deixa Kyle num posto de gasolina e vai caçar Chucky sozinho, pra deixar ela segura (burro).


Irmãs quebram cabeças de bonecas, nossa que divertido.


Casal tem DR e decidem se separar.


Tio fica bêbado, e não sabe explicar porque uma senhora beijou ele no velório da esposa, na frente do filho.


Chucky aparece pro filho dele, e tenta convencer ele a se unir a causa dos assassinos, usando justamente este desrespeito do cara a favor dele.


Prefeita fala merd4, ignora os mortos recentes e anuncia toda feliz uma sessão de cinema comunitária com participação de uma celebridade (adivinha quem?). O filme ia ser Frankenstein (???).


Filha chata 2 fala pra irmã legal que Chucky mandou ela matar todo mundo, e a garota legal faz cara de taxo. 


Chucky então convence o jovem primo a matar o próprio pai pra vingar a mãe dele. Afinal, a estranha beijou ele pois provavelmente ele a estava traindo, e ela cometeu suicídio por isso. Mas, guarde bem isso... Alias ele aceita de boa o fato do brinquedo ta vivo. Ué, a namorada dele não tinha dito isso? Ele só aceitou? Ignorou a história?


Paralelo a isso, o protagonista decide fugir de casa, chega a ouvir o primo falando sozinho no quarto dele e nem suspeita que seja um BRINQUEDO ASSASSINO QUE ELE JÁ CONHECEU.


Enquanto isso, o namorado descobre que a casa de Charles Lee Ray fica na cidade dele e decide ir até lá pra vingar a mãe, usando um Taser. Sim, ele deduz que o boneco estaria lá ou, eu sei lá! Não tem razão nenhuma pra ele querer ir lá!


Flashback do casal assassino brigando pela primeira vez, pois Chucky matou sem Tiff.


De volta ao presente, Tiff vai na casa do "amante" e, fala com o filho dele, sim, ela se encontra com o primo e diz que é amante do pai dele e, faz ele sentir mais raiva ainda, indo embora em seguida. Ela do nada decidiu tacar lenha na fogueira emocional do rapaz confuso.


O namorado chega na casa do Charles, quebra a janela, escuta alguém pedindo socorro, não reage e invade a casa.


O protagonista vê um cara carregando um Boneco Bonzinho do mesmo modelo do Chucky, no meio da rodoviária, e só decide perseguir ele, e compra o boneco (que o entregador vende ao invés de entregar pois, ele é um mal entregador) e, ainda pega o endereço pra onde o brinquedo seria enviado. ele então espanca o brinquedo e confirma que ta morto (por favor, não busque mais lógica, eu quero acabar logo kkk).


O namorado liberta a garota que ele encontra na casa, e era Nica, ou melhor, Chucky, que havia reassumido o corpo e o captura, com o Taser.


O protagonista teletransporta da rodoviária pra casa da prefeita e entra com tudo, sem alarme nem chave, dane-se, e chega jogando o boneco na mesa.


Então começa a conversa burra costumeira. Eles checam no wi-fi de seus celulares o que o endereço significava, ao mesmo tempo que procuram pelo namorado do protagonista. Ambos descobrem que, a casa é do Charles Lee Ray, pois o endereço era esse no google, e porque o namorado postou nas redes sociais que ia fazer um tour lá... é sério.


Enquanto isso, o primo decide agir junto com Chucky. Ele usa Chucky pra falar tudo o que pensava pro seu pai, inclusive sobre a amante dele. E então, depois de muita conversa...


Ele pega o boneco e espanca o pai dele até a morte. Chucky mal reage aos impactos (podia xingar ou curtir, sei lá, mas ele nem reage). Aliás, morte por boneco mano!


Então Chucky agradece pelo que o garoto fez, e diz que tava tentando fazer alguém matar faz tempo. Então, eles cantam juntos.


Ao mesmo tempo, o boneco na casa da prefeita, que o protagonista tinha levado, acorda e pega uma faca. E o namorado amordaçado na casa de Charles, vê dezenas de bonecos de pé, vivos.


E por fim, Andy chega na casa do primo.

Episódio 8

O último! Quem narra é o Chucky com voz infantil (a voz de Boneco bonzinho).


O sangue do recente assassinato some do rosto e da roupa do primo, e ele atende a porta pra Andy. Um total estranho, que faz várias perguntas, e ele deixa entrar.


Por incrível que pareça, o primo consegue não ser nenhum pouco suspeito e todas suas respostas as perguntas de Andy são bem lógicas. Mesmo assim Andy explora a casa dele, em busca do brinquedo, e é mó chato.


Inclusive, até enfia a mão numa banheira pra ver se o boneco ta lá dentro. Lógica???


Daí ele vai embora, e Chucky sai de uma provada, e convida seu novo amigo pra brincar por ai. Ele explica que só não matou Andy ali, pois ele tava armado... aham.


Por alguma razão muito estranha, do nada, a série começa a fazer referências ao filme "O Iluminado". Primeiro com a aparição do Chucky la na casa da prefeita, indo matar o protagonista e a garota chata, após abrir uma cortina de plástico e dizer as palavras "Aqui está Chucky" (agora ele lembra!).


E depois com a música tema de O Iluminado tocando em vários momentos diferentes. Praticamente transformaram ela na música de Chucky, sem razão alguma! Mas enfim, Kyle chega e dá um tiro na cabeça do brinquedo salvando as crianças.


Mas logo depois ela envenena eles e deixa eles desmaiados, pra ir buscar o amigo deles na casa do Charles Lee Ray, sozinha.


Antes disso, ela explica a maior besteira que podia ser dita na série, e é aqui, que ela assume que é uma bobagem sem igual. Chucky precisava que uma alma pura, uma criança, matasse por ele. Fazendo isso, ele poderia transferir sua alma pra qualquer brinquedo, em qualquer lugar, desde que fosse um Good Guy. Ele não podia transferir sua mente pra pessoas, exceto a Nica.


Preciso dizer onde isso tudo ta errado? Chucky nunca precisou dessa regra pras transferências. Tanto que ele foi pra Nica, e ao fazer isso ele mesmo diz que pode mandar sua alma pro corpo que quiser, desde que tenha duas pernas e dois braços. além disso, ele também transferiu a mente pra Alice! Ou será que a série se esqueceu disso? Tem também sua esposa que dividiu a alma em boneca e humana, e seu filho que dividiu em corpos de bebês. Logo, a regra nova é completamente ilógica!


Aliás, sabe a razão deles ainda estarem na casa da prefeita e não a caminho da casa do Charles Lee Ray pra buscar o namorado? Eles tavam tentando deduzir porque Chucky tava tentando convencer eles a matarem. Isso acontece de repente, só pra intercalar com o Primo matando, e justificar essa besteirada que a Kyle conta.


Enfim, paralelo a isso, Chucky no corpo da Nica pega a Tiff de surpresa e se prepara pra matar ela. Ele diz que a executou 4 vezes já, contando com a forma humana (mas eu só contei 3 mortes... duas no Noiva e uma no Filho, sugerindo que teve mais alguma nesse meio tempo).


Diferente do passado, Tiff implora pra não morrer, e repete várias vezes que ele precisa dela pro "plano" dar certo. Nesse momento, Primo e o outro Chucky aparecem, e ele diz que ela é realmente não pode morrer pro plano funcionar, convencendo o Chucky/Nica a parar.


Erro, o primo nem estranha a amante do pai dele ser uma das aliadas de Chucky, nem pergunta, nem suspeita, apenas continua sendo um fantoche burro.


Chucky então faz uma reunião com o exército de Chuckys, e rola uma referencia bem esquisita aos filhos Glen e Glenda.


Eles perguntam se há limite de idades, depois mencionam gêmeos, e o quanto eles poderiam ser problemáticos juntos contra ele. Mas, todos começam a rir (ao com de "O Iluminado" outra vez), e fica por isso mesmo. Eles mataram os gêmeos? Ou o destino foi outro? Mistériooooo. (Até a Tiff ri... então é realmente esquisito).


Tá, ai do nada os brinquedos vão tudo pra um caminhão já embalados e se fingem, de brinquedos mesmo. E Tiff prepara eles pro evento do cinema (ah ta, essa é a importância dela no plano?)


Depois todos voltam pra casa do Chucky, e Tiff se volta contra Nica/Chucky, e acaba recobrando a mente de Nica.


Chucky brinquedo então diz pra ela parar de frescura e matar logo essa Nica, alegando que não precisa mais dela já que tem vários outros corpos. Mas Tiff faz drama de mais.


Aí Chucky pede pro Primo do protagonista matar ela, e ele também enrola de mais.


É quando Tiff pula no brinquedo e corta a garganta dele. Isso não o mata, mas o imobiliza, e ela diz que não vai matar sua amada, fazendo até o primo ficar ao lado dela. Ele aceita isso de boa (mano, ele matou o pai dele por causa dela, e agora trabalha pra ela? Ahn? Sei que ela diz que só ela vai poder ajudar ele a fugir pelo assassinato do pai mas, qualé!). 


Aliás, nessa parte ela revela que foi ela quem traiu ele no passado, e entregou a localização da casa da mãe da Nica, e também quem acabou causando sua morte pra início de conversa. Sim, acredite nisso.


Aí eles vão pro carro, viajar pro cinema. Detalhe, antes disso a Tiff aciona uma bomba, que ela diz ser presente da Glenda (ou seja, Glenda ainda tava viva! E como ela diz no plural, Glen também estava), a qual detonaria assim que Andy chegasse na casa (o que ela sabia que ia acontecer sabe-se la como!).


Também, ela deixa o namorado do protagonista amordaçado (ele acompanhou toda essa loucura).


E, antes que eu me esqueça, no carro, o Primo do nada aparece com outro Chucky nos braços, e a Tiff deixa ele carregar ele tranquilamente... mas... ela num acabou de matar o Chucky em rebeldia? Agora ela voltou a cuidar dele??? De uma cena pra outra? A alma do Chucky num é a mesma???


Daí... Andy chega na casa, sem acionara bomba pois foi esperto. Ele liberta o garoto, e mata o Chucky decapitado que se levantou, ou pelo menos mata seu corpo. Ele fica com a cabeça pra interrogar, como sempre.


Mas ai a Kyle chega e, aciona a bomba kkk. Daí tudo explode fazendo drama. Será que todos morreram? Hein, hein??? Mistérioooo.


Daí ao amanhecer, o casal improvável acorda. Ambos com seus celulares, decidem ficar meia hora se perguntando que horas são, o que aconteceu, enfim, perdem tempo. Daí decidem checar as noticias e pronto, mortes na casa do Charles Lee Ray. Só diz mortes, no plural, não diz quantas nem quem.


Aí é choro, o protagonista vai pra casa do namorado lamentar a morte dele, numa música triste... e aí, na hora mais dramática, o namorado chega e tudo fica bem, se beijam ficam felizes, vivaaa. 


Sim, ninguém tentou ligar pra ninguém. Pois é, deu tempo de ir até a casa dele, mas não deu tempo de checar se ele tinha sido a vítima. Sim, faz sentido é claro que faz. Infelizmente, Andy e Kyle teriam morrido. Poxa, que pena né kkk.


Daí, mesmo todo mundo sabendo que vai ter problemas no evento do cinema pois, o namorado ouviu o plano inteiro! Eis que, a loirinha vai pro evento normalmente com sua mãe e irmã!


Jennifer é a grande atriz que vai apresentar o evento e apadrinhar tudo (ah ta, que novidade) e quem disse que alguém suspeita? Sério, o garoto não contou nada pra ninguém? Polícia??? A mãe dele era policial pelo amor!


Mas ta bom gente, finjamos que isso tudo faz sentido e vamos direto ao ponto. O primo chama a atenção de dentro do cinema, com um Chucky segurando uma faca em seu pescoço. Não para as muitas câmeras filmando, nem pra todo o pessoal ali presente, mas exclusivamente pra garota legal, que abandona a prefeita e a irmã e só entra no cinema mesmo e pronto. Ninguém dá falta.


Então eles começam a assistir o filme, e a prefeita fica preocupada, não com a filha que desapareceu, mas com o marido que ainda não chegou. E A PORCARIA DA OUTRA FILHA DELA QUE É PIRRALHA AINDA TA LA SENTADA VENDO UM FILME DE TERROR ANTIGO! MEU SENHOR AMADO MANO PORQUE!


Atrás da tela do cinema, ta lá a garota legal e o Chucky trocando ideia. ela pergunta onde ta seu namorado, e ele responde que ta atrás dela. Mas ao invés de mata-la ele tenta convencer ela a... sei lá, matar junto com ele???


Enquanto isso, o marido da prefeita chega e eles ficam felizes. Mas o Chucky da garotinha (que ela ganhou da Jennifer Tilly) ganha vida e vai pra baixo das cadeiras e... momento bobagem total...


Ele mata o cara, com uma faca no fiofó. Mas ele não grita!! Ele morre quietinho, e só é percebido quando a prefeita, que ri enquanto vê filmes de terror (mano do céu) e come o sangue dele babado na pipoca, pois... sim, ser esfaqueado no popô te faz sangrar pela boca... e pelo corpo todo como ocorre em seguida...


Pois Chucky começa a esfaquear todo mundo pelo fiofó! E tem gente que parece explodir kkkk pois é muito sangue! Não só em baixo, em cima também. Chucky tava com uma faca mas, parece mais uma katana pela forma como o pessoal morre rápido, numa facada só.


Muito ridículo, e pra completar, depois que todo mundo sai correndo, quem sobreviveu é claro, os namorados aparecem pra salvar o dia.


Eles resgatam a garotinha que nem se tocou que geral morreu.


E o protagonista luta contra Chucky. Chega a ser esfaqueado, e cai no chão com Chucky ainda zoando ele por ser tão forte como boneco.


Enquanto isso, o primo decide que não vai matar sua amada e pula em Chucky, mas é esfaqueado junto com ele. E ambos morrem lado a lado, esfaqueados no peito (sim, Chucky morre com facas no peito agora kkk).


E também estrangulado, pois o garoto do nada vira o Hulk, pega ele pelo pescoço e o enforca até explodir os olhos do brinquedo. Detalhe: Sei lá mano, é um brinquedo eu sei, mas o filme vende ele como mágico e a série também, então qualé!!! Se é tão fácil porque demoram tanto pra matar ele? Uma bicuda já resolve pô!


E ai acaba essa porcaria.


Ninguém chama a polícia nem nada (eles sumiram kkk) e Jeniffer tilly decide levar sua entrega de brinquedos pro aeroporto, na van. Mas, adivinha... surpresa! Andy tava vivo, sobreviveu a explosão e pega a van, dá um joinha pra criançada, e salva o dia.


Ou será que não? Pois a Tiff boneca se apresenta pra ele e aponta uma arma pra ele, forçando-o a dirigir pro aeroporto assim mesmo kkk. 


Mas sabe o que é irônico? Jennifer grita de raiva ao ver Andy levar a van então, ela não sabia da Tiff??? Elas não estavam juntas? Mistérioooo.


Por fim, algo realmente bem bizarro. Jeniffer aparece um tempo depois com Nica, sem os braços e pernas. Ela arrancou pra garantir que Chucky não voltasse (ou não fosse problema caso voltasse). É um final terrível pra moça... tadinha mano.


E aí mostra os jovens no cemitério, chorando pela família morta. Tio, Tia e Primo, capotaram.


Ai geral se abraça, e ta todo mundo órfão, ou quase. E claro, a professora ta solta, e ninguém jamais saberá a verdade (caramba, ninguém filmou nada????). A professora que ta com as crianças pelo que parece... mas... vai saber né.


Ah, uma mão com luva aparece pra dar suspense (é o Andy, ou a Kyle, tanto faz kkk).


E no fim Chucky surge em uma cadeira debochando de você e da série. Faz contagem de corpos, zoa um pouco, fala sobre continuação e é isso.

GRAÇAS A DEUS ACABOU!

Por favor não haja segunda temporada (se tiver, tente ser boa ao menos kkk). Não caiam na falácia de Chucky, não queira saber se Andy morreu, finge que ele morreu na explosão mesmo, esquece a cena do caminhão.

Não tente saber de quem é aquela mão na árvore, finge que é o coveiro, finge que é o Picolo. Apenas, esquece!

E vai assistir algo melhor. Sério.

Postar um comentário

11 Comentários

  1. Quem tanto procura, uma hora acaba achando... mas geralmente não do jeito que pensavamos...

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Pois é sr, perdi várias horas.

      Excluir
    2. Talvez seja questão de tempo, ou talvez o tempo seja a questão, no fim, nada importa, horas perdidas, segundos, o presente se torna passado enquanto se pensa no futuro, viver se torna uma perda de tempo, e a decisão que culminará a felicidade será apenas como este tempo será perdido...

      no fim tu assistiu uma grande porcaria, mas escreveu, algo que me parece ser muito importante pra ti, isso é algo bom...ou ao menos eu acho que é.

      Excluir
  3. Eu tinha o pressentimento de que seria ruim (surprise, surprise), mas isso extrapolou o conceito de ruim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu tive esperanças ainda por cima kk. Mas, ao menos consegui escrever bastante a respeito.

      Excluir
  4. Por increça que parível eu gostei,acompanhei ela e o gavião arqueiro e curti muito mais o Chucky,talvez por ranço das séries marvel, achei a filha do Brad Douriff interpretando ele mais jovem muito bom,trazer os personagens clássicos foi um fôlego necessário,os adolescentes não conseguem carregar um episódio inteiro,mas deixar o personagem título relegado a participação especial nos episódios muito ruim,os defeitos são muitos e fica fácil entender sua frustração com o que foi lançado.
    Enfim,ótimo texto sr. Morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Eu achei que a forma como adaptaram os personagens pra série foi meio esquisita. Romantizaram de mais e, no fim das contas, ignoraram o gênero de terror.

      Mas em termos de atuações, há seus méritos sim.

      Eu que agradeço pela leitura sr Mario.

      Excluir
  5. Eu acho que você não é muito fã do Chucky. Li o outro artigo inteiro, onde falou de toda a franquia, e percebi muitos erros de entendimento, inclusive pontuei apenas um e comentei lá. Esse artigo sobre a série não consegui terminar de ver, quando percebi que você não entendeu muitoooooos easter Eags bons, como a do amigo que ele conhece no orfanato, que é o Joe Caputto, aquele colega que deixa ele para trás lá no primeiro filme quando estão fugindo da polícia.... Enfim..... Possui várias coisas que você não enxergou, e está tudo bem, mas isso me fez pensar que talvez você não seja um fã da franquia e está tudo bem. Hahaaaah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato não sou um fã. Acabei entrando de gaiato nessa jornada mas, também não desgosto da franquia. Brinquedo Assassino tem seus méritos que aprecio, e é um tipo de terror que perseguiu meus pesadelos infantis por muito tempo...

      Nos artigos meu intuito foi mostrar uma visão mais crítica e atual que possuo do todo, e acabei revendo tudo pra reforçar essas ideias. Claro que, eu deixei coisas passarem, mas não significa que eu não tenha consumido o material... apenas não me tornei um fã... mas respeito e conheço ao menos rs.

      Sobre o Caputto, eu peguei a referência... posteriormente. Confesso que quando assisti eu não entendi nada de quem era aquele garoto e qua la razão dele ser "poupado" mas depois de assistir o episódio eu fui pesquisar, e vi que no início do primeiro filme o Chucky tinha um capanga que sai vazado de carro, e ele volta por ele depois. Infelizmente não vi grande importância ou significado nisso, pois mesmo sendo sim um easter egg curioso, não faz sentido tanto tempo de tela dedicado só pra, justificar um evento questionável do futuro... pois se formos considerar o que é revelado no Maldição de Chucky, os interesses do cara naquele dia da morte nada tinham a ver com os mostrados no primeiro filme, e na série. Se conectam por fala, mas os eventos não se conectam bem por características, incluindo a presença do Caputto: Afinal, qual a razão dele acompanhar o psicopata na tortura da moça grávida?

      Sei que, são detalhes, e eu mesmo me perco muito neles. Minha memória falha constantemente. Mas eu não sou um grande entusiasta da franquia, apesar de tentar entendê-la e, respeita-la.

      Inclusive, eu agradeço muito pela sua leitura, e pelo carinho em comentar. Você me parece um fã, e eu peço desculpas pelos erros (inclusive fiz questão de corrigir no outro texto com uma ressalva no artigo... ainda mantive opinião saca, mas eu apontei o erro graças a você).

      Seja bem vindo, e leve estes textos apenas como uma opinião alheia rs. É sempre bom ter alguém com gostos distintos, para que possamos debater, discutir e dialogar.

      See yah!!!

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)