AnáliseMorte: Mega Man X3 - X e Zero

Estou meio ansioso pra concluir a franquia X, e acredito que complementar os 3 primeiros jogos já será um baita começo pra essa reanálise minuciosa. Por isso, aqui trago o derradeiro artigo de Mega Man X3.


Como planejado, dessa vez irei fundo no game, pegando tudo o que eu puder pra explica-lo. Ressaltando que a muito tempo cheguei a escrever sobre todos os jogos da franquia MMX, mas fiz um trabalho amador de mais, afinal naquele tempo eu estava aprendendo e pegando o gosto por escrever.

Então, espere algo decente dessa vez seguindo o modelo dos dois antigos anteriores, que você pode conferir aqui: MegaManX e MegaManX2.

Dito isto, boa leitura!

MMX3 se passa alguns anos depois do X2, mas foi lançado em 1995 (um ano depois, seguindo um tipo de tradição de lançamentos natalinos anuais).

O problema com os Mavericks foi resolvido dessa vez, não graças a X, nem Zero, muito menos Cain. O responsável pela solução foi um Reploid Cientista chamado Doppler, Dr. Doppler para os íntimos.


Seguindo justamente a ideia de que robôs também poderiam ser cientistas, é uma máquina que consegue decodificar o vírus Sigma e combatê-lo direto na origem. Ele desenvolve um anti-vírus que acaba com a influência do grande vilão, e assim, erradica qualquer possibilidade de infecção.

Com o sucesso, o cara ainda fundou uma cidade dedicada a unificar humanos e reploides, com todos vivendo em paz, e pois é, o sonho de Dr. Light foi alcançado por um cientista robótico (Nessas horas Light deveria ter criado um "Doutor X" ao invés do MegaMan).


Só que, as coisas não duram. Do nada, Doppler se declara um ditador, forçando as máquinas a atacarem humanos e pra piorar, usando sua cidade como uma central para exércitos de robôs armados e modificados para guerra.

E assim, X e Zero que tavam de boa afinal, não tinham mais mavericks, acabam sendo convocados para combater o exército repentino de Doppler.

Mecânica


O jogo continua no mesmo modelo visto antes, o que facilita muito na hora de falar. Posso me focar somente nas novidades.


Compensa dizer que o chip Cx4 ainda é usado, e com um pouco mais de frequência (apesar de não fazer tanta diferença). A visão "3D" em linhas é aplicada na demonstração de poderes que X coleta, e também em alguns chefes, sem contar que há muito mais detalhes nos cenários agora. Aliás, na versão de Sega Saturno e Ps1, os gráficos continuaram exatamente os mesmos, inclusive simulando o Cx4, mesmo esses consoles tendo capacidade suficiente pra melhorar o efeito.


Já a música deixa bastante a desejar. As vezes ela é tediosa, e tem momentos que entra num loop muito perceptivo, o que da a sensação de algo feito de qualquer jeito. Sem contar que nenhuma das músicas é memorável (as vezes, tem umas que chegam a ser incômodas e estranhas, como a de conclusão de fase).

Na versão de Ps1 e Sega Saturno, o jogo recebeu um remix nas músicas e até algumas mudanças, e apesar de ainda haver falhas (como algumas músicas pausando repentinamente pra reiniciar o loop, o que causa estranheza), certos sons foram realmente melhorados (como a música dos créditos).


A jogabilidade, apesar de se manter no mesmo estilo, consegue ser ligeiramente mais difícil, e até um pouco mais travada. Alguns movimentos novos tem um tempo grande de mais pra execução, e pior, alguns mais prejudicam o jogador do que ajudam (como o X-Buster Melhorado).

Os cenários são enormes, agora com pelo menos 3 intervalos entre uma parte e outra. Esses "intervalos" são salinhas pelas quais o personagem passa, geralmente enfrentando Sub-Chefes.

Porém, a quantidade de salas vazias chama muito a atenção. Temos a impressão de que estamos jogando errado ou pulando algum evento, mas na verdade, o excesso de salas vazias é consequência de duas novas funcionalidades: Zero e Chefes Provisórios.

Invocando Zero


Zero ressuscitou no último jogo, e agora trabalha ao lado de X, em segundo lugar pelo que parece (afinal ele recebe comandos de X). A grande novidade ta justamente ai: Agora da pra controlar Zero.


Jogar com ele no entanto é cheio de regrinhas chatas, e o jogador pode terminar o jogo inteiro sem nem saber dessa possibilidade (isso não é ensinado em momento algum). Tanto que, na primeira vez que joguei eu nem sabia disso.


Zero só pode ser controlado 1 vez por fase, e apenas durante um dos 3 trechos costumeiros. Ou seja, o jogador pode invoca-lo, e usa-lo como quiser até chegar em alguma salinha com porta. Quando isso ocorre, o robô troca de lugar com X, e não pode mais ser convocado (apenas se sair totalmente da fase).


Outro detalhe é que Zero tem somente 1 vida, diferente de X que pode morrer várias vezes e no máximo, sai da fase. 


Caso Zero "morra", ele acaba danificando o núcleo e, fica impossibilitado de ser invocado pelo restante do jogo.


Isso significa que, apesar de Zero ter um HP muito maior, e ataques bem poderosos (usando seu Buster de Carga Dupla e o Beam-Sabre), usa-lo acaba sendo bastante limitado, com o jogador tendo de escolher a hora certa, e temendo por qualquer derrota possível (espinhos e penhascos são morte instantânea). 


Se torna uma experiência tão frustrante, não só pelo risco, mas pelo tempo que demora pra cada invocação. É preciso pausar o jogo, ir num menu escondido (com R1), chamar por Zero, esperar a conversa lenta dele (que não da pra pular) e aí controla-lo, até chegar numa porta e X interromper o jogo, pra trocar de lugar com Zero, fazendo tudo isso automaticamente (e o jogador tem que assistir sem poder interromper). 


Sem contar que Zero não pode ser usado em chefes ou sub-chefes (com uma exceção).


Pra piorar, se por algum acaso perder com Zero, o jogador tem de terminar o jogo sem ele (o que muda o final) e ainda por cima, caso queira reverter isso, precisa voltar num checkpoint anterior a derrota dele.

Aliás, ainda não tiraram o sistema de Senhas, sendo preciso anotar pra poder voltar ao jogo caso pare.


Os Chefes Provisórios


Agora com relação aos Chefes Provisórios, é seguindo a mesma proposta do X2, com alguns chefes extras surgindo nas fases aleatoriamente. 

Porém, aqui eles são obrigatórios, pelo menos a maioria, surgindo em algumas das Salas Vazias, randomicamente, enquanto o jogador passa pela fase.


Não da pra ignora-los, nem evita-los (apenas um, o Vile, mas depois falo disso), e tudo se torna bem mais difícil com eles presentes.

As fases são longas, e apesar de não terem uma dinâmica tão abrangente, elas são difíceis, pelos inimigos que dão muito mais dano que nos jogos anteriores. Aí, no meio das fases, as vezes tem sub-chefes, e as vezes esses chefes provisórios, todos juntos e ainda com o chefão pra enfrentar. Fica bem tenso se manter são!

Coletáveis


Como temos os coletáveis pra caçar, como Sub-Tanques, Corações e Cápsulas de Light, o fato de terem várias salas vazias nos confunde de início, e acaba sendo algo mal aproveitado, pois muitas vezes o jogo simplesmente não oferece nada ali, mas faz parecer que tem algo escondido. 


É fácil perder tempo procurando coisas em locais assim.

Existem agora dois novos coletáveis inclusive: Chips de Robôs e Chips de Upgrade de Light.


Tem 4 Mechas diferentes que podem ser liberados coletando seus chips (um deles no entanto X precisa liberar por inteiro mesmo), todos escondidos pelas fases.

Conforme são encontrados, eles podem ser invocados por teletransporte em plataformas específicas, localizadas em alguns pontos nas fases. O jogador escolhe qual máquina usará, mas na prática elas não são tão diferentes.


Um Mecha é aquele clássico robô grande que X pode usar como transporte, que corre e dá socos, além de pular. Ele é o modelo base dos demais, e precisa ser encontrado pra que os outros possam ser invocados (mesmo que encontre o chip deles, eles só se ativam se este robô for libertado). 


Ele fica no fundo de uma fase que cuida de armamentos no jogo (depois falo dela), e é o único pego fisicamente. Todos os demais são apenas chips de modificação.


Outro é um com uma perfuradora expansiva ao invés de punhos, mas que também corre e pula.


Tem o voador, que nesse caso dispara mísseis de curta distância e pode planar por um momento, também podendo correr e pular.


E por fim, tem o anfíbio, que anda pulando, e não pode correr. Porém ele atira vários mísseis, e pula mais alto dentro da água, podendo praticamente nadar (pulando no ar). Inclusive, ele é o único que pode nadar (os demais explodem na água).


O bom desses Mechas é que eles tem barra de vida própria, agora visível, e são praticamente uma armadura pra X, ajudando ele a resistir os pesares das fases resguardando a própria energia vital.

Eles também servem pra abrir passagens ocultas nas fases, revelando itens escondidos, como as Cápsulas Vermelhas.

Cápsulas de Light


Light escondeu 5 Cápsulas Vermelhas com Chips de Atualização, pros equipamentos que ele também escondeu, mas nas 4 Cápsulas de Light costumeiras.


É estranho como X sempre encontra 4 partes de uma armadura nova, em cada jogo, em locais completamente diferentes. Mas, ignorando tamanha conveniência, podemos considerar que Light apenas atualiza as partes que ele já coletou em sua primeira aventura.

Enfim, dessa vez X  também encontra um novo tipo de cápsula, na cor avermelhada/rosada, que entrega Chips de Modificação, para ativar alguma função especial nas armaduras de X.


Cada parte do corpo tem um Chip específico, porém não da pra equipar mais de 1 ao mesmo tempo. X (e o jogador) precisa escolher apenas 1 cápsula pra entrar e se atualizar, sendo impossível trocar o equipamento posteriormente.


Muito bacana isso, considerando que todas essas cápsulas ficam bem escondidas, e pra saber o efeito de cada upgrade o jogador basicamente precisa contar com a descrição rala que Light dá, sem nem poder testar antes.


A única forma de saber o que cada parte faz é equipar, testar, e depois sair do jogo, voltando com a senha da fase anterior a isso. É um trabalhinho chato, mas é o que dá pra fazer.

Porém, se o jogador não pegar nenhuma das atualizações, ele pode tentar conseguir a versão Dourada da Armadura, que fica nas fases finais. Seguindo aquela ideia do poder final, agora ao invés de algo inspirado em Street Fighter, temos essa armadura melhorada com os 4 Chips equipados.


Falando nisso, é bom explicar quais os poderes que X obtém com as novas partes da armadura melhorada, e claro, falar dos chips de atualização...

Lembrando que, tecnicamente, X nunca perde seus poderes de um jogo pra outro, eles apenas param de funcionar depois de um tempo, se desgastando. As cápsulas de Light parecem reaviva-los com atualizações, só isso.


Os pés de X já tem o Dash como função principal agora, e apesar dele não conseguir mais dar o Dash no ar (provavelmente por falta de potência), a nova atualização traz isso de volta, e com uma baita melhora: Agora ele pode dar Dash pra Cima.

O fator "potência" entra em evidência quando damos o Dash pra Cima, pois apesar de funcional, X precisa fazer muito mais força (mantendo o botão de dash pressionado inclusive), pra dar um impulso que nem vai tão alto assim.


Fica parecendo que ele ainda ta desenvolvendo esse movimento, o que também significa que Light melhora X através de suas atualizações, pensando no quanto ele pode se desenvolver com o tempo e superar seus próprios limites. Ao que parece ele já tinha todas as modificações prontas desde o começo, mas só vai as habilitando a cada novo jogo, conforme o corpo de X se adapta.

O X-Buster outra vez recebe uma melhora, e olha que apesar de X ter parado de usar o tiro duplo, ele concentrou todo seu poder no X-Buster principal, o que faz a bola de energia carregada permanecer na cor Rosa (que seria o poder maximizado). Infelizmente os inimigos também estão muito mais fortes... mas continuando...


A nova versão quando equipada, permite mais dois níveis de carga, que podem fazer muitos disparos de uma vez só. Sai o tiro principal, e mais 4 tiros menores se espalhando e abrindo, cada um com sua própria velocidade. É um show de fogos!


Só que, pensa num poder que enche o saco. Ele é lento, e prejudica o costumeiro modo de jogo, pois normalmente, o jogador fica com o botão de tiro sempre pressionado pra sempre disparar um golpe forte.


Mas, fazer isso quando se tem essa atualização, faz X ficar muito mais fraco e vulnerável, pois durante toda a espalhafatosa animação, ele fica parado feito um bocó, pronto pra sofrer dano.

São quase 2 segundos parado, só pra disparar. Isso força o jogador a deixar de segurar o botão e se acostumar a pressionar apenas quando quiser um tiro com carga mediana ou alta (nesse caso fica mais rápido carregar). Só que, velhos hábitos são difíceis de largar...


Parece até que Light planejou esse novo tipo de disparo pra treinar X, deixando ele acostumado a saber nivelar seus ataques, sem relaxar de vez. De certa forma é como se Light nos treinasse!

Aliás, ao que parece a combinação dos pés e braços melhorados deixa X muito mais rápido em escadas. Não sei se é só o Braço que faz isso, pois nem da pra pegar ele sem pegar a parte da Perna primeiro (literalmente, é impossível pegar a Armadura do Braço sem a capacidade de dar Dash pra cima), e a Armadura e Capacete só podem ser pegas com a parte do Braço. Mas na lógica, é a combinação de ambas mesmo, afinal, usa-se esses membros pra subir degraus né... escadas...


A Armadura de X não tem mais o "Giga Ataque" de absorção, mas, ela passa a reduzir o dano recebido e convertê-lo num escudo, que dura alguns instantes e reduz um pouco mais o próximo dano recebido. 


Fica claro que é um projeto ainda, e a armadura ainda ta bem fraca pra fazer esse tipo de conversão, mas como eu disse, são etapas que Light já planejou antes, sempre com um passo de cada vez. 


Por último, o Capacete recicla o sistema de rastreio de segredos da versão anterior, porém agora, ele usa um satélite (Light que fala) pra mapear as fases inteiras antes mesmo de X atravessa-las, mostrando os locais exatos onde há algo escondido. 


Esse efeito rola automaticamente sempre que X entra numa fase. Consegue ser realmente melhor que aquele rastreador mixuruca do X2, e fica bem claro que é uma atualização dele.


Ele também passa a mostrar os itens coletados (e que faltam) no menu de seleção de fases, com direito a nome e coloração (branco se foi pego, vermelho se não). As únicas coisas que não aparecem nomeadas são os Chips Vermelhos de Atualização. Mas, eles são apontados como pontos de interrogação. Falando nisso...


Os Chips Vermelhos


Os chips fazem o seguinte, isso quando pegos, caso as partes da armadura já estejam equipadas. No meu caso, acabei vendo o efeito deles na prática só com a Armadura Dourada mesmo, pra evitar a fadiga.

O da Perna dobra o número de Dash que X pode dar, inclusive no ar, praticamente oferecendo um salto/voo duplo.


O da Armadura melhora a defesa do escudinho, trocando a cor dele pra vermelha, e reduzindo metade do segundo dano que X receber.


O do Capacete restaura energia vital com o passar do tempo (se não me engano um pouco a cada 3 segundos), e até mesmo recarrega os Sub-Tanques, uma barrinha por vez. Só que pra isso, X precisa ficar parado por alguns segundos, e não pode se mexer (nem abrir o inventário) enquanto essa energia se regenera.


O do X-Buster libera um poder especial no qual X sempre atira como se tivesse carregado todos os níveis da arma. Em troca dos disparos, ele consome um pouco de energia, e é possível usar isso enquanto durar essa energia (caso troque de armas o efeito é cancelado e X precisa recarregar tudo pra usar novamente).


Essa energia é restaurada diferente das demais, sem Bolinhas Azuis de Carga, onde é preciso trocar dano sofrido (e absorvido) por barrinhas de energia. Esse poder só pode ser reutilizado caso todas as barras sejam carregadas.

Infelizmente X só pode contar com um desses upgrades por vez, a menos que pegue a versão Dourada da armadura (que acredito que nem seja canônica, é só pra recompensar o jogador mesmo).

Essa armadura poderosa só pode ser pega na última fase, e nem da pra salva-la com senhas (sendo preciso pegar de novo toda hora que o jogador quiser, se bem que não é tão difícil a última etapa).

Pra achar ela, é preciso pegar todos os Corações, todos os Sub-Tanques, todos os Mechas, além de todas as partes da Armadura. Porém, nenhum dos Chips Vermelhos deve ser pego (o que nem é um sacrifício tão grande assim).


Então, na fase final, X precisa chegar até uma parede específica, sem perder vitalidade, pra que a Cápsula Vermelha com a Armadura Dourada apareça.


Não é difícil chegar sem perder energia nesse ponto pois, tem uma plataforma com Mecha um pouco antes (ela fica bem no canto superior da tela, meio escondida, mas com ela fica bem fácil chegar na parte onde a armadura tá).

Mesmo assim, esse upgrade especial é uma exceção à regra, que Light entrega só por fanservice por assim dizer.


Light é bem claro quando diz que, a vida as vezes é cruel, então por ele X ficaria com 1 chip só e pronto.

A Arma Secreta de Zero


Aproveitando, é bom falar do Beam Sabre, arma essa usada por Zero, que pode também ser obtida por X, com um poder destrutivo altíssimo (se combinada com o X-Buster melhorado), que praticamente destrói qualquer coisa com apenas 2 cortes... e pra variar esses cortes saem como uma rajada à longa distância.


E sim, o nome do sabre de Zero nesse jogo é "Beam Sabre" e não "Z-Saber". Ao que parece essa é a arma que Sigma usava, e ele tá carregando. No mínimo suspeito não?!


Pegar ela é muito, mas muito complicado e sinceramente, carrega umas regras estranhas (eu mesmo dificilmente descobriria isso sem um guia, juro).

Zero precisa ser usado numa luta contra um Chefe Alternativo que só aparece se Vile morrer ainda no primeiro encontro dele, em suas armadilhas também alternativas. Consegue ver a complexidade nisso?


Primeiro que Zero não pode ser usado em NENHUM Chefe ou Sub-Chefe ao longo de todo jogo, exceto este, que só aparece caso um evento bastante específico ocorra.

Segundo que, esse tal evento é a morte de Vile, que só acontece no Segundo Encontro, normalmente, mas pode ocorrer também no Primeiro Encontro, alternativamente, caso o jogador execute Vile usando uma de suas fraquezas (Vile é um dos chefes alternativos, mas já vou falar dele, calma).

A ironia é que, essas "fraquezas" são quase imperceptíveis. Ele leva dano a mais do Especial de Tiros e do Especial de Cortes (falo deles depois). Só que esse "dano a mais" não faz nenhuma animação extra, nem é tão diferente assim de um bom tiro Carregado. Então, perceber que esses ataques são melhores contra ele é bem improvável (compensa muito, mas muito mais lutar com o X-Buster, pois é muito mais rápido pra derrota-lo, além de prático por não haver consumo de energia pros disparos).


No entanto, são justamente esses ataques que são capazes de matar ele, ao invés de apenas derrota-lo. Vencer o primeiro encontro numa batalha normal faz ele escapar no fim, mesmo perdendo toda a barra de vida. Já com esses ataques, sem a menor explicação ou lógica, Vile cai duro no chão.

Detalhe que isso também ocorre com os outros dois chefes alternativos (Bit e Byte), cada um com suas respectivas fraquezas em relação aos ataques tomados dos chefes de fase. Mas eles não importam (a morte deles pouco afeta o jogo tecnicamente).

Com Vile morto antes da última fase, ele simplesmente não aparece (sendo que ele seria o sub-chefe da fase em si). No lugar dele, aparece um novo sub-chefe bem fraquinho.


E ai entra o segredo. Justamente nesse chefe, Zero pode lutar, se convocado antes dele. E é exatamente isso que deve ser feito pra que, num evento muito do bizarro, Zero seja danificado, e entregue o Beam Sabre pra X.


O jogador precisa apenas adivinhar que, do nada, um chefe pode ser acessado por Zero, e ainda por cima é um chefinho que pra ser acessado, precisa que o jogador também adivinhe que da pra matar os chefes secundários já na primeira luta... Eu queria saber como que descobriram isso.

O Gameplay


De resto, o jogo é aquilo: X precisa superar 8 fases pra liberar o esconderijo secreto do vilão, onde precisa se infiltrar e superar mais 4 fases, em sequência (e se o jogo for reiniciado sempre volta pra primeira dessas ultimas 4 fases), combatendo chefes especiais, e depois os 8 chefes, um logo após o outro, tudo pra chegar ao chefão e enfrenta-lo.


As fases não se influenciam (isso já foi, perdeu-se o efeito mais legal do X1), e no máximo, uma parede pode se abrir depois que uma fase é superada, ou alguma parte acaba se tornando acessível provisoriamente pro encontro com Vile.

Tudo é muito aleatório, e não há controle do jogador. Os chefes secretos aparecem quando querem nas fases que quiserem, sem informar X (diferente, muito diferente, do que os 3 chefes suspeitos que restauraram Zero fizeram).

E, ta tudo bem mais difícil. Agora o jogo parece mais impiedoso, abusando de armadilhas e com os inimigos causando bastante dano. Fica claro que os novos desafios de X vão ficando cada vez mais implacáveis.

Falando de X... bem, é agora que relatarei os personagens assim como são em X3.

Personagens

X


Agora todo mundo voltou a chamar ele só de X, inclusive as mensagens automáticas de Light.

Não há muito a acrescentar sobre o grande herói, tirando o fato de que aparentemente ele mantém a liderança da Maverick Hunters, ou apenas da Unidade 17 como o Legacy Collection teima em apontar prematuramente... 

"Prematuramente" pois finalmente, a tão citada Unidade 17 foi formada.


Fato é que mesmo trabalhando ao lado de Zero, quem comanda é X, e isso é afirmado várias vezes com a troca que os reploides fazem em batalha.

Sinceramente, nunca entendi a razão de menosprezarem a evidente posição de autoridade que X empenha na pequena organização (e sim, ela ainda era pequena, por mais que fiquem forçando a ideia de que a Maverick Hunters é gigantesca antes disso ocorrer). Descrevem ele como um Hunter abaixo da Classe S, quando na verdade X já ta bem acima dessa posição. Tanto que, ele comanda e ainda vai pro ataque.


X é um soldado, mas ele sempre questiona suas ações, filosofando sobre si mesmo, sobre suas responsabilidades, e sobre seu significado de vida. Inclusive, como sempre, no fim do jogo ele acaba divagando sobre si mesmo, sem chegar a lugar algum, ou concluir absolutamente nada. Ele ficou até chato.

Na hora de atacar e matar, ele é o primeiro, aquele que toma toda a responsabilidade e nem sequer tenta dialogar (sim, X chega dando tiro, por isso os inimigos raramente falam). Mas depois bate a crise de consciência e ele começa a filosofar.


Detalhe, no manual dessa vez é informado que X e Zero faziam parte da 17º Unidade dos Mavericks, e talvez isso tenha sido erroneamente interpretado posteriormente. Acontece que essa necessidade de Unidades foi criada por conta do aumento de Mavericks, com mais e mais divisões dos Hunters sendo preparadas para conter as ameaças. De início, eram grupos responsáveis por setores, e não qualificados ou separados por suas "especialidades". Isso veio a surgir agora em X3, com o reaparecimento repentino dos Mavericks.

Zero


Passaram anos desde sua ressurreição e Zero ta tranquilo. Ainda não ficou possesso nem saiu matando geral como uma bomba relógio ou algo assim. Tudo soa normal de mais, mesmo ele tendo sido restaurado pelo inimigo, a troco de aparentemente nada.


Com todo seu poder, ele luta ao lado de X contra ameaças que acabam surgindo, mesmo em tempos de aparente paz. Tanto que, eles são os primeiros a reagir assim que a grande ameaça Maverick ressurge do nada, arrasando com uma cidade inteira.

Por mais que Zero responda diretamente a X e ambos trabalhem em aliança, de igual pra igual, Zero acaba ganhando sua própria Unidade após os eventos de X3, algo citado no manual, mas também erroneamente interpretado posteriormente. É que dessa vez eles deram uma breve descrição dos personagens nos manuais, mas só falaram o que eles se tornaram em X3, não dizendo exatamente quando e como eles ficaram assim (que no caso é durante os eventos de X3).


De início X e Zero lutam juntos como uma unidade de resposta ao surto repentino na cidade "em paz", a ainda conhecida como "Unidade 17" (mas pela região em que atuavam). Porém durante a missão inicial, a ideia de criar unidades responsivas designadas por suas especialidades acabou nascendo, tudo por causa dos ex-Mavercik Hunters, que foram pegos de surpresa na cidade e contaminados. 

Sendo mais específico, Zero que cria essa ideia, agindo por conta própria e usando suas habilidades de infiltração e furtividade, pra dar suporte à X. Basicamente, essa foi sua primeira ação como líder da recém instaurada por ele, Unidade 0.


E, exatamente. É aqui que começaram as Divisões em comportamento de ações. Antes eram apenas grupos pra cada região, mas agora, graças as ações emergenciais desses dois reploides, a necessidade de grupos especializados em cada tipo de ação foi cogitada e posta em prática, tudo graças a Zero.

Detalhe: No fim do jogo uma frase bem suspeita coloca X contra Zero em um futuro nebuloso. É dito apenas que, o destino de X seria enfrentar Zero pra salvar a humanidade, e ele nem imaginava isso.


Essa frase surge independente de X e Zero encerrarem sua missão juntos. E sim, há dois finais diferentes, mas depois falo disso.

Aliás, se Zero for danificado de forma letal enquanto controlado, ele simplesmente sai de cena e nunca mais volta, pois seu núcleo fica instável muito facilmente. Cain acaba sendo responsável por restaura-lo, mas, ele é bem lento no trabalho.

Núcleo delicado... característica curiosa não?! Pode ser algo remanescente das modificações que sofreu pelos vilões, do corpo novo que recebeu, ou talvez uma característica trazida de volta do passado após sua remontagem... Protoman tinha esse mesmo defeito...

Light


O cientista sabichão que bolou as atualizações progressivas pra X ta sempre presente, mesmo que já tenha morrido a séculos!

A ideia de Light ganha um pouquinho de sentido aqui com suas atualizações, pois ele reforça que X está apenas aprimorando mais do que já tem e é. Como adiantei ao falar dos equipamentos, Light parece ter planejado melhorar X apenas caso fosse estritamente necessário, pouco a pouco, entregando novas funções pro que ele já tem em si, conforme o tempo passasse.


É até provável que as Cápsulas que são encontradas sejam meramente codificadas para responder às atualizações, somente se fossem localizadas por X. A ordem delas nem seria importante (acaba sendo pelo fator gameplay) mas, é bem provável que não importasse qual cápsula X encontrasse, ele seria atualizado numa função predefinida pelo protocolo da IA de Light.

Logo, Light planejou tornar X poderoso apenas o bastante pra lidar com as ameaças que surgissem, mas ele preparou tudo pra que o máximo de poder fosse levado ao seu reploide, se necessário, apenas se necessário. Além disso, ele também preparou tudo pra que servissem como um tutorial pro reploide azul ir se adaptando cada vez mais, aos seus novos recursos.


É importante dizer que pela primeira vez, Zero pode entrar em contato com uma dessas cápsulas, e nada acontece. Zero não pode interagir com objetos coletáveis (como itens de recuperação ou vidas, exceto os itens de regeneração de energia vital mesmo). Então ao se aproximar de uma cápsula Light, seja comum ou vermelha, ela simplesmente não se ativa (provando também que elas não se ativam pra ninguém além de X).


Mas, guarde isso. É muito importante o fato de Zero ter esse tipo de (não) interação com uma cápsula Light.

Cain


O cara aparece no máximo duas vezes no jogo inteiro, pois ta ocupado de mais gerenciando um website de notícias. Pois é, isso ta no manual oficial.

Cain criou um site para notificar sobre qualquer anomalia Maverick que surgisse, talvez pra conscientizar a população. Nesse site ele relata tudo que pode, e inclusive fala da Vacina que um reploide criou, contra o Vírus Sigma.


Mas, nesse mesmo site ele também relata o trágico desfecho da cidade feliz com o antivírus, quase como se ele torcesse por isso (pois é, o site dele é daqueles tendenciosos).

E ainda insistem na descrição de que ele é o "líder da Maverick Hunters", quando na real o cara nem sabe mais o que é. Arqueólogo, Informante, Cientista, Jornalista... ele ta pronto pra tudo. Talvez por isso que em algumas descrições oficiais (principalmente no Legacy Collection) ele é tido como um "homem misterioso".


Na verdade, tudo leva a crer que Cain seja mó charlatão.


Mas, ele aparece como o navegador de X e Zero, pelo menos é ele quem os informa diretamente da base de comando. Pelo que parece, ele se mantém como o responsável por X, por ter acordado ele, e isso o colocou nessa posição de orientador. Mas, ele não é o líder, é apenas a quem X se reporta por respeito, e talvez por isso ele tenha cada vez mais e mais espaço na Maverick Hunters, que só vai crescendo com o tempo.


Dr. Doppler


Depois do Dr. Serges virou moda reploides se aventurarem nos estudos e, tentarem mostrar que são melhores que os humanos. E num é que a solução pros problemas do mundo vieram justamente de um desses reploides?


Doppler é um robô criado pra dar suporte científico, mas ele se destacou criando um antivírus pra Sigma, que de tão funcional e eficiente, fez dele de um anônimo à um famoso cientista extremamente bem sucedido, do dia pra noite. O cara ficou tão influente que conseguiu construir uma cidade!

Na verdade, não fica claro se ele já era um cientista renomado ou se acabou crescendo em popularidade e influencia depois de sua descoberta, mas fato é que ele, um cientista reploide, conseguiu criar uma cidade completa para humanos e replóides. Isso é um feito grandioso de mais, talvez até mais que a própria cura pro Sigma.


Mas, claro que isso não dura. O Sigma é um vírus terrível que se adapta facilmente a qualquer mudança, então ele supera o antivírus e quando menos esperam, infecta logo o mandachuva. Doppler, por ser reploide, era extremamente vulnerável e todo mundo que foi na lábia dele acaba indo junto pro buraco.

Sua cidade vira o caos, com os mavericks atacando os humanos (e até mesmo caçando) sem dó nem piedade. Mas não era só isso... os reploides também viraram alvos de Doppler.

Seu objetivo não era apenas trucidar com a humanidade, mas também turbinar seus mavericks, com outros mavericks, e deles tirar apenas a nata, para criar um corpo perfeito pra seu mestre.


Ou seja, ele passa a pegar os melhores reploides, pra transforma-los em mavericks e usa-los, pra depois tirar o que tem de melhor neles e usar em Sigma. O cara é praticamente um Frankenstein da robótica... robô.

X e Zero descobrem isso graças as deduções espetaculares do capitão óbvio chamado Cain, e assim, eles combatem Doppler para impedi-lo a todo custo.


Mas a luta é tensa, pois todos os Mavericks de Doppler são poderosos pra caramba, e ele não mede esforços para aumentar suas linhas, mirando inclusive X, e estranhamente ignorando Zero.

Bit e Byte


Dois soldados que Doppler possui como seus principais guarda-costas, os quais antes eram usados como força policial pra sua cidade (pra você ver o quão fortes eles eram, que sozinhos, já davam conta da segurança da enorme cidade), mas agora são seus "caçadores de recompensa" particulares.


Ambos são incumbidos de atacar X e captura-lo, vivo, com o objetivo de Doppler usar o que X tem de melhor pra transferir pra Sigma, simples assim.

Mas, mesmo munidos de equipamentos poderosíssimos, e espaços estratégicos para prender e atacar X, eles perdem e podem até ser mortos no primeiro encontro, como citado anteriormente. Só que, nesse caso não tem nenhuma influencia significativa na história (só o chefe muda pra um genérico na fase em que eles apareceriam).


Não há nada de mais neles, além do fato de serem projetos secundários de Doppler no desenvolvimento de corpos pra Sigma. É aquele esquema: Ele desmonta o que é bom, pra montar algo melhor, e o que sobra vai pros Bit e Byte. (é a história dos meus PCs).

Por essa razão, mesmo depois de serem derrotados na primeira vez, eles ainda são modificados e melhorados por Doppler, se tornando algo mais forte (um robô fundido dos dois corpos).

Detalhe: Essa versão melhorada pode surgir mesmo se 1 deles tiver sido morto antes da luta final, pois tecnicamente, a mente deles também se combina nesse corpo (e quando ele é montado apenas usando um reploide vivo, e outro sucateado, a mente do vivo assume).

Ele só deixa de aparecer caso ambos sejam mortos antes... mas depois falo disso. 

Vile


Esse já é um Caçador de Recompensas pra valer, que acabou sendo restaurado por Doppler dos destroços la do X1.


Porém, mesmo ressuscitado (logo, fica claro que qualquer reploide pode ser trazido de volta apenas com suas peças), ele mantém a mesma personalidade de antes, sendo viciado em matar reploides, incluindo Mavericks, seus iguais.

Vile é desobediente, de certa forma, pois sempre se coloca em primeiro lugar e faz questão de desrespeitar as normas de Doppler, como quando a missão de caçar X lhe é dada. Pra Vile, X deve morrer (ainda mais por querer vingança), e ele realmente faz de tudo pra executar o robô azul.


Diferente de Bit e Byte que apenas usam o terreno já existente pra ter alguma vantagem e encurralar X, Vile cria uma armadilha pra ele, e que armadilha bem bolada a dele viu.

Ele cria uma "Cápsula de Vile", sim, ele disfarça um teleportador como se fosse uma Cápsula de Light, e esconde em locais secretos, projetados pra atrair a atenção de X.


Então, ele transporta X pra uma base repleta de explosivos e robôs corrompidos, tudo posicionado pra extermina-lo! Se quisesse ele já capturaria X no ato, mas ele queria acabar com ele, usando tudo o que tinha de uma vez só.


O jogador que escolhe se vai tentar combatê-lo ou não, e normalmente ele é atraído mesmo pelo estranho teleportador, que de fato se parece com uma Cápsula Light, só que com cores próprias e um design ligeiramente diferente, exatamente como as Cápsulas Vermelhas. Logo, parece que Vile sabia bem das interações de X, tanto que projetou uma armadilha que certamente o capturaria.


O jogador não consegue evitar a curiosidade ao ver uma cápsula diferente, assim como X não evita, e cai na armadilha.

Então o objetivo nessas fases é passar pelos inimigos e obstáculos, chegar até Vile, enfrenta-lo em 2 formas diferentes, e depois ainda escapar, de preferencia vivo. Pra conseguir o Beam Sabre, além disso tudo ainda é preciso derrotar ele usando a arma certa como mencionado. Mas ironicamente, lutar ou não contra ele nessa armadilha não afeta sua aparição seguinte.


Vile aparece no final do jogo na segunda fase, e ele é o sub-chefe, que acaba sendo derrotado e explodido. No entanto, essa nem a parte curiosa de sua aparição. O que chama a atenção é a forma da fase.

Ela é exatamente a mesma, ele estando vivo ou não, estruturalmente falando. Porém, o fundo muda, caso ele esteja vivo, com os vidros todos quebrados, e a água da região totalmente drenada.


Dá a impressão de que algo atacou a base, e destruiu tudo, e eu até pensei que Zero tinha chegado fazendo o que sabia de melhor, por isso tava tudo daquele jeito. Porém, quando fui na mesma fase com o Vile morto previamente, a fase tava com os vidros intactos e inundada.

O sub-chefe que surge nela também era totalmente submerso, dando a entender que ele foi sabotado por quem destruiu a base na outra versão.

Ou seja, alguém destrói caso Vile esteja vivo... e só Vile aparece nela, preparado pra executar X e Zero em sua vingança cega. Logo: Vile ataca a base!

Ao que parece, ele é tão traiçoeiro que ele mesmo chega a caçar e atacar dentro da base de Doppler. Talvez ele havia se cansado, discutido com o cientista robô e só, pirado na batatinha ainda mais, destruindo tudo por diversão até X chegar. 


Vile é maluco, e mesmo morrendo uma segunda vez, ele ainda volta em outros jogos, com seu ódio por X aumentando cada vez mais, e sua fidelidade sendo cada vez mais questionável.

Sigma


Ele ta de volta, mexendo os pauzinhos dessa vez para manipular Doppler e força-lo a trabalhar num corpo perfeito para si.


Sigma assumiu sua versão vírus e saiu infectando geral, e quando Doppler se revelou uma presa digna, ele o infectou mostrando que é o rei dos vírus. Na mente desse robô inteligente, Sigma conseguiu um capacho pra criar o que ele quisesse, e de fato conseguiu um ótimo corpo.

O único vacilo dele foi não construir um capacete mais resistente, pois ele é destruído por causa da vulnerabilidade de sua cabeça. E pior que, nem era a cabeça real de Sigma (visto que ele é um vírus né).


Após ser derrotado em alguns de seus corpos novos (ele tem vários novos, e nem usa todos, sendo possível ver seus outros receptáculos no fundo do cenário), ele para de se transferir pras criações de Doppler e faz o mais sábio: Tenta infectar X.

Com o corpo de X sob seu controle, ele seria tão forte quanto quisesse, afinal X podia evoluir constantemente, fosse com as Cápsulas de Light, quanto com sua capacidade de cópia e adaptação.


Porém, na última hora um Antivírus mais forte contra Sigma é administrado diretamente na versão digital dele, e ele é derrotado por um tempo.

Quem leva esse antivírus pode mudar (dependendo se Zero está intacto ou não), mas quem cria esse recurso é o próprio Doppler, recuperado depois de derrotado.

Mas, depois falo melhor disso.

Sub-Chefes

Assim como sempre, tem vários chefinhos ao longo do jogo. Porém, tem alguns opcionais, e outros que passam até batido de tão fracos... mas alguns são bem curiosos.

Mac


O primeiro subchefe ta naquela fase de apresentação costumeira. É inclusive a primeira vez que um subchefe surge nessas fases, e aqui ele aparece por duas razões.


Primeiro, Mac surge como uma amostra do quão influente e infeccioso Sigma se tornou, ao ponto de transformar um membro da Maverick Hunters tão rápido que até X se espanta. Ele se transforma em um Maverick e se volta ao lado de Doppler, e ainda por cima captura X no meio da primeira missão.


O segundo motivo de sua aparição é justamente essa captura. Ele serve como razão pra Zero aparecer, e ser controlado pelo jogador pela primeira vez. Zero quem resgata X depois disso, enfrentando Mac (tecnicamente, é um dos dois únicos subchefes que Zero pode peitar).


Vencendo, X é libertado e Zero retorna à missão dele, que é destruir os mavericks do lado de fora da base.

Esse é aquele momento em que Zero percebe que dar suporte à X é uma ação muito mais importante do que apenas sair quebrando tudo. Por isso nasce a Unidade 0.


Apesar de ser um Maverick Hunter convertido, Mac é exatamente como o Reploide Verde que explodiu na intro do jogo anterior. Ele é apenas uma prova de que, X deve trabalhar sozinho pois geral é frágil de mais... no entanto Zero ta aqui, pra tentar ajuda-lo, o quanto puder (ainda sendo frágil é claro).

Detalhe, os ataques dele são fracos apesar de tudo, e ele nem tem barra de vida (pois é subchefe). Mas, Mac foi capaz de capturar X vivo, e quase foi o único maverick que fez a vontade de Doppler.

Genjibo e Shurikein


Seguindo aquele formato dos chefinhos projetados por hologramas, só pra usar o sistema visual do chip Cx4, aparece agora o projetor deles, chamado Genjibo. Infelizmente ele não é enfrentado (ainda), com apenas seu holograma sendo o inimigo.


Ele aparece num Heliporto/Fábrica de Armas (onde os Helicópteros de batalha de Doppler eram criados) como uma medida de segurança em uma das salas. Sua forma de confronto é bem simples no entanto, com movimentos bem padronizados.


Primeiro ele fica rente ao chão, girando na direção de X. Porém, ele responde à ataques, pulando quando recebe um tiro. Assim, X pode manipula-lo para que sempre pule quando se aproxima, quicando na parede e não o acertando.

Depois, ele muda a direção de seus giros, saltitando na direção de X. Ele tem uma altura limite pra seus pulos, então X pode ficar nas paredes evitando o contato (ou pode arriscar passando por baixo dele).


Por fim, ele muda uma outra vez seu giro, ficando mais rápido e avançando em X, dando uma volta completa no cenário. Não da pra fazê-lo pular nesse momento, mas é fácil escapar (só desviar dele).


Então ele repete essas etapas até explodir com os tiros de X. No caso do projetor, ele provavelmente escapa, e não aparece mais. Sigma aliás tem esse mesmo tipo de projeção, mas ele não precisa desse robozinho pra surgir.

Robôs Carregadores de Caixas

No Heliporto/Fabrica de Armas também tem um sub-chefe que aparece pouco depois do Shuriken, e logo antes da sala do Chefe Provisório que pode surgir... pois é, são muitas possibilidades.


Esse chefe é estranho, e tudo que faz é descarregar algumas caixas no chão, com robôs saindo de uma nave de Doppler.


As caixas não fazem nada além de ficarem paradas. Os robôs não fazem nada além de carrega-las. E no máximo, caso todas as caixas sejam postas no solo, um robô aparece pra atacar X, mas é um robô fraco de segurança que aparece, dá um tiro, e some.


Destruindo as caixas, ou até os robôs carregadores, mais caixas e robôs surgem até que, a nave desiste de fazer a entrega e vai embora.

Isso é bem esquisito, e até parece algo mal programado e feito pra enrolar o jogador, sem qualquer sentido no que X faz. Porém, caso o chefe dessa fase seja derrotado, essas entregas param de acontecer, afetando uma outra fase. 

Ao que parece, essas entregas são armas pros mavericks. O ataque de X ao Heliporto/Fabrica de Armas não era apenas pra derrotar o chefão de lá, mas pra detonar com a frota de Doppler, direto na fonte. 


E, depois de prejudicar o sistema de importação e exportação de armas dele, ele consegue afetar a força do inimigo (pior que afeta mesmo, um mecaniloide recorrente nas fases, o Head Gunner, fica mais fraco, perdendo seus canhões e mudando da cor vermelha pra verde, onde seus disparos ficam bem mais fracos e com alcance reduzido).


Aliás, da mesma forma que as entregas param de ocorrer, a nave para de aparecer na fase da Fabrica de Armas, se o Aeroporto (a tal fase influenciada) for superada. Na lógica, faz sentido, afinal as naves pararam de voar.

Hell Crusher


Na fase das rochas, que é um tipo de mineradora rica em mais daqueles cristais que dão energia, além dos muitos robôs camuflados em pedras, perfuradores, armadilhas, e portas de emergência, (que são uns desafios chatos de mais), eis que surge o sub-chefe Furadeira, que consegue ser até um pouco mais desafiador que o chefe da fase (que tem o mesmo estilo de luta e design).


Parece até que ele é um mechaniloide melhorado por Doppler, com as características mais fortes do chefe da fase mesmo.

Enfim, ele tem duas partes, com a de cima usando um gancho, e a de baixo sendo a perfuradora.


Ambas atacam intercaladamente (lembra um dos chefes do X2 nas fases finais), com a de baixo dando investidas, que balançam as paredes (e podem derrubar X), e a de cima lançando o gancho, as vezes se pendurando no teto pra aumentar a mobilidade da parte de baixo.


O tenso dessa luta é que ele não serve como "checkpoint" da fase, sendo sempre preciso passar por esse subchefe, caso o jogador vacile e perca pras muitas armadilhas logo após ele. São tantos inimigos depois dele que não é difícil explodir logo em seguida. E o pior é que o chefe da fase mesmo fica bem perto dele (só é preciso subir um pouco).

Mais uma vez, o ataque de X não é aleatório, ou visando apenas o chefe da fase. Aqui ele busca prejudicar a mineração de uma das fontes de energia que Doppler e suas criações usam. Fica claro ao longo da franquia que Reploides e Mecaniloides usam todo tipo de fonte de energia, e X costuma atacar a origem delas, pra diminuir as forças do inimigo.

Hotoreeca


Esse chefe aparece na parte aquática de uma Represa na cidade de Doppler. De início a fase até parece com esgotos (na real, é provável que X tenha acessado a região justamente pelos esgotos), mas ela é uma grande Represa que os robôs sabotaram pra prejudicar a população da cidade.


Ele lembra um pouco o Octopus Launcher la do primeiro jogo, porém numa versão Mecaniloid (tem tentáculos ué!). Inclusive, levando em consideração os métodos de Doppler, é bastante provável que ele tenha reaproveitado partes do falecido reploide/maverick pra construir esse robozão. Ou... seja só mais um purificador de água com defeito.


Ele tem como movimentos a capacidade de atirar mísseis rastreadores e bombas aquáticas, enquanto se move lentamente de um lado pro outro da tela.


O que me faz pensar que estes mini-chefes tenham mais significado do que aparentam, é todo o destaque que recebem na hora da morte. A explosão, costumeira após embates do tipo, é exatamente como as de Chefes, e não apenas explosões simples. Até mesmo a música para enquanto eles explodem, o que faz parecer que são realmente inimigos grandiosos.


Worm Seeker-R


Existe uma estranha floresta com várias arvores com tubos saindo delas. Quando X vai pra região subterrânea desse mapa, da pra ver um tipo de "Coração da Floresta", emanando energia, e com várias raízes saindo de dentro dele, formando a vasta floresta.


Então, ao que parece, esse local ambiental é um tipo de mescla de natural com mecânico, talvez até outro ponto de extração de energia. Isso pode significar que Doppler descobriu como tirar energia da natureza, e convertê-la para seus fins, usando árvores como bateria.

O Worm é uma criatura que surge justamente no ponto em que da pra ver o "Coração". Mas, sua ação é apenas se esconder na terra, atravessando o cenário de cima pra baixo e vice-versa, enquanto atira pequenos mecaniloids que saltitam pela terra.


Ele só recebe dano na cabeça, mas quando morre também causa uma explosão como se fosse um chefe importante. Curiosamente, ele tem uma aparência que remete ao mesmo inseto que Magna Centipete, do MegaManX2. Talvez Doppler tenha reaproveitado seus componentes pra criar essa máquina.


REX-2000


Nas fases finais, um sub-chefe que aparece no primeiro cenário, vestindo esse mecha como sua arma. O inimigo em si é o reploide/maverick que o pilota, juntamente com a sala (que é uma armadilha para esmagar X, e o maverick juntos).


Ele  nem é forte, só anda e atira um pouco, mas morre bem rápido.


X vence ele ainda mais facilmente com o suporte de Zero, pois enquanto ele enfrenta a máquina, Zero enfrenta a sala (ele desabilita o Mecaniloide que mantém ela trancada e controla o teto).


Sem Zero, X precisa derrotar o chefinho primeiro, e depois ainda confrontar a própria sala, destruindo um robô na porta.


Louco que a fase toda parece uma grande armadilha. É inclusive o começo das fases "hardcore" da franquia X. Depois de X3, as câmaras com espinhos difíceis de esquivar, e os caminhos cada vez mais cruéis e pensados pra exterminar o jogador, foram ficando sempre mais comuns.

Mosquitus


Por fim, tem esse mini-chefe que aparece caso Vile morra naquela armadilha que ele monta pra X.

Esse Mecaniloide é o único que Zero pode enfrentar (tirando o Mac), mas é o jogador quem tem de descobrir isso, trocando pra Zero antes de seu combate.


Ele é bem simples, mudando de cor após atacar o chão, sugando substâncias contidas em diferentes tanques coloridos no solo.

Essas investidas, se agarrarem X ou Zero, os prende por um tempo e drena bastante energia. 


Além disso, o mosquitão pode lançar parte da cauda dele como uma serra circular, fazendo com que ela ricocheteie pelo mapa.

Caso X o enfrente, ele ser destruído não vai afeta-lo de forma alguma e a fase continuará normalmente, porém, se Zero o enfrentar, assim que a luta acabar o robô pula nele e, independente de quanta energia tenha, irá simplesmente se danificar com o mero contato com ele.


Isso implica que Zero é muito mais frágil que X, e propenso a se danificar. Meu, X suporta dezenas de detonações de chefes sem sofrer um único arranhão, enquanto Zero capota na primeira que ocorre com ele.


Enfim, é através desse chefe completamente opcional, que o Beam Sabre pode ser obtido.

Chefes

Como sempre, há um chefe no início do jogo, oito chefes (um em cada fase) e por fim, mais 4 chefes na rodada final, antes é claro do chefão definitivo (que é claro, é o Sigma), tendo ele suas 2 ou 3 formas costumeiras.

O diferencial aqui tá nos chefes aleatórios, que surgem nas fases obrigatoriamente (mas nas fases que quiserem), e os chefes alternativos, que só aparecem caso esses mesmos sejam derrotados logo no primeiro encontro.

Maoh the Giant


A primeira fase é uma base dos Maverick Hunters sendo atacada, sendo inclusive nela em que Mac é encontrado e enfrentado. Porém, o chefe final é Maoh, um mecaniloide gigantesco do lado de fora da cede.


Só pra constar, a fase em si é na mesma cidade vista em X1 (o fundo é praticamente o mesmo, e o design do solo e objetos é muito parecido), logo, o Quartel General dos Maverick Hunters fica nela.


Além disso, pelo tanto de equipamentos gigantes estacionados nela, fica claro que eles já tinham um arsenal militar bem maior que antes, e estavam mais do que preparados pra conter os Mavericks. Porém, como foram pegos de surpresa, não tiveram nem tempo de reagir.


Pelo que parece, Maoh é um mecaniloide criado pela Maverick Hunters, e usado para defesa da base originalmente, mas foi corrompido durante a invasão, assim como outras máquinas. Seria improvável uma máquina desse tamanho entrar na cidade sem chamar atenção, e o ataque inimigo veio pelo ar. Dificilmente ele chegaria na base sem causar destruição à cidade, que ao fundo pode ser vista sem avarias. Assim sendo, ele já estava na base desde o começo.


No máximo o cenário ao fundo fica avermelhado na hora de enfrenta-lo, indicando perigo (ou que ele tacou fogo nos arredores). 


A batalha dele é simples, com suas mãos sendo Bolas de Espinhos, e ele atacando o teto da base com elas, sendo preciso que X desvie e atire em sua cabeça, até ele explodir e despencar. 

Blast Hornet


O chefe abelha, é o administrador do Heliporto/Fábrica de Armas, e provavelmente é bem ativo nessa função (tanto que ao derrota-lo, o local passa a funcionar mal). Chamo esse local de "heliporto" pois toda a frota de Helicópteros Insetos Robôs (usada pros ataques) fica armazenada nesse local. No entanto, não rolam combates contra eles.


Como mencionado, sua fase possui 2 sub-chefes, e a chance de encontrar um dos Chefes Especiais em uma das salas. Vile no entanto não coloca sua armadilha nessa fase.

Depois de acabar com todo o sistema de transporte de Hornet, X o enfrenta numa sala não muito grande, o que até soa estranho, pois este é um chefe totalmente voador. Geralmente chefes assim ficam em locais a céu aberto, pra terem maior mobilidade, mas aqui ele mesmo se sabota ficando num local fechado e pequeno.

Seus ataques consistem inicialmente em dar ferroadas na direção de X.


Depois ele se move em ziguezague até chegar em um canto e atirar mecaniloides abelhas, que caso encostem em X, ficam fixos por um tempo, causando dano.


Quando sua energia chega na metade, ele muda os movimentos, passando a voar em ziguezague pelo cenário o tempo todo, lançando um alvo rastreador em X, enquanto invoca várias abelhinhas em torno de si.


Caso o alvo se fixe em X, Hornet lança suas abelhinhas na direção dele, que dessa vez apenas explodem ao contato, causando ainda mais dano.


A fraqueza dele é a gravidade, e se X lançar uma esfera anti-gravitacional, ele apenas trava no ar e cai, não importando nem se o ataque o atingiu. Essa é a desvantagem dele lutar num local tão fechado.


Detalhe, poderes especiais são o grande diferencial de X, e ele os adquire dos chefes ao derrota-los (apenas os 8 chefes das fases é claro). 

O poder que Hornet entrega é o de lançar umas bombas, bem fracas apesar de grandes, que se prendem à determinados inimigos (comigo só funcionou nas tartarugas aquáticas), levando eles na direção do próximo inimigo que aparecer em tela.


Assim como em todo MegaMan X, carregar o poder especial também cria um ataque alternativo um pouco mais forte, que aqui são mini-alvos rastreadores, que se prendem aos inimigos e lançam 1 Abelha Robô pra cada, explodindo.


Sobre a história de Legacy Collection pra Abelhuda: Eles contam que ela foi membro da Unidade 0, e teria sido enviada para uma missão de reconhecimento na cidade Doppler no lugar de Zero, seu comandante. Daí deu ruim, e ela virou Maverick. Faz sentido isso? Pois é, é uma história bem nada a ver, enfiada na descrição dela, sendo que fica evidente que ela é um dos mavericks responsáveis pelo transporte de armas de Doppler. Bem provável que ela nunca nem tenha sido da Mavercik Hunters.

Blizzard Buffalo


No que parece ser o que restou da cidade de Doppler, só que toda congelada, um reploide em forma de búfalo aparece, aparentemente sendo o principal responsável pelo congelamento de tudo.


X deve ter ido pra esse ponto pra brecar os ataques contra humanos dos mavericks, na cidade de Doppler. E ao que parece, Blizzard usou todo seu poder pra levar uma era de gelo ao local (dessa vez faz sentido tal ataque).

Sua fase é toda deslizante e escorregadia, pois ta toda congelada, e ao fundo da pra ver os prédios tombados e destruídos pelo gelo. Além disso ela é repleta de reploides e mecaniloides adaptados pra atacar e equipados para se mover no gelo.


Sem contar, que em uma parte tem uma máquina de gelo gigante, que joga gelo e neve pro alto através de um enorme turbilhão. Assim como aquela máquina vista em X2, ela não afeta o cenário em si. No máximo prejudica um pouco a visão, mas nada que dificulte o jogo, além de nem empurrar X... com a neve é claro.


Ela empurra X pro alto caso tente passar por cima, mas não afeta a velocidade dele, nem o empurra pra trás caso ele tente pular (e curiosamente uma das Armaduras Especiais fica justamente nessa parte, mas isso não afeta em nada a forma de obtenção dela). No entanto, aqui faz sentido haver tal máquina, mesmo que ela não prejudique o jogador: Ela que congelou a cidade.

Destruí-la não fará a cidade ou o mapa voltar ao normal, pois demora até o gelo sumir é claro. Mas, interrompê-la faz parar de nevar, o que é uma forma de dizer que X salvou a pátria, mesmo sendo algo totalmente opcional, e que não afeta o jogo.

X no fim das contas enfrenta o responsável pelo ataque, numa sala muito grande, pela qual ele corre dando investidas. 


Búfalo faz isso, ele vai de um lado pro outro do mapa, rente ao chão (pelo enorme peso de sua maquinaria), acelerando pra dar uma chifrada em X.

As vezes, se ele acertar, os chifres (caso carregados) prendem em X e ele o carrega com força até a parede. Mas, caso não estejam carregados, X apenas leva dano, bastante dano.


É fácil fugir dele, usando as paredes como base pra saltar sobre ele e continuar atirando. Porém, como a sala é enorme, demora um pouco até X alcançar a próxima parede, deixando o combate um pouco mais complicado, já que o Blizzard é rápido pra caramba. No entanto, com o Dash Voador fica um pouco mais fácil vencer... sem contar que ele buga.

Ele tem um defeito de fábrica tosco, em que quando X dá um Dash pra Cima na frente dele, ele corre pra trás, batendo contra a parede. Isso pode ser feito repetidamente, e ele nem se toca. Esse bug existe em todas as versões...


Ele também pode lançar gelo, criando obstáculos no chão, pra prejudicar X em sua corrida. Esse gelo é jogado na direção de X, e ele sempre lança 3 blocos antes de atacar.


Por fim, ele também pode atirar um laser poderoso perto do chão, em linha reta, que vai de um lado ao outro da sala, mas que é fácil de evitar, e nem causa dano. Esse laser apenas congela por um tempinho.


O poder que X coleta desse chefe é o Gelo que ele produz. Passa a ser possível lançar Estacas de Gelo voadoras, que detonam ao entrar em contato com qualquer coisa, virando pilares de gelo no chão por algum tempo.


Quando carregado, cria um Escudo de Gelo, bastante inútil, mas que, dentro da água, vira uma plataforma de gelo flutuante... nesse caso pode ser útil em um ou outro segredo do jogo.


Sobre a história de Buffalo em Legacy Collection: Dizem que ele era um robô criado pra segurança em estações de esqui, e um artista que esculpia estátuas de gelo. Bem provável que inventaram isso por causa dos easter eggs em MMX4... mas na verdade, parece mais que Buffalo era um dos mavericks mais insanos de Doppler, tanto que ele congelou a cidade toda!

Gravity Beetle


Um besouro gigante que controla a gravidade, eis o chefe do Aeroporto. Esse mapa é diferente do "Heliporto", sendo provavelmente o principal ponto de transporte dos robôs de Doppler.

X deve ter invadido esse lugar com o propósito de evitar que as máquinas deixassem a cidade e se espalhassem pelo mundo, além de cortar seus suprimentos (prejudicando o transporte).


O cenário em si é uma grande estação de controle de voo, com uma parte móvel (pelo que parece, a marte mais superior fica girando (parece até que X ta numa nave mas, é um tipo de plataforma giratória no alto, como visto no mapeamento), e o chefe se localiza no ponto central dela, manipulando a gravidade.


Ele tem movimentos muito simples, um pulinho minúsculo de um passo pra frente, na direção de X, enquanto lança bolas de energia gravitacionais. 


Algumas em linha reta, outras quicando nas paredes.


Quando sua energia fica pela metade, ele se irrita e invoca um grande buraco negro no topo da tela, enquanto continua seus movimentos, agora com investidas carregadas pra frente.


Seu ponto fraco são tiros rápidos, a mesma fraqueza de Vile (uma delas ao menos).

O poder que ele libera é o de lançar uma Bola de Gravidade, que se abre um pouco à frente de X, e puxa as coisas ao redor. No entanto, nada parece ser afetado por isso, exceto o chefe abelha e alguns inimigos voadores.


Quando carregado, X lança um pulso de gravidade pra cima, que levanta tudo no seu campo de visão, sejam itens, inimigos, e até uma determinada plataforma, pra pegar uma das partes da Armadura.


Quanto à história de Beetle no Legacy Collection, bem... ele seria um dos membros da Unidade 17 que ficou bravinho pela morte do Boomer Kuwanger pelas mãos dos seus comandantes. Por isso ele virou Maverick, por isso ele se juntou às forças de Doppler e passou a gerenciar o transporte de equipamentos militares... claro... faz muito sentido isso não!? Ao meu ver, ele foi apenas um dos mavericks que Doppler viu potencial e optou por usar pra si, tirando vantagem dos poderes gravitacionais dele.

Toxic Seahorse


A Represa que abastecia a cidade de Doppler foi intoxicada por um Cavalo Marinho mecânico, justamente pra prejudicar as pessoas da cidade. X chega lá pra tirar o maverick do controle da situação.


Boa parte da fase se assemelha a esgotos, mas na verdade é a água contaminada, pela qual X precisa passar até chegar ao ponto de controle onde o maverick se esconde.


Toxic joga ácido enquanto luta, e fica pulando, é isso.


Sério, há variações do ácido que ele joga, mas no geral, esse é seu maior desafio.


O máximo que ele faz, é virar ácido e entrar no chão pra, voltar, em outra parte do chão. O truque é só ficar longe do chão!


O poder que ele entrega após ser destruído é esse mesmo ácido, que ao ser jogado explode jogando gotas pros lados.

Quando carregado, várias bolas de ácido são jogadas juntas, pulando até explodirem.


E, vale dizer que a fraqueza dele é o gelo, pois isso solidifica ele e o faz tomar dano. Química pura.

No Legacy Collection o Seahorse nem tem história. só é um louco que queria envenenar a água da cidade. Concordo totalmente.

Volt Catfish


Numa usina elétrica (mais uma fonte de energia diferente, os robôs são versáteis em MMX), o chefe é um Peixe Gato robô.

A fase em si é apenas uma grande usina cheia de mavericks e pontos eletrificados. Seguindo a linha de raciocínio, X buscou acabar com todas as fontes de energia desses mavericks pra enfraquecer o exército de Doppler e também localiza-lo.


Enfim, Volt é poderoso de certa forma, não pelo início da luta, mas pela parte final.


No começo ele pula com a barriga enquanto intercala entre disparos de raios junto ao solo (que vão pra parede), e esferas de eletricidade até metade da tela, que voam em linha reta, e depois ele puxa de volta enquanto expele energia pra cima.


Quando ta perto de morrer, ele apela puxando eletricidade do topo da fase e permanecendo no centro. Então ele se eletrifica e simplesmente se torna invulnerável.


Nesse estado, ele cria dois escudos de eletricidade e atira randomicamente, pra todo lado. Depois finaliza com uma investida rápida na direção de X.


Derrotar ele é fogo nessa parte, mas ele é fraco contra o ataque perfurador, então da pra quebrar esse mega ataque dele assim... ou ficar sofrendo pra acerta-lo no intervalo entre uma invocação de raio e outra.

O poder que ele entrega pra X de sua carcaça é um tipo de Escudo de Raio em forma de triângulo. No caso, ele tem duas etapas de uso, sendo a primeira o escudo em si, e a segunda 3 raios que voam na direção das pontas, desfazendo o escudo.


Isso é feito automaticamente numa certa velocidade, mas pode ser acelerado se X atirar rápido, além de poder ser mantido se X reativa-lo na hora certa.

Quando carregado, X da um murro no chão, tremendo tudo (e abrindo certas passagens secretas), além de jogar duas esferas elétricas em ambas as direções.


É risível a criatividade dos caras ao tentar bolar uma história pro Catfish em Legacy Collection. Decidiram que ele seria um Gerador de Energia Ambulante para resgates, que virou Maverick e começou a destruir uma estação elétrica. Faz sentido pra caramba. Se bem que, de fato há partes danificadas na estação elétrica... claro que, ignorando que TUDO SE PASSA NA CIDADE DE DOPPLER, podemos considerar que o cientista destruiria seus próprios recursos né. 

Crush Crawfish


O Lagosta que ataca de ré, esse é o chefe da fase das Docas.

As Docas podiam ser tanto para transporte de mecaniloides, quanto para transporte de armas, fato é que havia um submarino lotado de mavericks preparado pra ser lançado, com Crawfish coordenando a frota (haviam mais no fundo).


Mas, X chega com tudo pelas docas, invade o submarino, destrói ele por dentro e o afunda, tudo isso até chegar na Lagosta Robô e detona-la.


Crawfish é um dos chefes mais esquisitos e fáceis do jogo. Tecnicamente ele tem 3 ataques apenas, isso antes de se enfurecer e ganhar um quarto movimento.

Ele tem pinças grandes, que pode lançar na direção de X pra tentar agarra-lo. Se ele conseguir, ele dá vários cortes repetitivos enquanto o segura.


Ele também pode dar uma investidas, pra tentar agarrar X. No entanto ele não pula, o que permite que X fique nas paredes totalmente a salvo.


E tem um ataque à distância que não faz nada, literalmente! Ele lança uns elásticos (eu vejo como elásticos) que se prenderem em X deixam ele um pouquinho mais pesado, quase nada, é tipo quase imperceptível, servindo no máximo pra derrubar X das paredes (mas, da pra voltar rapidinho). Ele ainda pode pular e dar dash tranquilamente e, isso não atrapalha em nada. Sem contar, que isso nem causa dano.


Quando fica irritado, ele passa a dar investidas com as costas, bem rápido. Isso causa muito dano se acertar, no entanto é fácil de evitar assim como todo o resto.


Ao ser derrotado, ele libera sua habilidade: Lançar 2 Lâminas Giratórias (algo que ele não fazia), que vão pra frente, e conforme se distanciam vão se afastando uma da outra, até voltarem pra trás. É basicamente um ataque que vai pra frente e volta com tudo pra pegar o que tiver atrás.


Quando carregado, X invoca um Ioiô Gigante, que pode controlar pra dar uma volta completa em torno de si, ou deixar ele em linha reta mesmo por alguns instantes. Esses ataques são fortinhos.


No caso da história pela visão de Legacy Collection do Lagostão, ele era um robô militar que deu defeito. É assim que eles explicam a máquina que Doppler ta usando pra comandar sua forma de submarinos!

Tunnel Rhino


Um rinoceronte que escava, Rhino é um dos chefes mais fáceis porém, mais chatos de se alcançar.

Sua fase é uma mineradora de cristais de energia, abarrotada de máquinas corrompidas com um dano absurdo. X a invade pra acabar com o estoque dele, mas assim que ele chega no ponto principal de armazenamento de cristais extraídos, surge o chefão.


Ele perfura, e é isso. Parece até o combate com o Búfalo mas, é em uma sala muito menor.


Seus ataques consistem em usar seu chifre e mãos como perfuradores, correndo na direção das paredes.


As vezes ele pode interromper a corrida e mudar pro lado em que X estiver (afinal, é fácil apenas pular por cima dele pra evitar os impactos nas paredes, que atordoam).

E as vezes, ele também pode disparar três perfuradores, que voam e avançam pra frente depois de um tempo.


E, quando sua energia ta quase esgotada, ele começa a se enfurecer, ficando invulnerável a danos por um momento, e dando uma investida mais rapidamente.


O poder que ele entrega é sua furadeira (X arranca o chifre do cara!), sendo possível disparar até 3 de uma vez só, que voam pra frente lentamente, e se fixam à objetos, perfurando-os.


Quando carregado, X invoca a furadeira no X-Buster, mantendo-a apontada e consumindo energia pouco a pouco (é inútil).


Vale mencionar que, os cristais que estavam sendo minerados lembram muito aqueles vistos em X2, porém o local é bem diferente, com muito mais pedras do que cristais. E, no caso da história do Rhino, eles nem se esforçaram em Legacy: Ele era um robô minerador que deu defeito. Longe de ser um robô extrator que Doppler usa como seu principal responsável pra coletar energia né.

Neon Tiger


Na região da floresta que foi transformada em fonte de energia, o chefão é Neon Tiger, um tigre Wolverine que imita o Sigma do jogo anterior.

Sua fase é uma floresta grande e vasta, com máquinas por toda parte, muitas delas ironicamente inofensivas (ao primeiro contato). Umas máquinas em forma de Lavadeiras servem até de plataformas, apesar de poderem atirar de vez em quando.


Nem há tanto desafio nela, e depois de superar alguns obstáculos bobos, como robôs que criam espinhos no chão, e muitos atiradores, X chega no Tiger.

Ele tem uma sala um pouco mais baixa que as normais, e suas habilidades consistem em pular, de um lado pro outro, se fixando nas paredes e dando investidas na direção de X, as vezes.


Ele também pode atacar com suas garras diretamente, da parede ou do solo.

Ou então atirar com sua cauda, vários pequenos tiros rápidos e descontrolados (sem nem mirar em X).


Quando ta perto de ser derrotado, ele passa a se energizar, ficando invulnerável e dando uma investida rápida pelo chão e paredes. Ele só volta a ser vulnerável quando cai no chão, caso contrário ele fica nesse ataque até vencer.


O poder que ele libera é seu Tiro Rápido. Por mais desgrenhado que os tiros sejam, eles causam um dano relevante.


Quando esse poder é carregado, X lança uma esfera pro ar que passa a atirar pra todos os lados aleatoriamente.


Referente à história do Tiger, chega a soar estupido! Ele seria uma máquina Caçadora de HUMANOS, isso em sua programação normal hein, pois tecnicamente ele protegia uma reserva florestal na cidade de Doppler e, qualquer humano que tentasse matar os poucos animais que lá haviam, seria executado pelo reploide.

Eu acho isso uma descrição bastante estranha e ao meu ver, parece que em Legacy Collection, tentaram criar várias histórias retroativas pros personagens vistos na franquia desde o X1. Só que, parece que nem se esforçaram pra isso! 

A questão é que a partir de X4 os personagens realmente começam a ter uma história de fundo... e aí, tentando encaixar esses 3 jogos, inventaram essas besteiras (quando na verdade, basta observar os personagens um pouco pra entender o que eram). Neon Tiger provavelmente era só mais um maverick de ação que Doppler botou pra trabalhar em uma de suas reservas de energia.

Bit


Esse chefe pode aparecer em algumas fases nas salas vazias, mas ele quem decide quando o fará, surpreendendo X e o jogador quando menos se espera.


No entanto, ele não é tão poderoso. Na verdade, nenhum dos chefes é (desde que aprendamos os movimentos deles), e o que torna ele fácil até, é a previsibilidade de seus ataques. Irônico que ele ainda fica surpreso se X o derrotar, tanto ele quanto Byte citam o fato de X ser uma máquina antiga, poderosa de mais pra sua idade.


Bit tem 2 movimentos básicos, com uma Investida no Ar, que vai na direção de X, sendo possível guiar ele pra direção que se deseja (pulando na frente dele), conseguindo assim evita-lo.


Seu outro movimento é caso ele sofra algum golpe no solo. Ele apenas lança 2 tipos de disparos diferentes, e volta a dar as investidas voadoras.

Um disparo são discos que caso acertem X, não causam dano, mas o paralisam no solo por um tempo.


E o outro são duas esferas de energia que voam na direção de X uma vez, e depois somem, nesse caso causando muito dano.


Bit pode ser derrotado ou morto durante essa luta, dependendo da arma que X usa pra finaliza-lo assim como acontece com Vile (mas com ele deve-se usar Gelo ou Raio).

Se ele for morto, na fase final onde ele apareceria novamente (fundido com Byte) acaba surgindo outro chefe, mas apenas se ambos forem derrotados. Se um deles sobreviver o monstro fundido ainda surge.

Byte


Assim como seu amigo, Byte aparece quando quiser, mas também não é tão difícil. Detalhe que, esses chefes podem aparecer nas mesmas salas um do outro, então não há mesmo como prever onde ou quando surgirão. Diferente de Vile que só aparece em 3 mapas, Bite e Byte podem aparecer onde quiserem, exceto nos mapas de Vile é claro (que são a Usina Elétrica, a Cidade Congelada e nas Docas).


Outra coisa, eles só podem aparecer em mapas ainda não superados. Vencer o chefe da fase tira a possibilidade de qualquer um desses 3 surgir. E, se o jogador vencer os 8 chefes, eles param de aparecer sem nem serem derrotados. Claro que no caso de Bit e Byte é impossível isso ocorrer, pois eles aparecem de qualquer forma no caminho de X uma hora ou outra, mas no caso de Vile da pra perder o primeiro encontro com ele pra sempre se esquecer desse detalhe.

Enfim, Byte é fraquíssimo. Ele lança um tipo de Imã na parede, que atrai X, fazendo com que seus movimentos sejam levemente puxados pra parede magnetizada. Só que, ainda da pra pular (com certa resistência). Esse Imã também não causa qualquer dano, tanto no disparo quanto na permanência.


O que causa dano é a investida que Byte dá em seguida, avançando rápido e agarrando X. Se ele pegar, ele gira, joga, bate na parede, teto, ele abusa da oportunidade pra fazer tudo com X.


Quando não consegue agarrar, ele repete o movimento até ser derrotado.

É fácil de mais evita-lo, ainda mais com o Imã não causando dano, e por ser tão fácil, é difícil o jogador contar com alguma de suas "fraquezas" pra elimina-lo. Ele é fraco contra o Tiro Rápido e o Furador.

Godkarmachine O Inary


A fusão de ambos surge na primeira fase final (são 4 fases), onde Bit e Byte são fundidos por Doppler em um tipo de esfinge egípcia bizarra.


Ele passa a ter 3 movimentos, apenas isso, e ainda por cima fica preso ao canto da tela praticamente, podendo no máximo voar pra cima e cair, mas sem nunca ir pra frente.


Ele pode usar uma Espada de Energia, que lança uma onda pra frente, a qual detona nas paredes, se dividindo pra cima e baixo.

Também pode atirar dois punhos que tentam agarrar X, e depois soca-lo, mas são fáceis de evitar.


Ainda mais por ser possível pular atrás dele, na parede que fica lá, e atirar pelas costas. No entanto quando isso é feito ele passa a atirar 2 esferas de energias perseguidoras, que causam bastante dano.


Ele também voa, e isso pode fazer com que ele esmague X (matando instantaneamente) se ele tentar passar por baixo.


Depois de derrotado, é fim dos capangas cobaias de Doppler.

Curioso que essa primeira última fase é um tipo de Ferro Velho, repleto de destroços e restos de robôs, o que torna o surgimento dessa fusão, apenas um tipo de descarte (ou último recurso) de Doppler. O cara foi lá, pegou o que sobrou de melhor nos dois reploides mais fortes dele, e criou essa grande sucata monstruosa.

Vile MK-II


No caso de Vile, ele pode aparecer apenas nos teleportadores que esconde, naquela armadilha que mencionei. Mas, no final do jogo, na Segunda Fase Final, ele pode aparecer caso não tenha sido morto, facilitando muito a passagem por ela.

É que, Vile mata os 2 chefes da fase, e espera por X no final, e isso acaba ajudando muito, afinal Vile não é tão forte.

No primeiro encontro, além dele apelar pra armadilha da fase extra, ele também surge com 2 barras de vida. Isso pois ele sempre luta primeiro usando sua Armadura Robô, e depois diretamente quando ela é destruída.


A armadura que ele usa é uma Ride Armor DRA-00, isso no primeiro encontro, que pode apenas dar investidas e socos, servindo mais como vida extra mesmo.

Depois de derrotada, ele passa a repetir alguns movimentos bem previsíveis. Ele pula e atira um pilar de fogo, que se move pra frente, depois pula outra vez e atira no ar.


Os tiros no ar são sequenciais, na direção de X, e ele sempre intercala entre esses dois movimentos, se movendo de um lado ao outro da pequena sala com esses pulos altíssimos.


Vile é fraco contra o Tiro Rápido (sim, o mesmo que Byte) e as Lâminas Cortadoras (irônico que pra pegar essas lâminas, é preciso derrotar o Lagosta, e a fase dele é uma das 3 em que Vile aparece. Logo, fazendo isso, ele deixa de aparecer lá e é uma chance a menos de encontra-lo). Só que, é bem estranho precisar apelar pra essas armas no meio da luta, uma vez que Vile já é fraco e fácil de estudar e entender os padrões.


Mas, se na sorte o jogador descobrir, ele pode acabar morto, o que libera 2 chefes na fase em que ele apareceria no final do jogo.

Caso contrário, ele aparece apenas depois das duas salas vazias, e totalmente destruídas (deixando muito claro que foi ele que atacou). Seu segundo confronto é por vingança, pra acabar de vez com X e impedir os planos de Doppler, encurralando-o numa sala um pouco maior que a anterior.


E, ele agora surge com a Ride Armor Goliath, uma armadura melhorada, e com capacidade de atirar. 


Nela, ele pode lançar barreiras pra impedir X de se mover (apesar de ser possível usa-las pra pular mais alto), e pode dar investidas, além de disparar.


Quando destruída, apesar dos movimentos de Vile serem os mesmos, como a sala é maior, fica um pouco mais difícil de escapar dos Pilares de Fogo (até chegar numa parede demora, e o fogo ainda sobe as paredes).


E, os tiros dele no ar agora mudam, com ele atirando tudo de uma vez, ou uma bola de energia que trava X (igual lá em X1).


Ele também pode dar investidas agora, pra agarrar X e estrangula-lo (causando dano contínuo).


E assim, superando mais esse confronto, Vile é destruído, porém avisa que voltará pra se vingar, de algum jeito, até que explode.


Press Disposer


No caso da sucata mutante não chegar a existir, quem X enfrenta ao entrar no ferro velho é um elefante mecaniloide estranho que serve pra reciclar os metais tudo.


Louco que tecnicamente, esse chefe é muito, mas muito mais difícil que qualquer outro (de certa forma até mais desafiador que o Sigma na forma final). E o irônico é que pra ele ser "liberado", é preciso fazer coisas que são mais desafiadoras do que o comum (matar Bit e Byte não é tarefa fácil).

Enfim, ele tem muitos ataques, podendo jogar ácido de sua tromba enquanto fica suspenso no canto direito da tela, se movendo pra cima pra baixo na tentativa de esmagar X.


Só que não é só isso, o mapa em si também ataca, com a parte do chão sendo um esteira que se move pra um triturador no canto direito (o que puxa X na direção do chefe).


E no teto, há uma compressora de sucata, que joga blocos na esteira pra serem triturados, mas adora se posicionar acima de X. Ela também joga robôs parcialmente danificados, que atiram pra trás (justamente onde X pode tentar se manter seguro).


Não bastasse tudo isso, o chefe só recebe dano na Tromba, ou na cabeça (que é protegida pela tromba), o que só torna tudo muito mais difícil.

E, caso a Tromba seja muito danificada (como critério pra derrota-lo né), todo o ácido dele cai, e o chão fica repleto de ácido, que causa dano à X, forçando-o a ficar na parede, com a Compressora ainda jogando lixo em cima dele!


E acha que isso é tudo? Não! O chefe ainda tem uma Garras que usa pra tentar pegar X de longe, puxando-o pra si pra causar dano.


Essa coisa monstruosa é apenas uma máquina de descarte de lixo! Provavelmente é o que Doppler usa pra conseguir seus materiais, derretendo, comprimindo, esmagando e triturando todo tipo de metal. Daí com Bit e Byte fora do time, o que sobra é usar ela pra defesa, o que convenhamos, é bem efetivo.

Volt Kurageil


No caso da segunda fase final, onde Vile apareceria após destruir tudo, o que surge além do robô Mosquito, é uma coisa aquática toda esquisita que fica no centro.


Vale dizer, que pelo que Vile fez, toda a água do mapa acaba sendo drenada, e esse chefe nem aparece. Mas, com Vile morto, ele ta lá pra batalha, apesar de não ser nada forte.


Ele não faz nada, apenas lança mísseis enquanto se move muito pouco próximo à superfície da água.


Mas, por sua fase estar intacta, a fase em si é terrivelmente mais difícil, não só pela água numa parte, mas pela presença de robôs melhorados e fortificados. Provavelmente Vile os enfraqueceu em seu ataque prévio de fúria, e eles viram um baita desafio, tendo todos 2 vidas tecnicamente.


Se derrotados, eles desmontam (ficando invulneráveis nesse processo) e voltam com armamentos mais fracos, simples assim.

Aproveitando, preciso mencionar as Plataformas Verticais formadas por Caramujos Mavericks, que sobem tão lentamente as paredes, que irritam mais do que qualquer coisa. São longos minutos subindo sem ter como acelerar (nem o especial que mexe com a gravidade os afeta), e esses mecaniloides só servem pra isso.


Esquisito Doppler ter criado essas máquinas, pois elas não fazem nada além de subir em espinhos. Nem mesmo atirar elas atiram! Talvez, Doppler pensou "Vou vencer X pelo tédio". Falando sério, é ilógico ele criar robôs que auxiliam X a invadir sua base, e sem esses caramujos, simplesmente seria impossível avançar (pois X não sobe em espinhos).

Mas, o que importa é que, derrotando esses chefes, a Terceira Fase, onde o próprio Doppler se encontra, é invadida.

Dr. Doppler


A fase de Doppler nem é bem uma fase, mas sim, a parte onde todos os 8 mavericks principais serão re-enfrentados, naquele clássico Boss Rush.


Sem descanso, X precisa lutar contra cada um dos robôs, em suas cápsulas de teletransporte. No máximo, ele pode destruir uma estrutura no centro da sala das cápsulas, que solta itens de regeneração (e uma vida se X usar o Beam Sabre), e se reconstrói a cada vitória contra os chefes.


De resto é tudo aquela mesma história, com eles usando os mesmos movimentos, mas com a diferença de agora X possuir todos os poderes especiais para contra-ataca-los. 

Só que, dessa vez, ao invés de ir pra uma nova fase após vencer todos eles, o que se segue é a luta contra Doppler.


Por mais difícil que ele não seja (buguei), enfrenta-lo logo após os 8 chefes em sequência pode ser bem exaustivo, além de desafiador (se o jogador não souber como derrotar todos facilmente). Porém, Doppler é bem frágil.

Ele é um cientista, não um guerreiro, e por mais que ele use equipamentos projetados originalmente pra um dos corpos que criou pra Sigma, ele não é tão versátil assim.

Ele tem 3 movimentos apenas: Pode pular e voar, dando investidas enquanto fica flamejante (parecido com o que Vile fazia).


Pode lançar 3 Bolas de energia, isso quando X fica muito tempo sem atirar nele.


E por fim, pode converter qualquer ataque que X fizer, em energia vital, restaurando sua vida ao invés de sofrer dano.


É justamente por causa desse último movimento, que ele usa bastante, que X precisa evitar atirar nas horas erradas.

O único momento que ele fica realmente vulnerável é quando tá atacando, seja com os tiros ou com a investida, então o truque é contra-atacar nas aberturas que ele dá, e evitar cair na provocação dele parado esperando receber algum golpe.


Depois de vencido, Doppler não explode como os demais mavericks. X na verdade o poupa, e o interroga sobre suas reais intenções. A essa altura do campeonato, X já sabia que Doppler tava construindo um corpo pra Sigma, porém, a confirmação vem direto de sua boca.


Doppler alega que, já que X o venceu, ele é capaz de derrotar Sigma, mesmo este estando muito mais poderoso do que ele pode imaginar. Aparentemente, o cientista tinha recobrado a consciência após tomar uma surra, e se curou do vírus, então ele diz onde o corpo de seu mestre está, para que X o ataque com tudo.

Sigma


E então chega a quarta e última fase final, com o confronto de Sigma.


Zero, se estiver inteiro ainda (caso não tenha entregado o Beam Sabre pela luta do Mosquitão, ou não tenha se ferido em alguma missão) aparece pra ajudar X, e não faz nada. Tecnicamente ele faz, no final, mas durante a luta em si ele não faz nada.


Bem, X precisa atravessar um pequeno corredor com alguns inimigos e plataformas, nada muito difícil, nem longo. Depois subir pelas paredes até chegar na câmara onde o corpo ativado de Sigma está.

Daí o vilão aparece, com um escudo e uma capa estranha, provocando X ao dizer que ele não terá chances com seu novo modelo.


Mas, pensa num combate fácil. Sigma é repetitivo e meio burro nos seus primeiros movimentos, pulando pro canto da sala, e jogando bolas de fogo perto do solo (que sobem a parede) na direção da parede oposta.


Se X pular pra cima dele, literalmente, e ficar nas paredes atrás dele... ele não faz nada! Ele não muda seus movimentos, apenas ataca cegamente a parede como se fosse imbecil.


Pra feri-lo, X precisa atacar ele quando saltar ou, se arriscar a jogar alguma arma pra baixo (pouco funcional na verdade).


Quando ele começa a ficar fraco, ele passa a arremessar o Escudo, não pra cima (o que seria esperto dele) mas pra frente, com o escudo subindo no recuo ao voltar.


Apenas quando a vitalidade dele tá muito baixa, esse escudo bumerangue acaba dando uma segunda volta ao retornar pra ele, indo na direção da parede. Porém ele não vai até o topo (sendo possível escapar só ficando la em cima).


Vencendo, Sigma explode e ai sim, ele se transfere pro corpo verdadeiro.

Kaiser Sigma


Numa forma muito maior, que ocupa quase metade da sala, Sigma se torna invulnerável a qualquer tipo de dano, e ainda pode se movimentar voando de um lado ao outro (lentamente, mas pode).


Nessa forma ele lança uns explosivos rastreadores que mudam de direção uma vez, tentando acertar X.


Além de atirar de tempos em tempos 4 Mísseis Rastreadores, poderosíssimos (tiram quase a metade da vida de X), que podem ser lançados um por um, ou todos de uma vez.


E, ele também pode atirar um laser destruidor pra frente, cobrindo metade da tela (a parte de cima, ou a parte de baixo, ele muda a direção a cada disparo).


Esse laser é tão forte que até mesmo seus explosivos detonam ao encostar.

Enfim, nessa forma, ele só recebe dano na cabeça, que é minúscula e fica protegida por seus canhões e adereços.


Mas, depois de algumas horas tentando (eu fiquei 2 horas pra aprender como acertar ele), o cara fica fácil de vencer, pela previsibilidade de suas ações, e também por saber a altura certa dos disparos pra atingi-lo.


Sem contar, que da pra acertar o Beam Sabre nela. É difícil, mas se feito corretamente Sigma cai com apenas 2 golpes do Beam Sabre (de preferência é bom atacar do topo do cenário virado pra Sigma, na hora que ele está também no alto, voando. Isso pois o Beam Sabre puxa X pra baixo, e as chances do ataque acertar Sigma aumentam nessa posição, já que ele também desce um pouco no fim de seus movimentos).


Assim, ele é derrotado, mas não é o fim.

Vírus Sigma

Ao perder seu melhor corpo, Sigma apenas decide o mais óbvio de tudo: Possuir X.


Ciente que X é melhor que ele, Sigma em sua forma de Vírus opta por tentar tomar o corpo desse reploide, convertendo-o em um maverick, e em seu receptáculo. O desespero de X é tão grande, que ele nem lembra que SABE TELETRANSPORTAR.


Então ele tenta escapar de Sigma, enquanto a sala inteira se enche de lava. Curioso que nessa hora o desespero também bate no jogador, pois à primeira vista, além de exausto pelo confronto contra o Kaiser Sigma, normalmente Lava nunca é um bom sinal, dando a impressão de que seria morte instantânea só de tocar.


As paredes ainda por cima são irregulares, com desníveis difíceis de superar na pressa (mesmo com X tendo Dash Duplo, ainda pra cima!) e o mapa se move sozinho, sem dar muito tempo de reação.

E além de tudo, Sigma fica no centro, dando aquele apavoro, pois vai saber as consequências de toca-lo enquanto se tenta escapar, e sim... é o jogador que controla X na fuga.


É possível perder nessa hora, fazendo com que todo o desgaste nos dois confrontos anteriores se torne algo em vão. Mas, existem detalhes que aliviam a pressão do momento...

A Lava não é mortal... pelo menos não instantaneamente. Mesmo o cenário se movendo pra cima sozinho, cair não matará X como se ele caísse em um precipício (só mata se ele ficar embaixo dos desníveis da parede enquanto a lava sobe, pois é tecnicamente esmagado pela tela). Na verdade, a lava funciona como uma plataforma pra ele, mas causa dano no contato (bastante reduzido com a Armadura).


Já aí é uma segurança a mais, pois em caso de queda, se X tiver Sub-Tanques e muita vitalidade, ele pode resistir apenas ficando na lava mesmo.

Sem contar que, encostar em Sigma não causa nada (só mais dano), e não é "game-over instantâneo".


A subida também não é tão grande assim, e da pra escapar com um pouco de paciência.

Depois de fugir da lava, X corre (nesse caso automaticamente) com Sigma em sua cola, até ficar encurralado.


Daí, Sigma canta vitória e enrola pra entrar em X, tempo o bastante pro salvador da pátria aparecer com o Antivírus.


Curiosidade: Parece que Sigma infecta a Barra de Energia de X, pois na perseguição, uma hora ele encolhe e se fixa nela, acompanhando X invisível. Logo, é bem provável que Sigma só não tomou controle de X porque não quis.


Se o jogador se mover rápido, consegue ver que ele ao encolher na parte de cima da tela, é puxado junto com a Barra de vida.

O Final Correto


Nesse ponto a história pode mudar, mas eu acredito que o cânone seja apenas um dos desfechos:

Se Zero estiver intacto, ele aparece com o antivírus produzido por Doppler na última hora, o qual ele aplica em Sigma, usando o Beam Sabre que é de energia, imbuído com o software, o imobilizando. 


Sigma até fala algo como "Ah não, você de novo Zero" mas fica por isso mesmo, sem grande interação ou importância.


Então Sigma é deixado na explosão, com Zero lembrando X que eles PODEM TELETRANSPORTAR. E ambos escapam, juntos.


Agora, se Zero estiver danificado, até mesmo se for pelo Beam Sabre coletado, quem aparece é o próprio Doppler, danificado pela batalha contra X, mas forte o bastante pra produzir o antivírus e leva-lo na hora H.


Ele mesmo aplica o antivírus, se jogando em Sigma pra que ele o possua, e o antivírus (dentro dele) se espalhe na programação de Sigma. Assim, ambos ficam presos na base enquanto ela explode, e X foge teletransportando.


Aliás, por regra do jogo, X só pode usar teletransporte em regiões que já explorou (pela função Exit), mas na lógica, ele pode usar isso quando quiser, e só não usa pois não quer abandonar missões atoa, ou seja, ele podia ter fugido se quisesse.

Apesar disso, nos dois desfechos, na hora que a luz toma a tela toda pela explosão, dá pra ouvir o som de teletransporte de uma terceira entidade. Provavelmente Sigma usa o corpo de Doppler pra teletransportar, ou então ele consegue ir pra um dos corpos encapsulados dele, e consegue escapar (nesse caso demoraria bem mais, mas é o que da pra imaginar).


Na lógica, se for pra escolher um final canônico, eu ficaria com o de Doppler administrando o antivírus.

Pois, isso valida a fragilidade de Zero ainda, e também tira o cientista da história (algo que é oficial, pois ele não aparece mais).


Se Doppler tivesse sobrevivido ao evento de Sigma, ele seria basicamente a prova viva de que é possível se curar definitivamente da influência dele. Sem contar que, seus estudos com o Antivírus só cresceriam mais e mais, e ele conseguiria se redimir (e talvez até impedir eventos catastróficos vindouros).

Enfim, Sigma voltará de toda forma, é óbvio que ele não se deixaria cair por um antivírus que ele próprio já superou antes. Isso apenas o atrasou, e impediu que ele possuísse X. Só que a ideia foi plantada.

Além disso, Zero está lá ainda... Um plano muito maior, que Sigma havia orquestrado a muito tempo... seu "Cavalo de Troia".


A Fragilidade de Zero e incapacidade dele ajudar X a todo momento, é um dos indícios de que ele não estava bem. Provavelmente Sigma havia feito isso de propósito pra que ele não interferisse no final.

Por isso, o desfecho em que Zero chega todo vitorioso não soa como o correto, e parece até ilógico.

Antes do final, Zero seria encontrado pouco antes da luta, e iria "destruir a sala de controle" como sempre faz. Porém, independente dele aparecer ou não, a base explode de toda forma (até no final de Doppler). Ou seja, as ações de Zero são irrelevantes, e é bem possível que nem tenha sido ele a explodir tudo.


E, ele ir até Doppler, pegar o Antivírus, e depois voltar pra parte da base onde X e Sigma lutava, parece uma volta grande de mais a se fazer. Enfim né...


No final, como sempre, X começa a reclamar da vida e filosofar.

Porém...  reforçando o "Cavalo de Troia", é dito pelo narrador que, X mal sabia que seu destino já estava traçado, e ele teria de enfrentar (matar na versão americana) Zero um dia.


Isso já deixa aquela pista de que, Zero tava estranho...

Mas, isso fica pra outro jogo.

As Cutscenes


Mega Man X3 saiu originalmente pra Super Nintendo, sendo o último game da franquia pra esse console. Depois disso ele foi relançado pra Playstation e Sega Saturno, recebendo também algumas melhorias como o acréscimo de cutscenes animadas.


Porém essas animações são, apesar de bem bonitas, totalmente fora do cânone. Logo na abertura do jogo da pra notar, pois ele retrata os eventos de MMX1 e X2 de uma forma bastante diferente do real. Claro que é apenas uma forma figurativa de representar os dois títulos que não chegaram a receber port (até foram lançados, mas em suas versões de Snes mesmo).

Nesse ponto, eu comecei a suspeitar das animações, que passaram a ser comuns nos jogos lançados nessas novas plataformas. A questão é que muitas vezes pareciam ser feitas por terceiros (e eram mesmo), e não pelos mesmos envolvidos nos jogos em si, e adicionadas posteriormente pra complementar o enredo.


Pior que isso fica até claro com, por exemplo, erros de gramática no nome dos chefes (Bilzzard Buffalo!)


Apesar de ser algo bonito, eu desconsidero, mesmo que tenha ficado algo realmente bem feito (se bem que, a resolução dos vídeos é bem ruim, e difícil de assistir no Ps1). A beleza em si não justifica mudanças absurdas como o design contraditório de Zero, ou o simples fato dele confrontar os seguidores de Sigma em X2 (quando ele nem tava vivo até eles mesmos o restaurarem).


Claro, tudo pode ser apenas algo abstrato, sem valor algum, apenas pra tentar resumir de um jeito rápido os eventos prévios... mas, isso ao meu ver já compromete esse tipo de mídia (e informação) mesmo dentro do jogo.


Nem queria mais falar da cor dos olhos de X (já virou uma reclamação manjada), mas na versão original do jogo (Snes), ainda na abertura há uma arte de X, onde seus olhos são azuis, assim como nos 3 jogos anteriores. A mudança da cor veio do nada, nas versões refeitas e reanimadas, como nessas cutscenes.


Aliás, eu joguei as versões de Super Nintendo, a do Legacy Collection (que usou a versão de Snes também) e a X Collection.

Engraçado que "Legacy Collection" é uma junção de 4 jogos da série X, isso na parte 1 (do X1 ao X4) e mais 4 na parte 2 (do X5 ao X8), isso tudo lançado a preço full em 2018 pra consoles mais modernos (PS4, PC, Xbox One e Switch). 


O máximo de bônus que tem (ao menos na Parte 1) é uma galeria de arte interessante, com aquelas descrições absurdas que citei tanto, e o OVA do "Dia do Sigma", que nem vale pra franquia (lançado originalmente como adição ao Maverick Hunter X, que foi uma tentativa fracassada de reimaginar a franquia X)

Só que, a versão "X Collection", que saiu em 2006, vinha com os jogos do X1 ao X6, tudo no mesmo pacote, e ainda oferecia um jogo brinde (se finalizasse os demais), isso tudo pra PS2.


Sem contar que, nessa versão de 2006, o X3 no pacote é justamente a versão de PS1, que era um port do Sega Saturno. Ou seja, nessa versão tem as cutscenes.

O mais curioso, é que MegaMan X7 e X8 não foram incluídos no pacote na época, por não caberem no DVD. No entanto, em 2018, isso não seria problema algum. Claro que, compensou muito mais pra Capcom lançar em dois pacotes de jogos né, pra lucrar... eis o mal dessa geração de executivos.

E, é isso.

Espero que o texto tenha sido bem esclarecedor, e que dessa vez eu tenha acertado na dose!

Se ficou bom, não medirei esforços pra rever os demais títulos da série X.

Apesar de acreditar que meus artigos do X4 adiante não estão tão "ruins", seria legal revê-los e quem sabe, trazer uma versão bem melhor e mais detalhada deles.

Mas, farei isso apenas se necessário mesmo.

Obrigado pela leitura, e pela paciência.


See yah!

Postar um comentário

18 Comentários

  1. Mas que maravilha max, vc aumentou a ainda mais seu talento na escrita, e vem sempre aumentando. Ta realmente BEEEM melhor que os posts antigos que vc fez dos tais X (se le "équis"), bem melhor mesmo.

    Mas que mentira que nao tem nenhuma musica memoravel, tem no minimo umas 3 ou 4, verdade que grande parte é irritante, mas a do X4, que curiosamente é um jog bem melhor (nao que o X3 não seja bem legal, do Snes so fica atras do X1), tem uma ost realmente esquecivel, com sequer uma faixa que de uma empolgada, a unica vantagem é que não irrita (vc vai ver).

    Mas o melhor do post foi vc usando seu GRANDE talento pra desenhar meu caro, isso de usar artes criativas da extremamente carismatica... Morte... tem que ser regra agora.

    E vc, ou a pessoa que te deu essa ideia, ta de parabens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Bia. Eu tava precisando mesmo reescrever a respeito, obrigado pelo incentivo e estimulo pra fazer isso. De início achei que não era uma boa ideia mas, ta valendo muito a pena. To aprendendo ainda mais sobre X, e meu, to curtindo muito escrever e jogar.

      Obrigado por ler, e por curtir meu trabalho, mesmo.

      Bem, referente à trilha sonora, eu disse apenas o que eu acho. Eu cheguei a ver pessoas elogiando músicas do X3 mas, eu não consigo elogiar algo que para do nada, e reinicia. Nenhuma das músicas me empolgou ou marcou, no máximo tem a da fase do gelo mas, sei lá, até ela soa chata e cansativa pra mim. Mas, repito que é questão de gosto mesmo.

      Eu agora fiquei pensando porque não fiz isso antes! Em todos os postes eu devia ter posto ao menos uma mortinha rs.

      Pretendo tornar isso um hábito mesmo, mesmo que minha artes não sejam lá tudo aquilo (eu ainda to aprendendo a pintar kkk) eu vou fazer o possível pra sempre incluir ela daqui em diante.

      Excluir
    2. A do blizzard bufallo kkk é bem boring mesmo, tem a do first stage e a do zero theme que até vai, mas das fases mesmo é... complicado, mas isso de parar e voltar é nesse port ai.

      Mas ae, quando vai sair o post do pato em rapaz.

      Excluir
    3. Não poxa, o esquema da música parar do nada ta na versão original também. Só ver o final de snes, tu já nota, é a mesma música num loop infinito com pausas na maior cara de pau. Eu sei disso pois nunca senti tanta vontade de fechar o jogo durante os créditos como em X3.

      Bem, eu pretendo escrever agora sobre coelhos.

      Excluir
  2. Ótimo texto sr. Morte,zero é um cavalo de Troia na concepção original da saga,mas aí o senhor doutor Inafune chega e tenta mudar tudo... com relação a reploids,pra mim sempre foram robôs com base no projeto do x,replicantes do x em alguma escala,nunca pensei no x como um reploid por ele ser uma relíquia de escavação.
    As artes do sr. Mortinha ficaram muito boas,não abandone nos próximos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão, X não seria uma reploide tecnicamente, justamente por todos os outros serem réplicas e por isso levarem esse nome. Mas, com o passar do tempo passei a enxergar todos os robôs humanoides da franquia, até mesmo da série clássica, como "reploides". Pra mim virou sinônimo de "Androide" saca. Mas, o sr ta correto.

      O bom de tar dando uma nova passada pela franquia é essa chance de contemplar as ideias originais, e cada vez mais me inclino a ignorar o que empurraram com a barriga posteriormente.

      Heh, obrigado! Eu vou continuar fazendo essas artes, ao menos nos artigos de games... por enquanto hehe.

      Excluir
    2. Num sentido amplo todo robô humanoide em megaman seria um reploid ou repliroid nas versões japonesas,mas eu li em algum lugar que na série X são os derivados do X,teremos o texto do x4? Só me resta aguardar aqui...

      Excluir
    3. As versões cd desse jogo ficaram muito cagadas,a capcom poderia entregar muito mais do que tivemos,daí vendeu pouco,bateu o desepero e eles deram carta branca pro execrável Inafune capitanear as sequências, o que ferrou a narrativa que tava sendo construída, lembro que as cenas animadas eram fluidas no console,mas nunca vi no emulador sair bem,talvez reflexo do trabalho porco da capcom,nem a resolução foi ajustada,e no saturn eles quiseram amenizar adicionando bordas na tela,as composições não ficaram boas,a versão cartucho teve uma trilha melhor,inferior aos anteriores,mas melhor que as versões cd.

      Excluir
    4. X4 é necessário. Eu dei uma relida nos artigos e, eu preciso muito renova-los. Deixei muita coisa de fora e fiz muitos resumos que no fim, não ficaram tão legais quanto eu gostaria hoje. Então sim, vai ter X4... iria ser o próximo artigo inclusive, mas surgiu uma ideia diferente que quero explorar.

      Pior que eu me lembro que na época que jogava o X Collection no PS2 mesmo, ele também tinha umas cutscenes bem porquinhas, incluindo um efeito espelhado no lado direto da cena de abertura. Razão pela qual nem estranhei quando vi o mesmo no emulador.

      Parece que quiseram empurrar qualquer coisa e, saiu isso. O bom é que, apesar dos pesares, e mesmo com a interferência do Inafune, ainda da pra espremer a história e tirar a parte que realmente importa.

      Uma pena que MMX tomou esse rumo, e só foi se acertar la pro X5 (e depois só em X8, e olhe lá).

      Excluir
    5. Odiei o x5,achei feio e não me divertiu,não tinha anime mesmo 3 anos depois do x4,Alia enchendo o saco toda hora e toda aquela baboseira aleatória da história, enfim.

      Excluir
    6. Então foi só no X8 mesmo, pois o X7 é uma porcaria também.

      Excluir
  3. Megaman x3... É um dos jogos que menos gosto da franquia, ficando a frente apenas do megaman x7 (porque será né?)

    Enfim... Começando pelas diferenças entre versões do Snes, Ps1 e Saturn...
    Na questão de gráficos, a capcom deixou a desejar em fazer uma atualização decente (coisa que eles só mexeram quando saiu o x4), adicionaram aquela abertura animada e umas animações antes dos chefes mas não achei grande coisa não.
    Já em questão de músicas, assim como o jogo em si não me agrada, a parte sonora desse jogo em si me desagrada bastante (e olha que tem música do x7 que eu gosto!!!), Mas já vi muita gente dizendo que tem músicas boas no x3... Porém, sigo discordando.

    Zero ao mesmo tempo que é uma novidade super bacana é a maior decepção do jogo, só usei ele 1 vez no jogo normal porque não tava alcançando as botas da armadura do x e mais recentemente, jogando pela steam, tinha uma conquista pra pegar em que tinha que ter o sabre do mesmo então finalmente enfrentei o mosquito lá pra isso, me surpreendi com a quantidade de dano que o mosquito causa e morri a primeira vez que enfrentei ele... Tendo que recarregar o save e tentar de novo pra aí sim conseguir a arma...

    Quanto a chefes e subchefes, infelizmente não gosto dos que tem no x3 também, acho legal o design do bit, ou seria o byte? É o douradinho.
    Mas eles não tem praticamente papel nenhum então, nem vou me estender falando deles.

    Colocaram o sistema de mechas no jogo pra ter mais colecionáveis e compensar as fases longas e chatas, e não acho legal pilotar os mechas nesse jogo.
    Era tão legal jogar o x1 e na fase do sting chameleon pilotar o mecha e passando no lamaçal... Pena que não tenho essa mesma animação no x3 mesmo com tamanha variedade nos mechas.

    Quanto as armaduras, nesse jogo o sistema ficou ainda mais chato, dash aéreo lento, aquele maldito X-buster... Ai ai...

    Tenho tanta crítica a esse jogo que me seguro aqui pra não sair falando demais...

    Armas dos bosses são chatinhas de usar... Inimigos que causam dano exagerado só pra você ter que pegar a armadura e jogar como se fosse dano normal, um inimigo super irritante que atira umas bolas de ferro em você e que sempre me irrita enfrentar...

    Quanto ao fato de chamarem o Megaman de X e não de megaman, creio que se deve ao fato das traduções meia boca que foram feitas... X sempre foi X mas a gente encontra essas pérolas nas traduções desses jogos mais antigos.
    Infelizmente a história da série tem muito ponto questionável, incluindo também as tais unidades e fica meio difícil explicar sobre.

    Achei interessante a visão das cápsulas codificadas pra responder as atualizações e não como peças pré definidas... Nunca tinha pensado dessa forma e acho que encaixa melhor na evolução da história assim.

    Ps: nunca enfrentei o chefe aquático ou o elefante que tem no jogo kkk...
    O motivo? Bem, depois que peguei o sabre do zero ganhei a conquista que faltava e larguei o jogo porque não curto o megaman x3...

    Como você citou o uso do beam saber no dispositivo da fase do doppler pra render vida extra...
    Se usar a arma especial de gelo nos inimigos comuns, você garante com 100% de certeza um item de recuperação (sendo ele pras armas ou energia do X)

    Já me irritei algumas vezes enfrentando o sigma e morrendo pra porcaria da lava + cenário kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordamos em tudo, e aliás, que bom que não sou o único a não curtir a música de X3. Enquanto eu pesquisava vi gente falando bem, mas na prática, é difícil gostar.

      Sobre o nome do X, de fato chamam ele de "Rockman" na versão japonesa, mas isso apenas em X2. Depois disso ele volta a ser chamado apenas de X no restante da franquia (pelo menos é o que parece). Se foi um deslize do roteirista na época, ou realmente foi um indício da natureza de X dentro do jogo (afinal, o jogo se chama Rockman X mesmo, porém, dentro dele a referência só existe em X2) ai fica pra gente especular.

      Sr, eu acabei tendo de jogar todas as versões e pior, eu joguei várias e várias vezes (já consigo terminar em 2 horas kkk), e sei bem da tortura que é fazê-lo. Que bom, que o artigo já foi! E eu me esforcei pacas nisso, pra nunca mais ter de retornar aqui kkk.

      Mas, obrigado pela adição de informação. Eu desconhecia esse efeito do gelo.

      Obrigado por ler sr, e viu, eu consegui notar algo inédito kkk. O esquema das cápsulas me intrigou muito.

      Excluir
    2. Teorizar um pouco é interessante, já li e assisti várias análises sobre megaman x e nenhuma conseguiu me dar uma resposta convincente para o motivo das cápsulas serem itens pré-definidos (por fator gameplay a gente entende, mas pra se encaixar na história não fazia sentido) e essa idéia do programa ser atualizações eu achei muito daora.

      conforme você for avançando nas análises vai descobrir bastante sobre minha conexão com os jogos kk
      Uma das minhas franquias prediletas e que tenho muito a falar, X4 que me aguarde...

      Excluir
    3. Logo X4 ta ai!

      Sr, o que mais me surpreendeu foi a conexão de um jogo ao outro. Meu, o Dash realmente evolui de um jogo pro outro, e é uma evolução lenta e gradativa (no X1 ele começa sem, e aprende a correr durante, no X2 começa a voar, mas só pra frente, no X3 começa a voar um pouco mais, e também pra cima mas, fraco ainda... e pelo que me lembro no X4 essa evolução só evolui mais né). O esquema do X-Buster e a coloração... mano, tava tudo lá! Eu não sei porque ignorei isso na primeira vez (a pressa de publicar naquele tempo né), mas tá tudo lá, só não vê quem não quer! Um dia a prova do ProtoZero chega rs.

      Excluir
  4. Como que a música de entrada do zero na fase inicial onde X é capturado não te marcou? A musica da fase do camaleão também não? A da fase do besouro? Da fase da abelha? ...eu como fã, conheço megamanx X desde 1995 quando chegou aqui na minha cidade, digo que foi uma das poucas sequências em que, em uma trilogia, sempre o ultimo era melhor. O X3 fechou com chave de ouro a sequência de X no SNES. E digo que a trilha sonora é uma das melhores que já escutei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que não sei te responder. Acho que é coisa de gosto, e se não me engano o X3 foi também um dos primeiros MM que joguei (incluindo fase clássica).

      Pode-se dizer que meu gosto musical é terrível rs. Mas eu amo o jogo, assim como a franquia.

      Pior ainda é que minha memória terrível mal me permite recordar sons. Nomes e sons são minhas fraquezas principais.

      Mas, não leve a mal sr Cesar!!! E obrigado por ler.

      Excluir

Atenção: Antes de enviar seu comentário, por favor copie o que escreveu (para não perder o texto), pode haver erro ao publicar, então tente novamente.

Caso o erro persista, por favor me informe através do whatsapp (11 958017648), facebook, instagram ou tiktok.

Obrigado de mais por comentar, isso me estimula a continuar.

Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)