AnáliseMorte: Donkey Kong Country - Tropical Freeze - Contando Sobre

Donkey Kong Country Tropical Freeze é continuação de Donkey Kong Country Returns, ambos sendo uma tentativa de recuperar a glória dos tempos clássicos.



Esse segundo jogo é bem melhor que o anterior, mas ele ainda não consegue chegar naquele ponto divino em que a trilogia original chegou. Mas o que vale a é a tentativa.

Alias, recomendo que leia a análise de Donkey Kong Country Returns primeiro

Tem Spoiler

Boa leitura.


Com o término da parceria entre Nintendo e Rareware, Donkey Kong nunca foi o mesmo. A ideia de macacos lutando por bananas e evitando colonização de répteis foi meio que reaproveitada algumas vezes, com tamanho sucesso, que tentaram repetir isso, mas sem os répteis (talvez por algum esquema da Rareware e os personagens "Kremlings").


Só que essa fórmula não é mágica. O que fazia dos Country originais incríveis, era todo o composto. Gameplay, Gráficos, Dinâmica e mano, Trilha Sonora. Impossível não se lembrar desses elementos quando se pensa em DKC.

No Returns, tentaram reavivar a franquia mas, falharam em algumas coisas, como por exemplo, enfeitar de mais os mapas, dar muita coisa a mais pra uma jogabilidade que antes era até que bem simples (basicamente dependia da playskill do jogador, pois no passado, você andava, corria e pulava, além de pegar barris, era isso), aceleraram muito a experiência, com fases curtas, e pra piorar, dependeram basicamente de remixes das músicas originais, o que simplesmente não colou.



Faltou certa criatividade la, mesmo considerando as novidades, e nada nele chegou a ser épico ou memorável. Pois então, decidiram continuar a ideia de tentar manter a franquia, e em Tropical Freeze, acertaram muito mais do que erraram.

Removeram vários elementos do Returns, mesmo ainda sendo praticamente o mesmo modelo de jogo. Adicionaram coisas realmente interessantes, como uma movimentação de tela com zoons e perspectivas alternadas levemente. E adicionaram mais 3 macaquinhos pro gameplay.



Alias, os gráficos também são bem mais limpos, sem excessos, sem poluição. Tem muita coisa sim, mas tudo tem seu próprio espaço e da pra contemplar sem precisar forçar a vista, sem contar que, o tempo do jogo ta melhor administrado, as fases são mais longas, e da pra aproveitar mais, curtir mais o momento.



Meio que perceberam que, o que marca DKC não é uma jogabilidade frenética, nem desafios contínuos, mas sim algo simples, sereno, e belo de se atravessar, com claro, uma dificuldade proposital pra te manter mais tempo ali, naquela belíssima experiência.

Mesmo ainda não sendo possível memorizar as músicas, que são sim originais em sua maioria (finalmente), nos é oferecido tanto, mas tanto, que fica impossível não se maravilhar.

Uma das coisas que mais encanta é a transição de estilo de jogo, no meio da fase.

Acontece que diferente do Returns, onde aboliram as fases aquáticas, aqui eles incluíram elas, como uma parte secundária de muitas, muitas fases.



Lembra muito o que foi feito em DKC3 e 2, onde durante as fases andávamos em terra firme, e pulávamos na água em certos trechos, atravessando uma fase aquática, e voltando pra terra firme.


Isso ocorre muito, mas é mais bonito ainda, pois ao pular na água, a fase realmente muda, em tempo real, com trilha sonora própria, jogabilidade própria, desafios próprios, enfim, tudo próprio.

A música é sempre a mesma em toda a fase, mas na água ela ganha um toque aquático, um toque sereno, fica mais lenta e sim, parece totalmente diferente. É lindo de se ouvir, e o tempo que se passa ali, nadando, é inquestionavelmente admirável.

Ahh, os melhores momentos de DKCTF são os mergulhos... mesmo que a jogabilidade tenha mudado de mais com relação as fases de água dos Country originais.



Os macaquinhos não nadam na base de braçadas animadas apenas pra direita e esquerda (mas podendo ir pra cima e pra baixo)... aqui eles podem nadar em qualquer direção, e dançar em meio à água.



Além disso, eles atacam, podendo dar cabeçadas giratórias na maioria da vida marinha (descartaram o Peixe-Espada, tadinho).



A combinação de macaquinhos também influencia nessa nova jogabilidade (no passado, eles apenas se seguiam, aqui, eles montam nas costas um do outro), onde alguns aceleram mais a natação, outros permitem ataques ainda mais letais, porém depois eu falo disso.



Ainda da pra sair da água quando bem entende, ir pra superfície, voltar, e tudo isso é bem bonito, e divertido, além de adicionar vários recursos de gameplay e possibilidades pra playskills próprias, por exemplo, da pra passar fases inteiras pulando e saindo da água e usando ela como um tipo de trampolim pra superar plataformas. Isso agiliza muito, mas sempre é bom dar aquela explorada antes, aquela viajada legal no que é oferecido e aproveitar. O jogo mesmo estimula isso...



A única parte que com toda certeza foi um erro, um erro terrível, foi a inclusão das malditas Bolhas de Respiração.



Quem já jogou Sonic sabe o que é essa bost4... são bolhas que brotam embaixo d'água, periodicamente, com oxigênio pra quem tenta se aventurar pelas profundezas marítimas.



Então, sim, os macaquinhos agora precisam constantemente de oxigênio, tendo de depender dessas bolhas, e isso é irritante de mais.

Nem demora muito, e os macacos ficam sem ar, tendo de buscar novas fontes de oxigênio, seja pelas bolhas, ou saindo da água, o que cria uma tensão, um desafio, que arruína o clima. Tipo, imagina a cena: Você ta nadando, olhando os peixes ao fundo de uma paisagem semi escurecida, com luzes pequenas geradas pelos animais e, baleias, cavalos marinhos, algas reluzentes, envolvido por uma trilha sonora tão calma, tão lenta e encantadora, tudo lindo pra caramba... e do nada sua barrinha de oxigênio começa a piscar e dar alerta de perigo.



O desespero pra sair buscando uma bolha acaba com o momento... e la se vai o investimento num mapa tão lindo (experiência real viu, aconteceu comigo, veja as imagens!).

O mais chato disso é que, não é algo original de DKC, é algo de Sonic mano, tem nada a ver com DKC... tipo, nem em DKC64 isso foi usado, e la os macaquinhos, como sempre, tinham fôlego ilimitado.

Isso sempre foi da natureza dos Macacos da Nintendo. Eles podiam nadar sem precisar respirar, e dane-se a lógica, o legal era sair nadando mesmo e pronto.

Nem faz sentido bolhas de oxigênio meu... então, é claro que incluíram isso só pra dar uma variada na dificuldade, uma incrementada, um desafio a mais, sendo que na moral, nem precisava.



Nenhuma fase aquática, ou parcialmente aquática, usa o elemento do Oxigênio como um desafio. É mais um empecilho, algo chato que ta la só pra atrapalhar mesmo. Não tem uma fase onde você precisa nadar rápido e contra o tempo, renovando o ar em alguns poucos locais... na verdade até que tem bolhas de mais por toda parte... então tipo, pra que?

Alias, eu meio que bolei uma teoria do porquê, onde até que faz um put4 sentido...

Tipo, removeram um elemento bobo que tinha no Returns, e isso é a chave pra interpretação.

Lembra aquele esquema de abaixar e soprar pra apagar a chama de certos inimigos, e velas, além de girar algumas coisas, etc, do DKC Returns?? Esqueça isso, pois em TF foi tirado permanentemente.



Os macaquinhos simplesmente esqueceram como se assopra... e aquele Pulmão Poderoso que tinham, sumiu.

E a explicação, é simples: O Frio Mágico trazido pelo novo inimigo, prejudicou a respiração dos macacos, quase como se os deixasse em uma constante região rarefeita.

Eles não podem soprar mais, e nem tem fôlego "ilimitado" pois, tecnicamente, estão mal dos pulmões, por causa do frio (claro que os macacos já enfrentaram frio extremo, em muitos momentos, e não me lembro deles tendo problemas pra respirar, mas provavelmente, isso ocorre por causa da "magia" que o novo inimigo usa no frio que traz).

O legal é que, a primeira aparição dos inimigos novos é marcada justamente, por Donkey sendo impossibilitado de soprar (uma vela de seu bolo de aniversário).



E a conclusão do jogo ainda corrobora com essa hipótese, pois basicamente, o Fôlego Infinito volta pra eles no finalzinho, através de um sopro todo poderoso.

Assim sendo, pode-se considerar a desgraça das bolhas-quebra-clima como um elemento narrativo meio que subliminar. Ou, é apenas um erro terrível dos produtores na tentativa de deixar o jogo mais "difícil"... eu prefiro pensar na primeira hipótese.

Bem, tirando isso, o jogo ainda se sustenta por outras belezas contemplativas espalhadas por ai, como fases em que a música acompanha os macaquinhos, e eles influenciam na música diretamente, e fases tão, diferentes, tão inovadoras, que no fim tem muita coisa louca pra se ver.



O problema, e sempre tem problemas né, é que ainda não souberam acertar nos "extras".

Lembra que todo DKC tem fases bônus, e alguns coletáveis pra dar aquela motivada na exploração, e variada nos desafios? Lembra que DKC Returns incluiu umas Peças de Quebra-Cabeças Douradas, que num serviam pra nada além de liberar uma galeria de Arte, e fases especiais bem difíceis, que no fim serviam pra liberar uma única fase especial final (desconsiderando a versão de 3DS) que nos premiava com, pasme, o jogo inteiro de novo, mas invertido?



Pois é, tamo junto numa nova empreitada rumo a Peças de Quebra-Cabeças Douradas, dessa vez sem qualquer utilidade além da Galeria de Arte.

Há fases especiais, mas elas são influenciadas pelas letras KONG, algo que também tava no outro jogo. Essas letras, além de darem uma vida, desde os primórdios de DKC, e serem renovadas na fase após coletadas, agora por alguma razão são as responsáveis pelas fases bônus, ao invés das difíceis e escondidas Peças de Quebra-Cabeças, que alias, são as conquistas do Bônus.



É muito mais fácil pegar as Letras KONG, pois elas sempre tão à vista, então depender delas pra liberar as fases bônus, ao invés das enigmáticas e dificílimas Peças de Quebra-Cabeças, é meio estúpido.



Eu me matei pra pegar ambas, tanto as Peças quanto as Letras, mas quando percebi que era só pegar as Letras mesmo, me senti traído... tanto quanto em Donkey Kong Country 1, e a conquista sem qualquer premiação além dos Pontos de Exclamação!!!

Ter uma galeria de arte exclusiva é legal (se bem que exclusividade, na era da internet, num vira muito em imagens rs), mas isso não justifica uma jogatina dedicada aos mistérios, não como nos clássicos (pós DKC1, aquele traidor!). Onde quero chegar? Simples: Chefes Secretos!



Mano, faltou isso. Temos fases extras, muitas, com rotas alternativas entre as Fases Especiais, e são todas bem legais... mas e os Chefes? Num tem nenhum chefinho especial extra... sem ser aqueles de cenário mesmo, mas que são apenas um tipo de fase com o chefe ao fundo...



Final extra, um desfecho diferente, um chefe ressurgindo (imagina o King K. Rool reaparecendo!), falta isso saca... falta um pouco mais de mistério, pra justificar uma jogabilidade mais intensa, e replays constantes.

Acaba se tornando um jogo curto, bem curto, mesmo explorando todos os "mistérios", e isso faz ele perder um pouco de seu brilho. Alias, o jogo chega em 100% com todos os bônus coletados, e o além de 100% (marca registrada de DKC) é só o que se obtém após jogar tudo de novo, no modo difícil.

O prêmio final, por pegar todos os bônus, é apenas um modo Hard, que nos permite jogar com os outros macaquinhos além do Donkey, em single player.



Isso é legal? Sim, mas não pela dificuldade... é mais pelos macaquinhos sendo liberados no jogo solo, pois nem sempre é possível jogar em dupla.

E sim, o modo Co-op ta de volta, onde cada jogador controla um dos macacos, mas apesar de serem 4 macacos no total (5 na versão de Switch), só temos o controle de um, no modo Single Player, o qual recebe o suporte dos outros 3 (no Switch tem mais um mas explico depois).



Controlamos Donkey Kong, que carrega em suas costas seu maninho (primo, mas são como irmãos), Diddy Kong, ou a Dixie Kong, ou o Cranky Kong.



Cada um da uma habilidade extra pro Donkey, mas eles não podem ser controlados como main character, exceto no modo Hard. Nesse modo, como os corações são reduzidos a um só, só da pra andar com 1 macaco, assim sendo, os outros 3 ficam livres pra escolher antes das fases.

Alias, cada Macaco conta com 2 Corações (Doctor Who kkk), tirando no modo Hard né, e quando as duplas são formadas, seja por barris encontrados em fases ou comprados, eles acabam ficando com 4 corações compartilhados... isso da 4 vidas extras, se não apelar pros poderes especiais da Dixie (explico depois) ou se não comprar um coração extra temporário.



Isso, somado aos Porquinhos que Salvam o progresso no meio das fases, tudo fica bem mais fácil. Alias...

Aqui é revelado que tem mais de um Porquinho Rosa de salvamento, em uma parte de uma fase, mas não é isso que quero dizer (depois falo melhor deles). Quero falar o quanto eles prejudicam a diversão!



É que, antigamente, existiam uns Barris de Salvamento, que ficavam estrategicamente no meio da fase, apenas 1 por fase, o qual delimitava um ponto seguro depois de bastante tempo se lascando pra chegar la. Isso ajudava, e era um bela salva-vidas pois, antes, cada macaco tinha só 1 coração mesmo.

Aqui, os porquinhos aparecem de 2 a 4 vezes numa mesma fase. Isso torna tudo muito fácil, muito mesmo, e mais rápido. Eu sei, as fases tão mais longas, mas de que adianta isso se em caso de perda, o jogador pode voltar de 3/4 da fase? Todo aquele progresso anterior vai se esvaindo pois, os constantes pontos seguros inviabilizam o replay naqueles momentos difíceis e memoráveis, o que faz deles não memoráveis.



Se você se mata pra passar de um ponto e salva, não tem porque voltar naquele ponto, certo? Logo, perde-se a graça, e olha que em TF tem muitos locais difíceis, mas divertidos e dinâmicos, criativos e empolgantes, sempre com a música certa, sempre com o desafio certo.

Nem tem a possibilidade de escolher dificuldade no jogo, e tirar esses porquinhos, ou reduzi-los. Isso é um bônus conquistado ao terminar tudo, então, qual a graça?

É estranho cobrar por menor facilidade, o que deduz-se ser frustrante, porém, no caso de DKC, quanto mais se permanece em uma fase, melhor pois é mais tempo pra admira-la.

Bem, citei o esquema de compras, então bora explica-lo: O jogo conta com Moedas de Banana, que podem ser conquistadas facilmente matando inimigos ou sei la, pegando por ai. Elas servem pra comprar itens extras pros macaquinhos, como os Baloes Especiais.

Tem 3 Balões, um Vermelho, que equivale a um continue, e pode ser conquistado nas fases também, sempre que se pega 100 bananas, ou se encontra flutuando por ai...



Tem o Azul, que serve pra recuperar o fôlego embaixo d'água, caso ele se esgote sem ter uma bolha por perto... só que ele é consumido assim.



E tem o verde, que resgata os macaquinhos de buracos, caso caiam, e ai eles podem voltar flutuando pra alguma superfície, até o balão estourar.



Da pra carregar até 3 balões (na real, 3 itens) numa mesma fase, diferente do Returns onde era só um.



Jogando em Co-op, cada macaco pode levar até 3 itens, o que significa 6 itens por fase (alguns, como os Barris Extras, são desabilitados)! Além disso, se um macaco morre, e o outro permanece vivo, da pra ele voltar usando um dos balões vermelhos reservados (que no caso, não contam como item carregado) e ai, da pra ter 99 continues no ato!



Pensando assim, nota-se que é um jogo extremamente fácil né?

Mas não deixa de ser divertido... porém creio que a coisa mais legal dele seja sua beleza visual.

Alias, entre os itens compráveis, tem um Coração Extra, e os Barris dos macaquinhos, pra caso eles sejam perdidos durante a fase, ou pra já iniciar acompanhado mesmo. Tem também um Escudo que da uma resistência extra aos macaquinhos, e uma Poção de Invulnerabilidade, que deixa eles dourados por um tempo depois de receber algum dano.




Tem também um colecionável, aleatório, onde gasta-se dinheiro comprando aquelas bolinhas sortidas com bonequinhos dentro. Serve pra Galeria, só isso.

E claro, temos o Papagaio, que ajuda a encontrar as peças secretas...

Então, bora falar dos personagens.

Personagens

Donkey Kong



O macaco protagonista, um Gorila, neto do Donkey Kong escalador que sequestrava mulheres.



Ele é forte, robusto, e pesado pra caramba... de verdade, jogar com ele é um peso.




O gameplay é suave, mas com Donkey as coisas são muito lerdas. Tudo até que responde bem, sem lags, mas a animação dele é lenta, e isso torna as coisas mais lentas. É terrível subir em cordas com ele, por exemplo, pois ele é bem devagar, e pra pular demora meio segundo, o que é sim bem esquisito, e incômodo.




Pra piorar, ele quem é o protagonista, e o personagem principal, assim sendo aquele quem controlamos 100% do tempo (numa jogatina single player).




Donkey tem como grande poder, a capacidade de carregar geral nas costas. Como ele é o único a fazer isso, é sua marca registrada.




Quando em parceria com alguém, ele pode usufruir de uma barrinha de energia pra um especial combinado. Ela se recarrega com as bananas coletadas (acho que umas 50 já enchem) e permite ativar um ataque especial próprio, pra cada um de seus parceiros.

Sozinho, ele pode dar Cambalhotas, e com parceiros, elas ficam infinitas (pois eles giram ele com os pés).



Ele também pode bater forte no chão pra atordoar inimigos próximos, ou virar coisas.




Na água, ele pode nadar, nadar rápido, e nadar muito rápido, girando na água, mas é difícil controlar pois, ele vai pra qualquer direção e estabilizar é complicado.



Diddy Kong




O chimpanzé mais irado do universo Nintendo, que alias, usa um boné da Nintendo, Diddy foi o aliado de Donkey em Returns, e ele retorna com as mesmas habilidades vistas la... alias... ele não é um chimpanzé...




Estou chocado, toda análise acabo fazendo uma descoberta surpreendente sobre essa criatura e agora, notei algo que eu não tinha percebido a tempos: Chimpanzés não tem cauda!



Diddy tem cauda então, o que ele é? Acho que ele é um tipo de Macaco-Prego... mano... que desilusão... primeiro ele não é irmão do Donkey, agora ele nem é um chimpanzé... ah meu deus meu mundo... ele ta desmoronando!

Ele tem uma mochila a jato, conquistada na aventura do 64, e também suas pistolas.



Diddy pode até ser um aliado interessante, mas acaba ficando em segundo plano com a chegada de sua mina.




Diddy pode atirar amendoins, que atordoam inimigos mas só de leve. Ele é mais ligeiro que o Donkey, e pode dar suas estrelinhas que desafiam as leis da gravidade...



Na água ele usa sua mochila como um tipo de turbo pra ir mais rápido, por um tempo.





Alias, sem o peso extra de Donkey, ele voa do mesmo jeito, então sua mochila ta limitada mesmo ao combustível temporário pra só alguns impulsos no ar.



Ele não é forte, mas pode estourar o chão com seus tiros. Isso faz tanto impacto quanto as pancadas de Donkey.

Seu especial faz todos os inimigos da tela virarem balões de vida... só isso.

Dixie Kong



A namorada roqueira de Diddy, ela não tem rabo então ela é um chimpanzé... pera... mano que bagunça é essa?




Bem, Dixie é minha favorita da franquia, pois ela tinha a capacidade magnífica de planar por tempo indeterminado. Quando eu soube que ela tava de volta, e não sua irmã mais nova Tiny, aquela poser que num consegue se manter no ar nem por uns 10 segundos fiquei bem empolgado, até descobrir que ela virou basicamente o Diddy, que voa pra cima.



Dixie pode planar, mas ela não faz ilimitadamente, como antes, agora ela simplesmente voa um pouquinho pra cima e cai...




Pensando no peso de Donkey, é de se imaginar que ela não suportaria tudo isso pra sair planando por ai. Ela tinha uma baita força na cabeleira, tanto que carregava tudo com ela, mas agora meio que seus cabelos estão mais fracos, provavelmente por causa de Donkey.




Eu fiquei ansioso pra jogar de Dixie sem esse peso todo, e fiz os testes tanto no controle secundário, quanto no modo Hard, e tudo que descobri foi que... seu cabelo se traumatizou.

Parece que Dixie não ta aguentando nem o próprio peso, e os pulos flutuantes são exatamente iguais com o Donkey...



Seria legal pra caramba se de alguma forma seu poder melhorasse quando ela tivesse sozinha, mas não, nada muda.


Dixie pode atirar umas bolinhas que também atordoam inimigos, mas muito rapidamente. O atordoar dos itens arremessados é mais rápido e simples que aquele de quando se bate no chão.



Ela pode bater no chão usando seu cabelo, e nessas horas ele faz um estraguinho.


Na água, seu cabelo permite nadar contra fortes correntezas, girando sem parar. Diferente de Diddy que só da pequenos impulsos, ela pode segurar Donkey em correntezas pelo tempo que quiser, pois seu cabelo gira infinitamente (isso comprova que seu cabelo permanece com a mesma habilidade do passado, só ela que cresceu muito e ele não aguenta tanto seu peso).




O especial dela é o mais útil de todos. Ela transforma todos os inimigos que tiverem na tela em Corações Amarelos. Isso reveste os corações dos macacos e da vários corações extras. Quanto mais inimigos, mais corações. No total da pra ter uns 4 corações amarelos, ou até mais (considerando os corações compráveis e tal).



Cranky Kong



Esse é o avô de Donkey, que perdeu toda sua massa muscular e se tornou um velhinho ranzinza...




Cranky pela primeira vez coloca suas habilidades ninja em prática, e decide deixar sua lojinha de lado pra ir atrás das moedas por conta própria. Ele nunca foi um aliado direto de Donkey, sempre era apenas um personagem dos bastidores mas sempre, sempre esteve presente. Agora, ele ta na ação.

Pena que ele é velhinho de mais e acaba montando nas costas de Donkey pra andar por ai, mas, ele oferece uma habilidade única: O poder de pular... mais alto.

Ele usa sua bengala pra dar um impulso forte pra baixo, que permite não apenas pular um pouco mais alto, como também ferir inimigos, inclusive os protegidos.




Ele também pode pular sobre espinhos sem se machucar, pois sua bengala protege ele e Donkey. Quando solo, nada muda muito em sua movimentação.



Alias, ele também pode atirar algo: Dentaduras.



Mas elas não ferem, e são ilimitadas. Servem só pra causar o atordoamento relâmpago.




Seu especial é o mais inútil, pois transforma os inimigos da tela em dinheiro, e nem é muito, é só uma moeda por inimigo.

Na água, ele usa sua bengala pra bater no que tiver à frente. Isso permite destruir inimigos com defesas, tipo espinhos ou cascos.



Funky Kong



Com Cranky fora do mercado, Funky tira proveito e assume as vendas.




Ele negocia praticamente o mesmo que o velho, e é até meio nostálgico pois, lembra a época que ele dava caronas de avião...




Apesar dele só servir pra negociar, na versão de Tropical Freeze lançada pra Switch, Funky se torna num personagem jogável.




Infelizmente, a versão que joguei foi a de Wii-U, então não sei qual a sensação de controlar Funky, porém sei que ele é bem mais fácil que Donkey, aparentemente mais leve, e muito mais prático.




Ele junta todas as qualidades de todos os macacos, tendo uma capacidade de voar e planar, por tempo ilimitado (igualzinho Dixie no passado) usando sua prancha (sem novidades pois ele fazia isso antes)...



Pode também dar um tipo de pulo duplo, igual a Dixie tecnicamente, indo um pouco mais pra cima.



Pode pisar em coisas letais com sua prancha...




Pode respirar de baixo d'água, afinal ele usa uma máscara de mergulho... algo normal considerando que ele já foi Barqueiro e manja dos equipamentos avançados...



Pode rolar ilimitadamente, pois ta em boa forma, além de ser um pouco mais forte que Donkey, e ter 5 Corações.


Alias, apesar da loja dele ficar pra trás quando ele é liberado, num tipo de Modo Fácil, ela acaba sendo administrada por um personagem novo, um Papagaio Estiloso chamado Tawks... mas sem nenhuma importância.




Apesar de não ser dito em lugar nenhum, provavelmente Funky é irmão do Donkey, ou tem algum parentesco muito próximo (tipo tio ou sei la, algo sem ser meramente primo). Ele tem muitas semelhanças com Donkey, só que é melhor em tudo.

Porquinhos Rosas




No mínimo 5 dessa espécie existem, e creio que bem mais. Dessa vez aparecem vários juntos em um pequeno "puzzle" escondido.




Aparentemente, eles tem alguma relação com aquele Porco Rosa do DKC64, e isso fica ainda mais possível agora, que os Portais Dimensionais voltam.

Existem rotas alternativas em TF, e essas rotas são liberadas por portais escondidos dentro de algumas fases. Esses portais, sem explicação nenhuma, estão ali levando pra saídas diferentes das fases.

A semelhança desses portais com aqueles que eram usados pra chegar no Porco Rosa e no Hipopótamo Azul é enorme.

Alias, conceitualmente, a ilha dos porquinhos seria a ilha da "Refinaria", mas isso foi descartado.



Também seria mostrado a terra natal deles, a própria cidade, mas isso foi descartado também.




Eles também ensinam os comandos do jogo, e fazem a contagem regressiva do modo "Contra-Relógio", que é um desafio compartilhado via rede onde os jogadores precisam superar as fases em menor tempo.



E pensar que fariam deles "inimigos" considerando que a grande fábrica seria deles, conceitualmente.

Rambi, a Rinoceronte




Essa Rinoceronte (ela é fêmea) sempre esteve como aliada dos macaquinhos e parece ter sido a única criatura lembrada pelos produtores. Novamente ela surge pra dar umas patinhas e chifradas.




Serve basicamente como montaria pra superar alguns trechos específicos, com rochas e obstáculos que só ela pode quebrar.




Além disso, ela pode andar de boa sobre espinhos, e caso seja atingida, ela foge mas, pode ser montada novamente se alcançada em tempo (ela é lenta quando foge).




É interessante o fato do peso dela, somado ao de Donkey, afetar a Dixie e o Diddy. Ambos podem planar, mas a mochila de Diddy fica ainda menos potente quando Rambi ta montada, e o cabelo de Dixie então, vish, ele mal consegue dar uma volta.



Squawks, o Papagaio




Ele volta com a mesma função de Returns, apenas um guia de segredos, especificamente as Peças de Quebra-Cabeças Douradas.



Uma vez equipado, ele se agita sempre que uma peça ta perto, e é "consumido" após terminar a fase.

Nada de mais, ele só serve pra isso mesmo.

A outra versão, com óculos, que fica na loja do Funky, parece ser apenas um Squawks mais estiloso mesmo...



Até haveriam outros aliados sabe, mas foram descartados, e só aparecem na Galeria... alias...



Inimigos


De que adianta as Galerias se nelas nem tem os inimigos direito? Tipo, muito do que é mostrado la, não foi pra versão final do jogo, então tecnicamente, é tudo meramente conceitual, e nem tudo que ta na versão final, aparece na galeria...




Normalmente, quando tem galerias nos jogos, eu costumo usa-las pra ilustrar minha descrição dos personagens, inimigos e se pá até cenários, mas em DKC (versão atual), torna-se algo inviável.




Pior que nessa versão do jogo, nem chegaram a mostrar todos os personagens, nem em Galeria, muito menos nos créditos, e pra piorar, eles nem tem nomes anunciados. Eu mesmo nem faço ideia do nome do vilão principal, que pra dizer a real, nem se destaca dos demais... então...




Não vou me matar pra contar sobre todos eles, não quando nem o jogo se da ao trabalho de cita-los. Eu lembro do que era feito nos Country clássicos, com eles desfilando ou tirando fotos, e o elenco inteiro sendo apresentado. Isso se foi, e com eles la se vai minha vontade de registrar os bichinhos tudo. Até há uma forma de pegar e visualizar "bonecos" de todos os personagens, mas pra isso tem que comprar, na sorte, em uma real loteria, no Funky Kong. Haja saco pra isso viu...



Alias, tecnicamente as criaturas presentes em Tropical Freeze são os mesmo inimigos do Returns, mas com novas Skins. Sem brincadeira... ao invés das Máscaras, temos bichos que de alguma forma, fazem o mesmo que as máscaras... com destaque pra queles que pegam fogo! Corujas Incendiárias... nem faz sentido, pois primeiro, todos os animais "vilões" deveriam ser glaciais, então animais quentes é ilógico.

Mas no geral, temos os Pinguins, as Morsas, os Leões Marinhos, os Ratos, as Corujas... e é... tem um monte de bichos aleatórios que do nada se tornaram malignos e decidem atacar os macaquinhos.




Alias, fui mostrar o jogo pra minha mãe, que era fan do DKC (jogávamos juntos no meu velho Snes) e ela ficou maravilhada, com os gráficos, música, e tipo, nem acreditou que eu tava jogando "macaquinhos" ainda, nessa idade, e queria jogar comigo. Ela me assistiu jogar, mostrei todos os novos macaquinhos pra ela, ela riu muito (foi bom viu) e no fim, ela só não jogou pois, como ela diz, os controles atuais são complicados de mais.

Mas o mais louco foi ela dizendo "Mas pra que matar os bichinhos???" e de fato, eu me toquei que não faz sentido! Os Macacos tão matando um monte de animais que, tecnicamente, não fizeram nada pra eles. Mano, tem uns tubarões (os mesmos do Returns, mas agora da pra matar eles pois da pra ir na água e pega-los por trás) que são mó sorridentes e nós simplesmente matamos os tadinhos!




E as tartarugas? Meu, tem umas tartarugas mó de boa com a vida delas e pum, surgem macacos pulando nelas! Koopas?? Que nada,




Minha mãe nunca percebeu isso, no clássico, que matávamos bichinhos, pois em sua maioria eles pareciam malvados. Eram tudo piratas, e estavam com aqueles jacarés do mal... então tudo bem!

Alias, quase colocaram jacarés no TF, mas creio que desistiram disso, pra não criar conflito com os Kremlings e a ausência deles...




Mas não tiveram problemas em inserir Ratos Franceses, e Abelhas Obesas... criaturas que não tem nada a ver com os Ratinhos e Abelhinhas originais, mas que tão aqui, e lembram eles, mesmo nem mencionando eles.


E olha que existem momentos muito legais, onde certos inimigos ganham protagonismo... mas acho que a melhor forma de menciona-los, sem enrolar, seja contando logo a história.

E pra fazer isso, pensei em duas formas: Descrever cada uma das fases, ou resumir os mundos pelas partes mais importantes... Juntando ambos os métodos, irei usar 1 única imagem pra descrever cada uma das fases, e ao mesmo tempo contar suas histórias.

História


Tudo começa com DK em sua festinha, acompanhado de Dixie, Diddy e Cranky (Funky tava ocupado de mais pra ir). Mas ai do nada, bem na hora que ele vai soprar a vela, um vento gelado a apaga, e ele fica bem puto.



Eram os malvados Vikings, que tinham chegado em sua ilha, pra dominar geral.



O líder deles toca uma Corneta enorme, que além de muito vento frio, traz a vida um dragão de gelo...



O qual expulsa os macaquinhos de sua casa (e provavelmente todos os demais habitantes da ilha).



Ai o navio flutua, com o dragão dando voltas na ilha...



E se instala no antigo vulcão, criando assim uma eterna nevasca que cobre tudo.




Enquanto isso, Donkey vai parar num avião caído, e começa sua jornada pra voltar pra sua ilha, recuperar seu bolo, e dar uma surra no vilão.



Primeira Ilha - Complexo de Madagascar

Aviões, Caixas e Barcos





A primeira fase apresenta o sistema de natação, bem como o esquema anterior de plataformas e sidescrol. O interessante dela é o fato de em uma boa parte, terem aviões caídos, sucatas aos montes, e muitas caixas de entrega. Inclusive, um dos inimigos (uma morsa fortona) sai de dentro de uma dessas caixas.

Além disso, os barcos Vikings do povo gelado ta la, aos montes, saindo quase como se fossem feitos la. Como há muitas caixas, marcadas com o simbolo glacial, e tem os aviões caídos, logo imaginei que esses Vikings na verdade foram transportados até la pelos aviões, sobreviveram às quedas, e se converteram em conquistadores.

2 Saídas




A segunda fase é uma extensão da primeira, mostrando um pouco mais do sistema de natação, e em seu cenário os barcos aos montes. O mais curioso dela, é a saída secundária, que fica submersa e protegida por uma turbina de avião.

Contêineres




Essa fase é de carrinho, daquele tipo que é preciso pular ou abaixar, enquanto o carrinho faz o resto do trabalho. Nesse jogo, ele tem 2 corações, então pode até bater contra alguns obstáculos, mas, se cair em buracos, é game-over do mesmo jeito.

O interessante é que há contêineres, e mais aviões por toda a floresta, além de mais caixas. Novamente, a ideia de que os animais eram transportados e caíram ali ganha espaço.

Floresta Adaptada (Duas Saídas)



Essa fase é uma mescla de floresta e aviões velhos, como se a floresta tivesse crescido em cima. Tem até alguns pontos com espinhos naturais, e artificiais, mostrando a comunhão perfeita entre os dois extremos. Essa fase também tem uma saída secundária... mas ao longo do jogo isso acaba se tornando comum então, o destaque fica só pra primeira que mostrou isso (apesar de que, irei mencionar sempre que tiver um caminho secundário).

Fase Especial A - Bananas Voadoras e Cipós




Essa fase especial mostra o que parece ser o Templo das Bananas Voadoras, um "item" que aparece as vezes. Nela, além de terem muito mais dessas bananas, e esculturas delas, tem os cipós escorregadios. Ela não é tão complicada.


Fase Especial B - Floresta Escura das Criaturas Arbusto



Essa, também especial, apresenta uma floresta escura (com um easter egg, depois falo dele) e muitos, muitos aviões caídos. Além disso, há um inimigo misterioso escondido em arbustos, que só aparece aqui. Não da pra ver o que é, pois além de ficar escondido, é tudo preto e branco (ou esverdeado)...

Templo Especial: Espinhos, Cipós e Correria



Bem, ao completar tudo, surge o primeiro templo, que é basicamente uma mistura de cordas pra balançar, bichos pra pular em cima e espinhos pra desviar, com poucos pontos pra se pisar. O tenso desses templos é que eles não tem checkpoint, então qualquer erro, o menor erro, faz voltar pro começo.

Chefe: Leão Marinho Viking



O primeiro chefe é um Leão Marinho que parece ter aproveitado a tecnologia dos aviões e ao invés de ter migrado como seus amigos, apenas fez daquela ilha sua, e criou um tipo de circo pra si e aqueles que ficaram com ele.



Ele ataca como se tivesse se apresentando, escorregando pelo chão (e deixando suas costas vulneráveis) e as vezes jogando bichinhos nos macacos, de longe.



Ele também usa seus aliados, os pinguins, pra pular de um lado pro outro do escorregador, atravessando a tela e tentando pegar os macaquinhos de surpresa, mas ele também fica vulnerável nesses momentos.


No fim, é só bater nele, evitando os momentos que ele gira no chão, e evitando seus aliados.


Ai ele toma alguns murros, e voa longe.


Segunda Ilha: As Montanhas "Europeias"

Moinhos



Essa é uma linda fase composta praticamente por moinhos... Significa que a energia usada pelas criaturas é basicamente eólica.

Rambi, Montanhas e Árvores



Essa é a primeira fase que o rinoceronte é encontrado. É uma região bem montanhosa, e também com muitas árvores, que despenca conforme ele corre.

Folhas Secas e Instrumentos de Sopro



Essa é uma das minhas favoritas. Nela, a música é sincronizada com os elementos do cenário, geralmente os instrumentos de sopro gigantes que as corujas ficam usando ao fundo. Eles servem de plataformas, e as vezes jogam inimigos ou coisas letais mas, no geral, é mais um auxílio. Além disso, há várias folhas secas voando por ai, que servem de plataforma pros macaquinhos.

Serralheria (Outra Saída)



E ai vem o motivo das corujas ficarem nessa região. Existe uma serralheria, que faz carrinhos, e provavelmente foi usada pra produzir os barcos em massa depois que eles migraram. Como essa ilha tem muitas árvores, é o recurso natural tomado pelos vikings.

Essa é uma fase de corrida, metade dela é num carrinho, outra metade é num tronco mesmo, flutuando na água de uma represa. Depois o tronco é transformado em um novo carrinho, e tudo encerra com os macacos sabotando a serralheria inteira. Essa fase tem uma saída secundária.

Balões e Montanhas



Essa é repleta de balões, nos quais os macacos pulam pra subir e subir cada vez mais. Tem também muitas esculturas de corujas, escupidas diretamente nas montanhas, o que significa que elas tomam conta dessa região a bastante tempo.

Cipós, Sinos e Corujais



Essa é a fase que mostra as casas das corujas. Vários poleiros gigantes ao fundo, além das esculturas. Ela é quase que inteira composta por cipós escorregadios e uns sinos que precisam ser tocados, pela ação de girar, pra abrir caminho.

Fase Especial A: Subsolo dos Queijos



Enquanto as montanhas foram tomadas pelas corujas, o subsolo foi tomado pelos Ratos, outro aliado dos Vikings. Eles estão la, aos montes, fabricando Queijo. Os macacos acham na sorte a entrada para a toca deles.

Fase Especial B: Fábrica Secreta dos Queijos




A própria fábrica, bem como todo o habitat, as casinhas e tudo mais, dos Ratos, é encontrada, e vandalizada pelos Macacos. Os ratos atacam com tudo também, nessa que é uma fase de Foguete, com Queijos rolando por toda parte.

Templo Especial: Sem Chão




O templo secreto é um local sem ter onde pisar. Ele inteiro consiste em pular na cabeça de corujas e tentar chegar em barris... é bem tenso.

Chefe: Coruja Viking



O chefe aqui é uma Coruja, que sacrifica bananas, o que deixa os macacos irritados... mas meio assustados também.



Ela ataca usando suas penas, e gelo. Da pra esquivar pulando (do gelo) ou ficando entre as brechas das penas.




Ela também usa seus próprios ovos, com corujas recém nascidas, como arma. Lembra muito aquele chefe la de DKC2. Pra vencê-la é preciso esperar esse momento pra atordoar as corujas e jogar elas contra a mãe.




Conforme ela toma dano, ela fica mais difícil. subindo (o que também lembra o chefe pássaro de DKC2, mas depois que ele volta como fantasma). Ela então usa o vento a seu favor, mandando suas crias junto e mais uma vez, armando os macaquinhos com alguns recém nascidos.



As vezes ela faz chover penas, mas tem uns barris no canto da tela só pra ajudar a fugir.



Depois de subir mais, ela fica mais agressiva, atira penas com maior velocidade, e menor espaçamento...




E também joga suas crias de traz da tela pra frente, sempre com um ou outro com a casca de ovo pra servir de arma após atordoado.




Ela também lança ovos gigantes que detonam, e tenta atacar com investidas surpresa de cima pra baixo... porém fica vulnerável nesses momentos.



Ela também apela pra vento e gelo... mas no geral, é fácil.



Ela leva a surra então e os macacos vazam pra próxima ilha.



Terceira Ilha: Selva "Africana"

Árvores Dançarinas e Animais Falsos




Logo de cara vem uma das fases com a música mais marcante, que inclusive muda em três partes (e nem tem água nela). É basicamente uma festa, onde até as árvores dançam, com enfeites por toda parte, num verdadeiro carnaval.

Flores e Frutos




Já essa é uma fase onde vários frutos com espinhos caem pelo caminho, e é preciso usar como apoio algumas plantas gigantes.

Rambi e os Tornados




Aqui, Rambi reaparece, mas essa é uma fase bem doida. Nela tem pequenos tornados no inicio, que vão aumentando, junto com uma tempestade elétrica que surge aos poucos, até virar um enorme tornado que varre o mapa inteiro.

Incêndio Florestal




Pra variar, as calamidades não acabam, e aqui uma região inteira é incendiada, do nada, e os macacos precisam atravessar, usando uns frutos ricos em água como arma contra o fogo. Detalhe: Aqueles Totens Vivos de Returns aparecem aos montes, pegando fogo, nessa ilha. Seria isso uma reciclagem de personagem ou um toque de que essa é a ilha original dos totens, e não a nova dominada pelos macacos?

Pescaria e Peixes Grandes (Outra Saída)




Ai vem o que seria o recurso tomado da natureza pelos Vikings, talvez até o que tenha causado todo o caos que se estabeleceu pela ilha: A vida marinha. Os caras simplesmente passaram a pescar tudo que tinha la, e isso irritou alguns peixes gigantes. Nessa fase, os macacos usam um foguete pra atravessar a região de pesca, e tentar fugir dos peixes/enguias gigantes que pulam enfurecidas por toda parte. Elas não estão com os Vikings, mas no fim uma delas se machuca feio... É perto dele que fica a saída secreta dessa fase.

Barris Canhões e Bombas




Também há uma fase repleta de canhões e explosivos nas montanhas, destruindo a natureza indiscriminadamente. Ela é basicamente isso, canhões em todas as direções com bombas que quebram tudo ao redor.

Especial A: Transportadora




Uma fase especial mostra o porquê deles detonarem as montanhas. Os vikings criaram um tipo de transportadora para suas conquistas e criações, tipo a pesca e os navios. Isso exigiu muito da natureza, e devastou outras regiões.

Especial B: Espinhos, Plantas e Trampolins




Ainda assim há uma fase meio intacta, talvez evitada pelos Vikings (mas ainda em processo de conquista) por causa dos muitos espinhos espalhados por ela.

Templo Especial: Plataformas Temporárias




Esse templo tem plataformas que ficam se movendo sozinhas, algumas eletrificadas... É preciso evitar cair, enquanto passa de uma plataforma pra outra, e usar as vezes os bichinhos como trampolim.

Chefe: Babuínos Azuis Vikings




O chefe aqui é composto por três irmãos Babuínos (são da família dos Kongs hein, tecnicamente... primos distantes, mas malvados!). Eles são meio ninjas, pelo menos agem como...




Atacam se pendurando em cipós, as vezes batendo com martelos giratórios, e as vezes tentando acertar os macacos com as próprias mãos. A questão é que eles ficam vulneráveis quando tentam isso (da até pra pular neles quando estão girando o martelo, mas é preciso usar o Cranky).




Uma vez que os três são acertados, dois pulam no chão e passam a dar investidas giratórias, até ficarem tontos e novamente, vulneráveis, por alguns instantes.




Quando um deles é derrotado, ele morre, e ai os dois que sobram passam a jogar bombas, algumas com espinhos, outras sem. É preciso pegar as sem e jogar contra um deles antes que exploda. Daí, com dois mortos, o terceiro invoca o espírito dos irmãos e passa a usa-los como arma pra tocar nos macacos. Além disso, eles jogam bombas.



Depois de pegar algumas bombas e jogar contra eles, o último babuíno leva um sarrafo, e os macacos vão pra próxima ilha.



Quarta Ilha: Arquipélago "Japonês"

Máquinas Aquáticas (Outra Saída)




Essa fase é quase que totalmente aquática. Nela tem várias estátuas grandes ao fundo, e muita maquinaria estranha. É muita tecnologia que se ativa debaixo d'água e abre rotas e dutos... é bem estranho, pois lembra uma civilização perdida, e não combina com os Vikings. Aqui há uma saída Secreta.

Montanha Russa das Rotas Separadas




Essa fase é de carrinho, e o diferencial dela é que da pra trocar (e é necessário) de caminho pulando pros lados ao longo dela.

Fundo do Mar




Já essa é uma das mais belas, e também, uma das minhas favoritas. Os macacos vão até o mais profundo do mar, onde é escuro pacas, e passam pela vida marinha. Tem muito inimigo, e mais tecnologia afundada, mas funcional.

A Revanche do Polvo




Aqui, eles precisam passar por um mapa inteiro com aquele Polvo Gigante, que foi expulso da ilha deles, tentando se vingar. Ele detona o caminho inteiro, e numa parte usa Tinta de Polvo, pra tentar afoga-los, além de atacar com seus tentáculos. É bem tenso.




Ele conta como um "chefe secreto" tecnicamente, pois no fim é enfrentado, com explosivos jogados nele pra que a fase seja superada. Não é difícil a luta, nem longa, mas se os macacos não terminarem rápido ele mata eles e é preciso enfrentar o difícil trecho final outra vez... o que é bem chato. Eu, considero ele um chefe secreto...

Maquinas Furadoras




Aqui os macacos passam por umas estranhas máquinas controladas pelos vikings que servem para furar. Mas, não da pra saber o que. Parece mais que eles estão apenas testando as máquinas, extraídas e baseadas no que descobriram nas águas, da suposta civilização perdida.

Turbinas, Espinhos e Correntezas




Um pouco mais dessa suposta civilização é descoberto quando os macacos precisam atravessar, nadando, vários dutos com turbinas que puxam e empurram o tempo inteiro. Essas turbinas, bem como o que as energiza, e o designe delas, nada disso soa como Viking. Mas os responsáveis nunca são revelados.

Especial A: Tempestade de Raios (Outra Saída)




Nessa fase secreta, mais dessa civilização é mostrado, e a fonte da energia, supostamente. Em uma tempestade, os macacos precisam passar por desafios flutuantes nas águas, e algumas plataformas que saltam quando são eletrificadas, por raios atraídos ao fundo. Nessa fase há uma saída secreta, que leva direto pra próxima fase secreta.

Especial B: Chaves Submersas




Nessa fase, que segue uma estrutura inédita, os macacos precisam ir em várias pequenas instâncias, passando por portais, em busca de chaves em baús de cores respectivas, até abrir uma porta maior e assim, supera-la. O curioso é que os pequenos mapinhas são conectados por "loadings", e da pra retornar pra eles, passando pelos portais de novo. Além disso, as chaves, os baús, tudo isso é inédito e exclusivo, dessa que faz alusão a uma suposta civilização perdida, que contava com muita tecnologia.

Templo Especial: Espinhos Giratórios




O templo secreto é feito de um monte de pilares giratórios com espinhos. Tem até uma parte com lava vulcânica, mas no geral, é difícil mais pelo fato de não ter chão do que pelos espinhos, se bem que, tem muitas paredes que é difícil de ver, e a reação precisa ser rápida pra esquivar de tudo. O tempo é um inimigo nessa fase, mesmo não tendo qualquer contador.

Chefe: Baiacu Viking




Diferente dos demais membros da trupe dos Vikings, esse é totalmente submerso, e inicialmente nem parece malvado... até se inflar.




Ele é enorme, e sua luta é totalmente submersa também. Ele pode sugar os macacos com uma sucção constante, causando dano com o contato, e também pode empurra-los, causando dano com os muitos servos encrustados na parede.




Ele também tenta dar investidas, soprando. Mas, seu ponto fraco é a parte de trás de seu corpo, em sua cauda, onde não tem espinhos quando inflado.




Ele também pode atacar invocando alguns filhotes, e nesses momentos geralmente ele acaba gastando todo o ar, e fica totalmente vulnerável, pequeno, e fraco, por alguns instantes. Alias, os filhotes dele podem ser jogados contra ele com investidas.




Mas ele também pode apelar, lançando seus capangas da parede (uns crustáceos, alias, essa luta lembra uma junção do chefe Abelha Rainha, de DKC2 com o chefe Ostra de DKC3), enquanto fica se jogando de um lado pro outro. A parte chata é sempre nadar.




Ele também pode se inflar ao máximo, ficando praticamente do tamanho do mapa, e rolando na direção dos macacos. Por sorte sempre tem uma brecha.




Por fim, ele também pode apelar invocando uns peixes com espinhos, e mais filhotinhos, além de soprar, e puxar, enquanto infla... pois é, tudo junto.



Ai quando ele ta fraco, toma surra, e os macacos saem nadando pra próxima ilha.



Quinta Ilha: O Tour pela Fábrica

Passando pela Colheita




Inicialmente os macacos chegam numa floresta riquíssima em frutas, mas que ta sendo drenada pelos vikings. Elas estão sendo colhidas, transportadas e até "tratadas" ali mesmo.

Lutando contra o Robô Gigante na Refinaria




Na outra fase, uma fase de Foguete, os macacos passam pelo local onde as frutas colhidas eram levadas pra serem processadas. La eles também enfrentam um tipo de chefe, mas que na verdade é só um Pinguim, usando uma armadura de robô, que tenta atrapalha-los ao longo da viagem.




Ele não chega a ser enfrentado diretamente, e o Pinguim morre devorado por uma planta carnívora no fim, quando o robô é destruído.

Fugindo do Processamento (Outra Saída)



Os macacos então chegam no local onde as frutas são fatiadas. É bem perigoso, e tem uma saída secreta.

Nadando em Suco (Outra Saída)




Aí eles vão pro local onde elas são espremidas e transformadas em suco. Eles chegam inclusive a nadar (seria bem louco se eles bebessem, na animação, enquanto nadam, tipo em DKC2 quando eles comem mel...). Nessa fase há uma saída secreta.

Pulando em Gelatina




Depois, eles chegam num local onde o suco é novamente processado, endurecido, e transformado em Gelatina. Eles precisam pular nela pra seguir adiante, usando como trampolim. Alias, cada cor faz algo. A Rosa faz pular, a Verde faz ir ainda mais alto, e a azul muda as plataformas de lugar.

Visitando o Freezer




Então eles chegam no resultado final: Sorvetes. Todo o processo era pra criar Picolés, estes congelados e modelados la mesmo, no meio da ilha, num ponto totalmente esfriado artificialmente.

Fase Especial A: Ingrediente Secreto




Em um outro ponto da ilha, é possível, através de um portal especial, chegar no local onde provavelmente os frutos com espinhos são melhorados, por mel. Essa parte tem várias abelhas gorduchas, e casinhas de mel, além de montanhas pingando, misturadas à paisagem verde. Uma pena que nem chega perto do que foi mostrado la em DKC2 e a colmeia artificial.

Fase Especial B: O Triturador




Noutra fase especial, a ala de esmagamento é visitada. Os macaquinhos se aventuram passando no meio das frutas esmagadas e trituradas pelas prensas, estas trazidas pelos vikings la dos testes na Ilha das Praias.

Templo Especial: Plataformas Instáveis




O templo dessa ilha é composto por plataformas diferentes que nunca são confiáveis. Algumas caem quando se pisa, outras simplesmente viram quando não estão no local iluminado. É um saco, pois não tem chão, e é bem fácil errar, cair, e morrer.

Chefe: Urso Polar Viking




O chefe é o dono da fábrica, que curte seus picolés de boa (com gostinho de macaco), até ser atacado pelos malvados macacos, os quais derrubam o mesmo no mar de suco que ele mesmo criou.




Aí, com seu martelão, ele tenta esmaga-los. Porém, ao fazer isso, fica sempre exposto pois seu ponto fraco é a cabeça, e da pra pular nele usando o martelo, preso no chão por um tempo.




Ele também cria blocos de gelo e os chuta na direção dos macacos. Não é difícil escapar, mesmo com o chão escorregadio. Alias, não da pra nadar no suco pois ele é denso de mais, e da game-over se tentar.




Só ele aguenta cair, mas sempre volta depois de jogado la, um pouco mais sujo e puto. Ele da investidas no solo, tentando esmagar os macacos, e também cria rajadas de gelo.




Além disso, conforme fica mais puto, ele passa a empilhar mais de seus blocos pra empurrar os macacos, ou os machucar (os blocos não se movem rápido, mas empurram e isso é ruim por causa do limite do mapa).




Ele também pode concentrar sua força de gelo e lançar um bloco com espinhos rápido, martelando. É o máximo de sua apelação, mas da pra escapar e atacar ele, esperando é claro ele baixar a guarda.



Ai é murro, e fuga pra próxima ilha.



Sexta Ilha: Ilha dos Macaquinhos, Congelada

De Volta ao Lar




Eles voltam pra casa, mas ta tudo bem diferente. Ao fundo da pra ver a casa, e bem mais ao fundo, o destino final: a Montanha. É bem parecido com o que ocorre em Returns. Alias, da pra ver vários mapas da primeira Região em Returns, ao fundo, ao longo dessa fase, que sozinha, representa toda a primeira região original.

Proibido Nadar




Essa fase representa aquela fase da praia em Returns, e da pra ver até alguns dos barcos dos Tikis, encalhados. Alias, os barcos que usamos pra superar a fase também são os deles. Há os dos Vikings também, mas estes estão novos. Essa fase, apesar de semi aquática, não pode ser mergulhada, pois a água é letal (tem até plaquinha avisando). Os navios afundam quando os macacos pisam, então é uma fase de movimento rápido.

Ruínas Congeladas




Aquelas ruínas já eram, aqui ta tudo desmoronando ainda mais, e pior, com gelo pra todo lado. Da pra ver as estátuas dos macacos ao fundo por toda ela, que representa sozinha toda a região das ruínas em Returns.

Minas Congeladas




Essa fase, de Foguete, representa aquela ragião dos Morcegões. Inclusive, o líder deles ta vivo, mas congelado num bloco enorme ao fundo. Os Vikings transformaram a terra dele em uma base militar.

Totens Mortos




Essa já representa a região dos grandes Totens, e o triste, o mais triste, é ver que eles morreram todos, congelados. Há uma chuva constante de Flocos de Neve mortais, e tudo ta totalmente morto...

Avalanche nos Fósseis




Nem a região dos fósseis escapou. O piche deu lugar a uma constante nevasca, e avalanches intensas. Os ossos estão sendo varridos pela neve... e os dinossaurinhos zumbis? Que triste mano...

Fábrica Abandonada




Aquela fábrica também foi arruinada. Congelada e desativada, apesar de já ter sido atacada pelos macacos antes, eles a reativam pra passar. Da pra ver aquele robô das mãos ao fundo. Aqueles seres elétricos retornam a vida, temporariamente, por causa da energia reserva que os macacos dão pra fábrica, mas, tudo ali ta por um triz. Tem uma saída especial nessa fase.

Rambi e o Vulcão Descongelado




Por fim, um pouco de lava aparece, no centro do vulcão, mas ainda assim o gelo parece competir. Montados em Rambi, os macacos avançam pelo vulcão congelado e destroem os blocos enormes, enquanto liberam a lava pra esquentar a porr4 toda... não que ajude muito né...

Fase Especial A: Bombas na Montanha




Essa fase mostra como os pobres mineradores toupeiras terminaram: Sumidos. A mina deles inteira foi congelada e pior, tomada por bombas, que detonam com o pisar dos macacos. Eles explodem tudo o que sobrou da terra deles, sem querer, no que acabou se tornando uma base para os Pinguins.

Fase Especial B: Domínio dos Pinguins




Os macacos podem chegar mais perto dessa base posteriormente, e até ataca-la, num local onde o gelo despenca pelo peso. Alias a fortaleza deles conta com esculturas gigantes e tal, o que significa que os Pinguins formaram base na Ilha dos Macacos, como seu domínio... azar o deles.

Templo Especial: Espinhos Pra Toda Parte



Esse último templo é basicamente um monte de espinhos, buracos, plataformas e muito gelo, o que escorrega.

Chefe: Morsa Viking




E ai eles chegam no grande chefão, o Tocador de Corneta, Invocador de Dragões, Senhor das 6 Ilhas, Conquistador do Frio, a Morsa Viking com sua corneta expansiva mágica que solta gelo. Os macacos tentam destruir seu templo, feito na base congelada do vulcão, mas ele mesmo quem acaba destruindo, ao pular pra confronta-los.




Seu trono, cai na lava abaixo do gelo lascado, e ele começa a luta. Ele pula pra plataforma de trás, onde seu trono está, e sopra bolas de gelo com inimigos dentro.




Daí é preciso esquivar de algumas, e pegar os inimigos que sobrevivem, atordoa-los e arremessa-los contra ele la do outro lado, que por sua vez tenta fugir.




Daí ele se estressa, e pula no ringue da frente, e tenta dar chifradas (com seu capacete Viking), ficando vulnerável a pulo nas costas (mas é bem difícil pois ele é rápido).




Depois de três tentativas (da pra acertar ele nas três) ele pula, com tanta força, que afunda as plataformas na lava. Ele sempre vai na direção dos macacos, e as plataformas retornam depois de um tempo. Aí, depois que ele pula um pouco, ele foge pra plataforma de trás e repete o processo de jogar gelo.




Se ele sofrer 3 golpes, ele passa a soprar Dragões de Gelo pro alto, e gargalha, enquanto eles caem congelando as plataformas, tornando-as escorregadias.




Ai o processo dos bichinhos caindo se repete, e ele toma mais um golpe, pulando na frente e repetindo as investidas, até tomar mais 3 golpes.




Ai ele passa a fazer a Lava levantar as plataformas. Elas caem em seguida, uma por vez, e retornam depois de alguns segundos (tem que ficar atento aos balanços pra pular fora na hora certa).




Ele também passa a apelar soprando dragões de gelo com asas levantadas, ou abaixadas. Pra esquivar é preciso abaixar ou pular na hora certa.




Mas ai é só isso. Ele da as investidas e nessas horas, que sempre ficam mais rápidas, ele leva dano, até chegar na parte do esmurramento contínuo.



Daí ele é jogado pra longe, enquanto seu navio quebra e cai da montanha, além das nuvens que cobriam a ilha sumirem.



A mira do DK é certeira e a Morsa vai direto pra frota que tava em fuga.



E pra variar, a Corneta da Morsa vai pras mãos do Donkey...




Diminuindo de tamanho magicamente, e, ao ser tocada, ela devolve o fôlego do gorila, além de criar uma onda de flores (trazendo a primavera)...



Na qual os macacos surfam em torno da ilha, que é purificada, e degelada.



Assim, a ilha volta ao normal, apenas com uma pá de bicho morto por causa do congelamento mas, normal né.



E pra comemorar, os macacos tocam funk.



Mundo Especial




Posterior a isso, os presentes (que são a recompensa pelos templos especiais) se juntam para revelar uma ilha secreta e flutuante acima da ilha dos macacos. La, eles usam mais uma erva da boa, passando por três fases bem duvidosas, difíceis e sem checkpoint.

Blocos Quebra-Cabeças




Essa fase, nas nuvens, é cheia de blocos que se montam e desmontam pra formar o caminho, uma vez, uma única vez, enquanto os macacos avançam. Se eles pararem de correr, morrem. Alias, também surgem plataformas das nuvens, e pedras jogadas, sabe-se la por quem...

Peixes Voadores




A brisa bate forte, e eles passam a ver peixes voando no meio do céu, numa fase que mistura carrinho com foguete, água e plataformas. É tudo!

Nuvens e Aviões




Por fim, eles encontram um monte de turbinas voadoras de aviões, nas quais pulam, e derrubam pois elas não suportam o peso deles. Eles também pulam nas nuvens que os empurram pra cima... e por fim, até míssil tem... é uma doidera.

Passando por tudo isso, o Templo revela que o presente final, era tudo de novo, mas difícil.

E é isso... sem chefe extra nem nada, só um monte de brisa gratuita.

Easter Eggs


Tem uma pá de easter eggs como sempre, alguns eu concordo, outros eu demorei pra enxergar mas, dizem que é então vou mencionar. E aqui vão eles:

King K. Rool?




Dizem, que essa formação rochosa lembra o inimigo clássico de DKC. Mas, apesar de até concordar com as semelhanças, devo dizer que tem muitas rochas ao longo dessa, e até de outras fases, que tem basicamente as mesmas características. 



Donkey Kong




Agora não tem como discordar que aquele no fundo é o Donkey Kong, o próprio, transformado em estátua pixelada. Isso já apareceu antes, no Returns, só que dessa vez, ele segura um Wii-Pad, que é o controle do Wii-U.

Metroid Vivo




Também é possível encontrar um Metroid vivo no mar sombrio. É meio louco de achar, pois é preciso ir na frente da fase e depois voltar num momento que tecnicamente, não tem motivo pra voltar, mas definitivamente, é um Metroid. Tem até Águas-Vivas nessa fase, muitas, e tecnicamente um Metroid é uma água-viva, ou ao menos lembra muito uma. A questão é que é bem fácil perceber as diferenças, como os "olhinhos" reluzentes na criatura transparente ao fundo, a qual sai logo após um cardume de peixes fugir (eu também fugiria, virar poeira não é bom). Ta bem ali no cantinho direito.




Nave de Samus




Por fim, da pra achar a Nave da Samus, também da franquia "Metroid" jogada dentre os destroços de aviões na selva sombria. Eu custei pra concordar com isso, pois pra mim, era algo estranho mas não uma nave... até que achei a posição certa. No canto direito, é ela mesmo.




Alias, esses easter eggs do Metroid é por que a desenvolvedora que assumiu a série Donkey Kong Country depois que a Rareware vazou, foi a mesma que toma conta de Metroid,  a Retro Studios. Por isso eles deixam esses easter eggs, como um tipo de auto-homenagem, pode-se dizer... apesar de que ainda mantenho minha interpretação de que talvez, os mundos de DK e Metroid estejam realmente conectados, assim como o de Mario... é possível!

É isso...

Espero que tenha gostado.

Até a próxima viu e... comenta, isso me incentiva a continuar.

Alias, você pode ler outros artigos se quiser, acessando a Lista da Morte, só clicar aqui.

Postar um comentário

4 Comentários

  1. Uou em um texto bem leve e interessante que fazia um bom tempo que nao via... vamos qual vai ser sua proxima descoberta e principalmente sobre o renato arag... diddy... que se bobiar ele deve um gorila vai saber? kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz por ter gostado srta Bia, mesmo. Aguardei por sua leitura com certa ansiedade e estou bem feliz. Obrigado.

      Espero que na próxima eu faça um trabalho bem melhor.

      See yah e obrigado.

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)