SérieMorte: What if...? (Episódio 7)

A Disney ta acertando bem. Essa nova aposta, de uma série totalmente animada, contando eventos alternativos dos filmes já lançados, é simplesmente genial.

É algo inspirado nas revistas em quadrinho "What if...?" onde os autores reimaginavam histórias Marvel consolidadas, mudando algum evento chave que consequentemente, desencadeava todo um novo enredo, ou, ironicamente, não mudava muita coisa no final. Exemplo: E se... o Quarteto Fantástico nunca Tivesse seus Poderes? Daí tinha uma história mostrando eles se tornando heróis mesmo sem os poderes.

Porém, uma tremenda diferença nessa versão "cinematográfica", é que as histórias alternativas, são canônicas.

Falarei brevemente da série em si, e não terá Spoiler até certa parte. Quando eu for falar dos episódios ai sim, não pouparei Spoilers, mas avisarei antes. Por isso, pode ler sem medo, e quando começar os spoilers, caso não queira, pode parar. Além disso, este é um post de atualização contínua. Enquanto durarem os episódios, irei adicionando informações (também notificando). Mudarei a data da postagem sempre que atualiza-la.

Boa leitura.

Após os eventos de Loki (1° Temporada), o multiverso Marvel se expandiu e várias realidades alternativas passaram a nascer e renascer. Todas elas existem assim como a principal, e para mostrar um pouco como elas são, optaram em usar o conceito de "What if...?".

O bacana disso é que, eles não estão reciclando ideias descartadas, nem apenas contando versões animadas do que já tem nos quadrinhos. Por mais que hajam referências, a ideia aqui é recontar os mesmos filmes da Marvel até então, porém com discrepâncias por causa de algumas escolhas diferentes.

Além disso, uma vez que todo esse material é canonizado, não há aquela sensação de perda constante ou de interrupção precoce, como a gerada por filmes, séries e animações que, dependendo do orçamento ou da recepção do público, são cancelados e posteriormente substituídos por novos.

Sabe aqueles desenhos do Homem Aranha, que tem aos montes em vários estilos mas que raramente tiveram um desfecho digno? Ou então os muitos filmes que vieram antes da Marvel assumir o volante, como Hulk, Justiceiro, Quarteto Fantástico, Demolidor e Motoqueiro Fantasma? Essas obras, antes, eram apenas produções de estúdios diferentes, que independente da recepção dos fãs, não tinham pretensão de criar franquias e afins (X-Men e Homem Aranha ousaram mais, mas acabaram descontinuados então, tão no mesmo barco).

No entanto, diferente do que a DC/Warner fizeram, a Marvel não parece (ao menos por enquanto) interessada em reaproveitar essas histórias antigas já passadas na TV. Na verdade, eles parecem mais afim de querer trabalhar nos próprios filmes e expandi-los, criando suas variações e aproveitando a deixa de Loki.

Confesso, que estou meio ansioso por surpresas como reimaginações de filmes além da Marvel (sabe, os X-Men por exemplo, ou todos os outros listados), mas, por hora, essa possibilidade existe e não existe ao mesmo tempo (yep, que nem o gato lá).

A ideia do Multiverso e como explica-lo existe tanto nas produções Marvel, quanto nas produções DC, mas ambos estão se distanciando bastante em como lidar com isso.

A DC canonizou todos os filmes que precederam suas séries através de um especial de 5 episódios chamado "Crise nas Infinitas Terras", que reivindicou todos seus títulos (independente de quem os criou), como parte de um multiverso, apagado no final. Sim, eles falaram que todos os filmes existiram, mas os eliminaram pra dar mais foco às séries, ainda que mais filmes surgissem no futuro, novamente desconectados.

O problema dessa abordagem da DC com o Multiverso é que, sem querer, causou uma grande divisão. É que, pra quem assistiu apenas as séries antigas, e pegou esse especial pra ver as referências, provavelmente não entendeu bem os novos personagens (e protagonistas) que vieram das séries mais recentes. O mesmo valeu pro oposto, onde quem acompanhava fervorosamente séries como do Flash ou Supergirl, acabaram por não compreender todas as referências de filmes e séries mais antigos.

Logo, a sensação que esse especial causou foi de um certo vazio, e necessidade de buscar por informações além da série. Caçar por explicações, como quem era o velhinho no banco que foi apagado (o próprio Robin dos anos 60), ou quem era o Superman sem poderes (poisé, nem todo mundo conhece Smallville... ~somebody saaaaaave meeeee~), acabou por ser quase uma obrigação pra entender a obra.

Aí que vem a Marvel em sua abordagem lenta, porém promissora. Eles não parecem querer descartar os filmes e séries antigos, nem demonstram qualquer interesse em reaproveita-los de qualquer forma, no entanto, esse foco lento em explicar passo a passo como o multiverso funciona soa mais uma maneira de preparar o público, do que alimentar expectativas.

Esses dias inclusive me vi conversando com uma amiga, que não compreendia o que era o multiverso. Pode parecer estranho pra quem já entende esse conceito, mas pra pessoas que não acompanham quadrinhos, ou não são de assistir coisa de super-heróis, já se torna mais difícil de entender mesmo.

A ideia de que existem muitos filmes que não são conectados diretamente, mas que todos eles existem paralelamente em múltiplos universos, os quais podem a qualquer momento se conectar ou não, ao mesmo tempo em que, alguns filmes são conectados diretamente por se passarem em um mesmo universo... bem, isso soa confuso as vezes.

E, parece que a Marvel quer romper esse paradigma. Ao que tudo indica, eles querem mesmo fazer com que qualquer pessoa entenda o que é o multiverso antes de começar a trabalhar a torto e a direita com ele. Por isso estão indo tão lentamente... 

Primeiro apresentaram Wanda Vision pra dar alguns indícios e ver a recepção, depois trouxeram Falcão e Invernal pra dar uma movimentada nas ideias do próprio enredo original, aí chutaram o balde com Loki, mas com calma (como que chuta com calma?) onde só mostraram a parte multiversal do próprio Loki (com suas variantes) pra então, abrir espaço pra todo resto.

E agora, em "What if...?", estão fazendo justamente isso: Mostrando todo o resto... ao menos dos filmes Marvel.

No entanto, talvez a apresentação visual dessa série afaste os menos entusiasmados. Uma vez que ela não usa pessoas reais, e foca apenas em animação, podem ter aqueles que se neguem a assistir acreditando ser apenas mais uma dentre dezenas de desenhos animados descartáveis ou infantis, costumeiros da Disney e Marvel (o tanto que tem de filminhos e pequenas séries dos Vingadores na lista do Disney+ num dá nem pra contar). Porém, não engane-se, essa é uma série com relevância equivalente (ou até maior) que as séries atuais da Marvel.

Inclusive, seu valor canônico é evidenciado pela forma como ela aborda os filmes da Marvel, e os conecta a si. É que, como mencionado mais acima, ela pretende reinterpretar eventos destes mesmos filmes.

O visual, apesar de em cel-shading total, busca ser bem fiel aos detalhes dos filmes, e até mesmo mostra várias cenas originalmente filmadas e já conhecidas só que, reanimadas.

Não é nem como foi feito lá em "Homem-Aranha no Aranhaverso", em que a Sony aproveita a liberdade artística em sua empreitada animada, e sugere visualmente algumas conexões com os filmes do Tobey Maguire, mas sem replicar com exatidão os visuais do próprio ator, ou das cenas em geral (soando até como meros easter eggs).

Aqui, são as mesmas cenas, porém retrabalhadas pra encaixar no estilo animado.

E, partindo daí, a série passa a nos mostrar suas variantes dos filmes da Primeira Fase do Universo Cinematográfico Marvel.

Eu pretendo falar da série inteira, porém vou atualizando este artigo a cada novo episódio que sair. Minha ideia é justamente assistir e no hype comentar.

Não vejo uma forma de "estragarem" a ideia pois, são como antologias dispersas baseadas no universo cinematográfico Marvel. Você nem precisa conhecer os filmes por assim dizer, pra curtir e se interessar. 

E, não espere histórias bobinhas com desfechos alegres. Apesar de evitarem escancarar sangue e afins (afinal, Disney). A violência tá bastante presente, e logo no primeiro episódio rolam mortes pra caramba (amenizadas porém não censuradas).

Aliás, eu estranhei a versão dublada por chamar a série de "O que aconteceria se...?", onde na tradução correta seria só "E se...?". Daí, fui perguntar pra um cara que manja muito de quadrinhos e trabalha vendendo (Sérgio, ele trabalha perto de onde eu trabalho e as vezes vem conversar com a gente) e ele me deu uma explicação pra lá de clara:

No Brasil, as duas traduções chegaram a ser usadas.

A Editora Abril publicou como "O que aconteceria se...?",e a Panini também, enquanto a RGE trouxe apenas "E se...?".

O motivo? Marketing. Era mais chamativo um nome longo, do que um nome curto.

Ele também me explicou um monte de coisas curiosas, como o fato de alguns "What if...?" terem feito tanto sucesso que geraram suas próprias séries, citando como exemplo o 105 (Do Homem Aranha sendo uma mulher), que gerou o MC2 (Marvel Comics 2, com histórias dela própria, dos Revengers, do filho do Fanático, etc).

Confesso que ele me falou tanto que, caramba...valeu Sérgio.

Daqui em diante só tem spoiler. Caso não queira ver, só saiba que compensa assistir e acompanhar.

Bem, vamos falar do primeiro episódio de "What if...?" agora:

Episódio 1

Capitã Carter

O episódio começa com o Vigia, um personagem cósmico que ainda não aparece fisicamente (só a silhueta) falando do Multiverso e como ele é composto por histórias iguais, porém com pequenas diferenças que geram desfechos diferentes. Essas diferenças surgem por causa de escolhas, que alguns personagens tomaram e repercutiram de forma genuinamente variável.

A Carter, par romântico insinuado no primeiro filme do Capitão América, teve uma decisão, que poderia ter mudado os eventos tudo. A história do filme em si é a mesma até o momento em que o Steve Rogers vai entrar na cápsula de transformação...

Nessa hora, ao invés de decidir sair da sala, ela permanece, e isso causa a divergência, que cria um novo universo. Ela fica, por gostar dele, mas por ser uma agente habilidosa, ela nota a Hydra infiltrada e contra-ataca, impedindo que eles roubassem o soro de super soldado, mas causando um ferimento à bala em Steve sem querer (ele é pego no tiroteio).

Daí, apesar de protestos do general, ela opta por entrar na máquina e dar andamento às pesquisas de Super Soldado, pra não desperdiçar a chance do governo naquele momento (os equipamentos iriam quebrar e o projeto se perder ou no mínimo se atrasar). Então, ela vira um Super Soldado.

Só que, o governo a rejeita, por ser uma mulher, até mesmo caçoando dela por isso. É ainda pior do que o que houve com Steve quando virou o Capitão América, pois o governo nem mesmo a usa pra propaganda (uma vez que naquele tempo, usar uma mulher pra promover o exército era "sinal de fraqueza").

Daí, quem a apoia e estimula é o Howard Stark, envolvido nas pesquisas, e um cara gente boa. Ele acaba dando um uniforme pra ela (criado com a bandeira da Inglaterra, afinal ela era britânica) e o famigerado Escudo de Vibranium, também carimbado com as cores britânicas.

Assim, ela se prova uma agente perfeita, enfrentando o exército nazista e resgatando o amigo do Steve (à pedidos dele), além de pegar o Tesseract antes mesmo do Caveira Vermelha utiliza-lo.

Com o Tesseract em mãos, o Stark cria uma armadura energizada por ele, e a entrega pra ninguém menos que Steve Rogers (nesse universo se tornando o primeiro Homem de Ferro, magrinho por dentro, robusto por fora), e ambos, Steve e Carter, lutam contra o exército nazista.

Porém, naquela mesma missão do Trem do filme original, ao invés do Bucky Barners ser capturado pela Hydra (virando o Soldado Invernal) quem é capturado é o Steve Rogers, junto com a Armadura e o Tesseract, numa emboscada explosiva.

Daí, indo ao seu resgate (inclusive o pai do Tony Stark vai), a Capitã Carter (implacável pra caramba) confronta os nazistas e a Hydra, até que pega o Caveira Vermelha no flagra, usando o Tesseract para invocar uma criatura tentacular (provavelmente o Shuma Gorath!).

Apenas os tentáculos e o que parece a boca da criatura conseguem passar pelo portal, matando geral (incluindo o Caveira Vermelha), mas Carter e Steve (resgatado e com a armadura energizada por eletricidade, que não dura muito), conseguem detê-la... com um grande sacrifício: A Capitã Carter.

Ela empurra a criatura pro portal ser fechado, e vai junto com ela sabe-se la pra onde.

Então, quando o portal é reaberto, com o Tesseract, a Capitã Carter sai, vitoriosa de um combate com os tentáculos. E eis que ela descobre que está no futuro, com o Nick Fury e o Gavião Arqueiro, ambos notificando que, a Guerra acabou.

Mas, pra Carter, sua preocupação era onde Steve estava. E apesar de feliz por saber do fim da guerra, a história se encerra com ela sem ter podido dançar com ele.

Fim.

Pois é, a ideia de que ela substitui o Capitão América é bem trabalhada e bastante crível, com inclusive a justificativa de como ela foi para o futuro (e se tornou a primeira Vingadora por assim dizer) sendo bastante válida, e diferente (ao invés de congelada, ela ficou presa em um tipo de outra dimensão, enfrentando a criatura de tentáculos no que pode ter sido alguns minutos pra ela, mas foram décadas pra Terra).

A criatura de tentáculos pode ser um vilão bastante famoso dos quadrinhos Marvel, Shuma-Gorath (conheço ele pois é um dos personagens jogáveis em Marvel vs Capcom, mas nem sabia que era um vilão Marvel, pra ver o tanto que eu manjo hein) e é bem possível que esta seja sua primeira aparição no UCM, mesmo que parcial (só tentáculos, e de uma dimensão alternativa).

Mesmo que seja somente uma animação, os detalhes visuais e de movimentos estão impecáveis e a nível cinematográfico mesmo, então pra transformar isso em algo mais realista não será difícil. Eu gostaria de ver a versão musculosa da Agente Carter vestida de Capitã Carter no UCM  em live action.

Mas independente disso, pra mim, valeu a pena assistir e, gostei das respostas dadas aos eventos alternativos. Só, achei que, não fez sentido nenhum o Caveira Vermelha invocar seu "Campeão Hydra" usando o Tesseract pois, no filme original, pelo que me lembro, ele não sabia da capacidade de abrir portais dessa Joia do Infinito. Ele sabia só da capacidade enérgica ilimitada dela, por isso lá ele tinha criado uma Arma de Energia que desintegrava pessoas...

Daí, acho improvável que as decisões de Carter tenham mudado sua forma de ver o artefato, ou ainda tiveram influenciado a quantidade de conhecimento que ele tinha sobre o item. É ilógico. No entanto, desconsiderando isso, é um bom episódio.

Episódio 2

Senhor das Estrelas

Estou começando a ficar preocupado.

O episódio em questão é divertido, porém apressado. O tempo curto de cada episódio (menos de 30 minutos por causa da introdução e créditos) não chegou a incomodar no primeiro, mas neste faz as coisas parecerem rápidas de mais, sem muito tempo pra absorção. 

A história? Ela reescreve os eventos de Guardiões da Galáxia 1 e de certa forma o 2. Além disso, é repleto de referências a filmes como Pantera Negra, Guerra Infinita e até Thor - Ragnarok. Porém, são em formato de citações ou easter eggs, de personagens que se foram.

Por exemplo, Hela e o cara de Pedra do terceiro filme do Thor estão mortos nessa nova realidade, por causa do novo vilão. E, eles são citados, com parte de seus poderes sendo usados numa luta.

O problema do episódio em si está na pressa e aglomeração de referências. Pode parecer legal de início (eu mesmo me vi bastante animado) mas depois, tudo parece tão acumulado e misturado, jogado na trama como se fizesse sentido mas, não fazendo... que apenas nos distancia.

Por exemplo, Drax. Ele virou um barman, convenientemente trabalhando no local onde o protagonista e sua trupe se encontram pra jogar papo fora. E, ele não tem uma razão pra estar naquela posição, trabalhando sem camisa, vendendo bebidas? É estranho. Mas serve para fazer uma piada, e também mostrar que, por causa do protagonista, a família dele viveu, e ele não virou uma besta vingativa atrás de Thanos... falando nisso...

O próprio "Titã Louco" (que em parte do episódio se auto intitula dessa forma num clichê que beirou ofensivo de tão forçado) virou um aliado, ou melhor, um ajudante, do protagonista.

Isso é apontado pra mostrar o quão único e diferente essa versão do Senhor das Estrelas é, ao ponto de não só impedir a Guerra Infinita, como também convencer o vilão genocida a se curvar pra ele, e virar um paspalhão sem personalidade, que sorri aqui, bate ali, e até mesmo faz piadinha.

Pior mesmo seria o antigo ajudante do Ronan. Aquele cara negro que ficou no pé de Quill no filme original, e era um tipo de soldado, sério e bastante leal, aqui é um alivio cômico que precisa fazer piadinhas a cada 3 segundos de cena. Irrita, apenas irrita, pois seus olhos arregalados e sorriso gigante, não combinam com o personagem original, e nem mesmo com a própria versão caricata pintada aqui. Lembrou o próprio Drax no filme original, que era cômico destoando de seu físico, mas aqui, esse cara apenas, tenta ser engraçado sendo "ingênuo" e animadinho de mais. Ele é irreconhecível e até insuportável. Não creio que a escolha de Yondu tenha afetado até isso!

Outro membro da trupe que acaba tendo destaque é a Nebulosa, que aqui não é careca e tem uma peruca loira, mas ainda tem partes cyborgs implantadas por Thanos (menos partes pelo que parece... talvez apenas o olho dela mesmo, razão provável por ela ainda evitar falar com o pai adotivo... até o roteiro decidir que isso é balela). Sim, ela evita falar com Thanos por um tempo, mas o protagonista consegue reuni-los, não que precisasse se esforçar muito já que ambos aparecem em cenas, lado a lado, e no máximo olham torto um pro outro, sem rolar qualquer ameaça ou tensão. 

Tem várias outras carinhas recicladas, como por exemplo os 4 ajudantes antigos de Thanos, que foram uma ameaça la no filme da guerra Infinita, e aqui, dão uma surra no próprio Thanos. Parece até que os produtores se esqueceram que apesar do titã ter sido "dobrado" pelo protagonista, ele ainda era tecnicamente uma criatura PODEROSA O BASTANTE PRA NÃO ADMITIR UMA DERROTA RIDICULA COMO A QUE QUASE SOFRE, SE NÃO FOSSE PELA AJUDA DA NEBULOSA (mas em um What if ele já foi derrotado por "esquilos" então... tá né).

Se deixaram levar pelo final original dele em Ultimato, onde por ser um agricultor pacífico ele teria se tornado vulnerável. Parece que não compreenderam que, aquilo foi uma situação bastante específica, e que ele ficou tomando sopinha por consequência de alguns traumas como a perda de Gamora, e claro, a constatação do próprio erro. No entanto, aqui, ele só ficou idiota mesmo, pois, o grande protagonista o converteu nisso, na base da conversa.

Mas, antes de mencionar ele, vale falar é claro do Yondu. O homem azul espacial que usa uma flecha pra matar geral enquanto assovia. Legal que pra evitarem a parte violenta desse poder, botaram o sangue dos inimigos na cor verde... bem bolado hein.

Ele aqui usa sua flecha sem nem precisar da Crista grande (assim como no primeiro filme), e claro, ele perde a flecha em uma parte da história mas, nem da tempo de ter qualquer reação, pois é tudo muito rápido.

Tecnicamente, a grande escolha que criou esse mundo de What if veio dele, e não do protagonista. Yondu decidiu ser preguiçoso e mandou seus capangas sequestrarem o Quill na Terra, ao invés dele mesmo ir, o que acabou dando errado e eles sequestraram o Príncipe de Wakanda.

Mas, depois de tal erro, ao invés de corrigi-lo, buscando o alvo correto (afinal, ele estava em missão para uma das criaturas mais poderosas do universo, Ego), ele apenas abandona a missão com a criança nova, e vai brincar por 20 anos de caçador de recompensas misturado com Robin Hood.

E o protagonista é ele, T'challa, o Príncipe de Wakanda, aquele que se tornaria o Pantera Negra mas que, acabou virando o Senhor das Estrelas (ao invés de Quill).

O ilógico, é que o episódio começa da parte em que o filme dos Guardiões também começou, com o Senhor das Estrelas roubando uma Joia do infinito. A parte ilógica é justamente o fato dessa Joia não ter qualquer procura por assim dizer. Thanos já não as queria, o Ronan não tinha motivos pra quere-la, e o próprio Colecionador também não parecia tão interessado assim... mas começa com o roubo dela, que depois é simplesmente esquecida.

Chega a ser cômico, pois o Colecionador acaba se tornando o grande vilão dessa nova realidade. Sem Thanos na área, ele pôde coletar mais e mais pra sua coleção, e até fazer uma academia, ficando poderoso e, quase implacável.

Claro que ele é derrotado praticamente do mesmo jeito que no filme original, o que só faz dele mais ridículo ainda... e do episódio em si uma versão alternativa ainda mais corrida e sem nexo.

Alias, falando de estrutura, esse episódio não é necessariamente no formato de uma Aventura com Fuga de Prisão, como o próprio Guardiões da Galáxia. Aqui, a ideia é uma história de "Assalto a Banco", com os personagens montando um plano e pondo em prática pra roubar um item qualquer só pra aumentar a reputação do Senhor das Estrelas.

No papel dele, T'challa é muito mais icônico e maneiro que Quill. Ele é bem sucedido, forte, famoso, esperto, e respeitado que a outra versão. Todas essas mudanças e conversões de personagens são principalmente pra reforçar o quão épico o Príncipe de Wakanda é.

E, pra dizer que ele ainda tinha certas limitações, Yondu mentiu pra ele e evitou que ele voltasse pra Terra acreditando que Wakanda caiu, o que gera aquele conflito familiar entre ambos (também parecido com o que ocorre em Guardiões da Galaxia 2, entre Yondu e Quill), mas sendo resolvido tão rápido que nos faz pensar se aquilo era mesmo importante. Mas, isso serve ao menos pra explicar a razão dele ainda não usar a roupa de Pantera Negra... ainda.

Se bem que, em uma parte do episódio, do nada, T'challa luta como o Pantera, mesmo sem ter os equipamentos dele, quase como se tivesse o treinamento do mesmo... 20 anos longe de Wakanda. 

Pra fechar com chave de ouro, o episódio mostra Quill trabalhando num restaurante, limpando o chão enquanto ouve musiquinha, quando chega seu pai, Ego, para recruta-lo.

O Vigia até diz que, isso poderia causar o fim do mundo (afinal, esse seria uma versão de Quill frustrado e, descobrindo seus poderes ao lado de seu pai, manipulador e conquistador). Mas, o episódio acaba.

E olha que eu me perguntei "Caramba, sério que Ego nem se importou por terem ignorado a missão que ele deu?" E pelo jeito, não se importou não. Yondu ta de boa, e todo resto também.

Como eu disse, estou ficando preocupado.

Eu de início estava curioso pra saber como explicariam qual a escolha que tornou T'challa o Senhor das Estrelas, algo completamente aleatório. E de fato essa explicação vem, sendo a escolha equivocada de Yondu... em partes ao menos.

Não faz sentido ele estar fora do território de Wakanda quando foi abduzido (é o príncipe meu deus, ele tem as minas la de Wakanda protegendo, ou deveria ter). Não faz sentido ele aceitar de bom grado ficar 20 anos no espaço sem jamais voltar pra ver seu pai, ou pior, sua própria irmã! E não faz sentido Yondu abandonar a missão pra leva-lo sendo que, o objetivo era sequestrar Quill!

Na lógica mesmo, ele recrutaria T'challa e sequestraria Quill, entregando-o pra Ego e fim. Isso se ele recrutasse T'challa né... afinal pelo que me lembro, ele só curtiu o Quill pelo mesmo ser útil pra ele em roubos e ele sentir certa conexão fraternal com o jovem recém órfão. Aqui, não tem conexão nenhuma.

Espero que os próximos episódios... bem... na verdade já não to esperando nada. Fui pego de surpresa com esse aqui e ainda estou digerindo o que vi.

Não foi ruim, é divertido... mas preocupa.

Episódio 3 

Nick Fury

Susto passou, eis que voltaram pros trilhos com um episódio que pra mim, é o melhor da temporada até então (e já to pedindo por mais temporadas de What if!).

Ele é investigativo, repleto de mistérios, perfeitamente amarrado e explicado e o melhor, ele surpreende.

Recomendo que assista, e evite qualquer spoiler. Mas se não quiser assistir e, sei lá, quiser apenas ler um pouco e refrescar a memória, eis praticamente um review dele (pois não dá só pra criticar, tudo nele pra mim ficou incrível).

O episódio em questão não apresenta a escolha que o gerou logo de cara, e o grande mistério já começa aí. Exatamente o que causou essa variação de realidade? Bem... como o episódio acompanha Nick Fury e Natasha Romanof em sua maioria, a gente fica intercalando entre ambos na suspeita, mas no final, Nick que é o grande responsável.

De início, ambos são mostrados recrutando finalmente o Homem de Ferro pra iniciativa Vingadores, na cena da Rosquinha Gigante do segundo filme dele. Aliás, esse episódio se passa entre 3 filmes da Marvel: Homem de Ferro 2, Thor e o Incrível Hulk (esse último vai ser interessante falar depois). Porém ele não aborda necessariamente os eventos desses filmes, apenas os mostra um pouco, pra dar continuidade ao grande What if de Nick.

Bem, as coisas caminham pro recrutamento normalmente, com Nick convencendo Tony na base da chantagem, dando pra ele o antidoto da doença que ele vinha enfrentando. Porém, no momento em que Natasha (Viúva Negra) espeta o soro no Homem de Ferro, ele cai duro no chão, morto instantaneamente.

Por causa disso, ela é presa, mas diz ser inocente, o que só faz as suspeitas levantarem ainda mais. Nick acaba pedindo inclusive pra que ela mesma investigue a situação, entregando a injeção supostamente sabotada enquanto ela ainda estava algemada, e sendo levada por soldados da Shield prum camburão. 

Aliás, nessa hora eu fiquei pensando "Será que a Hydra ta fazendo algo?" pois aqueles soldados eram os mesmos que no futuro viriam a trair a Shield em nome da Hydra (enfrentando até mesmo o Capitão América). No fim, Natasha escapa do carro e dá uma surra em geral, conseguindo tempo pra investigar o que tava havendo.

Paralelo a isso, ocorriam os eventos de Thor, com o Martelo chegando na terra e a Shield isolando ele, até que o deus do trovão Asgardiano chegava todo pomposo, com seu cabelo sedoso (é engraçado como ressaltam esse detalhe), pra levantar o martelo e recuperar seus poderes divinos.

Nesse meio tempo, Clint Barton (Gavião Arqueiro) estava observando Thor, com ele na mira de suas flechas, esperando autorização pra atirar, enquanto elogiava os cabelos loiros dele. Foi aí que do nada, uma flecha foi disparada pegando em cheio o peito de Thor, o matando na hora.

Mais um dos agentes da Shield matou um potencial Vingador, aparentemente, e é levado preso, mesmo dizendo ser inocente e alegando que não disparou. Fury fica cada vez mais paranoico, tentando entender o que estava ocorrendo, é aí que ele vai entrevistar o próprio Gavião Arqueiro.

Porém, assim que ele entra em sua sela, Clint cai morto.

Sem testemunhas do que houve, e sem possibilidades de uso de uma pílula de suicídio (afinal ele era casado e tinha filhos também nessa realidade, nada tinha mudado), o mistério só se tornava ainda maior.

Enquanto isso, Natasha buscava ajuda junto a uma antiga fugitiva da Shield, por assim dizer, a namorada do Hulk (lá do segundo filme solo do Hulk, feito pela Universal, mas canonizado pela Marvel, apesar de trocarem o ator posteriormente). Ela descobre que de fato a injeção havia sido sabotada, com um pequeno projétil disparado de sua agulha, mas sem sinais do que era o conteúdo que matou Tony.

Então, após receber uma ligação de Nick informando que, Clint havia morrido, e provavelmente os alvos eram todos os que estavam listados no Projeto Vingadores, Natasha acaba ficando com ódio puro na alma, afinal seu amigo tinha acabado de ser assassinado, mas, ela aproveita que tava ali perto do Hulk (ela sabia que ele estava escondido) e já se prepara pra protegê-lo.

Entretanto, Bruce Banner afirma várias vezes que não precisa de proteção pois é imortal, e que era até melhor Natasha se afastar dele antes que ele se transformasse. Algo que acaba acontecendo quando o General Ross chega com seu exército pra capturar o gigante esmeralda.

Como a namorada do Hulk nesse filme (haha, as duas namoradas que ele teve estavam lado a lado e se ajudando) era filha do General Ross, e estava com Bruce no momento em que ele chega, ele pede para não atirarem. No entanto, alguém começa a atirar e, Hulk é alvejado.

Mesmo assim, ele não é ferido, apenas começa a se transformar e ataca os militares... até que começa a inflar e inflar, e explode, morrendo na hora.

A namorada dele fica em pânico ao ver que o imortal morreu. Natasha também, que acaba fugindo por sua vida.

Nesse mesmo tempo, as coisas só pioram mais pro lado de Nick, que recebe a visita de um exército Asgardiano liderado por Loki, pra vingar seu irmão. 

O massacre é grande, mas Nick consegue convencer Loki a sessar fogo, e explica que eles tem um inimigo em comum, pois o mesmo que assassinou Thor, matou vários de seus aliados.

Com isso, Loki dá 1 noite pra que Nick descubra, capture, e entregue o assassino de Thor, ou seja, até o amanhecer, o cara teria de revelar esse mistério todo!

Natasha então aparece numa biblioteca acessando os dados da Shield, e buscando por informes dos Vingadores, pra entender melhor o que estava acontecendo (ela usa a senha do agente Coulson), e bem na mora que ela começa a decodificar o mistério, alguém surge atrás dela.

Ela tenta ligar pra Nick e avisar que "A filha morta é o problema", mas só consegue deixar um recado na caixa de mensagens, até que algo aparentemente invisível a joga de um lado pro outro, e mata.

Nick, quando recebe a mensagem, percebe que perdeu mais uma aliada, e fica todo confuso. Quase apelando pra Capitã Marvel, a última vingadora que ele só chamaria em emergências, ele acaba tendo uma epifania, e do nada, entende o mistério.

Ele corre até Loki, pede uma audiência, e o episódio corta pra um cemitério ao amanhecer.

No cemitério, Nick Fury é visto em cima de um túmulo, de Hope Van Dyne. 

Imediatamente uma voz diz que ele não tem o direito de estar ali, e em seguida, o Homem Formiga, de Hank Pym, aparece, voltando ao tamanho normal em um traje que mistura seu visual clássico com o atualizado do Jaqueta Amarela.

Hank, enfurecido, diz que foi tudo culpa de Nick. Sua filha (Hope, que seria a Vespa caso vivesse) virou uma agente da Shield e acabou morrendo em ação, indo contra a vontade de seu pai, mas sob autorização de Nick (esta, foi a Escolha de What if que criou esse universo).

Por causa da perda, Hank tinha pirado e decidiu se vingar de Nick, criando um plano que levou muito tempo, e pondo em prática quando ninguém menos esperava.

Suas ações não mudaram o fluxo do tempo até o ponto em que ele começou a agir.

Na forma de Homem Formiga, ele matou Tony Stark, saindo da seringa.

Matou Thor, forçando Clint a atirar involuntariamente.

Aproveitou e matou Clint também, depois de se esconder nele, sempre encolhido.

Depois fez a proeza de matar Hulk, entrando em sua pele ainda como Bruce e injetando uma substância expansiva diretamente no coração do gigante, explodindo por dentro.

Matou Natasha quando ela descobriu de mais...

E agora, mataria Nick.

Porém, na luta, Nick Fury da uma surra em Pym, que independente de ficar pequeno, não consegue acertar um único golpe nele. Não demora até Nick revelar que na verdade, era Loki disfarçado.

Eles haviam se aliado pra ter uma chance de capturar o assassino da vez, e agora, Hank Pym seria punido em Asgard.

Porém, a história não acaba nessa parte, o que é o máximo! Loki, como todo Loki, aproveita a oportunidade da melhor forma que pode. Ele decide conquistar Midgard pra ele, e assim, declara ser o novo governante supremo da Terra.

Nick não tinha escolha além de aceitar, porém, ele continua em seu projeto vingadores, agora apoiado pela Capitã Marvel, e indo de encontro ao primeiro vingador: Capitão América (ele aparece congelado e com o símbolo da américa, então não é a mesma realidade do primeiro episódio).

Fim.

O que falar sobre esse episódio???

Ele é simplesmente perfeito. A surpresa final, a composição, todo o mistério sendo construído, ficou sublime.

Sem contar que, eu curti muito o fato de terem de certa forma canonizado o segundo filme do Hulk da Universal (na real, sempre foi canônico... mas isso ajuda a entender mais), no UCM, pois eles utilizaram as mesmas cenas do filme (reanimadas é claro), e trabalharam em cima daquela mesma realidade.

No máximo, o ator do filme original (que foi trocado pelo Mark Ruffalo em todos os demais filmes Marvel), era um tipo de variante de uma realidade alternativa, mas aqueles eventos ocorreram mesmo, no UCM (ou não né, talvez sempre permanecerá sendo a simples troca de atores randômicas e alheias por tretas nos bastidores ou afins, como o James Rhodes que mudou sem explicações em enredo do Homem de Ferro 1 pro 2 em diante).

Isso explica bem a presença do mesmo ator que faz o General Ross (William Hurt) em filmes como Viuva Negra (mais recentemente), Guerra Civil, o próprio Incrível Hulk de 2008, e se não me engano ele aparece no final desse mesmo filme interagindo com o Tony Stark num bar. É o mesmo personagem, inclusive do mesmo filme... diferente do JJ Jameson lá do Homem Aranha De Volta ao Lar.

Eu curti isso, pois significa muito pra série de filmes, e pra série em si. E cara, que história ótima de se acompanhar. Senti até um pouco de receio de escrever afinal, compensa muito mais assistir.

Episódio 4

Doutor Estranho

As coisas só tão melhorando. What if ta indo pra histórias cada vez mais trágicas e, aos poucos, o Vigia começa a tomar parte do enredo.

Nesse episódio, pela primeira vez, ele interage com o universo, e isso foi surpreendente. No entanto, ele não interfere em nada conforme as regras que obedece, o que praticamente o coloca numa posição bem complicada. O cara, até então, era visto como um mero observador, mas com essa história, podemos entender o tamanho do peso que ele carrega.

O episódio em questão é uma variável da realidade do Doutor Estranho. Tudo nele é exatamente igual ao Filme original, a única coisa que muda, é que a motivação do doutor Estranho pra virar o Mago Supremo não foi a perda do movimento das mãos, e sim, a morte de sua namorada.

Isso não afeta em nada os demais eventos, com inclusive a batalha contra Dormammu rolando do mesmo jeitinho, e o Estranho assumindo o posto de Mago Supremo.

Pode-se dizer que seu evento What if foi essa pequena mudança, o que num futuro desencadearia uma escolha controversa do doutor Estranho: Ressuscitar sua amada.

O porém é que, dessa vez, o tema "Paradoxo" é abordado. Afinal, se Estranho voltasse no tempo e impedisse a morte de sua amada, ele jamais voltaria no tempo pra salva-la, uma vez que nunca teria a motivação pra virar um Mago.

Nesse universo, esse pequeno paradoxo é chamado de "Ponto Absoluto". Isso é uma baita novidade pra entender melhor o multiverso.

Tecnicamente, dentro de um universo, podem existir duas ou mais linhas do tempo, mesmo que não gerem novos universos! Além disso, "Pontos Absolutos" jamais podem ser desfeitos, visto que eles ditam a ordem do universo ao qual pertencem.

O episódio mostra doutor Estranho tentando apagar a origem de sua motivação, o que simplesmente era paradoxal. O universo no entanto não permite essa mudança, pois sempre dá um jeito de matar sua namorada.

É como se, alguém com o poder de viajar no tempo voltasse no passado e matasse a si mesmo antes de descobrir como viajar no tempo. Independente de um novo universo surgir, aquele ao qual essa entidade pertencia apenas deixa de existir.

O que o Doutor Estranho desse episódio tenta fazer, é apagar o Ponto Absoluto, salvando a vida de sua amada, e permanecendo no mesmo universo. Ele não chega a transitar entre realidades, apenas permanece ali, sem nunca cruzar pra outro universo.

É meio esquisito isso, pois ele sendo tão poderoso, poderia fazê-lo. Talvez para manter a ordem dos universo, o Vigia esteja limitando as interações no Multiverso. Mas, independente do que o prendia ali, fato é que Estranho não podia mudar o passado trágico de sua namorada, neste universo.

Mas, ele tenta assim mesmo. Primeiro diretamente, buscando formas de salva-la apenas com viagem no tempo (através do Olho de Agamotto/Joia do Tempo), mas falhando sempre, afinal, o universo fazia questão de se corrigir.

Depois, ele decide apelar, e viajar pra um passado distante onde passa a estudar como conseguir burlar as regras de seu universo. A Antiga Maga Suprema inclusive tenta impedi-lo, aconselhando e até atacando ele... mas no fim, ele continua.

Estranho aprende uma magia pra absorver criaturas místicas (de todo tipo, incluindo demônios) tudo pra poder. E assim ele o faz, consumindo e assimilando dezenas de criaturas. Aliás, mais uma vez a criatura tentacular aparece, e ainda não é chamada por seu nome, mas, é de fato uma entidade mística poderosíssima, sendo uma das que Estranho absorve.

Com o tempo, ele se transforma, até uma Capa nova ele pega (bem mais macabra) e fica com um aspecto diabólico. Mas, seu único objetivo não muda: Ele queria poder pra impedir a morte de sua amada.

No entanto, ele acaba descobrindo que, ele estava dividido.

A Mestra Suprema que o atacou, havia dividido seu corpo em dois, e criado duas Linhas do Tempo, num Mesmo Universo. Linhas paralelas que não se cruzavam, que geravam duas versões idênticas do Doutor Estranho, com a única diferença a questão dele não escolher viajar no tempo pra salvar sua amada.

No entanto, isso serve apenas pra atrasar o Doutor Estranho principal, uma vez que o tempo dividido acaba começando a colapsar.

A Anciã inclusive se reporta ao Estranho "bom", dizendo que ele tinha de deter sua outra parte, pois caso ela obtivesse sucesso em apagar seu Ponto Absoluto, o universo inteiro seria apagado.

E ele tenta... muito. Até sua capinha morre meu...

Mas no final, ele é absorvido pelo Doutor Estranho diabólico.

Isso torna ele completo, e poderoso, ao ponto de ressuscitar sua amada, que entra em pânico ao ver no que ele se tornou.

Por um breve período ele perde o controle das entidades dentro de si e fica desfigurado, mas depois que ele recupera sua forma, ele nem tem tempo de explicar as coisas pra sua namorada, pois o universo inteiro começa a desmanchar.

Mesmo ele tentando impedir, nada funciona, e olha que ele até apela pro Vigia, pedindo por socorro, suplicando por misericórdia, e tomando um balde de água fria pois, o Vigia não iria fazer nada.

Estranho até consegue criar um prisma protetor para ele e sua namorada, mas ela também é apagada independente do que ele faça, e desmancha em suas mãos, soltando a frase "O que você fez?".

Sozinho, ele fica ali, no meio do vazio, na escuridão total, preso em seu prisma mágico, sem um universo, sem um amor, sem nada além de si mesmo, e sua escolha.

É bem triste.

Fim.

Pra dizer a real, eu questionei coisas no episódio, como o fato de Strange permanecer vivo nos eventos originais do filme, sendo que me lembro que tem uma parte do filme original no qual ele é salvo por sua amada, que faz uma cirurgia emergencial nele. Se ela não tava viva, ele teria morrido ali correto?! Mas, o episódio não perde tempo explicando como ele foi salvo, ou como algumas partes da sua história se corrigiram.

Na verdade, a ideia de que o próprio Universo se corrige, criando eventos diferentes mas que convergem prum mesmo desfecho, é o grande foco desse episódio.

Tanto que, um universo inteiro é apagado por causa do que o Doutor Estranho faz, e na lógica, era pra ele ter criado dezenas de linhas alternativas, e universos alternativos, pelas escolhas que fez.

Mas, ele ficou tão preso àquela mesma realidade, que simplesmente nem cogitou a possibilidade de escapar, de mudar de plano, ou de buscar soluções multiversais.

Porém... é fato que um doutor Estranho poderosíssimo e em luto permanece existindo, num ponto do tempo e multiverso onde seu universo inteiro foi apagado.

Vai saber se ele não pode retornar um dia, ou se tornar uma ameaça pro multiverso. Se bem que, não creio que isso ocorreria. Mesmo estando "possuído" por várias entidades, ele demonstra arrependimento genuíno pelas escolhas que fez, e diz várias vezes em sua súplica ao Vigia, que não queria destruir o universo.

Mas, em sua imprudência, foi o que aconteceu.

Agora, já pensou se o Doutor Estranho decidisse por a culpa no Vigia?

Episódio 5

Zumbis

Mano, eu tava ansioso pelo episódio de zumbis (que já tinha sido spoilado nos trailers) e, ainda mais ansioso pela justificativa pra ele existir. Não só isso, minha ansiedade também estava sobre a combinação de Zumbis com Super-Heróis, e confesso que lá no fundo, eu estava meio cético (apesar de ainda bem empolgado).


E num é que é um episódio do c4%@¬#0? (eu disse "caramba" nem sei porque censurou!)

Ele é bom em tudo que apresenta, como visual, conceito, enredo, conclusão, justificativa, narrativa, e até no tipo de terror que oferece. É perfeito!


Um ode a filmes de terror do gênero Zumbi, e ao mesmo tempo, uma épica adição ao catálogo de What if. Pior que mesmo sem ter "sangue" (o que convenhamos, parece tremendamente necessário nesse gênero) ele consegue ser assustador... e meio engraçado... bizarramente.


O mais bacana é que ele não se limita a uma escolha pessoal dessa vez. Ele retrata as consequências de uma escolha coletiva, por assim dizer. Justamente por causa disso, ele tem vários protagonistas, mas o protagonista mesmo é a Praga Zumbi, que afeta a todos de formas bem variadas.

É genial a ideia de um "terceiro tipo" de zumbis. Quem conhece o gênero ta ligado que existem basicamente 2 tipos (desconsiderando é claro a versão Raivosa): Os Zumbis Lerdos, e os Zumbis Rápidos.


Esse "terceiro tipo" seria um Zumbi Rápido, mas que preserva a mentalidade e habilidades de quem era em vida. Não tem as lembranças, o que o deixa insano em busca de carne, além de ficar decomposto mais rapidamente. Porém, eles continuam sendo as mesmas pessoas! De certa forma lembra a versão Raivosa (já vi filmes em que essa versão acaba por manter as qualidades de quando ainda estava "viva", como o #Alive).


Pensando melhor, até que soa mais como essa versão raivosa mesmo, pois considerando que eles se converteram nessas criaturas por causa de um vírus neural, e também o fato de que, eles podem ser "mortos" mesmo quando suas cabeças permanecem intactas (ou seja, basta que morram pra valer), é quase como se as pessoas permanecessem vivas, apenas com perda de controle pela fome, e tecnicamente, raiva (quando Wanda encontra Visão, da pra notar sentimentos...).


Mas o importante, é que caras, além do conceito de zumbis espertos, ainda tempos zumbis espertos COM SUPER PODERES!


E não é apenas poderes naturais não, como por exemplo é o caso do Homem de Ferro (que permanece usando e abusando de sua armadura, voando, atirando, e devorando cérebros!), ou Falcão (mais um exemplo de zumbi voador). Ou tem até os Zumbis Magos (todos os aliados do Doutor Estranho, e até o próprio, usando e abusando de suas magias como o Portal). 

É zumbi de todo tipo, e mesmo assim, acredita que o episódio consegue equilibrar bem com o elenco não-zumbi?!


Os personagens tem bom destaque, e há muitas perdas sem cerimônias, mas que impactam (afinal todos são muito carismáticos). O mais bizarro é que o Homem Aranha acaba tendo um destaque um tiquinho maior, assim como o Hulk (na verdade o Bruce Banner), e ambos parecem ter até mais evolução de personalidade do que em suas presenças reais nos filmes originais.


Todo mundo é importante, mas no caso desses dois, Hulk por iniciar o episódio e ser nossa representação nesse mundo apocalíptico acaba por ser muito próximo da gente. Ele é jogado por Bifrost na Terra, pra avisar da invasão de Thanos (e sim, o apocalipse ocorre paralelo a invasão de Thanos, mesmo assim, o episódio foca na ameaça zumbi apenas...).


E o Homem Aranha, por ser aquele cara que, manja de filmes de zumbis, e ainda por cima mantém o otimismo e esperança, acaba por ser a liga que une todo mundo no grupo, e mantém todos lutando. Te contar que ele consegue ser mais maduro e importante aqui, do que em seus próprios filmes.

Mas, repito que todos são muito legais de acompanhar, e todos tem um background em suas histórias que só aumenta muito mais o impacto da narrativa.


Tipo, já conhecemos os personagens dos filmes, personagens pequenos ou grandes, tanto faz, todos tem sua importância e significado grandiosos de mais, pois conhecemos as suas perdas.

Happy (o próprio Jon Favreau) deve ter ficado animado em participar, mas ele não foi só uma "participação especial". Ele surge como o resquício dos aliados do Homem de Ferro, usando uma Mão de Ferro (que atira energia), e até brincando com isso. É um alívio cômico, mas tem seu espaço em muitos momentos.


Bucky, ainda como soldado Invernal por assim dizer, luta contra seus traumas antigos, e agora recentes, e até mesmo assume o manto de "Capitão América" tecnicamente, pois acaba matando os zumbis de Falcão e Capitão, tomando o escudo.


T'chala (em mais uma participação) aparece numa reviravolta que cair o queixo, e ta lá pra reforçar a esperança um tiquinho mais, só pra trair nossa expectativa tola com um desfecho bem impactante (lembrei muito The Walking Dead da Telltale).


Até a Capa do Doutor Estranho, acaba ajudando várias vezes, matando zumbis, salvando a vida de Hulk (que ta naquela situação de pós trauma e não consegue se transformar, por causa da surra de Thanos), salvou o Homem Aranha, e até mesmo vira um baita de um acessório pra Cabeça Viva do Homem Formiga!


Aliás, antes que eu me esqueça, a Vespa também tem um tremendo destaque, uma vez que ela toma a dianteira e vira praticamente a líder da "resistência", pois ela se culpa pelo grande incidente.

A Grande Escolha que mudou tudo partiu dela, mas não mudou por causa dela. Acontece que, durante os eventos do filme do Homem Formiga 2, ela e seu namorado, o Homem Formiga de Scott Lang, mandam Hank Pym para o espaço quântico, na busca de sua esposa.


Mas, chegando lá, ela tinha contraído um vírus quântico zumbi, e Pym acaba levando ela de volta, também já infectado e transformado. Por causa disso, geral se transforma (Scott mesmo é devorado na situação).


Vale dizer que Scott e Hank viram Homens Formigas Zumbis, podendo mudar de tamanho! Meu, Zumbis Microscópicos!!! QUE INFECTAM COMO MOSQUITOS!!!!


Mas, próximo ao fim, a Joia da Mente ainda em Visão salva o dia temporariamente, com uma cura, aplicada em Scott. Só sobra a cabeça dele (que combinada com a Capa do Doutor Estranho, pode se mover, isso foi muito bem pensado!). O pior é que apesar de soar muito Ficção Científica, isso tudo faz um sentido do caramba, junto ao universo Marvel, pois cara, o vírus era neurológico, a Joia da Mente tinha poderes sobre isso, faz todo sentido isso ser revertido!!


Pior ainda é a justificativa pra Visão ser um "vilão", pois movido pelo amor, ele mantém a Wanda em cativeiro, quem acabou se transformando, e não pode ser salva (pois ela resiste aos poderes da Mente!). 

Simplesmente GENIAL.


Eu fiquei surpreso com o fato do episódio ter menos de 28 minutos, pois a história que ele conta é tão amarrada, intrigante, divertida e até meio aterrorizante, que esse tempo soa pouquíssimo, e mesmo assim, fizeram um bata trabalho em contar.

E o desfecho, por mais clichê que soe, traz uma resposta de algo que a gente fica se perguntando e até antecipando: Se tudo ocorre paralelo a invasão de Thanos, cadê Thanos?!


Mano, tudo se encaixa tão bem, que não da pra chamar de "clichê".

A esperança de todos era ir pra Wakanda pra usar a tecnologia de lá (faz sentido) pra aplicar a cura no mundo, aproveitando que NADA podia quebrar a barreira da cidade, e ela estava imune aos zumbis.


Mas, quem assistiu Vingadores Guerra Infinita ta ligado, que o primeiro lugar que Thanos chega pra conquistar na Terra (na verdade pra pegar as Joias) é justamente Wakanda, e a barreira de lá acaba se rompendo.

E eis o final! Thanos, com 5 das 6 Joias do Infinito, esperando pacientemente na cidade pela sexta que tá sendo trazida pelos últimos sobreviventes... porém, ele já é um Zumbi!


Acaba ai, não precisa continuar, WHAT IF TA MUITO BOM!

Eu disse em atualizações anteriores que "Este foi meu favorito, o melhor", pois é, to vendo que virou um padrão. Todos os Episódios tão sendo melhores uns que os outros. Até aquele do Senhor das Estrelas ta começando a soar ótimo pra mim, pois se olharmos ele como uma comédia pastelona repleta de otimismo, ele funciona muito bem, e é divertido.

Cada What if não ta mostrando apenas uma realidade diferente, tá mostrando um gênero, um modo de contar, a série se reinventa a cada capítulo!

To ansiosíssimo pelo próximo.

Episódio 6

Killmonger


Okay, esse episódio é bem "morno" por assim dizer. Sinceramente eu não vi nada tão incrível nele, e até senti um incômodo no desfecho, pois diferente dos demais, achei que ele terminou de forma corrida de mais, e aberta de mais, sem uma conclusão... claro que, isso foi apenas impressão.


O episódio todo se foca em Killmonger, o vilão do primeiro Pantera Negra, e mostra uma realidade onde ele obteve sucesso em seus planos, mas de uma forma diferente.

O episódio parte do Primeiro Filme do Homem de Ferro, antes do Tony Stark ser capturado e consequente criar a armadura que lhe converteria em um herói. Ao invés disso acontecer, Killmonger, infiltrado como um soldado americano de responsa, simplesmente o salva e escolta em segurança pra casa.


Com isso, ele conquista a confiança de Tony, mas ai também começa uma lambança de manipulação e trairagem.

O episódio todo aborda Killmonger como um tremendo de um patife manipulador, que usa todo mundo como ferramentas pra alcançar seus desejos. Ele nem começa com o Tony Stark, pois tecnicamente, ele traiu o vilão do primeiro filme de Homem de Ferro, pra poder se aproximar do Tony.


Ele consegue informações da tentativa de sequestro e assassinato direto da fonte, de dentro mesmo, como um "agente duplo", e tira vantagem, usando isso pra salvar Tony na hora H. Louco que ele nem esconde esse feito, expondo o cara na mídia mesmo, e já eliminando uma grande ameaça logo no começo, ao mesmo ponto que reforça ainda mais a confiança de Tony.

Não dado por satisfeito, ele então manipula Tony pra dar andamento a uma pesquisa dele (que pelo que parece, ele roubou de outro cara, o vilão do segundo Homem de Ferro, pois é praticamente a mesma ideia), e consegue suporte pra inventar os Drones Guerreiros (os Robôs!).


Como fonte de energia, que era o que faltava pra ideia funcionar bem, ele mesmo sugere um pouco de Vibranium, sem dizer é claro que ele era de Wakanda. Fazia parte dos planos. Aliás, ele até chega a dar um anel de vibranium pro Tony (era o que ele tinha do país que nunca conheceu), pra reforçar mais ainda a confiança.


Mas, seu plano era convencê-lo a comprar Vibranium de traficantes (a única forma de obter era ilegalmente).

Ele consegue, e bota o amigo do Tony, o soldado Rhodes, no meio da bagunça, sendo ele o responsável pela compra (em nome do Exército e não das empresas Stark, pra não ficar ruim).


Daí, no meio do encontro onde o Vibranium roubado de Wakanda é oferecido, surge Pantera Negra, pra recuperar o minério. Mas, nessa hora, Killmonger aparece também, e simplesmente mata o Pantera, usando uma arma sonora do Stark.


Depois, ele também mata Rhodes, pra fazer parecer que foi tudo culpa de Wakanda.


Paralelo ao sepultamento do T'challa, rola o do Rhodes, e Killmonger tenta tirar algum tipo de vantagem em cima do Tony.

Mas, por conta do Jarvis, a Inteligência Artificial que gravava tudo pra ele, Tony tinha assistido de camarote a morte de seu amigo, e planejou a vingança. Ele tranca o manipulador numa sala e usa um dos robôs energizado com o anel de vibranium contra ele...


Mas o cara vence a máquina, e mata Stark com uma lança de Vibranium, fim.


Novamente, fingindo que era inocente, ele bota a culpa do corrido em Wakanda, inclusive apontando a Lança usada como prova do envolvimento deles no assassinato do Stark, e assim, consegue financiamento do Governo junto com a tecnologia Star (confiscada pelo governo também) pra criar um exército de Drones e contra-atacar Wakanda.


Antes do ataque, liderado por ele em pessoa, e guiado pelo traficante que vendeu vibranium e conhecia a localização de Wakanda, ele trai o traficante, invade Wakanda, levando ele em seus braços, morto.


Daí ele entrega o cara, dizendo que aquilo é uma prova de que ele estava trabalhando em nome de Wakanda, levando a carcaça do ladrão de vibranium. Dessa forma ele consegue uma audiência com o Rei, ainda em luto, que o reconhece como seu sobrinho, e o aceita.


Mas, ele logo diz que o exército americano estava atacando, e fala a sua tática pra destruir os Drones. Eles eram controlados remotamente, então se Wakanda abrisse a barreira protetora, deixasse eles entrarem, e fechasse, o sinal seria cortado.

Ele conta com pura confiança do Rei, e não trai isso pra variar. De fato a tática funciona, mas ele usa um controle remoto próprio pra reativar as máquinas dentro dos portões de Wakanda.


Mesmo assim, era tudo parte de seus planos pra adquirir confiança. Ele já era bem vindo ao país, mas ele queria ser o Pantera Negra. Dessa forma ele em pessoa luta contra os robôs, ao lado das guerreiras de Wakanda, conquistando assim a confiança delas também.


Sendo um exemplo de guerreiro, ele é condecorado com o manto de Pantera Negra.


E assim acaba, com Killmonger tendo u mencontro com o fantasma do T'challa no ritual pra virar Pantera Negra.


E na Peper se encontrando com a irmã do T'challa, ambas com a verdade em mãos, (a menina, por ser um gênio, tinha hackeado o sistema de segurança do Tony e recuperado vídeos que provavam que Killmonger era maligno).


Assim, elas planejam lutar contra ele, mas o episódio nem se da tempo pra isso ser absorvido e apenas acaba.

Bem, eu achei ele bem simples, e confesso que dessa vez o final abrupto me incomodou um pouco, pois não ficou apenas em aberto, ele ficou inconclusivo. A história era sobre Killmonger obtendo poder por ter mudado sua escolha, e ter planejado em cima de Tony Stark, mas o final acaba por deixar seu sucesso em aberto, e até mesmo em risco, uma vez que tudo termina com pessoas conhecendo a verdade.

Se o final fosse ele driblando geral em seus planos, ai sim seria no mínimo definitivo. A verdade só seria dele, e somente ele e os mortos saberiam.

Mas com a irmã do T'challa descobrindo, e ainda pegando provas... era até fácil acabar com ele, independente dele ser o novo Pantera (afinal, o mesmo ocorreu no filme do Pantera Negra, e ele foi desmascarado, e detido, mesmo usando o manto).

Pelo menos não é um episódio "ruim". Só não é sensacional.

Episódio 7

Thor


Eu diria que esse foi o episódio mais idiota que já vi, ainda mais com a virada no desfecho... porém, entendi o que ele quis mostrar.


Resumão: Odin escolheu devolver Loki pros Gigantes de Gelo e cuidou de Thor sozinho, que ao crescer, ficou ainda mais infantil do que já era. Então, numa jornada festeira, ele vai pra Midgard/Terra enquanto seus pais estão ausentes, e dá uma Festa Suprema, até sua mãe chegar e botar um fim em tudo.


Cara, é um episódio engraçado... se você desligar seu senso lógico por inteiro. Ele nem é pra ser levado a sério, e ao que parece o próprio Vigia só queria mostrar uma realidade debochada mesmo, parecido com o que ele fez com a realidade do Senhor das Estrelas de Wakanda... só que as coisas saíram do controle dessa vez.


O curioso desse What if é que ele se destaca nos 5 segundos finais, apenas. A virada dele ocorre durante aquele clichê consolidado nessa série em específico, onde cada final permanece em aberto, sem pretensão alguma à continuações.


O grande marco ta no fato deste ser o primeiro episódio em que o desfecho depende totalmente de um próximo episódio, independente de continuar de onde ele parou, ou de fazer uma pequena ponta. Ele por si só não combina com o restante do episódio, simples assim.

No final, ele apresenta um personagem que destoa completamente do que foi mostrado nos longos 20 minutos de pura lorota pastelona festiva, e carrega seriedade com ele, que tira até uma reação de espanto do próprio Vigia.


Tem muitos personagens o episódio todo, metade faz sentido aparecer, a outra metade não, e alguns são versões bem curiosas e inéditas, consequentes é claro de todas as circunstâncias que a Escolha de Odin causou, como a versão Gigante de Gelo do Loki, que convenientemente é amigona de Thor, irmão de consideração inclusive (afinal, ambos são parecidíssimos nessa realidade).


Mas, de tudo que surge, o Ultron com corpo do Visão, e TODAS as Joias do Infinito, atravessando um Portal pra recepcionar Thor... não é algo esperado, lógico, ou explicável dentro de todo o enredo deste episódio.

Ultron foi um robô criado em Vingadores: Era de Ultron, filme este que se passa muito depois do período no qual este episódio ocorre. Só pra constar, este se passa durante os eventos do Primeiro Filme do Thor, que sabemos graças a outro What if (o do Pym matando geral) que se passa na mesma semana do Primeiro Filme do Homem de Ferro, e o do Hulk.


Ultron foi uma máquina criada com a combinação da Joia da Mente, pega depois dos eventos do primeiro Vingadores, e o trabalho de Tony Stark e Bruce Banner, na tentativa de criar uma Defesa pra Terra.

Mas, essa máquina criou consciência e independência avançada de mais, ao ponto de decidir que a Terra tava em perigo por causa da humanidade, e decidir por um fim em tudo. Claro que ela foi frustrada no filme original, e inclusive seu plano de criar um Corpo Perfeito (de puro Vibranium) foi impedido. O Corpo que ele criou virou o Visão, com a Joia da Mente.


O ponto que quero chegar é justamente esse. O Ultron que surge no finalzinho, está não apenas com todas as Joias do Infinito, como também é formado pelo Corpo do Visão, ou seja, seu corpo originalmente planejado como perfeito e indestrutível.

Ele aparece ali, do nada, e não pertence a este episódio, pois ele nem existiria nesse tempo, seja por nem ter sido concebido ainda (Stark nem tinha feito sua primeira Armadura!), como também por nem combinar com a atmosfera de total besteirol que o episódio todo empurrou.

Daí, vem a conclusão: Dessa vez, ele precisa continuar deste ponto, ou complementar. É um fator externo, de outro episódio, de uma história que ainda nem foi contada.


E isso, faz com que a série toda quebre o Tabu criado por ela mesma, de Antologia, pra gerar uma conexão, que provavelmente trará o desfecho definitivo onde todos os episódios encontrarão uma ponte pra se unirem.

O episódio é... tolo. Mas serviu apenas pra mostrar a conexão que vai levar à reunião de tudo. Eu nem me espantaria se não fizessem um episódio pra mostrar a Jane pegando o Martelo de Thor e assumindo seu manto (algo que já foi anunciado, Jane Foster como "A Thor"). 


Podem pular isso tudo apenas com um flashback dela pegando o Martelo depois de uma derrota (talvez morte) do Thor pelas mãos desse Ultron. Inclusive faria sentido se pensar que no encontro, Thor havia acabado de chamar ela pra sair, ambos tavam ali lado a lado, mas, sinceramente... prefiro não teorizar.


Vou torcer pra série pelo menos terminar bem, pois, ver um episódio todo de piadinhas e humor pastelão ao estilo American Pie (só que sem sacanagem... pelo menos não explícita) foi de doer, mesmo ciente que foi proposital.

Aliás, meu irmão até chegou a dizer e comparar o final em aberto deste episódio com aquele do Thanos Zumbi, e disse que eu tava viajando nessa interpretação de que ele vai continuar. Mas eu nem precisei de esforço pra explicar que, diferente daquele episódio, neste aqui não faz o menor sentido deixar as coisas em aberto, pois um personagem inédito e fora de contexto surgiu.

Ele precisa da história dele contada, caso contrário fica vago de mais, muito mais que o episódio anterior por exemplo. Eu argumentei com o esquema do corpo de Ultron nem existir ainda, só pra constar.

Ps.: Sério que a Jane chamou Randall com uma caixa de som ampliada? Tipo, ela, uma humana, ativou Bifrost, gritando o nome de um deus que ela nem sabia se existia mesmo? Ah vei... 


E bem, é isso... por enquanto.

Nos vemos no futuro!


Postar um comentário

42 Comentários

  1. Ohhhhh coisa boa, vou assistir depois...

    Aliás, uma pergunta, não é acesso antecipado da versão Premium né? Se for vou ficar chateado, mas, acredito que não seja.


    Enfim, eu só li até a parte em que não tem spoilers, pois pelo que to vendo, o trem é du baum.






    E aliás, to ancioso pro texto do Hyrule Warriors 2 (acho que pode chamar Assim né?)


    Enfim, belo texto, tu me lembrou dessa serie, que agora estou com muita vontade de ver haha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que vou por o aviso de spoilers mais pra baixo kkk.

      Bem, a série não é daquelas que tem que pagar mais pra assistir, da pra ver de boa, então aproveite. A parte ruim mesmo é ter de esperar até semana que vem pra ver mais, mas acredito que serão poucos episódios, assim como as demais.

      O artigo de Age of Calamity ta pronto, em texto. A parte das imagens que ta me consumindo tempo pacas pois, vacilei e tirei 75 mil fotos. To em 30 mil ainda, e separei umas 380 pro artigo. Falta mais da metade mas, todo dia to checando 10 mil.

      Logo estará publicado sr Wilson!

      Excluir
    2. Ai tu daria SpOiLeRs antes de dar o aviso de SpOiLeRs...
      Isso não me parece legal kkkk.



      Bem, isso não é tão ruim, deixa a experiência mais interessante, esperar uma semana para um episódio novo deixa o episodio em si, muito melhor...
      Pelo menos eu acho né.



      75 MIL FOTOS?
      Ta maluco, tirou foto a cada segundo de gameplay?
      (E pior que é mesmo, fiz uma conta rápida, de quantas horas normalmente demora para fechar o game 100%, e transformando esse valor (25 horas) em segundos, e depois dividindo pelo numero de fotos, da 1,2 segundos...

      Cara...isso é muita insanidade kkkk).


      O mais engraçado é que disso tudo, você provavelmente não usará nem 1/4.


      Enfim, espero anciosamente pelo texto.

      Excluir
    3. A cada 2 segundos. Foi burrice minha, e agora to tendo de pagar o pato.

      Normalmente um artigo com mais de 20 mil palavras leva 600 fotos. Então, num vô usar nem 1/1000.

      Mas, logo termino. Obrigado pela paciência sr Wilson.

      Excluir
    4. Você literalmente poderia fazer longa metragem da sua gameplay, só não teria som kkkk.


      Não sei bem como funciona, mas provavelmente o que vem em mente é "hm, com essa foto eu poderia escrever isso, essa foto seria perfeita para exemplificar isto"
      Ou apenas "da para aproveitar"
      Ou sei la, quem sabe "Vai, só pra registrar"






      Anciedade é o oposto de paciência?
      Por que se for, eu não to nem um pouco paciente...
      (""Procure um medico...serio"")

      Excluir
    5. Normalmente eu procuro boas ilustrações pro texto. O texto em si, por mais esclarecido que seja, cansa. Dai tento procurar alguma imagem pra complementar o que foi falado, e servir de descanso aos olhos do leitor. Artigos de jogos normalmente são grandes, e tornam-se exaustivos pra ler... daí, imagens que te façam refletir sobre o que acabou de ler e ao mesmo tempo, variar o foco da própria visão, ajudam muito.

      Eu particularmente dificilmente olho as imagens quando to lendo. Só se ficar sem entender algum contexto, e aí, busco por respostas na ilustração. Pensando assim, optei por sacrificar um tempo do trabalho dedicado apenas a essa seleção de fotos, não por mim, mas pelo blog. É chato, mas necessário.

      Fica tranquilo sr, eu já cheguei em 40 mil fotos, e to na reta final.

      Excluir
  2. Ótimo texto sr. Morte,eu gostei do primeiro episódio, apesar de não gostar do cel shading,mas hoje é a alternativa mais barata pra animar em 3d. O caveira conhecer o tesseract foi um furo safado de roteiro mas o possível Shuma( um dos inimigos do dr. Estranho) foi uma boa jogada,com essa série a Marvel tá sem amarras pra abordar seu acervo de forma livre,que venha coisa boa pra nós...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou confiante que essa série vai ser bem legal de acompanhar.

      Pela capa da pra teorizar algumas coisas, e estou ansioso por ver como que pequenas escolhas mudarão tanto os outros universos...

      Mas, também estou um pouco preocupado com os furos que podem surgir.

      Excluir
    2. Esse episódio ficou com uma aura de depedida absurda,emocionou...

      Excluir
    3. Talvez um dos pontos que me fez ficar preocupado demasiadamente tenha sido esse. Nem quis citar a mensagem de despedida no final pois eu mesmo não quis lembrar.

      Disseram que foi o último trabalho do Chadwick, e tentei ver sem pensar nisso.

      É triste.

      Excluir
    4. Concordo,em alguns momentos esse tom de despedida atrapalhou,pois o roteiro foi mudado pra que tudo girasse em torno do protagonista.

      Excluir
    5. Espero que nos próximos episódios as coisas voltem ao "normal" da proposta What if no UCM, e que essas falhas e furos tenha sido só uma consequência dessa mudança de última hora pra homenagear o interprete principal.

      Fato é que, ele fez um ótimo trabalho. Saber que os atores reais emprestaram suas vozes pras animações também enriquece ainda mais o projeto.

      Excluir
    6. Sinceramente esse terceiro me decepcionou,na hora que a viúva morreu o mistério tinha acabado pra mim, mas o que os fãs da marvel querem,esse episódio entregou: referências. E no final foi a capitã Carter ou o capitão América mesmo? Fiquei na dúvida...
      E que venham mais textos sr. Morte.

      Excluir
    7. Haha, a gente gostou dos episódios diferentes sr Mário, isso mostra que a série ta acertando vários gostos distintos. É muito legal.

      Eu só entendi no fim e fiquei mó surpreso kkk. Eu tava tão aficionado nos vingadores que nem lembrei do homem formiga.

      No fim é o Capitão America mesmo. O Nick acha o escudo no gelo, e ele tá com o símbolo da America, não da Inglaterra como a Capitã Carter. Além disso, no primeiro episódio, o Gavião está vivo no recrutamento da Carter.

      Excluir
    8. Agora vamos ver como será o próximo. Sr Mário, valeu pela presença. Sr, to com 2 posts prontos aguardando ilustração. Logo terá coisa legal no blog.

      Excluir
    9. Foi um bom episódio, mas como tudo que aconteceu aqui foi do ponto de vista de uma variante do Estranho,não vale considerar o que aconteceu nos filmes,talvez esse seja o dr. Estranho do terceiro filme do homem aranha, e o dragão do Shang Chi pode ter feito uma ponta no episódio, a Disney tá com medo de mostrar o Shuma?
      Enfim,vamos ao próximo capítulo, sr. Morte.

      Excluir
    10. Eu até imaginei nessa possibilidade, mas confesso que gostaria mais que deixassem essas antologias assim mesmo, em aberto. Usar essa versão no filme seria estranho... mas faria sentido.

      No entanto, eu tô com a ideia de que o filme precisa ser "fácil" de entender, e quanto mais conceitos prévios criarem, mais se afastariam da compreensão geral do público.

      Eu fiquei olhando os bichos absorvidos esperando por algo que eu reconhecesse mas não rolou. O único que percebi foi o mais óbvio mesmo. E não pode ser mera coincidência colocarem esses tentáculos 2 vezes na série.

      Aliás, no trailer, o primeiro trailer da série, mostra o Doutor Estranho "Sombrio" conhecendo a Capitã Carter. Logo, é bem provável que ele seja recrutado pra alguma coisa, ao invés de virar um vilão ou algo assim.

      Bem, vamos ver o que acontecerá rs.

      Excluir
    11. Esse episódio não foi bom pra mim,apesar de ter seus pontos positivos,principalmente um aranha mais digno que o Holland,cara,que cena de sacrifício foi aquela da vespa,já é a pior de todas que já vi...o episódio tem gore,violência na medida mas eu esperava mais,principalmente da feiticeira,poder pra acabar com hulk não falta.
      Enfim,que venham os vingadores do multiverso.

      Excluir
    12. Cara, eu fui pego no hype confesso. Zumbis são uma de minhas maiores paixões, e ver isso retratado de forma ao menos digna, numa animação limitada pelos padrões Disney... foi muito legal.

      Eu vi alguns problemas é claro, tipo, se parar pra pensar, nem faz sentido a praga ter sido levada do Reino Quântico pro mundo normal através da esposa do Hank, pois, tecnicamente, no filme do Homem Formiga 2, eles só localizam ela por causa dela própria chamando o Scott Lang depois que ele acessou o Reino Quântico sem querer no filme anterior. Na lógica, se ela virou zumbi pelo tempo de exposição, ela não conseguiria chama-lo (uma característica que ficou clara é que eles não se comunicam, apesar de aparentemente conseguirem pensar).

      Só que, depois reparei que ela própria sair do Reino Quântico sem qualquer consequência (no máximo ela ganhou poderes!) era também algo esquisito, e foi isso que rolou originalmente. Então, as vezes ela pegou o vírus na hora do resgate, e como o tempo flui diferente lá, faz sentido.

      Por isso, me deixei curtir!

      De fato, o sacrifício dela foi estúpido, pra dizer o mínimo. Eu fiquei esperando ela quebrar o próprio pescoço ou fazer algo pra "se livrar de seu corpo" uma vez que ficou claro que os Zumbis poderiam usar as habilidades dela (Encolher e voar! Seria ainda mais perigoso que os Homens Formigas). Mas, é aquele clichê de zumbis... eu já to até anestesiado a isso.

      O Hulk deve ter sido derrotado... certeza. Wanda tava pistola já, por causa do Visão. Mas nem quiseram mostrar, tipo a consequência do Bucky.

      Excluir
    13. Como diz o nerd rabugento: quanto mais você pensa,com mais raiva fica,eu não vi a mãe da vespa voltar,só o próprio Hank,mas esse detalhe me incomodou,como acharam ela se estava contaminada? Como a mulher sabe que vai dar trabalho transformada zumbi e simplesmente se deita lá? Por quê a Wanda não tranformou o hulk em geleia logo? Por que colocar piadas na nave e cortar o Thanos virando zumbi em Wakanda? Me decepcionou,tem pontos positivos mas o potencial foi desperdiçado...

      Excluir
    14. Acho que a parte do Thanos foi necessária pra causar surpresa. Se mostrasse a luta e tal, tomaria um tempo de tela que eles não tinham, e diminuiria o impacto da cena final. Nesse caso achei bem pensado.

      Mas o restante não tem nem como defender. São furos meio bobos que, se você pensar muito não curte mesmo. Tipo o visão se matando. NÃO FEZ SENTIDO! O episódio não precisava daquilo, e ainda por cima era contraprodutivo pra emergência. Ele era o único que podia segurar a Wanda pra fuga, mas ele também era o único com a Cura. Só a Joia da Mente não garantia que a Cura funcionaria... ele sim. Sem contar que, Homem Aranha, T'Chala e a cabeça do Homem Formiga não tem o menor conhecimento sobre a Joia da Mente ou tecnologias pra produzir a cura! Foi algo estúpido, posto em tela só pra fazer aquela alusão a cena de Wanda em luto por Visão... ridículo.

      Mas, ainda é meu epi favorito. Terror de Zumbis sr!!!

      Excluir
    15. Na minha opinião, se what if já tava cagado,agora caiu de vez, episódio furado,tosco,corrido e cheio de inconclusões,nem as referências que os marvetes tanto amam esse teve.
      O killmonger deveria ser muito jovem em 2008,mas no episódio temos o killmonger do filme pantera negra,já respeitado e com diversas conquistas militares,Stark não morreu com a espada do Thanos mas morreu com uma lança no ombro?!? Vibranium é venenoso? Se o rei matou o próprio irmão por traficar vibranium e vender segredos de Wakanda,por quê receber o filho como herói se ele estava fazendo a mesma coisa? Ninguém escuta a Pepper,braço direito do Stark,mas um cara que tava agindo como mercenário, tudo bem...
      Enfim,não gostei,ofendeu minha inteligência do início ao fim, a série já tava marromeno,agora tá ruim mesmo,mas vou continuar assistindo. E que venham mais textos sr. Morte.

      Excluir
    16. Sabe o que é pior sr Mario? Concordo totalmente contigo.

      Ainda to meio que forçando a barra na esperança que o What if se complemente de forma digna. Mas se for considerar a quantidade de buracos no enredo, negócio ta ficando bem feio.

      Porém, eu meio que suspendi a descrença faz alguns episódios, e to só me levando pela curiosidade e mero entretenimento. Já até parei de teorizar a respeito de onde tudo isso vai levar, e de tentar antecipar... e to curtindo como uma coletânea de Antologias. Por ser algo que gosto, por hora ta dando pra aguentar.

      Eu olhei pro meu irmão no final desse episódio e disse "Pois é, triste" Pois mano, é como você disse: Ele é inconclusivo.

      Notei que os demais também fizeram algo assim, como no caso do Thanos que, eu bati o pé de que era necessário, mas ta parecendo mais um padrão da série: Deixar histórias em aberto.

      Isso não é ruim de todo, mas é em parte. Pode ser que haja um episódio inteiro focado em unir as pontas, o que não acaba com a experiência individual, mas reforça a geral e até pode melhora-la. Mas, não to contando com isso.

      Infelizmente, nem da mais pra considerar as referências ou lógica. Eu cheguei a falar pro meu irmão "Caraca, morreu com uma lança... no ombro?!" mas, logo refleti e lembrei que, é uma animação Disney, sem tempo de tela (pois os episódios permanecem se mantendo em menos de 20 minutos tecnicamente), e ainda por cima com um conceito quase descartável de histórias paralelas. Assim, nem me prendo mais aos detalhes.

      Esse epi do Killmonger foi triste... mas... ainda tenho esperanças na série.

      Excluir
    17. Eu não confio que haverá um episódio pra amarrar as pontas soltas,apenas vão juntar os vingadores do multiverso e danem-se as questões, bem estilo ultimato, e ainda vai ter fã dizendo que foi a melhor série de todos os tempos da última semana.
      Cara,a lança foi no ombro por que sim,dava pra colocar a bendita lança no coração do boneco,não ia tomar tempo,era só fazer direito,ninguém morre com um golpe no ombro e quanto mais eu penso mais raiva me dá, esse episódio foi porco mas juntar os personagens vai fazer todo mundo esquecer as merdas que esse pangaré soltou no caminho... eu não sabia que o pantera podia ser tão bunda mole como colocaram nesse episódio maldito,e como os personagens podem ser estúpidos se o roteitro for bosta.

      Excluir
    18. Eu to torcendo pra que não façam isso. Antes deixar como antologias perdidas do que amarrar tudo com linha de algodão.

      Ah, a série já deixou de ser "a melhor" faz tempo. Loki ainda é o melhor acerto da Disney até agora.

      Meu, o pantera tira o capacete pra falar com o primo e morre, pra uma das armas mais bestas que o Tony já criou, isso supera a morte de ombro do Tony kkk. Alias, a Disney não mostrou, mas naquelas horas que a câmera tava dando close no Killmonger, ele tava esfaqueando o Stark repetidamente. Eu prefiro pensar assim kkkk.

      Excluir
    19. É sr. a série tá degringolando a cada episódio, esse foi mais whatever que what if,mas o final veio com a referência que o público Marvel tanto quer,mais pra fazer a audiência esquecer a bosta toda que o episódio foi,mas o detalhe do surubão com direito a cuecas e sutiens largados foi boa,e o Howard pegou a mina,assim como no filme clássico, disso eu gostei,teve Maria Hill,uma personagem que eu particulamente gosto,o ancião do Thor 3 sempre rouba a cena,teve detalhes divertidos, mas a capitã carisma não me desce...
      Enfim,eu não tô com a esperança de ver o ultron perfeito explorado,mas quem sabe? E que venham mais textos.

      Excluir
    20. Pior que nem tem como xingar esse episódio pois, dentro da pataquada total, ele é mó legal. Thor com medo da mãe meu! Um adolescente de centenas de anos dando festinha, foi ao menos inesperado.

      Cara, aquela parte das roupas largadas me lembrou Se Beber Não Case. Eu achei até meio estranho, vindo da Disnarvel, quase explícito. O Howard foi hilário mesmo (por isso botei essa foto meu, precisa ser registrado kkk).

      Confesso que o contraste da sem emoções com o novo palhação da Galáxia foi interessante. Meu, a luta foi longa e bem bolada. Eu fiquei esperando a Capitã pegar o Martelo mas, pelo jeito isso vai ser com a Jane mesmo. Mas que foi uma boa sequência de porrada (onde Thor sai como vencedor mesmo sendo babacoide) isso foi.

      Uma pena que nada disso importa de verdade. O episódio é muito bobão kkk.

      Sr, eu agradeço muito por tar acompanhando essa série e o blog.

      Excluir
  3. Meu, que loucura foi essa? Achei que tu tinha postado um artigo só para falar do episódio, ai eu venho aqui, e vejo que o artigo na verdade foi editado, e que...o de semana passada, agora não esta mais na posição que ele tava na tela inicial anteriormente...

    Meu, buguei agora kkkk.


    Enfim, tirando isso...

    Cara, o que falar desse episódio?, loucura total.

    Pra começar, T'Challa sai do domo de Wakanda sem nem soar uma alarme ou coisa do tipo, sem ele nem estar sendo vigiado (e sei la, depois de uma conversa daquela que ele teve com o pai, eu esperaria que o pai tivesse se preocupado e se precavido, que nada!)

    menino saiu do domo como se o domo nem existisse (provavelmente por aquele colar que ele usa ser feito em wakanda, tinha um tipo de reconhecimento e desativasse o domo na parte em que a pessoa está passando, ou, ninguém sabia e o domo do lado de dentro é atraveçavel sem problemas).


    E...achei mó absurdo o Napolithanos apanhar daquele jeito pros caras que serviam ele, tipo, o cara surrou o HULK sem nem usar a joia do poder, e vai e apanha para uma mina com lança e um hulk fake com marretão...mó furada.




    De início eu achei que o T' Challa ja tinha tomado aquele soro que dava os poderes do pantera negra, mas ai lembrei que a tradição é tomar apenas como ritual de coroação, mano, o cara tomo um puta soco no meio do nariz e faz uma careta como se tivesse tudo certo...



    Enfim, tirando essas coisas...estranhas...
    Eu gostei do episódio, e é bem triste pensar que esse foi o ultimo trabalho do ator...e foi bem emocionante a mensagem do final.



    Eu fico pensando como que o MCU vai progredir agora, quando for para apresentar wakanda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu planejei publicar e re-publicar esse mesmo post a cada novo episódio, inclusive mudarei a data. É estranho mas acho que é melhor que ficar fragmentando ele em postagens diferentes, ou então deixando ele lá no passar de páginas sem parecer "novo".

      Bem, eu to torcendo pra que não fujam tanto do crível. É que, por mais fantásticas que as histórias Marvel, e ainda mais por serem "What if", existe um propósito aqui, pelo menos foi o que pareceu no começo: Contar o que ocorreu nos outros universos, com as outras variantes, e dar uma palinha de como é vasto o multiverso. Porém, se começar a ficar alegórico de mais e apenas pular pro "Super Fantástico", ai a série perde seu impacto, ao menos no quesito cânone.

      Se as regras da própria Marvel não valem em What ifs, e não há necessidade de se pensar, apenas cria-se histórias randômicas e ainda mais fantasiosas do que as costumeiras, inclusive ignorando "regras" já estabelecidas no universo base, todo esse projeto viraria só um aglomerado de contos alternativos dispensáveis.

      Agora, se o objetivo é mesmo construir uma narrativa em cima das alternativas e possibilidades que surgem das escolhas dos personagens, ai é melhor tomarem mais cuidado com esses furos um tanto quanto incongruentes de personalidade e conhecimento.

      Talvez eu esteja esperando de mais...

      Enfim, o episódio não foi ruim não, e é divertido sim, esse segundo é bem legal. Só que o número de furos aumentou muito... e não é por se tratar de um outro "universo" (sendo que na verdade, já foi dito que é apenas uma ramificação de uma ideia diferente), que apenas vira festa e, ignora-se tudo pra criar e inventar, sem nem mesmo respeitar a lógica da própria obra.

      Excluir
  4. O Hulk de 2008 sempre foi canonico kkkkkk não é por ter sido distrubuido pela Universal que a Disney não canonizou, assim como o Homem de Ferro de 2008 que foi pela Paramount Pictures, pois os dois foram feitos em conjunto com a Marvel Studios, ja que foram as empresas que a Marvel Studios conseguiu na epoca pra fazer parceria, pois a Marvel só foi comprada pela Disney em 2009 (um ano depois do lançamento dos dois).

    E na parte do ator não teria nada ver tambem, pois alem de manterem o Ross pra sempre manter essa ligação, o Coronel Rhodes do primeiro Homem de Ferro tambem era outro ator, tanto que isso até surpreendeu primeiro (isso de troca de atores) por ter aparecido no Homem de Ferro 2 que saiu antes do Vingadores 1 (onde apareceu o Mark Ruffalo como Hulk), e o Homem de ferro 1 sempre foi canonico tambem. Só foi mais "marcante" isso por ser uma troca de ator do protoganista, e dizem que ele saiu justamente por não concordar com os rumos que o personagem ia ter( agora entendo ele totalmente).

    Ent... a Disney/Marvel Studios só deu uma despitada e não colocou enfase nisso, mas sempre fez parte oficialmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior é que eu nem sabia disso, custei pacas pra entender. É universal, paramount, estúdio de mais kkk. Mas, obrigado Bia, é bom saber disso. Vou até por uma ressalva.

      Pior que essa troca de atores nunca terá uma explicação digna ou plausível dentro das telas kkk. Maquina de Combate.

      Excluir
    2. Pelo que vi na época o ator que seria o máquina de combate não teve um acerto com a Disney por conta do cachê, ele tinha acabado de ganhar um oscar e consequentemente queria mais dinheiro,visto a bilheteria absurda do primeiro filme,o Edward Norton queria mexer no roteiro do Hulk,dar uma depressão ao personagem por toda a problemática que ser o hulk representa,até uma cena de suicídio(citada no primeiro Vingadores) foi filmada e depois cortada na versão final,depois vimos que os filmes da marvel são filmes do Kevin Feige,não dos diretores ou de produtores associados,coisa que o ator do hulk 2008 era. Não dava pra cortar o Rhodes por conta da desavença com o ator,e o próprio hulk já tá no terceiro,muda o ator e segue o jogo,não à toa a Disney dominou um nicho do cinema.

      Excluir
    3. Faz sentido. Falando nisso...

      Notou que no episódio 6 de What if fizeram piadinha com a mudança do ator do Rhodes?

      Na cena em que ele aparece, com Peper olhando pra ele, fazem suspense com o reflexo distorcido dele no vitral. Esse suspense breve parece ser uma referência a troca de atores, pois o filme retratado seria justamente a versão que Terrence Howard interpretou, porém com a cara já do Dom Cheadle. Eu até fiquei na dúvida se trocariam o rosto dele, e com isso a dúvida foi respondida.

      Pra Disney/Marvel, basta desconsiderar o que foi filmado e tocar o barco. To surpreso por não terem atualizado o filme com regravações do Dom Cheadle no papel.

      Excluir
    4. Até ri nessa hora,depois a raiva tomou conta,mas é a corporação, eles são donos do que os atores fazem,então não há muito o que dizer...

      Excluir
    5. Eu cheguei a parar o vídeo pra comentar com meu irmão. Ele não tinha entendido do suspense.

      Excluir
  5. Respostas
    1. Claro que não!!! Se não beber seria considerado canibalismo. (Aleatório sr R.).

      Excluir
  6. Hey...faz tempo que não comento por essas bandas (não..kk, serio, nunca usei essa palavra na minha vida...or am i?!)

    enfim, fiquei sem Disnêy por um tempo, mas hoje...hoje maratonei antes da aula!, e meio que tive uma excelente experiência, já que não fiquei nada ansioso pros epis kkk, e nada de esperar uma semana para ver o próximo (quer dizer, literalmente falta um dia rs).


    O que dizer sobre essa série? Muito show de bola (eta, acho que nunca usei essa palavra também...quer dizer, não que me lembre).

    Mas ainda acho que Loki supera, em disparada, pois sinceramente, o único problema de What if...(Alias, aleatoriedade a parte, é só eu que falo junto com o vigia na intro?!
    Por algum motivo eu tenho um tesão com a pronúncia dele, sla kkkk) são os furos que os personagens e as vezes até o enredo em si tem...
    Isso brocha a experiência totalmente quando você reflete sobre o que tu acabou de assistir, as vezes nada faz sentido kkk.

    Mas claro, apenas se tu ficar pensando, e isso é até meio errado, considerando que a série usa os personagens mas em um universo completamente diferente (tipo no episódio 3 em que o Loki de fato vira um DEUS na cena da luta com o Homem formiga amarelo, algo que ele nem sonha em ter tanta agilidade no UCM).

    Mas tem duas coisas que me fizeram passar muita raiva:

    1°: No episódio da zumbilandia, é dito que a Esposa do Hank pyn tinha contraído um vírus no reino quântico (""aqui temos um furo, no seu próprio argumento, tu vai ver"") como raios ela contrário um vírus, se ela está em um ecossistema que reside entre os espaços entre os átomos?!

    2°: Tonynho morreu com uma lança no ombro, na moral, essa foi de cair o cu da bunda...chorei de raiva kkkk.


    Por outro lado, to adorando as reviravoltas, e as junções dos universos, por enquanto, meu EP favorito é o do Doutor estranho.

    Sabe o que é mais legal nesse episódio? Ele é o único que o Vigia realmente interage, em geral ele fala, mas apenas nós ouvimos, nesse episódio, já na primeira criatura mística que o Doutor Estranho absorve, ele já consegue ouvir, porém não entender o Vigia, no final, quando ele ta no fundo poço, ele além de ouvir, ainda pode ver o Vigia, e aí acontece todo aquele clima de tristeza.


    Pois bem, pelo que dá a entender, criaturas místicas se entendem, e quando Strange absorveu uma, ele tomou aquele ser como parte dele, o que significa que...HA! O vigia é uma criatura mística, mas não um Deus (como ele mesmo falou).





    Espero o melhor dessa mini série, e o que faz o Disnêy valer a pena enquanto a 2° temporada de Loki não sai haha.





    ~Mr. Link that moves~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz falta hein sr Wilson.

      Nem da pra discutir muito sobre a "física" do UCM pois os caras já viajaram tanto, mas tanto, que eu não duvidaria que houvesse um vírus zumbi microscópico no universo quântico. Além disso, eu não acharia estranho se inventassem que Vibranium quando perfura tem o efeito Intant Kill.

      Essa série antológica não vai conseguir bater o Loki, ela não tem organização, e o intuito pelo jeito é só contar as coisas sem sentido pra encerrar com os Vingadores Universais, uma pena, porque eu tava curtindo kkk.

      Excluir
    2. Engraçado como nem é errado, a Marvel trata o plano quântico como um Universo mesmo, e não como um ponto de perspectiva da realidade como sob a condição de um ser microscópico.



      Tipo, se fosse assim, o hank pyn teria que viajar por milênios para chegar até sua esposa, já que ela tava no meio do oceano e ele tava...num prédio.

      É como se eles viajassem para uma outra realidade naquele portal lá.



      A série tinha potencial para se tornar melhor serie da Marvel, aqui cada episódio é um universo, um tema que o episódio gira em torno, em loki é apenas um universo, mas claro, esse Universo é mais elaborado.






      Eu acho que a série existe para fazer a gente teorizar e brisar, enquanto um filme mais memorável não sai (e a segunda temporada de Loki, que é a coisa que eu to mais ancioso kkk).

      Excluir
    3. É bem isso, a série ta mais pra encher linguiça até algo decente surgir.

      Mas, ela é bacana de acompanhar.

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)