SérieMorte: Invencível (1° Temporada)

Apenas o que acho sobre essa animação de 8 episódios lançada pela Amazon.


Sem spoilers.

Boa leitura.

Estava eu tranquilo vendo anime quando do nada meu irmão me surge com um vídeo de super-heróis se matando, mais do que literalmente... é... bem... tem algo mais que "literalmente"? Que seja! Eles simplesmente se esquartejavam num espetáculo de violência gráfica que, me fez pensar "O que é isso?"


Não demorei até encontrar a origem daquele vídeo ("Omni-Man VS Guardians of the Globe"), e tratava-se de uma animação de super-heróis que de certa forma imita em sua maioria a composição vista nas obras da DC Comics, quase como uma sátira ou paródia, só que sem a parte do humor, muito pelo contrário, nessa versão as coisas são ainda mais brutais e cruéis.

Fiquei surpreso quando vi que o criador é justamente o mesmo de The Walking Dead (Robert Kirkman),  o que sinceramente só fui me tocar agora que fui escrever. Não que isso afete minha visão ou opinião sobre a obra como um todo mas, tá bem, são dois acertos pra esse autor! O cara é bom... (só espero que não estrague o final aqui também).


Falando por alto, eu não conheço a versão em HQ, até porque não sou um consumidor desse tipo de material, e mesmo a versão animada só fui checar por causa do vídeo que mencionei, caso contrário, mesmo até sendo algo que puxe um pouco do meu interesse, eu acabaria evitando (to fazendo isso com The Boys até hoje), mas parece algo bastante promissor, e se seguir os padrões, pode ser que futuramente vire Filme ou Série em Live-Action, assim como The Walking Dead (experiência no mercado há com os envolvidos).

Aliás, os dubladores originais (uma parte deles) é o mesmo elenco que encabeça a série do Kirkman na TV. Considerando que "The Boys" (nem vi e já citei duas vezes, pode isso?) já demarcou território no sentido de "série de herói violenta", não creio que os caras se aventurem nessa. Porém, se permanecer na animação, não vai ser ruim.


Esses 8 primeiros episódios servem mais pra introduzir o herói, e seu universo, e conseguem fazê-lo muito bem sem se aprofundar em nada, dando margem pra muitas continuações.

Cada episódio tem como foco uma história própria, que se complementa ao enredo total, mas independe dele pra compreensão. Não importa muito qual episódio você assista, vai conseguir entender o que tá rolando, e vai pegar uma narrativa com começo, meio e fim (ah, lembrou o meu projeto KG T_T). Isso funciona muito bem, apesar de alguns episódios soarem como enrolação, visto que desviam do mistério principal.


Tudo gira em torno de uma catástrofe que ocorre ainda no primeiro episódio. O mistério sobre o que gerou aquilo, e como tudo vai se resolver, vai sendo empurrado até o último episódio, onde a resposta vem como um balde de água fria e, arranca lágrimas (sim, tem uma cena que faz cebolas ninjas se auto mutilarem).

Mas o caminho é cheio de eventos paralelos, que apesar de soarem dispersos de mais, acabam por terem relevância ao menos no desfecho, uns mais, outros menos.


Gostei de como tudo terminou, não "amarradinho", mas de forma satisfatoriamente completa e ao mesmo tempo aberta, com as peças existentes se encaixando mas montando apenas parte do quebra-cabeças. Ainda tem bastante pra ser mostrado, em futuras temporadas, mas o que existe aqui já é o suficiente pra um bom aproveitamento, e divertimento.

Bem, a animação em si segue aquele estilo americano, mais uma vez lembrando as que a DC costuma fazer, como Batman por exemplo, porém essa história e personagens são publicação da Image Comics, mesma de TWD (tem nada de DC ou Marvel rs).


Só que não da pra deixar de notar coisas como referências à Liga da justiça, Super Amigos, Jovens Titans, e umas coisinhas mais. Tá bom que a história do Kirkman é diferente e foca num lado mais dramático, além de fazer de quem seria o "Superman" um tipo de vilão, mas que tem semelhanças... Ah se tem.

Como o protagonista é na verdade o filho do "Omni-Man" (Superman de Kirkman), não demora até o alerta de "Plágio" sumir e as coisas começarem a soar mais originais. Falando a real, a história consegue ser extremamente mais sombria e cruel que a história da Liga da Justiça - Injustice... e isso é muito... bom.


Pode soar mais do mesmo de início, mas com uma carga dramática elevada, e muito sangue, mas muito, muito sangue mesmo, essa obra se destaca bastante dos quadrinhos "primos".

Foi uma surpresa pra mim, e talvez seja pra você. Caso queira assistir, ta disponível na Amazon, tanto legendado quanto dublado (mas é claro que tu acha online).

Ficou curtinho né? É que não quero dar spoilers. Cada episódio tem pouco menos de 1 hora, mas são apenas 8, e se eu começar a falar muito vou acabar dizendo coisa de mais. Então é melhor me conter não é?

Mas compensa assistir. Se você tiver estômago forte e não ligar pra ver a cor vermelha em excesso, assista...


INVENCÍVEL

See yah!


Postar um comentário

23 Comentários

  1. Invencível está me soando irresistível...

    Qualquer hora eu vou cavucar (nova palavra para o dicionário) o Amazon pra vê qua lé.



    Eles devem ter colocado tanto sangue assim para os ilustradores não terem tanto trabalho pra pintar os personagens...

    Só joga um balde de vermelho que ta tudo sertu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso explica a violência rs. Mas, mesmo com suco de gente vazando pra todo lado, ainda da pra entender as cenas... tem uma no metrô que véi.

      Excluir
  2. Mais uma hq dessa? Umbrella Academy, Doom Patrol, Boys, estranho ja nâo terem ido pra "serialização" de uma vez com esse invicible agora, até serie d Watchmen fizeram tambem, ta de sacanagem, esse povo não cansa de herois, ou é dos classicos ou esses mais "darks" ou "estranhos", to fora. Vandavision? Falcâo e o Soldado Invernal??? Mas to fora mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que ainda tão surfando na onda dos heróis. Isso sempre vendeu, só que os caras vão "inovando" como podem. Esse é um exemplo de falta de originalidade criativa, por assim dizer, pois os conceitos básicos de tudo aqui já é manjado, no entanto como tudo é mostrado e contado é o que faz a obra brilhar. Sério, eu recomendo.

      Aliás, vi Capitão América e Soldado Invernal... a série é boa, esquecível, mas boa. Por incrível que pareça, Wanda Vision marcou mais.

      Excluir
    2. Capitão Ame... ata, entendi o que quis dizer kkk "entendi a referencia".

      Excluir
    3. Sim... no fim da série fica assim. Ironicamente tem um filme com esse nome né... vai entender.

      Excluir
  3. A série é muito boa,referências aos heróis DC,homem aranha e até Hellboy pipocam a cada episódio, infelizmente a namorada babaca e os enchimentos de linguiça irritam em vários momentos, mas o mote principal intriga e diverte. Enfim,ótima análise senhor morte,e que venham as próximas....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior que é, sempre que mostravam o lado humano do "Invencível" ficava meio chato. Inclusive, aquele relacionamento é meio tosco, e cheio de furos. Fiquei torcendo o tempo todo pra ele ficar com a mina rosa... Mas, de certa forma até as partes enroladas adiantam pra impactar no final. Aquela cena do amigo dele no carro... com o Omni-Man... eu senti a tensão.

      Enfim, valeu sr Mário. Eu to tentando terminar algo pra essa semana ainda.

      Excluir
    2. Exato,infelizmente a "mina rosa" é muito mais interessante pra traçarmos um pararelo com nossas experiências, quantas pessoas cheias de atitude e interessantes que dispensamos por outras babacas que só nos puxaram pra baixo? A série de quadrinhos começou em 2003,quando a editora já tava bem em baixa,o que explica ser tão obscura.
      E que venha mais conteúdo sr. Morte.

      Excluir
    3. Que bom que decidiram animar. Pelo que notei as obras dessa editora são normalmente nesse estilo, mais maduro e cruel, né?

      Bem, eu gosto da Eve...

      Excluir
  4. Assisti a série completa, e o Omni-Man foi a única coisa que me motivou em continuar a assistir.

    Não gostei do Mark que vem como uma promessa de "herói diferentão" e nem dos amigos estereotipados dele (se você não sabe como um adolescente é ou se comporta, por favor, não faça). Fora isso, a série perde muito tempo com draminha adolescente, Mark e sua namoradinha insuportável, crises de ciúmes, tava quase uma Malhação aquilo dali. Tem um puta plot envolvendo um herói que matou os outros, e a série perde tempo com drama adolescente.

    Não senti peso ou carisma vindos de Mark, e apesar do Omni-Man ser o que é, foi isso que o tornou interessante.

    No fim, gostei apenas do primeiro episódio e do último. Não sei se continuarei assistindo pois meio que cansei da mídia em um todo somente fazer produções sobre super-heróis. E tem mais uma produção na Netflix chamada o ''Legado de Júpiter'', que vai por mim, é chatinha, chatinha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não minto, uma das coisas que me mantiveram curioso foi justamente o segredo do Omni-Man, mas as enrolações (principalmente os romances forçados) são bem nauseantes, assim como você mencionou.

      Pior que eu ouvi falar de Legado de Jupiter recentemente e torci o nariz. Não que seja ruim (nem vi, não posso falar) mas ta soando galera entrando na onda da modinha... Agora que mencionou que é chata, eu agradeço srta Sammy, me poupou tempo e matou minha curiosidade rs.

      No momento eu to vendo outra série que ta soando promissora (é de terror, tecnicamente, sem heróis). Logo vou falar dela... talvez.

      Excluir
    2. Sammy é uma das minhas, chega de super heroes... pelo menos por uns 10 anos.

      Excluir
    3. O Legado de Júpiter é aquele negócio de 8 ou 80. Ou você odeia ou você ama. Mas não consegui gostar. Abri meu coração e simplesmente me decepcionei, mas acho que a culpa foi minha. Fui com muita expectativa. Talvez, você goste.

      Excluir
    4. Pior que to meio intolerante pra obras com super-heróis... prefiro evitar até segunda ordem rs.

      É provável a decepção mútua visto que, eu acabaria por criar expectativas também. Um dia, quem sabe, eu veja e tire minhas próprias conclusões... mas por hora vou evitar.

      Excluir
  5. O que vc achou do novo Resident Evil? Tem algumas pessoas dizendo que ele copiou o Silent Hill 1 (que no caso é a história do pai que procura a sua filha em uma cidadezinha maldita).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou pensando se compensa jogar ele. Eu não escondo que até passei a curtir Resident Evil por conta de RE7, pois ironicamente curti muito esse jogo (ele era em primeira pessoa e um Resident Evil, duas coisas que eu dizia não curtir). Porém, o que vejo em Village até então é um tipo de extensão do que RE7 foi, ou uma tentativa de replicar isso. Claro que, como nem joguei eu não posso falar muito a respeito, mas não tô nada atraído pelo jogo justamente por ele usar Ethan como protagonista uma segunda vez. A história, teoricamente, se passaria num cenário completamente diferente do que a casinha no meio do nada na qual ele se enfiou atrás da namorada. Reutilizar conceitos e até o personagem, pra mim, é algo que afasta a atenção referente à "novidade", pois soa repetitivo. Nem vale dizer que "Há, RE2, RE4 e RE6 compartilham o Leon e nem por isso perdem identidade", pois no caso de RE7, ele funciona com Ethan por ele ser um qualquer, um zé ninguém, um desconhecido e totalmente alheio aos eventos tão conhecidos e reconhecidos de REs. Trazê-lo de volta numa trama que literalmente aumenta e piora o que ele já enfrentou, sem sustentar isso de forma satisfatória, soa repetitivo e sem criatividade.

      No entanto eu também estou bastante curioso, não com o enredo em si (pois já consigo antecipar uma clichezaiada sem tamanho) mas sim pelo lado de terror, e as criaturas, que o jogo oferece. Me vi assistindo o combate contra a Boneca por mera curiosidade e, achei bem interessante (é tecnicamente é apenas uma brincadeira de esconde-esconde macabra com bonecas).

      Mas ao mesmo tempo, eu voltei pro modo defensivo em relação a RE. Eu não curto muito esse universo, apenas gostei do que RE7 fez, mas de resto, não me animo tanto...

      Sobre a comparação com Silent Hill... acho difícil levar isso adiante. A história de Harry e sua busca implacável era envolta de mistérios não só do ambiente que o cercava e ameaçava, quanto dele próprio, e sua filha.

      RE8 já começa com um personagem que já conhecemos e controlamos, e sem qualquer mistério referente ao ambiente em que se passará (sim, ele pinta e molda uma ideia de que será numa região pacata repleta de criaturas místicas medievais, mas ao mesmo tempo ele já revela que, aquilo tudo é apenas mais do que RE tem a oferecer com suas ameaças biológicas).

      Além disso, o surgimento de sua filha é completamente arbitrário pro enredo justificar sua presença, uma vez que na aventura original dele, sua inserção num ambiente claustrofóbico e horripilante, era justificada pela sua paixão (praticamente cega) por uma moça que escolheu estar ali. Agora, pra falar que, ele terá de ser ainda mais forte e enfrentar seres ainda mais grotescos, inventaram uma cria que pra variar seria sequestrada e o atrairia pro pesadelo.

      SH nunca precisou disso, e passa muito longe de ser algo parecido. Vendo por cima, de fato até soa plágio da ideia (o que até casa com o fato deles terem plagiado a ideia de Silent Hills ao criarem o RE7), com a Capcom bebendo da fonte que a Konami ignorou a existência... no entanto, são histórias e até mesmo conceitos muito diferentes. O lado nefasto e sombrio que Silent Hill mostra é muito mais horripilante que o lado biológico e científico no qual RE se molda.

      Excluir
  6. Essa serie conseguiu pegar a hq que já ''muito boa'', melhorar algumas cenas que não tinham tanto impacto, só que eu duvido muito que vão chegar até o final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pela boa recepção, pode ser até que invistam ainda mais na animação. Mas, tudo depende de executivos e ai as coisas ficam complicadas.

      Excluir
  7. O que mais me deixou insatisfeito foi que o "Invencível" é facilmente vencível por quase qualquer indivíduo que cruza o caminho dele, chega a frustrar. Tudo que aparece na série dá porrada nele, um saco. Mas tirando isso e muito drama adolescente até que eu curti a animação, inclusive já está lançando a segunda temporada e tô acompanhando, acho que sai episódio novo toda sexta na prime. Também saiu um episódio extra com a Eve atômica, não achei ruim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Invencível e aquela série spin-off de The Boys são duas que eu quero retomar, mas ultimamente não tô confiante em acompanhar algo em tempo real. O trauma veio forte com Silent Hill Ascension. Só de lembrar da até ânsia, os caras tão lançando episódios diários de 2 minutos pra depois fazer compilação de 60 minutos toda semana, pra depois fazer um apanhado de 2/4 horas todo mês... tudo remendado e feio mano, muito feio. Aí eu to um pouco desgostoso com coisas semanais... só até vencer esse trauma.

      Excluir
  8. A série derivada de The Boys já terminou a temporada, até que é bem interessante, tem lá seus clichês e suas saturações, mas me diverti assistindo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou pegar pra assistir então, apesar de nem ter me chamado muito a atenção. Bora ver o que tenho pra falar rs. Vlw sr Ed.

      Excluir

Atenção: Antes de enviar seu comentário, por favor copie o que escreveu (para não perder o texto), pode haver erro ao publicar, então tente novamente.

Caso o erro persista, por favor me informe através do whatsapp (11 958017648), facebook, instagram ou tiktok.

Obrigado de mais por comentar, isso me estimula a continuar.

Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)