SérieMorte: Dark

Opa, e ai galera, quanto tempo hein?

Dark


Tem spoiler, eu não ligo pra spoiler aqui e você também não deveria ligar. Já aviso, não perca seu tempo assistindo Dark, pelo simples fato da série não se dar ao trabalho de responder nada. Dark é cansativo, lento, cheio de mistérios, e complexidades exageradas, que não tem importância, pois no fim, é tudo um sonho. 

Sim, se quiser pode por Dark na listra negra de séries da Netflix que te farão perder tempo, e parte pra outra. Se nem quiser ler esse artigo e confiar em mim, manda ver também! Se quiser arriscar e assistir por conta própria, porque tem gente por ai dizendo "Ah meu deus que final lindo", "Ah, melhor série já feita", "Putz, eu achei difícil de entender, por isso amei", sério, vai la! Desejo muita sorte pra ti.

Se você tiver um pingo de noção, vai perceber o final de tudo ainda na primeira temporada. E se você acreditar em metade das bobagens que os caras enfiam goela abaixo ao longo da série, e se deixar enganar pelo lixo de baixo do tapete, tu vai amar essa série! Vai ser tipo, a coisa mais linda que tu já viu na vida, pois ela não da a mínima pra você, mas te faz achar que dá.

Se não ta convencido que não vale a pena ver, por favor, leia esse texto, eu serei muito honesto com tudo o que tenho pra dizer. Além disso, prometo, serei justo.

Boa leitura (que se assistir vei, se vai chorar, de angustia, desprezo, raiva, e por ter perdido dias da sua vida vendo algo que não compensa).

Dark é uma série alemã disponibilizada na Netflix com um total de 3 temporadas. Cada temporada tem menos de 10 episódios e cada episódio leva la suas quase 1 hora cada pra contar... o que tem pra contar.

Com um número exagerado e excessivo de personagens, Dark promete mostrar um "emaranhado quântico" de vidas afetadas por viagens no tempo.

E aí, passamos a nos aproximar e conhecer dezenas de famílias que, acabam se relacionando umas com as outras através do tempo.

O grande marco de Dark está no instante em que Viagens no Tempo são estabelecidas, preenchendo o mistério dos desaparecimentos com o do próprio "paradoxo temporal".

Ela aos poucos nos faz acreditar que estamos vendo algo totalmente estudado, e bem trabalhado, conduzido genialmente para um desfecho que conecte cada ponta solta, e que tudo na série tem uma razão pra estar ali... mas não, não tem.

Talvez, na primeira temporada as ideias funcionaram muito melhor, pois eles mantiveram tudo sob os trilhos. Tudo fazia sentido a longo prazo, mas era confuso a curto prazo, uma fórmula excelente pra trabalhar mistérios diversos. Cada conexão que surgia, trazia consigo mais dúvidas sobre as consequências daquilo, mas não era só isso que interessava...

Dark conseguia nos fazer esperar pelas reações dos personagens e antecipar soluções que em nossas cabeças soavam lógicas, mas que a série fazia questão de subverter. Funcionou! Tudo funcionou! Na primeira temporada.

A partir da segunda temporada, o exagero tomou o controle, e passou a guiar o trem pro descarrilhamento. Acontece que algo subiu à cabeça da produção e eles acharam que, dobrar o número de tempos viajáveis, de máquinas do tempo, de viajantes do tempo, de elenco base também, de coadjuvantes, e por ai vai, deixaria tudo mais, interessante...

Mas pelo contrário, foi justamente isso que fez eles se perderem, e perderem o controle do que haviam criado.

Na segunda temporada eles sustentam novas regras temporais, e ideias, além de trabalharem novos eventos que, provavelmente teriam algum impacto. Eles fomentam a dúvida, e nos fazem pensar em cada pequeno detalhe, esperando pela conclusão. Mas meus caros, eles só tão plantando pistas falsas, um amontoado fétido e repulsivo de pistas falsas.

Logo no fim da segunda temporada, através de um clifhanger pra lá de estúpido, eles descartam as "Viagens Temporais" como o destaque de tudo, e passam a trabalhar com múltiplas realidades. É ai, que Dark morreu.

Na terceira temporada, é só o defunto sendo fuçado por um pedaço de de galho. Só sai cheiro ruim, vermes e moscas afinal, eles começam a mostrar realidades paralelas, e começam a distorcer todos os conceitos até então estabelecidos sobre viagens no tempo, tudo isso no intuito de impactar, surpreender, mas fica tão repetitivo, que você consegue ver onde tudo vai dar.

Eles quadruplicam o elenco, as viagens no tempo, as maquinas do tempo, as realidades, e trazem tanta, mas tanta informação, que te fazem ficar maluco, achando que ta tudo uma complexidade sem igual, mas não está, é só um monte de coisa dificultada pra te enganar.

No final, eles percebem que, não da pra arrumar mais nada, e quando digo eles, não to dizendo os personagens, pois estes já teriam percebido isso logo na primeira temporada. Quem percebe são os produtores, roteiristas, e talvez até os atores, pois do nada, preferem anular tudo.

Com um simples deus ex machina, eles dizem "Agora, nada existe" e assim é feito. Repentinamente, sem satisfazer nenhuma das necessidades dramáticas até então criadas, sem cumprir qualquer promessa feita ao espectador, sem responder nenhuma das dúvidas mais bagunçadas que criaram, e sem se importar, eles dizem "Nada existiu, obrigado por nos assistirem, vão se lascar"

Mas, será que isso é realmente ruim? Afinal de contas, até que ponto podemos acompanhar uma história toda bagunçada que no fim, prefere "descartar" tudo?

Vamos aos detalhes agora...

A primeira temporada


Como que funcionou a primeira temporada, e porque ela foi tão interessante e até, genial?

Bem, para responder essa pergunta precisamos voltar a 1905, quando Albert Einstein nos presenteou com a Relatividade Especial, uma teoria que... eu não farei isso com você. Pois é, a ideia de Dark na primeira temporada é te encher de informações complexas, te deixar com a cabeça tão cheia, que qualquer pequena resposta soa como um alívio pra essa pressão toda.

Eles misturam coisas que fazem sentido, com coisas que não fazem, e te fazem acreditar que tudo faz sentido, e tudo será respondido. Mas não importa o quanto você chore agora, se viu a série, você nunca saberá.

No inicio de tudo, a parte brilhante e que nos agarra a tudo é a Caverna do Tempo, talvez a primeira das 8 máquinas do tempo que a série mostra. Aliás, acha isso exagero? Nem grila, eu anotei quais são as máquinas (só anotando pra não esquecer né), e la vamos nós:

1 - Cadeira que Cega: Tem uma cadeira que deixa quem usa cego e surdo, e mata depois, mas manda a pessoa 33 anos no tempo, aleatoriamente.

2 - Cadeira de Corpo Inteiro: Essa cadeira é renovada e vira uma cápsula podendo levar qualquer um aleatoriamente no tempo.

3 - Túnel da Caverna: Tem uma porta minúscula numa caverna que quando aberta, causa instabilidade elétrica em toda a cidade e mata todos os pássaros, mas, dentro dela tem um túnel que se bifurca, levando 33 anos no passado ou futuro dependendo do caminho que tome.

4 - Relógio Caixa do Tempo: Tem uma caixa de relógios que foi feita com projetos vindos do futuro, que usa combustível nuclear pra teletransportar quem ligar ela, 33 anos no tempo, qualquer tempo, desde que tenha um celular junto.

5 - Partícula de Deus: A usina nuclear explode e cria uma bolha negra de radiação que quando estabilizada com eletricidade, cria uma esfera que pode levar pra época que você mais desejar.

6 - Partícula de Deus Replicada: No futuro, um grupo copia a partícula de deus e usa uma substância vinda de outra realidade pra assim, criar o mesmo efeito. mas ela pode levar pra outra dimensão também.

7 - Relógio Bomba: Um relógio em forma de esfera que usa essa substância dimensional pra teletransportar, através da luz, pra qualquer lugar, hora e dimensão que quiser.

8 - Acelerador de Partículas: Essa é a máquina principal, revelada como a primeira, e a última, aquela que tudo fez, e que na verdade, é só uma bomba de tempo que destrói mundos.

Acho que me adiantei um pouco né? Ficou confuso? Calma, eu explico tudo depois, mas, vamos voltar um pouquinho...

Na primeira temporada só temos o Túnel, o Relógio e a primeira Cadeira. Parece bastante né? Mas o Relógio ta quebrado, a Cadeira não funciona direito, e o Túnel é a única forma garantida de viajar, que poucos conhecem.

Tudo fica legal pacas de acompanhar quando um pirralho some. Primeiro que já ta rolando desaparecimentos a um tempo, 33 anos atrás um moleque sumiu, e alguns dias antes, outro jovem desapareceu, então quando esse garoto some todo mundo entra em pânico e busca por respostas.

As respostas? Jonas, um cara sem expressão, encontra. O moleque viajou no tempo! Foi jogado no passado e la ficou preso, 33 anos no passado. E pra variar, esse moleque, virou seu pai!

Então, a parte genial da série está nesse pequeno detalhe: O que Jonas faz? Salva o moleque das viagens, deixando a família dele feliz, e impedindo esse momento tão trágico... ou... ele deixa o moleque la, afinal, ele precisa existir no passado para que o próprio Jonas exista, visto que é seu filho.

Mas, se acha que tudo se limita a isso, está totalmente enganado. Tem muitas vidas em Winden, a cidade que brinca com o tempo, e Jonas, é apenas uma pequena peça num quebra-cabeças enorme! Que a Netflix e os produtores não sabem montar, e ainda perderam metade das peças.

O dilema de "Mudar o passado do meu amigo, que é meu pai", surpreendeu tanto a galera que eles decidiram aumentar. Pôr um nível a mais, deixar tudo mais complexo. Antes não bastasse a namorada de Jonas ser sua tia! Afinal, ele namorava a irmã do moleque que sumiu, eles precisavam incrementar com coisas mais complexas.

Em meio a isso, eles trabalharam com arcos secundários. A família do moleque reagindo a perda, e buscando por ele, cada personagem criando sua própria e complicada investigação.

Depois, tem os demais habitantes da cidade, cada um conduzindo sua própria investigação, enquanto também escondem segredos uns dos outros.

E por ai vai, com gente cochichando de um lado pro outro, pessoas pesquisando e buscando respostas, e mas nada surgindo de verdade.

Temos um cara, velhinho, que fala nada com nada, mas que é suspeito. E temos cicatrizes, marcas em pessoas, coisas que nos fazem questionar o que houve.

Com falas pausadas, discursos lentos, monólogos misteriosos e filosóficos, e claro, mais pausas. Assistimos e acompanhamos o desenvolvimento lentíssimo de uma trama que encerra justamente na seguinte resolução: Nada pode ser mudado.

Sim, na primeira temporada torna-se estabelecido que, o tempo é imutável. Nada que foi feito, deixará de ser feito. Sabe o moleque que é pai do Jonas? Ele se mata no futuro, e isso faz o Jonas meio que se traumatizar por um tempo. Isso ocorre antes do desaparecimento do moleque, mas no fim das contas, poderia ele impedir o suicídio de seu pai?

A resposta é: Não.

Ao tentar impedir, ele causa o suicídio, ele quem estimula, e descobre que o tempo, é intransponível, inalterável. Nada pode ser modificado, e qualquer tentativa feita, é porque já foi feita antes, no ciclo infinito.

Jonas conhece sua versão adulta, conhece sua versão idosa, e os 3 tem suas próprias motivações. Você fica pensando "Meu deus, qual será a conclusão disso tudo? Como que ele pode se tornar isso, se ele ta tão focado em seu objetivo? Mas como assim ele é o vilão?" sim, dúvidas estas que nunca serão respondidas. 

Com as regras de viagens possibilitadas apenas no intervalo de 33 anos, ficamos na expectativa. Aliás, é explicado que os portais do tempo se abrem a cada 33 anos por causa do universo, que sempre fica exatamente do mesmo jeito a cada 33 anos. Por isso, os personagens ficam pulando pra 33 anos no passado, ou no futuro, mas é sempre naquele ciclo ali né... ai você pensa "Mano, isso vai ser importante"... heh... ingênuo.

Pois na segunda temporada, o desejo por mais, causou o início do fim.

A segunda temporada


Uma vez revelado que Jonas, quando atingir a velhice, vai virar um psicopata manipulador de pessoas que convenientemente, manipula até mesmo sua versão jovem pra conseguir o fim, nós nos sentimos perdidos, claro, ele queria trazer ao mundo o Apocalipse!

Jonas jovem, perdido no tempo, Jonas adulto, badass pra caramba, buscando e enfrentando seu rival, Adam, que é justamente Jonas velho, quem ele se tornaria.

Como tudo iria ficar desse jeito afinal? Se eles sabiam do futuro, porque não mudavam logo de uma vez? Claro, o tempo não pode ser mudado... mas porque não tentam? EXATAMENTE.

Na segunda temporada eles gastam vários episódios pra incluir novos personagens, novas reviravoltas, temos Claudia, uma viajante idosa que influencia sua eu mais jovem pra se tornar viajante, prometendo a vida da filha dela, que ELA NÃO DAVA A MENOR IMPORTÂNCIA. 

Temos Noah, um misterioso e assombroso padre que apenas ta matando crianças pra criar uma máquina do tempo, seguindo as vontades de Adam.

Tem um policial novo na cidade, que ta investigando os desaparecimentos, mas no fim, só ta tentando descobrir quem matou seu irmão. E acredite, você até pode saber quem matou, mas nunca saberá o motivo.

E temos muito mais enredos aleatórios, relações temporais, todo mundo começa a viajar no tempo, e começam os exageros.

Charlote, mãe de sua própria mãe. Ela descobre isso depois de do nada, ser revelado que ela é neta do Relojoeiro, mas que não é neta biológica. Mistério plantado... quem é o Relojoeiro? Ninguém liga.

Alias, o Relojoeiro, falemos dele: Ele construiu a maquina do tempo e ele escreve um livro sobre o tempo, que no fim, ele recebeu no passado, de um viajante no futuro.

Sim, ele era o responsável por tudo, mas ele não tinha como ser se tudo já não existisse: Paradoxo... looool.

Mas a série não da importância pro CRIADOR DA MÁQUINA DO TEMPO. Ele é só um velhinho triste e solitário que morre um dia e ninguém vai no enterro provavelmente.

Mas ai continuam as enrolações. Pai volta no tempo pra resgatar o filho, e tenta matar o assassino do filho, ainda criança, só que isso faz ele ficar preso no passado, e envelhecer, sem jamais resgatar o filho.

Tem... eu não vou mesmo fazer isso contigo.

Sabe, tem tantas histórias alternativas e vidas sendo contadas que daria pra descrever e relacionar pra sabe, suprir aquela necessidade detetive e curiosa dentro de nós. Mas o fim descarta isso.

Ainda na segunda temporada, nos deparamos com uma revelação que já nos mostra como tudo ta começando a ficar forçado de mais: Jonas não morre.

Noah, seu fiel escudeiro, tenta matar ele na base do tiro, e a arma falha, todas as vezes. Eu nem vou dizer a razão dele fazer isso pois, é irrelevante... se ta curioso, ta: Jonas escondeu o fato dele ser pai da Charlote, a moça que é neta do relojoeiro... grande coisa né?

Mas enfim, ele tenta, e não da certo, ai vem uma moça, e ela usa a mesma arma pra executar ele ali mesmo, mostrando que o Destino impede balas de saírem das armas.

Guarde bem esse momento ta. 

Enfim, depois dessa revelação, forçada sim, mas que acaba justificando a impossibilidade de mudança no tempo, assistimos uma nova revelação: Existem outros universos.

Sim, do nada Martha, a namorada do Jonas, morre, assassinada pelo Jonas velho. O Jonas adulto podia ter impedido, mas, por causa do roteiro, ele nem tentou. Então, diante o corpo da Martha, aparece a Martha, de outra dimensão, e leva o Jonas com ela.

Que final! Agora, tudo ficará mais complicado!

Alias, lembra do esquema de 33 anos? Essa segunda temporada descarta isso pouco a pouco. Primeiro, botando personagens em 66 anos no passado, 66 anos no futuro, e assim, abrangem um patamar e uma teia de eventos muito maior! Que legal!!! Né???

A terceira temporada


Legal... a terceira temporada já começa mostrando que não há mais regras. Afinal, temos dimensões diferentes, então, algo gerou essas dimensões.

Uma única alias, a dimensão onde Jonas nunca existiu. Se ele se matasse, isso criaria um mundo alternativo onde ele não nasceu, mas, os eventos permaneceria. Ainda tentariam criar as máquinas do tempo, ainda iriam ter viagens, e ainda haveriam pessoas cometendo erros... é isso que somos levados a deduzir... mas até isso ta errado.

Muita gente viajou, muita gente foi pro passado e fez nheco-nheco com pessoas que não deviam e ai, criaram famílias estranhas.

Um mundo sem Jonas, mas tinha Martha, outro fruto de irregularidades temporais. Tinha também um monte de outras pessoas, como a própria Charlote, que ainda existia, logo, rolou coisa ali também.

Mas quem disse que tudo se resume a isso? Não! As complexidades temporais da outra realidade permanecem sendo abordadas. Cada vida, gerando mais vidas, e mais confusão. E nós acompanhamos isso, enquanto nos perdemos e acabamos confiando na série... confiança essa em vão.

Algo começa a incomodar: Tudo que é dito, é desmentido cenas depois.

Isso não ocorre uma vez ou outra, isso ocorre sempre. Os personagens declaram algo, falam que farão algo pra impedir algo, e no fim, eles mesmo dizem "Mas eu menti".

Isso é feito no intuito de criar suspense, de alimentar um mistério crescente, mas acaba ficando tão repetitivo, previsível, massante e enjoativo...

A fórmula do mais é aplicada novamente: Mais tempos, mais vidas, mais famílias, mais paradoxos, mais mistérios, mais apocalipses. Agora existem 2 apocalipses, um em cada mundo. E existem dois vilões, Adam e Eva! Sendo Eva a Martha idosa.

Não bastasse, agora tem também mais um personagem misterioso, um jovem rapaz que anda com uma criança e um idoso, e trabalha fazendo as vontades de Adam, e Eva. Esse jovem? É o filho do Tempo.

Ele é tido como a Origem, o grande mistério, o resultado da união de Martha e Jonas! Dois seres que não deveriam existir... faz sentido, claro que faz, até isso ser descartado. Lembra, eles mentem.

O vilão que tudo sabe, nada sabe. Os planos elaborados e super bem arquitetados, não tem qualquer consequência final. O "Paraíso", declarado desde o começo de tudo como o final, não existe, e depois de tudo o que é feito, todas as histórias misturadas, toda a bagunça, assistimos o vilão com cara de tacho dizendo "Ué?! Não funcionou".

As respostas la dos eventos da primeira temporada são as únicas com peso dramático eficaz, as únicas que nos fazem entender e sentir algo. As demais respostas, e mistérios, soam forçados.

Tudo parece ser muito, superficial. Mas foi trabalhado até então como um marco. Como, a pele do Adam, que é toda queimada, e soa como algo relacionado ao seu desejo pelo Vazio e escuridão. Só que, não é nada, é apenas queimaduras por eletricidade, depois de um acidente que é tão sem importância, que nem é mostrado.

O corte no rosto de Martha, um corte que suas versões do futuro mostram, parece ser uma cicatriz que foi tão importante que a marcou, psicologicamente, a fazendo matar inclusive seu Jonas! Mas não, quando é revelado, foi só um corte feito às pressas por sua eu mais velha pra mostrar que ela nunca será diferente.

Aliás, tem outro corte, um na bochecha, mas não é importante não, tanto que depois no final, os editores de continuidade deram de ombros e deixaram na bochecha oposta.

O que soava importante, se torna irrelevante. Não valia a pena prestar mais atenção em nada. Respostas como "ele é manco, pois tropeçou quando criança", "ele é cego, pois teve catarata". É tipo isso que vem surgindo. Nada mirabolante, nada que recompense a espera e o mistério, são respostas simples, previsíveis e nada impressionantes. 

O tempo já não é mais imutável, afinal, se alguém faz uma escolha diferente, ele não cria outra realidade, ele apenas cria uma nova camada no tempo. É assim que eles chamam a Dualidade Temporal. Eles falam que todos temos decisões, e se escolhemos, isso nos mantém na mesma linha do tempo, mas duas versões de nós, uma na camada de cima, outra na camada de baixo.

Mas a ideia de outra realidade se mantém também, ainda existe um universo sem Jonas. De onde ele surgiu? A série começa a se perder em explicações, chegando ao cúmulo de ser forçada a incluir uma terceira realidade.

E é ai, que o corpo é exumado, abusado por um necrófilo, e cremado, só pra ser ser fumado num cachimbo pelo mesmo tarado. Foi isso que eu vi.

Um resultado igualmente nojento, que precisa contar com um artifício de último instante, pra só assim, desfazer tudo e dizer "Nada aconteceu.".

Qual que é esse grande final? O Relojoeiro. Ele construiu uma máquina do tempo pra impedir que seu filho, nora e neta morressem num acidente de carro, mas a máquina explodiu seu mundo, dividiu em dois, em que eles também morreram, e cada mundo ganhou suas máquinas do tempo, entrando em ciclos infinitos de viagens temporais e vidas entrelaçadas.

Pra desfazer tudo, Jonas, e Martha, viajam pro mundo dele, no exato momento em que ele explode tudo. Não importa a data tá, a série não quer mais explicar nada, só quer fechar, então não tem explicações, eles descobrem o tempo como passe de mágica e teletransportam pra la como passe de mágica. Tudo é mágica.

Depois disso, eles impedem o acidente, e impedem o Relojoeiro de fazer a primeira máquina do tempo. Isso impede eles de existirem... e fim.

Os dois mundos extras somem, o Relojoeiro nunca faz sua máquina, e nunca há viagens no tempo.

Como isso é possível se Marta e Jonas estiveram ali? Não deveria isso criar um paradoxo temporal que... não gente, não pense, apenas aceite, fim.

A série não merece os neurônios que consome para nos fazer decorar e acompanhar as milhares de tramas que finge contar.

Ela tem uma fotografia excelente, cenários magníficos, que você vê as passagens de tempo, você realmente sente que aquele é o tempo que ela aponta que é.

A cada transição de período temporal, um som de relógio toca nos fazendo navegar junto, e da aquela sensação constante de urgência. Vi algo assim em Harry Potter Prisioneiro de Azkaban, e é lindo de acompanhar.

Os atores, cada um é perfeitamente escolhido para que sejam semelhantes com suas contrapartes em outras linhas do tempo. Você realmente acredita que o Jonas jovem é o Jonas velho, foi uma escolha perfeita de atores, todo o elenco, tudo foi bem escolhido e montado.

A trilha sonora é maravilhosa, tanto as músicas originais de fundo, quanto as músicas de rádio tocadas em determinados momentos. Sempre no final de um episódio, há o costume de "montar as peças mostradas" enquanto toca uma música diferente. As vezes, isso é muito legal de acompanhar, mas as vezes parece que enfiaram só pra cumprir tabela. Se fosse num episódio ou outro, quando realmente tivesse peças pra conectar, sempre seria legal, mas, eles fazem isso todo santo episódio, e pior, as vezes nem tem nada pra "conectar".

As ideias de máquinas do tempo, são maravilhosas. O Túnel que bifurca, sozinho já renderia temporadas e mais temporadas, fácil. É uma ideia perfeita, curiosa, misteriosa, e sabe como ele nasceu? A série conta!!!

Viajantes do tempo construíram, eles escavaram o túnel em cavernas, e convenientemente ele da logo de baixo de um bunker, onde a primeira máquina do tempo, a Cadeira, foi usada por assim dizer. Os testes fizeram um portal de 33 anos de hiato se abrir.

Como a cadeira nasceu? Simples, viajantes do tempo queriam ter controle sobre isso então, fizeram testes com crianças com base em um diário, que eles mesmos escreveram, sobre eventos do tempo.

Como o relógio nasceu? Uma viajante do futuro trouxe os planos, tirados da mão de uma viajante de outra dimensão, e depois disso foram entregues pra um relojoeiro que manjava dos paranauês.

Como que a partícula de deus nasceu? Uma usina explodiu, influenciada pelos Filhos do Tempo, com em seus barris químicos algumas partículas do combustível usado nas viagens do tempo. Isso criou uma bola negra gigante, que dizem ser um buraco negro, mas não é não... e no fim causou os apocalipses.

Como a bomba do tempo nasceu? Acharam. Dane-se.

Sim, com o tempo respostas não precisam mais ser dadas afinal, acabou.

Se sentiu atraído pela história? Talvez seja divertido sim, mesmo sabendo que nada existiu, é legal ver um pouco de conflitos temporais e como eles se misturam. Uma solução definitiva em meio a paradoxos nunca é totalmente satisfatória, talvez, se tivessem se agarrado só a ideia da primeira temporada seria... mas não foi o caso... ainda assim...

A atuação lerda de todo o elenco, com falta de expressividade, e falas lentas, além de discursos expositivos constantes e repetições, com falsos alardes e promessas, tão constantes, que se tornam comuns, acabam fazendo dessa obra um tipo de Novela Mexicana Alemã.

"O Luiz Fernando é o Marido da sua irmã Elizabeth, mas ele não sabe José Ricardo, que Elizabeth é a mãe da Margarida, que na verdade, é avó do Carlos Augusto de Nóbrega Santiago III, o pai, da mãe, do avô, do pai, de Luiz Fernando!"

"Não creio!"

É isso o que você assiste, com sequências tão infinitas quanto o próprio tempo de pausas pra pensar e responder, as vezes nem responder, e vários minutos com personagens olhando uns pras caras dos outros, tentando lembrar o texto de suas falas.

São tantos momentos lentos, parados, que isso beira o ridículo, e sem querer exagerar, da vontade de pular as cenas. Além disso, a fala "Você saberá disso um dia" ou "Isso mudará tudo" ou "Está tudo conectado", é tão presente, e dita tanto, que nos da a certeza de que estamos sendo enrolados, mas a esperança nos mantém assistindo... até que, descobrimos que estávamos mesmo.

O final, o grande final, com as pessoas que nunca fizeram parte do ciclo então, estariam livres para viver normalmente na terceira dimensão, que na real, é a única... mostra a mãe do Jonas (que só pra constar, era sim uma das viajantes) grávida, do cara do olho zoado, e diz "Poxa, tive um sonho, Dark, muito Dark, Dark de mais, Super Dark, Darkaga! Dark num nível infinito, Dark pra todo sempre, Dark. Mas mesmo, DARK" Ela fala isso por tipo, 60 minutos (Não to mentindo!... ou será que tô? Você nunca saberá... pan pan pan!) e ai diz "Meu filho, se chamará... pasmem galera: Skywalker."

Sério, pior final da história, não sei o que a Disney tava pensando... pera... não eu errei aqui... ah que se dane não importa.

Lembra aquilo que falei pra você guardar na mente? Sobre o Noah e a morte dele? Pois é, na verdade ela é irmã do Noah, e uma traidora, que matou o próprio irmão.

Mas o pior disso, é que ela também é filha da irmã do Adam! Logo, teoricamente, Noah é sobrinho-neto de Jonas!

Se acha isso louco né? Pois é, mas a parte curiosa é que, Noah ajuda Jonas por um tempo no futuro, durante seu crescimento, e isso faz ambos virarem amigos. O ponto que eu quero chegar é que, ele já sabia que armas não funcionavam.

Ele encontra Jonas tentando se enforcar ainda jovem, e o salva, depois lhe da uma arma que ele testa e não funciona. Mas ela funciona contra a parede. Isso serve pra estabelecer o fato de Jonas não ter escolha, e Noah saber que não da pra matar ele, ainda jovem. Ambos eram jovens. Só que no futuro, esse mesmo Noah tenta matar ele?! E fica SURPRESO com o fracasso???

Erros assim tem aos montes, acredite. Erros de continuidade que não deveriam acontecer, ou falhas no roteiro que apenas adiantam para justificar eventos mas logo são descartadas. Jonas não pode morrer? Balela! Quando ele ta em outra dimensão atiram nele e ele morre, sem influenciar seu futuro.

Pode ser por estar em outra dimensão? Claro! Mas quem disse que esse é o problema? Com a solução da dualidade temporal, a série passa a incluir doppelgangers com a mesma idade dos personagens. Duas Claudias Jovens, dois Jonas jovens, duas Marthas Jovens (na real, aparece bem mais Marthas), e etc.

É uma festa de personagens mesclados, e você fica pensando "Caraca, então naquela cena, era o Jonas jovem da linha temporal 1 ou da linha temporal 2? A Martha? Tem 20 ou 30 dela?"

O filho do Jonas com a Martha, a Criança do Tempo, totalmente fora do contexto temporal, que influencia geral. Ele aparece na terceira temporada, é dito como importante, é creditado e destacado com os holofotes, pra ai... ser só mais uma das peças descartáveis.

No fim, tudo que importa é: Porque o cara do olho perdeu o olho?

Bora fazer o seguinte... sei que talvez você esteja meio perdido afinal, eu citei nomes, falei de personagens, mas tipo, ta tudo muito bagunçado né? Então bora arrumar tudo. Aqui vai uma lista, com resumo de cada personagem e o quão importante é na história. Esteja preparado, e frite seu cérebro, com essa coisa inútil:

Personagens

Adam


É o Jonas, depois de pirar na batatinha quando ficou preso no século 18 ou 19, sei la. Ele teve que viver seus 66 anos manipulando tudo e descobrindo as verdades do mundo, só pra no fim, ver que foi burro pois nada sabia. Ele acha que sabe tudo, mesmo, e mente pra todo mundo, prometendo um paraíso. Só que ele não sabe nada, ta só agindo por uma fé cega no acaso, e buscando finalizar algo que ele sabe que é infinito, e ainda tem a cara de pau queimada de ficar surpreso.

Benni


É uma garota de programa transgênero que secretamente esconde os barris químicos descartados da usina. Ela também transa com um cara que tem família, tudo isso em seu trailer. Além disso, ela da dinheiro pra filha desse cara, e é dito que é por um "serviço que ela presta" mas demora até ficar claro o que ela fazia. É sugerido que ela se prostituía, mas logo ela descarta isso pelo namorado da mocinha, só que ainda fica o mistério da razão dela pagar pra ela. Também chega a ser subentendido que ela paga pra Benni ficar calada ou algo assim, mas não, esse também não era o motivo. A explicação é simples: Ela vendia drogas hormonais pra Benni ser mais feminina. Fim. Que grande explicação né.

Clausen


Detetive sem importância que toma protagonismo de metade da segunda temporada mas DESAPARECE (não como parte da história, ele só some mesmo) do enredo depois de explodir com a usina. Ele quem teria causado a explosão ao xeretar onde não devia, mas depois isso é desmentido. Esse detetive foi pra Wenden fingindo que ia ajudar a descobrir o paradeiro das criança tudo, mas ele tava só querendo encontrar o dono da Usina e provar que ele era o assassino de seu irmão. Nunca é revelado o que realmente ocorreu, mas é fato que o dono da usina matou o irmão dele e roubou a identidade. 

Bernd Doppler


O cara que construiu a Usina. Ele é pai do assassino, só isso. Sério, nada sobre ele é realmente importante. Ta, ele criou a usina na década de 30 ou 40, sei la, mas ele some da mesma forma que aparece, sem qualquer destaque. Ele manca de uma perna, nunca é revelado a razão, mas provavelmente é por ter tropeçado quando criança. Indiferente.

Charlotte Doppler


Adotada, ela acha que sabe quem é mas sabe nada. Ela é a detetive que assumiu o caso dos desaparecimentos e aos poucos, descobre sobre as viagens no tempo, se tornando, na terceira temporada, uma das viajantes, única sobrevivente à explosão da usina (diretamente né). Ela tava la pois tentou impedir o outro detetive de lascar tudo, mas isso a ajudou a encontrar sua filha, e mãe... ela é filha da própria mãe. "Doppler" é o sobrenome da família do marido, mas ela não tem sobrenome de solteira real, pois tecnicamente, foi adotada sendo tirada do futuro e levada pro passado. Ela é a grande responsável pela fúria do Noah.

Elisabeth Doppler


Uma garota muda, que na outra realidade fala e quem é muda é a irmã dela, essa mocinha é filha da Charlotte, mas ela sobrevive à explosão da usina e ao apocalipse, junto de seu pai, e ambos buscam pela mãe até ela quase ser estuprada, o pai ser morto, e ela ter de crescer junto do Noah (jovem). Eles se apaixonam, tem uma filha, e ai um dia ela desaparece ainda bebê. Noah fica loucão, e promete encontra-la a qualquer custo, mas na realidade, quem sequestrou o bebê foi a própria Elisabeth, junto de Charlotte, sua mãe, e elas levaram ela pra adoção, pois ambas sabiam que Charlotte era mãe de Elisabeth, e Elisabeth mãe de Charlotte, e isso não podia mudar ou ambas virariam pó.

Franziska Doppler


Essa personagem é aquela que recebia grana da garota de programa e dava drogas em troca. Tecnicamente, ela é uma trambiqueira mesmo, mas ela se apaixona por um cara e isso faz ela ficar como coadjuvante principal a série toda. Ela não tem importância alguma, apesar de ser filha da moça que jamais existiu, logo, ela nunca deveria ter existido né, já que Charlotte é filha de sua irmã, e sua mãe.

Greta Doppler


Mulher chata, esposa do cara manco, mãe do assassino, que tem cara de sociopata e hábitos equivalentes. Ela não é importante, só se acha top e fala com soberania acima de todo mundo, mas ela tem uma queda pelo Noah, por achar que ele é gostosão, um padre gostosão.

Helge Doppler


O assassino, esse cara foi tirado do passado pelos testes nas máquinas do tempo e foi o único que sobreviveu à cadeira. Ele basicamente testou a segunda Cadeira, e viveu, então, ele é um herói! Só que, ele matou todas as crianças que testaram a cadeira antes dele, pois foi treinado pra isso depois de crescer. Na tentativa de impedi-lo, o pai de uma das crianças viaja pelo túnel e tenta esmagar o crânio dele com uma pedra, mas falha, e o moleque sobrevive. Ele então fica com uma orelha a menos em uma realidade, e cego de um dos olhos na outra, mas permanece cometendo seus crimes. ELE SOME DEPOIS QUE PERDE A IMPORTÂNCIA. Sua versão mais velha tenta mata-lo, mas falha, e sua versão de outra realidade tenta se entregar, mas também falha, e ambos ferram com a vida de inocentes.

Peter Doppler


Esse é o cara que traia a esposa com a Benni. Sem qualquer relevância, ele cuida da Elizabeth quando eles sobrevivem, mas ele morre fácil na luta contra o estuprador de sua filha. Claro, ela consegue vingar na mesma moeda, esmagando a cabeça do pervertido e se traumatizando em seguida. Detalhe, na realidade 1, ele quem encontrou um dos corpos teletransportados pelo tempo, e ajudou a esconder, ao lado do pai da mesma criança. Ele já tinha conhecimento sobre as viagens mas, fica mó mistério sobre o tamanho de seu envolvimento, e na realidade, era só isso mesmo. Ele achou um corpo.

Edda Heimann


Essa é a médica que investiga o corpo encontrado por ele. Ela nem tenta fazer teste de DNA nele. Só aparece pra dizer "É impossível preservar um corpo por tantos anos amigo" e pronto, sem relevância. Se tivesse solicitado um teste de DNA, teria adiantado muita enrolação.

Yasin Friese


Um pirralho surdo e mudo que sumiu no tempo, foi usado na cadeira e morreu, tendo seu corpo descartado no passado junto de um outro jovem, com o mesmo destino. Sem qualquer importância, ou relevância, ou até mesmo impacto, a família dele nem aparece! O garoto era namorado de escola da moça muda...

Gretchen


Um cachorro... que viajou... NO TEMPO! Ela viaja e volta pra própria dona 33 anos depois. Ela é de longe a personagem mais importante da história, pois prova, que animais, sobrevivem às viagens no tempo, e que as aves que morriam no céu quando a caverna fazia efeito eram apenas coincidência, que jamais é explicada. Alias, as aves mudavam de cor pela radiação das usinas então, provavelmente morreram intoxicadas pelo gás.

Hanno Tauber


Também conhecido como grandessíssimo filho de uma enorme... é... Noah... ele teve seu nome mudado para agir livremente em todas as linhas do tempo. Fica subentendido que ele passou a usar as cadeiras pra viajar, mas, na verdade, como o bunker onde elas tavam instaladas não tinha mais cadeira nenhuma, foi revelado que ele usava as cavernas mesmo, e ele mesmo ajudou a escavar o túnel e ativar, em diferentes linhas do tempo. Ele executou várias crianças pra testar sua máquina, usando um diário sobre o tempo que dizia quem sumiu (assim, ele fez o tempo seguir seu curso). Ele só fez isso pois Charlote, sua filha, sumiu no futuro e ele queria a encontrar, seguindo as orientações de Adam. Detalhe: Ele deixou de ser amigo de Jonas pois suspeitou que ele deu fim em sua filha, mas, ele segue cegamente Adam, mesmo sabendo que Adam é Jonas, e no fim, ele ainda faz questão de ficar surpreso quando acha as páginas perdidas que revelam que Charlote, sua filha do futuro, é Charlote, a detetive. Nossa! Ele morre tentando matar Adam, logo, ele deve ter problema de memória mesmo.

Jonas Kahnwald


O protagonista. Assim como 90% do elenco, ele só tem uma expressão, e costuma esquecer as falas o tempo inteiro, parando sem respirar até lembrar. O cara é catatônico ao natural e um belo aspirante a Henry 2.0 (favor ver referências em Silent Hill 4). O único que presta no elenco é sua versão adulta, que chora bonito. Ele é bobão, não sabe como reagir então ele segue todo mundo mesmo. Se pedirem pra ele ir pra um lugar, ele vai. Ele desconfia de todo mundo mas obedece todo mundo. Até quando ele decide finalmente lutar contra geral e dizer "Chega, não vou mais obedecer" ele continua obedecendo, e só ferra mais a linha do tempo. Se ele não tivesse feito nada, nada teria mudado, mas quanto mais ele mexeu, mais destruiu tudo até cair no esquecimento. Jonas significa "Dark"... se não significa, é no mínimo a descrição perfeita pois ele é a personificação da série.

Jürgen Obendorf


O pai de um dos moleques que sumiu. Ele é pobre, e vive num trailer, perto de uma fazenda de maconha, eu acho. Ele e o filho vendiam drogas numa escola, mas curiosamente, o policial que investigava o desaparecimento do filho dele e do próprio, encontrou as drogas e deixou ele solto mesmo, dane-se. Na outra realidade, ele escondia os barris de lixo radioativo em caminhões ao invés da Benni.

Erik Obendorf


Esse é o filho sumido do cara. Morreu usado na cadeira.

Ulla Obendorf


Esposa do cara, sumiu da história.

Daniel Kahnwald


Eu nem lembrava desse personagem. É o pai da Inês. Sem importância.

Eva


Qualquer semelhança não é mera coincidência. Eva é a contraparte de Adam (Eva e Adão) como referência bíblica. Ela inclusive comete os mesmos erros, e tem a mesma filosofia, apesar de fingir saber mais que todo mundo. Adam fazia o mesmo então, tanto faz. Em sua realidade, ela é a vilã manipuladora que faz tudo pro Tempo continuar em Fluxo, e sim, ela é Martha, velha, que mudou de nome pra... sei la meu nunca é explicado porque mudaram as identidades. O Jonas faz sentido, pois ele ficou desfigurado e sei la, quis assumir uma vida nova, mas ela? Ela fez um corte nela mesma no olho (ELA MESMA CORTA DE PROPÓSITO) e ai muda? Ai ai... enfim, Eva é... irrelevante por incrível que pareça, pois apesar de manipular as duas realidades e o tempo (Adam só manipulava o tempo, só que, ele tinha conhecimento sobre as realidades), ela soa como uma vilã forçada incluída só pra justificar um novo inimigo escondido com vários planos misteriosos, e o plano dela era... nenhum. Ela queria só fazer o tempo fluir e pronto. Adam tenta matar ela, e ela joga na cara dele que ele sempre faz isso, sempre mata ela naquele momento, ai ele mostra que não, que a arma ta vazia, e isso não interfere em absolutamente nada pois, Dualidade temporal? Múltiplas realidades? Brecha no Intertempo? Tanto faz! Ele muda o fluxo do tempo e isso não afeta absolutamente ninguém. E só faz isso, quando já ta tudo terminado mesmo.

Hannah Kahnwald


Hannah... ah essa moça. A mãe do Jonas, ela tinha sua própria história profunda e cheia de reviravoltas. Ela era amante do pai do marido dela... mas que ela não sabia que era o pai do marido dela. Basicamente, ela se casou com o moleque que viajou no tempo, certo? Mas ele era na verdade filho de um cara que, no futuro, ela iria ter um caso. Só que esse cara era casado, então já viu né? Hannah manipulou ele com mentiras, fez ele ficar boa parte da juventude preso por abuso de estupro! Tudo pra evitar que ele ficasse com outra mulher, mas não deu certo, ele se casou assim mesmo, e só foi trair a esposa com ela bastante tempo depois, quando ela se tornou viúva. Bem, não satisfeita, Hannah viajou pro passado, encontrou esse cara (que viajou pra tentar encontrar o filho) e deixou ele no vácuo, viajando mais ainda no passado pra sumir e ter uma nova vida, já que Jonas sumiu, dane-se. Ela conheceu um cara (também casado), teve uma filha, e ai, tentou levar pro Jonas cuidar, este no passado só que velho, que tava pirado. Ai ela morre asfixiada na cama, pelo Jonas mesmo, e fim de Hannah. Moral da história: Tem não.

Ines Kahnwald


Essa é uma mulher que, não tem relevância também, sério. Ela é uma enfermeira que adota o moleque que viajou no tempo e cria ele como seu filho. Isso faz ele virar marido da Hannah e pai do Jonas no futuro. Essa moça teve a oportunidade de devolver o garoto pro pai dele, que viajou no tempo pra resgata-lo, só que como o cara tava velho de mais, ela não acreditou, e decidiu se esconder com o menino por meses, e ai, ninguém mais ligou.

Michael Kahnwald


Esse é o grande primeiro viajante da trama que, tecnicamente, só fez bagunça, sem ter culpa. Ele foi arrastado pelo Jonas (uma versão jovem, mas de outro tempo, alguns dias depois do ocorrido) para os túneis, e deixado pra ser encontrado no passado. Michael tinha outro nome, mas precisou mudar quando fez nova identidade e entrou pros Kahnwald. Ele por um bom tempo viveu no trauam de estar em outra época, mas, foi se adaptando e envelheceu bem... se casou, teve filho, e cometeu suicídio quando seu filho voltou no tempo e disse, repetidamente: "Pai, não se mata, sei que devia, sei que você tem motivos, sei que deve tar pirado, pai, eu sei que as coisas tão uma merda e é tudo culpa sua, sei que eu vou deixar de existir se você não fizer isso, pai, eu sei que você ta sendo traído, sei que você ta sofrendo de mais! Mas pai, ta vendo essa corda? Aqui, essa, pai, ESSA AQUI Ó! Não use ela pra se enforcar ali, naquela viga no porão, vem cá, eu te mostro... pai, lê essa carta, decore ela, pai, não escreva ela pra mim, não faça isso, nunca! Entendeu, valeu.... sentirei sua falta!".

Agnes Nielsen


Essa é uma mulher viajante do tempo, que junto de Noah, começa a explorar os mistérios temporais, mas diferente dele, ela se une ao outro lado dos vilões, por um tempo, até trair geral e ir pro mesmo lado dele e matar seu maninho. Agnes é tecnicamente sobrinha-neta de Adam, e por um tempo viveu no passado e teve um filho. Ela abandonou ele praticamente quando passou a voltar a viajar no tempo, e sinceramente, não faço ideia de como ela terminou. Ela tinha um caso com uma outra mulher, mas de qualquer forma ela se torna irrelevante, apesar de ser quem mata Noah.

Jana Nielsen


É a mãe da primeira criança que sumiu 33 anos no passado, e avó da segunda criança que sumiu, o pai do Jonas. Sem mais nada de importante... sério, ela só chora quando aparece ou tem diálogos sem impacto algum, mas, foi quem se casou com o filho da moça acima.

Katharina Nielsen


Mãe de 3 crianças, uma viajou pro passado e virou pai; outra, namorou o pai do seu irmão; e o outro, fez sexo várias vezes com a ruiva. Katharina é agressiva, ciumenta, e enche o saco de geral mas, é uma boa mãe, só que perdeu os 3 filhos, e foi procurar um deles viajando no tempo, encontrou a própria mãe que agredia ela quando criança, e encontrou seu próprio marido preso num asilo. Tentando resgata-lo, ela morreu atacando a própria mãe que se defendeu e jogou ela num lago. O colar que a mãe dela usava, virou simbolo do amor de Jonas e Martha. Aliás, Katharina se chama assim justamente por causa desse colar. Acontece que Hannah voltou no tempo pra procurar o marido da Katharina né, com quem tinha um caso, porém pra chegar perto dele na prisão, ela mudou o próprio nome pra Katharina, assim Hannah conseguiria atrair a atenção do cara e ainda por cima alegar que era sua esposa. Só que, depois de encontrar ele, ela da um fora nele só de birra, a viaja mais pro passado ainda onde tem outro caso com outro cara e engravida. Bem, numa clínica de aborto, ela conhece a mãe da Katharina ainda criança (provavelmente vítima de abuso), e desiste de abortar após ver a situação dela. Ela carregava consigo um colar que foi um presente de seu amante da época, e como a menina acaba gostando, ela tira o colar e da de presente. Pois bem, a menina pergunta o nome dela e fica maravilhada, e depois disso, sua próxima filha (provavelmente ela abortou aquele mesmo, mas depois teve outro) ela da o nome que Hannah disse: Katharina. Pois é, Hannah é a responsável pelo nome da Katharina. Detalhe: Isso causa 2 furos na série. Primeiro, na segunda realidade, Katharina também se chama assim, porém não faz sentido, já que Hannah ao voltar no tempo jamais mudaria o nome pra "Katharina", afinal ela quem era a atual esposa do Ulrich. Sim, ela até poderia mudar o nome pra ter uma nova vida, mas nada justifica a escolha de "Katharina", não nessa outra realidade (a amante de Ulrich na outra realidade é a Charlotte.); Segundo, no final da história, Katharina é uma das sobreviventes pois nunca fez parte, teoricamente, do ciclo infinito. Porém como o nome dela ta relacionado, e como ela (adulta) foi responsável pelos traumas da própria mãe, que por sua vez descontou nela (jovem), ela deveria sim ser uma das descartadas no final, ou ao menos ter o nome mudado. Sua natureza é sim afetada pelo tempo.

Magnus Nielsen


O que falar dele? É um dos filhos da Katharina. O cara é um ótimo personagem que sabe ficar em pose e não adicionar nada na trama. Vira e mexe aparece fazendo sexo, e é isso. O enredo da suspeita sobre o que a ruiva fazia pra Benni é justamente dele, mas não leva pra lugar nenhum, revelação nenhuma em termos de impacto. Ele e sua amada vivem juntos e envelhecem juntos, viajando no tempo e seguindo cegamente as ordens de Jonas, enquanto o próprio Jonas vai se tornando o Adam. Eles nunca questionam ele, afinal, nem precisariam, tão juntos. 

Martha Nielsen


A filha da Katharina, ela é a namorada do Jonas. O legal dela é que, apesar de não ter relevância na primeira temporada além de mero par romântico proibido, quando fizeram a ideia da segunda realidade, quiseram fazer ela virar meio que, o Jonas do outro mundo. Ela também faz o mesmo que ele, até usa o mesmo tipo de roupa que ele, mas ela nunca se apaixonou por um Jonas, até conhecer o Jonas! Mandada... por ela mesma, ao passado, de outra REALIDADE. Martha morre, baleada no bucho por Adam, sim, Adam, que faz isso dizendo "é o único jeito de salvar você", daí sua versão de outra realidade assume o protagonismo ao lado de Jonas, tentando impedir que ela mesma, mate Jonas, pois "é o único jeito de salvar você". Isso fica assim. Martha da outra realidade tem um relacionamento com o filho desaparecido do cara la do trailer, mas depois ela meio que ignora isso, pra dar uma chance pro Jonas, que ela acabou de conhecer. Eles se apaixonam, e em questão de horas, ela cria um amor enorme por ele, que só é explicado depois como "Um elo do destino". Ela engravida dele e isso é errado! Pois cria a "Criança do Tempo", mas é pura balela romântica que é ignorada no final, pegam ela e a Martha e falam "seis começaram, vai la e termina", sendo que na verdade, olha quanto mais bagunças temporais já rolaram! Tem bem mais responsáveis.

Mikkel Nielsen


Esse é o filho mais novo da Katharina, e sim, ele é o grande viajante do tempo! Ele cresce e vira papai do Jonas, mas nem se toca disso até o Jonas do futuro voltar e fazer ele refletir "Caramba, é mesmo, eu era amigo dele no passado, que coisa hein!?". Ele se mata e deixa uma carta pro Jonas que é confiscada pela mãe dele (aquela que o adotou). A carta dizia pra só ser aberta em determinado dia, e determinado horário, e fica o mistério por um tempo até que ela é aberta e diz "Galera, hoje sumiu um muleque, sou eu, nem grila, eu to bem, ou tava... é eu morri agora, mas eu vivi até os 40 e pouco! Favor não olhem meu histórico na internet, é isso... fui". Com tudo o que ele diz, a mãe dele passa a acreditar que ele é mesmo um viajante do tempo e só depois da a carta pro Jonas, que também passa a acreditar. Mikkel era um garoto peralta que gente, ele só fazia truques de mágica e fez talvez o maior truque do mundo: Sumiu e reapareceu 33 anos depois, no mesmo dia. 

Tronte Nielsen


Esse é o pai de uma das crianças desaparecidas, alias, a primeira criança que sumiu, 33 anos no passado. Esse cara é bem irrelevante, apesar de também ser aquele garoto filho da irmã do Noah, logo ele teria ligação na linhagem familiar de quem? Sim, Adam. Bem, ele também é quem encontra o corpo misterioso no bunker que surge num portal do tempo, e descobre ser seu filho, mas sem poder lamentar muito, ele é levado a desovar o corpo no meio da floresta pro seu outro filho encontrar. Era tudo parte do looping.

Ulrich Nielsen


Esse cara, talvez quem mais se ferrou na história. Ele é o pai das três crianças ai, marido da Katharina, amante da Hannah (em outra realidade ele chegou a casar co ma Hannah mas traiu ela com outra mulher também), e é um detetive que busca descobrir o que houve com seu irmão, e com seu filho. Ele procura tanto, que acha a caverna segue o velhinho assassino, viaja no tempo, e tenta impedir ele de cometer os assassinatos, assassinando ele e dando motivos pra ele querer matar geral. Assim, Ulrich espanca uma criança com uma pedra, e em outra realidade um adulto também com uma pedra, e no fim, vai preso, no passado, sendo mantido assim por 66 anos. Todo mundo que tenta ajudar ele, se ferra, e ele morre na cadeia mesmo, esperando sua esposa salva-lo (que morre pra própria mãe). Se essa não é uma história horrível, gente... eu não sei o que é.

Mads Nielsen


O irmão do Ulrich. Ele que é a criança que caiu dura no bunker depois de passar pela cadeira sem sucesso, vital é claro. Seu corpo, sumido no passado, é encontrado quase intacto (tirando os olhos e ouvido... literalmente... sério eles queimaram...) e ninguém consegue identifica-lo, além de seu pai, já velhinho né, que só nota pois ele tava com um crachá, e seu irmão, que descobre depois de notar uma cicatriz no queixo. Infelizmente, não faz diferença o que houve com ele... no fim tudo é descartado mesmo, mas Ulrich ficou obcecado pois ninguém descobriu o que houve com seu irmão, e o policial responsável na época, adorava ferrar com ele. Esse policial, ele prendeu Ulrich jovem por estupro (mentira da Hanna), prendeu ele no passado, por tentativa de assassinato (sim, foi o mesmo policial, idades diferentes) e ainda por cima ficou empacando pro lado dele com perguntas desnecessárias, além de impedi-lo de ficar com seu filho na única chance que ele teve de escapar.

Silja


Irmã do Jonas, por parte de mãe, essa é a mãe do Noah e da Agnes. Essa moça foi deixada no futuro pelo Adam, depois que ele matou Hannah asfixiada, só pra que ela encontrasse ele mesmo e resgatasse. Que legal né? Ela é a primeira que da de cara com ele quando ele viaja pela primeira vez ao futuro. Depois disso, ela acaba voltando ao passado, também mandada pelo Adam, e se encontra com um cara viajante no tempo, com quem se casa e tem dois filhos, morrendo no parto do segundo. Fim de história.

Aleksander Tiedemann


Um cara que assumiu o sobrenome da esposa, depois de ter roubado a identidade de um cara que ele assassinou, 33 anos no passado. Ele se casou com a moça e herdou a usina da família dela! Detalhe, ele até que virou um mega funcionário super competente, apesar de esconder o lixo tóxico mal de mais e explodir tudo depois... só que, nem foi tudo culpa dele hein. Aleksander nunca teve seu passado mostrado de fato, e nem foi explicado a razão do homicídio que cometeu. Simplesmente, aconteceu. Ele chega a ser chantageado pela Hannah, nas duas realidades, mas isso nem tem qualquer impacto na trama. Em uma ela pede pra ele ferrar com a vida de Ulrich, na outra com a vida de Charlote (amante dele kkk). Mas ele não faz nada pois tinha B.O.s maiores, como o detetive chato que descobre sua identidade roubada e prende ele por matar seu irmão. Em uma realidade acho que ele morre na prisão mesmo, com a explosão de tudo, e na outra, ele quem abre os latões da usina, causando depois a explosão.

Bartosz Tiedemann


Marido adivinha de quem? Sim, da mãe do Noah e da Agnes, logo, ele é o pai deles. Bartosz é um cara mais inexpressivo que o Jonas, que também ficou com a Martha, mas que foi deixado de lado depois. O cara ainda assim vira um viajante do tempo, trabalha com seu próprio filho (sem saber) e ainda por cima, resgata Martha, quando preciso, ou tenta né. Ele era gente boa apesar de bobão, e no final, teve la os filhos mas, acabou se lascando assim mesmo pois seguiu o Adam.

Claudia Tiedemann


Essa é a antiga dona da usina, quem inclusive começou as viagens tudo no tempo (todo mundo foi pioneiro ta). Ela influencia bem mais que o Adam ou a Eva, e chega ao cúmulo de ser quem mais tem respostas de toda a história. Ela matou sua outra eu de outra realidade e assumiu sua posição, fingindo ser de outra realidade, mas na verdade era um espiã independente, que só buscava uma coisa: Deixar sua filha viva. Detalhe, ela nem ligava mesmo pra filha antes de viajar no tempo, e ela chega a insulta-la várias vezes, além de negligência-la. Só passa a amar a filha depois que começa a viajar no tempo e vê que a filha morre de câncer, assim como seu pai morreria, se ela não tivesse é claro, matado ambos. Irônico, que ela mata o próprio pai quando ele ta velho, tentando "salva-lo", e ela mesma manda seu pai de outra realidade matar sua filha, quando ela já ta com câncer avançado. No final, ela quem diz "galera, tem uma terceira realidade, por favor, faz tudo sumi!", e deixa o Adam com cara de tapado pois foi manipulado o tempo todo. Furos no roteiro é o que mais tem com ela, tipo, ela diz isso pro Adam e ele fica chocado por ver ela viva, sendo que ele sabia da Dualidade Temporal e da Dupla Realidade, inclusive tinha acabado de matar pela segunda vez a Martha. O fato dela matar a si mesma de outro universo e assumir seu papel assim, como se tudo soubesse. O fato dela encontrar respostas por conveniência de roteiro, visto que nem tem pistas pra ela. Ofato dela... há mano, você entendeu. Ela tem aquele negócio no olho que deixa um de cada cor, heterocromia.

Doris Tiedemann


Mulher que traiu o marido com outra mulher, sim, com a irmã do Noah. Não tem importância, apesar dela ter causado a bebedeira do marido. Tecnicamente, ele também traia ela com a Hannah.

Egon Tiedemann


Esse é o cara, o policial que acabou co ma vida livre do Ulrich, mesmo quando nem sabia que ele era o Ulrich. Parece coisa né? O cara fez tudo sem querer, pra destruir ele, e no fim, ainda saiu de boa. Morreu pra própria filha sim, mas foi acidente seguido de negligência. Egon era até que um bom policial, até conhecer Hannah, arruinar seu casamento, falar pra ela abortar um filho, e ser abandonado por ela também. Ele conseguiu viver até uma idade avançada, e só perto da morte, descobriu sobre as viagens no tempo. Sua versão de outra realidade chega a viajar no tempo, e ele quem mata a neta a pedidos da própria filha. Bizarro né?

Regina Tiedemann


Essa é a filha da Claudia, razão por ela lutar tanto pra acabar com a existência da série Dark, e que bom que conseguiu. Regina não tem grande importância na história tirando o fato de dar a usina pro seu marido, que roubou a identidade de quem matou. Apesar disso, ela o amava muito, e é mãe do Bartosz. Regina também morre de câncer em uma das realidades, e assassinada em outra. Curioso que a realidade na qual ela é assassinada é justamente a realidade do Jonas, e seu carrasco, Egon, veio de outro universo pra isso. Ela era destratada pela mãe, e vivia deprimida até conhecer o marido que muito a amava. Ela viveu bem até, montou um hotel, enquanto seu marido tocou a Usina. Mas depois dos desaparecimentos os turistas pararam de se hospedar no meio do mato. Ela teve que fechar o hotel, mas, antes disso, ela quem hospeda o Jonas viajante do tempo adulto. Por um tempo ela até parece importante, mas não é não. A tadinha sofreu muito quando jovem, mas, ta de boa agora, explico depois.

Torben Wöller


Ah, o Woller... sabe porque ele perdeu o olho? Na outra realidade ele perdeu o braço, sabe porque? Bem, ele ajuda todos na delegacia, é um policial é claro, e ainda por cima ajuda a manter os mistérios da usina. Ele parece saber muito, sabe a razão? A série brinca com o fato dele nunca ter seus mistérios revelados. Quem engraçado né??? Eu ri também, ha ha h...a.

O Filho do Tempo


Além dos muitos personagens novos que surgem na terceira temporada e eu não vou falar pois é irrelevante, como sempre, tipo o cara velho que criou a seita sobre o tempo que seria o inicio de tudo até descartarem a ideia, tem esses 3 personagens. São o Presente, Passado e Futuro, que sempre caminham juntos. Eles cometem assassinatos em nome da Eva, e do Adam também, e são os responsáveis pelos bastidores dos eventos que ninguém mexeu. Tipo, quem autorizou a construção da usina? Eles. Quem escreveu o diário do tempo la? Eles. Quem que explodiu as duas usinas das duas realidades? Eles! Pois tecnicamente nada aconteceria se eles não tivessem soltado todas as válculas das usinas. Sim, eles quem fizeram tudo. E quem são? Simples! Eles são o filho de Jonas e Martha, quem nunca teve um nome. Como ele foi encontrado, como ele sabe o que fazer, quem o criou, quem o guiou? Não importa. A série só introduz esses personagens como mistério da terceira temporada, sem nenhuma menção nas outras, pra no fim dizer o seguinte "Eles não era nada, só outra peça do quebra cabeças".

H.G. Tannhaus


E aqui vem ele, o protagonista de verdade. Esse é o Relojoeiro, quem perdeu sua família num acidente de carro e por causa disso criou uma máquina do tempo. Ao fazer isso, a máquina dividiu seu mundo em dois, e o deixou pra viver em ambos, mas, sem sua família mesmo, e sem as memórias é claro pois eram duas vidas diferentes, mas em ambas, ele os perde. Com isso, pessoa do nada trazem coisas do futuro pra ele, como um livro que escreveu, ou um projeto de máquina do tempo, ou um celular, e ele vai investigando e arrumando, até que, ele cria as máquinas, mas não usa. Ele as da pra quem pediu pra ele fazer, sem cobrar nada. Pois então, ele é o único ali que é responsável por tudo (ah va). O Bunker? Era dele originalmente, na realidade. A Caverna? Ele quem afetou com a partícula de deus sem querer. As máquinas? Ele quem inventou tudo mesmo. O cara adotou Charlotte pra suprir a perda, e isso até o deixou tranquilo, mas imagina a bagunça gerada! No fim, Jonas e Martha, dotados magicamente de todo o conhecimento que nós, espectadores, acumulamos, viajam através de um túnel do tempo de pura luz (nem vou contar como máquina ta, foi um evento totalmente "Interestelar" da vida). E então, impedem o acidente, só parando na rua mesmo. Eles somem logo depois, e fim, todos os mundos somem.

Os que sobram, são, Benni, Hannah, Katharina, Regina, Woller e Peter, além do próprio Tannhaus e sua família. O resto, todo esse resto que tu leu incessantemente até aqui, jamais existiu (talvez um ou outro pode ter existido mas, a ideia é que todo mundo morreu, e acabou). E com isso eu digo...


Gente, não vejam, por favor. Não tem respostas nisso, e não tem nada de inteligente nisso. As viagens no tempo, os conceitos adotados são bem legais sim, na primeira temporada, mas depois disso eles deixam com cara de complicado pra mascarar as bobagens. Sabe... é como você ir no banheiro e usar aromatizantes... pode funcionar em dias normais, mas naquele dia que tu bateu uma feijoada com repolho, ao ponto de não conseguir segurar de tanto que encheu o bucho... meus irmãos... não há flores no mundo, não há nada que cheire bem o bastante, pra cobrir o enorme e aterrorizante fedor que vai sair do seu banheiro.

Tenho pena dos esgotos, assim como tenho pena de quem como eu, assistir Dark.

Acha que to exagerando? Vai assistir então! Te desafio.


E se disser "Poxa, eu gostei"... é... fazer o que né! Fazer o quê (por dentro estou gritando de ódio ta).

Se leu até aqui, me perdoe pela ausência de imagens, e pelo formato meio "pesado e exaustivo" do texto. Por mais que eu tenha me esforçado pra tentar deixar mais gostoso de ler, achei importante passar ao menos um pouco da sensação de assistir Dark. Além disso, obrigado!

Até a próxima ta.

See yah!

Postar um comentário

13 Comentários

  1. Então quer dizer que os personagens são burros, sem carisma, e inuteis? E que a historia é complicada, sem necessidade de ser complicada? Quer dizer que complicam algo simples? Rapaz... ta parecendo TLOU2, parte tecnica foda e conteudo (historia e desenvolvimento de personagens) uma merda, alias, essa sua raiva com essa porra ta igualzinha a minha só que no caso com outra coisa. E pelo que vc disse foi assim "ja não tava bom, ficou ruim, e agora parece que piorou!?".
    Mas é como tão dizendo ai poh; MELHOR SERIE EVA... perai...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suas palavras, refletem em parte o que penso, apenas não quero treta kkk.

      La vem você falando de TLOU2, por favor, eu não joguei, não analisei, e vai demorar até eu fazer isso então, CALMA.

      Mas, sim, é bem isso que eu queria dizer... kk.

      Excluir
    2. Vou continuar citando, que quando vc comprar vai até ter desanimado. Uma pena essa sua demora, pois vai acabar perdendo o hype de agora, pois assim como Dark são os assuntos do momento, perdeu uma grande oportunidade de matar dois leoes(?) com um tiro só. Mas entendo, 200 conto (pra um jogo que nem vale a pena tudo isso) é de fuder.

      Excluir
    3. Se eu tivesse o jogo de grátis, faria o artigo pra ontem. Tanto jogo que to esperando baratear moça...

      Excluir
    4. Eu até te venderia o meu baratinho, mas ganhei de presente (justo de uma "franchise" que nem sou muito fã) , mas não seria algo que eu me importaria a passar pra frente.

      Excluir
    5. Ah... bem, eu espero pra comprar uma mídia digital.

      Excluir
  2. Ate que enfim alguém que não segue hype modinha. Valeu pela sinceridade e por todos os detalhes do texto. Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Srta Vê!!! Prazer enorme ter um comentário seu encantando essas bandas. Gente, me pegou de surpresa.

      Eu quem agradeço pela leitura e tamanha gentileza viu, e aliás, fico triste pelos outros que simplesmente ignoraram as ruindades de Dark... Dark... curioso né moça kkk.

      Excluir
  3. grande shady! amei a primeira temporada e curti a segunda mas já desanimei para a terceira. detesto coisas sem explicação. obrigado por me vacinar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado digo eu por me ouvir. A terceira temporada desanda todo o resto e conclui dando uma resposta que, poderia ser dada logo na primeira.

      Eu gosto de pensar que Dark fica perfeito se você pegar a primeira temporada, depois assistir só o último episódio da terceira, pois todo o resto é perda de tempo.

      Se não respondem nada mesmo, melhor ficar só com as coisas legais e os mistérios legais sem perder tempo com pessoas se olhando 15 segundos pra soltar uma frase de 2 palavras.

      Excluir
  4. cara, adorei seus argumentos, eu só tinha visto a primeira temporada e iria assistir o resto por hype mesmo, e do nada você faz um post sobre a série,e sempre bom ver a opinião antes de gastar nosso tempo.
    mas estou passando para recomendar um manga de terror chamado "kouichoi radio" ele tem uns 50 capítulos e é de terror,os capítulos são anacrônicos, ou seja eles sempre são mostrados em ordens diferentes. garanto que você vai gostar,é a primeira vez que estou comentando aqui, mas quando li esse manga a primeira coisa que me veio a mente foi ver um artigo seu sobre ele,quando tiver um tempo de um olho lá.
    já acompanho o seu trabalho a alguns anos,
    seus artigos são ótimas leituras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Kendreo, nome legal. Poxa meu, obrigado!!! Bom ter sua presença e sr, sempre bem vindo viu.

      O que mais me motivou a escrever esse artigo foi com certeza, o hype. Eu vi uma matéria (aqueles artigos que a gente recebe aleatório no celular) onde o título era "Netflix: 3° Temporada de Dark tem o melhor final da História das séries" Ai eu pensei "Caraca, Dark deve ser interessante. Ai do nada, uma amiga me disse "Ei, veja Dark, é sobre Viagem do Tempo" ai eu pensei "Pera la, o do melhor final? É pra já!". Eu vi a primeira temporada e achei do caramba, tava todo confuso e perdido, até que vi a segunda e pensei "Tem coisa errada ai". A terceira temporada nem tinha saído ainda (o que sim, me fez estranhar aquele artigo que vi só o título) e pronto, fiquei curioso pra como os caras encerrariam tudo, se do nada tinham enfiado realidades alternativas. Cada episódio da terceira temporada foi me fazendo ficar cada vez mais irritado, pois era como um cronômetro, em contagem regressiva, mas que aumentava os Zeros à esquerda a cada segundo diminuído. Tava enchendo de coisa, sendo que deveria acabar com coisas. Isso foi de matar. Quando terminei, eu precisava tentar explicar o que vi, explicar que era ruim, e que não era bom tentarem justificar a série ou crescer ela de mais, pois ela falhou rude, principalmente na terceira temporada.

      Enfim, desculpe, só de pensar já fico falando atoa. Bem, referente ao mangá...

      Eu não conhecia, na verdade sou terrível com mangás, eu nunca conheço nada rs. Eu li entretanto toda a coleção do Junji Ito, incluindo também Uzumaki, Kyo e os curtas que ele fez em revistas, como aquele do buraco. Também cheguei a ler um mangá chamado Made in Abbys, por conta do anime, que eu até analisaria mas nem o mangá, nem o anime terminaram ainda. Também li o Gantz, mesma coisa, mas assim que acabou eu fiz o artigo, inclusive mesclando mangá, anime e até filmes. Não tenho em mente mais nenhum mangá do gênero que eu tenha lido, pois eu não sou tão apegado a leitura, e como eu tenho meu próprio mangá em desenvolvimento (é terrível, mas é né kkk) eu tenho sempre receio de ficar muito empolgado com alguma técnica que vi e querer imitar. De qualquer forma, eu aceito sua recomendação. Não sei se farei um artigo a altura, mas bora la. Um artigo de mangá... cool... se tivesse anime seria ainda melhor rs.

      Sr, espero que sempre esteja por aqui.

      Excluir
    2. "o que sim, me fez estranhar aquele artigo que vi só o título" como te disse uma vez; a maioria foi "comprada" pq receberam os episodios antes da netflix, assim como esses canais recebem jogos de graça das empresas antes pra publicidade. E se olhar a maioria das criticas que vieram depois quando a temp "realmente" saiu, ate quem elogiou não foi com taaaanta empolgação assim, como se fosse uma quebra de paradigma.

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)