SérieMorte: She-Ra - e as Princesas do Poder

Surpresa, para todos, até pra mim, eis que surge um artigo diferenciado sobre desenho animado!

She-Ra - e as Princesas do Poder


O que posso adiantar é que, tentarei não dar tantos spoilers... tentarei.

Boa leitura.

Eu nunca fui fã de She-Ra, aquele desenho antigo de mil novecentos e bolinha. Na verdade eu nunca nem assisti, então como seria fã? Pois é, impossível. Não é um desenho que tive acesso, infelizmente, e apesar de muitos falarem, e ouvir bastante sobre ele e o "desenho irmão", jamais tive qualquer contato no passado.

Porém, recentemente a Netflix junto da Dreamwork iniciou um projeto de remake desse desenho, trazendo ele de volta com um visual novo, uma história nova, mas de certa forma mantendo os personagens e algumas ideias do desenho original.


Sem qualquer compromisso com o passado, esse desenho não seria uma continuação, nem uma reinterpretação, mas simplesmente uma nova versão mesmo. Um novo "She-Ra", que corria bastante o risco de desagradar, inclusive pela utilização de um tracejar mais "infantilizado" em sua arte.

Sim, com muito mais cores, e simplicidade, de início causa um certo "incômodo" ver um desenho que, em comparativa com a arte antiga, parece até ter sido infantilizado propositalmente, no intuito de atrair um publico mais jovem (como o caso de Jovens Titans por exemplo) mas, esse "incômodo" é apenas uma leve ilusão do inicio mesmo, que logo some ao nos acostumarmos com as belas linhas que o desenho mostra, junto a trama profunda e muito mais madura que o original.

Lembro-me de ter sentido o mesmo com a arte de Steven Universe, que também compartilha dessa adversidade visual. Pode causar estranheza no começo, mas logo se mostra uma identidade própria, algo que destaca a arte e os traços como parte daquele desenho em particular, sem nada parecido. Ricky & Morty é assim, Simpsons é assim, sabe, todos que são visualmente autorais podem ser estranhos no início mas logo agradam horrores! Até mais graças ao que é contado junto ao que é mostrado.

Tem até um episódio em She-Ra no qual ele brinca com os múltiplos designes possíveis, e faz uma referência hilária ao desenho antigo, com os personagens tendo seus designes atuais misturados aos de suas versões passadas, com direito até a "poderes" e características que eles possuíam, mas que deixaram de ter para dar lugar a novas características, até mais interessantes que no clássico.


Comparando um pouco mais com Steven Universe, devo mencionar o quanto esses dois desenhos brilham ao abordar temas exclusivamente emocionais. Não há sexualização aqui, são desenhos, que mostram a emoção da relação entre dois seres, independente do físico, independente do sexo, pois isso não é nem de longe o que querem mostrar.

Isso permite que tenhamos uma imersão ainda mais profunda nas relações, pois somos vinculados aos emocionais dos personagens, às suas personalidades, e entendemos perfeitamente como uns se aproximam dos outros, como se atraem, como se completam.

Mas não é só romance que a banda toca! Tem muito humor, muito drama, muita ação, tudo devidamente dosado em seus próprios "muitos" para que, não pese de mais em seus episódios curtos de menos de 30 minutos.

O humor é ótimo, nos faz rir constantemente, e nos pega de surpresa com e sem clichês, mas pega. Como o desenho fica pulando do sério pro engraçado o tempo inteiro, nunca estamos preparados para rir, ou chorar.

E sim, na parte dramática, ele vem carregadíssimo! Como nos aproximamos muito de cada personagem, quando algo ruim ocorre, é pra chocar e fazer sofrer. E apesar de ser um mero desenho animado, ele tem uma capacidade incrível de simular cortes de cebola que sinceramente...


No caso das batalhas, ele não tem aquelas artes de lutas surpreendentes, mas, ta no mesmo nível que muito anime atual. As vezes se baseia em slides de ação (quando botam um desenho atacando em câmera lenta saca), as vezes apelam pra riscos de movimento rápido, as vezes tem sim a animação da batalha, mas não tão longa. O bom é que quando rola luta, sempre é bem mostrada e fácil de compreender, além de vir nas horas ideais.

Completando, devo falar de Trilha Sonora, e ai tem um probleminha... eu não gostei tanto da trilha de She-Ra. Inclusive, se comparar com Steven Universe, She-Ra da um pau, menos nas trilhas sonoras.

As músicas de fundo são boas, sim, elas são. Elas se encaixam na hora certa, do jeito certo. Logo no inicio do desenho você já pega a adrenalina da ação do treinamento só por causa da música. Quando é pra ficar triste, a música ajuda. Quando é pra ficar feliz também. O problema vem quando é cantada, mais precisamente na abertura...

Sem querer criticar muito, eu assisti na versão dublada, e a cantora é boa até. As músicas dubladas ficam legais, são bem cantadas, mas tem um agudo na abertura que me fez simplesmente pular todas as vezes. O ruim, é que no final, descobri que as aberturas eram interessantes de se assistir pois se adaptavam às temporadas! 


Ah, quem vê pensa que eu tenho algum direito de criticar o lado musical né? Mas tipo, por exemplo, na hora que um dos personagens começa a cantar propositalmente, como parte de sua característica principal, eu não achei aquilo legal não. Acabou que não se tornou memorável, apesar da ideia do momento ser memorável.

Assim como Steven Universe, as músicas sempre carregam um ar dramático ou humorado. Elas fazem parte da narrativa, e elas se misturam, mas, nesse caso acabou se comprometendo um pouco pra mim, só pela estranheza mesmo do áudio-visual. Só que, apesar de não ter curtido tanto, eu ouvi e entendi as ideias.

O mais curioso é que, She-Ra se destaca muito mais pela parte narrativa. A história é grandiosa, com reviravoltas surpreendentes, idas e vindas convincentes, baixas e perdas marcantes, conquistas enaltecedoras e, uma evolução e progressão de personagens assustadora.

Todos os personagens, inclusive elenco de apoio, crescem, aprendem, se transformam, mudam, sofrem com as consequências, reagem, evoluem. Isso faz tudo ficar tão... completo e complexo, que é difícil não se envolver.


E ao se envolver, a gente se comove. De início ao fim, é isso, uma mistura de sorrisos e lágrimas que nos prende de episódio pra episódio.

Bem, She-Ra conta com 5 temporadas, e infelizmente, a quinta foi tida como a última (espero que por enquanto... quem dera... quem dera!).

Elas possuem números variados de episódios, sendo que a primeira tem 13; a segunda já tem apenas 7; a terceira ainda menos, somente 6; enquanto a quarta volta a ter 13. Na quinta e última temporada também são 13 episódios, e ela termina a série. Aliás, a segunda e terceira temporadas são apenas uma, dividida em duas partes pela Netflix (sei la porquê) então, tecnicamente, She-Ra tem uma fixação pelo número 13.

Todos os episódios contam com 20 minutos em média, e apesar do tempo curto, eles são bem completos, e nem da pra ver o tempo passar.

Não há "spin-offs", apesar de algumas das histórias terem um peso menor que outras, todas são importantes. E aliás, é possível assistir episódios fora da ordem e compreender, se divertir, mas existe sempre uma história geral, levada do início ao fim da temporada.


Cada temporada tem como foco uma ideia, um tema, um foco, geralmente relacionado a um dos personagens principais. Mas, os demais personagens não são postos de lado, eles também se desenvolvem, também aprendem mais e até se transformam, ao passo que o tema principal continua seguindo.

É garantido que se você pegar um episódio qualquer da primeira temporada, e um episódio qualquer da terceira temporada, você será incapaz de reconhecer totalmente os mesmos personagens. Isso vale pra qualquer temporada, pois eles mudam muito, dentro de uma linha aceitável, bem construída e sim, convivente, de evolução de personagem.

Os personagens sempre serão os mesmos, você vai notar que as características primordiais de cada um sempre se manterão, mas haverão coisas estranhas, mudanças, pequenos traços que destoam do que eles eram antes. Isso é a evolução que tiveram.

E é bem legal acompanhar essas mudanças. É realístico e natural.

Aliás, que tal agora falar dos personagens? Direi quem são, como são, quais suas características de forma resumida e como mudaram, mas sem dar tantos detalhes assim. Inclusive, é bom pra falar um pouco do enredo também, afinal, do que se trata essa nova versão de She-Ra!?

Adora


Ela é uma vilã no começo, inclusive é vista treinando para matar as malignas princesas de Eteria. Só que, não demora muito até ela descobrir a verdade, e se converter em uma das principais aliadas da Rebelião, lutando contra a Horda a qual ela servia antes.

Adora é uma garota forte, disciplinada, e teimosa, ironicamente. Ela sempre se responsabiliza por tudo e dificilmente deixa que os outros a comandem. Ela sempre toma a dianteira, e faz o que vem a cabeça, o que constantemente a coloca em certos apuros.

Por sempre ter se destacado em suas habilidades de combate, ela acaba por ser bem autoconfiante, e não percebe o quanto isso afeta os demais que a cercam. Ela até se importa com os outros, mas nas horas chave, nos momentos de decisão, ela tem o péssimo hábito de pensar apenas em si.

Ela diz estar preocupada com os outros, mas os afasta para que apenas ela sofra com as consequências, sem perceber, que na verdade ela está forçando os outros a sofrerem o dobro. Adora acaba cometendo tantos erros assim, que constantemente se vê ancorada emocionalmente, e não consegue ativar suas "habilidades especiais", pois sua mente está confusa.

O tempo inteiro ela luta contra essa sua fraqueza, a incapacidade de lidar com suas próprias emoções corretamente, mesmo que ela pareça saber o que faz, ela não sabe.

Adora é herdeira dos Primeiros, uma espécie que colonizou Eteria no passado longínquo, que já não existe mais e só deixou ruínas. Ela é jovem, e foi criada pela Horda, puxada de outro mundo antes de Eteria ser isolada do universo.

Sim, Eteria é um planeta fora do universo, por isso não há estrelas no céu durante as noites, por isso ele é tão isolado. E é nesse planeta, que a jornada de She-Ha se estabelece. 

Curiosidade: No desenho original, Adora também inicia como vilã, porém ela é salva da Horda por He-Man, a transformação do Príncipe Adam de Eternia. Curiosamente, ela só é salva pra valer, e se converte em She-Ra, com direito a uma espada própria, depois de descobrir que é Irmã Gêmea de Adam. Sim, no original, ela foi sequestrada por Hordak ainda bebê, e levada pra outra dimensão! Sua família e todos de seu reino esqueceram por magia de sua existência, exceto seus pais, que aguardaram até que finalmente ela fosse localizada. No desenho original, He-Man e She-Ra sempre fazem crossovers, por isso é complicado mencionar um sem falar do outro.


Nessa versão, Adora foi tirada de outro mundo, do mundo dos "primeiros", mas sua origem nunca é revelada ao certo. Não é dito seu parentesco nem citado quem são aqueles de quem ela foi tirada, no máximo, é dito que os "primeiros" tinham o conhecimento que explorou o poder de She-Ra, mas esse poder já existia bem antes. Essa versão independe completamente de qualquer outro "universo".

Felina


Uma garota de uma raça antropomórfica com aspectos felinos, também membro da Horda, ela começa a história como melhor amiga de Adora, mas, conforme tudo prossegue, essa amizade fica bem tortuosa e confusa.

Felina é complexa, ela é reclusa, emocionalmente instável, não confia em ninguém, e tem muitas razões para tal. Ela foi abandonada quando criança, foi sempre rejeitada, humilhada, tratada da pior maneira possível, e a única pessoa que a tratou com carinho foi Adora. Entretanto, Adora abandonou ela sem querer, no momento em que partiu da Horda, e Felina se viu sozinha num mundo hostil pra caramba.

Ela é agressiva, apesar de também ser fofa. Por suas características felinas ela tem trejeitos agradáveis mas, ela tem uma personalidade muito ácida e explosiva. Ela não atura gentilezas alheias, pois as considera falsas, e não da o braço a torcer pra ninguém, sempre se mantendo na extrema defensiva.

Isso faz com que ela afaste pessoas o tempo inteiro, tanto aqueles que de fato só querem se aproveitar dela, quanto aquelas que querem seu bem. Ela nunca deixa se aproximarem, então, ela está sempre sozinha.

Felina também tem um ar manipulador, analisando seus arredores, observando, coletando informações e as usando para tirar proveito de tudo. Ela sempre faz de tudo pra alcançar seus objetivos, e pra isso vale trair até mesmo seus "amigos".

Ela é uma exímio lutadora, apesar de sempre ter sido criticada por suas táticas, que compreendem se esquivar, usar o campo de batalha a seu favor, tirar proveito de tudo que facilite a luta, e se manter na surdina. Além disso, ela é uma ótima estrategista, bolando os melhores planos possíveis pra conquistar o que deseja.

Complicado é estabelecer o que sentir sobre ela. Felina é detestável metade das vezes, e na outra metade é adorável. Ela consegue fazer coisas que são completamente justificáveis, e nos faz sentir empatia, mas, igualmente consegue virar a bola e nos fazer sentir repulsa por suas decisões, que sempre causam mais estardalhaço do que ela se importa. É uma vilã, uma anti-herói, uma protagonista, ela é complexa.

Curiosidade: Eu assisti um pouco do desenho antigo pra ter uma noção dos personagens e tentar compara-los... bem... Felina era... meu, ela era uma mulher normal com mania de imitar gatos quando falava. Além disso, ela tinha uma máscara mágica que fazia ela virar um gato guerreiro. Ela vivia na cola de Adora, afinal Adora traiu a Horda, mas, elas não tinham nenhuma proximidade, pelo menos não notei nada do tipo.


Cintilante


Uma das princesas poderosas, Cintilante é uma garota ingênua e superprotegida no início, que aos poucos vai conquistando sua "Maturidade Precoce". Ela é forçada a se tornar poderosa, bem mais do que já é, física e psicologicamente, para que todos em seu reino sejam felizes, inclusive ela.

No começo ela não tem muitos amigos, apenas um, o Arqueiro, mas aos poucos sua lista aumenta muito graças ao seu contato com adora, e os planos que desenvolve a partir disso. Cintilante se converte numa líder da Rebelião, a qual já havia sido derrotada havia tempos.

Mesmo indo contra a vontade de sua mãe, ela decide buscar membros para a "Nova Rebelião das Princesas" contra a Horda, e aos poucos, ela obtém sucesso. Claro que isso a faz crescer, e aos poucos se destacar aos olhos de sua mãe, mas ela cresce até de mais, e o peso nos seus ombros começa a ficar grande e insuportável.

Com isso, ela muda pouco a pouco, as feridas que consegue com tamanho peso acabam demorando à cicatrizar, e ela se converte no que podemos chamar de "vilã", talvez a pior que já existiu. Cruel, mas é só pra se ter uma ideia de como os personagens podem se transformar.

Claro que, tudo é perfeitamente justificável, e nada é sem razão. Cintilante faz coisas magníficas, e faz coisas terríveis, mas o que importa é que ela sempre prioriza salvar seu mundo e seu povo, além de salvar seus amigos.

Toda princesa em Eteria pode usar uma magia única e exclusiva, provinda de seu respectivo cristal no reino. A magia de Cintilante é a capacidade de Teletransportar pra onde quiser, com um baixo consumo de energia (que ela precisa restaurar no cristal). Ela também pode jogar luz pelas mãos.

Seus poderes aumentam em força conforme ela se aproxima do cristal, e igualmente, diminuem quanto mais ela se distancia. Ela também recebe mais poder quanto mais cresce mentalmente, além de ficar mais forte quando vinculada com outras princesas, algo comum entre elas.

Ela também aprende a controlar Feitiços, que no caso é um tipo de poder arcano conjurado, algo que ela puxou de seu pai. Com isso, ela passa a fazer rituais que dão vantagens em batalha, conjurando feitiços para proteção, prender inimigos, ou coisas do tipo. 

Curiosidade: Vi ela em um ou dois episódios do antigo (foi mal, eu não assisti tudo) mas pelo que notei, ela é uma princesa bem prestativa e o único poder dela é lançar luz na versão antiga. Algo que mais me chamou a atenção foi o fato dela até ter proximidade com Adora, assim como as demais princesas, mas ela não conhece a identidade secreta de She-Ra!


Arqueiro


Esse rapaz é o melhor amigo de Cintilante, um líder nato, e também um arqueiro exemplar. Ele tem uma mira bastante precisa, e um arsenal de flechas composto pelo mais variado tipo de tecnologias.

Ele prioriza a amizade acima de tudo e é um ótimo mediador, sempre tomando parte nos conflitos e buscando resolvê-los na base do diálogo, o Arqueiro é extremamente amigável, e versátil, além de inteligente.

Ele mesmo quem constrói seus aparatos tecnológicos, e ele treinou na arte do disparo de flechas sozinho, se tornando um mestre por contra própria ainda jovem. Entretanto, sua origem é um baita mistério até um certo ponto.

Na verdade, sua amizade com a princesa não é nenhum segredo, e seu apego por ela também não, ao menos não pro lado dela. A rainha mesma faz questão de dar indiretas pra ambos mas, ele não pertence necessariamente ao reino deles. Arqueiro na verdade veio de outro lugar.

Ele veio de uma biblioteca escondida no meio do nada. Seus pais, uma dupla de pesquisadores obcecados pelos Primeiros, são contra as princesas e inclusive, não gostam do sistema de reinos, culpando a desordem provocada pela Horda como resultante pela guerra causada entre Horda e Rebelião.

Enfim, o Arqueiro foi contra a opinião de seus pais e se tornou melhor amigo justamente de uma princesa, e isso é explorado, tanto o medo dele lutando por essa amizade proibida, quanto a desaprovação certa de seus pais.

Detalhe, os pais do arqueiro são importantes no final mas, eles tem pouca participação na história. O destaque fica pro fato de ambos serem homens, mas isso não gera qualquer discussão. Na verdade, o foco se volta pro Arqueiro querendo a aprovação deles quanto a Cintilante, sendo que, no fim, eles o amavam da mesma forma. Baita mensagem.

O arqueiro chega a ter outras reviravoltas em sua participação, mas sempre como aquele que busca unir os demais. Em meio a tantas desavenças, ele é aquela cola que junta geral, até que chega num ponto em que ele é o principal ferido e demora um pouco a perdoar... mas ele perdoa. 

Curiosidade: Na versão antiga, ele era branco, e tinha um bigodão. Ele também era um baita líder, sendo guia em algumas das missões de Adora/She-Ra. Como todos os demais, ele não conhecia a identidade secreta dela, mas, era amigo, além de ser um homem bem maduro.


She-Ra


Essa é uma segunda personalidade por assim dizer, um poder oculto que surge de dentro de Adora. She-Ra é puro poder em forma física, que Adora pode assumir caso levante a Espada do Poder e grite "Pela Honra de Greyskull!", lema esse proveniente la da antiga animação, uma certa variação do lema do "desenho irmão", mas depois falo melhor disso.

She-Ra é basicamente Adora, só que, com suas emoções completamente controladas, tanto que ela fica bem mais séria e focada. Ela não esboça muitas reações alem de alguns risos tímidos, e sua cara de brava pra intimidar os inimigos. 

Ela é muito mais alta que Adora, (tem quase 3 metro), mais musculosa, e muito poderosa, sendo capaz de lançar energia de sua espada, curar com um toque, pular muito alto, quase voando, tem uma invencibilidade temporária, e uma resistência altíssima a danos. 

Além de tudo isso, ela aprende depois e um tempo a transformar a Espada em diferentes objetos e armas, o que só expande ainda mais seu poder.

Quanto mais próxima da personalidade completa de Adora ela fica, mais frágil de torna, chegando inclusive a voltar pra forma de Adora. Isso significa que apesar de She-Ra ser Adora, ambas são versões diferentes dela, então, uma não existe enquanto a outra existir. Adora não tem tanto controle assim pela She-Ra quanto pensa.

Aliás, She-Ra é um tipo de entidade mágica que se personifica de tempos em tempos em diferentes receptáculos, garotas da mesma raça dos "primeiros", que conseguem convoca-la para usar seu poder. Infelizmente, ela passou a ser usada como um tipo de arma e, aos poucos, aquelas que a dominaram tentaram afastar esse poder das mãos dos "primeiros", ou de qualquer um que quisesse domina-la.

Eteria foi o último local onde She-Ra se personificou, onde o poder mágico era enorme, e foi pra evitar tanto que She-Ra fosse usada, quanto que Eteria fosse destruída, que o planeta e seu sistema solar foi enviado para um local completamente isolado e escondido do espaço.

Mas o poder dela permaneceu acessível graças a presença de Adora, a única com a capacidade de invocar os poderes contidos na espada, e despertar os poderes contidos em si mesma.

Curiosidade: No original, She-Ra era personificação do poder secreto da irmã gêmea de Adam, logo, ela era exatamente como He-Man, e seus poderes surgiam de uma espada irmã. Ninguém sabia de sua identidade, tanto que pra se transformar, ela tinha de dar sumiço em Adora, e reaparecer como She-Ra pra não suspeitarem. Nem seus amigos mais íntimos sabiam quem ela era. Pelo que notei, os poderes eram os mesmos, incluindo transformações da espada em outras armas.


Outro detalhe interessante é que o subtítulo da obra original era "She-Ra - A Princesa do Poder", pois esse era justamente o título de She-Ra. Mas, na nova versão, colocaram no plural. Isso pois todas as princesas possuem o poder, muitas vezes usado em conjunto. She-Ra nem é uma princesa nessa versão, por isso é está com as princesas, e não necessariamente é uma das princesas. Apesar disso, ela recebe esse título no primeiro episódio, como uma forma de respeito e memória.

Hordak


Esse é o vilão da história, pelo menos durante as 4 primeiras temporadas. Hordak é líder da Horda, um grupo de conquistadores que vem dominando Eteria pouco a pouco, espalhando caos e desgraça por onde passam.

Ele usa tecnologia como principal recurso para contra-atacar a magia proveniente do planeta, e todos seus seguidores sofrem treinamentos intensivos, militarizados, para que sejam leais ao extremo e cegos diante suas ordens. Ele usa de mentira e manipulação para converter seus seguidores em pessoas leais, mas acima de tudo isso, ele usa do medo, causado por sua índole imponente, para manter todos na ordem.

Hordak fala pouco, e não leva desaforo. Ele é ameaçador, cruel, nefasto, e perturbador. Sempre sério, Hordak consegue dar frio na espinha quando está presente, e faz com que todos se ajoelhem perante ele, de tanto que empoem medo e respeito.

Seu poder é a pura estratégia. Ele tem um clone miniatura de si mesmo que espiona tudo e todos, permitindo que ele esteja sempre um passo a frente em conhecimento dentro da Zona do Medo (seu território principal).

Apesar de tudo isso, Hordak tem uma tremenda de uma fraqueza: Ele é defeituoso.

Sua natureza é revelada em uma determinada temporada, por causa de um único personagem que consegue atravessar sua enorme casca grossa e misteriosa, e aí, sabemos que Hordak é um clone defeituoso do verdadeiro Mestre da Horda, quem ele busca impressionar.

Hordak estava em Eteria quando ela foi isolada, e foi deixado la como um castigo por ser defeituoso. Seu defeito, era seu corpo não tendo capacidade motora satisfatória, o que o torna debilitado e fraco, além de facilmente derrubável.

Uma vez perdido, longe de seu mestre e isolado, Hordak decidiu se tornar forte e honrar a Horda, e ele sozinho criou um corpo mecanizado pra si, e levantou uma Horda dentro de Eteria, criando assim seu próprio império, em nome é claro, do Mestre da Horda.

Seu objetivo com esse império e conquista também é revelado, com ele querendo na verdade criar um portal ou qualquer conexão com o universo, pra convocar seu mestre e mostrar o que conseguiu pra ele, provando que não é defeituoso, e que merece lugar ao seu lado.

Ele até consegue, mas as consequências são drásticas e nada previsíveis até mesmo pra ele.

Curiosidade: No originam ele tinha um bichinho de estimação tagarela que voava ao redor dele, e parecia um morcego com corpo de gente, e imitava ele, além de provocar seus seguidores. Ele até existe nessa versão, mas é como um clone defeituoso dele, ao que deu pra entender. 


Outro detalhe é que alem dele ser muito mais falador e agressivo, ele não era nada respeitado, e vivia brigando com o Esqueleto, vilão de He-Man. Seus próprios capangas viviam sabotando ele, e ele também ia pra campo lutar, tendo até mesmo poderes especiais: Ele se transformava em objetos! Sim, Hordak se transformava em coisas!!! Ele também podia transformar partes de seu corpo, como a cabeça apenas, numa marreta, mano... mano!!!


Sombria


Uma feiticeira mascarada, segunda no comando da Horda, pelo menos no início. Ela é a porta-voz do misterioso Hordak, mas até mesmo ela, que é a mais próxima, desconhece as motivações ou objetivos dele.

Ela é uma macabra bruxa que usa magia negra e, consequentemente, faz jus a seu nome. Tem como poder a capacidade de criar sombras espiãs, mas ela chega usar apenas uma vez na história. 

O que mais a marca é o fato dela manipular diretamente duas das crianças da Horda: Felina e Adora.

Para cada uma ela tem um comportamento muito específico, o que influencia suas personalidades diretamente. Para Adora, ela é super-protetora, e muito gentil. Pra ela Adora é sua queridinha, sua favorita, aquela que ela faz todo o possível pra que sempre se saia bem em testes e avaliações.

Já Felina, ela odeia. Ela faz com que Felina seja sempre rejeitada, afastada, faz questão de destacar o que há de pior nela, e nunca reconhece suas conquistas. Sombria parece desprezar Felina acima de qualquer coisa.

Pois então, ambas são como filhas dela, uma ela ama, uma ela odeia, porém ambas são como filhas dela, as quais ela tem um ciúme equivalente. Parece até que Sombria não gosta das duas juntas por medo que elas a abandonem ao perceber que não precisam dela, apenas uma da outra. Mas, no fim das contas, é trágico ver como ela é... triste.

Sombria já foi uma feiticeira pura, e bondosa, mas sucumbiu a maldade ao tentar fazer um feitiço negro superpoderoso pra deter a Horda. Ela acabou tendo sua face comprometida, além de suas habilidades e físico deturpados. Mas, usando uma máscara mágica ela consegue conter a progressão da maldição que assolou seu corpo, e ela também abandonou a Rebelião, se juntando à Horda.

Curiosidades: Também bastante ardilosa na versão clássica, ela parecia um "Vivi/Veigar" feminina. Tem o Orko também né, mago do universo He-Man... enfim, ela era toda esquisita, e sabotava o próprio Hordak quando confrontada, nada leal ela. Além disso ela tinha poderes malignos e sombras ao seu comando. De todos, era a mais parecida com a versão atual, sendo também aquela quem criou Adora. Mas, ela era ao que parece inferior a Felina, e até respondia a ela como subalterna, pelo menos foi o que vi nos episódios que vi.


Ventania


Existe um cavalo que Adora monta pela primeira vez na vida logo após deixar a Horda. La, qualquer coisa que trouxesse diversão ou prazer era abolida, então eles não tinha "pets" nem nada do tipo. Adora conhece seu primeiro bichinho ao encontrar Cintilante e Arqueiro, e esse cavalo acaba virando um tremendo de um aliado.

Seu nome anterior é irrelevante, pois depois que ela o monta, ela sem querer desperta o poder da Espada nele, e o transforma PERMANENTEMENTE em um corcel alado chamado Ventania. Sim, ele mesmo escolhe seu próprio nome, pois ele aprende a falar!

Ventania é hilário, convencido, agitado, e muito leal a Adora. Ele é resultado do poder mágico de She-Ra, mas, ele responde a Adora como sua "mestra", e amiga. Ele tem inclusive uma conexão mental com ela, podendo sentir o que ela sente, e se comunicar através de seu chifre de unicórnio.

Ele também pode ter seus poderes de voo aumentados, e mais força física quando montado por She-Ra, o que faz dele o parceiro perfeito.

Curiosidades: Também um alazão alado e falastrão, o Ventania da versão clássica tinha uma voz imponente e era muito mais sério pelo que notei. Além disso, ele voltava a forma de cavalo quando She-Ra retornava a forma de Adora, tudo pra manter o disfarce. Ambos mantinham o vinculo do poder.


Madame Rizzo


Essa personagem é bem esquisita mas, tem seus momentos de protagonismo. Madame Rizzo é uma velhinha que vive isolada na floresta e dificilmente da as caras. Ela tem uma vassoura chamada "Vassourito" e é completamente lunática.

Ela chama Adora de Mara as vezes, e parece estar sempre fora de si. O tempo inteiro correndo de um lado pro outro, falando coisa com coisa, completamente perdida, Rizzo é ao mesmo tempo que enigmática, uma peça crucial pra trama.

É revelado em determinado ponto que ela é maluca, pois vive em várias linhas do tempo ao mesmo tempo. Ela fica saltando mentalmente em vários pontos do fluxo temporal, depois que o Planeta foi isolado, e revive vários momentos, ao mesmo tempo que vive novos momentos. Ela fica fazendo isso involuntariamente.

Isso deixou ela doidinha, e ela pra variar ainda interage com She-Ra, em vários pontos diferentes do tempo. Rizzo ainda tem a capacidade cognitiva intacta, mas ela é confusa, pois não sabe onde está.

Isso é um castigo por assim dizer, por ela ter presenciado o transporte do mundo, direto da barreira, sem ter qualquer defesa contra isso. Ela ficou sequelada, o que por um lado é terrível, já que ela ficou assim, completamente insana, mas por outro é muito bom, pois auxilia Adora com informações que ela jamais teria.

Rizzo é um acaso que ajuda.

Curiosidades: Ela existe na versão clássica, e é doidinha também, mas ao menos parece tar no mundo real. O episódio que vi ela voa entre árvores pois "é mais desafiador do que voar no céu aberto" sem motivo nenhum. Sua vassoura fala, e tem braços além de ser bem interativa no clássico. Aliás, apesar de doida, ela é bem sábia, e sempre tem respostas pras dúvidas mais complexas.


Mara


Essa foi a moça enviada pelos "primeiros" para Eteria, pra colonizar o planeta e conquista-lo, por assim dizer. Além disso, Mara tinha a Espada do Poder e a capacidade de convocar She-Ra em si. Ela foi a She-Ra que existiu antes de Adora.

Porém, Mara não era má, ela nem queria o mal pro planeta. Foi inclusive ela quem se sacrificou para transportar o planeta inteiro (e seu sol) para fora do universo.

Mara fez isso pois seu povo queria o poder do planeta, pra usar como arma contra a Horda, a verdadeira Horda, um grupo universal de conquistadores que havia tomado boa parte do universo. Mas, evitando justamente que a Horda chegasse até Eteria, e também que os "Primeiros" pegassem Eteria, Mara isolou a mesma, ao custo de sua vida.

Rizzo é a única que conhece essa história, a única que testemunhou, e sabe a verdade, já que ela esteve la. Porém, Mara por muito tempo foi esquecida por todos.

Até que Adora a reencontra, junto a sua nave antiga, que ela restaura e passa a usar. Mara pode até ter morrido, mas sua memória vive em Adora, e na sua nave.

Mara tinha amigos, um grupo de rebeldes que de alguma forma a ajudaram, esse grupo era chamado "Grayskull". É pra ele que ela declara honra pra convocar os poderes de She-Ra, da mesma forma que Adora faz. Só que todos eles se perderam também. Ela também tinha um certo vínculo com a Inteligência Artificial que a auxiliava, mas foi esse vínculo que a derrubou por assim dizer.

Curiosidades: Não vi nenhuma Mara no que assisti do original, mas, quanto ao "Grayskull", originalmente, era o nome do Castelo da Feiticeira que guardava as Espadas tanto de He-Man quanto de She-Ra, aquela que também sabia de seus segredos. Ambos precisavam recitar a invocação do poder pra obter a forma poderosa, sendo He-Man "Pelos Poderes..." e She-Ra "Pela Honra...", citando o Castelo mágico.


Esperança da Luz


Essa é uma Inteligência Artificial deixada pelos "Primeiros" em Eteria para auxiliar She-Ra. Ela leva o máximo de informações sobre o passado e registros, só que nem tudo ela é autorizada a revelar.

Repleta de protocolos de segurança, ela só responde a She-Ra (nem mesmo Adora em sua forma normal tem total liberdade diante dela), e tem como objetivo inicial fazer com que todas as princesas se reconectem com seus respectivos cristais.

Em meio a guerra que está por vir, onde princesas lutariam contra a Horda pela liberdade de Eteria, o poder dos Cristais se vê necessário já que provém magia. Mas, a Esperança da Luz tinha outro propósito, muito além dessa guerra "boba".

Na verdade, ela queria que as princesas se reconectassem aos cristais para assim trazer equilíbrio ao planeta, e deixa-lo bom para que um portal se abrisse e ele voltasse ao universo. Tudo para que os "primeiros" o encontrassem. Legal né?!

Sim, o protocolo dela faria reverter tudo o que Mara se matou pra fazer, e ela faz isso como uma aliada, manipulando e enganando a todos, fazendo parecer que é uma boa ideia, mas não é, pois a verdadeira Horda estava la no universo.

Esperança da Luz no entanto não era "má", ela apenas respondia ao seu protocolo de segurança com plena convicção. 

Perfuma


Essa é uma princesa, que tem como poder o domínio sobre todo tipo de planta.

Como de praxe, isso a torna bem próxima à natureza, e também a acaba tornando uma personagem pacifista e calma.

Ela evita conflitos, e busca ser amiga de todo mundo, além disso, ela busca acalmar todo mundo, e fazer com que todos sejam gentis. O que nem sempre da certo visto que sempre há pessoas tentando causar algum problema, e ela tem a esperança e confiança de que eles agirão bem perante ela.

Sua gentileza a torna bastante vulnerável, mas como ela mesma alega, isso não a torna fraca, apenas frágil, e aberta, exposta, mas, esse é seu grande poder. A capacidade de se abrir a todos e confiar em todos, e buscar o melhor em todos, isso a torna única.

É dito que Perfuma seria a mais poderosa dentre as princesas, se quisesse usar seus poderes em plenitude, mas sua misericórdia pelos demais e medo de ferir os outros a enfraquece. Contudo, ela sempre esta la ajudando e lutando, fazendo o possível pra dar suporte a todos, como pode, sem ferir ninguém.

Curiosidades: Achei um episódio da Perfuma no antigo, em que ela é obcecada por flores, pode criar flores do nada, e melhor de tudo, ela consegue vencer Hordak na base da irritabilidade! Só fazendo flores. Ela é bem eloquente na versão original, e imprudente.


Serena


Essa é a princesa dos mares, tendo uma região antes inatingível pela Horda, mas que acaba se vendo obrigada a se unir à rebelião quando a Horda chega ao seu reino. Daí em diante, ela oferece seu enorme poder para peitar a Horda.

Ela pode controlar completamente a água, todo tipo de água, e isso inclui água de esgotos (que ela acaba sendo forçada a usar mais de uma vez). Como seu poder é tremendo, ela é bastante orgulhosa e constantemente toma a frente das batalhas, se pondo até mesmo como imbatível e implacável, apesar de não ser bem assim.

Ela é bem esquentada e temperamental, além de bastante bruta, sendo apesar de uma princesa, uma baita de uma guerreira, ao mesmo tempo que é uma baita de uma regente. De início ela parece bem mimada, mas logo da lugar a sua brutalidade e mostra ao que veio, como uma pirata do mar.

Curiosidades: No desenho original, Serena intercalava entre a forma de sereia e humana, ganhando pernas quando desejasse. Aliás, ela pode invocar uma cauda pra nadar melhor na água no desenho atual, também, então não difere muito. Talvez o mais diferente seja o fato de originalmente ela ter o poder de controlar peixes, ou pelo menos se comunicar com eles, tipo um Aquaman da vida. Seu reino também era submerso. Nesse novo, ela fala com gaivotas... é engraçado!


Gélida


Essa jovem princesa é a mais nova da turma, e a que mais demora a se unir aos Rebeldes. Seu reino, do gelo, era neutro, então ela não desejava tomar qualquer partido no conflito, pelo contrário, ela até mediava "festas" em prol unicamente da união. Claro que, nada disso da certo. 

Gélida é jovem, inocente, agressiva pra caramba, e imprevisível. Ela tem como poder a capacidade manipular o Gelo livremente, e cria armas com isso, como punhos de gelo, armaduras de gelo, e claro, as ditas armas. Tudo para surrar quem lhe ousar confrontar.

Ela é bem implicante, e age antes de pensar. Por ser jovem, ela é imatura, então muitas vezes faz coisas infantis. Mas, por não ter pais (perdeu muito cedo) ela acaba sendo carente ao extremo, e tenta não demonstrar, forçando um isolamento. 

Ela é repleta de súditos de início, mas aos poucos vai se abrindo aos seus amigos novos e, passa mais tempo com eles e menos tempo em seu castelo de gelo, saindo mais, e se divertindo mais, nas lutas contra a Horda.

Curiosidades: No original Gélida é uma mulher feita, bem madura, e poderosíssima, que bate de frente com a Horda constantemente. De resto ela não difere muito, seus poderes são os mesmos, e ela costuma invocar gelo aos montes. Claro, o fato dela ser madura deixa ela bem diferente né!?


Scorpia


Essa é uma princesa surpresa. Desde o início ela é membro da Horda, um dos generais por assim dizer, poderosa e que passa a trabalhar ao lado de Felina na ausência de Adora. Scorpia é extremamente apegada às pessoas, é muito amistosa, bastante gentil, e até romântica.

Ela é uma princesa, e isso é revelado logo na festa da Gélida, só que, o motivo dela não ter poderes de princesa ou de estar com a Horda de bom grade só é revelado bem depois. Na verdade, Scorpia foi a primeira conquista de Hordak, sendo que seu reino estava na Zona do Medo, onde seu Cristal, o Cristal Negro, ficava.

La, Hordak praticamente massacrou a família dela, a espécie dela, o reino dela, e única que sobreviveu foi a princesa, adotada por ela e posta em seu exército sob seu treinamento intensivo. Ela cresceu sem amor, sem carinho, cresceu como um dos muitos outros soldados quaisquer. Só que ela ainda mantinha aquela natureza amorosa dentro de si, e desenvolveu esse carinho naturalmente.

Apesar de Scorpia não ter poderes inicialmente, ela tem Garras de escorpião poderosas que podem cortar qualquer coisa, e uma força física elevadíssima, o que a fez subir rápido no cargo dentro da Horda. Além disso, ela tem uma cauda que permite atordoar pessoas que ela pica, mas ela fica envergonhada ao fazer isso.

Ela se sente mal por ser diferente dos outros, já que suas garras e força elevada dificultam uma demonstração de carinho e afeto mais física, mas ela tenta compensar buscando a demonstração via compreensão, diálogo, e companheirismo. 

Infelizmente, seu excesso de positivismo acaba a colocando numa posição submissa, onde aqueles que querem se aproveitar de sua boa vontade não medem esforços para fazê-lo, e ela não nota, ou sabe como reagir.

Quando se conecta com seu cristal, e desperta seus poderes de princesa, Scorpia aprende a controlar Raios Negros, lançando eletricidade. Ela também se aproxima das demais princesas e acaba deixando a Horda, se unindo assim a Rebelião, pelo menos enquanto seu coração permanece intacto.

Curiosidades: Achei estranho mas, vi ela rapidamente em um episódio da versão clássica, e um outro que ela antagonizou. Provavelmente ela tem mais interações, mas o que vi, ela é bem boba, e só segue ordens, sendo bem submissa à Felina, e quando age por conta própria, tende a cometer erros ao ponto de se colocar em risco. Ela chega até a ser salva por She-Ra, mas ela é vilã, pois fala como vilã e é traiçoeira.


Entrapta


Essa é uma princesa que não possui um cristal. Ela tem um reino, ela tem "poderes", mas ela não tem qualquer conexão com cristais, e também não tem qualquer parte na guerra.

Entrapta é uma personagem eloquente, teimosa e imprudente. Ela tem um apego enorme por máquinas, e praticamente viveu cercada só de robôs, então ela não tem qualquer noção de como lidar com pessoas. Isso a torna meio fria, insensível, e distante quando se fala em emoções.

Entretanto, ela é bem humorada, amistosa, prestativa, muito intuitiva, e tem uma ótima noção do que é certo e errado, em teoria é claro. Ela avalia bem as situações e sabe sempre o que fazer para que tudo saia bem, ao menos pra ela. Ela não se importa com ninguém além de si mesma, mas não chega a ser narcisista ou egoísta, ela apenas não entende as razões de se importar com consequências, ou com os outros.

Seu vício por tecnologia a faz muitas vezes arriscar vidas para que consiga mais informações, sempre tomando a dianteira, sempre avançando com planos prontos somente em sua cabeça, ela arrisca a si mesma e aos demais para conseguir mais máquinas pra estudar, mais tecnologia antiga e afins.

Chega a ter um aspecto autista visto que, sua insensibilidade faz soar como alguém que não liga pra ninguém, alguém vazio e sem emoções, sendo que ela tem emoções, apenas expressa de um jeito completamente diferente. 


Aliás, acho que não é errado afirmar que ela é autista. Tem um vício por comidas pequenas, sem razões lógicas para tal; possui essa obsessão por tecnologia e inventos; é completamente isolada socialmente, não por desejo, mas por incompatibilidade mesmo; e ainda por cima tem esse bloqueio emocional e dificuldade de se expressar, alias, impossibilidade de se expressar, mesmo sendo incrivelmente inteligente.

Ela sorri o tempo inteiro, mesmo quando esta triste, ou deveria estar, ela permanece sorrindo. Raramente faz uma expressão de desânimo, e quando o faz é por tentar explicar como se sente. Ela não deixa isso transparecer, afinal ela nem conseguiria se tentasse, mas ela sofre com o fato de não poder transmitir ou compartilhar emoções. Da pra perceber isso nos momentos em que ela busca fazer algo pelo bem dos outros, mas ninguém entende e a julgam por suas ações causarem mais mal do que bem.

Entrapda é tão aleatória e imprevisível, que não da pra dizer se ela está com os Rebeldes ou com a Horda. Ela anda dos dois lados, livremente, pois pra ela nem há razão pra conflito entre os dois grupos. Ela não enxerga nada de ruim, em nenhum dos dois lados, mesmo depois que seu reino é tomado pela Horda, ela vê o lado positivo e apoia, pois pode assim estudar as tecnologias deles sem problemas. Ela até chega a ajudar eles com armamentos para atacar os Rebeldes.

Igualmente, ela ajuda os Rebeldes a se defender e a estudar as origens do planeta, dos poderes, e entender mais as Princesas. Ela faz questão de estar la com todos sempre dando todo apoio possível para que eles avancem em conhecimento. Só que, apesar de ser útil em todos os quesitos, ela nunca toma um partido, o que a faz ser odiada pelos mocinhos, e pelos vilões, vista como "traidora", sendo que ela nunca traiu ninguém.

Entrapda tem pleno controle de seus cabelos longos, e eles quase tem vida própria por assim dizer, se movendo, pegando objetos, e até levantando ela sem problemas. Ela também tem uma aptidão tremenda com tecnologia, e consegue se adaptar a qualquer tipo de sistema técnico, desde software até hardware, não importa o tipo, não importa a época.

Algo curioso com ela, é que é ela a personagem que toca o coração de Hordak. Justamente por seu fascínio por tecnologia, quando ela conhece Hordak, ela não se intimida (afinal, ela não conhece essas emoções) e se aproxima dele independente do quanto fosse repreendida. No fim, ela consegue mostrar pra ele como melhorar sua armadura, e como ficar ainda mais poderoso, se tornando não apenas útil, mas extremamente próxima.

Ela consegue informações pessoais dele, que mal conversava, e cria uma intimidade inimaginável com ele. Sua falta de medo, sua perseverança e insistência a fazem ficar tão colada nele, que aos poucos ambos se atraem. Hordak se abre tanto pra ela que no fim, recebe a frase "Suas imperfeições são incríveis!", o que acaba amolecendo o antagonista. 

Isso não dura muito, pois Felina trai Entrapda, que trabalhou com ela e até foi considerada sua amiga, e faz parecer que ela traiu Hordak, quebrando esse vínculo de um jeito mesquinho e horrível. Mas, o que importa é que no fim, tudo termina bem.

Curiosidades: No clássico, ela também é relacionada a tecnologia, e também tem cabelos que se movem sozinhos, mas ela é totalmente má, e leal a Hordak. No episódio que vi ela ajuda ele e até da planos direto de como destruir Adora, e chega a quase vencer. Ela aparece pouco, fala muito arrastado, mas não se parece em nada com essa nova versão, sendo mais controlada e direta.


Spinnerella


Essa princesa não é uma das principais, e não tem um vínculo com cristais. Porém, ela tem poderes, e aparece logo na segunda temporada, pouco, mas aparece, e ganha bastante destaque na quinta.

Spinnerella é uma princesa capaz de controlar o vento, e com isso, pode gerar tornados. Ela é forte, mas sua personalidade não é tão desenvolvida por falta de tempo em tela. Ainda assim, o pouco que é mostrado apresenta alguém amoroso, fiel, e centrado e calmo.

Ela é a única princesa casada, e curiosamente, é com outra princesa, a Netosa. Ambas sempre estão juntas, seja em planejamentos ou em batalha, e trabalham muito bem uma com a outra.

No final, Spinnerella acaba por trocar de lado, indo para a Horda, "forçada". Isso testa o amor dela com Netosa, mas é curioso ver o quanto ambas são apegadas e conseguem mesmo assim, superar as desavenças e confiar uma na outra.

Curiosidades: Acha pouco? No original Spinnerella era uma moça que tinha o poder de girar, formando assim um pequeno tornado. Yep, era isso. Ela foi manipulada por Sombria, depois que sua melhor amiga Netosa foi sequestrada, pela própria Sombria, pra lutar contra a Rebelião em nome da Horda. Não demorou pra que She-Ra descobrisse o esconderijo de Netosa e a liberta-se. Detalhe, ambas eram desconhecidas pra Rebelião até esse ponto, mas depois do que Sombria fez, elas se uniram como aliadas.


Netosa


Essa é outra princesa, também sem um cristal, mas com poderes. Ela consegue manipular cordas mágicas, criando redes e afins e os arremessando pra prender inimigos.

Ela é muito apegada a Spinnerella, e como ela, é fiel e confiante. Há momentos em que ela poderia suspeitar de sua amada, mas ela não o faz, por confiar totalmente nela. Claro que isso acaba por causar problemas mas, essa confiança extrema de ambas é parte do amor que elas compartilham.

Netosa é uma estrategista nata, conhece as falhas de todas as demais princesas, ou ao menos acha que conhece, e lembra bastante um "Batman" da vida. Ela tem seu momento de brilho na quinta temporada, e mostra um pouco de sua personalidade manipuladora e controladora, além de ser bastante agitada.

Curiosidades: No original, Netosa não tinha poderes, pelo contrário, apenas sua amiga tinha a grande habilidade de girar... rs... bem, ela não passava em branco porém, e tinha uma capa em forma de rede que podia jogar nos outros. Esse era seu "poder". She-Ra a salva e depois disso, ela e sua melhor amiga se unem à rebelião. Sim, elas eram só amigas no original.


Falcão do Mar


Esse é um pirata, que é apaixonado pela Serena, e não faz a menor questão de esconder esse amor todo. Ele vive na cola dela, pulando nela, cantando pra ela, e se declarando.

Apesar de ser um pirata ele tem uma falha terrível: É piromaníaco. Ele adora queimar barcos, e assistir eles em combustão. Por essa razão é odiado nos mares por todos aqueles com quem já trabalhou e saqueou.

Falcão é bem alegre, esperto, um pouco lunático e sonhador. As vezes ele bola uns planos completamente fora da casinha mas, ele sempre visa o que é melhor pra todos, e tem até que ideias boas para conquistar seus objetivos.

Amizade pra ele é primordial, e Serena é seu farol guia. Ele sempre está em busca dela, e jamais a abandona não importa o que ocorra.

No fim, com um sorriso e seu bigodão, Falcão consegue o tão sonhado coração de Serena, que apesar de se fazer difícil, e menosprezar o galanteador, não consegue esconder tão bem o que sente por ele.

Curiosidade: No original, o cara era respeitadíssimo, tinha uma enorme tripulação, vivia falando de seu pai, um pirata lendário, e ele era todo pintoso e pomposo, além de cantar maravilhosamente, ser muito forte, usar uma espada laser e... bem... ele e Adora... bem... eles tinham um lance.


Mais curiosamente ainda, Falcão não sabia da identidade dela como She-Ra, e apesar de ambos lutarem lado a lado, ele jamais desconfia. Legal que, na versão atual... o lance de Adora é com Felina...


E ela sabe de She-Ra... e ai Falcão, cadê seu deus agora?!


Rainha Ângela


Essa é a mãe de Cintilante, e a única Rainha de toda Eteria. O sistema de realeza não fica tão claro, mas é possível uma princesa conduzir o seu domínio mesmo sem ser considerada uma rainha, por isso todas as outras tem seus reinos normalmente, e não são rainhas. Se bem que, da a entender que apenas a Rainha da capital é a principal, sendo todas as demais "princesas", independente da idade.

Enfim, Ângela é bem objetiva, responsável e protetora. Ela resguarda pelo seu e pelos demais reinos firmemente, e sempre mantem sua compostura. Além disso, ela sempre está pensando em sua filha, protegendo-a e disciplinando-a da melhor forma possível. Infelizmente, depois que seu marido morreu na guerra passada, ela se viu forçada a desfazer a Rebelião, e proteger todos de forma mais pacífica. Mas sua filha decidiu tentar reiniciar os passos que sua mãe deu antes.

Ela tem asas, logo, pode voar livremente, mas prefere caminhar a maioria das vezes. Ela também tem poderes de luz assim como Cintilante, que aliás, herdou dela né.

Ângela é muito super-protetora com sua filha, não deixa que ela se arrisque, e sempre da broncas nela, que as vezes soam injustas, mas, ela se preocupa. Com o tempo, aos poucos, ela vai reconhecendo que sua filha está amadurecendo, e aos poucos vai concebendo mais espaço pra ela, além de confiar.

Porém, chega um momento em que Ângela se sacrifica por sua filha e confia plenamente nela para continuar seu legado. Isso é bem triste, mas... irreversível.

Curiosidades: No clássico, ela tem asas de anjo assim como seu nome sugere, e é rainha de Lua Clara também. Ela é uma rainha guerreira, e no episódio que vi, ela busca pelo seu marido, se sacrificando inclusive, ou quase, para salva-lo. Ela é bem parecida, além de também super-proteger Cintilante, mas ela ao mesmo tempo confia nela.


Rei Micah


Ele é o pai de Cintilante, que foi perdido na guerra, como um dos mártires mais tristes, deixando uma filha e uma esposa. Ele era um Feiticeiro tão poderoso, que é lembrado no Reino Mágico até os dias atuais como uma lenda.

Pouco citado no inicio, visto como um exemplo a se seguir, Micah é lembrado por sua esposa e só chega a aparecer quando a realidade é distorcida. Nessa distorção, uma nova história é mostrada onde ele não teria morrido, e ele reencontra sua filha, vivendo com ela um tempo, feliz.

Tudo isso é desfeito depois, para corrigir o curso do tempo, mas a presença de Micah torna-se tão marcante, que influencia na decisão de sacrifício de sua esposa. Ela se sacrifica pra que a realidade volte ao normal, pra que sua filha viva a verdade. O problema, é que Micah não tinha morrido.

Na realidade, Micah foi condenado a morte e mandado pra uma ilha isolada onde ninguém sobrevive, pois é repleta de criaturas malignas e letais. A ilha também consome a vida daqueles que permanecem nela, então era impossível sobreviver. Porém, Entrapda é mandada pra essa mesma ilha por Felina (eis a traição) a qual até diz pra Hordak que ela fugiu, pra ficar com as princesas... enfim... na procura por Entrapda, Adora e Arqueiro encontram Micah! 

Engraçado que Adora e Arqueiro fazem essa viagem pra buscar a "inimiga" contra as ordens de Cintilante, a qual nesse período já tinha assumido o papel de Rainha, no lugar de sua mãe. Reviravoltas!

Ele sobreviveu anos, usando sua feitiçaria e, apesar de ter perdido um pouco da sanidade pelo isolamento, ele ainda estava la. Ao saber de sua filha estava bem, e melhor, tinha virado rainha, ele fica triste é claro, pela perda da esposa, e pela passagem do tempo, mas feliz por poder voltar pra sua filha, mais velha do que ele lembrava. 

Micah demora até finalmente encontrar Cintilante, já que ela tem sua própria história, fazendo suas escolhas cada vez mais terríveis, se afundando junto com Felina num dueto trágico para o desfecho, e somente la no final da quinta temporada, ambos podem se abraçar.

Ele chega a se aliar aos Rebeldes, chega a ser controlado pela Horda, e até luta contra Cintilante, mas em todo seu poder, ele é derrotado. Aliás, vale mencionar que Micah foi o jovem que Sombria manipulou para usar magia negra, mas ele seguiu nas artes da feitiçaria sem as influências dela. Somente quando controlado, ele usa o poder sombrio que é realmente enorme.

Curiosidades: No original, Micah ta vivo e tava no reino do Mestre da Horda, lutando. Ele foge, acaba sendo pego no meio do caminho, e é resgatado por sua esposa. Curiosamente, sua filha, sua amada e ele vivem juntos em paz, mas ele permanece indo pras batalhas sempre que preciso. O cara é um baita de um guerreiro, sem magias pelo que notei.


Double Trouble


Bem, esse personagem é meio que um personagem secundário que surge na quarta temporada pra causar estardalhaço. Mas, apesar de ser sim um personagem bem interessante, ele não é tão importante, ainda assim valendo mencionar.

Double Trouble é um ser antropomórfico transformista, que pode assumir qualquer forma que já testemunhou. Ele se infiltra na Rebelião pra causar problemas, intrigas, semear a discórdia e desconfiança, além de espionar, e mandar informações pra Felina na Horda.

Ele trabalha pra Felina, e apesar de se passar por amigo, ele só liga pra dinheiro, tanto que chega a trair ela, por dinheiro. Pra Double Trouble vale quem pagar mais.

Ele é mesquinho, narcisista, e artístico. Adora atuar, e ama mostrar suas habilidades de interpretação teatral. Apesar de mercenário financeiramente, ele é bastante eficiente em seus trabalhos, e raramente falha.

Perto do fim, ele se disfarça de "Pavão Azul", um suposto príncipe perdido, porém é reencontrado e se alia a Rebelião, por vontade própria. Isso mostra que ele tem boas intenções apesar de não ser nada leal.

Curiosidade: Originalmente, Double Trouble era um aliado que só apareceu numa revista, nunca tendo participado da animação. La era uma mulher, habilidosa em espionagem.


Melog


Perto do final, Felina encontra em outro planeta um Gato Mágico com quem apenas ela pode se comunicar. Esse gato permite que ela aprimore ainda mais suas habilidades de batalha e infiltração, pois ele pode ficar invisível, e pode tornar tudo que está perto também invisível. Ele ainda por cima muda de forma, e é muito fiel a ela.

Bem, na quinta temporada, Eteria volta pro universo, como consequência das ações de Cintilante e Felina. Elas erram tanto que tudo praticamente é dado por perdido, e ambas são levadas para a Verdadeira Horda. Na busca para liberta-las, Adora e os outros passam a viajar pelo agora descoberto universo, usando a nave de Mara, e encontram vários planetas diferentes.

Devido algumas reviravoltas, Cintilante e Felina se aliam, e ambas embarcam na viagem. Nessa viagem, descobrem que o único planeta que não foi conquistado além de Eteria, tinha um habitante e era repleto de magia, algo que tinha sumido do universo (somente Eteria tinha magia além dele). Então, com isso descobrem a fraqueza da Horda, mas, muito além disso, eles encontram esse gatinho fofo.


Como um apoio a mais pra Felina, esse bichinho auxilia em batalha e no confronto contra a Verdadeira Horda, além de fazer referência aos antigos poderes de Felina, na animação passada. Aliás, isso também ocorre naquela brincadeira visual de um dos episódios.


Irmãos Estrela


Apenas pra mencionar, também nas viagens pelo universo, Adora e os outros encontram os irmãos Estrela, 3 habitantes de outro planeta que sobreviveram a uma das conquistas da Verdadeira Horda e agora viajam por ai, em busca de meramente continuar sobrevivendo.

A participação deles é pra mostrar que o universo também está repleto de pessoas que de alguma forma resistiram mas, acabaram perdendo pra Horda, e no fim, eles estão fugindo eternamente. Com a presença de Adora, e o poder de She-Ra (que ela teve de abrir mão inicialmente com a destruição da espada, mas ela descobre uma forma de recuperar), uma chama da Resistência se reacende no universo inteiro, fazendo aquela ideia da Cintilante ainda na primeira temporada, de lutar contra Horda, se estender muito além, para todos em todo universo.

Por causa disso, outros planetas passam a resistir, paralelo ao que Adora faz em Eteria. Mesmo não sendo plenamente mostrado, a queda da Horda no universo inteiro ocorre graças a essa influência, e os Irmãos Estrela tomam parte como os mensageiros que espalham o inicio da rebelião.

Mestre da Horda


Por fim, falemos dele, o temido Mestre da Horda.

Aquele quem controla a Verdadeira Horda, uma enorme frota intergalática que conquista e destrói planetas como bem entender.

Seu exército é totalmente leal, pois é formado somente de clones de si mesmo, sem emoções, e criados para obedecê-lo e servi-lo, além de venera-lo acima de tudo. 

Aqueles que apresentam qualquer defeito, são exilados e descartados, e foi o que ocorreu com Hordak. Alias, Hordak não deveria ter esse nome, já que é o nome do Mestre da Horda, o único de todos que pode ter um nome. Porém, ele assumiu isso para que o nome de seu "irmão" causasse medo em Eteria.

O Mestre da Horda também tem um exército de robôs, que só servem de infantaria.

Enfim, o Mestre da Horda chega a Eteria depois que Cintilante acessa o Coração de Eteria, usando os Cristais, para atacar a Horda. Todos os lados tinham algum plano, Hordak queria o coração pelo poder pra abrir um portal e chamar seu irmão e mestre; Esperança da Luz queria o Coração pra assim devolver o planeta ao universo como parte do protocolo, já que os "primeiros" queriam o planeta também; e as princesas queriam o poder para vencer a Horda, mas se dividiam entre usa-lo, e arriscar a segurança, e não usa-lo, e perder o planeta pra Horda. 

Foi assim que Cintilante se tornou um tipo de ditadora mesquinha que usou o poder das princesa à força e fez besteira, unindo todos os planos em um.

O portal abriu, o planeta voltou pro universo, as princesas usaram o poder do cristal, mas em troca disso tudo, a Verdadeira Horda que tinha conquistado o universo todo já, encontrou o planeta e pronto, eles começam a invasão.

Daí pra frente, o Mestre da Horda é o vilão, sendo que como Hordak era um defeito, ele é imediatamente levado pra sofrer uma lavagem cerebral que descarta todas suas emoções e é incluido no exército de clones.

As emoções que Hordak tinha despertado eram por Entrapda, e ele inclusive tinha pensado em viver uma vida individual, isso o torna descartável pro Mestre... mas a história dele não acaba aí.

Legal que Entrapda vira praticamente protagonista na quinta temporada e apesar de não mostrar, ela vai atrás de Hordak, e quando o encontra, é incrível. Ela cura a mente dele só com a presença dela, e ele é uma peça chave pra derrota do Mestre da Horda.


Antes disso porém ela acaba encontrado o Hordak Errado, um clone que acabou se desprendendo da mente coletiva e passou a ser guiado e cuidado pela Rebelião, o que é hilário.

Aliás, o grande poder do Mestre da Horda está nessa Mente Coletiva. Ele está em todo lugar, ele sabe tudo, ele vê tudo. Ele vive pra sempre, pois ele pode migrar de um corpo pra outro apenas passando sua mente instantaneamente.

Apesar de preferir a mente vazia de seus clones pra se transferir, indo de um lado pro outro o tempo inteiro, não apenas ficando em seu corpo principal (e mais forte), o Mestre pode possuir qualquer pessoa, desde que esta esteja com um chip de controle mental.

Ou seja, qualquer um pode ser ele, ou ser controlado por ele, independente do poder, independente da natureza. O Mestre é imortal, temível, imprevisível, inevitável.

Mas, ele é derrotado, pois Hordak o desafia, e She-Ra o pulveriza, só a mente, salvando Hordak no final.

O que é bem fofo pois, Hordak quem criou Adora... 

Curiosidades: O Mestre da Horda nunca apareceu no desenho original, pelo que vi. A única imagem que eu achei em um episódio que assisti foi ele dando um ultimato no Rei Micah por ter fugido. Só da pra ver a aura negra do cara. Em teorias, ele teria duas cabeças, seria todo poderoso, mas tudo indicava que ele era da mesma espécie do próprio Hordak. Talvez, a resposta contida em She-Ra e as Princesas do Poder seja bem mais reveladora, e explicar ele como um clone satisfaça a curiosidade.


Bem, essa é a história bem resumida e pouco detalhada de She-Ra e as Princesas do Poder.

Eu sei que faltou falar da Emily, o robô que Entrapda construiu e criou um mega vínculo, do pessoal do deserto, ou da tia de Cintilante, mas é que ao meu ver não são personagens com uma urgência ou importância gritante a se mencionar. Ainda assim, tem bem mais do que eu falei viu...

Se quiser conhecer mais, por favor, assista!!!

Compensa cada minuto. 


Bem, é isso.

Espero que tenha curtido.

See yah!


Postar um comentário

8 Comentários

  1. Cara não consigo tankar esses novos desenhos, mas sua analise quase me faz sentir vontade de ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Quase"? Ah, vai la sr, tenta ver ao menos um epi. Garanto que curtirá! Mas, obrigado sr Chaves, pela leitura e pelo feed.

      Excluir
  2. Seu erro aqui foi, repetir 40 vezes a palavra desenho, 50 vezes a palavra garota, e comparar do inicio ao fim com "estive no universo", quando se faz uma resenha ou qualquer coisa do tipo não é necessario ficar fazendo comparaçoes com algo que ou não é concorrente direto, ou não tem nenhuma ligação, que no caso do he man e do she ha antigo fez todo sentido.
    Mas tirando isso houve uma grande evolução na sua forma de escrever, falando o que vc achou sobre o conteudo e não apenas como ele é, algo que as vezes é algo que faz falta no que vc escreve, por exemplo, kh3 e principalmente twilight princess vc só escreveu como eles são e não o que vc acha do conteudo, servindo mais de explicação de historia e ligaçoes, mas acaba deixando meio robotico demais. O post recente de dark, por mais extremista que ele pode soar, ainda tem mais vida que esses dois que eu citei.
    Agora sobre isso aqui... nunca fui fã de he man, e sequer vi o antigo desse, então meu interesse é bem baixo, mas não pude deixar de notar a animação, e como as produçoes dos USA estão se aproximando cada vez mais do estilo japones, alias, não pude deixar de notar uma semelhança com sailor moon e madoka magica pelo que vi (talvez uma inspirou outra, mesmo sendo de epocas diferentes e paises diferentes). E percebi que vc tem uma tara por essas coisas meio kawai kkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas dicas.

      Bem, eu gostei muito dessa animação então, pra mim compensou escrever. O mesmo digo de KH3, pra mim, foi um dos melhores artigos que fiz, pois me senti feliz. Apesar de nem todos os textos agradarem tanto, quando eu me sinto feliz, já compensou. Twilight Princess é outro que eu amei, mas eu entendo você. As vezes, eu só quero falar da parte técnica mesmo e não opinar tanto, e as vezes é o contrário. Depende da obra.

      Legal que tu disse que comparei com Steven e la veio você comparar com desenhos japoneses kkk. Mas sim, eu entendi. E é, eu sou meio viciado em coisas fofas.

      Excluir
    2. Relaxa kkkkkk (sei que tu é...), bem... não é eu que publico posts aqui(tsc tsc).

      Excluir
    3. Oche... Bem, obrigado de qualquer forma por tar por aqui.

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)