AnáliseMorte: Street Fighter

Estava eu sentado em minha poltrona maltrapilha pensando "Ora bolas, o que farei neste fatídico resto de Fevereiro?" e logo me veio a mente analisar algo grandioso, que eu jamais havia imaginado analisar antes, um jogo, Capconiano, de gênero luta, de Arcade! Eis-me então aqui, preparando um artigo sobre:

Street Fighter


Um jogo que todo mundo já ouviu falar, mas quase ninguém jogou, nos tempos atuais é claro. Imagino como foi tenso pra galera dos arcades... certeza que tem gente com ótimas memórias.

Bem, boa leitura.

O jogo do qual to falando não é o famigerado Street Fighter 2 que teve trocentas versões e virou tamanha febre, que influenciou o gênero luta nos games, além de ser consagrado até os dias de hoje, com continuações cada vez melhores. Aqui, falarei do primeirão, esquecido por deus, que deu origem a ele.



No youtube eu já vi comentarem sobre o primeiro Street Fighter e a razão dele não ter vingado como um grande jogo, além do título só ter ficado famoso por causa da continuação, fazendo ele ficar ainda mais de lado de toda a franquia.

Porém, eu ainda não tinha visto nada a respeito desse game profundamente. Até o dia que assisti um vídeo mostrando a evolução do gameplay de Ryu e Ken, dois personagens da série que tão presentes la desde o primeiro jogo.

Eu fiquei me perguntando "Bem, se eles tão desde o primeiro jogo, então são os protagonistas né?" mas, logo me lembrei dos filmes em live action que foram feitos sobre a série, e todos eles mostram Ryu e Ken como coadjuvantes.

Assim sendo eu queria entender quem são eles, e cheguei a conclusão que ambos são os mais importantes da série inteira, sem a menor dúvida, e quem fez os filmes nunca nem jogou (ah va, qualquer um que assistiu aos filmes tem a mesma conclusão kkk).

Hoje, decidi dar um jeito de jogar o primeiro título e conhecê-lo, analisa-lo, e estudar o que faz dele bom, ruim, mediano, ou ao menos "influenciador", pois foi por causa dessa pequena pérola que surgiu o Street Fighter 2, tão amado por tantos.

Só que, não foi tão fácil assim achar o jogo "certo". Assim como todo o restante da franquia, Street Fighter tem várias versões do mesmo título, pra consoles diferentes. É interessante isso pois pode-se considerar esta como uma das primeiras grandes influências dele sobre a marca, assim, forçando suas continuações a sempre terem e trazerem versões diferentes do mesmo.

Minha primeira experiência com Street Fighter foi na versão de Amiga, um computador velho pra burro. Bem, logo de cara eu disse "Caramba entendi porque esqueceram desse jogo".



Framerate lentíssimo, dificuldade mínima. Quase bati o jogo na primeira tentativa só dando 1 soco.



Os controles, lentos, mas respondiam aceitavelmente. Assim sendo, eu só tinha que esperar os inimigos chegarem perto e apertar o botão de ataque e pronto, murro na fuça (ou nas regiões baixas).



Especial porém, ausente. Não dava pra fazer nenhum movimento além de dar um soco. Até aprendi a dar um chute giratório, colocando pra trás e dando soco (sim, dava chute usando o mesmo botão de soco), só que ele não acertava o inimigo, mesmo se ele tivesse colado no personagem.



Logo, bug ou não, a mensagem que recebi é: Numa briga de rua, só chegue dando um murrão na cara alheia e pronto, você vence.


Alias, legal que o chefe final é tão alto que da pra derrotar, ou tentar derrotar, só ficando abaixado dando chutinho. Nenhum golpe físico dele acerta se ele tiver de pé. Infelizmente ele lança umas bolas de energia que acertam (pois vão pra baixo) e acabaram me matando. 



Eu só não venci o jogo, pois quando se perde, volta la pra primeira fase. Isso deu uma baita desmotivada.


Então, antes de continuar, algo me incomodou. Todas as fases tinham apenas 2 músicas, que alternavam aleatoriamente, além disso, tudo era estagnado, os cenários eram feios e parados. Eu lembrei na hora que nos vídeos que vi sobre esse jogo, os cenários se moviam e ele não parecia tão "lerdo".

Daí fui procurar outra versão.

Peguei a original, de Arcade. Usando um emulador (MAME) tentei jogar e... quebrei a cara.



Era impossível sair da primeira fase, primeiro pois os movimentos não respondiam a qualquer comando corretamente. Os socos saiam quando queriam, os chutes, dificilmente saiam. Já o inimigo sempre fazia altas manobras e combos, pulando feito condenado e até especial lançava.



Era mais bonito, fato. Tinha mais movimento, músicas, sons nos ataques, animações simples na hora de entrar no jogo, fase, etc. Até mesmo vozes tinha, algo que não havia na versão de Amiga.

Só que não dava pra jogar! Como eu iria derrotar o primeiro chefe se eu nem conseguia acertar 1 ataque? Foi ai que percebi algumas diferenças extras no arcade.

Primeiro, sistema de continuação. No arcade era preciso inserir fichas pra continuar jogando, e o emulador simulava esse sistema também, tanto que era preciso gerar fichas pra inserir e continuar, coisas que tinham nos comandos do emulador mesmo... foi quando pensei: "Pera, será que da pra mudar a dificuldade?"


E ai olhei que, a "Máquina Arcade" podia ser configurada, com velocidade, dificuldade, resposta de movimentos, tudo! Algo que não duvido que nos Arcades reais também possa ser feito, pois eram comandos de configuração da máquina, não do emulador.



Então primeiro mudei a dificuldade (sim, eu sou noob), depois mudei a velocidade de resposta dos movimentos (estavam todos taxados em 25, botei em 100).



Não é que deu certo!? O jogo ficou jogável assim, os movimentos ficaram corretos, respondendo normalmente, como um bom jogo de luta. Os inimigos, apesar de ainda serem rápidos, não estavam mais frenéticos e desesperados pra vencer a batalhinha.

Então só me restou aprender a jogar.

Gameplay

Os personagens podem andar, pular e abaixar. É o básico do básico, e cada direção combinada com um botão de ataque, faz um certo movimento.

É possível dar socos, e chutes, com um botão pra cada. Então o jogador tem que escolher se bate abaixado, pulando, ou em pé, se anda pra bater, ou se simplesmente espera o rival chegar perto.



Além disso, da pra defender, colocando pra trás. Fazendo isso, a maioria dos ataques inimigos não causam nenhum dano.


Da pra fazer especiais, apenas dois pelo que eu vi: Um gancho pra cima, e uma bola de energia.

Quem conhece a franquia sabe bem que movimentos são esses né: "Dragon Punch" e "Hight Thunder" (é o som que eu ouvi!)



Sim, Shoryuken e Hadouken tinham esses sons na hora do disparo. Se não me engano, dava pra dar o Hatektktstugen (???) só que eu não consegui, e provavelmente se baseia no botão de chute, que eu raramente usei.

O protagonista (obvio quem é né?) precisa vencer seus inimigos em combates de até 3 rounds (o terceiro é em caso de empate).


Cada personagem tem uma barrinha de HP, fraca que só, mas a do jogador sempre será a mais fraca. Especiais conseguem tirar quase metade dessa barra, então, é sempre legal tentar fazer eles.

Pra realiza-los, é só mexer o analógico e dar sucos e chutes feito louco. Na lógica seria tipo "baixo>frente>soco ou trás>baixo>frente>soco" só que, quem disse que é fácil executar? Só no modo maluco do controle mesmo.

Teve uma hora que eu acho que quebrei meu controle, simulando os de uma máquina de arcade. Manuseei o analógico com o peito da mão, e bati no botão de ataque como se estivesse desesperado. Deu certo.

O jogo permanece sendo difícil, principalmente contra certos inimigos, mas no geral, da pra vencer martelando os comandos desesperadamente.

E em caso de perda, da pra continuar da fase em que paramos, só pondo mais fichas.

Sem mistério algum, é isso que Street Fighter é.

Não podemos escolher o personagem com o qual jogaremos. Só é o Ryu, no máximo da pra pegar o Ken, mas só se jogarmos de 2, e o segundo jogador vencer a luta. Ai ele assume o protagonismo.

Mas, no geral, é preciso jogar como Ken, e vencer todos os lutadores de rua, que sempre falarão exatamente a mesma frase, com a mesma voz.



E por fim, se tornar o maior guerreiro das ruas... é isso.

Se tem algo mais pra falar, e eu acho que é interessante, é sobre os personagens:

Ryu


Ele é um cara que treinou alguma arte-marcial ainda não explicada (afinal não há nada no jogo que explique quem ele é ou o que ele faz) que sai pelo mundo testando suas técnicas em pessoas aleatórias que também se julgam lutadoras.



É um arruaceiro querendo briga com outros arruaceiros, só isso.


Entre uma batalha e outra, tem fases bônus onde é preciso apertar o botão na hora certa pra quebrar as tábuas ou geral fica puto com Ryu.
Engraçado que quando ele conquista o título de maior arruaceiro do mundo, ele meio que é ameaçado na integra, pois é dito "Outros tentarão roubar seu título, então cara, fica esperto".



Imagino que seja uma mensagem para os jogadores de Arcade, que quando terminam suas jogatinas, precisam inserir o nome com a pontuação adquirida na máquina, e a qualquer momento outra pessoa pode vim e substituir essa pontuação.


Outro bônus é o de socar madeiras antes do tempo terminar. Só é preciso bater nas que já tem no cenário, e não surgem novas. É um desafio deveras simples.
Mas, no mundo de Ryu, o cara tava jurado de morte depois de viajar o mundo tudo dando surra em aleatórios.

Ken



Ele é um amigo do Ryu, eu acho. É a única pessoa que fala outra frase se for derrotada "Boa sorte vei". Pois assim que ele é derrotado (no modo de 2) o jogo começa normalmente.


O que da a entender é que, Ken e Ryu juntos tinham o plano de viajar o mundo surrando geral, mas só tinham dinheiro pra 1 passagem mundial. Por isso, eles tiveram que tirar na porrada, quem iria fazer o tour da pancadaria.



Ken usa exatamente os mesmos movimentos de Ryu, sem diferença em dano ou velocidade. Isso significa, que os desenvolvedores tavam com preguiça e fizeram um personagem com a cor diferente pra fingir que era outro, e puseram como segundo, igual o Luigi Ken treinou igual Ryu, e aprendeu as mesmas técnicas (aham).



Ambos residem no Japão, pelo menos é onde Ken e Ryu se enfrentam quando o jogo começa, seguindo o padrão. Isso significa que o dojo deles, ou templo, ou sei la onde treinam, fica nessa região, por onde decidem começar a Street Fighter.



Porém, como Ryu é ruivo, e Ken loiro, não da pra dizer que ambos tem a mesma nacionalidade de fato. Ao que tudo indica eles só treinam la, não são naturais do japão.

Retsu



O carequinha que é enfrentado na frente de um templo xintoísta, no Japão mesmo. Por padrão, é a primeira fase enfrentada. Apesar do jogo permitir escolher entre 4 países, quando joguei no Amiga, começou direto no Japão, então pra mim, é la que tudo começa e pronto.



O tio Retsu é o primeiro guerreiro enfrentado. Um tipo de monge que manja das voadoras, e não para com isso nem a pau.



Não saberia dizer o tipo de arte marcial que ele usa, mas ele usa um quimono então, certeza que ele tem um baita de um treinamento. Além disso, sempre no término da batalha ele agradece com as duas mãos juntas, assim como toda boa arte nipônica de esmurração de fuça exige.



Em rápida pesquisa, descobri que o cara segue o estilo Shoringi Kenpo, e até que faz sentido, tanto que, não só as técnicas se assemelham ao que ele mostra na hora de lutar, como a vestimenta é bem parecida.


Essa técnica se resume a auto-defesa, mas Retsu seria um "monge renegado" por isso ele pratica ela de forma tão agressiva.


Geki



O segundo alvo de Ryu é Geki, um ninja que surge numa belíssima paisagem com o Monte Fuji ao fundo.



Ele, como todo bom ninja, usa uma Garra em uma das mãos, lança Shurikens, e é extremamente rápido. Essa das Garras é novidade, mas esse cara encapuzado usa isso como arma então, ta valendo, e pelo jeito vale usar armas nas Street Fighter.



Ele também pode usar um especial que o faz ficar invisível por um tempo e o teletransporta pra outro ponto do mapa, com fumacinha e tudo. Tem coisa mais ninja que isso?



Confesso que quando ele surgiu pela primeira vez, eu achei que era um aprendiz do Retsu, querendo vinga-lo ou algo assim, mas pelo que parece, ambos são guerreiros independentes, que eram considerados os mais fortes no Japão, sendo Geki um raríssimo seguidor da arte ninja. Ryu da uma surra nos dois antes de vazar pro próximo país.

Joe



Esse é o primeiro enfrentamento dos Estados Unidos da América, um Kickboxer  maroto que vai pra cima de Ryu na estação de trem mesmo, provavelmente onde ele desembarcou, vai saber.



Joe luta tanto co mas mãos quanto com os pés, seguindo o estilo no qual é perito. Ele nem usa camiseta, assim como os lutadores de Kickboxing, que é um tipo de variante o Boxe, só que com liberdade pro uso das pernas.



Curiosamente, ele não é la tão forte, apesar de ser aparentemente baseado no "Joe Lewis", lutador americano de Kickboxing e Karatê, além de ator, famoso nos anos 60.



Ele luta de forma ágil, pulando, dando socos e chutes sem dar muito espaço pra Ryu reagir.



No começo do jogo, é Joe quem aparece esmurrando um muro pra apresentar Street Fighter, mas ele ta usando uma jaqueta, e é quase irreconhecível!


Mike



Mike é o segundo enfrentado, esse já num ponto turístico dos E.U.A., o Monte Rushmore. La ambos se enfrentam, com Mike apelando pro Boxe, outro estilo de luta, só que esse focado só em Esquiva e Punhos.



Mike tem sua aparência, estilo e nome inspirados num lutador famoso da época, desse mesmo estilo, o Mike Tyson. Isso deu uma treta no futuro mas, na época, pelo jeito, a ideia era mostrar que Ryu dava um coro nesses lutadores tudo.



Geralmente ele fica de longe, aguardando os golpes pra contra-atacar. Tem pouca movimentação e apela muito pra ganchos, além de ter golpes extremamente fortes.


Lee



Na China, Ryu encontra Lee, um lutador de Pa Chi Chuan (aquela técnica que o cara enche a cara e sai batendo e esquivando feito bêbado, pois ele tá bêbado!) que não é nada fácil. Ambos se enfrentam na Muralha da China, e nessa hora eu comecei a me perguntar se Ryu tava mesmo buscando os maiores guerreiros do mundo, ou tava fazendo só um tour mundial mesmo.


Saca, Ryu deve ter chego na Muralha, tava admirando a paisagem, ai o Ken ligou pra ele (na época nem tinha celular mas, sei la, finge que ligou) e perguntou "Ai mano, como tão as lutas? Já enfrentou o melhor da China?" Ai ele olha pro lado e vê um bêbado caído e diz "Opa Ken, to começando a batalha da minha vida agora, te ligo depois!".



Lee não é tão poderoso, apesar de ter uma boa defesa e contra-ataque. Infelizmente não tive muito tempo de luta contra ele pois, tinha aprendido a lançar "Hight Thunder" e comecei a apelar de longe.


Gen



No sudeste da Asia, ainda na China, Ryu enfrenta um mestre nas Artes Marciais Chinesas, Gen. O cara é uma montanha em termos de resistência, mas não o mais poderoso que Ryu já peitou.



Infelizmente não tive muito tempo de batalha contra ele, por isso não sei dizer quais são todos seus movimentos. Ele tentou pular dando diferentes tipos de chutes pra me atacar mas, não deu certo, acertei todos os especiais, que apesar dele ter defendido e resistido alguns, capotou logo em seguida.



Aparentemente, ele é algum tipo de velho chinês que não se importa em espancar turistas. Seu designe e estilo de luta é fortemente inspirado no "Pai Mei" do filme Kill Bill (2), um mestre em "Dim mak, o Toque da Morte". 



Talvez por isso eu não tenha perdido, pois nem deixei ele chegar perto e ele não conseguiu acertar os pontos de pressão de Ryu.


Birdie



Na Inglaterra, Ryu conhece um cara branco, alto, magro, punk, com um moicano loiro, especializado justamente em Lutas de Rua. Esse é Birdie, quem fica preparado pra agarrar e dar altas finalizadas em Ryu sempre que ele chega perto.



Ele também pula e da marteladas com os punhos, que são mortais, além de dar topetadas giratórias. Cada golpe dele tira quase metade da energia vital. Ele é bem forte.


Birdie, talvez por ser especialista em brigas de rua, conquistou a fama como maior lutador inglês. Só que, depois de ter sido derrotado por Ryu as coisas devem ter "pesado" pra ele... rs...



Birdie é um dos poucos dessa lista que permaneceu aparecendo no universo Street Fighter, só que ele sofre grandes mudanças, uma delas é em seu peso. O cara engorda uns 200 quilos, e muda seu estilo de luta um pouco. Ao longo da franquia também notei que, é normal, lutadores que pegam algum trauma de derrota darem uma engordadinha. Tem outro que passa pela mesma coisa, mas eu não fazia ideia que Birdie já tinha sido tão magro.

Eagle



Ainda na Inglaterra, Ryu encontra e desafia Eagle, um tiozinho bigodudo, na frente de um castelo.



Esse cara também usa armas pra lutar, dois cassetetes, e é aparentemente um segurança particular de família nobre, assim como aquele no qual é baseado (um personagem do filme "Fist of Fury" com o Bruce Lee, chamado Petrov, personagem que toma uma surra pro Bruce Lee, mas, é estiloso). 



Sua técnica de batalha é "Perícia em Bastões", por isso do equipamento escolhido.



Mesmo armado ele perde. Infelizmente não tem muito a falar sobre ele afinal, não há mais nada sobre o personagem em jogo. 

Adon



Na Tailândia, começam os combates finais, primeiro contra Adon, um cara esquisito pra caramba, e rápido de mais. Ele é tão rápido que as vezes encaixa um especial dentro de outro especial, fazendo 3 especiais seguidos sem espaço pra defesa, que matam instantaneamente.



Especialista em Muay Thai, esse cara fica pulando e dando murros, joelhadas, fazendo acrobacias, ele é terrível. Demorei muito pra passar dele.



Um dos guerreiros mais poderosos que Ryu já enfrentou, Adon era apenas um aprendiz, o segundo mais poderoso guerreiros da Tailândia, e assim que ele é derrotado, seu mestre surge pra tirar satisfações.


Sagat



Ele seria Sagat, mestre em Muay Thai, só que bem diferente de Adon em luta. Ele é mais lento, e muito mais brutal em seus golpes. Cada golpe dele é mortal, além disso ele defende tudo com muita precisão.


Sagat é o chefão final, e é tão forte que com apenas 2 golpes pode vencer a luta. 


Além disso, ele pode defender os especiais de boa.



Ele também tem um especial de arremesso que lança uma rajada de fogo de seus punhos juntos, que simplesmente não da pra defender. Soma isso ao fato dele ser um muro, é bem complicado bater no cara.



Mas, no fim, depois de muito suor, sangue, e continues, ele é derrotado, e reconhece a vitória de seu rival.


Então a foto de todo mundo esmurrado é mostrada, e o texto final, declarando que Ryu é o grande "Rei do Pedaço (!?)".



Fim.



Esse é o jogo, Street Fighter de 1987.

Ele não foi o primeiro jogo de luta da história, antes dele tiveram outros, mas nenhum tinha uma qualidade tão exuberante no visual. Foi isso que se destacou em Street Fighter, e deu luz verde para uma "continuação", o Final Fight. Posteriormente, surgiu o tão famoso Street Fighter 2, e elementos com o cenário em movimento, fazendo referências, foram ainda mais explorados.

Bem, esse jogo é simples, pode ser zerado em poucas horas (acho que da pra zerar em menos de 1 hora), e é esquisitinho mas, é meio divertido sim. Pensando nas demandas de época, ele cumpria bem o que prometia.

Bem, é isso.

Espero que tenha gostado dessa simplória resenha, e até a próxima.


Além disso, to atento as recomendações na página do facebook.

See yah!

Postar um comentário

23 Comentários

  1. E essa foi uma análise do jogo street fighter 1. Tão curta quanto eu imaginava.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa... eu não queria estender muito pois, o jogo foi simples. Até pensei em aproveitar e falar junto com o filme e as animações, mas pensando melhor, nah. Legal fazer posts curtos de vez em quando.

      Excluir
  2. Boa resenha sr. Morte,tenho alguns pontos a falar: o Pai Mei é um personagem recorrente em filmes de kung fu das decadas de 60 a 80,até Jackie Chan já enfrentou essa figura,vale a pena conferir; Eagle,Gen,Birdie e Adon já apareceram em outros street fighter,mas isso você já deve saber,o Mike e o ninja foram reformulados nos personagens Balrog e Vega,respectivamente; o criador de street fighter saiu da capcom sem participar das sequências,foi acolhido na SNK e lá criou os maiores rivais de street fighter no território asiático, pouco antes da falência e compra da snk ele fundou sua desenvolvedora e trabalhou no renascimento de street fighter com o 4,baita reviravolta.
    Entendo o post curto pois não há muito o que dizer do primeiro jogo,tudo de interessante da série veio nas sequências, espero que venham análises e teorias morte dos outros jogos de street fighter e final fighter, infinitas possibilidades...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hm, eu conhecia o Pai Mei apenas do Kill Bill, mas já tinha ouvido falar que ele aparecia em outras obras, agora, contra o Jack Chan? Essa eu quero ver!

      Bem, sobre as reaparições dos personagens, eu to ligado... inclusive tive de me segurar bastante pra não "falar de mais" pois, pretendo, quem sabe, falar mais de cada um em futuras análises. Tem muito jogo dessa série que eu gostaria de estudar e conhecer, e é neles que surgirão as melhores informações e curiosidades.

      Esse é só o primeiro, só pra conhecer mesmo, e dar aquele empurrão... creio que irei fazer novos posts de Street Fighter logo.

      Enfim, sr, obrigado pela leitura e presença.

      Excluir
    2. Sobre o filme do Jackie,foi o filme mais sério e violento do Jackie Chan que já assisti,é formada uma equipe pra derrotar o "maior mestre" de kung fu que existe e o personagem dele é conhecido como o retalhador.
      Depois que os personagens conseguem se entender e engajar na missão,seguem para o local onde Pai Mei estava,eu sempre ria por associá-lo ao Tao Pai Pai de Dragon Ball,mas enfim; a luta acontece e Pai Mei vai matando um por um e o final te deixa pensando muito no filme, nunca encontrei na net,assisti num especial que a record fez só de filmes classicos e chineses do Jackie,vale a pena.

      Excluir
  3. Achei que o filme reino proibido ia trazer esse personagem do Jackie Chan,pelo visual,mas foi apenas um cosplay. Legal também dizer que vários personagens enfrentam Pai Mei armados e ele mata a galera só na base da porrada em pontos estratégicos...as sequências de lutam são soberbas,nada feito em Hollywood ainda supera esse filme em matéria de coreografia de luta,se alguém souber de qual filme se trata,por favor fique à vontade pra recomendar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu to muito curioso pra saber que filme é esse.

      Excluir
    2. Filme onde o Jackie usa uma roupa azul e usa o punho bebado alem do reino proibido que eu lembre é A Lenda do Mestre Invencivel 2, agora um filme que retrata o Pai Mei que eu lembro é o Clã do Lotus Branco, que é brutal e é do crlh.

      Excluir
    3. Srta Beatriz, aguardo ansiosamente pela resposta do sr Mario sobre ser esse filme mesmo ou não. Independentemente, vou conferir algumas cenas de luta de ambos só pra, ver o quanto as coreografias são loucas.

      Excluir
  4. O nome do filme não lembro,pois assisti na record faz tempo e nunca mais vi uma reprise,assisti o mestre invencível e ele não tá totalmente caracterizado como no reino proibido,apesar de ser a referência usada. Muitos filmes do Jackie Chan estão perdidos,seja por direitos seja por falta de interesse em relançar, o que é uma pena,pois esse foi o kung fu que mais me impressionou.

    ResponderExcluir
  5. Faz do 2, mas não antes dos que eu falei (só se tiverem pedido antes), esse 1 ai é bem marromeno sendo modesta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom te ver srta Lolinha, bom te ver.

      Dizer a real eu até comecei a analisar o 2. Como tem dezenas de versões, eu preferi pegar as principais e checar uma a uma, mas meu foco foi na versão definitiva do Nintendo Switch, que por sua vez é a que carrega todos os elementos de uma vez só, e ainda tem o Evil Ryu e o Violent Ken.

      Só que, eu tava fazendo no mesmo esquema que fiz o KI, terminando com cada personagem, e quando chegou no Blanka se não me engano, eu travei pois é muito ruim jogar com ele.

      Daí dei um tempo e, meu roll back mental rolou. Perdi as recordações do jogo.

      O problema de ter memória de péssima duração... mas, sim, irei voltar ao jogo logo logo. Considerando as demais prioridades atuais e compromissos né.

      Srta Lolinha, torço pra que encontre mais artigos do seu agrado! E me dê o prazer de suas palavras kk.

      See yah.

      Excluir
    2. Roll Back Mental kkkk muito bom, primeira vez que vejo esse termo.

      Excluir
    3. Sou o pioneiro numa porrada de coisas kkk. Mas tem termo melhor pra resumir o que me ocorre????

      Excluir
    4. Mas eu nem sei exatamente o que ocorre com vc (só to vendo que boa coisa não é) kkkkkk

      Excluir
    5. Ahhh, desculpe srta Lolinha, eu explico kkk...

      Eu tenho amnésia de curto prazo, por assim dizer. Esqueço tudo depois de alguns dias, tipo... histórias de jogos, filmes, livros, geral some da minha mente. Também esqueço informações, como nomes, datas, coisas pessoais também, enfim, eu já esqueci minha própria idade por 2 anos seguidos.

      Fiz um artigo curioso chamado "Remember me" que é sobre o jogo, o qual eu coincidentemente esqueci de analisar 3 vezes, depois de analisar, 3 vezes. Foi irônico pois, olha o nome dele kkkk. Ele é um exemplo icônico de como minha mente é estranha.

      O bom de ter esse problema é que, sempre que eu leio algum texto que fiz, nem parece que fui eu que fiz e fico todo pomposo (ou bem crítico).

      Excluir
    6. Meio tenso esse lance ai (confesso que estou começando a me assustar com esse site).

      Pomposo? Vc parece ser meio afeminado kkkk

      Excluir
    7. É bem chato na verdade.

      (Como assim assustar? Desculpe... não se vá!)

      Pomposo... no sentido de ficar me achando e... ah para eu só usei uma palavra que definia o sentimento que eu queria expressar adequadamente... isso não me torna afeminado (imagina se ouvisse minha voz mano!)

      Excluir
    8. .... Eu entendi a referencia... se for o "Ah pai, paraaah"... pif... ficaria surpresa.

      Excluir
  6. "Nós vamos ao encontro do mais forte" IIÁÁÁÁÁ!!! BORAA.... Pera, street errado!
    Hahaha ótima análise, direta e enxuta, não esperava nunca uma análise de um game assim e que bomque você fez, eu amei! Street é aquele caso incrível onde a sequência simplesmente "Eclipsa" por completo o original, até aquele anime incrível, que revi há poucos meses, carrega o "2" no título. Eu já tinha visto aliás o vídeo do Zangado sobre esse game e dá pra entender aliás porque ele não fez tanto fuá na época mas realmente o Super Street Fighter 2, o que mais joguei aliás, é um game que você pode dizer que é melhor. Eu zerei aliás todos os streets que já joguei e justamente o que eu nunca vi foi esse aí mesmo! Ainda lembro que caras como Balrog, no anime ele vitou Vega, e Sagat podem ser uns pesadelos de derrotar, Jesus Cristo.
    Falando em dificuldade você topa algum mortal kombat das antigas? Esses são tão difíiceis quanto, zerei de novo o mk 2 há algum tempo e quase me esqueci como a máquina é forte em MK, meu Deus. Shao Kahn e Bison são com razão duas lendas do mundo dos jogos de luta, e assim como seus respectivos games merecem todo o crédito que tem (embora Mortal Kombat hoje seja essa salada que num faço questão de provar, toda hora sai personagem convidado pro 11, meu Deus)!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MK11 imitando Smash Bross, só nos convite kkk.

      Eu joguei os 3 primeiros MK mas durante a infância, tenho boas recordações mas, ao mesmo tempo, não sinto vontade de rejogar. Luta não é mesmo meu estilo, pois normalmente jogo tudo sozinho então, a diversão do competitivo me faz falta hehe.

      Na época que eu jogava Street Fighter 4 online eu me divertia muito, foi acho que a última memória boa de um jogo de luta que obtive.

      Eu tava fazendo a análise do SF2, peguei a versão final de Switch pois, é a que juntava tudo de todas, mas ai pensei "melhor jogar todas as versões como fiz no 1" e desanimei kkkkkk. É muito jogo meu, muito jogo.

      O principal motivo de fazer o artigo do 1 era ausência de materiais dedicados a ele. É um jogo que sim, foi ofuscado pela sequencia, mas ele existe kkk.

      Vlw sr Marcio!

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)