ArquivoMorte

PesquisaMorte:

sábado, 18 de maio de 2019

SérieMorte: Doctor Who (Christopher Eccleston)

Eu sei, é estranho falar de séries por essas bandas mas, fazer o que, deu vontade afinal de contas.



Boa leitura.

Bem, Doctor Who é uma série que sempre me despertou curiosidade, mas eu enrolei bastante pra assisti-la, motivo? Bem, é grande de mais.


Acontece que eu sou péssimo pra me... digamos... comprometer... e no caso de séries, quanto mais longas, menos vontade sinto de "atualiza-las" (One Piece que o diga... kkk).

Mas, devido a eventos recentes, acabei por não suportar a curiosidade (outro de meus defeitos) e me rendi. Decidi por assistir tudo e seja o que Deus quiser.

Só tinha um problema... por onde começar?

A série se divide, basicamente, em 2 períodos (isso sendo muito, mas muito resumido) o Clássico, e o Atual.

Começar pelo clássico demoraria tipo, anos (exagero... ou nem tanto) considerando que são mais de 20 temporadas, desde 1963. Então, acabei decidindo começar pela atual mesmo, que ta com 12 temporadas (por enquanto, mas não para), que demorará um pouco menos, e eu terei muito do que falar. Mas depois já tenho tudo arranjado para pegar a versão clássica também!

Assim sendo, para que eu não me esqueça (mais um dos meus muitos defeitos) eu preciso registrar. Logo, tive a ideia de escrever pequenos resumos e considerações sobre cada temporada assim que encerrar... Isso junta o útil ao agradável e me permite não só me deliciar com essa série épica, mas permanecer escrevendo, mesmo com tanto tempo consumido...

Falando nisso... tempo (alias, perdoe o excesso de reticências, é outro defeito, quando estou empolgado acabo escrevendo assim), é o tema dessa série logo, explica minha empolgação.

Eu sou fascinado pelo conceito paradoxal de viagens no tempo, e achar uma série que trata justamente disso, é algo... fantástico.

Doctor Who é uma série Britânica (eu amo o sotaque britânico!) de Ficção Científica, com elementos de Humor, Drama (muito drama) e Terror. Note que eu disse "Terror", não "Horror". Não há tripas nem sangue jorrando pra todo lado, mas cara, há morte, quase no mesmo nível de Game of Thrones, mas os câmeras-man (os heróis da cinegrafia, que nos permitem ver tudo!) nos poupam dos detalhes.

Tirando o Slitheen explodindo, acho que não vi nem uma gota de sangue nessa temporada... tirando também o corte na mão do moleque da máscara colada, durante a segunda guerra mundial... E... talvez os ossos expostos pela radiação dos Lasers Mortais dos Daleks... é... tem uns negócios bizarros... ah é, tem a última humana da Terra que é, basicamente, pele e veias, com órgãos numa jarra... ali tem sangue... ela pelo menos queima por ressecamento... enfim... me sinto um nerd falando.


Se você não conhece essa série, não se preocupe, eu explicarei ela com detalhes o suficiente pra, nunca esquecer, mas também, pouparei dos detalhes extremos pois sinceramente, adoraria que você assistisse.

Agora se já conhece, não se preocupe, este texto não será um desperdício de tempo para sua leitura considerando que aqui também há a opinião de um recente fan, e pode ser interessante compartilhar.

Doctor Who?


O doutor não tem nome, apenas se apresenta como "Doutor" então, o "Who" meio que é seu título. Todos sempre perguntam "Doutor Quem?" e é isso que da nome a série.


O mais interessante de tudo é o conceito principal: O Doutor sempre muda.

Toda temporada é demarcada pelo ator que interpreta o Doutor, assim sendo, o nome do ator meio que é o nome da versão adotada pelo Doutor, mesmo ele nunca se apresentando assim.

Apesar dessa ser minha primeira temporada e experiência com o Doutor, não posso simplesmente fazer alegações, mas posso deduzir com base em observações. Por exemplo, pelo que tudo indica, apesar do Doutor não mudar, apenas seu aspecto físico, o comportamento e alguns pequenos traços de personalidade acabam sendo influenciados pelo seu novo corpo (tanto pela atuação, quanto pelas consequências do tal corpo). Assim sendo, cada versão do Doutor é única, e vale a pena mencionar alguns traços importantes.


Aqui, Christopher Olherudo Eccleston da ao doutor um ar galanteador, e um tanto quanto perdido. Considerando o tamanho da importância e conhecimento do Senhor do Tempo, meio que fiquei perplexo em muitos momentos co mas atitudes meio ignorantes dele.

Simplesmente existem vários momentos em que o Doutor age de forma ingênua, e um tanto quanto estúpida, e muitas vezes nem apresenta soluções dignas para alguém com tal título. Ele realmente parece perdido e propenso a erros em suas várias aventuras, e muitas vezes até soa desesperado pelo acaso.

Senti um certo complexo de "Willy Wonka" (perdoe a referência) também, onde as vezes ele parece saber muito mais do que demonstra, e suas ações não refletem por completo seus pensamentos.


Dois bons exemplos são a conclusão do episódio "Dia do Pai" e também, a resolução final de "Lobo Mau". Ambos os episódios mostram o Doutor agindo sem pensar, mas na verdade, encerram revelando intenções secundárias em seus atos. Respectivamente: Ele decide o pior, para salvar alguém que não deveria ser salvo; Ele mente para salvar alguém que ama, e finge seus trejeitos corriqueiros.

Constantemente ele é sorridente e empolgado, soltando seu bordão "Fantástico" pra todo canto. Mas, as vezes sua troca repentina de humor demonstra um caráter oculto e bem mais... sombrio... do que sua forma deixa transparecer.


Sua alegria as vezes soa como zombaria, e parece mascarar suas reais intenções, coisa que ele deixa claro quando do nada, muda a expressão.

Assim sendo, creio que é justo afirmar que esse doutor, empolgado, ingênuo, covarde (palavras dele) e inconsequente, é também apenas um reflexo de seu corpo atual.

Bem, o Doutor seria um Senhor do Tempo, com 2 Corações, sem corpo físico próprio, que altera de forma para sobreviver. Sua raça foi extinta numa Guerra do Tempo contra umas criaturas terríveis chamadas Dalek e, ele tem bastante ressentimento por isso.


Ele parece inteligente... as vezes. Conta com uma Chave de Fenda Sônica que pode fazer tudo, tudo mesmo. Ela pode destruir coisas; pode abrir portas, qualquer porta, e até cadeados; pode sacar dinheiro; pode atordoar os outros; etc.


Ele tem uma carteira com um papel especial que mostra o que os outros querem ver, e é meio que sua identidade para poder ir e vir sem que ninguém embace pro seu lado.


Ele também tem uma Nave Viva chamada TARDIS, que simplesmente pode teletransportar pra qualquer lugar, em qualquer tempo, e tem um controle muito estranho. Ela também pode traduzir o idioma alheio em tempo real, na cabeça das pessoas, e dar um sotaque britânico pra geral (rs)... dentre outras coisas.


Alias, ela é menor por fora do que por dentro, e tem a aparência de uma Cabine de Telefone Policial, travada assim permanentemente por causa de seu sistema de camuflagem danificado, o qual o Doutor não quer consertar pois gostou do formato.

Bem, de resto, da pra citar ao contar a história da temporada.

Rose


Bem, essa moça, interpretada por Billie Piper é uma jovem adulta de 19 anos que após ser salva pelo Doutor, meio que vira co-protagonista.


Ela segue em sua aventura, movida por uma paixão platônica, e de certa forma vira o centro da temporada.


Ela está em todos os episódios, e alguns são focados justamente em sua história, e isso me lembrou muito o que foi feito la no Anime de Devil May Cry. Como la, a personagem que anda com o protagonista meio que direciona o enredo, que em cada episódio é parcialmente individual, mas se conecta em toda a temporada.


No final, cada episódio forma uma peça de um enorme quebra-cabeças que encerra justamente em Rose. Mas, é possível assistir cada um individualmente pois, no geral, as histórias são particulares.

Seguindo o modelo de séries, aqui, irei resumir o que me recordo de cada um dos episódios e, no fim, darei meu veredito final.

Daqui em diante é só spoiler então, leia por sua conta e risco.

Rose
A Batalha dos Manequins


Esse episódio mostra Rose, a jovem loira com seu namorado Mickey e seu belíssimo trabalho, até que do nada, um monte de manequins ganham vida e tentam mata-la. 

Ai aparece um cara, que diz ser o Doutor. Ele salva ela, ajduando a fugir, e acaba deixand oum dos braços de manequim com ela. Depois disso, ele explode a loja.

Posteriormente, ele reaparece, na casa dela, atrás justamente do braço, que era na verdade um dispositivo controlado via rádio, por uma criatura de plástico.

Ambos se juntam para impedir que a criatura de plástico dominasse e exterminasse a humanidade, mas no processo uma porrada de gente morre.

Ainda assim, a garota é seduzida pelo misterioso Doutor, a quem ela também ajuda (no último momento) e é convidada para viajar ao seu lado, através do Tempo e Espaço.

O Fim do Mundo
O Futuro Bilenar


A primeira viagem deles juntos é pro mais longínquo futuro, o dia em que a Terra simplesmente explodiu. La, eles entram pra um tipo de festa espacial onde assistem o fim dos tempos, por diversão.

Durante a festa, onde várias raças diferentes se reúnem, ocorre uma sabotagem, e a estação inteira acaba sendo exposta ao Sol.

No fim, o Doutor consegue salvar ao menos Rose, e apesar de várias perdas (como a mulher árvore, com quem ele flerta), tudo termina razoavelmente bem, e o responsável pela sabotagem é punido.

Uma mulher humana, que de humana já não quase nada, e queria enriquecer ao custo da vida dos outros. Ela no fim tenta fugir teleportando mas, a Chave de Fenda Sônica reverte teletransportes e a criatura frita pelo calor.

Os Mortos Inquietos
Fantasmas do Tempo


Para o passado então, Rose e o Doutor acabam indo passar o Natal numa cidade onde, convenientemente, ocorre um surto de zumbis. 

Um necrotério amaldiçoado acaba fazendo os mortos andarem novamente, possuídos por espíritos aparentemente do além, e o primeiro morto em tempos, que se levanta, vai assistir o show de um escritor famoso.

Posteriormente, descobrem que os fantasmas eram alienígenas presos numa fenda espaço-dimensional, que sobreviveram a Guerra do Tempo, mas perderam seus corpos.

Com ajuda de uma garota que simplesmente desenvolveu uma capacidade mediúnica, por viver rente a Fenda Espaço-Dimensional, eles ajudam as criaturas a se liberarem por completo e possuírem corpos humanos mortos, para assim caminharem novamente em carne e osso, mas, elas eram entidades malignas que acabam decidindo possuir a humanidade inteira.

Por sorte, a garota mediúnica se sacrifica para detê-los, e mesmo após morrer, acaba selando a galera tudo, que era feita de gases, no necrotério, e explode todos.

Depois disso eles vão embora, e o escritor famoso fica pra trás, mas a parte trágica era que ele morreria naturalmente pouco tempo depois, conforme as previsões e conhecimentos do Doutor.

Alienígenas de Londres
Voltando pra Casa



Ao voltar pra Londres, Rose vai falar com sua mãe, porém, se passou 1 ano. Ela tava como desaparecida e tudo tava um caos, o que não demora muito pra normalizar, até que...

Uma nave espacial bate no Big Bang, e pra variar, a humanidade fica ciente da existência de alienígenas.

O Doutor da a chave do TARDIS para Rose e em seguida, vai averiguar o que é que pousou em Londres, descobrindo ai uma trama alienígenas de invasão, não por parte da nave em si, mas de quem estava por trás dela.

Uma raça alienígena estava infiltrada na humanidade, tramando algo contra, e eles criaram uma Sereia de Figi usando um Porco, para assim fazer a humanidade se distrair.

Terceira Guerra Mundial
Os Slitheen


A raça em questão era uma família, chamada Slitheen, que havia tomado corpos humanos dentre os poderosos, e os usado como roupas para assim, manipular geral.

Eles começam a se mostrar, matam muita gente, e no fim, tramavam destruir o planeta para vender sua radiação à quem tivesse interessado pelo universo.

Só que, com ajuda de Rose, seu namorado, sua mãe, e mais um pessoal descartável, o Doutor consegue explodir a família Slitheen com um míssil, e sobrevive pra contar a história.

Dalek
O Museu



Uma nova viagem acaba levando o Doutor e Rose para um museu alienígena subterrâneo, onde conhecem um colecionador e também, o dono da Internet. 

La, o Doutor pode contemplar um antigo inimigo dentre coisas alienígenas diversas, e no fim, ainda se depara com uma amostra viva de algo terrível: O último Dalek.

Ele é levado a dialogar com o Dalek, que inicialmente desperta terror nele (aquela voz, era assustadora) e no fim, o Doutor é adicionado a coleção, como o último Senhor do Tempo.

Mas, Rose ao ver o Dalek sofrendo com torturas, é enganada por ele, o toca, e partilha seu DNA com ele, o que o faz restaurar suas funções e massacrar geral.

No fim Rose quase morre, mas o Dalek a poupa por ter adquirido traços de humanidade e assim, despertado empatia, dentre outros sentimentos. Sofrendo por não ser mais um Dalek puro, e ainda por cima por não existir mais nenhum Dalek no universo, ele suplica pela morte, e Rose o ordena que se mate.

Rose acaba também se atraindo por um nerd que trabalhava no museu, e o leva consigo na TARDIS.

E o Dono da Internet tem sua memória apagada e é descartado, devido ao número de mortes que ele causou com sua insistência em manter o Dalek vivo.

O Longo Jogo
O Satélite



Em mais uma viagem, o Doutor leva o novo tripulante para conhecer o verdadeiro mundo alienígena, mas vai parar em um Satélite cheio apenas de humanos.

La, todos eram jornalistas, e transmitiam para a Terra informações que, posteriormente, são descobertas como manipulativas e falsas.

O Doutor descobre que a humanidade estava atrasada de mais pra época, e que as noticias estavam os prejudicando, e ao tentar descobrir a verdade, encontra uma criatura alienígena que estava subjugando a raça humana.

Ele acaba então com a transmissão do falso jornalismo e co ma criatura, e no fim, o carinha convidado pisa na bola. 

Ele tenta tirar proveito da situação, e usando um telefone celular melhorado pelo Doutor, manda informações ao passado para si mesmo, só que o Doutor descobre, expulsa ele da TARDIS e apaga as informações. 

Só que ele mesmo tinha feito modificações físicas em si, no futuro, e isso fica em aberto.

Dia do Pai
As Consequências



Rose abre o jogo com o Doutor, e pede pra ele leva-la ao passado, no dia da morte de seu pai, para conhece-lo. Ela era bebê na época, e só queria vê-lo... mas...

Ela acaba fraquejando na primeira vez, o que os faz repetir a viagem, mas ai tem 2 pares de Doutor e Rose no mesmo tempo.

Nessa segunda tentativa de falar com seu pai em seu leito de morte após o atropelamento, Rose vacila e salva a vida de seu pai. Isso cria um put4 paradoxo que apaga as outras versões deles, e pra variar, abre uma brecha temporal que invoca Parasitas Temporais.

Eles começam a devorar a humanidade inteira, e no fim, até a Tradis some.

O Doutor também é devorado.

Mas, o pai de Rose, após descobrir toda a verdade, avista o carro que o atropelaria, preso num loop infinito, e acaba se sacrificando, se matando como deveria ter matado, e isso reajusta o paradoxo.

No fim, todos esquecem o que houve, os devorados pelos parasitas retornam, inclusive o Doutor, e tudo o que muda é que, o pai pôde conhecer sua filha antes de morrer, quem ficou ao seu lado até o fim, e desapareceu em seguida.

A Criança Vazia
Capitão Jack


Seguindo um sinal de perigo cor Bordô (a cor universal do perigo), o Doutor e Rose são levados à segunda Guerra Mundial, bem de baixo de um bombardeio alemão à Inglaterra.

La, eles tentam localizar o item espacial que caiu na Terra, uma provável nave, e acabam se separando.

Rose segue uma estranha criança com uma máscara, que chama por sua mãe, e vai parar num Balão, pendurada, sendo salva por acaso por um Antigo Patrulheiro do Tempo, o Capitão Jack, com quem ela flerta pacas.

Ele tenta lhe vender a localização da suposta nave que caiu, antes de um míssil cair no local e destruir tudo, e durante as negociações, eles são levados ao encontro do Doutor.

Por sua vez, o Doutor conhece uma garota que tirava proveito dos sinais de bombardeio, e levava crianças de rua para comerem em casas recém abandonadas pelos moradores (que se abrigavam).

A garota conta a localização do item que caiu do céu, mas também revela a existência de uma criança de máscara que, se tocada, aparentemente mata, tornando aquele que a tocou tão vazio quanto ela.

E assim, o mistério começa.

Na verdade a nave que caiu, era uma ambulância, que havia matado o irmão da garota, mas em seu lugar, a criança de máscara fundida no rosto surgiu.

O Doutor é mandado até um hospital próximo do local da queda, onde descobre que todos que entraram em contato com a criança, tiveram feridas exatamente iguais as dela aplicadas aos seus corpos, e pra variar, máscaras fundidas aos seus rostos surgiram, além delas ficarem ligadas a ela, buscando por sua mãe, como zumbis, sem batimentos cardíacos, mas ainda se movendo.

O Doutor Dança
A Doença


Ao conhecer Jack, o Doutor descobre que ele abriu a ambulância e soltou algo, que infectou geral, e tava se espalhando pelo ar.

Na verdade, a ambulância espacial tinha uma nano-tecnologia de cura que, ao entrar em contato com a criança morta pela queda, tentou cura-la, e erroneamente considerou a máscara como parte do ser humano, e as múltiplas feridas como algo normal, além da situação psicológica abalada como natural.

Assim sendo, a tecnologia decidiu curar a humanidade, espalhando essa situação para todos ao redor, todos que entrassem em contato com a criança, e com o tempo, através do ar mesmo.

Só que, a irmã do garoto, não era sua irmã, mas sim sua mãe biológica, aquela por quem ele tanto suplicava em seu leito de morte. 

Ela assume isso a tempo de reparar seu psicológico, e a tecnologia alienígena ao analisar sua mãe, em um abraço que deveria convertê-la, acaba por se atualizar e descobre que cometeu um grave erro.

Então, a nano-tecnologia inteligente arruma sua falha, regenera o garoto, que recupera sua forma normal, sem a máscara nem as feridas, e também restaura todas as pessoas infectadas.

Por fim, todos acabam voltando ao normal, e pela primeira vez, nem tudo acaba em morte, exceto pela bomba que cai bem no local da nave, como previsto pelo Capitão Jack.

Antes de explodir, ele acaba travando a bomba e levando ela pra sua nave, e indo pra longe, mas, em cima da hora, ele descobre que não tem como fugir da bomba, e aceita sua morte.

Até que o Doutor se teletransporta com a TARDIS pra dentro da nave e o salva, enquanto dança com Rose, assim arranjando mais um tripulante.

Cidade Explosiva
O Segredo de TARDIS


Todos viajam para Londres pra recarregar a TARDIS, usando justamente a Fenda Espacial que permanecia emanando energia ao longo dos tempos. De quebra, Rose poderia falar com sua mãe e seu namorado...

Mas, la eles descobrem que um Slitheen sobreviveu, e tramava destruir Londres, e o mundo.

Eles o encontram, e botam sob custódia a tempo, e assim começam vários dilemas. Rose e seu namorado discutem sobre suas viagens, e ele tocar a vida independente dela. 

O Doutor e a Slitheen discutem sobre ela ser má de verdade ou não, e merecer a pena de morte certa que teria ao ser levada de volta pra seu planeta.

E Capitão Jack mexe na TARDIS de boa (o Doutor simplesmente deixa ele la, pra monitorar o carregamento da nave).

No fim, a Slitheen acaba sabotando a TARDIS e quase a detona junto à fenda espaço-temporal, pra assim fugir usando um Extrapolador (uma prancha inter-espacial que protege contra qualquer coisa).

Antes de ser bem sucedida entretanto, a própria TARDIS age, e expõe sua alma para a Slitheen que ao entrar em contato com ela, simplesmente agradece e volta a ser um ovo.

Acontece que a nave tinha uma alma poderosa que podia realizar os desejos mais profundos daqueles que a viam, manipulando o tempo... meio bizarro, mas funciona e isso faz com que a Slitheen, que estava cambaleando entre bem e mal, tivesse uma nova chance, nascendo outra vez.

E ai, o mundo é salvo, dessa vez sem tantas mortes, alem das muitas pessoas que a Slitheen mata é claro... e a fenda... 

Lobo Mau
A Televisão e os Dalek


Do nada o Doutor vai parar no Big Brother, Rose vai parar num jogo de perguntas e respostas, e Jack vai para um programa de Estilistas.

Eles voltam la pro Satélite de programações, 100 anos após a interferência do Doutor com o jornalismo. 

Foram puxados por teletransporte, por alguém escondido, e la eles descobrem que o tempo inteiro, algo que se apresentava como "Lobo Mau" estava manipulando todos os passos do Doutor através do tempo.

Mais uma vez a humanidade estava de alguma forma sendo manipulada por algo, e sendo atrasada propositalmente, e o Doutor volta para ajudar... salvando a si mesmo e seus amigos de jogos mortais televisionados.

Todos que perdiam, nos muitos programas, acabavam sendo desintegrados.

Assim, ele consegue escapar, e descobre que a empresa Lobo Mau, bem como quem quer que o tinha levado até ali, não o queria morto, mas sim atento ao que estava ocorrendo.

E ai ele descobre, no finalzinho, após assistir Rose ser desintegrada e ficar muito puto...

Que os Daleks ainda existiam, tinham uma frota enorme com mais de 200 naves preparadas pra atacar a humanidade e escondida, e que os humanos "desintegrados" estavam na verdade sendo teletransportados para a sede deles.

Seguindo Caminhos Separados
A Transição do Doctor


Por fim, o doutor encontra Rose, ainda viva, quem ele promete salvar. 

Ela tinha sido levada para a nave mãe dos Daleks, onde eles convertiam os humanos em mais Daleks.

Um Dalek Alfa, intitulado Deus dos Daleks, tramou isso ao longo dos tempos, e após sobreviver à guerra dos Tempos, botou em prática a ressurreição dos Daleks, ao custo da raça humana.

Porém os Daleks estavam impuros, e isso faz com que eles despertem sentimentos estranhos, de devoção e afins.

No meio de uma guerra praticamente impossível de vencer, e muita matança, o Doutor decide que sacrificar a raça humana daquele tempo, junto com todos os Daleks, em um pulso eletromagnético nocivo, seria a melhor alternativa. 

Mas, ele manda Rose junto com TARDIS para seu tempo, e ao lado de Jack, planeja seu sacrifício final.

Só que Rose não desiste, e ao lado de sua mãe e seu namorado, abre a tampa da TARDIS e acessa sua alma, absorvendo seu poder, e descobrindo que ela mesma é o Lobo Mau.

Ela, através do tempo e espaço, transmitiu a mensagem para si mesma, para que ali, naquele momento, com o poder de TARDIS encravado em si, viajasse de volta ao Doutor e o salvasse.

Como uma verdadeira Deusa do Tempo, ela desintegra todos os Daleks, ressuscita Jack (que morre pra um Dalek) e por fim, beija o Doutor, quem acaba sugando o poder de TARDIS dela e devolvendo para a nave.

Posteriormente, o Doutor, para sobreviver, precisa abrir mão de sua forma física e se atualizar.

É ai, que Christopher se despede com seu último "Fantástico".


A temporada acaba nesse ponto, com o novo doutor surgindo...


Mas aí é outra história, outra temporada... então... até!


É isso.

Registrado...

28 comentários:

  1. Estranho... por um momento pensei que vc amava o sotaque canadense... como uma vez me disse... mas fazer o que

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo também. Tanto o britânico quanto o canadense. Eu tento imitar as vezes, na real, quando tento arriscar inglês, as vezes puxo pro canadense e pro britânico... mas eu nem sei falar então, indiferente kkkk.

      Excluir
    2. VC PUXA????serio max vc puxa? urrruuuuuuii nao acredito o max puxa kkkkkkkkkk it's amazing AMAZING

      Excluir
    3. E tudo isso graças ao BRITISH POWEEEER ooh yeaaah

      Excluir
    4. ... British Power... (Se ta chapada cara leitora?)

      Excluir
  2. Eu sou a FUCKING LOCKHAAART caralho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ...Ou só o que restou dela...

      Excluir
    2. Ahh... okay... não sei o que tem a ver com o post mas, viva!?

      Excluir
    3. Estou morrendo aos poucos...

      Excluir
    4. Ou... e agora... quem podera me ajudaaar?

      Excluir
    5. Srta Bia... aguente firme...

      Excluir
    6. Apenas aguente. Viva! Sobreviva como quer que seja, para poder continuar por essas bandas (e na boa, que comentários são esses!?)

      Excluir
    7. O mundo precisa entender o poder do BRITISH POWEEEEER

      Excluir
    8. Perai... nao fez muito sentido... mas dane se, é isso ai... o British POWEEEEER

      Excluir
    9. Certo srta Bia, acalme-se. Agradeço por compartilhar o British Power mas calma!

      Excluir
  3. Mano, estamos ligados muito no British Power mano, o British Power... aqui é England na cabeça... England England England England

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui é England mano ta ligado... aqui é rainha Elizabeth na cabeça, a veia pelancuda...

      Excluir
    2. Ta srta Bia, isso é meio estranho. Viva a Inglaterra, Deus Salva a Rainha.

      Excluir
    3. Srta Bia... Deus Salve* a Rainha.

      Excluir
    4. Eu sou a rainha o cabeça de tardis

      Excluir
    5. Haha acho q nunca em sua vida vc imaginou q um dia seria chamado assim

      Excluir
    6. Ta vendo... e tudo isso graças ao BRITISH POWEEEEER

      Excluir
    7. Tanto comentários Bia, fique bem.

      Excluir

CadastroMorte

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner