ArquivoMorte

PesquisaMorte:

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

AnáliseMorte: Darksiders 3 - A jornada de Cólera


Darksiders III


Antes de tudo leia as análises de Darksiders e Darksiders 2. São cruciais...

"Olhei, e diante de mim estava um cavalo preto. Seu cavaleiro tinha na mão uma balança."


Apocalipse 6:5 (Tem Spoiler)


Boa leitura

Darksiders 3 é uma continuação, tecnicamente, que conta a história de um dos 4 cavaleiros do apocalipse, em meio ao apocalipse prematuro, causado por Guerra.

Enquanto no primeiro jogo Guerra era o protagonista, e no segundo tivemos Morte, dessa vez o protagonista é Fome, ou na readaptação nominal "Fury", que foi traduzido pra Cólera.

Ela alias é uma mulher, a única dentre os quatro cavaleiros do sexo feminino e ainda assim, ela é chamada de "Cavaleiro", pois isso é apenas um título.



Bem, esse jogo é diferente dos demais. A jogabilidade agora pende pra um novo estilo, tanto que nem da pra considerar ele um Hack&Slash.

Explicando: Darksiders era um Hack&Slash, caracterizado pela porradaria desenfreada e combada, com momentos de enigmas e grandes chefões.



Darksiders 2 já era mais focado na estratégia em batalha, porém com elementos de ação semelhantes aos do primeiro jogo, o que faz dele um tipo de Action RPG, onde Morte tinha de usar suas habilidades, invocações, equipamentos, da melhor forma possível, configurando seu próprio arsenal conforme adquiria experiência, evoluía e ficava mais poderoso, sentando a porrada em geral.



Darksiders 3 já seria o que eu chamo de Survival Action. É um sub-gênero de jogo que é, na minha opinião, a melhor definição do estilo apresentado em games como Dark Souls. Jogos em que é preciso lutar e desenvolver o personagem, como um Action RPG, porém com uma dificuldade elevadíssima para se sobreviver nas lutas. É um jogo onde tudo pode te matar com facilidade, e suas únicas armas são o que você carrega consigo, e suas técnicas pra evitar danos, na base da playskill.



Esse é o grande destaque e diferencial de Darksiders 3. Cólera é um cavaleiros fraquíssimo, na verdade, ela é muito mais frágil que os demais. Não tem grande força, não tem grandes movimentos, não é uma estrategista, nada disso. Ela é apenas uma lutadora, revoltada da vida, que tenta se provar.

Com isso, todos os inimigos costumam afeta-la facilmente, tudo pode mata-la com poucos golpes, os chefes então, normalmente com 2 golpes já lascam ela. Tudo que ela tem pra se defender, é sua esquiva, que se for feita no momento certo e crítico, possibilita um contra-ataque. Mas não é nada de mais não.



Ela é tão fraca, que é o primeiro cavaleiro que ao cair em penhascos, perde quase todo o HP. Ela só não morre na quedas, pois quando volta pro solo (por magia) ela fica no mínimo com 1 ponto de vida. Mas qualquer outra coisa pode mata-la nessas condições.



Recentemente e paralelamente estou escrevendo sobre Dark Souls, e foi impossível não notar as semelhanças.

Algo que serve justamente pra dificultar ainda mais o jogo, é o esquema da Experiência acumulada pela personagem ficar onde ela morreu (na verdade, no ponto seguro mais próximo de onde ela morreu), flutuando e acumulando qualquer outro ponto de experiência que seja perdido próximo dele.


Pra que a personagem possa recuperar, ela precisa chegar até onde morreu e quebrar a fumacinha que representa sua experiência. Talvez, a maior diferença nesse sentido é que uma perda não cobre a outra. 



Em Dark Souls, se você morre com 10k de experiência e ao voltar pra pegar a experiência, morrer antes de alcança-la de volta, já era, você fica com o que tava e é isso que fica na nova posição em que morreu.



Em Darksiders 3, surgem várias e várias alminhas jogadas no chão caso você morra. E caso uma fique muito perto da outra, uma absorve a outra, deixando só uma mesmo, mas acumulando toda e exp.



Ainda assim é bem complicado de se jogar, pois pra upar, é preciso doar  experiencia (almas) pra um determinado personagem, que também serve de mercado e teletransporte. Alias, lembra da maior reclamação que fiz em Darksiders 2? O excesso absurdo de elementos paralelos? Pois é, no 3 isso não existe.

Se eu tivesse de resumir Darksiders 3 em uma palavra, seria "Simples".

Eis um jogo sem enrolações, sem elementos paralelos exorbitantes, sem tramas mirabolantes e complexas, sem diálogos longos e exaustantes, sem mistérios chatos de se desvendar e sem impacto, e sem personagens coadjuvantes sobrando.

Esse é um jogo, equilibrado.

Ele tem reviravoltas, e são sim bem impressionantes, mas não há nenhuma enrolação pra apresenta-las. Existem diálogos, claro, mas são diretos e claros. Existem missões alternativas, e até chefes alternativos, sim, mas eles acrescentam algo ao enredo, algo real. Existem mistérios, caramba, muitos! Porém Cólera ta pouco se lixando pra maioria deles.



Na perspectiva do cavaleiro da fome, quanto menos tiver de fazer, melhor.

Antes de continuar eu gostaria de resumir o jogo, de forma bem direta. É claro que posteriormente descreverei personagens, falarei das habilidades, e até dos mistérios, mas quero já deixar bem claro qual é o enredo de Darksiders 3:

Darksiders III



Cólera, quando convocada pelo soar das trombetas, se depara com Guerra em julgamento por ter adiantado o apocalipse.



Ela não da a mínima pra ele, e aceita trabalhar para o Conselho do Fogo, numa missão para restaurar o equilíbrio do mundo, porém seu objetivo, sua recompensa prometida, era a liderança dos Cavaleiros do Apocalipse.



Ela aceita caçar os 7 Pecados Capitais, e assim o faz, até descobrir que foi traída o tempo todo.



No fim, ela se volta contra o Conselho, apesar de salva-lo, e honrar seu acordo, mas diante do extermínio inevitável, ela foge, e aceita liderar uma resistência e proteção para os humanos!



Cólera se converte de uma presunçosa, insaciável, invejosa, acomodada, irritada, incontinente e ávida, em uma guardiã da raça alvo do apocalipse.



Fim

Tem mais história por trás disso, poxa, se tem, e inclusive os 4 cavaleiros aparecem nessa trama! (Finalmente).

Cólera




Ela é tida como a mais fraca dentre os nephilins que se tornaram os 4 cavaleiros. Porém, ela não é fraca apenas em força bruta, mas em mental também.

Lembrando que Guerra era um estrategista nato e Morte era extremamente metódico e paciente, além de ambos serem muito fortes.

Cólera é estressada e impaciente, age antes de pensar, mal pensa alias, inclusive só fala bobagem. Ela chega a ser insuportável de tão mesquinha que é, onde mesmo sendo de fato a menos favorecida do quarteto, faz questão de se engrandecer perante os demais, inclusive exige a liderança dos cavaleiros (Guerra é o dono do posto).

Lembra daquela comparação que fiz com God of War la na primeira análise? Pois é, Cólera é a versão feminina de Kratos, porém ela é totalmente desprovida de poder.

Sabe, Guerra podia levantar carros com as mãos, Morte podia fazê-lo com a mente, já no caso de Cólera ela nem consegue arranhar, e isso usando sua arma principal.

Alias, Cólera só tem 1 arma natural, um item que projeta sua vontade, chamado Desprezo. Normalmente, ela cria um chicote, mas esse dispositivo pode criar outras armas (falo disso depois).

Por fim, pode-se dizer que a jornada de Cólera é uma mescla da luta de seus 3 irmãos. Ela inicialmente não tem o que fazer, e busca por uma motivação, a qual consegue ao servir de base para seus irmãos, sem nem notar.

Por conta disso, muita coisa do enredo de Cólera é omitido. Na verdade, chega a ser desnecessário reapresentar elementos como Demônios, Anjos, Construtores, Nephilins, visto que tudo isso já foi profundamente explorado na jornada de Morte. Sem esses elementos, tudo que resta é mostrar pelo que Cólera passa para ser convencida que a humanidade é preciosa.

E sim, enquanto no primeiro jogo nós aniquilamos a humanidade (sem querer), e no segundo tentamos ressuscita-la (por motivos pessoais), no terceiro tentamos salva-la (contrariados). Curioso que conhecendo o destino inevitável dos nativos da Terra, é meio estranho acompanhar essa jornada, mas o desfecho é surpreendente.

Movimentos

Andar, Correr e dar Investidas



Cólera pode andar e correr, mas não faz diferença prática pois a velocidade é quase a mesma.



O que acelera mesmo são os impulsos que ela da, que também servem pra esquivar.

Pular e dar Pulo Duplo



Ela também pode pular, porém não tão alto.




Sua vantagem é que ela pode dar um pulo duplo, e se pendurar na beirada das coisas, facilitando alcançar lugares mais altos.

Bater com o Chicote (Farpas do Desprezo)




Ela pode bater com seu chicote, que atinge uma distância média e dependendo da frequência dos golpes, realiza diferentes combos. Porém, como mencionado, o dano dessa arma é meramente simbólico, praticamente, pois é bem fraco.




Ela precisa evoluir essa arma bastante pra alcançar um dano razoável, e ainda assim, é bem fraca. Uma das poucas vantagens, além do alcance e da possibilidade de puxar inimigos, é o fato dela atingir em área, o que permite bater em vários inimigos ao mesmo tempo.




Só que ela exige tantos golpes e tantas sequências, que as batalhas são praticamente intermináveis. Moral da história: O desprezo é fraco.



Modo Fúria: Chicotada Explosiva




No máximo, ela pode usar o Modo Fúria pra dar um golpe forte com o chicote e causar danos críticos, ao custo de toda a barra de energia de fúria (a laranja).

Esquivar e Contra-Atacar




Em meio aos golpes intermináveis, os inimigos não ficam bobeando não. Geralmente vem vários juntos, e eles atacam pelas costas. Os que estão tomando golpes também custam pra ficar atordoados, e a única forma de evita-los é esquivando.




A esquiva se feita no exato momento em que o inimigo quase acerta Cólera, permite um contra-ataque imediato que causa dano crítico e atordoa brevemente. Da pra vencer geral nessa tática, esperando atacarem só pra contra-atacar, porém é difícil aprender os padrões de cada inimigo, que diferem muito.

Se Pendurar e Balançar




Aproveitando a capacidade de criar uma arma extensiva, Cólera pode se pendurar em alguns locais demarcados para balançar pro outro lado.

Nadar e Mergulhar



Ela também pode nadar, sem qualquer problema com isso.




Ela não precisa respirar, e nada rápido, entretanto ela não é capaz de atacar ou usar armas enquanto está embaixo d'água.



Exceto quando obtém uma arma específica pra isso.

Agachar e Passar por Buracos




Entre um cenário e outro, Cólera as vezes precisa passar por pequenos buracos e túneis, agachando e entrando em primeira pessoa. Não há praticamente nenhum tipo de interação nesses momentos além de engatinhar, e ler alguns dos comentários que ela faz, quando faz.

Pegar e Usar Itens




Existem itens de cura, e potencializadores, como escudos provisórios, regeneradores de energia e etc, que são encontrados pelo chão, ao derrotar inimigos ou quebrar coisas. Tem inclusive um item que sempre se auto-reabastece quando Cólera toma Game-Over, e eles podem ser usados a qualquer momento.




Outro tipo de item que Cólera pode pegar são objetos de cenário, alguns até servindo como armas... mas são poucos, como a Espada Chave (não, não é como em KH) que serve principalmente pra abrir obstáculos específicos. Alias, Cólera evita tocar nas coisas diretamente e geralmente usa sua energia psíquica pra levitar as coisas em sua direção.

Pegar e Usar "Aliados"




Ela pode fazer algo equivalente com alguns aliados que encontra, mas ela não tem o menor apreço por nenhum deles. Na verdade os usa de forma totalmente descartável.



Ela pode agarrar alguns insetos que são pacíficos, e viciados em substâncias explosivas.




Então ela pode joga-los, depois que se alimentam, pra abrir obstáculos como paredes de teia, através do fogo e explosões que eles causam.




Ela também pode abusar de uma outra criatura pacífica, que é também imortal, e bater nela (a qual nem se defende) pra move-la até o ponto desejado e subir.




Ela literalmente usa alguns "animais" meramente como plataformas. (Guerra conseguia usar inimigos como montarias, pra você ver a diferença entre ambos).

Ativar Poderes Abismais




Então, em certa parte de sua jornada, Cólera recebe uma forcinha extra, logo depois que morre pela primeira vez (Kratos total!). Ela passa a poder invocar Poderes Abismais, que são basicamente elementos naturais novos (ela própria usa Poderes Psíquicos Leves). Então, além de revestir seu corpo com esses elementos, o Desprezo passa a gerar arma diferentes pra cada transformação.

Chama Abismal



O primeiro poder que ela obtém é o do fogo, que é bruto e extramente quente.

Incinerar




Com ele ela é capaz de queimar tudo o que toca (com o Desprezo em brasas), mas ela ainda mata os insetos quando encontra (só porque pode).

Salto Extra Carregado




Cólera também ganha um impulso extra para seu pulo, onde mesmo após pular duas vezes, pode segurar, pairar no ar e pular bem alto jogando fogo pra todo lado. Esse movimento serve tanto de forma auxiliar quanto para causar danos em inimigos.

Andar na Lava




De quebra ela não fica apenas tolerante ou imune a fogo. Ela pode andar em lava pura (algo que nenhum de seus irmãos até então era capaz). Sem sofrer qualquer efeito colateral, além da lentidão provocada pelo peso da lava, ela poderia até mergulhar se tivessem poços fundos de lava.

Arma Elemental: Manguais (Correntes do Desprezo)




A arma que é produzida pelo Desprezo na verdade é uma arma dupla, dois manguais pequenos de curtíssimo alcance, porém repletos de fogo. Ela pode explodir e queimar geral usando essas armas.

Modo Fúria: Incendiário




Além disso, Cólera também ganha uma configuração extra pra seu modo fúria. Ela estoura e fica totalmente em chamas, queimando instantaneamente (e causando dano repetitivo) qualquer inimigo que se aproxime. Esse modo fica ativo enquanto houver energia na barra de Fúria, que vai reduzindo periodicamente.

Tempestade Abismal




O segundo poder que ela obtém é o do raio, que a reveste com pura eletricidade mas, na minha opinião, não é tão forte.

Queda Lenta




Ao invés de pular mais alto, com o poder elétrico Cólera passa a cair mais de vagar. Ela praticamente levita, mas em queda livre. Isso permite pular pra plataformas mais distantes.

Flutuar com Tornados



Caso tenha algum tornado no local, ela é suspensa e vai bem alto, podendo permanecer mais tempo em queda.

Arma Elemental: Tridente (Lança do Desprezo)




Sua arma elemental projetada pelo Desprezo passa a ser um tridente elétrico, que causa dano mediano, e pode eletrocutar inimigos (dando vários hits sequenciais por um curto tempo, se carregada).

Modo Fúria: Invocar Tornados Elétricos




Seu modo fúria é totalmente consumido quando ela invoca 2 tornados, que passam a segui-la e atacar inimigos próximos com hits combinados.

Poder Abismal



O terceiro elemento que ela pega, na verdade é o puro poder (é mais como o poder bruto e gravitacional).

Explosão




Ao pular e segurar o botão, ao invés de pular mais alto ou levitar, ela explode. Essa explosão causa um daninho na área mas, é apenas parte do efeito real do movimento.

Esfera Magnética




Na verdade, ela cria uma Esfera Magnética, que só se mantém estabilizada perto de paredes com minérios magnéticos. Com isso, ela pode rolar pelas paredes, chegando em locais antes inalcançáveis.

Arma Elemental: Martelo (Martelo do Desprezo)




A arma elemental do poder gravitacional é um Martelão, que pode quebrar praticamente tudo (inclusive carros!) além de ser a única configuração de Desprezo capaz de romper umas rochas roxas (nunca achei que usaria essa frase).

Peso Gravitacional




Só de equipar essa forma, o peso de Cólera acaba sendo afetado (ela não fica gordinha, mas fica mais pesada) logo, ela não consegue mais nadar, mas sim, andar embaixo d'água.




Algo muito útil pois permite que ela use o Desprezo embaixo d'água. Além disso, ela pode resistir empurrões e puxadas fortes... mas depois falo melhor disso.

Modo Fúria: Explosão Máxima



Seu modo fúria consome toda a energia para causar uma grande explosão crítica, só isso.

Estase Abismal



O último poder que ela pega é o do gelo, que eu subestimei até entender o quão poderoso ele era.

Congelar e Andar Sobre a Água




Primeiro, ele permite que Cólera caminhe sobre a água, congelando sua superfície com o mero contato. Ela ainda pode nadar embaixo d'água (por exemplo se trocar de elemento dentro da água) mas só de pisar acima dela, tudo congela. O chão congelado pode ser usado independentemente da forma de gelo, onde inclusive ela pode caminhar sobre o gelo estando na forma de fogo, e pode também jogar objetos sobre ele.

Pulo Contra Paredes Congeladas




Ao pular, nada ocorre, a menos que tenham paredes previamente congeladas. Cólera se prende a elas e pode pular pra trás, um pouco mais alto, de uma parede pra outra, pra alcançar lugares mais altos.

Congelar Objetos




Com auxílio de Desprezo ou Salvação (depois falo disso) ela pode congelar objetos em pleno movimento, parando eles no tempo (por um curto período). É útil pra caramba em alguns momentos.

Arma Elemental: Espadas (Lâmina do Desprezo)




Sua arma elemental projetada no Desprezo é uma Espada de Gelo, que congela os inimigos, e pode se dividir em duas lâminas curtas.

Modo Fúria: Defesa de Gelo




Em seu modo fúria, ela passa a criar um escudo de gelo sobre seu corpo. Na verdade, ela reveste todo o corpo com uma camada de gelo que recebe todo e qualquer impacto, descontando isso na barra de Fúria (que desce lentamente). Logo, é como uma barra de energia extra, algo muito útil num jogo em que pode-se morrer com um só golpe.




Além disso, essa camada congela inimigos por um tempo, caso eles acertem, o que só torna o poder ainda mais útil em batalha, principalmente contra chefes. Alias, com a combinação correta de Acessórios em Desprezo, da pra tornar esse escudo Eterno. Eu fiz isso e foi bem louco, mas depois explico isso.

Lâmina Quadrupla (Salvação)




Em certo momento, Cólera conquista uma arma nova, a única arma nova em todo o jogo: Salvação. É uma arma de arremesso com lâminas que pode ser encoberta com os elementos e estender seus efeitos em alvos fixos.



Além de é claro, causar um pequeno dano a longa distância.




Sua mira pode ser travada em até 4 alvos e ela os persegue e atinge, voltando pra Cólera em seguida, como um bumerangue.



Com os poderes dos elementos, ela pode queimar, explodir, eletrocutar ou congelar as coisas.

Forma do Caos




Por fim, existe a Forma do Caos. Essa forma (aparentemente presente em todos os cavaleiros) pode ser ativada quando Cólera pega bastante energia do caos (recebida quando ela causa dano). Nessa forma, ela queima com sua força psíquica e causa danos críticos em todos os golpes, além de receber um chicote a mais.




Não é possível usar os poderes abismais com o caos, mas em contra partida, é um recurso útil em momentos de desespero, pois além de deixar Cólera invulnerável a danos, enquanto durar, esse poder também regenera sua vitalidade lentamente.

Ímpeto



Por fim, Cólera teria sua fiel montaria como todo bom cavaleiro...




Se ele não fosse morto logo no inicio da história. Pois é, Impeto é assassinado na frente de Cólera quando ela mais precisa dele, e ele era a única coisa que ela respeitava no mundo. Além disso, ele tem um destino pior posteriormente, mas falo disso depois.

E sim, Cólera é o primeiro Cavaleiro do Apocalipse sem um cavalo.

Conselho do Fogo




O Conselho do Fogo é um trio de babacas impertinentes que comandam os Cavaleiros, e também mantém o equilíbrio do universo. São tecnicamente os porta-vozes de Deus (tecnicamente) mas são uns idiotas.




Eles que criaram os cavaleiros, concedendo os poderes e os condecorando após a traição que eles fizeram contra a própria raça. Todos receberam posições, e responsabilidades, mas a única que nunca foi muito respeitosa e obediente era justamente Cólera. Contrariando seu perfil, ela foi a primeira a "abanar o rabo" quando o Conselho a convocou, e ignorou inclusive as condições de seu irmão, só pra provar que era merecedora do reconhecimento do Conselho.

Alias, tudo o que Guerra passou, ocorre com Cólera, mas a forma como ela lida com a descoberta de traições é totalmente diferente. Ela não sabe planejar uma reação, ela apenas reage de forma bem estúpida e mesmo com informações pra la de privilegiadas, e muitas dicas, ela ainda é pega de surpresa.

Guerra




Com toda certeza ele ficaria envergonhado com a performance de Cólera, e ele mesmo até tenta avisa-la no que ta se metendo, e pedir ajuda. Mas sua irmã é tão arrogante que ignora ele totalmente, e quebra cara várias vezes por causa disso.




Enquanto Cólera seguia as ordens do Conselho do Fogo, Guerra ainda estava aprisionado após ter sido acusado de romper os selos. Ele ainda não tinha descoberto os verdadeiros responsáveis, nem a traição vindoura por parte do próprio Conselho... alias...

A Vigia




Cólera tem uma Vigia! Mas ela não está la para limitar os poderes dela, evitando assim sua fuga como o Conselho fez com Guerra (muito menos para executa-la após o término de sua missão), ela ta la para observar sua performance e comunicar ao Conselho (ah ta, claro).




Ela ainda diz ser uma grande fan de Cólera, respeita ela e tal, mas quando se trata de Vigias, e do Conselho do Fogo, podemos esperar de tudo.

Lembrando, o Vigia de Guerra estava la para enfraquecê-lo, e quando Guerra descobre que o Conselho do Fogo tinha sido responsável por tudo, e estava incriminando-o, o Vigia tinha o objetivo de executa-lo. Só que Guerra descobre esse plano também, com uma visão do futuro, e trama contra o Vigia. Cólera tem uma informação semelhante e a chance de revidar a tempo de se defender, mas ela é muito vacilona.

Vulgrim




Ah, o Vulgrim, o demônio comerciante que sempre está presente. Dessa vez ele é deu ma importância enorme e olha que Cólera quase o matou em seu primeiro encontro.




Vulgrim oferece seu total suporte e serviços em troca de almas recolhidas por Cólera, essa é a moeda do jogo. Vulgrim sempre tem sua presença marcada pelo comércio, e futuramente também auxilia tanto Guerra quanto Morte (e provavelmente também ajudará Conflito).




Aqui, além dele ser o único comerciante (chupa Darksiders 2) ele é bem mais importante, provendo alguns acessórios (caros pacas por sinal).




Sendo também aquele quem provém os leveis para upar (é exatamente como as Fogueiras de Dark Souls, futuramente explicarei), sendo também algo comercializado pela troca de Almas (logo, Almas também são a Experiência do jogo, indiretamente).




Bem, pontos de experiência podem ser distribuídos apenas em 3 atributos: Saúde, que delimita a quantidade máxima de energia vital, e a restauração por itens de cura. Força, que aumenta o dano bruto de Desprezo. E Arcano, que aumenta o dano crítico, e a quantidade de Fúria.




Existem itens que dão Exp automaticamente, são como as Almas dos grandes inimigos, mas são raros de achar e geralmente, Vulgrim é o único recurso pra upar. Tenso que quanto mais leveis se tem, mais almas são necessárias pra conseguir mais pontos.




Além disso, Vulgrim vende os itens regenerativos e de auxílio. Mas como todo bom comerciante, além de alguns deles terem limite de quantidade (normalmente itens consumíveis são infinitos, mas itens para refino são  limitados) ele ainda aumenta o preço conforme se compra. Enquanto houver demanda, vale tudo na oferta.




Além disso, Vulgrim é nosso ponto de segurança e salvamento. Ele demarca onde o jogo retornará em caso de Game-Over, e ele quem salva o progresso.




Ele também disponibiliza os Buracos de Serpente, para teletransporte entre regiões, algo que ele usa para comércio e ele explica para Guerra na outra aventura.




Se não bastasse tudo isso, Vulgrim também participa do enredo, tecnicamente. Aquele interesse obcecado por itens divinos e preciosos se mantém, mas não há side-quests (graças a deus) afinal, Cólera ta pouco se lixando pra ele.

Os Construtores




Lembra dos gigantes ferreiros? Os Construtos (ou Construtores) retornam, como aliados dessa vez de Cólera. 3 deles são encontrados, num mesmo local, um refúgio para humanos chamado Haven, porém apenas um se destaca:

Ulthane




Seu nome é familiar para os jogadores afinal, ele foi o primeiro Construtor encontrado, por Guerra em sua jornada. Morte também teve contato com Construtores, antes mesmo de Guerra, mas foi na história de Guerra que eles foram apresentados, e na de Morte devidamente explicados.




Aqui, Ulthane ainda não está totalmente isolado e solitário, o Martelo Negro ainda não passou pelas perdas vindouras. Ele encontra Cólera e a auxilia, com conselhos, direcionamento, e recursos.




Ele pode Refinar os Acessórios que Cólera encontra, e também seu Desprezo. Diferente de Vulgrim, ele não cobra almas, na verdade ele não cobra, apenas pede os recursos para que os refinamentos sejam feitos.




Ulthane tem um enorme apreço pela vida humana, tanto que ele é o responsável por proteger aqueles que ainda sobreviveram, logo, ele faz questão de ajudar Cólera, em troca de sua colaboração.




 Ulthane da um instrumento de coleta que transporta humanos para Haven, e pede pra Cólera ajuda-lo a resgatar o máximo possível. Apesar da moça não ficar muito contente com a missão, ela aceita afinal, o suporte de Ulthane é muito útil, além dele direciona-la pra um dos Pecados.




Enquanto Ulthane se mantém focado em uma construção no centro de Haven, seus amigos de mesma raça mantém os humanos confortáveis, conversam e esperam.



Eles não fazem nada, aparentemente, porém são os guardiões do local.




No final, eles começam a lutar e mostram a que vieram porém, sabendo que Ulthane futuramente estará sozinho, acreditando ser o último de sua raça, é possível deduzir qual foi o fim deles.

Os Humanos



Os humanos, protegidos pelos Construtores são frágeis e poucos, mas tem um representante muito peculiar.

Jones




Um homem negro de capuz, não mede palavras pra se dirigir a Cólera e desafia-la. Na verdade ele se revolta pelo fato dela desdenhar com relação a ação de Ulthane e os outros, e com poucas palavras faz ela se tocar e se calar, apesar dela continuar sendo bem arrogante.




Ele é um personagem interessante e importantíssimo, com um segredo surpreendente, mas o mais legal dele é que ele não perde tempo e faz a pergunta que todos nós faríamos: Afinal, é Cavaleira ou Cavaleiro? No caso, todos no jogo chamam Cólera de Cavaleiro, por seu posto, porém, ela não deixa de ser uma mulher, logo... ao menos um humano notou isso.



Apesar de Cólera não gostar nenhum pouco, ela faz questão de recolher os humanos e leva-los à Ulthane. 



Nem é difícil também afinal, eles teletransportam só de entrar em contato com o artefato que ele deu.




Além disso, é um tipo de side-quest que nos força a explorar melhor as regiões, que não são lineares, mas também não são la tão abertas. E de quebra, Ulthane recompensa Cólera com melhoras fixas. São como acessórios, porém não precisam ser equipados nas armas. Alias, as armas de Cólera (que são apenas variações de Desprezo) podem equipar 1 acessório apenas, cada, e só ativam seus efeitos quando usadas.

O Senhor do Abismo




Depois de morrer pela primeira vez, ou quase, Cólera é levada ao Abismo onde conhece o Senhor do Abismo. Tal entidade seria a responsável pela coleta das almas daqueles que não querem mais viver.




Cólera assiste ele coletando a alma de um anjo e um demônio, ambos exaustos da guerra eterna entre as raças, e os transformando em pura energia vazia.




Com isso, o Senhor do Abismo e volta pra Cólera e, contrariando tudo, ele não exige sua alma nem nada, apenas faz perguntas, e testa sua convicção.




Ao notar a Vigia ao lado dela, ele percebe que ela trabalhava com o Conselho do Fogo e não fica nada contente, ainda assim ele oferece um teste, como se estivesse dando a chance dela lutar por sua vida.




Porém, ele invoca uma série de mortos-vivos que nunca param de ressurgir... e a luta parece eterna, até que Cólera percebe que não precisa lutar.




O Senhor do Abismo, por alguma razão havia simpatizado com a cavaleira e decidiu auxilia-la em sua jornada, sua missão para aqueles que ele tanto odiava. Ele apenas confia nela, como se soubesse de coisas que ela nem imaginava, e pouco a pouco entrega os Poderes do Abismo.




Ele não o faz de primeira, não entrega os poderes todos de uma vez e fica apenas observando ela, de longe, monitorando sua performance e contribuindo com mais concessões abismais. Em troca, ele pede pra ela caçar um demônio pra ele, e trazer sua alma.




O curioso é que esse tal demônio só pode ser encontrado depois de pegar o último elemento, e quando conseguimos isso, o Senhor do Abismo deixa claro que no próximo encontro, apenas um deles sobreviveria, novamente como se previsse o futuro.




O Senhor do Abismo é um mistério total, mas nesse tal encontro, depois de encontrarmos o demônio que ele pediu, ele próprio faz questão de confrontar Cólera.



Ele cria um campo de força, que coloca a Vigia pra fora, impossibilitada de ouvir.




O campo é como um ringue, mas mais que isso, é uma forma de evitar que o Conselho escute as suas revelações. Cólera tem a chance de questiona-lo e poupa-lo, ou apenas acabar com a raça dele assim como previsto.




Nesse momento surge uma opção, que afeta o enredo (levemente). Podemos escolher lutar ou poupar. O correto é poupar, afinal a história do Senhor do Abismo é importantíssima.




Ele revela dentro de seu campo de força que já fez parte do Conselho do Fogo, e pior, diz que sabe do plano do Conselho, e que eles são os reais traidores. Alias, o próprio Senhor do Abismo é chamado de "Traidor" pelas demais entidades, algo revelado pelo demônio que Cólera precisava caçar.




O Senhor do Abismo diz que vem se preparando para o desfecho e para assumir sua "nova forma", além de dizer que escolheu um lado, o lado de Cólera. Ele de fato havia depositado toda sua confiança no cavaleiro menos responsável de todos.




Mas, ele tinha algum motivo pra fazer isso. Ele deixa claro que presa pela humanidade, e que é justamente pela humanidade que ele vem se preparando a tempos. Ele coletava almas, juntava poder, treinava Cólera, tudo para um dia trazer o equilíbrio real de volta. Alias, ele deixa claríssimo que o Conselho do Fogo havia conspirado contra a humanidade por temê-los, por temer e menosprezar o real significado da raça mais frágil de todas.




Mas no fim, ele explode em luz, assumindo sua forma final, de um mero pingente (aparentemente). Cara, Cólera teve todas as dicas possíveis para perceber que o Conselho iria traí-la, que era melhor bolar uma estratégia para confronta-los mas, nah...



Ela pega o pingente, sem entender pra que ele servia...




E diz pra Vigia que o cara tava doidão e morreu... só isso. Sério, ela não bola nenhum plano nem nada, ela apenas continua.

Os Demônios




As criaturas diabólicas que estão em guerra contra os pássaros aparecem bastante no caminho de Cólera. Alias, lembra da Torre dos Demônios? Eu não falei muito dela no primeiro jogo, pois não achei que era importante, mas havia uma torre enorme, construída por demônios que utilizavam a tecnologia humana. Essa torre foi levantada no deserto, aquele mesmo onde tinha um Verme Gigante como chefe. Então, Cólera chega nesse deserto e testemunha a construção da torre e as demais estruturas, antes da captura do Verme.




Também há muitos demônios e anjos caídos por ai, além dos inimigos básicos. Muitos dos itens que Cólera conquista são espólios de entidades caídas que ela acha por ai. Porém, existe um demônio em particular que tem muito mais destaque que qualquer outro, o único alias com destaque (tirando Vulgrim é claro), o demônio caçado a mandos do Senhor do Abismo: Abraxis.

Abraxis




Esse é o demônio responsável pela construção da torre demoníaca, em homenagem ao seu grandioso Mestre, o Destruidor.




Abraxis faz questão de contar um pouco do que o futuro reserva, e demonstra o quão orgulhoso está de sua obra. Além disso, ele faz questão de citar o Traidor.




Na real, Cólera quem menciona ele primeiro, deixando claro que esta la pra matar Abraxis e levar sua alma para o Senhor do Abismo, mas, ela queria entender os motivos disso antes (um breve vislumbre de inteligência).




Abraxis conta que eles não se dão bem, simples assim, e também diz que o Traidor teria um plano contraditório ao dele, onde, enquanto ele queria criar um mundo para os demônios com o poder de seu mestre, o Traidor queria trazer o vazio ao planeta, consumir a todos e se converter num deus.




Cólera pode escolher se vai confiar no que ele disse, e poupa-lo, ou mata-lo e cumprir seu trato com o Senhor do Abismo. A escolha correta é acabar com o demônio, afinal trato é trato.




 A batalha contra Abraxis é bem simples, mas "simples" em Darksiders 3 não é sinônimo de fácil. Na verdade eu custei pra vencer, mesmo só precisando esquivar, foi quando bolei a estratégia do escudo de gelo.




Da pra conjurar o escudo pra defender Cólera caso a esquiva dê errado, mas em caso de acerto, o golpe crítico consequente, junto com um acessório de Regeneração de Fúria, torna a forma de Gelo infinita.




Além disso há um item que restaura Fúria, então da pra ficar apelando, se defendendo dos ataques de espada e das rajadas de fogo de Abraxis e ao mesmo tempo contra-atacar, sem se preocupar com morte instantânea.



Perto de morrer, Abraxis até tenta apelar mas, ele é derrotado.



Ele diz suas últimas palavras, alegando que Cólera escolheu o lado errado.



Mas ela sai andando como se nada tivesse acontecido e ainda debocha dos demônios que veem seu mestre morto.



Os demônios continuam atacando depois dessa batalha mas, Cólera mostra que não liga pra nenhum deles.

Os Anjos




Como ta rolando o apocalipse, é de se esperar que Cólera se depararia com alguns anjos, apesar deles estarem em uma massante minoria.




Eles não são inimigos comuns, aparecendo apenas em um determinado trecho da história, mas são inimigos. Inclusive Cólera invade o covil deles e os desafia na cara dura.



A batalha é formada por uma série de confrontos contra pássaros comuns...




E depois contra um todo equipado com Escudo e tal. Nesse período Cólera já estava com ódio dos anjos, afinal Impeto teria sido morto por um (foi pela lâmina de um anjo) e ela aproveita a oportunidade pra fazer justiça. Mas, Usiel surge e interrompe a limpeza do cavaleiro.

Usiel




Esse é o anjo que representa todos os outros, na verdade é um arcanjo, poderoso até, mas que prefere tentar um acordo pacífico com Cólera ao notar que ela era osso duro de roer.




Cólera recusa qualquer acordo e diz que quer saber quem matou seu cavalo, mas Usiel a convence que não sabe quem foi o responsável, e consegue contornar a situação...




Ele diz que os anjos não tem poder nenhum atualmente pra comprar briga com um cavaleiro, e ressalta que eles estão perdendo a guerra (algo perceptível pela quantidade de demônios em comparação aos anjos) e ainda por cima ele comenta que estão enfrentando um mal recente e terrível que só incrementa suas baixas: Os Mortos-Vivos.




Mais especificamente os Anjos e Demônios Mortos-Vivos, uma blasfêmia contra a lei natural, que estaria sendo cometida por um dos pecados, a Luxúria. Na hora Cólera diz que nenhum pecado teria tal poder, e ai, Usiel pede pra que Cólera investigue, sendo essa a sua parte do acordo.




Em troca, ele daria a localização e Luxúria (apesar de Cólera não precisar pois tinha sua bússola, mas depois falo melhor disso) e tirar os anjos do caminho dela (eles não a atacariam).




Porém, o principal auxílio que ele da é a Salvação, a Lâmina Quadrupla que é crucial pra sua jornada. Infelizmente, Usiel pisa na bola depois disso e ele mesmo volta atrás de seu acordo, mas isso é algo que contarei ao falar de Luxúria.

Os Sete Pecados Capitais


Na jornada de Cólera, sua missão inicial e principal é caçar os 7 Pecados. Ela precisa fazer isso pois o Conselho alega que os pecados estão agravando o desequilíbrio iniciado por Guerra. Porém,e la começa sua jornada de mãos abanando... por sorte, o primeiro pecado é o mais útil de todos.

Inveja e o Amuleto




Não demora nada, literalmente nada (cara, o jogo começa, andamos um tiquinho, matamos uns 4 monstros e já aparece o primeiro chefe!) e Inveja faz questão de aparecer.




Ela diz que Cólera invadiu seu território, e que tudo é dela (meio Ganância isso) inclusive Cólera, e então declara sua morte.



Como eu disse, o primeiro chefe rola nos primeiros instantes do gameplay, mas vai sonhando que é fácil!




Morri pelo menos 6 vezes até entender os padrões dela. Inveja voa e teletransporta, ataca com investidas e causa um dano descomunal.




Só da pra vencer na base do contra ataque, mas quando ela perde um pouco de HP, ela apela pra um golpe de energia explosivo que MATA em um único golpe! Ela precisa carregar bastante pra funcionar, então fica flutuando bem acima de Cólera, num ponto impossível de alcançar com Pulo Duplo... Porém...



Cólera precisa usar plataformas no entorno pra alcançar a bola de energia e golpear Inveja antes dela explodir.



Fazendo isso ela cai no chão e a luta continua.



Ela fica teletransportando e repete os padrões, até chegar na metade do HP, quando el destrói o chão.



No novo ringue, ela muda um pouco sua estratégia, buscando ficar mais no alto que antes.




Ela causa golpes contra o solo que criam ondas de energia letais... mas essas da pra escapar pulando. Além disso ela tenta usar a Esfera mortal e os teletransportes, mas a estratégia é a mesma, só que ela fica mais alta.



No fim, Cólera arranca um pingente dela, e arremessa ela pra longe com brutalidade.



Inveja cai praticamente morta com o golpe.



E Cólera decide finaliza-la.




É ai que a Vigia diz que Cólera deveria levar os 7 pecados ao Conselho do Fogo, e diz que o amuleto que ela pegou era justamente um contentor de energia. Ela então usa o amuleto pra prender Inveja.




Depois de absorver Inveja, a Vigia tenta explicar mais coisas sobre o amuleto mas, Cólera despreza suas informações e tira suas próprias conclusões.




O amuleto funcionava como bússola para outros Pecados, brilhando mais forte na presença deles. Além disso, ele passa a sinalizar a direção dos pecados na tela.

Fúria e a Morte do Cavalo




Seguindo esse guia conveniente, Cólera alcança Ira, ou melhor, Fúria (por isso que traduziram "Fury" pra "Cólera", pois traduziram "Wrath" para "Fúria" ao invés de "Ira"). O Fúria é um dos pecados mais violentos, e é encontrado dando uma surra em alguns anjos.




Cólera nem tem tempo de conversar, ele ta tão sedento por luta que já ataca ela sem pensar, e ela entra na brincadeira de peito aberto.



Fúria é forte, e ataca usando espadas, o que é fácil de visualizar e esquivar.



Ainda assim, seus golpes são brutais e muito fortes, então um erro, é praticamente morte.




Golpes críticos são a melhor alternativa contra ele, pois ele ataca desenfreadamente, e os contra-ataques funcionam bem.



Mas, quando ele começa a perder HP, passa a apelar pra golpes explosivos de raiva com suas duas lâminas.



Nada muito complicado de fugir, e ainda por cima ele fica mais vulnerável após explodir de raiva.



Então, é só descer o sarrafo até ele perder as energias.




Porém, Fúria tem um segredinho. Perto de ser derrotado, ele consegue acertar um golpe em Cólera, e restaura TODA A SUA ENERGIA!



Ele se alimenta da raiva, logo, ele fica mais forte quando causa danos. 



Isso é bem injusto, e pra equilibrar, Cólera chama seu cavalo, Impeto.



Só que Impeto surge recém ferido por uma lâmina angelical, e cai morto no chão.




Cólera nem tem tempo de chorar sua morte direito, e no meio da distração, Fúria pega uma espada angelical dos anjos mortos, e empala Cólera contra o chão.



Ele debocha dela, diz que ela é fraca e que ele é o grande criador da ira.




Ele diz que a matará, mas ao levanta-la, Cólera consegue quebrar a lâmina e se jogar sobre ele. Então ela empurra a lâmina que está presa em seu abdômen mais para dentro, só pra ponta ficar exposta em suas costas, dando um contra ataque bem na cara de Fúria sem ele notar. 




A Lâmina fica na cara de Fúria, e ele cai aparentemente morto, porém Cólera também cai, por causa do dano crítico que ela mesma se infligiu.



Os 3 corpos caídos eram o sinal de fim de jornada... porém...




O Senhor do Abismo pega Cólera antes dela definhar totalmente e realiza seu acordo com ela, dando-lhe o poder do fogo.

Ganância e o Museu




Ganância o pecado que tudo quer, este sim deveria ser extremamente possessivo, porém, ele até que é bem aberto a se livrar das coisas. Ele é encontrado em um museu tomado por o que parecem Gnomos disfarçados de crianças. Enfim, ele acumula tudo o que encontra em um dos saguões, onde é encontrado e desafiado por Cólera.



Foi nesse momento que percebi que os chefes não são la tão criativos. 




Basicamente eles atacam e da pra esquivar e contra-atacar, mudando apenas a velocidade de seus ataques o que dificulta a noção de quando apertar o botão de esquiva.




No caso de Ganância, ele parece provocar um pouco antes de realmente atacar, e quando ataca é muito rápido, o que torna bem difícil fugir.




Além disso, ele pula bastante, sempre subindo em plataformas onde se torna invulnerável, e arremessando objetos (destruindo-os no processo) pra atingir Cólera.




O auge da batalha é quando ele pega metade do HP e passa a usar objetos grandes e pesados como arma, causando dano ainda maior que o normal (que já é bem alto). Sem contar que é bem mais difícil de prever.



Ele costuma arrastar lentamente antes de realizar o golpe e do nada, acelera. É bem chato.



Mas, ele é derrotado, e no fim, Cólera joga ele contra uma das artes (que Vigia até reclama) e o executa...



Sugando seu ser pra dentro do pingente.




Em seguida, um portal pro Abismo surge e Cólera tem mais uma conferência com o Senhor do Abismo, recebendo o poder elétrico.



Orgulho e o Reino de Aires



Enquanto busca por mais pecados, Cólera da de cara com Orgulho, entretanto, ela é muito orgulhosa.




O pecado simplesmente se recusa batalhar contra Cólera estando ela "fraca" e diz que só lhe dará a honra de enfrenta-la quando ela derrotar os outros 6 pecados.




Cólera nem consegue acerta-la em todo seu resplendor, então Orgulho abre uma venda espacial e vai para Aires, um local sagrado onde Cólera pode entrar normalmente...




Mas o portão que leva pro enfrentamento contra Orgulho é bloqueado e só se abre depois de derrotar os outros pecados. Isso sim é orgulho.



Preguiça e o Subsolo



Ainda no caminho pra encontrar Fúria, Cólera avista Preguiça ao longe, sentadinho em seu trono, e inalcançável por causa de um penhasco (nem mesmo com o poder de raio da pra atravessar).



Além disso, é importante mencionar que Cólera enfrenta vários demônios e insetos no subsolo, inclusive entra numa toca de aranhas (o local inteiro parece uma toca) onde enfrenta algumas aranhas demoníacas enormes.




Em caso de derrota, no primeiro confronto contra a primeira aranha gigante, Cólera é transformada em casulo de teia, e essa é a única vez que o "Game-Over" não ocorre. Ao invés disso, Cólera é levada e deixada suspensa para "comer mais tarde".



Ela se livra fácil, usando o poder do fogo, mas cara, a referência é bem clara: Silitha.




Cólera chama a aranha de "Infernal" mas, na real, ela é uma das seguidoras/filhas de Silitha, que apesar de não aparecer aqui, é uma criatura importante na jornada de Guerra. O fato de Cólera ser capturada e conservada faz alusão direta ao que ocorre com Guerra, pois este é um hábito de Silitha, capturar e absorver conhecimento.




Bem, Cólera atravessa todo um covil de aranhas até chegar ao Preguiça, o qual nem se da ao trabalho de levantar. Na real ele usa uns caranguejos gigantes pra carrega-lo, e faz questão de deixar claro que não quer problemas.




Ele praticamente implora pra Cólera deixar os conflitos pra la, sentar e relaxar. Diz que não ta afim de briga, e que nem liga pro que ta acontecendo no mundo, só ta afim de curtir sua vida mansa e calma.



Ele insiste tanto no discurso zen que praticamente convence Cólera.



Ela de fato se deixa relaxar e cogita a possibilidade de deixar sua missão pra la.



Mas a Vigia se assusta, e a provoca, convencendo-a a se levantar e lutar.



É ai que a luta contra Gula começa, mas o cara não ta nada afim de lutar.


Ele se move graças aos seus lacaios, e é impossível causar danos a ele enquanto ele está sentado.



Além disso, ele cospe ácido e varre os arredores com seu cajado...



E manda mais capangas pra atrapalhar Cólera se ela tenta atacar seus carregadores.



Uma vez que seu trono é destruído, ele é forçado a se levantar e fica muito bravo...



De pé, parece que a luta vai ficar intensa...




Mas ele anda bem de vagar e bate com seu cajado, só isso. Claro que, os golpes são fortes pacas então ele consegue matar com uns 2 acertos, ainda assim, da pra desviar.



Além disso, seus golpes são mal calculados, e acertam até mesmo seus capangas.



É complicado esquivar no tempo certo pois ele é meio lerdo... 




Mas uma vez que se consegue, sua fraqueza são os contra ataques. Além disso, da pra dar a volta nele e bater no rabo dele, ele tenta se defender jogando ácido (é tipo um pum ácido) mas demora muito. Pra se virar ele pula, mas se cansa.




E seu ataque mais poderoso é um pulo alto que ele faz pra tentar esmagar Cólera com seu corpo, algo que uma vez desviado deixa ele bem vulnerável por alguns segundos.



Depois de derrotado, ele ainda tenta resolver tudo numa boa, oferece algum tipo de acordo pra Cólera...



E ainda deixa claro que ele não tem qualquer vergonha de ser tão covarde. Assim, ele é absorvido.



Luxúria e os Reanimados




Luxúria é encontrada em meio a uma inundação tóxica, repleta de anjos e demônios zumbis. Cólera vai atrás dela assim que realiza seu acordo com o arcanjo Uziel.



Ela tenta retirar alguma informação no primeiro contato, mas Luxúria tente envenena-la com palavras.



Ela esquiva de todos os golpes furiosos de Cólera, enquanto tenta convencê-la a se unir a ela.



Ela diz que se Cólera abandonar sua missão idiota, ela dará tudo aquilo que ela deseja...



Só que, no meio de seus discursos ardilosos e desvios, Luxúria é atingida por disparos de armas de fogo.



E os irmãos de Cólera aparecem.



Guerra, livre das correntes, Conflito, armado até os dentes e Morte, intacto.



Conflito diz que ele fez questão de lidar com todos os outros pecados restantes e eles estavam ali para ajudar Cólera.




Guerra ainda fala que descobriu toda a trama por trás do apocalipse, e que eram tanto os anjos quanto os demônios por trás, unidos para destruir o mundo.




Além disso, Conflito revela que o Conselho das Chamas havia previso o plano dos anjos, e tinha mandando os cavaleiros em diferentes missões justamente pra espalhar o caos para os conspiradores e assim, restaurar o equilíbrio.



Até a Vigia confirma o ocorrido, e ainda ressalta que era tudo que Cólera queria.




De quebra, como a missão de Cólera havia terminado, ela tinha sido reconhecida como líder dos cavaleiros, e os 3 se ajoelham diante dela.



Na hora ela nota que é uma ilusão e acaba com tudo.



Luxúria aparece, irritada por Cólera resistir aos seus encantos...



Só que Cólera tava muito put4.



A luta então começa, e Luxúria não faz muito além de atacar de perto, com golpes lentos e facilmente esquiváveis.




Ela até tenta avançar e tal, mas não é um desafio muito grande. Claro, dentro do que já é conhecido em Darksiders 3, com mortes facilitadas com os erros.




Na metade do HP, Uziel aparece do nada e tenta dar o golpe final em Luxúria, com Cólera se irritando com a presença dele e pedindo pra ele se afastar e não atrapalhar.



Cólera fala do acordo, e que ela ta fazendo sua parte, e pede pra Uziel sumir.



Mas Luxúria começa a dialogar com Uziel, e propõe um novo acordo, de restauração para os poderes dos anjos.



Tudo que ela pede é que Uziel se junte a ela contra Cólera... e adivinha...



Uziel aceita.



Então a luta fica mais tensa, com 2 chefes ao mesmo tempo (Puro Dark Souls).




Uziel usa seu enorme sino pra quebrar alguns poderes de Cólera, por exemplo, o Modo Caos é cancelado quando ele usa seu especial. Além disso, ambos atacam juntos, mas normalmente Luxúria espera Cólera se distrair pra atacar pelas costas.



Da pra escolher quem derrotar primeiro. No meu caso eu acabei com Uziel, e depois fui pra Luxúria.



Nada muda, a luta se mantém a mesma independente de quem cai primeiro.




E ai, quando Luxúria cai, Cólera ainda cumpre sua parte do acordo com Uziel, questionando quem deu o poder de ressuscitar para Luxúria.




Ela não fala muito, apenas diz que são todos peões, inclusive Cólera, e se Cólera fosse esperta teria se tocado de qual era a mensagem.




Luxúria ainda tenta fazer outro acordo, dizendo que se fosse poupada, diria onde Inveja está. Nessa hora eu achei que o jogo tinha bugado mas, era apenas Luxúria usando todas suas cartas.




Cólera fica sem entender o que Luxúria quis dizer, mas olha pra cara da Vigia, ela sabe... ela sabe muito bem. No caso, como Cólera já tinha capturado Inveja, ela considera o que Luxúria disse um mero blefe e, não aceita acordo algum.



Ela captura Luxúria...



E se volta pra Uziel, colocando a própria arma que ele lhe deu contra ele.




Mas, Cólera perdoa Uziel, por compreender o tamanho da força de Luxúria. Grato, Uziel jura por sua vida que assim que descobrir quem foi o miserável que matou o cavalo de Luxúria irá contar. E ai, morre mais um mistério do jogo, pois Uziel some e nunca sabemos quem matou o cavalo da mina.



Depois que ele vai embora, Cólera é levada para o Abismo novamente, pra receber o poder da Gravidade.



Gula e a Região Submersa




No caminho até Luxúria, Gula aparece algumas vezes, mas não chega a ser diretamente enfrentado, ou percebido como o Gula.




Inicialmente ele é um enorme tentáculo que ataca a paisagem, as vezes esmagando e pegando demônios, anjos e zumbis, e as vezes tentando agarrar Cólera.



Quando consegue, o tentáculo puxa ela pra grande cabeça da monstruosa criatura, que mais lembra um Kraken.



Cólera não tem o que fazer, a pele dele é impenetrável, e seus tentáculos são mortais. 




Porém, com ajuda da Vigia, ela nota que os olhos dele são vulneráveis a golpes e usa a Salvação pra atingi-los, ao mesmo tempo, deixando a criatura cega por um tempo, e abrindo caminho pra fugir.




É só depois de derrotar Luxúria e voltar do encontro com o Senhor do Abismo, que Cólera alcança o outro lado da criatura, batendo no que parece ser sua cauda, sendo este seu único ponto vulnerável.




Ao fazê-lo, a criatura grita de dor e foge pra dentro da água, sendo seguida por Cólera. Ela é seguida pois o pingente passa a rastreá-lo como um dos pecados, e apesar da criatura não se parecer em nada com um deles. Como Cólera e seus irmãos já tinham enfrentado os pecados antes, ela reconhece alguns de longe, mas Gula tinha mudado pra caramba.



Depois de segui-lo até as profundezas, ela encontra um banquete de graça, mas logo percebe que é uma armadilha.



Cólera tava cansada de ilusões e já desafia Gula pra acabar logo com a sua bagunça.




Começa assim uma festa de insultos, onde Gula xinga Cólera, Cólera xinga Gula, eles ficam debatendo da forma mais ácida possível.




Isso sem contar as ameaças. Um fica declarando o quanto vai torturar o outro, principalmente Gula descrevendo o que queria fazer com Cólera...




Mas no fim, Gula faz algo apelativo que acaba colocando ele no topo da lista negra de Cólera. Ele diz que se empanturrou pacas, mas ainda tava com fome, e arrota, jogando alguns pedaços de comida...



E eis que a cabeça de Impeto parece em meio aos restos.



Cólera apenas grita.



E começa a luta contra Gula. Ele se esconde dentro do que parece ser a cauda do monstro, sua forma real.




Ele faz um ataque poderoso e impossível de esquivar (eu não consegui nenhuma vez) onde bate na horizontal por todo o mapa, nas duas direções, e depois da vertical.




Apenas após esse golpe inicial, ele fica vulnerável e passa a sofrer dano, isso se Cólera resistir. Por sorte, o mapa é bem grande e seu ataque não chega nas paredes então da pra se proteger encostando nas paredes.




Então, a cauda de abre e o bicho monstruoso formado por duas bocas começa a atacar, usando seus braços pra causar impacto físico.



E vomitando ácido o tempo todo, que corrói rapidamente e constantemente.




Ele também se fecha como uma flor, e atira torpedos de vômito ácido que comprometem o enorme cenário, limitando onde Cólera pode pisar.




Pra variar, ele também tem um ataque simples em que suga tudo que tiver perto, pra engolir, mastigar e vomitar. O desgraçado normalmente mata com esse golpe também.



Se Cólera não tiver com a energia completa, não tem escapatória uma vez que ele agarra.




Só que, o poder gravitacional resiste ao puxão dele então, desde que ela use isso e não chegue perto de mais, da até pra aproveitar o momento e atacar.



É bem arriscado (morri 38 vezes) mas depois de levar a barra de HP dele até a metade, ele destrói o chão e foge.



Então começa uma batalha totalmente subaquática, contra a versão completa dele, o Kraken.




Ele bate com os tentáculos, e na lógica, a melhor forma e lutar é usando a forma gravitacional, principalmente considerando o ataque que ele usa puxando a água pra tentar engolir Cólera.



Ele também faz o inverso, jogando pedras do seu estômago que causam dano.




Como o mapa é grande, da pra ficar bem longe dele e ele não faz muito além de sugar, soprar e dar investidas com a cabeça, que não chegam até o fim do cenário. Fiquei horas parado buscando uma estratégia, pois não tem como acerta-lo. A Salvação não funciona embaixo d'água, e nenhum golpe do Desprezo acerta ele.




Então, depois de muito tempo, notei que tinham esferas explosivas perseguidoras nos canto da fase, e era preciso nadar com elas na cola, até perto da boca dele, quando ele estivesse sugando, pra assim engolir a bola explosiva.



Só assim ele era derrotado, explodindo de dentro pra fora. Demorou pra eu me tocar viu...



Com isso, Cólera pega um dos tentáculos dele, e fere seus olhos violentamente...




E depois sai andando, sugando ele pro pingente como se não fosse nada (nem parece que morreu mais de 40 vezes).



Em seguida o Abismo a convoca para dar o poder do gelo.



Fúria e o Reencontro no Coliseu




Pois é, Fúria ainda tava vivo. Ele se recuperou, tomou conta de uma parte da construção demoníaca no deserto e fez um Coliseu pra si mesmo, onde passou a participar de massacres recheados de demônios, pra seu total prazer.



Cólera chega junto e matando, e recebe cantadas de Fúria.



Ele diz que bem que podia dar uma chance pra ela, e olha que cara, eles tem praticamente o mesmo nome!



Fúria usa a mesma tática de antes, andar e bater com as espadas, porém agora ele também convoca capangas.



Pra matar, e absorver a energia vital.



Além disso ele pula no chão com força criando ondas de energia que acabam com tudo no coliseu.



O truque é bater nele mais do que ele nos outros.



Perto de morrer, ele ainda corre pra atacar alguns capangas demoníacos mas, Cólera não tem dó.




Ainda assim, depois de derrotado pela segunda vez, ele restaura toda a energia novamente e passa a apelar, todo enraivecido.



Ele se equipa com suas duas lâminas e parte pra ignorância.



Usando ataques com rajadas de energia à distância, ele tenta fazer algo diferente mas no fim da na mesma.



Cólera esquiva e espanca ele sempre no contra-ataque, sendo esta a melhor tática sempre.




Mesmo quando ele fica todo em chamas, enraivecido e em frenesi, atacando desenfreadamente, esquivar e contra-atacar é perfeito.



Então ele é derrotado, mas Cólera sorri.




Ela passa a lutar sem raiva, justamente pra enfraquecê-lo, usando mais astúcia do que força bruta. Ele então joga uma de suas espadas e ela redireciona pra ele.



E assim acaba com o dono da ira.



Ela suga ele pra dentro do Amuleto e finaliza mais uma caçada.



Orgulho e a Revelação



Com todos os pecados derrotados e capturados, Orgulho se torna acessível.



Ela conversa de igual pra igual com Cólera, mostrando que ambas são a nata da sociedade.




Ela tenta convencer Cólera a se juntar a ela, prometendo que ambas poderia trazer o equilíbrio ao mundo que ela tanto buscava, mas Cólera já tava enjoada desse papo.




A batalha contra Orgulho é bem mais fácil do que parecia. Ela cria um globo protetor que precisa ser destruído primeiro pra só então ela sofrer dano.



Além disso ela da vários golpes sequenciais com suas espadas, enquanto voa pelo mapa, sempre perto do chão.




Com metade do HP, ela voa mais alto e usa seus poderes pra habilitar uma Cabeça de uma Estátua, pra atirar Laser pela sala.




Enquanto a cabeça lança um laser fortíssimo e ininterrupto, que fica girando pela sala, Orgulho ataca sem medo de toca-lo (não causa dano nela). 



Mal percebe ela que isso ajuda na luta, pois ela acaba bloqueando o laser se for bem posicionada.



Então é só deixar ela entre o laser e Cólera e descer o chicote, quebrar o globo dela, e zerar a energia vital dela.



Derrotada, ela quebra sua máscara, e cai no chão.




Então ela decide contar pra Cólera toda a verdade, expondo o Conselho do Fogo como os verdadeiros conspiradores, e aqueles que soltaram os pecados pra inicio de conversa. Ela começa a falar bastante, e pra surpresa de Cólera...



A Vigia confirma tudo, e ainda debocha de Cólera, por ela ser tão tapada e não ter notado.




A Vigia chega na Orgulho, tira o que sobrou de sua máscara e tira onda com a cara dela, chamando-a de irmã, e dizendo que sempre a invejou.




É ai que a máscara dela cai, ela força o amuleto a coletar a alma de Orgulho, e retornar para sua verdadeira dona.




A Vigia, era na verdade Inveja, disfarçada, usando e manipulando Cólera como sua mera escrava, fazendo ela acreditar e confiar nela, e assim, motivando ela a destruir seus irmãos para que só restasse ela com os poderes deles.



Cólera é esmagada por um pilar derrubado por Inveja...



E ai ela começa a jogar na cara o quanto Cólera era patética.



Entre uma ofensa e outra, ela suga um pouco da energia vital de Cólera, só pra mostrar quem manda.




Então, enquanto inflige dor e conta várias verdades, inclusive revela seus planos contra o Conselho das Chamas, dizendo que agora que é toda poderosa, irá destruir o conselho, em nome dos cavaleiros e dos pecados, para tomar o lugar deles como uma verdadeira deusa.



Ela coloca Cólera em um abismo criado por ela no templo e por fim...



A empurra.



A Tempestade Misteriosa




Antes de contar como tudo termina, acho legal falar dessa passagem no jogo. Não é nenhum chefe, nem nada que simbolize um dos pecados, mas sim um grande mistério que precede a luta contra Fúria.




Tem um tornado no deserto, que impede a livre passagem de Cólera. Ela sempre precisa correr, ou é arrastada e morta instantaneamente pelo contato com o tornado, que sempre a persegue. Mesmo com o poder da gravidade, ela pode ser puxada, a menos que esteja em um local fechado.




Em locais fechados, se o tornado passar por cima, ela também pode ser puxada e morta, mas nesse caso o poder da gravidade a segura contra o chão.




Esse tornado atrapalha a jornada por um bom tempo, mas em dado momento Cólera o destrói, com fogo em um mar de combustível.



O tornado morre queimado, e pra variar, ele ainda agradece.



O que ele era, porque ele atacava Cólera e a razão de agradecer nunca é explicado.



Mas, aconteceu.

Inveja e o Conselho do Fogo, A Batalha Final




Apesar de ter caído pra morte certa, agora sem o Senhor do Abismo pra resgata-la, Cólera ainda é salva, dessa vez por um humano.




Jones a resgata de sua morte inevitável, sabe-se la como, e depois ainda escuta seus desabafos, da uma lição de moral nela, fala do quanto a humanidade já quebrou a cara e das suas condições atuais, e de como eles ainda não desistiram. Então, Jones motiva Cólera a continuar lutando, mesmo depois da derrota miserável que teve, e assim, ele diz pra ela conversar com Ulthane.




Ulthane havia terminado sua construção, aquela que levou o jogo todo pra concluir. Ela na verdade era um portal, feito para Cólera. Alias, Cólera pergunta pra ele o que é o amuleto que o Senhor do Abismo deixou pra trás, e ele reconhece logo de cara, mas não diz, e ainda fala que se foi algo que o Abismo confiou a Cólera, só ela poderia portar. Ela até tenta dar pra ele, mas ele recusa aceitar.




Enfim, o portal que ele criou foi desenhado exclusivamente pra Cólera. Ele era ligado a mente dela, e podia leva-la pra onde ela mais desejasse. Era um tipo de presente, como se ele soubesse tudo o que iria acontecer.



Então, Ulthane diz pra Cólera seguir em frente, e fazer aquilo que ela mais desejava.




Enquanto isso, Inveja peitava o Conselho do Fogo, dando uma surra neles, enquanto os insultava, provocava e debochava, usando inclusive as armas dos 3 cavaleiros mais fortes contra eles (cópias, é claro).



Então, Cólera chega, através do portal. Ela tinha escolhido ir para o Conselho do Fogo, pra concluir sua missão.



Assim que chega, o Conselho logo canta vitória, e tenta ordenar o que fazer... mas...



Cólera da logo um cala boca e diz que eles ficam pra depois, o papo agora era com Inveja.



Ela avança em Inveja e desce a chicotada na mina, isso depois de dizer brevemente que poderia poupa-la só que não.




Inveja faz o mesmo por Cólera, atacando antes mesmo da luta começar (sério, quando começa ela já ta em cima dando foiçadas).




Seus ataques são com as armas dos 3 irmãos, a Espada destruidora de Guerra, a Foice rápida de Morte e as Pistolas de Conflito.



Além disso, ela pode convocar os outros 6 Pecados pra darem algum golpe (seu golpe mais forte).



Por exemplo, ela pode invocar Fúria pra causar o impacto de energia no solo...



Ou Preguiça pra dar as esmagadas...



Mas no fim, o truque é como sempre, esquivar pra dar críticos.



Perto de ser derrotada ela tenta apelar, invocando 2 pecados de uma vez e atacando paralelamente, mas não dura muito.



No final, ela atira contra Cólera, que usa a Salvação pra defender (ela nunca defende, só nessa parte ¬¬).



Então ela esquiva dos ataques da Foice, e aproveita pra tomar o pingente de Inveja no processo.



Com o Pingente, Inveja fica irritada, isso por ainda perder as armas... e se aproxima de Cólera.



Ela pega Cólera pelos braços e ameaça contar sua cabeça com a Espada, mas Cólera se livra dos braços dela...



Pega Desprezo (que tinha caído) e invoca seu poder à queima roupa, perfurando o corpo de Inveja com o chicote.



Em seguida ela absorve a alma e Inveja pro amuleto.




E se volta para o Conselho, que nem agradece direito pelo que ela fez, e já a condena por te-los desrespeitado, alegando que sua morte é a melhor punição.




Cólera havia honrado o acordo, e como recompensa receberia a morte, ela não aceitaria isso. Então ela resiste ao fogo (Abismal da Chama, Conselho do Fogo suas antas!)




Então ela pega o pingente do Abismo e apresenta ele pro Conselho, que imediatamente interrompe o ataque, e exige que Cólera os entregue o artefato.




Cólera ignora a ordem, e diz que isso não é deles, e que se eles queriam tanto ao ponto de voltar atrás da própria decisão (pulveriza-la) era porque era algo realmente importante, talvez a única coisa que poderia destruí-los.



Assim ela jura que destruirá o Conselho do Fogo e acabará com a farra deles...




Pega o Amuleto dos 7 Pecados e entrega pro Conselho, exatamente como eles tinham pedido, mas... joga diretamente neles...



O que causa uma explosão e destrói tudo (mas ainda não os mata).



E ela foge.

O Final



De volta a Haven, Cólera pega os Construtores lidando com uma invasão de demônios repentina.




Então ela discursa para os humanos, dizendo o quanto eles são importantes e o quanto o Conselho o teme, e que eles precisam permanecer lutando e sobrevivendo.



Com isso, Ulthane diz que eles sozinhos não conseguirão, e precisam de um guardião.




No mesmo instante, O Destruidor em sua forma de Dragão aparece, com uma legião demoníaca exigindo a cabeça da humanidade restante.



Os demônios atacam o abrigo com tudo...



E Ulthane diz que Cólera precisa proteger os humanos, sendo a guardiã deles.




Ele diz que ela deve usar o portal que ele criou para leva-los pra um lugar seguro que somente ela conhece, um lugar distante de todos.



E ela prepara o portal, mandando os humanos para tal local.



Em seguida ela jura que os protegerá com tudo.



E depois pede pra Ulthane, caso sobreviva, ajudar Guerra quando ele aparecer.




Assim, Ulthane e os demais construtores protegem o portal e enfrentam os demônios pra humanidade fugir, e por último Cólera entra no portal, mas ao olhar pra trás, ela vê Jones correndo na direção dos demônios.



Ele atira em alguns deles, derruba um grandão e se vira pra Cólera...



Revelando que na verdade era Conflito, o tempo inteiro.



Cólera se surpreende em ver seu irmão, mas não tem tempo pra reagir direito e é teletransportada.



E assim, a jornada de Cólera se encerra.



Por enquanto...

Pós Créditos




Depois dos créditos Lilith aparece, andando em direção a Lúcifer, que fala em meio as sombras que ela fracassou em silenciar o Senhor do Abismo (chamando-o de traidor).




Em seguida, ele prevê o que ocorrerá com Guerra, e com o Conselho, com bastante precisão, e diz que irá saborear a vitória no fim das contas, e tava tudo bem por hora.



Ele dispensa Lilith e assim, a cena acaba.

Conflito




Bem, foi uma surpresa muito louca ver que Conflito tava perto e ajudando o tempo todo. O humano Jones era só um disfarce, e curiosamente, Conflito semeia a paz entre as raças e protege a raça mas vulnerável. Vai saber até onde ele chegou em seus planos.




Provavelmente, o Portal que Ulthane construiu, a obsessão dele em salvar os humanos, e até mesmo os passos que Guerra e Morte tomaram foram induzidos por Conflito. O cara é o mais genial de todos com toda certeza, articulando tudo das sombras (não é atoa sua aparência ninja).

Provavelmente, ele esteve presente de alguma forma na jornada de Guerra e Fome, digo isso pois, cara, as duas armas dele foram disponibilizadas, uma pra Guerra e uma pra Fome, através dos Construtores que os auxiliaram. Isso não é mera coincidência. Com toda certeza.

Já prevejo que o jogo de Conflito será Darksiders 4, onde é muito provável que o gênero seja mais Ação com Tiro em Terceira Pessoa, como Max Payne, The Last of Us, Tomb Raider e jogos onde munição é tudo. Claro, terá os traços e cores de Darksiders, e também o esquema de inimigos em hordas o que pode ser muito interessante.

Estou ansioso pra caramba pra conhecer a jornada de Conflito, a Peste.

E assim, encerro meu artigo.

Agradeço pela leitura, e espero que tenha aproveitado.

Agora, até a próxima.

2 comentários:



  1. Simbora!
    Final do ano foi corrido, consegui zerar Darksiders 3 só ontem, estava sem tempo de jogar. Mas eu curti demais! senti igual o Sr que esse foi bem mais focado e direto ao ponto se comparado a aventura do Morte, que tentaram fazer algo grandioso demais porem se perderam no meio de tanta coisa.
    Acho que eh hora de jogar ds1 novamente, seu texto me fez perceber a quantidade de ligações que ha entre os jogos e que eu não saquei enquanto jogava, por que faz muitos anos que joguei o do Guerra. Por exemplo, as Pistolas que Guerra e o Morte usam são do Conflito? cara isso eh dahora demais.
    Darksiders tem um universo intrigante e com um grande leque de possibilidades, espero que essa nova empresa saiba usar a mitologia criada para fechar a historia amarrando todas as pontas, a essa campanha mostrou que os caras tem potencial! de inicio eu me irritei demais com a personalidade da protagonista, ate perceber que eh proposital para diferencia-la de seus irmãos e criar aquele fechamento com sua nobre e surpreendente atitude de escolher virar a protetora dos humanos, muito massa.
    No final, percebi que eh certo um novo jogo com o Conflito, mas fiquei pensando como seria um quinto jogo (ou spin-off) onde jogamos com um humano comum, frágil, em meio a essa guerra e seres super poderosos, com gênero meio de sobrevivência, tendo que usar somente a inteligencia para criar armadilhas, passar trechos em Steath e em combate direto ter de contar com pistolas, metralhadoras e granadas (talvez em algum momento usar as armas dos anjos?) acho que seria interessante.

    Como fã e jogador continuo de Dark Souls, eu achei esse Dark Siders bem tranquilo rs. Qual foi o trecho mais difícil pro Sr? acho que o que mais deu trabalho foi a gula, pois fique um tempo sem fazer ideia de como derrotar a forma kraken.

    Sobre o Senhor do Abismo, o Sr se lembra de alguma outra referencia a ele nos outros jogos? sempre que ele aparecia o que sempre me chamava a atenção sobre ele eh o objeto acorrentado a suas costas, que se assemelha muito a Arca da Aliança, que na Bíblia guardava as tabuas dos 10 mandamentos e eh considerado um dos objetos mais sagrados e poderosos. A única diferença eh que na original, são 2 anjos na tampa, em Darksiders parece ser um anjo e um demônio (ou um anjo Morto-vivo). achei no minimo curioso.



    Enfim, zerado. agora partir para Final Fantasy XV e torcer pro meu PC fazer as pazes com ele. em seguida, tentar o emular o Zelda Breath of The Wild. Vi que o Sr postou a analise de Dark Souls e esta bombando haha, estava esperando por ela e irei ler ela em breve.
    Obrigado por mais esta analise Sr, mais um jogo documentado e detalhado! irei voltar a ela outras vezes com certeza, apos sair a sequencia e apos jogar Darksiders 1 novamente.

    Abraços!

    Chaos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei contente ao ver que eles conseguiram dar uma característica pra série, de cada cavaleiro tendo seu próprio tipo gameplay, tendendo pro hack&slash mas, cada um puxando pra um lado. Isso realmente aumentou muito a dinâmica da série e, eu to bem ansioso pelo jogo do Conflito, mas como o sr disse, nada impede que possam haver outros, sempre pensando nesse esquema de "multi-gênero". A ideia de um jogo com humanos stealth faria sentido, e talvez até seria bem louco, mas tudo depende de como fecharão o arco atual.

      Alias, bela sacada essa sobre a arca, eu ignorei totalmente o que ele carregava nas costas. Geralmente não deixaria passar mas é que, os bichos são tudo tão enfeitados que acabei me acostumando. Eu não vi nada sobre ele nos outros jogos, não me lembro de nada o que indica que ele seja um personagem próprio pra Cólera. Talvez o que ele tenha passado seja a essência dos 10 mandamentos...

      Torso pra que seu PC não frite. Espero que consiga terminar o FF, e Zelda... show... você vai adorar. Não esquece de usar o speedy hack ta, ele ajuda muito a melhorar a performance.

      Eu postei, e tava esperando sua leitura, principalmente. O sr viu o material original e tipo, eu queria saber se a nova versão ta a altura. Você entenderá quando ler.

      See yah, e eu deixei uma resposta pro sr la na postagem compartilhada, deixei meu celular pra contato.

      See yah sr Chaos.

      Excluir

CadastroMorte

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner