ArquivoMorte

PesquisaMorte:

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

AnáliseMorte: Deltarune - Capítulo 1 - Leia minha história.

Em pleno halloween muitos jogadores foram pegos de surpresa com o anuncio de uma continuação de Undertale, continuação oficial, e feita pelo mesmo criador, que estava em desenvolvimento secretamente.


Do nada, uma aparente demonstração foi oferecida ao público, mas partindo daí, começou uma história de terror real ao estilo Undertale.

Contarei o que ocorreu e falarei de todo o jogo, e já aviso:

...

Boa leitura.



Antes de ler, de play na musica e deixe rolar!





Undertale é um jogo indie com inspiração em Earthbound (Mother), com gráficos bem simples, e uma jogabilidade bem inovadora, apesar de inspirada nos antigos modelos de RPG.

Algo que o jogo tinha de extramente inovador, era a possibilidade de se terminar sem vencer uma única luta, ou sendo a pessoa mais homicida possível, sem ter pena de ninguém, o que gerava finais completamente diferentes, e alterava o tema do jogo drasticamente. De forma pacífica, era um jogo de RPG com muito humor. De forma agressiva, era um jogo de terror psicológico bem medonho.

Tive o prazer de analisa-lo e o orgulho, apesar de nunca ter feito a versão "maligna" do jogo. Undertale cria um mundo, onde o jogador acaba entrando e, nós nos envolvemos muito.

Era de se esperar uma continuação, apesar de não ser algo necessário. E ai, surgiu a notícia:




Vários sites passaram a noticiar no final do dia 31/10/2018 que Toby Fox, criador de Undertale, disponibilizou gratuitamente uma "demonstração" de seu futuro jogo, continuação espiritual de Undertale, chamado Deltarune.

Mesmo havendo várias fontes alegando isso, o site de DELTARUNE (um anagrama de UNDERTALE) era simples de mais, e até meio horripilante, justamente por não ter quase nada em seu layout.




De quebra, haviam alguns poucos avisos para quem tentasse baixar o jogo, alertando que era por conta e risco do jogador, e que ele deveria obedecer algumas regras, caso contrário coisas ruins ocorreriam. A principal regra era: "Por 24 horas, não comente sobre esse jogo."

Só que como mencionei, muitos sites divulgaram, a fanbase de Undertale divulgou, então todo mundo passou a comentar. E a consequência foi bem clara:




O site parou de disponibilizar o download, fosse da versão americana quanto da versão japonesa (os dois idiomas oferecidos). Eu tive o azar de chegar a ele no dia seguinte, quando já não tinha mais o download, e vi muitas pessoas comentando, o que me deixou curioso e querendo muito constatar os mistérios de Deltarune.




Não foi difícil conseguir uma versão do instalador. Alguns foruns tinham salvado uma versão e a galera tava compartilhando, então, eu baixei... porém fiquei receoso e preocupado com relação a veracidade do arquivo.




Nos sites que falavam sobre o instalador de Deltarune, apenas mencionavam que era um arquivinho de meros 80mb, nada além disso. Alguns até diziam que nem conseguiram baixar a tempo, o que me deixou pensativo. O arquivo que baixei tinha quase 80mb, mas o nome não era "Deltarune Install", ou algo do tipo, mas sim "SURVEY_PROGRAM", da forma mais genérica que podia ser, e pra variar, era a versão 0.6.6.6.




Eu tomei coragem, comecei a gravar o procedimento e abri o programa, e me deparei com a seguinte janela de instalação:




Ela já alertava que a coisa ia ficar feia, só pelo seu singelo formato nada amistoso, e a mensagem que "Se der ruim, é culpa sua". Eu fiquei com um cagaço de instalar isso, principalmente depois de ter assistido uns vídeos sobre como os piores vírus eram instalados, e alguns tinham instaladores bem nesse formato... mas eu continuei, depois de quase chorar.




Ao término da instalação, não deu tela azul, nem nenhum erro estranho, nem o Prompt de Comando se iniciou sozinho com mensagens rápidas sinalizando que minha MOBO tava condenada (graças a deus que não aconteceu isso), mas antes de continuar a instalação, eu fiz questão de dar uma olhada na pasta...




"Tu aceita tudo que vai acontecer contigo agora, ta fudid0" os arquivos eram estranhos, mas tinha um desinstalador e essa mensagem então, eu fiquei um pouco mais tranquilo... se é que dava pra ficar tranquilo. O instalador pedia mais espaço na memória do que o arquivo tinha em peso, e isso me fez instalar sem estar conectado à internet, por medo de baixar algo. Também tinha o fato dos arquivos tudo estarem num formato que eu desconhecia, e pra variar, a versão do arquivo era 0.6.6.6. Isso não é de deus!




Mas, depois de todo esse processo, eu já tinha me afundado mesmo então, era a hora de jogar, ou explodir o PC. Eu tava com muito medo... mas abri o arquivo.




Uma música, uma tela preta, mensagens se comunicando comigo... era bem parecido com Undertale.




Quando apareceu o coração, eu fiquei mais calmo, pois realmente parecia com um jogo do Toby Fox.



O jogo, era mesmo um jogo, e pede pra você criar um receptáculo pra sua alma...



Com base em algumas opões não tão diferentes, você monta seu personagem.




Eu fiquei meio surpreso afinal, montar um personagem sugeria que este não era uma continuação com os mesmos personagens, mas sim um reinicio ou algo do tipo...



Então fui respondendo os estranhos questionários sobre a personalidade do carinha/mocinha.



E no fim, até concordei em deixa-lo "sofrer".




E então, chegou a parte de colocar o nome. Logo lembrei de quando Undertale pedia a mesma coisa e ao nomearmos com nomes de personagens do próprio jogo, mensagens diferentes apareciam. Além disso, eu lembrei logo de cara do nome proibido.



Então quis testar. Comecei a escrever "Gaster"...




E pouco antes de por o "R", o jogo fecha e reinicia. Logo, era exatamente como Undertale. "Gaster" também foi excluído desse jogo.




Então passei a nomear de outras formas. Alias, o jogo pede pra nomear tanto o corpo do personagem, quando o jogador que o controla, então são duas opções de escolher nomes. Porém, ele não confirma se é mesmo esse que você quer ou não, o que faz com que, pra por outros nomes seja preciso sempre responder o enorme questionário.




Eu tentei colocar o nome do criador do jogo pra ver o que ocorria (e errei na primeira vez colocando dois "B")... mas descobri que não acontecia nada de mais.



As mensagens são padrão, pra todos os nomes colocados.



Se é um nome inédito, o jogo elogia e agradece.




Se é um nome próprio desse jogo, ou de Undertale, ele apenas cita o tamanho da coincidência e fica por isso mesmo.




E, se o jogador bota o mesmo nome tanto pro receptáculo quanto pra si mesmo, o jogo diz que faz sentido isso, ambos serem o mesmo, e pronto.




Eu testei uma penca de nome, e no fim nada variou. Fiquei até meio decepcionado pois, no primeiro jogo isso era até divertido. O único nome que fez algo diferente pacas mesmo foi o Gaster.



Então, ao terminar de nomear, o jogo anuncia uma verdade lastimante...




Ninguém escolhe quem será nesse mundo, muito menos a gente, então o jogo decide quem e como o personagem será, e fod4-se.




E ai tudo começa, com Toriel acordando "KRIS", seu filho humano. Pois é, Kris é "FRISK" ou pelo menos deveria ser. Eis outro anagrama no jogo, com o "F" se perdendo.



Toriel pede pra sua criança se levantar pra ir pra escola, e diz que esperará por ela do lado de fora.




É ai que Kris passa a se mover. É exatamente como Frisk, só que um pouco mais velha. Ela não fala (chamarei de "ela" pois pra mim, Frisk e Kris são meninas) e tem um semblante meio sombrio. Porém, Kris usa verde, enquanto Frisk usava rosa. Ainda assim, a essência dela ainda é vermelha (você entenderá depois).




O inventário de Deltarune é bem semelhante ao de Undertale, com blocos escuros e algumas descrições. A arma de Kris é um lápis, da pra usar telefone celular, e da pra visualizar seu level, ou seja, tudo indicava que seria como Undertale.



Eu até comecei a ligar pra Toriel repetidamente pra ver se ela se irritava mas, ela é muito tranquila.




Então, passei a explorar. Logo reparei que a casa de Kris é muito mais desenvolvida, e rica, que a de Frisk. Afinal, no final de Undertale, o final positivo, os monstros vão todos pra superfície conviver com a humanidade e passam a existir em paralelo, na luz.



De fato, eles tinham evoluído muito, e Toriel até carro tinha. Ela leva Kris pra escola.




E embalados pela música maravilhosa de Deltarune, assistimos a viagem com direito ao vislumbre dos monstros vivendo felizes, na luz, na superfície.




Undyne, tinha até profissão de policial agora, o que só nos faz ficar bem felizes com como tudo melhorou pros monstros.




E ai, Toriel nos leva pra escola, com a música nostálgica de Undertale ao fundo. Escola alias onde ela se tornou professora no final de Undertale, e permanece aqui.



Ela abraça Kris, e manda ela pra aula, na sala oposta a sala em que ela da aulas.



A professora de Kris é justamente Alphys! É bom ver que todos ficaram tão bem no mundo humano.




Alphys pede pra Kris escolher um parceiro pra aula, pois eles fariam um projeto, e ai as coisas começam a ficar estranhas. Eu passei a reparar que não haviam mais humanos, apenas a Kris, e os monstros. Mas, fiz o que Alphys pediu... só que todos já tinham parceiros (a gatinha maluca ta na aula também, e ela prefere fazer parceria com um ovo do que com Kris), e ai, a aparente líder da classe pergunta se Kris gostaria de fazer um trabalho a 3, e chega a perguntar pra Alphys...




Mas, Alphys recusa, diz que é injusto, quando Susie chega, e fica mó climão na sala. Susie é um monstro estranho, que parece causar medo à todos, e ai, Alphys decide que ela fará o trabalho com Kris.




Porém até Alphys parece ter medo da garota, então meio distraída, ela repara que não tem giz de lousa, e aproveita que Susie chegou por último pra ir até o armário buscar mais, isso com o auxílio de Kris afinal, ambas eram as novas parceiras.




Só que, Kris pega Susie comendo o que não devia (eu acho que ela tava usando drogas ou algo assim) e ai, Susie fica bem enraivecida.




Ela pergunta o que Kris viu, e como Kris é caladona, Susie diz que odeia gente assim, e passa a ameaça-la.



Inclusive, ela diz que vai devorar a face de sua colega...




Mas, depois de quase o fazer, ela aborta a ação e diz que em respeito a boa mãe que Kris tem, ela não vai pegar tão pesado com ela. Assim, ela diz que precisam ir logo pro armário buscar os gizes.




No armário (se tentamos desviar o caminho, Susie não deixa e nos obriga a acompanha-la) Kris e Susie se preparam pra entrar...



Mas o local fica bem sinistro do nada.



La dentro, elas passam a procurar o interruptor de luz...




Só que percebem que não há paredes na sala, que ela não tem fim, e que ela ta muito mais medonha e grande do que deveria. Então Susie diz que é melhor voltarem pois já se esforçaram muito...



E uma vez perto da porta...



Ela se fecha, e o chão começa a cair.



Então, Susie e Kris caem no abismo sombrio.



Kris acorda num lugar bem macabro, vestida de forma diferente, e numa coloração esverdeada.



A música do local era igualmente sinistra, e então, ela passa a explorar.




O inventário alias, muda nesse local. Agora há itens, armas, habilidades e configurações, além de uma opção de dinheiro.




Os equipamentos de Kris agora são armas reais, uma Espada de Madeira por exemplo, ao invés de lápis.




Nas configurações, existe uma opção de "Terminar o Programa", que logo de cara faz entender que o local em que Kris está é um tipo de jogo, ou realidade virtual (eu to com isso na cabeça rs).




Avançando, Kris pode salvar, como em Undertale, e o nome que aparece é o nome que o jogador escolheu pra si (eu tinha errado, botei Tobby então, ficou assim mesmo).



O ponto de salvamento são luzes, como em Undertale mesmo.




Avançando, há pontos interativos e objetos bizarros se movendo e fazendo barulho, além de uma silhueta no canto da tela que vira e mexe aparece e some rapidamente, como se fugisse.



Então, Kris avança nesse estranho mundo...



Até chegar num ponto com criaturas diferentes ao fundo. É ai que a parte hostil começa.




Algumas criaturas podem atacar a alma de Kris, e ao invés de rolar lutinha, ocorre perseguição e fuga. Nesses momentos, o corpo de Kris fica mais transparente e da pra ver seu Coração Vermelho (sua alma), e é preciso desviar dos inimigos enquanto se move pelo cenário.



Também há puzzles, bem simples de tentativa e erro.




Passando por isso tudo, Kris encontra aquele que estava observando de longe, e era Susie, também com um novo visual.




Susie estranha o local onde estão, mas fica feliz por encontrar alguém familiar, e se oferece pra andar em grupo com ela. Mas...



Susie é como o oposto de Kris em tudo. Ela é muito violenta, e não é nada paciente.




Ela fica brava com Kris por ela ser lenta (da pra correr, mas eu sempre ando devagar) e passa a ir sozinha na frente.



E ai, em certa parte, elas enxergam algo no topo de um morro...



Era o Zé Gotinha das Trevas, que começa a vacinar sem piedade.




É preciso fugir das injeções afiadas que ele joga, evitando que elas peguem no coração (por isso num tomo vacina! Olha o perigo!)



Depois de pular num barranco, Kris consegue, sofrendo e se ralando inteira, escapar.



Então ela chega mais fundo ainda, do estranho mundo sombrio.



La, reencontra Susie, e uma cidade escura, com casas tortas, mas inacessíveis.




Ao tentar atravessar a cidade, as moças são barradas por algo, que as recepciona chamando-as de "heróis".




Uma entidade encapuzada se apresenta como Príncipe, e diz que aguardava pela chegada profética delas, para que finalmente lutassem juntos pra salvar o mundo.



Ele pergunta se pode contar sua história, e educadamente Kris aceita.



A história fala de uma lenda antiga, sobre o mundo das sombras e o mundo da luz.




O legal é que, apesar de não haver dublagem, a lenda é aparentemente cantada pelo príncipe, com as letras e falas acompanhando sincronizadamente a música de fundo, que é muito fofa.




A lenda, conta que, o povo da Luz e o povo das Sombras, que viviam em harmonia, separados por seus mundos, um dia teriam o equilíbrio ameaçado.




E para restabelecer a paz e equilíbrio, um trio, formado especificamente por um humano, um monstro e um príncipe das sombras surgiria.



Juntos, eles iriam restaurar o equilíbrio, consertando o pilar que mantinha os mundos separados.




O pilar, era um feixe de luz sombria contínua, um gêiser de energia, e seria através dele que os heróis restaurariam e manteriam tudo em ordem... porém... 




Um segundo gêiser apareceu ao longe, sendo ele uma conexão irregular entre os mundos, e o causador do desequilíbrio entre luz e trevas.




Assim, o príncipe diz que agora que os escolhidos chegaram, ele estava ansioso pra se unir a eles e cumprir a profecia. Ele até intitula os heróis lendários de "Delta Warriors".




Mas, Susie tava pouco se fud3ndo pra profecia ou heroísmo, ela só queria ir pra casa, e até curte a ideia de ver o mundo deles desmoronar. Então, ela decide buscar por uma saída de la por conta própria.



O príncipe tenta impedi-la e convencê-la... mas...



O Zé Gotinha, de moto, aparece pra atrapalhar.




Ele ameaça as garotas, diz que vai acabar com os heróis, e tenta passar a imagem de cara maligno. Pela forma que ele fala, e aparência, eu jurava que era o sans disfarçado...



Ele inicia uma batalha, e logo ai fica claro como as coisas vão funcionar. 




O estilo de luta é como em Undertale, onde precisamos evitar lutar enquanto tentamos convencer, na base da conversa, o inimigo de parar e sair de luta. Aqui, pra que ele saia da luta, ele precisa ser convencido e depois expulso.




Porém, Susie é incontrolável, e ela não para de atacar. Ela meio que entra no modo bersek, e apesar de Kris ser a líder do grupo e decidir as ações de geral, Susie não a obedece.




Então, pra evitar que Susie mate o inimigo, é preciso avisa-lo do perigo de sua aliada, e atrapalhar Susie, ao mesmo tempo que se tenta convencer o oponente de desistir, pacificamente. 




Tudo isso uma rodada por vez. Como o efeito de "Avisar" dura algumas rodadas, é sempre bom usar isso de inicio e depois ficar no diálogo.



Mas, o inimigo também não fica só na conversa, ele tenta atacar, com vários movimentos. 




A forma como Kris se defende é esquivando com seu coração (sua alma) dos ataques no bloco que fica centralizado.




Uma vez avisado, o oponente passa a esquivar do ataque de Susie, e conforme Kris esquiva dos seus, e o diálogo rola, ele entra em estado pacífico. 




Caso Kris seja atingida por algum ataque deles na forma de coração, além de perder HP, ela aumenta uma porcentagem do TP, que é usado pra fazer Magias e Ataques Especiais (na verdade, passar perto dos ataques aumenta o TP, pelo risco que o coração corre).




No caso do Zé Gotinha, ele desiste da luta antes mesmo de ser expulso, alegando que a gasosa da moto ta acabando.




Com isso, o grupo é premiado por EXP ou Moeda Sombria. Como em Undertale, EXP é algo ruim, recebido pela violência, e as Moedas são o prêmio de consolação por não lutar.



Com isso, o Príncipe retorna e Susie pede pra ele tirar o capuz pois isso a irrita.




Então ele se revela como o Príncipe Ralsei, de chapéu, óculos e cachecol, sendo um fofo e dizendo que ta feliz em conhecê-las. Só que Susie vai embora assim mesmo.




Kris e Ralsei (Isso também é um anagrama viu... depois conto de que) começam a seguir na aventura então, em dupla mesmo, se bem que Ralsei mantém o otimismo de que Susie voltará.




Ele leva Kris pra treinar um pouco com um boneco que ele fez dele mesmo, e ai nós participamos de um tutorial.




Ele explica que além de atacar e conversar, da pra se defender, abrindo mão da rodada, ou usar comandos especiais de magia, que são mais movimentos do que poderes mágicos. Kris por exemplo tem um que é abraçar o inimigo.




Da pra usar movimentos assim com aliados também, dependendo de qual seja, como poderes que curam, e alguns ataques especiais podem influenciar o grupo juntamente com os inimigos, então, Kris coloca isso em prática abraçando Ralsei, várias e várias vezes (eu a obriguei e no fim, ele fica muito feliz, e para o tutorial dizendo que, o jeito dela é o melhor mesmo).




E assim, Ralsei leva Kris até o portão pro seu mundo, e a adverte que a aventura iria começar. Eu achei que a "demo" iria encerrar, como a de Undertale, justamente nessa parte, porém...




O jogo de fato começa. Eles entram numa floresta sombria, e passam a enfrentar criaturas das sombras...




Diferente de Undertale, agora os inimigos, todos eles, aparecem no cenário, andando, e até correm atrás de Kris pra iniciar as lutas. Eu amei essa mudança, pois inimigos "invisíveis" são um pé no saco.



O estilo de luta é o mesmo com Ralsei, porém ele auxilia Kris ao invés de atrapalhar, como Susie.




Cada personagem tem seus movimentos próprios, porém, por Kris ser a líder, ela pode comandar ataques em dupla, que consomem a rodada de ambos. Da pra colocar os personagens pra se defender também, e quando Kris se defende com o coração, apesar de apenas o dela aparecer, o ataque do inimigo atinge aqueles que ele selecionou, então Ralsei pode acabar se ferindo.




Por fim, tanto Kris quanto Ralsei podem expulsar o inimigo uma vez que ele fica acalmado. Mas, Ralsei tem uma magia, baseada no Tédio do oponente (quando a luta dura muito, eles se cansam) onde, baseado na cor do nome, da pra expulsar com Pacificação.




Enfim, seguindo em frente, Ralsei e Kris se deparam com o Zé Gotinha, cuidando da vida, botando placas de propriedade pela floresta pra atrapalhar os viajantes. Ele menciona que viu a amiga deles por la, tumultuando, e que ela era até bem assustadora.



Então eles decidem procurar por Susie e impedi-la de causar mais problemas...




Se deparando com inimigos no caminho, mas não todos. Alguns dos seres das sombras são pacíficos, e tentam tocar a vida, até serem interrompidos pela Susie. Ela chega a destruir a barraquinha do cara e roubar biscoitos mano...




Perto de encontra-la, surge o Zé Gotinha outra vez, que parabeniza surpreso pelos heróis terem passado pelo seu "calabouço", que nem era tão difícil assim (as placas tentam despistar mas, são bobas, como "Esse lugar é meu, não vá").




Ai ele invoca um exército de criaturas, dizendo ser seu grupo, que não fazem tanto e se encantam rapidamente por Ralsei (ele tem um ataque de flertar com os inimigos, e eles se apaixonam em massa).




Daí Ralsei explica pro Zé Gotinha que o exército que ele criou não é la grande coisa, pois são seres de Suporte, sem ninguém pra atacar ou fazer algo diferente, e grupos precisam ser variados e dinâmicos




Então ele vai embora, deixando os heróis com mais alguns puzzles, entretanto, o último puzzle, exigia 3 pessoas pra abrir a porta, e com isso, Susie se torna ainda mais importante pro grupo.




Por sorte, ela queria passar pela mesma porta, e ai, Ralsei explica que dispositivos como esses tem aos montes, e eles precisavam estar em um trio pra avançar e chegar até a saída desse mundo, convencendo Susie.



Ela se junta ao grupo, tem até musiquinha de introdução, mas ela logo se irrita e enjoa...




E sai andando sozinha, pois ela manda e comanda seus próprios passos, e não gosta de ficar festejando.



Mas ela continua no grupo, e após ativar os interruptores, eles conseguem atravessar a porta.




Antes, entretanto, uma criatura redondinha e fofinha aparece, bloqueando o caminho. Ralsei vê nisso uma oportunidade pra treinar Susie e mostra-la como se enfrenta pacificamente esses seres...




Seguindo o guia, podemos lutar normalmente, deixando as coisas fluírem, ou já prever que não vai dar certo. No caso, Ralsei pede pra Kris confiar em Susie e deixa-la flertar com o inimigo, pra enfraquecê-lo. Mas...




Susie não fica nada satisfeita em ser comandada, muito menos em "flertar", e acha as instruções ridículas.




Por conta própria, ela ignora o comando e ataca a criatura, que é pega desprevenida e morre na hora.




Ralsei fica decepcionado com ela, e depois de dar uma chamada de atenção amistosa, ele pede pra ela tentar obedecer na próxima.




Então, eles chegam num vilarejo, onde da pra comercializar as coisas e usar a moeda. Essas lojas são no mesmo modelo de Undertale, com também diálogos pra conhecer melhor as criaturas da cidade. 




Depois de passar pelo vilarejo, o Zé Gotinha reaparece, tentando ameaçar a galera, principalmente a "garota roxa".




Mas Susie não se intimida nenhum pouco, chega na cara dele e passa a ameaça-lo, mostrando como realmente é alguém "assustador".




O Zé Gotinha aprecia a aula e chega a agradecer. Ele diz que aprendeu muito, e porá em prática, pra se converter no vilão perfeito. Então ele foge.




Deixando uma criatura extremamente maligna pra trás, que na verdade é só mais uma criatura comum.



Depois de lutar, avisando os inimigos pois Susie teima em desobedecer...




Eles chegam em um caminho parecido com um tabuleiro, onde certas rotas se iluminam e teletransportam de volta pra entrada. Não faz diferença se os aliados são pegos pela luz, ela só afeta a líder.




Passando por esse obstáculo, surge outra vez o Zé Gotinha, agora mais maléfico, com uma risada muito mais malvada, e alta (Susie disse que a anterior lembrava o papai noel). E ai, ele faz uma ameaça pesada, dizendo que os matará, transformará eles em sangue, e coloca um balde na frente.




Sem perder tempo ele pergunta pra Susie como foi, se assustou legal dessa vez, e quais as impressões dela. Ela diz que até curtiu, gostou da risada nova, das ameaças, foi bem elaborado, mas questiona o balde. Daí o Zé Gotinha diz que o balde é pra colocar o sangue, pois ele não quer sujar o chão...




Então, depois de descontraírem, o Zé Gotinha diz que eles deveriam criar um fan club oficial, pra comprovar a rivalidade. Assim eles seriam oficialmente um grupo de heróis. Ele pergunta o nome oficial deles, mas nem para pra escutar que são os Delta Warriors, e já sugere um sorteio.




Ele usa o balde pra colocar papeis com sugestões de cada um, e pede pra Kris escolher. Ele organiza bonitinho, até deixa seu papel em destaque, com seu nome (ele se chama Lancer) e ai, Kris decide. Eu acabei pegando o papel dele pra ver qual era o nome que ele queria nos dar, supondo que daria pra trocar depois mas não deu.




O papel de Lancer decide que o nome deles seria "Fan Club do Lancer" então, partindo daí, o grupo de Kris agora era o Fan Club do Lancer, o qual lutaria contra o Lancer... vai entender!



Então ele manda um grupo de inimigos pra estrear o fan club dele, agora um monte de atacantes.




Mas, ao perderem, ele diz que não acabou, e ainda tem um chefão, um ser poderoso e malvado, assustador...



Então ele convoca o bichinho redondo que eles tinham matado (ao que parece é um da mesma raça).




Só que, pra melhora-lo, ele coloca uma coroa mágica que transforma ele numa Dama (sacou, é uma peça de Dama), lhe dando pernas musculosas e deixando a criatura ultra poderosa.




O grupo então se junta pra tentar derrubar a Coroa dela, assim revertendo a sua forma mais fraquinha. Só que, por mais que eles tentem, Susie se recusa a ajudar. Eles tentam fazê-la dançar, ao estilo Heavy Metal, mas sem a participação de Susie ela não se empolga tanto.




Pelo contrário, Susie ataca desenfreadamente, mas a criatura resiste muito aos golpes, e quando se enfraquece, bebe leite, que restaura todo o HP. Com isso, a batalha fica impossível de terminar.




Pra variar ela não enjoa nunca (afinal, tem leite) e no fim, com muitas tentativas, sem ajuda de Susie, a criatura derruba a coroa.



Ai ela volta a forma pequena e foge rolando.




Lancer fica meio chateado por eles terem vencido, e ai o grupo começa a discutir com Susie. Ralsei diz que ela atrapalhou muito, e pergunta se ela não viu que os golpes dela estavam fortalecendo o inimigo. Ela ignora o que ele diz, e ainda fala que não liga pras bobagens que eles falam, apenas pro machado dela na cabeça dos inimigos.




Susie fica tão convencida que seu meio de batalhar é o correto, que acaba se voltando contra o Fan Club do Lancer e pede aliança com o próprio Lancer.




Ela fala que prefere os métodos dos vilões, e assim, Susie e Lancer viram uma dupla e vão embora, se dando hiper bem alias. Posteriormente eles reaparecem, com direito a uma apresentação e super sintonizados, e alias, eles anunciam o nome de seu grupo: "Fan Club do Lancer Sombrio".




Com isso, declaram-se eternos rivais do grupo de Kris, e fogem planejando seus próximos passos maléficos. No novo mapa, uma floresta labirinto, Kris e Ralsei passam por obstáculos que afetam suas almas...




E mais alguns puzzles, principalmente passagens trancadas com códigos, anotados acima para que ninguém esqueça. Curiosamente, Lancer e Susie são vistos planejando as coisas em um desses caminhos, mas na real estavam disfarçando pois não conseguiram passar. Quando Kris decodifica a porta, eles avançam debochando por terem feito eles de idiotas.




Então, Kris chega em uma parte com um código sem anotação. Os "Guardiões do Segredo" tentam usar enigmas, o que na verdade é só um jogo para distraí-los e divertir, afinal é aniversário deles.




Quando Kris consegue decifrar o enigma e abrir a porta de saída, os guardiões se revelam, e são na verdade uma criatura de 3 cabeças, onde cada cabeça tem sua própria personalidade, e eles decidem impedir Kris e Ralsei de saírem da festa.




A luta é um tipo de batalha de chefe. Kris precisa convencer as 3 cabeças que eles são gente boa, e então puxa conversa por diferentes temas de interesse relevante pras cabeças.



No fim, elas acabam gostando do papo e são expulsas da luta.




Avançando, Kris e Ralsei encontram 3 barracas que vendem coisas. Duas vendem doces, e uma é de Lancer e Susie, que vende um biscoito velho (aquele que ela roubou).




Comprando deles, eles compram um dos doces bons logo em seguida com o dinheiro de Kris, e debocham por terem enganado ela... mas nem faz diferença o tipo de doce que a galera come.




Então, depois de correr um pouco pela floresta, Lancer reaparece, agora sozinho, com seu projeto maquiavélico. Ele diz que quer impressionar Susie, e pede ajuda pros seus arque inimigos. Ralsei fica até feliz por ver que Lancer e Susie estão tão amigos, e aceita ajudar.




Eles montam um robô, da melhor forma possível, visando impressionar Susie, e depois que terminam o projeto, Susie aparece de trás da moita, dizendo que fazê-los trabalhar pra eles era o verdadeiro plano maligno, e ai ela curte a obra de Lancer, e debocha novamente de Kris e seu amigo.



Seguindo em frente, Kris passa por algumas criaturas que atacam sua alma em mapa mesmo...




E chega numa parte em que Susie e Lancer estão descansando, após colocarem os serviçais de Lancer pra servi-los como escravos, ideia de Susie.



Seguindo, Lancer aparece na frente de Kris e Ralsei, em um labirinto.




Se Kris segue Lancer, todos acabam perdidos, pois ele não sabe como passar pelo labirinto. No caso, o jeito de passar, sugerido por Ralsei, é evitar o caminho que Lancer toma. Assim, eles saem do labirinto, mas Susie aparece, e diz estar preocupada com Lancer, pois ele quem deveria ter saído.




Ela passa a procurar por ele, mas ela também se perde, e Kris precisa continuar o caminho indo pelo caminho que Susie e Lancer não tomam. Como tem vários inimigos que atacam seu coração em mapa aberto, e eles se movem rápido, é mais ou menos complicado saber por onde eles vão, mas não é tão difícil.




Saindo totalmente do labirinto, Kris se depara com a invenção que ela e Ralsei projetaram, já construída e pronta pra atacar...



Mas ela foi feita por Susie e Lancer, que são péssimos construtores...



Eles dizem que a invenção deles fará algo terrível, graças a ajuda dos heróis...



Mas ela explode.




Susie debocha dos heróis dizendo que o projeto deles é um lixo, e eles provaram isso (como se esse fosse o plano, desmoralizar o inimigo). E ai, sem alternativa, ela e Lancer se preparam pra batalhar. Alias, Susie diz que se eles forem vencidos, ela volta pro grupo de Kris, de tão confiante que ela estava.




Ralsei tem um poder que permite que ele cante e encante. Susie odeia a música dele pois ela faz ela dormir, e quando ela tava no Fan Club do Lancer, ela dormia quando ele cantava, mesmo sendo aliada. Esse truque funciona bem com ela, impedindo que ela desminta o que Kris e Ralsei falam pra Lancer. Assim, da pra convencer Lancer a parar de lutar, após algumas rodadas, sem levar danos de Susie, e sem que ela o convença do contrário.




No meio do papo, Lancer acaba concordando que lutar não é tão legal assim, e ele mesmo convence Susie que, o caminho da pacificação e amizade parece mais interessante.



Ela, uma vez que ta super amiga dele, acaba concordando, pois ela queria que ele ficasse feliz.




Então, já que eles desistiram, ela acaba tendo de voltar pro grupo de Kris. Mas, Lancer fica pra trás... e isso incomoda Susie, que tenta ver um jeito dele ir junto.



Susie diz que ele podia virar um dos mocinhos, e se unir a ela no novo grupo, pois nada mudaria.



Daí, Lancer fica grato pelo convite, e acaba aceitando. Ele se converte em um dos mocinhos.




Ele até canta a musiquinha de recrutado, orgulhoso por ser parte do grupo. Mas, ele nunca fez parte de um, então acaba demorando pra pegar o jeito.




Ele segue o grupo, mas não em fila, ele segue do lado de fora da floresta, sempre meio afastado e envergonhado. O tempo todo ele para pra perguntar coisas, interagir, conversar.



Principalmente com Susie, com quem ele sempre se da muito bem.




Em uma parte, ele vê uma árvore com frutos, e oferece pra Susie, que tinha dito que estava com fome pra caramba.



Ele se oferece de banco (sua forma especial) pra ela coletar uma fruta...




E assim ela pega, mas, Lancer pede pra ela falar qual é o gosto pra ele, pois ele nunca provou. Ele diz que sempre teve curiosidade e vontade, mas nunca alcançou. Agora que ela tinha pego um, o último da árvore, ela podia comer e descrever os sabores. Mas, Susie acaba ficando com pena de seu amigo, e mesmo com fome, abre mão de seu doce (os frutos dessas arvores são doces...).



Assim, ele fica felizão, e descreve o gosto pra ela, além de falar e falar o caminho inteiro.



Perto do castelo onde o Gêiser estava, Lancer começa a vislumbrar meio preocupado...




Então, ele diz que era melhor eles não continuarem, mas Ralsei afirma que eles precisam ir, é a missão deles. Ai, Lancer fala que acha que precisa ir embora...




E sai correndo, a toda velocidade, na direção do castelo. Susie fica preocupada com ele, e começa a correr atrás...




E Kris, junto com Ralsei, fazem o mesmo por Susie. Só que, um exército enorme de seguranças estavam guardando o castelo, e eles precisam avançar enquanto esquivam deles...



Perto do castelo, tudo fica ainda mais intenso, e a alma de Kris corre bastante risco...




E ai, nos portões, o grupo acaba encurralado e atordoado, com Lancer pedindo para os soldados prenderem a todos.




Kris e Ralsei ficam enclausurados, com um dos guardas explicando o que houve, e que Lancer os puniu por invadirem seu território.




Eles se preocupam por Susie estar ausente, mas depois de conversarem em voz alta, Susie diz estar la do lado e manda eles calarem a boca.




Ela já tinha conseguido escapar de sua cela, tecnicamente, fazendo o guarda revelar o código, porém, ela não sabia como inseri-los (só Kris tinha as manhas). Detalhe que pela parede ela diz que "convidou o guarda para o lixo" e na sala dela, da pra ver o guarda enfiado no lixo, como se tivesse sido espancado.



Depois de seguir as orientações de Kris pra inserir a senha...




Susie escapa e começa a andar. Nessa parte, nós não controlamos ela, ela faz o que quer, mas acompanhamos seus movimentos.




Ela até tem dúvidas do que fazer, e quando respondemos, é Kris gritando pelas paredes os comandos, mas ainda assim ela ignora e faz somente o que quer.



Então ela chega em um sistema de senhas, e ela sozinha insere a senha, com um pouco de dificuldade...




E ai, ela vê Lancer, no caminho das celas, conversando com um guarda e dizendo pra ele manter os prisioneiros la pra todo o sempre.



Susie pega ele no flagra, e Lancer até se surpreende por ela ter conseguido deixar a cela.




Mas, Susie diz que ele não precisa se explicar. Ela diz que entende ele, que ele nunca a considerou sua amiga...



Até diz que ninguém iria querer ser amigo dela mesmo e ela já entendia isso.




Então, ela diz pra ele sair fora do caminho dela pois ajudará os outros, mas Lancer se recusa. Ele fica estranho, abaixa a cabeça, e diz que é pro bem dela. Só que Susie não gosta da atitude dele...



Ela se afasta, e diz que se ele não vai sair, ela mesma faz questão de mata-lo e abrir caminho.



Eles lutam. Inicialmente Lancer causa danos baixo a Susie...




E ela ataca com toda sua força. Detalhe que, na hora de escolher ataques, nós não controlamos, mas a alma de Susie nós podemos mover durante a luta.




Por essa razão, a única forma de impedirmos que Susie ataque é derrubando ela, recebendo danos gratuitos de Lancer. Porém...




Conforme a luta avança, Susie causa cada vez mais dano a Lancer, que não esquiva, defende ou morre. Ele parece ter muita energia, mas vai enfraquecendo, ficando com uma postura caída conforme é atacado.



Em dado momento, torna-se impossível receber danos de Lancer. Ele erra os golpes, e foge do coração.




Susie percebe isso, nota que ele ta evitando lutar, mas diz que isso não vai para-la, e ele só ta facilitando sua própria morte.



Ela diz que não adianta ele fugir, e ataca sem dó, vez após vez...




Sempre arrancando o máximo de HP dele. Lancer chega num ponto que mal consegue se manter de pé...



E quase nem faz ataques...



E ai, Susie da seu golpe final...



Só que ela erra, e Lancer questiona a razão dela ter errado, pois ele nem se mexeu.




Susie, triste, pede por favor pra ele não força-la a fazer isso. Praticamente implora pra ele sair da frente, e diz que não quer machuca-lo...




Lancer desabafa. Diz que sente o mesmo. Ele fala que as celas são o melhor lugar pra eles, pois se avançarem pelo castelo, o pai dele irá fazer algo ruim com eles, e os machucará, o que ele não quer que aconteça.




Susie diz que pode dar conta do pai dele, pode tentar conversar, mas Lancer afirma que seu pai não vai colaborar... 




Ainda assim, Susie convence ele que, conversando pode resolver tudo, e Lancer acaba curtindo a ideia de apresenta-los ao seu pai... e quem sabe resolver tudo na paz, confiando na palavra de Susie de que ela faria tudo pra convencê-lo.



Susie volta até Kris e Ralsei e os libera.



Juntos, reformam o grupo e saem pra explorar o castelo.




Da pra voltar la na cela de Susie, e conversar com o cara na lata de lixo. Ele agradece por ela ter convidado ele pra la, diz que é mó legal, e que pretende chamar mais gente. Ela de fato convidou o cara pro lixo e ele aceitou!




Então, o grupo pega o elevador. Lancer vai na frente pra falar com seu pai sobre os seus novos amigos da luz... mas, Ralsei diz que eles precisam estar preparados pra tudo e que Susie terá de colaborar. Ela concorda...



O castelo é cheio de pessoas dançando que causam dano ao coração de Kris... servindo como obstáculos...




Mas, o maior de todos os obstáculos é o cara estranho que aparece com puzzles. Ele tranca os invasores e submete eles a um teste cruel e mortal, de colocar 1 bloco num interruptor.




Ele ainda fica surpreso por Kris resolver o puzzle com facilidade... mas promete trazer um mais difícil ainda na próxima, e foge.




Legal que ele faz questão de aparecer numa loja pra vender coisas, e da pra conhecer mais sobre ele. Ele é tipo o tio de Lancer, que serve ao rei com suas ideias genias, e menospreza os seres da luz, os quais ele chama de vermes. Alias, o próximo puzzle que ele traz é só uma sala com 2 interruptores e 2 blocos, nada difícil, e ele passa a abrir a loja como uma recompensa pra eles.



Depois, perto da sala do trono, ele aparece com mais um desafio, a Terrível Dama.




Dessa vez, Susie decide colaborar na luta. Alias, durante toda essa passagem, Susie é ensinada por Ralsei a como flertar, e ela, apesar de relutante, aprende rápido. Na luta, ela acaba concordando que derrubar a coroa é o melhor jeito de vencer, mas, ela se recusa a "dançar".



Ela prefere pegar Ralsei e lança-lo na direção da coroa.



Daí, o ataque consiste em ajustar a mira apertando na hora certa, e ajustar a força do arremesso.



Acertando a coroa algumas vezes, a Dama se desfaz e foge.



Daí, o cara que a invocou reconhece que os vermes são fortinhos, e diz que não vai importuna-los mais.



Kris chega na sala do trono, mas não encontra o rei.



Eles o encontram conversando com Lancer, no topo do castelo.



Lancer conta sobre seus amigos, diz que eles estão livres, e seu pai não fica nada contente.




Ele explica que os seres da luz são inimigos natos, e que precisam ser destruídos. Daí, Susie, Kris e Ralsei se apresentam cordialmente, dizendo que não querem brigar.




Mas, o rei fica irritadíssimo, principalmente com Lancer, que se recusa a destruí-los, e diz que são seus amigos. Ele enforca o próprio filho...



E na hora, Susie o desafia, diz pra ele soltar seu amigo ou ela atacaria.




Mas, o rei aponta suas armas mágicas pra eles, e diz que se eles se moverem, irá matar primeiro Lancer, jogando ele do telhado, e depois eles.



Mas, Lancer ataca seu pai, com uma de suas lanças mágicas (injeções do Zé Gotinha) e sai correndo.



Susie ataca o pai dele, conforme disse que faria...



E ele se revela, saindo das sombras, e começa a luta.




Todos tentam dialogar, mas ele rebate todos os argumentos, insultando, dizendo que eles são inferiores e que não adianta, nunca o convencerão.



Ele também causa vários tipos de ataques bem mais intensos e fortes que os de seu filho.



Cara, até Susie tenta conversar, mas não funciona.



Ele brinca com os corações deles... sem dó.



Sempre atacando com tudo o que tem.




O cenário todo fica a mercê dele, e a luta dura o que parece ser uma eternidade. Várias vezes acabei tendo meus personagens abatidos e tive de usar itens de cura, ou poderes de cura. 




E no fim, ele mesmo acaba parando a luta. Apesar de não entrar em estado de exaustão, ele diz estar cansado, e reconhece que eles não desistem nunca.



O rei se ajoelha, e afirma que os seres da escuridão e os seres da luz podem acabar por viver juntos.



Diz que se arrepende, e Ralsei fica feliz por isso. Ralsei se aproxima dele...




E usa seus poderes para mata-lo... brincadeira... ele cura o Rei, restaurando todas as energias dele, e diz que todos serão amigos agora.



Mas, o rei ataca todos eles, uma vez restaurado.



Ele ri dos seres da luz, comemora sua vitória e começa a ataca-los, ainda caídos.



Susie se levanta contra ele e tenta ataca-lo... mas Kris a defende, pois ele ataca com tudo o que tem.




Só que não adianta muito. Ele logo joga Kris pra longe, separa ela dos demais ,depois de atordoar Susie, e ai, usa exatamente a mesma frase que Susie usou quando confrontou Kris na escola, sobre ela ser uma pessoa quieta e irritante.



Na hora, Susie ataca o rei pelas costas.




Mas não causa nenhum dano significativo, e ele diz que irá matar ambas de uma vez, agora que ela de tão bom grado se ofereceu pra morrer. Mas... Susie estava distraindo ele.




Seu exército, junto com toda a população do mundo sombrio surge. Eles foram reunidos por Lancer, o qual os convenceu que o povo da luz não era mal, algo corroborado pelas ações que eles tiveram durante sua jornada por suas terras.




O mal, era o pai dele, o qual é deposto e enviado pra seu quarto, transformado em uma prisão, enquanto o novo "pai" era Lancer, eleito pelo povo, para o povo.



Com isso, Ralsei agradece pela grande vitória que eles tiveram.




Diz estar orgulhoso principalmente de Susie, que finalmente ta parecendo ser um herói, e diz que a saída de seu mundo está logo a frente, no gêiser. Ele diz que agora tudo está em equilíbrio, aparentemente, e se despede de suas amigas.




Apesar disso, Susie meio que deseja dar adeus pra Lancer, então, confiando na decisão de Kris, ambas voltam.



Primeiro, falam com o príncipe Ralsei, que entende a vontade de Susie...



Então elas se despedem de cada um dos habitantes...



Até chegar ao trono, onde Lancer assumiu.



Susie da um adeus bem tímido, e Lancer faz o mesmo. Ambos estavam tristes mas disfarçam.



Então, elas vão embora.




Mas, antes de sair, dão um último adeus a Ralsei, que fica todo tristonho e melancólico, se encolhendo em seu chapéu e cachecol.




Susie praticamente ordena que Ralsei pare com frescura e revele logo seu rosto, tirando essa cobertura toda... e ai... ela se espanta pelo que vê:




Ralsei era o filho de Toriel. Mas Kris nem esboça reação ao vê-lo. Igualmente, RALSEI (que é o anagrama de ASRIEL) nem menciona seu "real nome" ou sua verdadeira natureza. Ele apenas diz que está orgulhoso por conhecê-las e que sentirá falta. Estranhamente, a reação de Susie é a única que coincide com a realidade de Undertale (apesar dela ser um personagem original de Deltarune). Eu fiquei com a mesma cara dela... mas depois entendi algo que me deixou bem confuso...



Ralsei diz que deseja vê-las num futuro breve... e Susie mantém sua expressão de espanto.



E ai, eles saem do mundo sombrio... porém...



Kris sente algo estranho ao chegar perto do prisma. Ela sente algo errado...



E ai, seu coração aparece e elas são extraídas em meio a luz.



Susie e Kris aparecem num local sombrio.



E ai, Susie acende a luz, tocando no interruptor.



Elas estavam num quarto, com peças de jogos caídas pelo chão, como cartas, peças de xadrez, dama...




Susie estranha o que aconteceu com elas, e diz que irá até a professora Alphys pra dizer que não acharam os gizes.



Kris fica tipo "Que porr4 aconteceu aqui?".




Ao sair do armário, Susie diz que já entardeceu, a escola ta vazia, e que ela vai pra casa, e elas conversarão com a professora sobre tudo o que aconteceu outro dia.




Toriel liga pra Kris, que estava fora do alcance o tempo todo (alias, se ligamos pra ela de dentro do mundo sombrio, o telefone faz um barulho estranho) e briga com ela, pois ela esperou e esperou no carro depois da aula, e a filha não apareceu, não avisou nem nada. Kris diz que estava com uma amiga, e ai, Toriel se acalma, e pede pra ela voltar pra casa imediatamente, pois tem torta.




No caminho de volta, Kris pode andar por toda a cidade, interagir com todo mundo, alguns de seus colegas, que inclusive falam que ela sumiu da aula e tal, e acharam que ela tinha morrido pelas mãos da Susie.




Porém, da pra falar com personagens familiares, como Undyne. Ela ta meio atarefada com um acidente de trânsito, mas da atenção pra garota, sem favoritismo. Ao questiona-la sobre coisas como o passado, falar do "mundo subterrâneo", ou até mesmo perguntar sobre Alphys, Undyne ri, como se não soubesse do que ela ta falando.




Ela não acredita em Kris sobre o mundo sombrio subterrâneo, como se ela fosse apenas uma criança comum (considerando tudo o que ela teria feito pelo mundo dos monstros, e pela liberdade em Undertale, ela não deveria ser tratada assim).



E ela nem sabe quem é Alphys, como se tudo o que aconteceu entre elas nunca tivesse acontecido.




Por outro lado, os amigos de Kris, os colegas de escola, parecem ter todos uma trama profunda com ela. A representante de turma tem o pai no hospital, e ele conhece Kris, reconhece ela, e até conversa com ela de boa...




Além disso, alguns locais da cidade são estranhos, como a delegacia de polícia, que fecha as persianas quando Kris tenta olhar, mas ninguém atende.




E bem, temos sans! Ele aparece em uma loja recém aberta, e diz ser novo na cidade. Temos a opção de cumprimenta-lo como um conhecido, ou como um desconhecido. A questão é que gente, é o sans, o aliado de Frisk, aquele que quebra a quarta parede... eu dei oi pra ele.



Decidi por cumprimenta-lo afinal, fazia tempo.



E ele se apresenta, diz que não conhece ela, e ainda por cima fala que ela é uma total estranha.




sans alega que é novo na cidade, que acabou de abrir a loja, e num conhece ninguém ali. Ele ainda da uma bronca em Kris por "sair pulando em relacionamentos", dizendo que não é assim que funciona.



Da pra perguntar coisas sobre Kris, sobre a escola, e sobre Toriel... e por incrível que pareça...




sans zoa Kris, debochando dela, brincando por ela nem conhecê-lo e pior, falando que a mãe dela é gostosa e eles se divertiram muito na noite passada (no tom de zoera, pra provocar). Ele realmente não sabe quem são!




Então, sans acaba dando seu número pra Kris, pra eles manterem contato e se conhecerem, e pra ela deixa-lo em paz. Ele ainda diz que ela devia tomar cuidado com estranhos.




Por outro lado, outros personagens "inéditos" conversam com Kris como se ela fosse conhecidíssima... é bem estranho. Alias, da pra ligar pra sans, mas... o número é comercial e falso.



Ele ainda pede desculpas quando Kris vai tirar satisfações, e diz pra ela ficar na dela.




Fora da cidade (da pra seguir um caminho na floresta, com música estranha) tem uma porta, que eu tenho certeza que leva pro mundo sombrio. Mas ela está trancada.




Na cidade, tem uma casa com um carro com flores do lado, e dentro, tem o ex-marido de Toriel, e pai de Asriel! O Rei do mundo dos monstros, que agora é floricultor (profissão que ele de fato assumiu em Undertale). Ele faz questão de recepcionar sua filha, mas depois de abraça-la, comenta que ela não curte abraços longos...



E ai, ele convida ela pra ver suas flores.




As flores tem as mesmas cores dos corações/almas dos humanos que ele coletou no mundo dos monstros... como se ele estivesse tentando cultivar eles... e compensar o passado.



E ao sair, ele da um buque de flores, destinado a Toriel, mas pede pra Kris não dizer quem enviou.




No caminho pra casa, Kris pode encontrar a representante (eu chamo assim porque ela tem cara de ser a melhor da sala e mandachuva) e ai, ela comenta que ficou trancada pra fora de casa pois perdeu a chave (procurei ela mas não achei). Além disso, ela comenta sobre Susie, perguntando se ela é uma boa pessoa, e Kris pode (e o faz) responder que sim.




Alias, sabe Alphys? Ela tem uma floricultura amadora num beco, que ela montou juntando as flores que o pai de Kris lhe deu. Ela voltou a ser reclusa, e isolada... cara... ela regrediu!



Mas, bem, Kris chega em casa. La, é recepcionada por Toriel...




Pra quem ela entrega as flores, e sim, Toriel e Asgore estão separados aqui também... e quando digo "aqui", é porque eu notei que esse mundo, não é o mesmo de Undertale. É uma versão alternativa, muito parecida, praticamente idêntica, mas diferente.




Cara, Toriel comenta coisas sobre a infância de Kris e Asriel, e cara, são detalhes impossíveis de ocorrerem no mundo dos monstros.



Enfim... depois da torta, Kris pode encerrar o dia, indo pra cama.



Durante a noite... algo estranho ocorre...



Kris cai da cama, desacordada.



Se levanta, sonambula.



Anda cambaleando, estende o braço...



E ARRANCA O PRÓPRIO CORAÇÃO!



Ela pega o coração, joga numa gaiola ali no quarto...



Puxa uma faca, sabe-se la de onde...



E OLHA DIRETAMENTE PRA VOCÊ!



Chara mano, na versão pacifista!




Assim, o jogo encerra, apresentando seu título e também, dizendo que é o Capítulo 1, por Toby Fox mesmo.



Uma música dublada toca (tudo isso em 80 mb!)




E ai, é dito que um capítulo 2 chegará. Deltarune é um jogo episódico e fomos presenteados (com muito medo) com o primeiro capítulo de grátis!!!



Pra encerrar, gente... o site mudou. Agora incluíram o título do jogo e o "Capítulo 1"




O download voltou normalmente, e pra variar, tiraram (de forma propositalmente perceptiva) o anúncio de perigo e alerta sobre divulgação.



Deltarune.

Espero que tenha gostado... eu amei e to ansioso pelo próximo capítulo.

Alias, perdão pelo formato da postagem, é diferente do comum, mas espero que tenha curtido.

Eu gostaria de conversar e teorizar mais, e o farei nos comentários então, agradeço por sua palavra.

See yah!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

CadastroMorte

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner