AnáliseMorte: Final Fantasy XV - Um resumo de FF15


Depois da análise de Chrono Trigger, venho falar de outro grande RPG mas, este sendo um mais atual. Trata-se de Final Fantasy 15, título que acabou de receber uma versão de PC-Windows, e será justamente com base nessa versão que minha análise ocorrerá.


Uma análise para fans e novatos

Tem Spoilers

Então, sem mais delongas, boa leitura.



Final Fantasy é uma franquia extensa, repleta de títulos principais e spin-offs, entretanto, esses jogos não são interligados (com raras exceções, como continuações diretas) e cada título apresenta um universo, uma mecânica, um enredo e personagens completamente originais.



Este é o segundo FF que analiso, sendo a primeira análise de Final Fantasy 12, e logo de cara você perceberá que os jogos são muito diferentes, mas tem semelhanças. Por exemplo, alguns nomes, de personagens coadjuvantes, costumam se repetir em todos os títulos, como uma referência uns aos outros, mas sem nenhuma conexão narrativa (não são parentes nem nada, só tem semelhanças).



Algo que com toda certeza, todo FF tem em comum, são os Cristais. Sempre há um cristal envolvido na história, algo que é posto como divino e supremo, e não é diferente com FF15.



Mas, algo que é diferente, e até único de FF15, é seu gameplay, que assumiu o estilo Action-RPG de vez e deu uma liberdade de movimentos muito maior ao jogador, diferente inclusive do que o FF12 apresentou, dando ainda mais liberdade e dinâmica pra jogabilidade.



Outra coisa que é preciso destacar é o quesito exploração, afinal FF15 tem um mapa aberto e quase que completamente explorável. É um jogo de mundo aberto, mas por ser, tecnicamente, o primeiro FF a se aventurar tão longe, mas o mundo não é tão gigantesco quanto poderia (estou sendo injusto aqui, afinal o mapa é enorme, mas considerando outros jogos de mundo aberto, ele até que fica bem pequeno).



E bem, é tudo bem divertido... só que bem breve.


Raramente tem um bug ou outro... tipo o do carro que flutuou do nada...
Eu terminei o jogo em umas 60 horas, praticamente nada se comparado as 147 horas de FF12, e pior, eu peguei lvl 99 ainda na metade da campanha! Pois é, o jogo é fácil, e rápido, e se tem algo que tenta estender sua vida útil são as missões paralelas e caçadas a monstros, mas que, convenientemente, facilitam ainda mais o jogo (foi por causa de uma missão paralela que peguei o 99 cedo de mais).



Level faz diferença pacas, pois certos inimigos nem recebem dano se o level for muito maior (uma vez achei um robô lvl 70 e pouco, e eu tava na faixa dos 30, e tomei uma surra que quase me levou ao game-over, mas consegui fugir).



Ainda assim, não há customização alguma com relação a atributos de personagens, e os leveis são meramente ilustrativos para com o poder do grupo. Ter level, significa ter mais pontos de vida e acertar inimigos de level elevado, e só.



Em ff15, o importante mesmo são os Pontos de Atribuição (PA), estes responsáveis pela liberação de tudo quanto é movimento e função dos 4 personagens principais. No caso, existe uma árvore de habilidades, e nela da pra escolher diferentes movimentos e benefícios pros personagens, ao custo de PA.



Esses pontos são adquiridos ao se fazer missões, cumprir objetivos, caçar, pescar, viajar, tudo depende de que tipo de habilidades você tem liberadas também (algumas habilidades te dão PA por caçar monstros, por exemplo).

A exp, por outro lado, fica acumulando no inventário e só é transformada em leveis quando os personagens são postos pra dormir, em acampamentos ao ar livre ou em abrigos, trailers ou hotéis. Alias, alguns hotéis dão bonus de experiência, chegando até a triplicar a experiência acumulada, e isso da uma acelerada monstruosa no up...



E bem, o jogo também conta com equipamentos variados, mas nesse caso, é quase que idêntico ao que Chrono Trigger disponibiliza: Acessórios, Armamento e Vestimenta... é ainda menos se parar pra pensar.



Os acessórios são variados, a maioria pode ser usado por todos, mas alguns são exclusivos de cada personagem.



Os armamentos, bem, o protagonista e líder do grupo pode equipar qualquer arma de uma grade com várias opções, mas seus aliados tem armas específicas, que podem ser compartilhadas com ele. Porém, existem armas que apenas o líder do grupo pode usar...



As vestimentas customizam os personagens (eu preferi jogar normalmente com a roupa original) e algumas, dão efeitos especiais... 



Tipo as Armaduras de Batalha, que te deixam imune a qualquer dano por um bom tempo, mas demoram dias para recarregarem, em tempo real...



Alias, tem isso também, o jogo conta com passagem de tempo, de Dia e Noite. Certas criaturas só aparecem durante determinado período, e algumas só durante chuvas (que acontecem randomicamente). Tem demônios aos montes, que são as criaturas mais tensas do jogo, e eles só aparecem de noite então, no inicio, o ideal é viajar apenas de dia.



Inclusive, só da pra usar o carro durante o dia... e tem esse detalhe também: Tem um Carro pra auxiliar nas viagens. Carro esse que é praticamente um personagem, mas depois falo melhor dele...



E bem, o jogo funciona da seguinte forma:

Você e seus 3 amigos saem pelo mundo a fora matando criaturas, enfrentando soldados, completando missões secundárias como salvar pessoas perdidas, caçar mais criaturas ou consertar carros, tudo com o propósito de chegar até seu casamento... claro que tem tanto contra-tempo e empecilhos que a sua noiva morre esperando por você... literalmente.



Na verdade a desgraça que ocorre na estrada é tamanha, que no fim das contas era melhor permanecer solteiro... 

A história vai além disso, cada um dos 4 membros do grupo carrega consigo parte do enredo e consequentemente, da pra revelar toda a história sem problemas apenas descrevendo cada um deles, e é exatamente isso que farei mas, tem um probleminha...

Antes de falar mais do jogo, preciso falar do filme "Final Fantasy XV - Kingsglaive", que é uma animação em CGI lançada paralelamente ao jogo, crucial para a compreensão do mesmo. Normalmente, eu não dou muita bola pra materiais paralelos, mesmo quando são cânones, mas, neste caso, o filme é parte do jogo, apesar de ser "spin-off".

O filme conta a história de um cara que faz parte de um exército mágico, no reino em que a história do jogo se passa. Esse exército, este reino, os conflitos pelos quais esse personagem passa, tudo é uma pré-sequência do jogo. Alias, dentro do jogo mesmo, algumas partes do filme são reprisadas brevemente como flashback, mas o filme em si não chega a "passar" durante o jogo, afinal, ele tem 2 horas de duração!

Todos os personagens do filme são importantes mas, quase nenhum deles aparece no jogo. O protagonista mesmo, só aparece de relance no final do jogo, em condições precárias.


Então, bora falar rapidamente da história do filme:

Final Fantasy XV - Kingsglaive



A história contada é a de um exército de soldados mágicos, os Kingsglaives (Lâminas do Rei), os quais tem habilidades mágicas incríveis como Criar Barrerias, Jogar Fogo ou Raio, e Teletransportar para onde suas lâminas forem arremessadas.




Porém, o poder deles só é possível por causa do Rei de Lucis, pois toda a magia no mundo, vem dele.



O Rei empresta seu poder mágico aos seus soldados para lutarem em seu nome, pelo seu reino, e a luta acontece constantemente, por causa de um Império que tenta dominar o reino todo. Na verdade, este Império, de Nifflhein, já conseguiu dominar praticamente Lucis inteira, exceto a capital, Insomnia, onde o Rei reside.



O que protege a capital é justamente o Rei, e um Cristal que é conectado ao poder Real, e cria uma barreira mágica que impede qualquer ataque, seja de infantarias ou monstros.



O problema, é que o Rei já é velho, e só tem um filho, filho este que ele protege a todo custo, inclusive chega a ser irritante sua super-proteção, onde ele prefere seu filho ao seu povo... mas isso é explicado durante o jogo, e muito bem explicado diga-se de passagem...



Bem, enquanto o exército do rei luta em seu nome, contra o exército do Império, que não pode usar magia, mas usa Tecnologia e também Demônios adestrados para atacar e conquistar geral, um Chanceler do Império entra de bom grado no castelo do Rei e diz "Bora fazer um tratado de paz?"




E é em torno deste tratado que a história do filme passa a girar.



Antes do Império começar a conquistar o reino, parte por parte, o Rei de Lucis tentou conciliar-se com o reino de Tenebrae, através de um casamento entre seu filho, e uma princesa Oráculo chamada Lunafreya. A ideia era perfeita, e os pirralhos até se davam bem, mas ai o Império atacou, e devastou o reino da princesa, e o Rei de Lucis apenas fugiu, deixando todos pra trás, mas salvando seu filho.



Muitos anos depois, esse chanceler surge, dizendo que o Imperador deseja um acordo de paz, e como sinal de boa fé, ele permitirá o casamento entre o filho do rei, e a princesa oráculo, que ainda estava viva, e sob sua custódia.



O rei não confia nada nesse tratado, mas ciente que é a melhor oportunidade de salvar a todos, ele aceita e, secretamente, coloca alguns de seus Kingsglaives para agir em prol da princesa, enquanto manda seu próprio filho em uma viagem, com seus 3 guarda-costas e amigos de infância, para o tal casamento.



Só que, rola uma reviravolta, e bem na hora que o Rei e o Imperador ficam lado a lado, para assinar o tratado, o protagonista, e mais fiel Kingsglaive, Nyx, descobre que há uma penca de naves se preparando pra invadir Insomnia e que a princesa tinha sido "sequestrada", e era tudo uma farsa para roubar o Cristal.




E ai rola luta, traição, geral começa a se matar e o tratado é arruinado, mas o Rei sobrevive! Entretanto, o Cristal é roubado e a barreira quebrada, e Insomnia é atacada.



Nyx resgata a princesa e a leva para o Rei, só para que um soldado misterioso do Império, com uma armadura pra la de fod0na, surgisse e peitasse o Rei, que mesmo com todo seu poder mágico, sofre, apanha, e morre, não antes de se sacrificar, e entregar o Anel de Lucii, o grande Catalizador do Poder Real, para Lunafreya.



Ai a história muda o foco pro Kingsglaive Nyx, agora sem poder afinal o Rei morreu, escoltando a princesa no meio da guerra na Capital, sendo devastada por soldados e monstros, rumo ao Príncipe de Lucis para que ele assumisse o trono.



Mas, da merd4. Demônios invadem a cidade, caçam a princesa, surge Kingsglaives traidores, quase matam a princesa, até que o cara da armadura surge outra vez, revelando sua identidade e a princesa quase usa o Anel, mas Nyx pega e usa ele mesmo, pois ele é o protagonista, desejando invocar um poder ancestral dos antigos Reis para proteger e salvar a cidade... mas tem um outro porém...



O anel só pode ser usado por alguém se sangue real, escolhido pelo Cristal, caso contrário, o infeliz que tentou usar é queimado vivo.



Isso acontece 2 vezes no filme, uma com o irmão de Lunafreya, que puto pelo Rei ser aparentemente um covarde egoísta que só pensa no filho e abandonou ele e a irmã pra morrerem (além de ter aparentemente causado a morte da mãe dele) nas mãos do Império, na invasão que interrompeu a reunião, quase casamento, la no passado...



Decide que ele mesmo deveria ser o verdadeiro rei e pega o anel, usando ele junto com a espada do Rei, quando ele fica caído mediante a invasão do Império, mas o braço dele inteiro queima e precisa ser amputado caso contrário ele morreria.



A segunda vez é com um Kingsglaive traidor, de um grupo de traidores, que planejou dar um golpe de estado, que pega o anel e tenta virar o novo poderoso, e nesse caso, ele queima inteiro.



Daí, Nyx pega o anel e, ciente do risco, exige o poder dos antigos reis... e rola até uma conferência espiritual onde é decidido de forma unânime que ele é indigno de usar o anel, afinal não tem nem sangue real, e precisa morrer.



Mas, por súplica do espírito do Rei Regis, o que tinha acabado de morrer e ascendeu ao plano dos Antigos Reis, eles decidem liberar o poder do anel pro soldado, afinal ele estava lutando pela vontade do Rei, e até o amanhecer, o soldado teria todo o poder do Rei, sem nem precisar de anel.



E ai rola a luta final com gigantes de pedra aparecendo na cidade e peitando os demônios enquanto o Kingsglaive poderoso peita o soldado com a Armadura Tecnológica e no fim, a cidade vai pro saco, mas eles vencem.



Pelo menos, a princesa consegue fugir com o Anel de Lucii e um amigo de Nyx, que também era um Kingsglaive, e vão de encontro ao príncipe.



Nyx, o cara que usou o anel e sobreviveu, tem seu braço carbonizado como resultado da luta e assiste ao nascer do sol, aguardando por seu fim, enquanto conversa com o cavaleiro tecnológico, que também tava dando seus últimos suspiros.



E por fim, a princesa Oraculo decide seguir caminho sozinha, deixando o Kingsglaive que a escoltava para trás, afinal seria mais fácil pra ela se misturar ao povo sem ele do lado, e ela decide levar o Anel de Lucii ao seu amado...




E assim, a história do jogo começa, com o príncipe e sua trupe, perdidos na estrada com o carro quebrando...



O legal de tudo isso, é que diferente do jogo, o filme é dublado! Vale a pena assistir alias, tem muita coisa que eu não contei e enriquecem a história, mas com esse resumo já da pra entender o jogo bem melhor, então, bora la!

Noctis, o Verdadeiro Rei



O protagonista do jogo é Noctis, um jovem superprotegido e aparentemente mimado que ta na estrada com seus 3 amigos e também seus guardas-costas, rumo ao seu casamento pela paz do reino.



É difícil gostar de Noctis ou se importar com ele, principalmente com ele sendo pintado o tempo inteiro como o cara importante, o filho do rei, o sucessor do trono, o grande protegido, sendo que ele mesmo nem se da valor.



Todos fazem tudo por ele e ele é imaturo e inseguro, tem sua atenção chamada o tempo todo diante suas responsabilidades e cara, se ele não fosse O Protagonista, e não fôssemos obrigados a jogar controlando ele, e apenas ele, 90% do tempo, ele seria daqueles personagens que a gente bota de lado na Party.



O tenso é que, no gameplay, apenas Noctis é controlado, inclusive nas batalhas, onde seus amigos são apenas coadjuvantes que ficam dando suporte. Isso, até você distribuir os PA que liberam o uso dos amigos durante as lutas, ai sim fica daora de se jogar...



Mesmo assim, Noctis tem o poder de invocar armas para si mesmo, e para seus amigos, além de controlar magias e criar recipientes mágicos pra eles. 



Ele usa uma Espada, normalmente, e pode se teletransportar pra onde quiser apenas jogando ela, (exatamente como os Kingsglaive).



Uma habilidade que só ele domina também é a da Pescaria, que ele usa como hobby e para conseguir alimento pro grupo... é legal sair pescando com Noctis mas, nada se compara as pescarias de Nier Automata... alias os dois jogos fazem referências um ao outro, mas depois falo melhor disso...



Noctis também precisa interagir com seus amigos, desenvolvendo sua amizade com eles ao longo de sua viagem, e toda hora surge um momento de conversa, em que ele precisa escolher se vai ouvir seus amigos ou tomar decisões por conta própria. As vezes seus amigos pedem ajuda pra algo, ou recomendam uma ação, e cabe ao jogador decidir isso pelo paspalho do Noctis.



Eu não gostava dele, principalmente pela superproteção babaovagem que o moleque recebia... até que é explicado a razão de tudo isso: Ele era o Rei Escolhido pelo Cristal.



O que acontece é o seguinte: o rei de Lucis era um rei, claro, tinha a magia do Cristal e podia usar o Anel e tal, mas ele não era "O Escolhido". O Escolhido era um rei profetizado para salvar o reino inteiro quando as trevas surgissem, o "Rei da Luz", e este era Noctis.



O pirralho tava predestinado a se tornar o Último Rei de Lucis, verdadeiro Rei, escolhido pelo Cristal. E o tenso é que, ele era o único que poderia usar o poder total do cristal... mas isso teria um custo terrível.


Noctis precisaria dar sua vida em troca, para salvar o reino, e seu pai sabia disso.



Em sua jornada, Noctis precisa aceitar o fardo da responsabilidade que a coroa, e o Anel traz, e diante inúmeras perdas que ele assiste, todos que ele ama sofrendo por sua causa, ele, por opção, se sacrifica e salva a todos.


Ele era um merd4, mas no fim me fez chorar.

Regis, o Rei de Lucis



Ele morre, ainda no filme, mas aparece pra se despedir do filho.



O rei não pode fazer mais nada pelo filho, exceto no final, quando ele volta pra mata-lo.




Acontece que, ao aceitar o fardo do Anel, Noctis precisa convencer os Reis antigos a emprestar-lhes sua misericórdia e poder, confiando suas espadas a ele e fixando elas nele, ficando ele no trono. Literalmente, os reis do passado esfaqueiam Noctis até a morte com suas espadas espirituais, antes usadas para dar poder e protegê-lo!

E o golpe final vem do Rei, com Noctis suplicando por sua confiança para tal... cara, é um complexo de Jesus Cristo do caramba...

Lunafreya, a Noiva Oráculo




Ela consegue dar o anel pro Noctis, não chega a se casar e morre no processo... (se você ler essa frase fora de contexto, velho... mano... isso é bizarro kkkkkk).



Quer que eu deixe as coisas ainda piores? Beleza... se liga na frase seguinte e sim, ela é realmente o que acontece:


Enquanto Noctis procura enlouquecidamente pelas espadas dos reis antigos, Luna (ele chama ela assim pois não sabe falar "Freya") invoca uma serpente gigante, fica toda machucada, e morre logo depois de dar o anel pra ele.



É mano... é bem triste.


Luna faz sua jornada pra encontrar seu noivo, que ela realmente amava apesar de ser um casamento arranjado, e eles conversam via cartas o tempo todo. Ela é uma Oraculo, por isso tem certas mordomias espirituais, e uns contatos divinos. Ela é truta dos deuses, tem um lobo mensageiro, e mantém contato constante com Noctis, à distância, trocando mensagens fofinhas e presentes.



Ela também tem um espírito feminino que a serve em nome dos deuses e também envia mensagens, e além disso tudo, ela tem poder de cura e consegue purificar as pessoas. Ela sai pelo mundo curando geral no caminho até Noctis, e ela é querida e amada por todo mundo.



Mas ela morre por ser trouxa.


Como Oraculo, ela tem contato com os deuses, e pra ajudar Noctis ela decide invocar os deuses e pedir o suporte deles. A primeira invocação que ela faz, da errado e o cara fica preso numa montanha.




Daí ela decide fazer mais uma invocação, numa cidade aquática linda pacas, e também da errado pois o deus, Leviatã, uma cobra dragão gigante, taca fod4-se e diz "Vou ajudar é nada!".



O Imperio tava na cola da mina, atacando os deuses para tirar eles do jogo e já tinha aniquilado, aparentemente, 2 deles, e queriam o terceiro então, fizeram questão de permitir a invocação só pra atacar.

Mas deu tudo tão errado, mas tão errado, que no final a morte dela foi tipo, a menor das desgraças!

Pior que ela morre pra uma faquinha no bucho, depois de peitar o Leviatã sozinha! É tosco mas, era necessário, pois ela precisava morrer pra ascender ao plano dos espíritos e dar suporte ao lado dos deuses, ao seu amado Rei (complexo de Jesus Cristo ²).



No fim, bem, Luna descansa em paz...

Gentiana, a Serva Divina




Então, a leal seguidora e mensageira de Lunafreya é a Gentiana, um tipo de espírito feminino que pode ir pra qualquer lugar, a qualquer momento.



Ela surge várias vezes na história, passando mensagens pra Noctis e tal, mas o mais interessante dela, é o fato dela aparecer clandestinamente nas fotos de Prompto.



Não apenas ela alias, tem um bichinho imaginário de Noctis que também teima em aparecer em algumas fotos de Prompto, aleatoriamente... é apenas um easter egg mas, é interessante.



Falando em bicho, tanto Noctis quanto Lunafreya tem cachorros que levam mensagens junto com Gentiana. Esses cães parecem ser ligados a eles, e um morre junto com Lunafreya, já o outro permanece vivo, mesmo após a morte de Noctis, e da pra ver ele no pós créditos. 




São eles que carregam os cadernos com mensagens, pois ao que parece, Gentiana não pode carregar coisas físicas...



Gentiana tem um segredo, que é revelado perto do fim do jogo...

Os Seis Deuses


Bem, no âmbito de Noctis geral pode ser abordado mas, personagens que se destacam por sua conexão com ele são sem dúvida, os deuses e os reis. No caso dos deuses, em FF15, existem apenas 6 deuses, equivalentes às invocações sagradas (Summon) dos demais FF. 



Noctis precisa do suporte desses deuses vencer os males que assolam o mundo, e deter o real vilão, mas, é uma tarefa árdua busca-los.

Titã, o Archarean

Lunafreya ajuda, à distância, buscando firmar acordos com os deuses para facilitar o processo para Noctis, sendo o primeiro um Gigante de Pedra.



O Gigante é também um dos chefões mais marcantes do jogo, onde Noctis quase se lasca mediante uma batalha intensa e interminável.

No meio da batalha, o exército do Império aparece com armamentos pesados e, é estranho, afinal eles são os inimigos, e estavam aparentemente ajudando Noctis a lutar contra a criatura colossal e descontrolada que surgiu no meio de uma cratera.

Na real, o príncipe não sabia que Luna estava recrutando os deuses pra ele, e a luta que o titã exige é apenas um teste para medir as forças dele. O Império surge para lutar também, mas no caso deles, eles queriam matar a criatura, para impedir o sucesso do Verdadeiro Rei.

No fim, o gigante aprova Noctis e oferece seu suporte, deixando seu plano físico e se convertendo em um espírito, que poderia ser invocado durante suas batalhas mais difíceis.



O esquema da invocação desses deuses é meio aleatório. Uma vez que se obtém o selo de aprovação deles, eles podem ser invocados sem qualquer gasto de MP, durante as lutas, caso estas sejam longas de mais.

Surge a opção de invocar e a música muda, e ai da pra fazer um dos deuses, escolhidos randomicamente pelo jogo, aparecer e causar um dano mortal em área, pra quem sabe terminar a luta de uma vez. Geralmente, funciona, mas em algumas batalhas mesmo com o poder apelativo dos deuses o inimigo pode até sobreviver.



Ramuh, o Fulgurian

O segundo deus invocado é o Senhor dos Raios, uma divindade que Noctis invoca com ajuda da serva espiritual de Lunafreya.



À distância, Luna e Noctis mantinham contato e, através de Gentiana, ele recebe a orientação pra invocar o deus do raio e usa-lo em sua batalha.

Ele vai até 3 pontos do mapa, onde raios caiam, e recebe a benção do deus.



O Império aparece no caminho pra tentar localizar esse deus e matar, mas eles não conseguem e Noctis consegue seu segundo contrato.



Leviatã, o Hydraean

O terceiro deus invocado é o Leviatã.




Nesse caso, Luna tenta firmar o acordo pessoalmente, junto com Noctis, e consegue autorização da cidade onde ele estava adormecido para invoca-lo e enfrenta-lo.

É um caos, o deus da água se recusa a servir os humanos, ataca Lunfreya, Noctis, e até luta contra o Gigante de Pedra que é invocado por Lunafreya (no lugar de Noctis).



De quebra também surge o Império, que tinha permitido a invocação para atacar em seguida e se livrar de mais um deus, mas todos se ferram pois Leviatã é implacável, e o território também (uma cidade feita no meio das águas, tipo Veneza) só facilita o trabalho da divindade em arruinar tudo e todos.

No fim, a serpente nem é derrotada, e muita gente se fod3 no processo, como Luna que morre, Noctis que perde a consciência, a cidade inteira que praticamente deixa de existir, e mais uma galera... mas depois falo disso melhor.

Pouco tempo depois, a serpente ressurge para ajudar Noctis, confiando suas habilidades a ele em um momento de dificuldade. Da até medo, pois ela surge quando Noctis e seus amigos estão sem ter pra onde fugir, sob ataque do Império, e ainda surge a serpente gigante pra ferrar tudo, mas, ela ajuda, oferecendo seu selo.



Shiva, a Glacian

O quarto deus invocado é a Mulher do Frio, que na verdade estava ao lado de Luna o tempo todo. 



A serva espiritual de Luna, Gentiana, a aliada que andava com ela pra todo canto, e entregava suas mensagens para Noctis. Ela era também uma grande amiga, e confidente, mas secretamente (até mesmo Luna não sabia) ela era uma deusa.



A Deusa do Gelo havia sido aparentemente morta pelo Império em uma luta que resultou em uma região ficando completamente congelada, fora de época. 



Mas, na verdade, a deusa ainda estava viva, espiritualmente, e oferece seus poderes à Noctis após constatar que ele é o escolhido do Cristal, e também, após entregar uma mensagem de amor da falecida Luna pra ele.



A deusa meio que se identificou com o casal, pois ela mesma tinha um relacionamento complicado com um outro deus, o do Fogo.

Ela conta que no passado, seu marido cedeu aos humanos o poder do fogo, e isso os ajudou a evoluir. Mas, com o tempo, os humanos pararam de reconhece-lo e ele se enfureceu de desgosto por aqueles que ele confiou, e passou a odiá-los. No processo, o amor dele com ela foi ferido e ambos se separaram.




Ela sentia falta dele, e se espelhou no relacionamento a distância de Luna e Noctis, compartilhando da dor de ambos e, optando por auxilia-los na batalha, contra seu amado.



Bahamut, o Draconian

O quinto é o Deus da Guerra, um ser poderoso que surge apenas para Noctis, dentro do plano do Cristal.




Esse deus revela pra Noctis sobre seu futuro profético e oferece seus poderes para auxilia-lo, isso durante uma reunião dentro do Cristal, quando o príncipe fica preso por 10 anos.

Pois é, perto do final do jogo, Noctis recupera o Cristal roubado pelo Império e tenta usa-lo, mas, ele é sugado pra dentro do minério e forçado a refletir sobre seu destino e amadurecer psicologicamente.

Ao seu lado, o Deus da Guerra surge, revelando seu futuro e dever, e se propondo como aliado.



Ele surge apenas na luta final, para dar uma mãozinha ao príncipe.

Ifrit, o Infernian

O último deus é o do Fogo, também o vilão.




Na verdade, ao lado do vilão real do jogo, estava um dos deuses, Ifrit, senhor do Fogo, e também o primeiro a se aliar aos humanos (e decepcionar). Ele tava tão irritado com os humanos que decidiu queimar todos, e ao lado do vilão real, ele quase consegue.

Mas, Noctis surge e o enfrenta, em uma batalha ardente e quase infinita (o HP dele simplesmente não desce em um certo ponto). 

A única forma de derrota-lo, é invocando a amada dele, que o congela e finaliza com um beijo.




Depois disso, o espírito de Ifrit acaba se redimindo e se alia ao Príncipe, mas como é bem no final do jogo (ele faz parte de uma das muitas lutas finais), eu mesmo não consegui invoca-lo em momento algum.

Estes são os seis deuses.

Os Reis do Passado

Existem também os Reis do Passado, que são 13... 13 reis mano!



Mas, eles não chegam a ser invocados, apenas suas armas são obtidas por Noctis como parte de sua preparação para a grande batalha final.



Seu objetivo inicial, depois de descobrir que Insomnia caiu, é obter as espadas dos reis do passado, em suas tumbas escondidas pelo mundo, e usa-las pra lutar.




Essas espadas são muito especiais e fortes, mas consomem energia vital quando usadas normalmente (o que é um saco).



A única forma de usa-las corretamente é através de um especial de Noctis, em que ele invoca todas as lâminas já obtidas e ataca rapidamente por um curto período de tempo. Nesse caso, seu HP não some como água...



Mesmo sem ter as 13 espadas, existem momentos em que Noctis invoca todas elas (pontos da história mesmo) e se converte em uma divindade arcana toda poderosa, que atira lâminas e voa... essa é sua forma de batalha que é ativada em alguns chefões, inclusive o último, e é uma combinação do Poder das Lâminas dos Reis com o Anel de Lucii.



Apesar de Noctis ter acesso a Magia naturalmente, o Anel é o que libera os poderes reais que existem nele, permitindo uma série de ataques mágicos apelativos...




E este anel é o que une todas as lâminas do passado ao poder do cristal.

Os reis do passado, incluindo o pai de Noctis, aparecem na forma de espíritos, geralmente pra julgar quem usa o Anel, e determinar se os poderes mágicos de Lucis podem ou não ser usados por ele, e no fim, eles quem decidem se Noctis merece ou não o poder total do Cristal.




Mas, eles pedem a vida dele em troca, o que encerra o reinado de todos, para salvar o mundo.

Gladiolus, o Escudeiro Sobrevivente



Gladio é um cara bombadão, alto e muito, mas muito responsável, que serve como grande guarda-costas de Noctis e também seu conselheiro.



Ele é o mais bruto do grupo, e é perito em sobrevivência, tendo como habilidade especial a obtenção de itens por onde passa. Ele literalmente recolhe de tudo do chão, achando poções e afins, e é graças a ele que o inventário ta sempre cheio de recursos.



Ele também quem ajuda a montar os acampamentos, e auxilia nos treinamentos, sempre buscando incentivar Noctis a crescer física e psicologicamente.



Existe um momento na história em que Gladio não consegue ser forte o suficiente para ajudar o príncipe, e isso o deixa injuriado, e pouco tempo depois, ele sai do grupo deixando Noctis e os outros sozinhos.



Ele retorna um bom tempo depois, em uma missão para proteger uma fábrica de energia, como um poderoso e independente voluntário, e quando ele retira a roupa de proteção, revelando ser Gladio, apresenta uma enorme cicatriz no rosto, além da que ele já tinha.



Não é revelado o que ocorreu com ele nesse meio tempo, não durante a campanha principal, mas existe um Episódio especial como DLC, que conta o que houve, e cara... Gladio é fod4...



Alias, existem 3 DLCs que fazem o trabalho de contar histórias paralelas dos amigos de Noctis, e eu falarei das 3, pois apesar de serem DLC's, elas são complementares e uma delas traz um final diferente pro jogo! O Episódio Gladio mostra sua aventura solitária em busca de poder, e daqui a pouco falo mais dela...

Bem, Gladio chega a ser jogável em sua DLC, e também durante a campanha, mas só se a habilidade de torna-lo controlável em batalha. Também há um momento da campanha em que ele se separa de Noctis, e fica junto com outro cara do grupo, e nessa parte o jogador pode escolher controlar Gladio, em uma história paralela porém mais fácil, ou jogar de Noctis, numa história mais difícil.



Ao término desse capítulo, fica habilitada a história paralela de Gladio que revela uma pá de coisas... mas depois eu falarei disso.


Gladio usa habilidades defensivas e contra-ataques. Basicamente, quanto mais ele defende, mais forte fica, e é isso.




É um personagem de força bruta.

Iris. a Irmã



A Iris é a irmã mais nova de Gladio, que surge em certa parte do jogo pra ajudar Noctis e até paquera-lo.




Apesar do príncipe ser comprometido, Iris faz questão de demonstrar interesse em um encontro "forçado" com o jovem, que não tem nada de mais, mas ainda assim, é um encontro.



O tempo todo rolam indiretas, e Noctis até demonstra certo interesse, mas, com Luna e Gladio no caminho, o relacionamento seria complicado. Ao que da a entender, Gladio é hiper protetor com sua irmã, e mesmo o jovem rei teria problemas se tentasse paquera-la.



Iris chega a entrar no grupo de viagens e se torna uma aliada de batalha, mas ela não é uma lutadora. No máximo, ela usa bonecos de Moogli pra se livrar dos inimigos. Alias, a presença de Mooglis em FF15 existe apenas por causa de Iris, que constróis bonecos deles quase como se fosse uma visão de outro mundo concretizada.



Em FF15, existem apenas humanos, sem raças diferentes como em todo Final Fantasy. Os diferentes são apenas as criaturas irracionais chamadas de monstros, e não há seres inteligentes e antropomórficos como as coelhinhas de FF12 ou simplesmente, os Moogli, que são quase que raças obrigatórias pra todo FF. Como faz parte do enredo, dizer que o mundo foi dominado apenas pelos humanos, em uma proximidade com o nosso mundo (o universo de ff15 é muito contemporâneo, e em vários aspectos lembra o nosso mundo), é graças a irmã de Gladio que eles conseguem marcar presença, mesmo que só como criaturas fictícias.




Ela da um monte de bonecos Moogli pro Noctis usar pra se livrar de inimigos, jogando como iscas de distração...

Alias, no fim, 10 anos mais velha, ela tenta se aproximar de Noctis via telefone e marca um encontro com ele, prometendo revelar algo que ele não poderia deixar passar, numa tentativa de motiva-lo a não se sacrificar, mas, como o destino já era certo, eles não chegam a se ver nunca mais... isso até o verdadeiro final acontecer...

Coru, o Imortal





No caminho, logo após a cidade natal de Noctis ser arruinada, ele encontra um dos soldados mais poderosos de seu pai, montando uma resistência com os soldados remanescentes.



Ele é conhecido como "O Imortal" e foi o braço direito do rei, equivalente ao Gladio em termos de poder.




Ele surge pra guiar Noctis à primeira Espada dos Reis Antigos, e até a primeira tumba recém descoberta. É com a orientação dele que a caçada às espadas inicia.



Coru também é um aliado e treinador de Gladio, muito mais explorado no Episódio Gladiolus, e tem sua história melhor revelada, bem como a razão de ser chamado "O Imortal".



Em resumo, ele enfrentou o "Mestre das Espadas" ainda criança, tentando se provar como um guerreiro poderoso. A questão é que o "Mestre das Espadas" jamais havia sido derrotado antes, e todos que tentaram enfrenta-lo, pereceram.



Como Coru voltou vivo das catacumbas do "Mestre das Espadas", ele recebeu a fama de ser "O Imortal" e seu poder só cresceu. Ele é o soldado mais poderoso do reino, e um pouco de seu poder é emprestado quando ele faz parte do grupo temporariamente.

A Moça da Fabrica de Energia


Depois que Gladio se separa de Noctis com crise na consciência por ter perdido uma batalha, ele retorna um tempo depois, vestido com roupa de proteção e enfrentando, sozinho, uma série de demônios que tinham invadido a Fábrica de Energia de uma cidade bem movimentada de Lucis.



A fábrica provia energia pro reino todo, e o mais curioso é que somente mulheres podiam trabalhar la. É legal ver uma cidade onde só as mulheres metem a mão na massa, e é curioso ver que os homens e maridões ficam comentando o quanto as minas são necessárias, e até invejam elas e o sucesso de suas esposas...

Enfim, a chefe da fábrica pede ajuda a caçadores pra se livrar de uma infestação e o único que se prontifica é Gladio, até que Noctis surge e também se oferece, e ai ambos se reencontram em batalha.

Essa moça é importante por causa desse momento de reencontro, e um outro evento que falarei depois, além do mais, achei interessante falar da fábrica de energia só de mulheres.

O Garoto da Estalagem


Nessa mesma cidade tem um garoto, e esse garoto é importante pois, ele serve de motivação para Noctis permanecer lutando contra o Império. 

Na real, esse garoto e seu avô eram donos de uma estalagem na qual Noctis se hospeda quando ta de passagem pela cidade. Mas, um soldado do Império descobre que o príncipe está la e organiza um ataque, que causa a morte do avô do garoto.



Posteriormente, ele abandona a cidade e monta uma estalagem nova num antigo casarão de seu avô, mas ele vive com a culpa da morte do velho por longos 10 anos. 



No futuro, quando Noctis reencontra ele, já um jovem adulto, ele conta que o Império só atacou a cidade e matou seu avô pois quando era criança, estava tão orgulhoso pela presença do príncipe que acabou revelando de mais ao conversar com um guarda do Império no mercado. A posição do príncipe era um segredo absoluto mas, o garoto era inocente e por causa disso, o ataque ocorreu.

Notics, já maduro, o conforta e tira os pesos de seus ombros, dizendo que o que aconteceu, tinha de acontecer.




No final das contas, a raiva de Noctis sobre o Império, que foi um grande motivador para seu sucesso em sua missão, surgiu principalmente ao testemunhar de perto a crueldade deles.

Gilgamesh

E bem, por fim, temos um chefe especial, exclusivo da campanha de Gladio, que além de ser o "Mestre das Espadas", é um personagem característico do universo FF.



Gilgamesh é um guerreiro místico que controla todo tipo de espada. Em Final Fantasy 12 foi quando o vi pela primeira vez, sendo ele um chefe secreto que usa espadas famosas da franquia, como a Lâmina de Cloud de Final Fantasy 7.

Ele, la, diz ser um viajante interdimensional que busca as melhores lâminas dos melhores espadachins, mas aqui, ele é um guerreiro antigo que aguarda pelo dia em que um guerreiro a altura surgirá para defender o reino.



Ele é totalmente descrente perante os guerreiros atuais, e durante todo um milênio de espera, o único que o derrotou, e arrancou um de seus braços, foi um jovem chamado Coru... ainda assim, tantos fracassaram que ele acredita que o mundo dos homens ta perdido e que ninguém ta preparado pra guerra.



E é ai, que Gladiolus entra, em busca de poder pra nunca mais fracassar perante o rei, ele enfrenta os desafios impostos por Gilgamesh para enfim enfrenta-lo, e derrota-lo, em uma senhora batalha de espadas.



Ele ganha uma lança de presente, que era de Coru, ao término da luta, e fica extremamente mais forte e confiante, abençoado pelo "Mestre das Espadas". E ai, ele volta pro grupo de Noctis.



Ele conta essa história pra seus amigos quando é questionado sobre a cicatriz que surgiu em seu rosto, e ele explica que foi uma das espadas flamejantes do "Mestre das Espadas", e é uma marca de sua vitória, e comprovação de que ele está mais do que qualificado pra ser o Escudo do Rei.


Prompto, O Fotógrafo Atirador



Esse jovem é o mais novo da caravana de Noctis e é o mais animado também. Ele é um loirinho empolgado, que gosta de video-game, ama tecnologia, usa armas de fogo pra lutar e de quebra, é um fotógrafo nato.



Ele é o mais divertido e interessante do grupo, sempre pra cima, assoviando, cantarolando, fazendo comentários engraçados, morrendo de medo do escuro, ele é o melhor, e que mais atrai a atenção do jogador.



Porém, ele tem uma auto-estima turbulenta. O tempo inteiro duvida de si mesmo e, apesar de ser animadão e uma inspiração de alegria pra todos ao redor, ele é um poço de dúvidas e insegurança.



Em uma conversa com Noctis ele se abre um pouco e diz que, não acredita em si mesmo, mas o jovem príncipe o esculta e incentiva, dizendo que ele tem tudo do que se orgulhar e que é um amigo importantíssimo.




Ainda assim, as coisas ficam complicadas quando no meio da aventura, Noctis empurra Prompto de cima de um trem!



Em uma batalha, quando Noctis ta protegendo um trem, o verdadeiro vilão surge e usa seus poderes de ilusão para confundir Noctis, fazendo-o pensar que Prompto era ele. Mas, ao atacar Prompto, o cara se revela e zomba do herói, deixando o jovem ainda mais enfurecido... e preocupado com seu amigo fotógrafo que desaparece na neve.



Acontece que, Prompto reaparece só muito tempo depois, em uma missão de resgate do grupo, onde ele estava preso pelo Império. Quando ele é resgatado, sua auto-estima ta ainda pior, e ele se menospreza o tempo todo, como se ele não fosse ninguém pro grupo. De quebra, ele ainda revela ser parte do Império.



A história de Prompto é contada em sua DLC, no Episódio Prompto, que diz tudo o que ele passou depois de ter caído do trem, ou quase tudo... Ainda assim, o que importa mesmo já é revelado no reencontro, com Prompto dizendo que ele fazia parte do Império o tempo todo.



Prompto foi criado pelo Império, mas ainda criança foi adotado pelo reino de Lucis, literalmente sequestrado de sua "casa". Parece meio cruel, mas tudo fica mais... aceitável... quando é revelado que Prompto na verdade é um mero clone.



Explicando: O Império de Nifflhein tinha um exército de Soldados Mecânicos e também usava e abusava de demônios e recursos fabricado com base nesses demônios. Acontece que os soldados não eram apenas robôs, mas humanos transformados completamente em máquinas, com essência demoníaca.



De quebra, como almas humanas eram totalmente transformadas nessas máquinas, e havia um limite de pessoas pra se sacrificar no Império, o cientista que bolou essa loucura inventou uma solução, criando clones de si mesmo partindo do estágio embrionário.



Prompto era uma dessas crianças, nascido só pra ser transformado em uma máquina em determinada idade. Ele descore isso e tipo, é chocante, pior ainda pra sua auto-estima.



Quando ele era pequeno, ele era uma criança gordinha, de óculos, e adotada... imagina quanto bullying ele sofreu, mas ele tinha se tornado amigo justamente do Príncipe, e posteriormente, virou parte do grupo... mas, no fundo, ele se sentia diferente e deslocado... inseguro.



Ai descobre que ele era pra ser um dos soldados do Império, um demônio ou uma máquina (Afinal, também é revelado que todos que passaram pelo processo de mecanização, e também todos que estavam expostos à pesquisa, pegaram uma doença que transformava geral em demônios), ai ele simplesmente perde toda a confiança que já mal tinha.



Mas, ele toma um tapa na cara de seus amigos e se toca que na real, não importa de onde ele veio, mas sim quem ele é. E ele era parte do grupo e ponto.



Detalhe que, durante a fase de resgate, como o jogo deixa a entender que só vai rolar desgraça e perdas, tudo leva a crer que Prompto se converteria em um demônio ou máquina e viraria um dos inimigos... mas por sorte isso não ocorre. Seria... catastrófico.

Bem, toda essa história é melhor abordada na DLC de Prompto, mas em resumo, é isso. Ele é jogável nessa dlc, e também pode ser controlado se a habilidade tiver liberada durante a campanha.



Seus ataques consistem em usar uma Pistola, uma Metralhadora, Granadas e uma Bazuca, isso na campanha principal.




Na DLC ele ganha um Rifle de Alcance...



Ele também pode fotografar livremente, tirando "selfies" no meio da luta, e de quebra ele também tem munição ilimitada (depois que as balas esgotam, elas voltam com o tempo).

Ele também pode usar disparos tecnológicos criando turbilhões de energia e magnetismo, ou clarões que enfraquecem demônios...



Um detalhe legal é que, como Prompto é um fotógrafo, ao término de cada viagem (quando se acampa ou dorme em estalagens) as fotos que ele tira aleatoriamente na aventura são reveladas e selecionadas para entrar na coleção particular de Noctis.

Cindy, a Mecânica



Essa é a mecânica por quem Prompto é apaixonado, mas mesmo com 10 anos de tentativas, ele não consegue pegar ela.



Cindy é sensual, inteligente, habilidosa e esforçada pra caramba. Ela faz a manutenção do carro de Noctis.




Ela é filha adotiva de Cid, um mecânico também, só que focado em armamentos, responsável pelos upgrades em algumas das armas do time. Detalhe que "Cid" é um nome bastante referenciado na franquia FF, sempre incorporando alguma figura importante do elenco coadjuvante, mas nunca é o mesmo "Cid".



Cindy foi adotada por ele após os pais serem massacrados por demônios, e desde então, foi educada para cuidar da oficina e ajudar os viajantes.




Aparentemente, no futuro, Prompto consegue um encontro pessoal com Cindy, o que é bem difícil (Cid não facilita, e ela também não parece se interessar por romance) e Noctis deseja boa sorte pro seu amigo.

Regalia

Aproveitando que falei da mecânica, tem um carro também, o Regalia.




Ele pertenceu ao pai de Noctis, e serviu a ele durante suas viagens com seu grupo (Coru, Cid e mais um cara) semelhante ao grupo do príncipe. 



Agora, com o carro herdado, o jovem repete as proezas do pai, e com o suporte de Cindy ele vai além...


O carro na história morre da mesma forma que começou, e é triste ter de deixa-lo pra trás depois de todo o sacrifício para mantê-lo... tem um capítulo inteiro só pra resgatar o carro que acaba sendo confiscado pelo Império durante a invocação do Titã... e no fim...

Bem, o carro é completamente destruído, e morre na beira da estrada, uma última vez.




Mas, fora da campanha da pra modificar o carro lindamente, pra um modelo Monstro... 


Com rodas enormes, e com liberdade pra andar fora de estradas (com ele normal, não da pra sair das estradas).



Também da pra transforma-lo num avião, mas isso só depois de zerar o game. E ai sim, da pra ir pra qualquer lugar... o tenso é pousar a máquina... ela explode só de tocar no chão se não tiver uma estradinha pra descer.



Além do Regalia, aproveitando que to na parte do Prompto, no episódio dele surge uma Moto de Neve que é usada pra atravessar a extensa planície gélida que se forma com a "morte" da deusa do gelo...  


Cientista do Império


A verdade por trás do caos que tomou o reino é revelada na campanha de Prompto, onde o cientista por trás de tudo dá as caras.



Ele é o "pai" de Prompto, e eles se encontram brevemente, só até ele mesmo se usar como cobaia para o surgimento de uma máquina demoníaca suprema.



Ele era maluco, usou as informações dadas pelo Real Vilão pra criar armas pro império, ao custo de almas humanas, e no fim, ele gerou um vírus terrível que transformava todos em demônios, irreversivelmente.



Depois de criar clones, máquinas e demônios, ele faz uma última criação, transferindo sua consciência para uma serpente metálica colossal. 



Prompto consegue destruir a criatura monstruosa, ao lado de uma amiga que encontra ao se separar do grupo, e no fim, ele salva o mundo dessa máquina terrível. Mas, ele é raptado logo em seguida e preso pelo Império, numa cartada final do Verdadeiro Vilão.

Aranea, a Lanceira do Império



Essa é a amiga que ajuda Prompto a derrotar o cientista, mas antes, ela também ajuda os heróis a desbravarem um calabouço em busca de algo que eles precisavam.



Aranea era uma das soldadas Imperiais, e ela luta contra os heróis, mas não demora muito, e o confuso relacionamento do Reino com o Império coloca ela e os heróis lado a lado, trabalhando com total confiança.



Já nesse momento, em que Aranea é praticamente forçada a ajudar os jovens, ela já demonstra descontentamento com relação ao império, e as pesquisas com demônios, e comenta que pretende deixar a armada e se converter em uma caçadora, pra ajudar as pessoas.




Nessa parte ela conquista a confiança dos jovens, e até atrai a atenção de Prompto que não consegue parar de falar nela.



As vezes, Aranea passa a aparecer de noite pra ajudar na luta contra demônios, e ela volta a fazer parte da campanha principal, ao ajudar os rapazes a voltarem pro Trem... mas sua real participação fica na DLC de Prompto, onde graças a ela, o garoto inseguro toma vergonha na cara e passa a enxergar quem realmente é.



Ela monta nele e da mó lição de moral (achei que ia rolar pegação mas nah) e no fim, graças a isso, ele fica mais confiante na amizade dos seus amigos.



Ela também ajuda ele na luta final, a Moto de Neve foi ela quem arranjou, e ela pilota na luta do chefão da DLC enquanto Prompto atira.



No futuro, 10 anos após o adormecer de Noctis, Prompto ganha uma barbicha e Aranea vira uma das líderes da Resistência, uma caçadora impecável que, apesar de não ser vista pelos heróis em seu reencontro, é mencionada como uma grande heroína.




Logo, se com Cindy não rolar, talvez com Aranea role! Eu torço pelo Prompto.

Ignis, o Cozinheiro Estrategista



O último membro do grupo é Ignis, o mais sério, focado, responsável, culto e visionário do grupo, com ênfase no último adjetivo.



Ele era o motorista de Regalia, o principal motorista pelo menos (da pra Noctis pilotar se quiser, mas Ignis que manda), era o cozinheiro do grupo, fazendo pratos inimagináveis com tudo o que encontrava, e era o cara mais estrategista de todos, bolando os melhores planos e tal.



Suas habilidades consistiam em obter vantagem acima dos inimigos e dar suporte ao grupo todo, com encantamentos e desencantamentos, ele era perfeito para observar e calcular. Ele usava óculos, mas ele nem tinha problema de visão, apenas o fazia para enxergar tudo o mais perfeito possível, e o cara era incrível.



Ele tinha uma esquiva maravilhosa, e portava 3 técnicas com adagas, em elementos diferentes, com movimentos diferentes, além de usar uma Lança para ataques precisos ao pular...



O problema é que, ele perde tudo isso, pois na metade do jogo, ele some, e quando reaparece, está completamente cego.




Ignis perde a visão, e sem ela, tudo o que ele oferecia de melhor some... 

Mas, ele não se deixa abalar, e continua acompanhando o grupo, mesmo sem ter como ajudar, e quase sendo um estorvo. Ele anda de bengala, tropeça, não consegue correr, não consegue atacar, erra os alvos e cai no chão e é bem lamentável... mas, ele é a prova da superação.



O grupo briga pela primeira vez por causa de Ignis. Na real, Igg fica cego no mesmo evento em que Lunafreya morre e Noctis recupera o anel. Mas, Noctis fica tão abalado que fica com medo de usar o anel, e Gladio fica tão puto com a infantilidade de Noctis que ambos discutem, pois Ignis, que era quem mais tinha perdido ali, estava de cabeça erguida e servindo ao rei, que por sua vez, só choramingava.

E ai, no meio de uma missão com mó clima ruim, Ignis da lição de moral e fala pra eles pararem de frescura, e seguirem em frente, unidos. Ele também diz para não se preocuparem com ele, pois ele ia dar um jeito de acompanha-los e ajuda-los, fosse como fosse, mesmo que fizesse o impossível.



Nesse momento, os outros sentidos de Ignis começam a se aguçar e ele encontra outras formas de ajudar, sentindo cheiros, ouvindo sons, guiando, aconselhando e mantendo o grupo unido.



Não tem muito tempo pra Ignis sofrer e demonstrar isso, mas tem uma conversa dele com Noctis, com ele de costas, logo após Noctis acordar do incidente com Luna, e ai, Ignis diz que eles já perderam muito, e que ficaria ao lado de Noctis mesmo se ele decidisse parar de lutar. Mas, Noctis insiste, persiste, e até joga na cara que logo Ignis queria desistir... e mal sabia ele que Ignis tava péssimo, e pensando nele, afinal, mesmo com a cegueira, a preocupação do cara era outra ainda maior...



Na campanha de Ignis, o Episódio Ignis, que é o último das 3 DLCs dos amigos, sua história é revelada, e o que aconteceu pra ele perder a visão também... e cara... é de arrepiar.

Durante a devastação da cidade da água, Ignis ajudou os outros a evacuar a cidade. Só que, ele acaba se separando de Prompto e Gladiolus, enquanto Noctis enfrenta o Leviatã. Daí Noctis cai e o Leviatã é atacado pelo Titã, e quando some, sobra só o Titã tomando uma surra pro império...




É ai que ele começa a proteger a cidade, enfrentar Imperiais, e tentar resgatar Noctis desmaiado, tudo isso sozinho.



Ele pega um Gancho de um dos Imperiais e da uma de Homem Aranha e Assassin's Creed pela cidade, observando, estrategiando e atacando, rumo a rota ideal para alcançar o príncipe.



Ele também consegue nadar, uma ação inexistente na campanha principal,  e ele vai ao extremo pra ajudar seu amigo caído...




No caminho, ele se depara com um aparente inimigo, com quem acaba se aliando para o bem maior...



Mas ao ver que seu objetivo tinha sido perdido, esse aliado temporário volta a ser um inimigo, dispara em direção ao jovem rei, que por sua vez, quase morre, mas é salvo por Ignis.



O Verdadeiro Vilão, que tinha acabado de matar Lunafreya, tenta pegar o Anel de Lucii e matar Noctis, mas, Ignis se sacrifica por ele, pega o Anel, e coloca em sua mão, suplicando pelo poder dos reis do passado para enfrentar o inimigo e salvar seu rei atual.



Mas, como pagamento, ele entrega sua visão, e seus olhos queimam de energia. Ele consegue enxergar e lutar de igual pra igual, durante alguns minutos, quando o poder do anel se esvai.



Graças a este momento, Noctis é poupado e o Verdadeiro Vilão foge, mas... consequentemente, Ignis nunca mais recupera a visão.



Contudo, essa DLC traz após o encerramento triste de FF15, um final novo, um final extra, resultante de uma variação nas escolhas de Ignis no momento de sua cegueira.



Acontece que durante toda a aventura solo de Ignis, ele despertou uma habilidade muito especial, o poder de ver o futuro. Isso ocorre quando o cachorro de Lunafreya morre, bem na frente dele. De alguma forma isso o afetou e lhe deu esse dom, capaz de alterar o destino de todos...



Ele enxergou o Rei fazendo seu sacrifício para salvar a todos, e viu seu amigo sofrendo em prol de todos... e ai ele quis impedir... mas depois falo disso.


Os Cozinheiros



Existe uma enorme comunidade de npcs, vendedores e cozinheiros pelo mundo de Eos, a terra onde FF se passa. Ignis se identifica pacas com os cozinheiros e aprende muito com eles, e alias, um dos cozinheiros que ele encontra, na cidade das águas, era um dos 3 amigos do pai de Noctis.



To citando eles só pra não dizer que não tinha mais ninguém importante no caminho de Ignis...


Ravus, o Cunhado de Noctis




Apesar de que, na campanha de Ignis, surge Ravus, o irmão de Lunafreya, e aquele mesmo cara que perdeu o braço quando tentou usar o Anel.



Ele é o inimigo que se converte em aliado, com o objetivo em comum de resgatar Luna, que tava ao lado de Noctis.


Ele luta ao lado de Ignis e é bem forte, mas no final, ele vira um dos chefes pois fica emputecido com a morte da irmã, a qual se sacrificou pra manter Noctis vivo e protegido.



Ele tava ciente do destino da Oraculo, mas culpa o jovem rei por tudo e tenta mata-lo, e Ignis o enfrenta.



Eu jurava que era ai que Ignis ficaria cego, com os olhos sendo cortados mas não, logo após vencer Ravus e convencê-lo a parar de lutar, o vilão verdadeiro aparece, derruba geral e ameaça a vida de Noctis, abrindo espaço pra Ignis enfrenta-lo.



Ravus, posteriormente, morre, ao tentar entregar a Espada do Rei para Noctis, quando ele vai até a base onde o Cristal estava.



Ravus foi responsabilizado pelo caos do acordo de Paz, acusado publicamente como quem manipulou o ataque de conquista do Império. Na verdade, ele estava sendo punido por sua traição na Cidade das Águas, mas o povo não precisava saber.



Ele foi condenado à morte, mas escapou, e tentou levar a Espada do Rei para seu filho (espada que ele tinha roubado), mas é enganado pelo vilão real, que toma a forma de Noctis e o esfaqueia.



Ele é morto pelo mesmo assassino de sua irmã, quase da mesma forma... mas no fim, suas últimas palavras são ouvidas por Ignis, cego, que estava com Gladio vendo as câmeras de segurança da base que invadiram.



Esse é aquele momento da campanha em que Gladiolus e Ignis se separam de Noctis e buscam pelo cristal e por Prompto... e na campanha de Gladolus da pra ver esse momento, em que Ravus declara que Noctis é seu verdadeiro rei.



Ele morre, e seu corpo é encontrado ao lado da espada, por Noctis posteriormente... mas existe o final de Ignis, o final especial... depois falo dele...

Ardyn, o Chanceler




Este é o vilão real, o Chanceler, que na verdade era pra ser o Primeiro Rei de Lucis.



O cara é... um coitado. Ele tem todos os poderes dos reis, acesso a todas as espadas, tem poderes de cura, de ilusionismo, controle sobre as magias de invocação de armas, ele tem tudo, e ainda por cima é Imortal.



Diferente de Coru, ele não tem apenas um título, ele realmente é imortal, e vive sob uma maldição em que ele jamais morrerá, e testemunhará o reinado de sua família, sem jamais se tornar um Rei.



O cara era, em sua época, um homem benévolo, que vagava pelo mundo curando todas as pessoas, sugando os males para dentro de si e absorvendo a energia demoníaca que assolava o mundo.



Ele fez isso em prol do povo, mas no dia em que foi ser coroado e escolhido pelo Cristal, ele foi recusado, por causa da quantidade de trevas que havia em seu corpo. Trevas essas que eram apenas remanescência do mal que ele sugou dos outros, mas que nada afetavam sua mente.



Ele foi rejeitado pelo cristal, e seu irmão se tornou um Rei, e de quebra, ele foi amaldiçoado a vagar eternamente sem jamais poder repousar.



E é ai que o plano de vingança de Ardyn nasce... ele orquestrou o fim do reino, se aliou com Ifrit, ofereceu conhecimento macabro ao Império de Nifflhein, tudo para fazer o reino cair.



No final, ele trouxe a tona o maior mal que já existiu, a Escuridão Eterna, onde o dia parou de existir, e é ai que a profecia do verdadeiro rei entra.




Noctis precisava se livrar da escuridão eterna, revitalizando o Cristal, e assim, banindo os demônios do reino.



Como Ardyn estava por trás de tudo, ele é o chefão final, e a luta final é entre ele e Noctis, ambos usando os poderes dos Reis do Passado.



Noctis fica tão fraco, que em sua última ação, ele sacrifica o que resta de sua vida para ascender ao plano espiritual, ativar o cristal, e destruir a alma do Imortal Ardyn.

Ardyn aparece o jogo inteiro, manipulando a todos, e ele estava por trás de tudo... só pra se vingar de sua família e dos deuses... e o pior de tudo é que ele nem era mal de verdade... só tava repleto de escuridão por causa da sua bondade em excesso.

Ledolas, o Imperador de Nifflhein




Bem, uma das marionetes de Ardyn foi o Imperador de Nifflein, que foi enganado o tempo todo para o fim planejado pelo Chanceler.



No fim do jogo, da pra ver o corpo dele...



Do Rei Regis



Da Lunafreya



E de Nyx (é a participação especial dele no jogo)




Pendurados acima do trono como fantoches mortos, simbolizando os troféus de Ardyn.

Mas, o Imperador já havia morrido muito antes,  convertido em um dos muitos demônios ainda na época em que o Cristal estava na base de Nifflhein, antes de Noctis encontra-lo e repousar por 10 anos.




Ele foi enfrentado por Gladio e Ignis na campanha paralela deles.

Inimigos

Bem, antes de contar a história do jogo (resumirei só pra deixar tudo mais fácil de entender) irei falar dos inimigos, brevemente, explicando mais ou menos o que são. Eu não irei rotular cada um, pois tem bicho pra caramba em FF, mas irei separa-los em grupos:

Animais


Animais são os seres mais comuns de FF, geralmente grandiosos porém pacíficos. 

Tem animais pequenos, que chegam a ser domésticos, como Gatos e Cães, e até Sapos e Aves, mas tem suas versões gigantes, estas alvo de caçadas constantes.



Tem manadas inteiras por todo lado, algumas caçam umas as outras, e no fim, são todos apenas animais silvestres enormes.



Tem uma moça que pesquisa a conexão entre animais domésticos e monstros, o que sugere que sejam evoluções, nada além disso.



Alias, alguns animais são até aliados, como os Chocobos! Criaturas clássicas do universo FF, sempre uteis como montarias, surgem aqui também como parte da fauna, e cara, tem até Chocobos rosas! 

Legal que eles nadam também, além de planarem... isso é novidade pra essas aves...



Antes que me esqueça, insetos gigantes contam como animais na fauna de FF.


Mutantes

Saindo do formato padrão e natural, surgem criaturas grotescas e aterroradoras, como os Gosminhas.




São criaturas sem uma classificação natural em meio aos animais, sem precedentes e que mais parecem mutantes criados em laboratório.

Demônios

O inimigo principal do jogo são os demônios, criaturas nefastas que vivem nas trevas e só aparecem de noite.



Todo demônio nasceu de um humano contaminado com a praga que Ardyn ajudou a criar.




Além disso, a Noite Eterna é resultado de uma partícula expelida pelos demônios quando morrem, então, quanto mais demônios morriam, mais longa a noite ficava, até que o jogo chega no período de 10 anos de trevas, com Noctis adormecido.

Robôs


Máquinas existem aos montes, como grandes Mechas, armaduras robóticas humanoides ou simplesmente, drones explosivos.



São todos criações do Império, unindo tecnologia com energia demoníaca para a energia, junto com a mente de humanos e clones convertidos.

Chefes


Existem chefes aos montes, mas nenhum muito marcante. Na real, os chefões são apenas inimigos comuns, bem fortes dependendo do nível.

Tem 3 tipos de chefes pra se mencionar:

Chefes de Campanha


Estes são os básicos, que fazem a história caminhar. Um exemplo é o primeirão, Bahamut, um monstro que caça Chocobos e precisa ser detido pra que a montaria seja habilitada.


Chefes de Caçada

Normalmente os chefes de caça são enormes, mas nenhum deles suspera a Tartaruga Montanha.



Esses chefes são simples caçadas de nível alto que são únicas, mas podem ser repetidas posteriormente.


A Tartarugona é uma montanha que desperta perto do final do jogo, e cara, ela é gigante, mas tão gigante, que da pra ver ela perfeitamente a 4 km de distância e sentir a terra tremendo.

Chefes de Calabouços


Toda caverna tem um chefe escondido e normalmente, eles não são de caçadas nem parte de missões principais, apenas são obstáculos.



Como nem toda dungeon é obrigatória pra campanha, todos esses chefões acabam passando como secundários.

Enfim, em resumo esses são os tipos de criaturas que existem pra se enfrentar. Além deles também há humanos, todos sempre parte do enredo afinal, os maiores inimigos são os humanos... mas ao invés de citar cada um deles (alguns até já mencionei), falarei tudo através da própria história... alias... deixarei isso para alguém, mais experiente... segue a história de FF15, na perspectiva de Noctis!

Final Fantasy XV



Capítulo 1: Aqueles que partiram
A história do rei escolhido, salvador da estrela

"O príncipe Noctis Lucis Caelum parte da sua terra natal acompanhado por seus três amigos. Seu destino: Altíssia, capital de Accordo, onde se casará com lady Lunafreya, da província imperial de Tenebrae, para formalizar a união dos estados."

Tudo começa no futuro, comigo já de barba peitando algo pegando fogo, ao lado de meus 3 amigos... só que é tudo bem rápido então mal da pra ver... eu acho que era um sonho... vira e mexe eu tinha essas "visões loucas"...




Então, no presente, a vossa majestade, meu pai, Regis, aparece me dispensando pro meu casamento. Ele tinha dito que Luna tava em outro castelo... desculpe... Prompto que pediu pra eu falar isso... 




É ai que eu saio com meu carrinho e tal... e parto pra minha aventura! Vida de casado, yey! Imagina como eu tava feliz... tipo, eu tava feliz... Luna, eu tava feliz!




Ao som de "Stand By Me" de Ben E. King, tocada por Florense e The Machine... foi o que o Ignis botou no carro... se eu soubesse que a letra da música narrava meu futuro... vish... enfim... a gente saiu empurrando o Regalia, porque ele deu pau na estrada... acredita?!




A gente levou o carro até a Cindy em seu posto chamado Hammerhead, e daí tivemos que fazer missões de caçada pra bancar os reparos no carro. Acredita que meu pai nem deu grana pra gente? Rolou um papo de responsabilidades e tal, mas te juro que mano, ele era mão de vaca de mais! Sabia que o Regalia era o carro dele quando ele era jovem? Mano, ele era o REI de tudo! Podia ter me dado um carro novo... mas não... tudo culpa do Prompto.




Depois de arrumar o carro velho do meu pai, a gente foi até uma cidade portuária onde pegaríamos um barco pra ir até Altíssia, onde a igreja ficava, e também uma cidade no meio das águas... eu nem tinha suspeitado da razão de ter sido mandado pra tão longe, mas na boa, nem liguei, pois cara... onde tem água, tem peixe! 


Só que quando chegamos la rolaram contratempos, o porto tava fechado por causa de umas tretas do império, e enquanto esperávamos a reabertura, os jornais anunciaram que a cidade de Insomnia, minha cidade, tinha acabado de ser destruída...


Só podia ser zoera... todos falavam que o império tinha atacado a cidade e tipo, não dava! Não dava pra cidade inteira ter sido destruída da noite pro dia! Eu tinha que ver isso com meus próprios olhos então levei geral de volta e tipo... 


Era verdade... pelo menos a parte da cidade destruída... la a gente pegou os noticiários e também afirmavam que o Rei tinha morrido, e que eu e Luna também... tipo... isso já não fazia mais sentido nenhum afinal, eu tava vivo, e Luna tava la em Altíssia certo?! Era como se meu pai tivesse me mandado pra longe só pra fugir... como se soubesse do que ia acontecer... mas Luna la? Eu tava bem confuso... por sorte meus amigos estavam comigo... E Luna ainda tava viva!


Capitulo 2: Seguindo em frente
O poder dos reis

"Em uma única noite, a promessa de paz foi quebrada e a Cidade Real sucumbiu. Deixando sua cidade para trás, os quatro amigos seguem em frente para encontrar respostas no Hammerhead."


Pra tentar entender, fomos até o Cid, o padrasto da Cindy, que também era um antigo amigo do meu pai. Cid confirmou tudo o que eu já suspeitava... o Rei já sabia de tudo e tinha me mandado pra fugir... ele sempre fazia coisas assim, sem me contar nada... ele nunca confiava em mim... mas, isso... isso foi errado...




Então, bem, tava na hora de lutar pela minha terra! Coru, um dos braços direito do meu pai, tinha escapado de Insomnia e me chamou pra apresentar o Poder dos Reis Antigos. 


Ele queria ver se eu era forte e digno, e eu era! Então, fui atrás das espadas para conseguir poder o suficiente pra derrotar o império e recuperar meu reino.


Tava na hora de desbravar o mundo, em busca de mais espadas.



Capitulo 3: Um mundo maior


"O império é um forte oponente, e Noctis tem muito a acrescer antes de poder pensar na retomada do cristal. Eles partem para uma nova terra em busca do poder dos antigos reis."

Fizemos de tudo no processo, foi um dos momentos mais legais da minha vida... foi quando mais me diverti com meus amigos... eu sei, a gente tava numa situação complexa mas, foi o que ficou na minha mente. Aquela época foi... bem... foi ótima.


Prompto queria andar de Chocobos, então andamos de Chocobos... claro que antes foi preciso enfrentarmos uma criatura gigantesca pra que os penudos pudessem andar livremente novamente...


A criatura alias, era pavorosa, gigante, tivemos que descobrir a toca dela no meio da neblina densa... parecia um dos jogos de Prompto, "Sil..." alguma coisa. Só sei que foi irado e assustador...


A gente queimou o bicho vivo!


Só que o que importa, é que Prompto ficou bem feliz quando montamos os chocobos... e confesso, foi bem legal.


Mas fizemos outras coisas... como por exemplo, a irmã de Gladio tinha me ligado... tipo... eu não tinha nada com ela, só pra constar... então bem... onde eu tava? Ah é... a gente precisava ir pra cidade onde ela tinha se abrigado pra que GLADIO a visse... 


La, em Lestallum, a gente encontrou Iris, a irmã do Gladio... foi um encontro bem legal alias, Gladio ficou bem feliz... 


Eu tinha meus objetivos sabe... apesar de querer muito encontrar as espadas e tal, havia algo que eu queria muito mais... algo que eu não conseguia tirar da minha mente...


Eu queria encontrar Luna.  Mas la em Lestallum eu também conheci o Talcott, o garoto e o avô dele eram bem legais, e ele me direcionou pra uma das tumbas onde tava uma das espadas, era uma caverna escondida e gélida mas graças a ele, encontramos uma das lâminas... 



Enfim, Ignis também tinha seus interesses, ele queria muito ver um ponto turístico famoso, eu não lembro mais o nome dele, mas lembro do que ele me causou... pif... só que ele tava com o acesso bloqueado pelo império... e é ai que "ele" entra...


Ardyn. Na época eu não fazia ideia do quanto ele era desgraçado... mas... eu nem tinha como imaginar. Ele ofereceu ajuda pra gente, disse que podia abrir caminho até o tal ponto turístico... não tivemos muita escolha. Ele era parte do império mas a gente nem sabia...


Alias, não é justo colocar a culpa de tudo nas costas de Ignis... tipo, eu tava com dores estranhas na cabeça e tudo apontava pra quela formação... era como se me chamasse... Ignis queria ir pra la também mas, no fundo, era tudo culpa minha mesmo... enfim...

Capítulo 4: Renasce uma lenda
 A benção dos deuses


"Tremores sacodem a terra e Noctis passa a sentir fortes dores de cabeça. Ardyn aconselha o futuro rei a atender ao chamado do Archaean. Embroa relutantes e macreditar em um estranho suspeito, os quatro amigos se encontram sem alternativa a não ser seguir Ardyn até o Disco de Cauthess, onde dizem que o Titã está adormecido."

Ele nos guiou...


Tivemos de repousar durante a viagem e ele acampou conosco... ele pagou a estalagem e a comida...


Ele abriu as portas do ponto turístico sem pedir nada em troca...


E la eu encontrei uma das espadas dos reis... escondida pelo império.


Só que além disso, surgiu ele, o deus antigo... meu primeiro contato com eles... ele que tava me causando dores de cabeça... estava me chamando... e foi bem louco... Gladio e eu nos separamos dos outros, e tivemos de lutar contra um inferno...


Tivemos de lutar contra o gigante... e pior... o império apareceu e parecia estar ajudando mas, eles estavam nos usando pra atacar o gigante. Eu sei disso, pois eu vi a mente do deus... 


Ele tinha sido invocado por Luna, para me ajudar, e só estava me testando. De alguma forma o império queria atrapalhar e eles me manipularam... me fizeram quase destruir essa força descomunal... só que não deu tão certo quanto eles queriam.


O gigante se aliou a mim... depois de sua suposta derrota. E em seguida, o império nos ajudou a escapar do desmoronamento que a rocha que o gigante segurava causou. Ardyn fez questão de nos dar uma carona...


De tudo isso, a única coisa boa mesmo foi ter descoberto que Luna tava viva, e tentando me ajudar... ela tava por ai, ajudando pessoas também, afinal, ela era a Oraculo.


Capitulo 5: Nuvens negras

"Com a queda de Cauthess, o chanceler imperial entra em ação para conduzir os quatro amigos em segurança. Contudo, o horizonte de Duscae anuncia mais problemas. Sem o Regalia e com as ruas fechadas, os quatro se encontram sem saída."

Mesmo sem saber quem Ardyn realmente era, tinha algo muito estranho com ele então, nós nos livramos da "ajuda" dele o mais rápido possível, e demos o fora da nave dele.




Só que pra nossa surpresa o império tinha fechado todas as estradas, o que não mudaria muita coisa afinal, a gente tinha perdido o Regalia que tinha ficado la no ponto turístico, e depois descobrimos que o império também havia confiscado ele e colocado em uma de suas bases, logo... a gente ficou a pé...




Mas nem foi tão ruim assim, pois foi quando Gentiana começou a aparecer pra gente. Ela trazia mensagens de Luna pra mim, com um caderno que nós trocávamos desde crianças por nossos cães espirituais... é difícil explicar mas, era algo melhor que um mero telefonema... enfim, Gentiana me disse pra ir atrás do próximo deus e sua benção e assim o fiz...




O império tava nos perseguindo, parecia querer nos impedir... eu tinha de ir atrás dos raios que me chamavam e no fim, deu tudo certo...




O deus dos raios logo se aliou a nós, e o show que ele fez na base do império quando fomos resgatar o Regalia foi surreal... o problema é que, Ravus, o irmão da Luna, apareceu pra ajudar os imperiais e na luta, Gladio acabou "tomando uma surra"... nem foi grande coisa... mas ele ficou bem sentido por isso...




De quebra quem interrompeu a luta foi Ardyn, misteriosamente, nos deixando sair com o carro livremente. As estradas estavam parcialmente bloqueadas mas, já conseguíamos andar por alguns cantos... ainda assim... se eu soubesse a razão eu teria...


Quando voltamos pra Tenebrae, descobrimos que o império tinha atacado a estalagem de Talcolt e o avô dele, a nossa procura. O avô do garoto tinha morrido... e cara... Ardyn com certeza sabia disso.


Eu ia dar uma lição no império. Alias, nessa hora eu tive um sonho maluco comigo enfrentando o império, sem meus poderes, sem meus amigos, e tipo... eu nem imaginava que isso era quase uma previsão do que realmente aconteceria...


Capítulo 6: O despertar

"Sob o Farol de Caem, ao sul de Cleigne, existe um porto subterrâneo. Ele há muito servia aos reis de Lucis, e mesmo agora há um barco que pertencia ao rei Regis ancorado lá. Seguindo os passos do seu pai, Noctis segue para o barco."

Por um tempo, Gladio ficou bem preocupado com a irmã e não queria deixa-la sozinha, daí ela se juntou a trupe e passeamos por ai.




Paralelo a isso nós também causamos alguns problemas pro império, atacando bases propositalmente, pra vingar Talcolt... na época a gente não sabia a verdade sobre "as pessoas de metal", então não nos importávamos em trucida-los...




Foi em uma dessa bases que conhecemos Aranea alias... nós lutamos contra ela... mas ela fugiu... nem imaginava que um dia nós nos tornaríamos amigos...



Apesar dos pesares... tivemos momentos divertidos nessa fase também. Eu lembro que levamos Iris pra andar de Chocobos (ela ficava em alojamentos quando (íamos bagunçar nas bases do império, então tínhamos de compensar de alguma forma) e por alguma razão, os que ela pegava eram sempre rosa! Prompto viva com inveja...


E então, nós decidimos ir até um farol onde ficava o barco real do meu pai. Usaríamos outra rota pra chegar até Altíssia já que a principal estava obstruída pelo império ainda, afinal, eu tinha um único objetivo na vida: 


Reencontrar minha amada. 


Alias, quando chegamos no Farol, onde Talcolt tinha montado uma nova estalagem, e Iris montou uma horta, Gladio decidiu nos deixar. Ele falou que precisava espairecer um pouco... e saiu do grupo por um tempo...


Capítulo 7: Quatro menos um

"Para reparar o velho navio do rei Regis. Noctis e seus amigos precisam do minério mais raro de todo: mythril. Com nada além de uma vaga pista para guiá-los, eles rumam para as ruínas protegidas pelo império ao norte de Cleigne."

Mesmo sem Gladio nós precisávamos prosseguir, mas não iríamos a lugar nenhum de qualquer forma, afinal o navio do meu pai estava quebrado. Ele tava meio enferrujado e precisávamos fazer alguns reparos. Por sorte, Cindy e uma amiga dela sabiam o que fazer, mas precisavam de um minério chamado "myt..." alguma coisa... pra arrumá-lo.




O chato era achar essa pedra... ela ficava numas cavernas do império, escondidas nuns pântanos onde ninguém podia entrar... e adivinha quem teve que ir buscar!? Pois é...



O pior de tudo foi quem nós achamos no caminho... Ardyn.




Ele novamente, nos ajudou. Abriu os portões do local onde havia o minério que precisávamos e nos autorizou a busc=alo, e ainda por cima, nos ofereceu uma aliada para substituir Gladio: a Aranea.




Com ela do nosso lado, até que foi fácil vencer os desafios da tumba sombria que só abria de noite e desafiava as leis da física... era um local bem bizarro diga-se de passagem... daria pra pescar no teto... se os caras me deixassem é claro...




Conhecemos um pouco da Aranea e até que ela não era má pessoa. Na verdade ela nem curtia o império, era mais uma mercenária freelancer... e no fim viramos amigos. E eu peguei o minério que precisava.


Capítulo 8: Içando as velas

"Com a ajuda da comodoro imperial Aranea Highwind, a comitiva real encontra o mythril. O grupo segue para Lestallum para se encontrar com a Holly, engenheira amiga da Cindy que sabe como trabalhar mythril."

Depois de pegar o minério, Aranea ainda nos deu carona de nave até Lestallum... eu sei, é confuso esse relacionamento entre meu reino e o império... mas algumas pessoas agiam a nosso favor, outras não... enfim...


La, nós descobrimos que a amiga de Cindy tava com problemas na fábrica de energia. Ela que ia nos ajudar com o minério e o barco do meu pai, mas a usina dela, que alias só empregava mulheres, tava sendo atacada por demônios e ai, eu me ofereci pra ajudar, com a única roupa protetora restante que tinha pra entrar la...



Na verdade, tinha outro caçador la dentro, mandando ver. Era um cara forte pacas... e eu já tinha percebido quem era só pela voz mas... deixei ele achar que ia fazer uma surpresa... 


Nós lutamos juntos contras os demônios e depois disso, ele tirou o capacete e era Gladio!




Ele tava com um humor melhor, e uma cicatriz nova na cara... e tinha voltado pro grupo! Então a amiga de Cindy refinou o minério pra gente e voltamos la pro farol...




Todo mundo se reuniu pra despedida. Até Cid, que foi ajudar nos reparos do barco, tava la todo sentimental... nós estávamos prestes a partir, e tiramos uma foto em tanto pra despedida.



E ai pegamos o barco e partimos.



Capítulo 9: O chamado de cada um

"Após uma despedida afetuosa, Noctis parte animado para Altíssia. O príncipe avança ostensivamente em busca das bênçãos da Hydraean, que permitirão que ele desafie o poder do império. Mas o desejo do seu coração é encontrar Lunafreya, sua prometida."

Demorou, mas finalmente estávamos no mar, indo pra Altíssia.




Cid tava pilotando o barco e nos contou tudo o que precisávamos saber. Até que valeu a pena essa espera toda afinal... bem... não valeu a pena nada! Deus como foi enrolado chegar até aqui! Se eu soubesse que era só pegar um minério numa caverna e usado o barco da família eu tinha feito isso desde o início... porque meu pai não falou desse barco antes afinal?! Que saco! Mas tudo bem, a viagem foi longa mas finalmente, chegamos em Altíssia, a cidade das águas...


E o objetivo da minha vida finalmente tinha sido alcançado...




Eu finalmente encontraria Luna... alias colocaram o vestido de casamento dela numa vitrine... tipo... como se tivessem cancelado meu casamento... eu devia ter imaginado que ia dar merd4... mas não imaginaria que fosse tanta... é como dizem: "Ver o vestido da noiva antes do casamento da azar".




Cid nos orientou a procurar por um dos amigos antigos dele e do meu pai, que vivia em Altíssia, dizendo que ele nos ajudaria a localizar Luna, e realmente, a cidade era um labirinto nas águas...


Até que la era legal... andamos de gondola... depois de andarmos pelas inúmeras ruelas sem saída com pessoas tagarelando sobre o vestido de Luna... chegou uma hora que eu acabei vendo ele... 


Quando encontramos o amigo de Cid e do meu pai, ele nos falou sobre a cidade, como todo bom dono de restaurante faz, e ai, a prefeita apareceu e marcou uma conferência comigo. Eu juro, foi assim que aconteceu!


Ela queria saber o que eu estava fazendo em Altíssia. Eu expliquei que eu estava la para invocar um dos deuses, o deus das águas. Pois é, eu não tava la pra me casar, isso já tinha virado passado faz tempo. Luna me explicou através de Gentiana que o poder dos deuses era prioridade e ela me ajudaria com isso, e nosso próximo passo era Altíssia. 


Eu convenci a prefeita e deixar Luna e eu invocarmos o deus das águas, que existia abaixo da cidade, e em troca prometi que protegeria o povo dela e tal. Alias, Altíssia era uma cidade sob os domínios do império, porém era livre pra fazer o que bem entendesse, de forma neutra. A prefeita quem decidia, a favor do povo, e no fim, ela topou me ajudar. Mas o império também estava la... Luna estava com ela, sob os cuidados dela... sob proteção dela... e cabia a ela decidir se iria ceder minha noiva ao império ou a mim. Como eu disse, eu a convenci.


No dia da invocação, eu tava la na multidão, quando Luna fez a cerimônia de apresentação e se declarou ao povo. Ela me viu, eu sei que ela me viu... e apesar da gente não ter se falado, eu me senti bem feliz em a ver.



E ai, Luna invocou o deus das águas... mas algo deu errado e ele começou a lutar contra ela. Além disso, o império invadiu Altíssia com naves e começou a ataca-lo com tudo... Eles tinham permitido e até escoltado Luna até o templo nas águas, e era até óbvia a razão: Queriam matar o deus das águas usando ela.


Tivemos de enfrentar o deus das águas, e enquanto eu ralava, Luna foi ferida por Ardyn... 


E ainda assim, ela me ajudou, lançando seu tridente e liberando os poderes das lâminas dos reis em mim. Isso me ajudou a igualar as forças com o grande Leviatã...


Mas eu acabei caindo... e Luna continuou me ajudando. Ela invocou o Titã por mim... e me deu cobertura durante a gigantesca batalha, me protegendo enquanto eu estava desmaiado... 


Enquanto isso, eu a via em sonhos... ela se despediu de mim... e me entregou o anel do meu pai...




Quando eu acordei... tudo já tinha terminado. Eu estava em terra firme, numa cama, com anel nas mãos e Ignis me explicando tudo o que tinha sucedido.


O pior é que Luna tinha morrido, e Ignis tinha ficado cego.... tudo tinha terminado de forma terrível... mas a porcaria do anel tava comigo.


Capítulo 10: A ascensão de um rei
O flagelo das estrelas

"Atravessando a água e sobre os trilhos, a comitiva real segue para Gralea, a capital imperial. Seu objetivo: recuperar o cristal, para poder retomar o seu reino. No entanto, o anel se prova ser um fardo pesado demais para o Noctis."

Tudo de bom em nossa aventura tinha terminado... por semanas nós nos demos mal... tipo, não conversamos bem. Gladio e eu chegamos a brigar feio em um trem, numa viagem em busca de mais espadas dos reis antigos, e eu não o culpo... Ele queria que eu usasse o Anel de Lucii, queria que eu parasse de sofrer pela morte de Luna, queria que eu fizesse muita coisa ao mesmo tempo mas, eu não tava preparado pra nada disso...




Aquela viagem de trem foi importante de mais apesar de tudo, pois foi quando Ignis nos reuniu. Ele insistiu em nos acompanhar na caçada pela espada dos reis que estava em uma sepultura numa velha petrolífera, e ele sofreu muito no caminho... sem sua visão, tudo parecia complicado... 




Mas ai o nada, em uma batalha quase impossível contra uma criatura que não morria, Ignis tirou uma carta da manga e teve uma ideia magnífica que enfraqueceu o monstro e nos salvou.




Depois que conseguimos mais uma espada, ele foi franco e nos fez parar com frescuras e brigas desnecessárias. Nós nos unimos um pouco mais depois disso. 


E então, voltamos pro trem.



Capítulo 11: Aprisionado

"Com sua determinação e firmeza, Ignis enfim consegue reconciliar Noctis e Gladiolus. Os quatro amigos, com seu vigor e terminação renovados, embarcam no trem rumo a Tenebrae."

Nós estávamos voltando pra terras mais familiares, quando ouvimos falar que aparentemente, as noites estavam mais longas. Isso era terrível afinal, demônios só saíam de noite.




E foi ai que as coisas mais estranhas começaram a acontecer comigo. O tempo parou... tudo parou. E Ardyn apareceu. O desgraçado do Ardyn, que matou Luna, tava no trem, e por alguma razão só ele e eu podíamos nos mover... eu corri atrás dele.



Eu consegui até chegar nele, e pegar ele, e ele queria conversar comigo! Cara, ele era maluco...


 Mas tudo tava estranho de mais, e do nada, o trem parou e ele sumiu.


O império tinha começado a atacar, só pra variar, e eu e Prompto defendemos o trem, juntos.


Tivemos de desembarcar, e quando o trem voltou a andar, lutamos em cima dele mesmo, contra as naves do império... eu fui me teletransportando até elas e derrubando uma por uma de dentro enquanto Prompto me dava cobertura atirando de cima do trem...


Foi quando aconteceu... eu nem vi direito... de longe vi Ardyn apontando uma arma para Prompto e tentei salva-lo, bati em Ardyn e o empurrei, e quando olhei direito, quem tinha caído era Prompto...


Nós tínhamos impedido o império mas Ardyn fez alguma coisa... e eu empurrei Prompto do trem...

Capítulo 12: O mundo por um triz

"Mesmo estando angustiado por ter empurrado por engano o seu amigo Prompto de um trem em movimento, um rei sempre segue em frente, aceitando as consequências."

Eu desmaiei e quando acordei, o trem já tava longe de mais, e Ardyn tinha sumido outra vez...




Pedi pelo rádio pra Gladio parar o trem e resgatarmos Prompto mas, estávamos longe de mais pelo que ele disse, e pra piorar, começamos a ser atacados por um monte de demônios. Por sorte, o Leviatã apareceu, e nos salvou, como se tivesse aceitado o acordo de Luna... meio tarde mas... melhor que nada...



Quando vencemos os demônios, paramos o trem e pra nossa surpresa, Aranea apareceu pra nos ajudar. Ela nos informou sobre a situação precária do império e sobre o cristal, nos oferecendo seu suporte.


Nós tiramos a tripulação do trem e passamos para as naves que Aranea trouxe, para que ela os protegesse, e ela nos entregou dois de seus seguidores para guiarem o trem até a capital do império. Mas, o caminho estava congelado de tão frio, por causa da queda da deusa do gelo...


Pra variar, Ardyn apareceu no trem, no meio do frio, só pra encher o meu saco...



Mas ai Gentiana apareceu, e congelou Ardyn.



Gentiana na verdade era a deusa do gelo, disfarçada...




Quando ela assumiu a verdadeira forma dela, eu nem notei direito que ela tinha ficado peladona, pois juro por deus que tava frio pra caramba... meu cérebro tinha congelado... e ela ainda começou a contar a história da vida dela e um monte de coisa... tipo eu só pensava no frio. 




Quando ela terminou, ela me deu a benção dela a pedidos de Luna, e me disse o quanto Luna me amava... eu vi Luna também... e o frio acabou.



Quando tudo descongelou, Ardyn voltou ao normal e revelou que era imortal, e que estava com Prompto la no império, e saiu, me deixando livre pra resgata-lo. Ele só tava me provocando.



Capítulo 13: Reivindicando o trono

"Finalmente, Noctis chega a Gralea. Onde, Ardyn, aquele que lhe roubou a sua pátria, o cristal, e a vida de muitos entes queridos, o espera ansiosamente."

Quando estávamos chegando perto da cidade do império, pra nossa surpresa, meus poderes pararam de funcionar. Minhas armas e as de meus amigos não podiam mais ser invocadas e pra variar, demônios começaram a invadir o trem.




Então nós corremos até o vagão traseiro e pegamos o Regalia, que tava conosco! E saímos pilotando loucamente pra invadir o território imperial e resgatar nosso amigo e nosso cristal!


Só que o Regalia quebrou uma última vez.



E, como se já não tivesse tudo horrível, eu e meus amigos nos separamos por um acidente...



Só que eles ficaram bem... e eu... bem... eu resolvi tomar coragem e usar o Anel de Lucii.



O anel me deu poderes que jamais tive, e nem foi tão ruim.




Enquanto eu andava pelas instalações do império eu usava o anel pra destruir demônios e robôs. parecia que algo terrível tinha acontecido por la, pois só haviam soldados mortos e demônios por toda parte, além de roupas caídas sem corpos. Eu via Prompto algumas vezes, correndo, preso... mas não era ele de verdade. Ardyn falava comigo por auto-falantes e era só ele me provocando com a magia dele... e sim, ele usava magia.


No caminho também eu encontrei Ravus, morto... com a espada do meu pai do lado dele, e um monte de documentos contando o que ele tinha feito em prol de Lucis. 


Apesar de Ravus ser irmão de Luna, ele tava do lado do Império e era o Alto Comandante... mas... ele havia se voltado contra o império nos momentos finais, e algo fez ele chegar ali, naquele ponto. A espada do meu pai era uma das espadas dos reis antigos então, Ravus me ajudou muito, mesmo depois de morto...


Ardyn ficava me provocando o tempo todo, insinuando que meus amigos estavam mortos, mas eu sabia que eles estavam bem, e na hora que eu mais precisei eles apareceram pra me salvar. Eu tinha ficado preso numa armadilha com paredes se fechando e eletricidade, quando Gladio e Ignis surgiram do nada, e me libertaram.


E de quebra nós encontramos juntos o Prompto, preso, desacordado, porém bem.


Quando ele acordou ele tava meio estranho, desanimado e desconfiado... mas ele tava bem.


Ele chegou a explicar que tinha ficado mal pois descobriu que era natural de Nifflheim, ou seja, era parte do império, mas eu e os outros botamos juízo na cachola dele afinal, que bobagem! Ele era um de nós, não importasse onde tinha nascido... e de poxa, ele ainda tinha um códio de acesso que liberava as portas tudo no império! Prompto havia se tornado útil, finalmente.


Repito que o mais estranho ali era que tinham roupas por toda parte, sem corpos. Inclusive eu lembro de ter visto a roupa do imperador em seu trono... mas nada de corpo. Na época eu não sabia que humanos viravam demônios...


Mas descobri isso quando Ravus apareceu, metade demônio, no nosso caminho, pedindo para ser morto.


Nós o matamos e acabamos com o sofrimento dele, mas logo em seguida um monte de demônios começaram a surgir. Os demônios, e as máquinas, eram pessoas mortas o tempo todo. Ardyn riu da gente quando percebemos isso... 


Eu tive de deixar meus amigos pra trás pra encontrar o cristal e usar o poder dele pra banir os demônios...


Não foi fácil, principalmente com Ardyn me provocando... mas no fim, cheguei até o Cristal.


Só que ele não funcionou... o Cristal me sugou, e Ardyn começou a contar sua história de vida, e como ele era um rei incrível e benevolente no passado... ele era um dos reis de Lucis... na cabeça dele.


O Cristal perdeu seu brilho, e meus amigos ficaram sozinhos, enquanto Ardyn ficou livre pra espalhar suas trevas.


Eu estava dentro do cristal.


La eu conheci Bahamut, o deus da guerra, que me contou tudo o que eu precisava saber sobre o cristal e o passado de Ardyn... e então, ele me revelou meu futuro. Eu deveria me sacrificar pra trazer a luz de volta ao mundo.


Eu adormeci, junto ao cristal, por 10 anos.


E quando despertei... eu tinha barba!


Meu cachorro, Umbra, aquele que trazia mensagens pra mim ao lado de Gentiana, trouxe uma última mensagem, dos meus amigos, dizendo que eles me esperavam no Hammerhead, e eles tinham deixado um barco pra mim. Eles tinham deixado num local protegido na esperança que um dia eu voltaria... e eu voltei.


Capítulo 14: O reencontro

"Noctis finalmente desperta de sua prisão em Angerlgard. O barco do seu pai está atracado na costa, em perfeitas condições. Ele agora deixa o seu confinamento rumo ao Cais de Galdin, de volta para o seu reino."

Noite eterna, roupas por todo canto, sem ninguém vivo, apenas demônios. O mundo tinha se tornado um inferno.




O caminho até o Hammerhead seria longo, mas tive sorte e um carro apareceu...


E pra minha surpresa, era Talcolt, bem crescido e irreconhecível, mas ele me reconheceu.


Ele me levou de volta aos meus amigos, e me contou sobre o novo mundo, me atualizando sobre tudo. Pelo que entendi, o grupo tinha se separado e cada um lutava por conta, mas todos ainda estavam unidos. Quando os encontrei, bem, Gladio tava mais forte do que nunca, Prompto tinha barbicha e Ignis ainda estava sem sua visão, mas tinha recuperado todas suas aptidões, inclusive voltou a cozinhar!


Nós fizemos um último acampamento, com alimentos preparados por Ignis...


E nos vestimos a rigor, para voltar até Insomnia e enfrentar Ardyn.


Trajados adequadamente, fomos para a batalha final.


Minha cidade estava completamente destruída, mas... era nostálgico de certa forma, pisar la depois de tanto tempo...


Haviam demônios por toda parte, mas por incrível que pareça, também haviam Kingsglaives ainda lutando la, liderados por Coru. Quando cheguei eles me receberam com orgulho... e eu me senti honrado.


Bem, quando chegamos ao castelo principal, Ardyn nos recepcionou...


E criou um muro de energia igual ao que meu pai fazia, pra como de costume, me provocar.



E invocou um cão demônio gigante de três cabeças de fogo, só pra nos atacar...



Depois de derrotarmos o cão demônio, Luna apareceu pra nos ajudar a destruir a muralha de magia de Ardyn...



Ela invocou todos os deuses de uma única vez, e eles acabaram com a muralha.




Mas Ardyn ainda tinha muitas cartas na manga... antes mesmo de entrarmos no castelo, ainda no pátio, ele invocou Ifrit.


O deus do fogo, estava do lado de Ardyn... e ele era forte de mais. 


Mas com ajuda de Glacian, a Gentiana, vencemos ele...



Mas como eu disse, Ardyn tinha várias cartas... ao entrar no castelo, nos deparamos com os corpos reanimados de alguns dos reis mais antigos... Ardyn havia profanado seus túmulos e os colocou para nos enfrentar.


Mas, o primeiro Rei enfrentado, o Feroz, com uma defesa impenetrável, foi derrotado pelo poder de Gladio.


O segundo rei enfrenado, na verdade a rainha Misteriosa, que lutava nas sombras...


Foi derrotada por Prompto e sua mira impecável e suas armas de luz.


O terceiro rei enfrentado, o Místico, que apelava pra magias, foi derrotado por Ignis...



E por nossa união.



No fim, os reis nos abençoaram, e seguimos pra enfrentar Ardyn.




Antes de continuar o caminho... eu e meus amigos combinamos de escolher uma foto das que Prompto tirou de nossa aventura pra que eu levasse comigo...



E ai, chegamos à sala do trono, onde estava o desgraçado do Ardyn, o cristal, e os corpos de Luna, meu pai, o imperador e um dos Kingsglaives...


Ele desacordou meus amigos e saiu, pra nossa luta final...


E partimos pra luta.


Ardyn tinha os mesmos poderes que eu...


Inclusive as espadas dos reis antigos... ele também podia invocar.


Em uma parte da nossa luta, os Reis Antigos surgiram pra assistir...


No final, eu finquei uma das espadas mágicas em Ardyn, não que isso fizesse muito estrago afinal, ele era imortal.


Diante dos reis, era uma vitória, e talvez a maldição de Ardyn pudesse ser revogada...


Mas, pra isso ainda era preciso banir a escuridão que ele trouxe ao mundo...


Eu fui com meus amigos até o castelo, rumo ao trono, para me sentar e assumir minha função.


Me despedi e depois dessa longa jornada ao lado deles, entrei sozinho...


E diante do trono...


Me sentei e invoquei as lâminas dos antigos reis, em mim mesmo.


Como Bahamut e os reis disseram, para a luz reinar, eu precisava me sacrificar.


Então dei minha vida pelo meu povo.


E com meu sangue...


A Luz voltou pra Lucis



Eu pude banir Ardyn de vez, e coloca-lo para descansar, eliminando as trevas acumuladas em sua alma.




E bem, essa é minha história. Eu agradeço por sua atenção e paciência, e os créditos das fotos são de Prompto. Ele insistiu pra que eu dissesse isso... então ta dito. Alias, eu lembro que durante o acampamento, aquele último que fizemos, nós pudemos nos despedir...



Eu sei que parece que não valorizamos uns aos outros adequadamente no final das contas mas... na verdade, apenas estávamos pegando leve... eu lembro que em nossa despedida, pouco antes de nos vestirmos adequadamente pra última batalha, eu contei o quanto estava com medo de perder todo mundo... o quanto estava assustado com o que iria acontecer, com o que eu estava destinado...


Todos nós choramos... então ahco que só esse momento já valeu como despedida. Fomos fortes de mais no final, mas fraquejamos legal ali...


Como eu disse na ocasião... Gladio, Iggy, Prompto...



Vocês são os melhores.



Ah, no fim de tudo, Luna e eu pudemos nos casar de fato... tipo... no outro mundo...



Eu mostrei a foto que levei do Prompto, e a gente finalmente se beijou...



E enfim, descansamos.



fim.



E ai o que achou da história pelos olhos do Noctis?! Eu pensei em fazer o mesmo no caso do Gladio, do Prompto e do Ignis mas, já contei tudo o que tinha de contar.

Essa é a foto que eu escolhi pro Noctis escolher:



Achei a mais legal.

Final Secreto




Bem, na campanha de Ignis, como mencionei, tem um final especial, que altera esse final bem triste da campanha principal, e eis o que ocorre:




No momento em que ele pode decidir colocar o Anel e salvar Noctis, ele também pode simplesmente se render ao Ardyn e se aliar, como um servo.



Essa opção só é habilitada depois de salvar a DLC pela primeira vez, e ao fazer isso, uma nova história é contada...



Ignis é levado pro local onde o Cristal estava, e o passado do Ardyn é contado em detalhes pra ele por uma voz em sua mente.


Ele vai literalmente pra última fase, chegando ao Cristal antes da hora.



Ao fazê-lo, Ardyn exige que Ignis se curve, mas o mesmo mantém sua lealdade ao Noctis, e com isso, ele pega o Anel de Lucii (que havia escondido de Noctis) e o usa, sacrificando sua visão para enfrentar o vilão.



O que muda nisso tudo é que, Ignis não para na visão. 



A luta é longa e difícil, o vilão é muito poderoso e apela pra poderes mágicos do mesmo nível que Noctis, e ai surgem as opções...



Ignis sacrifica seus sentidos...



Seu corpo...



Sua alma...



Tudo para salvar Noctis de seu destino. Ele faz isso para manter o poder do anel até o fim, até que Ardyn fosse derrotado...



E ao terminar a luta, Ardyn ainda consegue escapar...



Mas, Ignis é encontrado por Noctis, Prompto e Gladios, que haviam ido resgata-lo... e nesse momento, ele só tava o bagaço.



Ele diz que tentou, que fez o possível para lutar no lugar de Noctis, e ao dizer isso, Noctis toma vergonha e decide carregar o fardo, com maturidade, responsabilidade e determinação. Sem medo algum, Noctis pega o Anel e o usa pra tomar todas as dores de seu amigo, e ao fazê-lo, os reis do passado removem as maldições impostas sobre Ignis, incluindo sua cegueira.



Noctis entra no Cristal e adormece por 10 anos, se preparando pra luta final... e ai tudo muda.



Como o sacrifício já havia sido feito, e o rei provou que seu povo estava acima dele, os Reis do Passado não exigem sua morte, e o poupam, permitindo que ele reinasse após salvar a todos.



E ai, um final especial surge, em que Noctis não morre... 




Ignis recupera sua visão...


Até mesmo Ravus nem chega a morrer e virar demônio e entrega a espada do Regis pessoalmente...


Ele aparece no final, na escadaria pro trono, com barba e tudo, e os amigos de Noctis sobem junto com ele, afinal, eles estiveram do lado dele o tempo todo, e estariam inclusive no fim.


Eu, particularmente, prefiro o final original. Sei que é cruel mas, o sacrifício e repouso de Noctis parece muito mais condizente com tudo o que o jogo quis ensinar, sobre perdas e superação... mas o final alternativo é um tipo de conquista que só se obtém ao se conhecer todas as possibilidades, e tipo, seria o final correto... apesar de meio forçado é claro.


Como o universo de FF é pura magia, e no caso de XV os Reis do Passado tem uma frescura lascada com a magia deles, eu não duvidaria nada dessa possibilidade póstuma... então, eu concordo com o Final Ignis... eu pelo menos não choro com ele rs...



Nier vs FF15

Como eu disse que falaria um pouco, comparando Nier Automata com FF15, bora la pra algumas considerações... começando com: Escadas.



Se você leu a análise de Nier Automata, ou jogou, deve-se lembrar que subir em escadas era um momento um tanto quanto... inadequado, tudo pois a câmera possibilitava o que era impossível o jogo inteiro: Dar uma checada na 2B.

Mas, em FF15 algo parecido ocorre, onde sempre que subimos algo como escadas ou montanhas (e sim, rolam escaladas as vezes) pelos longos segundos que se seguem, a câmera nos castiga com um close impossível de desviar, do traseiro de Noctis. É simplesmente lamentável, e eu precisava falar.

Referente à pescarias, bem... em Nier dava pra pescar uns tubarões enormes, mas em FF15, o maior peixe que peguei foi esse...




Brincadeira a parte, tem um lendário peixe gigante que tentei pescar mas, nem consegui fisga-lo. Em ff15 é preciso usar iscas certas pra se atrair a atenção dos peixes, e também tem que ir pro local certo, na hora certa... é muito chato.


Mas, o que conecta os jogos mesmo, é o rádio do carro. Dentro do Regália da pra escutar algumas fitas, e dentre as músicas, tem aquela de encerramento de Nier Automa, como um bônus para o jogador.


Modo Multiplayer

Bem, antes de terminar, só vou citar isso pois eu nem joguei muito... apenas fiz um personagem e pronto...


Tem uma DLC especial que abre uma versão online de FF15, e da pra criar um personagem e sair fazendo missões pra levar energia pra Lucis e tal, caçando demônios na pele de um Kingsglaive.


Eu fiz eu mesmo!!! Foi um sonho realizado... e de quebra da pra interagir com personagens do elenco do jogo principal, além de ser introduzido pelo amigo do Nyx, aquele que citei no resumo do filme, o que deixou a princesa se virar... ele que ensina o básico dos caminhos de um Kingslaive.


O chato é que eu sou mais baixo que todo mundo... até que a Iris mano...


Pelo menos... eu to em FF...


E é isso...


Espero que tenha curtido...

Se faltou algo, se eu esqueci algo, ou se precisar corrigir algo, o farei com o tempo. Eu agradeço se você comentar e, lamento por ter demorado tanto. É que... tive muitos contratempos... mas tentarei me recompor e seguir em frente beleza. 

See yah!

Postar um comentário

6 Comentários

  1. Aeeeeeeeeeeee saiu essa deliciosa

    ResponderExcluir
  2. parabéns pelo post man. belo trabalho. Adoro o site e lembrei q não li sobre nier automata. farei isso hj. vlw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado sr Ivan, isso porque a análise nem terminou de verdade. Em 2019 vão ser lançadas 4 dlcs, uma contando a história do Ardyn, uma da Lunafreya, uma da Aranea e uma nova perspectiva do Noctis, com direito a mais um novo final. Quando saírem, eu irei adicionar o conteúdo a esta análise, e ai sim, talvez, estará completa...

      Obrigado por acompanhar o blog sr.

      Excluir
  3. Zerei o jogo a poucos minutos atrás porém insatisfeito com o final (já imaginado após a morte de Luna) vim procurar alguma 'luz' e encontrei o site aqui, cara valeu por explicar inúmeras coisas que deixei passar, mas agora compreendo. Ignis é foda, eu prefiro o final alternativo pois ao meu ver Noctis pode ser mimado mas se fode muito coitado. Nem sabia do filme irei ver depois, show !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz por ter chego aqui. Seja bem vindo sr.

      E... é, Ignis é o melhor.

      Você vai se indignar com o filme... mas vai amar.

      Excluir
Emoji
(y)
:)
:(
hihi
:-)
:D
=D
:-d
;(
;-(
@-)
:P
:o
:>)
(o)
:p
(p)
:-s
(m)
8-)
:-t
:-b
b-(
:-#
=p~
x-)
(k)