ArquivoMorte

PesquisaMorte:

domingo, 22 de outubro de 2017

AnáliseMorte: The Legend of Zelda - Link's Awakening DX - Triforce da Força

Esse jogo...

The Legend of Zelda - Link's Awakening DX



Spoilers a seguir... alias preprare-se pois la vem textão...

Boa leitura...


Esse jogo, eu desconhecia ele na franquia Zelda, e por causa desse detalhe havia um buraquinho na teoria da divisão dimensional da Triforce (que estou apresentando aos poucos no blog), mas, foi só eu jogar que soube exatamente onde essa belezinha se encaixa na cronologia, e é de se surpreender afinal, a minha teoria ganhou muito mais força agora, o que é bom pois comprova que eu não viajo tanto assim, enfim... bora la.




Alias, recomendo que leia as análises dos outros Zeldas que já fiz... assim você não se perde...





Zelda DX (vou chamar assim) é um jogo lançado pra Game Boy Color, feito principalmente para explorar o máximo do portátil, uma ação muito comum nos jogos de Zelda para com a Nintendo. A diferença do GBC pro GB, é justamente a adição de cores primárias, não apenas nos jogos exclusivos para ele, mas pros retroativos também (tanto que da pra jogar Pokemon Red/Green/Blue/Yellow colorido por ele).

Mas, nem tudo se limita ao universo Zelda, não dessa vez. Agora tudo envolve o sonhador por traz de Zelda, Miyamoto, Não é algo totalmente conectado a ele, mas faz bastante referências, misturando Zelda com outro título criado por ele: Mario.

Sim, esse Zelda utiliza elementos do universo Mario em uma dose exorbitante. Há tanto criaturas quanto referencias pra lá de claras, como imagens, nomes e até bonequinhos de personagens originais do universo Mario. Porém, nada disso torna esse jogo um "spin off", muito menos "crossover", pois os elementos de Mario são uma mera ilustração do conceito principal desse Zelda: Sonhos.

A aventura de Link se passa em um mundo de sonhos, então pode tudo, desde personagens de outras franquias até seres de mitologias diferentes, totalmente por fora do universo Zelda, mas dentro dos limites da imaginação.

Porém, há detalhes que encaixam esse Zelda em um período pós Ocarina of Time, e pós A link to the Past, mostrando e consolidando algo importantíssimo pra árvore cronológica, explicando exatamente como as três realidades da Triforce se formaram, e as consequências imediatas destas.

Lembra (se você leu as outras análises que fiz de outros Zeldas é claro) que as realidades se formaram partindo cada uma de uma triforce? Daí surgiram as realidades de Zelda, Ganon e Link, mas, essa divisão de realidades só se derivou por causa da divisão da Triforce nas 3 partes, nas 3 pessoas mencionadas. A triforce os seguiu quando cada um foi jogado em um tempo e espaço diferente, e cada triforce deu vida à sua própria dimensão, girando em torno de seu portador. A questão é, quais os critérios iniciais pra essas dimensões?

Antes, eu acreditava que elas apenas se uniram aos principais envolvidos com a utilização da Triforce, os principais afetados pelo desejo, e deixaram as realidades se formarem ao acaso. Daí passei acreditar que a Triforce punia os inimigos de seu atual detentor (e como dentre os 3 portadores, um era jurado de morte pelos outros 2, uma delas ia contra suas irmãs). Mas, o que vemos aqui é a consolidação do método adotado: Provações. Acompanhamos uma das provações de link, que ainda viria a passar por mais 2 paralelamente, o que daria o pontapé inicial pra cada uma das três realidades se escreverem. (Eu sei, bem confuso, mas tudo ficará claro pra caramba... um dia...)


Este Zelda, Awakening DX, ocorre após A link to the Past e Ocarina of Time, antes das 3 realidades paralelas (TP, MM e WW).



Triforce da Força, essa é a realidade em que DX se passa, e três coisas deixam isso muito claro: O mundo inundado surge; A triforce da Força é a única presente o tempo inteiro; Link morre no final.

Sim, acredite se quiser, esse jogo mostra o herói fracassando, e é justamente por causa dele que a realidade da Força se tornou a Wind Waker. Lembra que nessa realidade, link não apareceu? Lembra que por causa disso, Ganon dominou o mundo e as deusas investiram no dilúvio pra detê-lo? Então, tudo isso ocorreu graças ao desaparecimento e provável morte do herói, que foi visto pela última vez à deriva em alto-mar.



Ocorre o seguinte: Link ta de barquinho navegando e explorando o mundo, atrás de preparo e conhecimento pra derrotar os males que assolam Hyrule, quando entra numa tempestade e um raio atinge seu barco, deixando o herói em coma induzido, flutuando no mar, enquanto sua mente passa por um teste da Triforce, uma provação na verdade. Nessa realidade, a Triforce conduziu link para uma situação em que mesmo vencendo, ele perderia e falharia, e em um mundo de sonhos, ele derrota o mal maior, enquanto no mundo real, ele definha.



O jogo tenta encerrar com otimismo, mostrando que link ta bem, e que apesar de tudo o que ele conquistou em sua aventura, e todos que ele conheceu, não passarem de ilusão, gerada por uma entidade divina (Peixe Voador...) que por sua vez era gerado por outra entidade divina (Triforce da Força), ele teria saído vitorioso e cheio de novas experiências. O problema é que ele estava no meio do mar, desequipado, sem seu barco, ferido, e cansado. É só questão de tempo pra ele morrer, e como na sequência (WW) ele já está morto, tem-se a resposta.



Alias, as realidades da triforce surgiram partindo de Ocarina of Time, porém o passado delas foi reescrito conforme as necessidades da existência da Triforce. Para Coragem e Sabedoria, um mesmo evento existiu antes de TP e MM, mas no caso da Força, um evento totalmente alternativo sucedeu, sendo este o Link's Awakening. Aqui, conhecemos o que ocorreu com o link do passado de Wind Waker, o que é, sem sombra de dúvidas, uma informação inegavelmente importante que foi ignorada pela árvore cronológica oficial.



Alias, apesar da natureza dos personagens desse jogo, há várias referências à morte de link, principalmente apontada pelas Corujas de Pedra espalhadas pelo mapa principal. Cada fase tem algumas delas, falarei daqui a pouco, mas pela ilha, em mapa aberto também tem, e elas não precisam de "Bico" pra serem escutadas. Elas costumam falar em enigmas, mas algumas intrigam com as indiretas... por exemplo, tem uma que diz "Com o sono do peixe acabando, a vida do herói se desfaz"...




E tem uma que fala "O 'Peixe Vento' é apenas um nome, o peixe não voa, o nome não significa nada"...



Quando o sonho termina, o Peixe Voador aparece e tal... e ele tem até asinha,  mas eu acredito que ele aparece assim só por causa do sonho compartilhado com link, e a imagem projetada dele na mente do herói, seguindo a forma como ele imaginava que ele seria...


No final do jogo algo bem bizarro acontece, mas eu vou dizer la no final.

Enfim, como nada nem ninguém realmente existe nesse jogo, não tenho porque falar dos personagens, inimigos e afins correto? Quem me dera... pois apesar disso os personagens, ao menos alguns, são memorialmente importantes.

Suas participações podem ser insignificantes, mas são importantes de certa forma, só que, falarei deles depois. Agora preciso falar da jogabilidade.

Jogabilidade

Esse Zelda segue os passos dos anteriores clássicos. Ele foi lançado em 1993 para Game Boy e relançado pra GBC como "DX" em 1998 (mesma época em que o Ocarina of Time saiu pra Nintendo 64).

Alias, sim, ele é remake de um jogo anterior, mas praticamente nada mudou. Ele só recebeu cores, uma fase nova (Fase das Cores, pra ressaltar essa adição) e um sistema de fotos que eu achei bem bolado, mas não entendi como funciona (as fotos são aleatórias e dependem de eventos específicos que, não consegui descobrir por inteiro).

A fase das Cores libera uma vestimenta nova pro menino de verde. A vermelha, que da força, e a azul, que da resistência. "O Poder das Cores" é definido pelo jogador, conforme sua necessidade. Tirando isso, nada muda, a história e seus detalhes são os mesmos, então não vou fazer como na análise do primeiro Zelda em que joguei e analisei as duas versões, pelo menos não agora. Confesso que não joguei a versão de Game Boy ainda, então não posso afirmar com todas as letras que é a mesma coisa, porém assim que eu jogar, atualizo esse trecho se for preciso.

Bem, o jogo usa todo o sistema do GB/GBC, não apenas pela coloração mas movimentação e animação também. A Intro é animada, o encerramento também, conta com várias músicas bem boladas e originais, e até uns remixes dos temas clássicos. Alias, música faz parte do tema desse jogo...

Sonho e Música, as duas coisas fazem parte da história, mas enquanto Sonhos conferem o cenário e ambiente, a Música compõe o objetivo de link: Acordar.



Daí o nome, "Awakening" significa acordar. Só que o sono de link é compartilhado com a entidade aquática voadora, a qual não acorda facilmente. Ele ta dormindo, e preso em seu profundo sono, e a única forma dele acordar é com a música de 8 instrumentos orquestrados por link, em um magnífico e exuberante despertador.



Alias... "orquestrando"... Link toca 9 instrumentos nesse jogo, e você lembra qual era seu principal equipamento no Wind Waker? Uma Batuta, que ele usava pra Orquestrar o Vento... 




Sobre controle, o GBC e GB contam com direcionais D-Pad, Start, Select, Botão A e B. Mas como em Zelda nunca se é tão simples, há uma lista grande de equipamentos que oferecem movimentos diferentes, e inclusive, link PULA!



Não é um pulo natural como o visto em "Breath of  The Wild" afinal link precisa usar um equipamento pra isso (Peninha...), mas só o fato dele ter essa opção já é uma enorme novidade... que se repete nos "jogos irmãos" dele... enfim...

É preciso escolher qual ação/equipamento ficará no slot A e no B, e pra qualquer mudança, é preciso abrir o inventário apertando start, e selecionar o equipamento. No inicio isso é tranquilo, pois link conta apenas com Escudo, e depois Espada.



Mas quando a coisa começa a variar, há momentos muito chatos, em que é preciso acessar o inventário 2 a 3 vezes em um mesmo mapa... mas com a prática tudo se torna mais, aceitável.



O tenso mesmo fica pra ação mais básica de todas: Salvar. Existem duas formas de se salvar, a primeira simplesmente perdendo todos os corações e morrendo, daí surge o menu com as opções de Salvar e Continuar, Salvar e Sair, e por fim Continuar e Não Salvar.



A outra forma é, muito original... é preciso segurar A+B+Start+Select pra abrir um menu que salva a partida e oferece sair do jogo. Sim, é preciso fazer um combo de botões só pra salvar (acho que poderiam criar uma opção no menu inventário mas, se chegaram até essa solução é porque a coisa tava complicada).



O mais legal de tudo é como essa informação é revelada, onde todas as crianças encontradas dão dicas iguais de como se joga, e dizem que não sabem de mais nada pois são só crianças. Esses npcs só servem pra isso inclusive, mó doidera.

Link é mudo, e ele se chama "link" pois entra naquela ideia de personificação do jogador e tal, mas, ele faz monólogos.



Apesar de link não falar, ele lê as coisas e comentários surgem pro jogador, como se fosse ele pensando ou algo assim. Mas, existem momentos de interação com personagens que o próprio personagem diz que link é caladão, logo, ele pula mas não fala, e não tem equipamentos pra isso... tem a Ocarina e os outros 8 instrumentos (pois é, a ocarina é um instrumento a parte, usado para outros fins além de acordar o peixe-voador), mas falar que é bom, nada.



A ocarina conta com 3 músicas conquistadas ao longo do jogo. Uma acorda seres mortos, e só é usada em 1 situação. A outra teletransporta, pra um ponto fixo no mapa com uma vendedora de poção. A outra, que é a primeira conquistada e última utilizada, serve pra iniciar a orquestra pra acordar o peixão.



Tem também alguns portais escondidos pela ilha, que levam uns pros outros (desde que já tenham sido encontrados) o que serve de atalho pra link. Mas, são poucos... e bem... é isso... bora falar dos equipamentos...

Equipamentos

Ocarina




Algo curioso é que a Ocarina é obtida dentro de um sonho, dentro do sonho do peixe... é tipo "A Origem"... 



Curiosamente, esse sonho seria totalmente de link, sem influência do peixe, e o prêmio, a Ocarina, seria uma referência ao mesmo item presente tanto em The Past, quanto em Ocarina of Time. Seria uma memória de link, transfigurando um item que pra ele era importantíssimo (e consolidando a posição cronológica de DX).


Pena de Pedra



Essa é um dos primeiros equipamentos que link pega, e é o mais importante, sendo útil não apenas pra passar os obstáculos ao longo do jogo, mas também pra derrotar inimigos, incluindo o último chefão (bater nele sem poder pular é pedir pra morrer... vou explicar depois). 



A pena, provavelmente inspirada pela peninha de Super Mario World (Mario ganha uma capa e começa a voar quando pega uma pena... link aprende a pular... cada um superando suas limitações rs), é de cor laranja, e é vista em outros jogos, conectados diretamente com esse (e que reforçam a minha teoria). 



A pena serve basicamente pra passar por buracos, e também pode servir pra subir em plataformas e até eliminar alguns monstros, mas é algo muito específico. Ela também pode ser usada combinada com outros equipamentos pra melhorar o alcance ou efeito (da pra cortar pulando, ou pular mais longe...).



Esse tipo de variação é constante, e ocorre combinações pra melhorar os movimentos pra quase todos os equipamentos.

Bota



Esse é um equipamento até que bem comum em Zelda, principalmente os vistos de cima, pois é um recurso interessante e bastante útil: Correr em linha reta.



Com ela, da pra correr feito louco apontando a espada e furando todo mundo, e até destruindo objetos. Neste Zelda tem objetos que quebram ou reagem apenas pra equipamentos específicos, e no caso da bota, ela serve pra quebrar umas pedras de cristal.



Junto com espada corta, junto com pena faz pulo longo, e dependendo da situação da até pra burlar alguns obstáculos... como é possível movimentar o personagem em pleno ar, pra qualquer direção, da pra fazer uns saltos carpados bem irados, e chegar a locais impossíveis apenas com o pulo. 



A bota também sacode as coisas com o impacto, algo que pode liberar itens de árvores ou estantes, derrubando-os... é útil pra alguns momentos importantes, como derrubar um livro da estante em uma biblioteca, que ensina segredos sobre a passagem do mundo das cores... depois explico.


Braceletes 1 e 2



Link, esse link, o desse Zelda, é o bicho mais fraco da história Zelda. Ele não aguenta levantar vasos. Sabe aquela mania de levantar e arremessar os vaso tudo? Então, esse link não consegue nem mesmo empurrar! É triste ver sua situação... e chato também pois link faz constantes reflexões, e faz questão de repetir que não da pra mover os potões, quantas vezes for possível (é só encostar e já vem ele falando).



Alias, link pode não falar mas mano, seus pensamentos são mais chatos que a fadinha... enfim... 



Os Braceletes são equipamentos bem comuns nos Zeldas, e normalmente servem pra ampliar a força de link, permitindo que ele carregue objetos bem pesados... aqui isso vale inicialmente pros vasos. Link precisa dos Braceletes 1 pra levantar vasos... e ele ainda faz força pra isso.



Depois, perto do fim, ele aprimora os Braceletes pro tipo 2, que pode levantar estátuas gigantes de pedra... nesse caso sendo uma exigência justificável.


Escudo 1 e 2



Escudos são uteis pra defender, e o primeiro equipamento que link recebe é justamente seu escudinho, com nome e tudo, e ele o usa não só pra defender, mas pra empurrar uns bichos espinhudos também. 



Como só da pra levar 2 equipamentos por vez, depois que os equipamentos começam a estocar no inventário, fica difícil dar preferência ao escudo então, ele costuma ficar de reserva. Ele é bom, pra evitar danos ao acaso de inimigos que resolvem dar a volta na hora errada, e o legal é que aqui, segurar o escudo não trava link em uma única direção. O escudo acompanha os movimentos dele então, ele literalmente anda defendendo pra todo lado.



O Escudo nº 2 é maior e melhor, mas é um dos últimos equipamentos liberados, e serve exclusivamente pra uma parte, onde tem uma estátua soprando fogo e não da pra passar andando, pulando ou correndo (nem se tiver com imunidade após levar dano, o negócio empurra e da muito dano). Depois dessa parte, ele não serve mais pra nada... além de defender é claro.



Tem um chefe que eu descobri que só da pra vencer com o uso do escudo pra impedir que link voe pra longe, mas depois falo dele.

Espada 1 e 2



A segunda arma de link, é a Espada, útil, forte, e com seu nome. Ao que tudo indica ele estava com ela quando surgiu na ilha, apenas deixou ela pra trás, na praia, e teve de voltar pra buscar. A espada não é a Master Sword, e da pra saber isso não apenas pelo designe bem simples, mas pelo poderio que ela oferece. 



Ela corta mato, monstros e só.



Uma segunda espada é liberada em um local secreto, uma casinha em forma de concha que tem um portão dentro, o qual só se abre quando completamente carregado. 


O portão ressoa perante umas ostras especiais que link encontra pela ilha. 


Quando todas as ostras são encontradas o portão abre e a espada de link se transforma numa mais forte, a numero 2. 


Ela da bem mais dano, e joga energia quando os corações estão completos (algo semelhante ao que a Master Sword costuma fazer, mas ainda assim não é ela). 

Eu fiquei surpreso pela facilidade e praticidade pra encontrar as ostras misteriosas... elas realmente estão escondidas, enterradas, presas, guardadas e até afundadas, mas ao longo do jogo link vai encontrando, quase que instintivamente. É mais fácil encontrar todas as ostras (até o fim do jogo) do que achar todos os fragmentos de coração, e olha que tem poucos pedaços (acho que são só 12).

Arco e Flechas



Essa arma é a única que só pode ser obtida através de compra, e ela custa muito caro, é 900 rupees e mais um cado. 



É obrigatório comprar ela pra poder avançar no jogo, e um dos templos exige essa arma pra derrotar um chefão... é alias a primeira vez que vejo o Arco como uma das armas essenciais, porém oferecido apenas por venda (mentira, no Between World todas as armas são obtidas apenas por compra... mas ai não conta... la é parte do enredo, aqui não). 



Ele tem disparos limitados pelas flechas, algo que pode ser expandido por um diabinho secreto, que aparece 3 vezes no jogo, em 3 locais secretos, oferecendo upgrade máximo pra 3 dos equipamentos de link (pré-estabelecidos).



Apesar de toda essa frescura, essa arma não é a mais poderosa não, nem a mais prática. Alias, eu preferi usar a espada do que o arco, pois ele é meio migue no dano.

Bombas



Sempre tem bombinha em Zelda, mas pela primeira vez vi uma que não machuca link, e tem cronometro.

Link pode jogar bombas, e elas detonam após um curto tempo, como sempre, entretanto se link as levanta, elas param de contabilizar a detonação, e só voltam a ameaçar a explosão após arremessadas novamente.



Link pode ficar nessa, jogando e pegando quantas vezes quiser que ela não explode. Nas mãos de link, a bomba não detona, simples assim. E alias, mesmo quando ela detona, não causa dano em link... isso é muito legal.

Bombas causam dano alto nos inimigos e abrem portas secretas esburacando paredes. Curiosamente, existe uma função que tem em todo Zelda, em que link bate a espada contra a parede e, quando o som é agudo, significa que pode ser explodida.



Eu nunca consegui usar esse recurso, pois sempre achei o som indiferente, mas dessa vez, jogando sem fones  num tablet com áudio baixo, no trabalho (ou seja, meio distraído) consegui aproveitar esse recurso perfeitamente, e até consigo lembrar o exato som que faz ao bater em paredes "ruins".



Tipo... finalmente essa parada funcionou! Alias, esse zelda parece ter a mecânica mais fluída dentre todos... eu amei.



As bombas são limitadas a 20, mas da pra expandir o limite direto pra 60, encontrando o diabinho das 3 aparições.



Bumerangue

Se o arco é difícil de obter por ser comprável, imagina o bumerangue que é trocável. 
  
Ele só pode ser obtido trocando algumas armas por ele (armas que não podem ser compradas depois apenas, armas que podem ser repostas como o Escudo ou Bombas, não interessam para a troca). Ele nem é tão forte... eu acho... não cheguei a usa-lo.

Creio que ele é mais poderoso que o arco, mas não tive coragem de troca-los, pois achei que o arco era mais essencial... mas em pesquisa vi que o bumerangue consegue derrotar alguns inimigos que normalmente são intocáveis, e até lamentei por preservar o arco, visto que ele é útil apenas em uma determinada e curta fase.

Enfim, ele é uma arma de arremesso sem munição, então é prático, e todo Zelda acaba contando com um no inventário... mas existem armas mais fortes.

Cajado de Fogo



Ah, o cajado de fogo, a arma mais poderosa e apelona que já vi num zelda. Ele joga fogo, que causa dano equivalente ao das bombas (não explode, mas queima) e é ilimitado. Sem exigência de energia ou munição, é só apertar o botão que o fogo come solto. 



Ele tem disparos rápidos, equivalente ao arco, mas com dano maior, constante e auto-suficiente. Depois que peguei ele, que é a última arma obtida, eu queimei tudo e todos, foi irado...



Ele é útil também pra derreter gelo, algo que serve de obstáculo apenas na última fase, mas ele queima mato também.


Pó Mágico



Vários zeldas contam com essa coisa, um saquinho de pó que não tem função específica, ele apenas é mágico, e cada vez faz algo diferente. Aqui, ele serve pra acender tochas, o que é útil pra caramba até o final, quando surge o cajado.

A questão e desvantagem dele, é que é limitado, e muito por sinal. Ele só pode ser obtido por um joguinho, que no inicio é meio difícil de sacar (mas eu aprendi o truque, depois compartilho) ou com a troca de um cogumelo com uma bruxa que o fabrica. 



Porém, depois de passar pela fase que exige o uso dele, começa a aparecer pó em tudo quanto é canto, voando, literalmente. Ainda assim o limite máximo (20) não deixa espaço pra estocar muito, e assim não da pra explorar as outras utilidades do pó misterioso, como o efeito que faz em alguns monstros...

Como o monstrinho elétrico verde, que não pode ser tocado (pois eletrocuta na hora) mas se transforma um bicho verde de olhos saltados (mais pra baixo falo dele).



Sei que tem inimigos que morrem pro pó, outros que se transformam ou somem, mas nada que faça dele uma arma incrível. É apenas útil na falta de melhores, e quando elas surgem ele simplesmente fica inútil.

Detalhe, da pra expandir o limite pra 60 com o diabinho das três aparições, e para ele aparecer, é preciso jogar o pozinho e acorda-lo.



Ele expande o inventário como um castigo por fazê-lo acordar... debochando de link, dizendo que agora da pra carregar mais lixo... heh... esse diabinho tem também no A link to the Past e sua participação é quase a mesma...

Gancho



Por fim, em termos de equipamentos que podem ser usados pelo A ou B, tem o Gancho, que é uma arma bastante comum no universo Zelda, e sempre serve pra mesma coisa: Puxar e Ser Puxado.



Link usa pra atravessar obstáculos que não podem ser passados por um simples pulo (nem um pulo com impulso da bota). Da pra puxar alguns itens como rupee e corações, mas de resto, ela só serve pra levar link pros locais com pedras ou vasos pra servir de apoio.

Ele também causa dano, e paralisa os inimigos em que toca, se não os matar de uma vez só. É uma arma de ataque longo, bem útil e melhor que a Espada 1, mas ele só aparece la pro final.

Itens Passivos

Pé de Pato



Pra nadar, link consegue o pé de pato, que fica no inventário fixo dele. Não é um equipamento do tipo que se utiliza em A ou B, e ele se ativa sozinho só pulando na água.


É obtido em uma pré-fase, como um equipamento comum. Normalmente nos Zeldas ele tem alguma ligação com os Zoras, mas dessa vez não, dessa vez é apenas um item de baú mesmo.



Além de nadar e nadar rápido, da pra mergulhar com ele. O mergulho tem duas ações: Apenas se esconder ou encontrar fases submersas. 



O plano secundário, em formato horizontal, é aquele que define um mapa submerso (nesse templo de cima, você tem que descobrir que mergulhando naquele exato ponto, há uma fase submersa... tenso né?!) 



Eu não imaginava que haveria fases do tipo, e até chefes (sim, tem um chefe submerso nesse Zelda). Como eu disse, esse jogo parece ser o que melhor aproveitou os elementos clássicos de seu universo.

Roupa Vermelha/Azul

Num mapa especial pro DX, o Mundo das Cores (é só uma fase bem colorida, de verde, vermelho e azul) há como recompensa as roupas.



A Vermelha causa mais dano, a Azul da maior defesa, mas link pode escolher apenas uma quando conquista a recompensa da fase.



E é só isso. Eu escolhi a azul, pois com tanta arma em mãos, pra que pegar mais dano? Link precisa mais de resistência na minha opinião, esse papel... 

Poção Vermelha



Não há potes nesse Zelda, então não da pra estocar fadas ou itens de cura, mas existe a possibilidade de comprar uma poção vermelha que cura todos os corações, mas funciona automaticamente, apenas quando link perde os corações.



É como uma fada, mas cura tudo e se ativa sozinho apenas. Alias tem fadas também, mas elas não podem ser capturadas, apenas curam a vitalidade ali na hora mesmo.

Só da pra carregar 1 poção por vez, e uma vez gasta, é preciso comprar outra. 


Por sorte, tem um ponto de retorno padrão pra uma certa música de teletransporte... 


E ele é exatamente no mesmo mapa da casa da mina que vende essa poção. 


Lupa Mágica

A lupa permite ver seres invisíveis. Eu juro que não vi utilidade ou necessidade pra ela, pelo menos não que eu tenha notado. As vezes ela se ativou sozinha nos mapas onde era necessária e eu não notei, e o máximo que percebi foi um Zora que tava disfarçado, e se revela por causa da Lupa, rendendo uma fotografia.



Tem uma parte que um espírito fica de encosto em link, mas isso é antes da lupa surgir... então não sei mesmo pra que ela serve, mas tem.






Eu quase me esqueci da pá, que precisa ser comprada por 200 Rupees. 



Ela é carinha, mas essencial pra encontrar as conchas especiais, afinal ela serve pra escavar tudo quanto é canto e revelar segredos.



Ela não serve pra mais nada além de cavar...



Itens das Fases

Chave Pequena



A chave, sempre presente, mesmo que as vezes de forma canônica como no Breath of The Wild, elas abrem portas, e é só pra isso que servem. 

Chave do Pesadelo



A chave do pesadelo é uma chave de chefão. Toda fase tem uma, e todo o desafio consiste em se aventurar e caçar o baú da chavona. Nesse processo todos os outros itens são encontrados, e até as armas, que são sempre ligadas à batalha do chefão.

Chave da Fase



Tem apenas 5 chaves, e são realmente chaves das fases. É preciso obter elas em missões secundárias, sub-templos, ou enigmas, pra poder enfrentar o calabouço real.



Cada chave dessas tem um formato próprio, e elas não são consumidas após utilizadas, permanecendo no inventário como troféus.



Mapa



Tem o mapa mundial, de Koholint (é o nome da ilha) que vai se formando durante a exploração, e tem os mapas dos calabouços. 



O esquema é o mesmo de todo Zelda, e os mapas são de navegação prática mas, tem sempre portas não mapeadas e tal.



Ele é útil pra se direcionar, apesar de em algumas fases ele mais atrapalhar do que ajudar (pois nem sempre é mapeado corretamente, tem uma fase que as passagens são interligadas por portal, ou algo assim, e o mapa não sabe mostradas bem, apontando a entrada e saída onde não existe saída ou entrada).


Cada dungeon tem seu mapinha, que precisa ser localizado pra ficar ativo.

Bússola



Esse item também sempre aparece nos calabouços, e serve pra apontar onde tem baú, onde tem chefe, e onde link ta no mapa. É um item complementar, e graças a ele da pra se localizar no mapa.



A bússola agora tem uma função extra, de apitar quando a sala tem algum segredo pendente, ou tocar uma musiquinha quando já foi tudo pego. Isso ajuda muito, principalmente em fases que tem mistérios exageradamente misteriosos... 

Bico da Coruja



Existem corujas de pedra em todos os templos, e elas dão dicas do que fazer pra avançar, porém, pra ouvi-las, é preciso encontrar o bico de cada fase. Toda fase tem um bico, e algumas corujas de pedra dão dicas importantíssimas, outras só confundem com dicas bem fraquinhas. 



Tem algumas vezes que sem a dica é impossível avançar, tipo na fase em que pra pegar a chave secreta, é preciso matar 3 monstros na ordem correta. A coruja diz a ordem, e até daria pra descobrir na tentativa e erro, se não fosse pelo fato de ser um momento sem razão pra tentativas e erros, exceto pela musiquinha da bússola.

Agora, teve uma parte que eu xinguei a coitada da coruja de pedra, pois ela não ajudou em nada. Foi inclusive o mapa que eu mais demorei pra passar, e é um dos primeiros. Tinha que abrir uma porta jogando um vaso, mas eu nunca vi isso em Zelda... então fiquei feito bobo procurando uma resposta, uma saída pra quele enigma, e a maldita coruja num falava nada com nada. Se ela tivesse dito "Tente abrir a porta com outra coisa" seria útil... mas okay, tiveram vários momentos que me orientei pela coruja então, vale um desconto.

Rupee



Dinheiro, usado pra comprar as coisas tudo (poção, flecha, bomba e o arco mercenário), vem quase sempre na cor azul, mas tem valores diferentes. Vai de 1 a 200 rupees em uma joia só (a de 200 é raríssima, na maioria das vezes as especiais, de baú, são 20 ou 50 rupees). 



Eu precisei acelerar a fábrica de dinheiro pra comprar o arco (link carrega no máximo 999 rupees e eu precisava do arco pra passar a fase, mas ele era quase 999 rupees, ai fica tenso) então busquei alternativas práticas e rápidas pra fazer grana, a melhor que encontrei foi numa máquina de gancho, daquelas de pegar ursinhos sabe. 

A forma dela aqui é uma esteira grande e circular, e o gancho faz movimento de ir pra direita, descer, pegar e voltar pro ponto original, uma esteira pra baixo. Link pode apertar apenas A e B, uma vez, apertando A ela se move pra direita, B ela desce e agarra. Mas, ela é bem lenta, e a esteira vai girando, fica parecendo que tem que ser na sorte ou com o time correto, mas na verdade, tem um macete...



O gancho pode demorar e tal, mas se fazer ele ir pra direita e descer no exato momento em que ele se alinha com o item do outro lado, ele agarra ele. É um processo demorado, mas funciona com 100% de eficácia.



Isso ajuda a pegar grana, e até saquinhos de pó mágico, pois são os prêmios da esteira (30 rupees por joia, e custa 10 rupee pra jogar... e elas aparecem na cor vermelha). Quando a máquina esvazia, é só entrar e sair de novo da casa que ta tudo la de volta pra coletar.



Essa máquina alias é usada no começo do jogo pra fazer uma mamãe e seu bebê felizes, e render um item de sidequest. É preciso pegar um boneco do Yoshi, que fica no centro da esteira. A side-quest desse boneco é longa pra caramba, e só termina no fim do jogo, e ela consiste em levar itens de um lado pro outro, por toda a ilha.




Existem Rupees Verdes, mas apenas na fase das Cores, que só existe no GBC (versão DX). 


Esses Rupees ficam em uma sala secreta...

Coração



O HP de link é formado por corações. Inicialmente são 3, como sempre, e da pra pegar 14 no total, eu peguei apenas 12. Cada chefão aumenta o contador em 1 coração inteiro, mas há os corações fragmentados, escondidos por toda parte.




A cada 4 fragmentos, cria-se um coração inteiro. 



Tem 12 fragmentos no total, que formam 3 corações. O jogo começa com 3 inteiros, tem 8 dos chefes e mais 3 secretos... são 14 no total.


Nozes Mágicas e a Triforce da Força

Pra encerrar, tem dois itens que surgem aleatoriamente quando inimigos são derrotados. Esses itens encantam link temporariamente, deixando ele com um efeito especial, com uma música tocando ao fundo (lembrando a super estrelinha do Mario).

Esses itens são a Noz Mágica, que aumenta a defesa de link de forma gigantesca (ele toma metade dos danos apenas).




E a Triforce da Força, um fragmento da triforce que é nomeado "Poder", e aumenta o ataque de link, e a velocidade de movimento. Golpes com o efeito dela ativo matam os inimigos na hora, e empurram eles pra longe como projéteis. Alias, ela aparece invertida, exatamente como a Triforce de Ganon (da força) no primeiro Zelda, reforçando seu significado.




Esses dois efeito duram enquanto  link tiver os 2 últimos corações intactos, se o contador diminui em 2 corações, o efeito passa.



Também se encerra no caso de link entrar ou sair de algum mapa diferente, seja uma caverna ou apenas outra paisagem.

E com essa tranqueira tudo, link faz sua costumeira jornada pelo desconhecido, dando voltas, passando pelo mesmo local dezenas de vezes, tentando descobrir onde que é a próxima fase e o que tem que fazer.



São só 8 cavernas, e 1 especial e totalmente opcional, mas enquanto algumas são bem óbvias, tem algumas que chegam a ser torturantes de tão complexas e misteriosas que são. Depois que o truque é descoberto, tudo fica mais fácil, mas até isso acontecer haja saco. Sabe a maldita fase da água do OoT? Tem faze pior em DX.

Link tem o suporte de... ninguém. Não há nenhum empecilho aliado a ele que fica dando dicas ou guiando, pelo menos não junto com ele. Mas tem a Coruja, o Velhinho Envergonhado e Zelda... sim, tem 3 pessoas que dão dicas, e Zelda ta presente... pelo menos eu acho que é ela. No guia do jogo tem uma introdução que explica melhor o que acontece com link pra ele ir parar na ilha estranha onde tudo se passa, e algo que é dito é que ele escuta Zelda lhe motivando.

Como no final de cada fase link toca um instrumento, e palavras surgem, fracas, dizendo o que ele precisa fazer em seguida, da-se a entender que inicialmente, é o próprio peixe pedindo pra acordar, mas há momentos em que a voz refere-se ao próprio peixe, em terceira pessoa, então não é ele.



Poderia ser a Coruja, mas seria estranho pois ela faz questão de aparecer perto da fase pra dizer quais são os próximos passos, e ela o faz como se fosse algo inédito. Logo, não era ela também.



E até haveria a possibilidade de ser o carinha do telefone, mas ele só fala por telefones, não por telepatia. Então não é ele.



A única pessoa que poderia se comunicar mentalmente, seria Zelda, e como na intro do manual é dito que ela fala com link, mentalmente, fica tudo mais claro e tecnicamente, o título com o nome da princesa fica esclarecido.

Bora falar melhor dos personagens...

Personagens

link



O mudo tagarela, que veste verde e gosta de cortar grama, surge mais uma vez em uma aventura mística, agora preso em um sonho.



Não tenho o que dizer, além do fato de eu ter nomeado o meu link de link, pois ele é um link, seguindo a ideia clássica da "personificação do jogador". Da-se a entender que este é o mesmo link da aventura de Ocarina of Time, e seguindo minha lógica, essa é a realidade. 



Ele tava no mar, buscando poder, e encontrou... mas como já mencionei, isso não foi muito bom pra ele... o poder que ele achou era o de Ganon, a Triforce da Força.

Marin



Então, essa é a donzela da vez, uma moça que adora cantar, e ensina a música que é usada no final por link, pra acordar o peixe. Ela canta pra animais, e se encaixa no padrão de donzela por ser uma moça constantemente presente no caminho de link.



Ela é confundida no começo, com Zelda, mas ela não parece em nada com ela (minha opinião).



Ela é importante, mas não é importante. É uma personagem que aparece bastante mas, o que importa dela é a música que ela ensina, só. Lembrando que todos os personagens são apenas parte de um sonho... então não da pra considerar muito.




Mas, o esquema dela cantar pra animais é algo bem interessante pra se analisar no futuro, então acho bom registrar. 



Mais pra frente alias eu vou mencionar Marin e até o pai dela (Tarin), mas só pra resumir, ela é importante por sua música e alguns momentos reflectivos... alias, tem um momento engraçado que link pega Marin e a levanta como um item...




Esse habito dele é hilário, e ele faz essa gafe em vários jogos, mas nunca deixa de ser engraçado... 

Velhinho do Telefone



Ulrira, um velhinho que não sei porque eu achava que era uma velha, é um cara que da dicas pra link, por telefone. Eu realmente achava que era a velhinha que fica do lado de fora da casa dele, sei la porque... alias essa velhinha fica varrendo o quintal dele, talvez seja esposa dele, e ela faz parte da grande sidequest... tem que dar uma vassoura que pega de um outro personagem...



Existem cabines telefônicas em forma de árvores por toda a ilha, e esse velhinho que as utiliza. Quando link liga, ele da dicas, e da até pra ir na casa dele, mas ele é tímido e tal.



Então, tecnicamente ele é um dos guias, e as dicas dele são muito boas, e importantes pra continuidade da aventura, agora, o fato dele usar telefone é estranho, pois este é um elemento nunca antes visto no universo Zelda. No máximo, tem o tablet do Breath of The Wild, ou os muitos métodos psicológicos ao longo da série. 



Mas, é tudo um sonho compartilhado com o peixe voador então, as vezes é apenas muita criatividade do peixão.


Coruja




Talvez o único personagem que não seja bem um sonho, além de link e da baleia (o peixe voador é uma baleia), é o sr Coruja, um clássico ser sábio que ajuda link nos diferentes jogos. A Coruja é um simbolo, visto em vários jogos, e ela sempre assume o papel de sábio guia, com conselhos e orientações.



Ela contracena várias vezes, surgindo após os templos ou passagens importantes, e dizendo pra onde link pode ir, servindo de complemento ao que o velho do telefone diz. As vezes ambos dão até a mesma informação... e se contar com a voz misteriosa são 3 seres guiando link pro mesmo lugar.



No final, a Coruja alerta link sobre a verdade, e ela diz que tudo ali vai sumir, ao que parece ela também sumiria. A Coruja, representaria a sabedoria, enquanto Ulrira seria a coragem (ele só toma coragem quando está ao telefone...), ambos dentro de link, dentro da realidade criada pela soma das mentes do Grande Peixe e link.



A voz só poderia ser a força, personificada como a própria triforce, guiando, orientando, estimulando o sucesso de link, para que a realidade forma-se da forma que ela necessitava. Como eu disse, poderia ser a voz de Zelda e tudo indica que seja, mas faz bem mais sentido imaginar que a própria triforce tenha usado a memória e voz de Zelda pra se referir à link... (sempre que o número 3 aparece, soa um alarme na minha cabeça de que a triforce ta agindo).

Ah, no fim o Coruja diz ser parte do espírito do Peixe, que atua como guardião do mundo dos sonhos... isso até lembra a Coruja Estelar do Hora de Aventura...


Galera da Cidade Principal

Moça, seu filho e marido 

Bem, essa é uma habitante comum da ilha, que pede pra link conseguir o bonequinho de yoshi pro filho dela, como estopim para uma grande side-quest.



O marido dela também inicia uma missão, quando vai perambular pelas montanhas e acaba cansado e imobilizado, daí link precisa dar comida pra ele, o que se não me engano faz parte dessa mesma grande side-quest.



Molecada dos Tutoriais

Por toda a cidade (é um pequeno vilarejo só) tem crianças brincando. Todas elas falam a mesma coisa, repetindo dicas sobre o jogo. Elas falam frases diferentes a cada vez que link as aborda, mas não demora muito pra repetirem as mesmas dicas.

As únicas crianças que mudam as falas são as que tão brincando perto de uma das saídas da cidade. Elas servem pra dizer pra link quando uma das habitantes ta passando por problemas e precisa de ajuda.



Tirando isso, essas crianças só tão la pra servir de tutorial mesmo, mas no final elas chegam a mencionar que não se lembram desde quando moram na ilha, pra reforçar que a galera la não sabe que é apenas um sonho (tirando a coruja).

Alias, quase me esqueci de dizer algo que essas crianças ensinam, e é bem importante: O ponto de retorno para link em caso de game-over é a última casa em que ele esteve. Na verdade, ele volta pra última porta pela qual passou, exceto em templos (nesse caso ele volta direto no templo).


Moça dos Chomps Domésticos

A moça que entra em perigo é essa, que tem vários chomps de estimação.



Chomp é uma criatura do universo Mario que as vezes faz uma palinha no Zelda. Eles são Bolas com Olhos e Dentes Serrados, com Correntes como corpo. Essa moça cuida de alguns (tem três) e o maior, é sequestrado por uns inimigos de link...



Daí link precisa resgatar pra ganhar o direito de passear com ele, e abrir caminho pra uma dungeon... é bem legal. Mas depois que termina a dungeon ele não é liberado pra passeio de novo...



Mas, da pra tirar foto com ele...



E é bem engraçada pois ele tenta morder link na hora do flash...


Cara da Carta

Esse cara recebe 1 carta pra uma moradora de outra cidade, e link que banca o carteiro. Ele só importa por causa disso.



Ele faz parte da grande side-quest... que sinceramente eu sei que é grande, eu terminei, mas não lembro a recompensa. Talvez até o fim do post eu me recorde...


Pescador

Tem dois pescadores na verdade, um na cidade e um embaixo de uma ponte. 




O da cidade serve pra um joguinho de pescaria bem simples... que premia com um Fragmento de Coração e Rupee... 



O da ponte faz parte da grande sidequest... ele encontra uma coisa que a sereia perdeu... ah ta lembrei qual é a recompensa... falo daqui a pouco... e sim, tem sereia...



Vendedores


Tem.


São só dois sem contar a menina das poções, mas vendem coisas bobas, tirando o Arco la... e a Pá... e as Bombas... sem grande importância.

Cara do Topete e Folhas


Tem um cara estranho que pede pra link achar umas folhas que ele perdeu, pra poder continuar a aventura... é por causa dessa parte que eu explorei todo o jogo a fundo, e fiquei revoltado pela porta que abre com vasadas...



Da pra passar pela sala que ela leva, mas por uma plataforma então não da pra explorar. Daí tem um soldado dentro, que ataca de longe com a bola espinhuda, e até da pra matar ele, com bombas, e ele solta uma das penas que o topete pede... mas não da pra pegar, não da plataforma, então é preciso passar pela porta supostamente trancada... e pra isso só tem que jogar a porcaria de um vaso...


Demorei pra sacar isso, e andei por toda a ilha, achando que tinha que conseguir o gancho ou o bumerangue, algo que puxasse a pena... mas não, tinha nada não... era só o vaso na porta... e olha que essa tática não funciona em toda parte, só nessa fase e em um templo perto do fim, mas tipo, é muito raro uma porta abrir assim... eu tentei abrir todas as que achei, e não funcionou com a maioria.



Entregando todas as penas pro topete, ele abre o jardim da casa dele pra link escavar o quanto quiser, e tipo, encontra a Chave pro próximo templo.

Galera da Cidade Animal

Existe a cidade animal, que é o oposto ao vilarejo, mas sem equivalências absolutas... não é do tipo "Cada humano tem seu animal inverso respectivo", não, é apenas uma cidade em que a população é praticamente composta por animais falantes, enquanto a outra cidade é cheia de pessoas, mas também tem animais (cachorro e cuccos) que não falam. Lembrando, bater em cuccos não faz bem...


Jacaré das Bananas

Ele faz parte dos habitantes da cidade, por ser um animal falante, mas sua casa fica fora das cidades. Ele troca um cacho de bananas por uma comida que link pega, adivinha?




Na grande sidequest. Alias tudo faz parte dessa grande sidequest...

Jacaré Artista

Sem relação mencionada, além da raça, esse jacaré é um pintor de um quadro abstrato que eu não soube interpretar. 



Ele também é responsável por uma escultura de sereia, que precisava de uma escama de sereia pro retoque final. 

Link precisa fazer isso pra avançar na grande sidequest.

Alias, esse quadro parece algo na sua opinião?:



Vaca da Carta

Nesse caso, ela funciona como oposta ao cara da carta. É dela que link precisa levar a correspondência pro cara.



Ela responde ao escritor (após receber flores), amorosa e calorosamente, mandando uma foto falsa de si pra ele, a foto, é da Princesa Peach... do universo Mario... tem que levar uma flor pra ela responder link, é uma pequena enrolação que faz parte da grande Sidequest.




Guaxinim Travesso

Tem um guaxinim que muda as passagens da Floresta Mística, fazendo com que link se perca ao tentar atravessar... ele não é bem da cidade mas, por ser um animal, parece que é... mas...




Ele faz isso só de sacanagem, mas com o Pó Magico ele acaba se incomodando com o cheio e abre caminho. 


Além disso, ele se transforma no Tarin (Tarin é o pai da Marin... eu nem citei ele pois não é tão importante... apesar de se parecer pacas com o Mario)... é como se ele fosse das duas cidades rs...



Macacos

Outro animal que surge, fala, mas não ta na cidade, é o macaco, ou melhor, os macacos. Tem um que fica jogando pedras de uma árvore mas eu não consegui descobrir sua finalidade, até cheguei a derrubar da árvore mas ele só foge.



Mas, tem outros que montam uma ponte pra link avançar, em troca de uma banana (obtida pelo jacaré das bananas). Em troca eles deixam uma vara, e tudo isso faz parte da Grande Side-Quest, mas também é algo importante pra jornada, pois sem ponte, não daria pra avançar.



Alguns elementos da Grande Side-Quest funcionam como parte da aventura, outros como parte da side-quest mesmo...



Morsa Sonolenta

Esse é um animal que bloqueia a passagem pro resto do mapa e link precisa tirar da frente. 



Pra isso, link pede ajuda de Marin, e rola até uma cena muito bonita de ambos admirando a paisagem do mar, e Marin desejando conhecer o que há além dele, se inspirando justamente na presença de link, pois ele veio de fora...



É meio triste isso né? Afinal ela não existe de verdade... acho que isso serviria até de preparo psicológico pra quando as 3 realidades da Triforce se fundissem e duas delas deixassem de existir... mas os caras criaram a história do Breath of The Wild que fez as 3 realidades se convergirem ao invés disso então... ta tudo certo.



Enfim, a Morsa só sai quando Marin canta pra ela (e não pode ser a música apenas, tem que ser a própria moça) e ai, ela abre caminho.


Depois disso, Marin fica na cidade dos animais fazendo a alegria de todos...

Urso Cozinheiro


Tem um urso na vila dos bichos, que da uma comida pra link, que ele pode levar la pro cara da família (aquela do boneco Yoshi) que ta na montanha. Esse processo faz parte da questona, e ele da a comida em troca de Mel, que link obtém em troca do Graveto dos Macacos...



Tipo, aquele cara que parece o Mario pega emprestado o graveto pra cutucar uma colmeia de abelhas, fugindo delas e deixando a colmeia lotada de mel pra trás.



Tem muito disso ao longo da aventura, e até que Tarin aparece bastante (mas sinceramente, eu não notei na primeira jogatina). Dificil falar de todos os carinhas dessa grande quest só de memória, eu to recordando agora (to separando as imagens)... alias, tem algo que não falei, durante todas as trocas aparecem as imagens dos itens, as vezes mostra o nome também, as vezes não, mas a foto ta sempre ali no chat da troca.

Ratinho Fotografo

Ele é o responsável pelas fotos legais do DX, mas sua casa nem fica na vila. 



Eu não entendi como as fotos são geradas, são eventos bem específicos, mas eu peguei algumas. 



Ele vai quando quer, e tirando os desenhos legais, não há razões pra tentar entendê-lo... todo mundo vai sumir mesmo, inclusive as fotos.

Peixe Cantor 
(Filho do Peixe Sol)

Como mencionei anteriormente, tem 3 músicas aprendidas com a Ocarina, uma delas é da Marin, outra é do Peixe cantor, encontrado em uma caverna sub-aquática. 



É algo interessante, interagir com os npcs embaixo d'água, em zeldas no modelo tradicional, mas ocorre várias vezes e bem, o show dos peixes é bem legal, eles dançam Mambo, que é inclusive o nome desse peixão.



A música que ele e suas bailarinas ensinam faz teletransportar pra moça das poções, e dentro de dungeons, faz voltar pra entrada.



Sapo Cantor

A última música é do Sapo, que cobra uma fortuna (300 rupees) pra tocar e ensinar uma música muito, mas muito bagunçada. Eu não entendi nada dela, ela é sem ritmo e bem incômoda, com apitos e coaxes descontrolados.



Pra chegar nele também não é fácil, tem que passar por um mapa cheio de placas que direcionam a forma correta de andar pelo tal mapa.



É um vai e volta, sempre em direção de uma plaquinha à outra, e no final a toca do sapo surge, e ele ensina a música...



Essa música é importantíssima, pois ressuscita os mortos, ou melhor, O Morto. 


Só tem um ser que reage a ela, e esse ser é essencial pra conclusão da aventura... já falo dele daqui a pouco... alias... esse cara não é o chefe do Mario Bros 2???



Sim, é ele mesmo, se chama Wart.

Seres Sobrenaturais

Então, Zelda não é a história ou universo mais natural do mundo porém, há limites na mitologia Zelda. Além desses limites, existe criaturas que não são comuns, algumas tratadas como divindades e outras, completamente inexistentes. Porém, aqui é um sonho então vale tudo, logo, falarei dessas criaturas místicas...

Fada da Fonte

Fadas e fadinhas já são história velha, sempre tem, sempre fazem algo. Aqui, elas só curam... apenas isso. Sem upgrades, sem conselhos, sem quests... apenas cura. Tem as grandes, que aparecem em fontes espalhadas pela ilha, e as pequenas, que hora ou outra aparecem de algum monstro abatido ou arbusto cortado.



Alias, na fase das cores, que é especial pra versão de GBC, quem premia o jogador com a roupa à sua escolha é uma Fada... mas é só isso.

Sereia

Essa é uma criatura que NÃO EXISTE no universo Zelda. No lugar de sereias, existem os Zoras, que são uma raça natural e bem comum.



Sereia, metade humana, metade peixe, é uma criatura que só apareceu aqui, no DX. 



Ela faz parte da grande sidequest, e link recupera um item que ela perdeu no mar, ao pedir ajuda do pescador, que pede um anzol, que pede um... enfim, é um pede que pede que no final, abre a estátua da sereia, que guarda algo... e sabe  que é???



A Lupa, que eu não faço ideia do que influencia na história. 


Pois é, a grande sidequest é pra pegar esse item deveras inútil.

Alma Penada

Então, sabe fantasmas? Eles são chamados de "Poes" no universo Zelda. Existe Espíritos, que são seres de energia astral, normalmente nascidos da morte de alguém, mas, agora surge a Alma Penada, que é um encosto, sem tirar nem por, que perturba link do nada.



Link precisa fazer os desejos dele ou ele não o deixa em paz. No final ele ganha uma força com o que o fantasma libera, mas é só pra passar esse trecho. Porém... até que é legal.



Do nada o fantasminha chega atormentando e num desgruda com nada, nem se teletransportar pela música... ele realmente é uma assombração.



No final ele agradece e descansa em paz.



Alias, também rola foto com ele, ao lado de sua lápide.


Cucco Azul


Já tiveram cuccos azuis, amarelos, até gigantes, mas... nunca houve um como esse: Ele é um Cucco Zumbi.



O túmulo da ave divina é demarcado pela lápide em forma de pássaro dos ventos, aquela mesma estátua de pássaro do A link to the Past (e que tem também no Between Worlds)...



Mas, enquanto no The Past a estátua era um pato, que saia dela e fazia link teleportar pros canto tudo, aqui ele é apenas uma lápide, que após movida com a força do Bracelete 2, dá acesso ao túmulo com os ossos de um cucco. 



Link toca a música do sapo e ai, o Cucco ressuscita, e é um Cucco Azul, que acompanha link pelo turno que se segue, uma viagem pela montanha sobrevoando penhascos e tal.



Sim, o Cucco pode ser agarrado quando link bem entender, e ele voa, sem limites (na real ele é limitado ao cenário, não mudando de mapa se estiver voando... mas ele fica suspenso quanto tempo link desejar).



Depois que a fase em que ele é necessário encerra e o templo abre, ele some.

Inimigos

Então, essa é uma parte complicada pois, existem duas listas de inimigos, separados pelo universo ao qual pertencem. Como tudo é sonhado, não há inimigos novos do universo Zelda, exceto no caso dos Chefes (chamados de "Pesadelos"), que além de variados são bem originais.

Inimigos do universo Mario

Tem alguns desses inimigos que são tirados diretamente do universo Mario, outros são apenas inspirados (eu não recordo deles em Zelda, e eles tem um semblante "Mario"). Boa parte deles são encontrados no mundo subterrâneo, mas tem também no mundo normal mesmo. O "mundo subterrâneo" existe nos zeldas clássicos (na realidade, todo Zelda conta com uma versão subterrânea do mapa, mas nos clássicos era algo mais... diferente), onde o jogo mantém os gráficos, mas ao invés de dar a impressão de um mapa visto de cima, tudo fica em formato horizontal, como jogos de aventura lateral mesmo. Os movimentos e efeitos do personagem não mudam, mas o cenário sim.



Bem, bora falar dos inimigos do tio Mario...

Bow Wow (Chomp)




Heh, eu achava que ele era inimigo no inicio, por isso sempre que passava na casa que ele fica protegendo, eu corria pra ele não me causar dano. Mas mesmo ele atacando, é inofensivo, pois os Bow Wow são a versão domesticada dos Chomp.



Ele é originário do Mario, e apesar de ter em vários jogos do bigodudo, pra mim ele é mais memorável de Mario RPG, pela cena em que Bowser cura um e usa como arma. 



Aqui, ele não é vilão, é como um cachorro que link precisa levar pra passear, pra abrir uma passagem pra uma das primeiras dungeons.



Depois que a dungeon é finalizada, link devolve ele pra dona, mas no tempo que ele anda junto, é muito útil, devorando inimigos com uma bocada só (ele não entra na caverna com link, seria apelativo).

Goomba



O primeiro e mais notável inimigo que surge é o Goomba, que na boa, não da pra confundir, é de Mario. 


O bichinho marrom que morre quando esmagado é característico do universo Mario, e alias, essa morte por pulo na cabeça é também visto em Zelda, justamente o personagem que não pulava, que aqui aprende a pular, ao que parece só pra esmagar esse carinha.



Ele é visto em tudo quanto é Mario e é um inimigo padrão (as vezes até aliado... Paper Mario por exemplo).



Boo




Em Zelda também existem fantasmas, mas eles são diferentes do clássico Boo. Esse tipo de fantasma, costuma se esconder quando se olha pra ele, e só ataca pelas costas. Ele não pode ser morto no universo Mario, mas pode ser derrotado em Zelda, só batendo nele (aqui, ele simplesmente se afasta quando leva dano).



Boos são bastante vistos em Super Mario World, onde existem fases inteiras ambientadas só pra eles, e tem até chefão...

 

Blooper


Encontrado na água, essa lulinha é bem comum no universo Mario, mas ela é mais memorável nos jogos e corrida (Mario Kart), onde joga tinta nos corredores para prejudicar suas visões.


Ela também aparece no Mario RPG, e eu me lembro bem dela por causa da trilhinha de lulinhas que ela faz quando se move.


Aqui, ela só fica nadando mesmo.


Peixes




Os peixinhos... te juro que não me lembro do azul ou do verde em Mario, mas lembro muito menos deles em Zelda. Sendo ou não personagens originais Zeldas, eu prefiro colocar os três no mesmo cardume. 


Detalhe, o olhudo (Cheep Cheep) é memorável, e me recordo bem dele em Super Mario World (e olha a foto, tem azul e verde também... eles não tem nada a ver com os peixes do Zelda mas, tão ali ó!)... 


Mas ele é tipo um Goomba dos mares, pois todo mario tem ele.


O peixe verde é o único que aparece nos mapas normais, e ele sai de água rasa, por onde link pode andar normalmente... é estranho...


O Peixe azul na verdade é uma miniatura de um dos chefões, que aparece na luta contra ele, um peixe gigante... é legal...


Bob-omb


Pode não parecer tanto, mas o conceito é o mesmo, essas bombinhas são do universo Mario, e também são bem comuns. Apesar e terem muito em Mario World e 64, eu me lembro mais delas do RPG.


Em Zelda, eles são inimigos suicidas que explodem mas tiram muitos corações junto, e eles costumam correr na direção de link antes de detonar. 


A verde tem um funcionamento um pouco mais lento, mas o conceito é o mesmo.


Thwomp


Apesar de não parecerem todos a mesma criatura, são variações de um ser de pedra muito comum no universo Mario, o Thwomp. 


Ele varia sua aparência, inclusive nos diferentes jogos de Mario, tipo, no Super Mario World ele é quadradão, sem membros, já no 64 ele tem perninhas e bracinhos. 


Alias o engraçado é que no próprio Mario 64 esses blocos aparecem de várias formas... na mesma fase... em sequência!


Até plataformas com olhinhos tem!


Então tipo, ele não é nada uniforme, o que é bem exemplificado aqui.


O que é comum e independente de sua forma, é o fato dele ser rochoso, e também só atacar quando se aproximam. 


Em Zelda eles surgem todos no mundo subterrâneo, e servem de obstáculos ou plataformas, não podendo ser derrotados.

Piranha Plant



Criatura comum em Mario, também uma das principais, essa planta carnívora que sai de canos adora devorar ex-encanadores, mas ela é meio tímida, e só sai quando não tem ninguém em cima do cano. 



Essa característica vale pro Zelda também, e ela não sai dos canos quando link ta em cima... e sim, no mundo subterrâneo tem canos, mas não da pra entrar como no Mario, eu tentei.



Urchin



Esse foi meio estranho de detectar. Inicialmente não me dei conta que era uma criatura de Mario, mas depois fui prestando atenção e ele me lembrava algo. Em Zelda tem uma criatura espinhenta chamada Spike, mas ela não é nada parecida com essa (não tem olhos, e é prateada)...


Mas em Mario, o Urchin aparece, só um tiquinho acima do peso. Ele é uma criatura bastante encontrada em Super Mario World, em alguns mapas aquáticos...


Em Zelda, ele aparece encalhado em praias, e pode ser movido pelo escudo (ou morto pelas armas). Em Mario ele é bem chato de derrotar, só caindo pra blocos... e é ai que link tem a vantagem, pois ele usa armas.

Pokey


Bolas com espinhos em forma de torre, isso é muito comum em Mario, eu lembro de devorar partes dele até ele sumir totalmente, usando o Yoshi, mas tipo, eu achava que fazia mal pro dinossauro então evitava...



Aqui ele é bem mais fácil de derrotar, como dito anteriormente, Armas.


Shy Guy


Aqui ele é chamado de "Mimic Mask" mas na real, o nome desse carinha é Shy Guy, vindo direto do Doki Doki Pan... digo... Mario Bros 2.



Eu lembro bem mais dele pelo Mario RPG, mas sua origem é o game do bigodudo pirateado legalmente... rs... 



Enfim, ele aparece aqui fazendo o mesmo que o Mimic (imitando... sinto cheio de plagio kkk, alias falo dele depois), imitando os movimentos de link (olha mais plagio), e só levando dano do Spin Atack (Girar a Espada) ou golpes poderosos como flechadas.


Spark


Eu chamava essa criatura de foguinho e me recordo dela, principalmente no Super Mario World, girando em torno de umas plataformas na fase final.


Aqui, ele é enorme, e aparece no subterrâneo indo de um lado pro outro da tela, como uma bola ricocheteando. 


Detalhe que, na franquia Zelda há uma criatura com as mesmas propriedades da forma original do foguinho, que gira em torno de paredes, sempre junto a elas, sem a capacidade de se deslocar (depois falo dela).


Star



Esse eu vou confessar que fiquei na dúvida. Eu não me recordo de nenhum inimigo em forma de estrela ou parecido com essa criatura, em nenhum Zelda, porém tem muitas estrelas vivas em Mario, como por exemplo no Mario Paper, ou Galaxy, ou RPG...




Por essa razão acredito que seja um ser inspirado no universo Mario, posto nesse Zelda, mas descontinuado nos seguintes.




Tudo que ele faz é andar pelo mapa na diagonal enquanto gira em torno de si mesmo.



Foguinho

Aqueles foguinhos malvados que saem da lava nos jogos do Mario também aparecem como inimigos aqui.


É na fase final (e o próprio chefe se inspira nelas) e são inimigos que funcionam apenas como obstáculo, e apenas no subterrâneo do último templo.



Kirby



Esse ser não é do universo Mario, mas já participou de crossovers como o Super Smash Bros, surgindo ao lado tanto de Mario quanto link e Zelda. Aqui, ele aparece em uma referência inquestionável.




Ele usa como ataque, sucção, e engole link pra causar dano. Ele tem essa aparência fofinha mas é um inimigo, e link precisa derrota-lo pra prosseguir em sua aventura.




Kirby é um personagem de franquia própria, e esta sempre ligado a Sonhos, protagonizando jogos como Dream Course (meu favorito), ou sei la, Dream Collection (eu não sou muito fan de Kirby, exceto na hora de jogar Smash Bros, ele é o melhor o/)




Eu acredito que ele está aqui justamente pra deixar clara a razão pra essas criaturas de outros universos aparecerem: Sonhos. Creio que eles foram representados por serem pertencentes ao mundo dos sonhos. Eu até pensei em sugerir que o Mario Bros 2 foi uma das inspirações principais (afinal, nele Mario também encara um sonho, acordando no fim) mas, tem inimigos de outros jogos que não aparecem em Mario Bros 2, então, pode até ser isso, mas prefiro não dizer (mas disse de qualquer forma kkk).


Inimigos do Universo Zelda

Agora vem os inimigos de Zelda. Nesse caso, eu não preciso ser tão detalhista pois muitos deles são repetidos, mas, bora la, tem uns bem originais, que nunca mais aparecem, mas são originais.


Octorocs




Eles jogam sementes, são inimigos comuns em Zelda, mas o voador é novidade.



Ele não faz nada além de voar e jogar sementes contra link.



Keezes
(Normal, Big e Blazing Bat)




"Keeze" é como os morcegos são chamados em Zelda, mas em pesquisa vi que o bichinho gordinho é conhecido como "Big Keeze", sendo que ele é mais um passarinho, principalmente pela forma que ele aparece, ao lado de um dos chefões, que é guardião de aves.


O de fogo, não é bem um Keeze mas sim o ataque do chefão final, alternando entre a cor verde e vermelha (simulando um efeito de tocha). 


Tem também outro com rosto de caveira, que é o que resta de um demônio, um monstro que se divide quando derrotado e foge. Ele vira dois morcegos mas eles fogem (até podem ser destruídos, mas eles atacam uma vez e fogem).


Keeze mesmo é só o pretinho, que costuma se esconder nas sombras e só da pra ver os olhinhos.


Soldados do Mal



Tem uma parte no jogo em que um castelo é explorado, mas não chega a ser uma fase... é apenas uma mini dungeon, que link precisa enfrentar pra pegar itens e ir na fase de verdade. (Essa é a fase em que o Topetudo pede as penas pra link). 


Soldados do mal são comuns em Zelda, mas aqui só aparecem nessa parte, e o mais forte (com a bola de espinhos) é quase um sub-chefe, mas é fácil de mais então não considero. Mas, eu lutei contra ele bastante, pois ele é o infeliz atrás da porta que só abre com vasos jogados... que ódio dele.



Geleias Vivas
Blob e Zol









Não me lembro de ter visto essas duas criaturas lado a lado em outro jogo, tanto que eu jurava que era uma a evolução da outra.


O chamado "Blob" é caraterizado por sua forma um pouco mais articulada, e também pela influência elemental. 


O Zol por outro lado é apenas geleia pura com olhinhos (as vezes) e chega a se multiplicar por osmose quando atacado.



Eu realmente achava que com o tempo, um Zol se tornava um Blob quando ficava mais velho... ainda acho isso, afinal sou adepto da teoria da evolução zeldaniana, e tecnicamente, esse crossover de seres de tempos diferentes não é real, pois é tudo um sonho.



Moblins



Tem dois tipos de Moblins, vistos em algumas partes da ilha, mas principalmente na base do rei Moblin, um mini-chefe pré-fase. 


Tem vários chefes assim (contei 12 tipos diferentes) e as vezes, antes de uma fase real, uma dungeon, um templo (chame como quiser) tem alguma caverna menor, um desafio menor, com direito até chefinhos.


Mortos Vivos
Zombie, Stalfos Green & Yellow, Shrouded Stalfos, Sword Stalfos e Gibdo




Os mortos voltando como inimigos é mais um padrão zelda, e eles tem substantivos próprios tipo as caveiras, que são Stalfos, as múmias que são Gibdos (e um Gibdo queimado vira um Stalfo) e tem também essa coisa vermelha chamada Zombie, mas que eu custei pra entender... 




Os Stalfos pulam quando atacados, e jogam ossos como bumerangues... 


Os Stalfos encapuzados são apenas uma versão mais estilosa que se porta como soldados... eles tem cara de feiticeiros mortais mas, na real, são só soldadinhos de ossos...




O zumbi seria essa coisa vermelha bizarra, que sai do chão em pontos aleatórios e nunca morre (mesmo morto, ele volta pois já é zumbi).



Aparentemente, aquela coisa branca é pra ser o olho... essa coisa é muito tosca, o lado bom é que não tem muito deles, todos eles... 


Estátuas Vivas
Beamos e Armos



Basicamente, se é de pedra e é escupido, é uma estátua... e se se movimenta, é vivo. Nesse caso tem dois que se enquadram da mesma forma, um sendo destruível, outro não.

 

O olho gira e atira lasers quando vê link, mas pela primeira vez não da pra mata-lo. Esqueça flechas, esqueça bombas... ele não morre... até aqueles bichões do BoTW são mais fracos que ele...


O outro, que parece um cavaleiro, só se move se atacado, mas ele morre pra flechas, bombas e fogo... e até espadadas se for forte. 


O olhudo aparece em templos apenas, alguns, e o que anda aparece na frente de um templo secundário, pra pegar uma arma pra seguir jogando.

Animais
Crow, Polsvoice, Pairodd, Rope, Spiny Beattle, Raven



Se parece animal, é animal. Eles tem nomes próprios, alguns, mas no geral só são inimigos bichinhos.


As aves voam, e atacam quando atacadas.


O Crow e o Raven são as aves que voam (e a única diferença entre eles é que o Raven fica nas montanhas e o Crow no cemitério e perto do castelo), mas o Pairodd, que parece ter um bico por isso parece uma ave, não voa... ele teletransporta.


É um inimigo bem interessante, pois ele some quando se aproxima e ataca por trás, mas ele reaparece em locais fixos então, não é tão difícil, inclusive se tiver um ataque longo. Ele ataca alias, antes de sumir, jogando energia...

O orelhudo morre pra bombadas, espadadas e afins... e acho que pra barulho também... tinha um jogo que ele morria pra sons, acho que é o primeiro mesmo... enfim... ele parece um coelho então pra mim, é bichinho.


A cobra azul é uma cobra... nada mais a declarar. Alias ela aparece pouquíssimo...


E por fim tem esse bicho que eu não sei a raça, mas é um bicho... e fica escondido embaixo das coisas, mato, rochas e até caveiras. 


Ele até morre, mas é tão chato de acertar... Ele é rápido e se move na direção de link, e só leva dano se a parte de cima for removida. Por sorte tem poucos.


Amorfos Terrestres
Hardhat, Iron Mask, Leever e Spiked



Essas criaturas seriam aquelas que não se parecem com animais... se bem que o Spiked lembra um porco espinho... de longe... mas lembra. 


Ele e o Hardhat quando são acertados com o escudo, viram de costas e levam dano...


O Leever aparece da areia e fica mudando de lugar... lembra os zumbis, mas ele morre se for destruído.


O Iron Mask é invulnerável enquanto tiver a máscara, a menos que seja atacado por trás. Felizmente ele é meio burrinho e não vai na direção de link, preferindo zonzar por ai. Pra tirar a máscara dele é só usar o gancho, algo que ocorre em outros Zeldas com criaturas parecidas com ele.


Flores
Gopongas e Peahat




Plantas como inimigas são comuns, a carnívora mesmo é uma constantemente presente em Zelda, mas a que aparece aqui não é ela. Na verdade são plantas originais, tirando a Peahat que é uma voadora vista em vários jogos.


As Gopongas, grande e pequena, são quase indestrutíveis, caindo só pro Bow Wow ou, para o Cajado de Fogo. Elas bloqueiam passagens, a pequena em quantidade, a grande em tamanho, e a grande ainda atira energia periodicamente.


É preciso passar por um grupo delas pra acessar um templo.


Ghini 
(Quase Poes)



Ghinis são fantasmas de um olho e linguarudos... eles não são Poes por não carregarem lanternas (característica sempre presente nessa espécie) mas, pra mim fantasma em zelda, é poe e ponto final...


Mas nesse caso não é... eles são criaturas fantasmagóricas que surgem em lápides quando encostadas (o que sugere que eles só surgem quando incomodados). O grandão é tipo um mini chefe mas, eu nem lembro onde enfrentei ele (de tão fácil e rápido que foi).

Pincer e Moldorm



Coloco ambos juntos por serem criaturas formadas por um corpo de bolas e cabeça. Se fosse no nosso mundo animal, seriam criaturas da mesma espécie, porém de raças diferentes, catalogados lado a lado como insetos do tinhoso. O Pincer sai de buracos e ataca link na mordiscada...


O Moldorm é conhecido velho já, essa versão miniatura é monstro comum, mas tem a versão chefão. Curiosamente, o Pincer também tem sua forma "chefão", ou quase...


Tektite



Aquele menorzinho não é chamado de Tektite, mas na boa, ele é, só olhar pra ele, parece até uma cadeia evolutiva. O pequeno sai de buracos, e é raro...


O verde fica patinando na água, e surge em templos...


O vermelho fica pulando, e aparece na região das montanhas... todos eles já são criaturas antigas de Zelda. 


Wizzrobe



Esse é aquele maguinho que aparece, da um tiro e some. Ele fica nessa até ser atordoado e morto.


Não tem muitos dele não, mas geralmente aparecem vários juntos...


Like Like



Essa criatura come link se ele chegar perto, mas nesse Zelda ele não tira nada... nos outros ele arrancava itens, roupas e até grana... aqui ele só paralisa link por um tempinho, e outros monstros podem causar dano... mas ele mesmo não faz muito.


Monstros do Cenário

 

Certo, essa são aquelas criaturas que se beneficiam do cenário pra atacar. o que parece um sol drogado fica preso em paredes, e anda grudado nelas.


O que parece uma estrela com uma caveira, é a versão de poucos bites de uma caveira pegando fogo... eu demorei pra perceber e entender isso... e pra mim era uma bola de energia do inferno.


O azulejo é só isso, um azulejo, que gira, voa e se joga em link, em ataques kamikases. Tem uma versão dele chefe agora... depois falo dele...


Vire



Esse é o monstro que vira morcegos de fogo quando atacado.


Ele é meio fortinho, sai da fase pra se proteger e volta por outros lados. Ele literalmente sai da fase... e quando derrotado ele se divide e foge, dando um golpe final.

É dificil... mas aparece só na última fase.

Color Monsters
CamoGoblin, Karakoro e Bone Putter






Os monstros da fase das cores são especiais e só aparecem nessa fase, com puzzles e características próprias cada um. Tem dois stalfos com camisetas coloridas na entrada, mas eles não são monstros, pois não atacam. Eles apenas respondem ao pó mágico pra abrir caminho, o que é um dos pré-requisitos pra fase das cores.


Os CamoGoblins são monstros de tinta que saem do chão pra atacar...


Os Karakoro são criaturas coloridas que viram bolas quando atacadas. Servem pra acionar dispositivos de cor equivalente.


O Bone Putter seria uma  caveira, que eu até incluiria na sessão mortos vivos, porém ele só aparece nessa fase, voa, e quando atacado cai pra continuar lutando, sem suas asas. Ele não chega a ser considerado um Stalfo, mas por ser uma criatura ossuda, é da mesma espécie.


Zirro


Parece um cogumelo com asas que atira bomba, eu quase achei que era do universo Mario, mas ele aparece em outros jogos como o The Past. 


Tem alguns pelo mapa aberto, e é chato pra se acertar, mas... não é impossível de derrotar.

Mimic


Essa criatura aparece no sonho de link, dentro do sonho do peixe (pois é, pelo menos que eu lembro) e equivale ao cara da máscara que imita link e veio do mundo Mario (Shy Guy). 


Nesse caso, essa é uma criatura do mundo Zelda, e já apareceu em outros jogos, mas tem a mesma funbção dos caras da máscara. Eles aparecem em uma outra caverna também, mas são bem raros.


Card


Essa é uma criatura nova, que fica mudando o nipe na barriga.




Sempre tem 3, que quando atacados travam o desenho da barriga, pra se passar dos enigmas deles, é preciso fazer todos ficarem com a mesma imagem, ai eles morrem e geralmente, um baú surge.

Zora




Por fim, tem um ou outro Zora (eu só vi 2) que aparecem em águas rasas. Estranho né? Pois é... e olha que um deles é pacífico, e até tira uma foto com link...



Só link pode vê-lo... é realmente bem estranho. Zoras são criaturas aquáticas comuns tanto como inimigas, quanto como aliadas, depende apenas do jogo.



Nesse caso, a espécie (com aspecto da raça primitiva) se enquadra em ambas as categorias, igualmente... doidera né?



Mini-Chefes

Rolling Bonnes




O primeiro miniboss visto é um na primeira fase, que protege o ponto central. Esses pontos centrais são comuns em Zelda, e sempre tem algum mini-chefe guardando.



Quando ele é destruído, libera um portal que da acesso do inicio da tela para o centro dela, o que poupa bastante viagem.



Esse cara fica empurrando rolos com espinhos pela fase inteira, e pra derrotar só é preciso pular pelos rolos e bater nele. Ele não se defende nem nada.



Ele reaparece na fase 8, como um dos muitos mini-chefes dela. 



Pois é, conforme as fases vão avançando, o número de miniboss aumenta, mas só há 1 portal por fase, então sempre tem aquele que é original da fase pra proteger esse local.

Rei Moblin



Esse chefe surge em uma fase visitada antes da segunda fase. Ele quem sequestra o Chomp que link precisa resgatar.



O esconderijo dele, formado por um mapa simples de 4 cômodos, tem vários moblins guardando e ele como chefinho...



Ele usa lanças e investidas, mas no final ele não é nada difícil.

Hinox



Ele é um inimigo que as vezes parece monstro normal, as vezes chefão, mas sempre é só um ciclope fortinho.



Aqui ele aparece 3 vezes, a primeira na cor laranja na segunda fase, como mini-chefe de portal...



Depois na cor vermelha, na fase 7, mas ai como um de vários chefinhos...



E por fim na cor azul, na fase 8, também pra fazer número.



Ele é fácil de derrotar, é só bater e evitar as investidas dele.

Dodongo Snake




Esse mini chefe é novidade, um bicho formado por 2 bolas e uma boca, que engole bombas e explode. A única forma de derrotar ele é essa, e ele atua como chefe de meio de fase, na 3° fase.


O nome "dodongo" é de uma criatura réptil explosiva que devora bombas, mas aqui, ele não lembra em nada um réptil, e explode sempre que come. Na real ele é uma versão meio burra, que morre se come bombas, e ele faz questão de comer.



Ele sempre aparece em duplas, e depois da fase 3, ressurge na fase 6...



E na fase 8, mas ele é sempre bem fácil.



Lanmola




Esse é um mini-chefe já conhecido (já foi até chefe em outros jogos) e aqui, é de uma fase intermediária. 


Ele aparece num pequeno deserto, chega até a falar (alias, todos os chefes falam, e alguns mini-boss também), mas não é difícil. 


Ele só entra e sai de uma areia movediça e pra ser derrotado, é só atacar nessas horas de exposição.

Cue Ball



Esse mini-chefe surge pela primeira vez na fase 4, como guardião de portal, e sua luta consiste em fugir de seus ataques, dar a volta e pegar ele por trás, repetindo o processo até ele morrer.


Na fase 8 ele volta, mas a fase é mais difícil, com lava roxa e tipo, é preciso pular por ele pra atingi-lo.


Master Stalfos



Um esqueleto guerreiro gigante, essa é uma versão enorme de Stalfos, e ele é bem forte, tanto que eu achei que era um chefão. 


Ele leva vários danos e não esboça reação (quase desisti achando que tava com a arma errada) suas lutas são longas, e impossível de se vencer de primeira.


Ele aparece 4 vezes na fase 5, e cada ringue de batalha é demarcado com um número de pedras (fica nos cantos). 


É preciso localiza-lo e derrota-lo, não só pra ir pro verdadeiro chefão da fase, mas também pra recuperar a arma especial da fase, que é uma das mais aguardadas (o Gancho). 


Ele fala, caçoa de link, repito que ele é bem forte, e te juro que pra mim, ele vale mais como o chefão da fase do que o próprio chefe (que alias é também um dos chefes mais fortes)... mas beleza...

Gohma



A aranha sem 8 patas e com um olhão, sempre ta pelos Zeldas... aqui surgem logo duas de cara, mas são mini chefes. Ambas juntas, numa batalha meio complicadinha, elas defendem, pasme, a fase 5... pois é, além do esqueletão, tem mais esse mini-chefe que demarca o centro da fase com o portal.



Como eu disse, a coisa vai dificultando ao longo das fases... isso pois nem to falando das fases em si, que são enigmáticas e desafiantes ao extremo... esse não chega a ser o Zelda mais difícil, mas também não é o mais fácil... tiveram momentos que quase desisti.

Armos Knight


Esse é um sub-chefe de fase intermediária, e protege uma tumba onde é guardado o segredo do Peixe dos Ventos, e uma chave pra fase 6. 


Pra derrotar ele só da na base do arco, e ele não é forte, mas tem 3 formas...


Conforme ele vai perdendo, fica mais agressivo e rápido, mas no fim ele é destruído como todo o resto... 


E ai link descobre que o Peixe é o criador da ilha, e quem mantém ela existindo na base do sonho.


Algo que o Coruja sabia mas não revelou antes por frescura. Alias se esse cara não liberasse a Chave da próxima fase, seria tudo uma enorme perda de tempo e dinheiro.


Smasher


Esse chefinho surge na fase 6, e é um jogador de queimada. 


Ele só leva dano por uma bola de ferro gigante, que é também sua arma. É preciso literalmente jogar queimada com ele, pegando a bola quando ele joga, sem se ferir, e jogar nele, pra machuca-lo.


Vence quem queimar mais rs...


Ele demarca o centro da fase 6, e aparece dentre os vários chefinhos da fase 8.


Grim Creeper




Esse mini-chefe guarda o meio da fase 7, e também é o chefe da fase 7. Estranho né? Na verdade ele é bem difícil e tecnicamente indestrutível, pois ele joga suas aves pra atacarem por ele.



No meio da fase ele aparece em uma luta bem longa, onde seus passarinhos precisam ser detidos enquanto atacam, depois ele foge e deixa o portal, reaparecendo na luta do chefão.



Turtle Rock



Eu chamo de dragão, pois passa longe de lembrar uma tartaruga (inimigo até que comum dentre chefes e sub-chefes de outros Zeldas), mas ele é bem legal de se enfrentar também. 


Ele é a entrada pra fase 8, sendo uma criatura despertada por música pra então enfrentar link. 


A fase tem uma forma de tartaruga no mapa, então ele seria a cabeça da tartaruga (daí o nome) mas, ele nem é la grande coisa... caindo pra espadada mesmo.


Blaino



Nessa mesma fase, além dos muito sub-chefes, tem também um boxeador que demarca o centro da fase. Ele é forte, e se ele acerta o super soco, faz link voltar pro inicio da fase... e sabe todos os outros mini-chefes? Eles voltam a vida!


Mas não é nada tão amedrontador...



Ele morre fácil e é fácil desviar dos super socos... é só ser esperto.

Mini-chefes das Cores

Bem, na fase das cores há 2 novos sub-chefes e um chefão, mas são opcionais... afinal é só pra liberar a roupinha fortinha...

Stone Hinox



O Primeiro é um Hinox de Pedra, mas ele leva dano de ataques fortes. 


Então ele nem é tão poderoso quanto aparenta.

Giant Buzz Blob


Esse é um chefinho mais complicado, que cai do teto e até parece um Zol Gigante no inicio, mas vira um Blob Gigante em seguida (viu, eles são a mesma merd4)...


Ele não leva dano, apenas do Pó Mágico... tenso né?


Mesmo assim, ele é bem fraquinho e morre rápido.


Evil Orb


Em algumas fases há orbs que quando atacados, levantam pinos por toda a fase, e abaixam outros pinos. Tem uma fase que é inteiramente dedicada a esse recurso, porém, o chefe dela nada tem a ver com esses orbs...

Mas, aqui tem um Orb mutante, que é o chefão da fase das cores. E pra começar a lista dos chefões, falarei dele...


Ele só pode ser derrotado se atacado na cor vermelha, e ele alterna com base nos golpes recebidos. Ele é azul, fica amarelo, depois vermelho e ai começa a tomar dano. Se link demora entre os ataques, a cor dele volta pro azul e ai começa tudo de novo.


Não é difícil, é desafiante mas não é um bicho de sete cabeças... e bem, ele é destruído abrindo caminho pra Roupa Especial.

Chefes

Moldorm




O primeiro chefe é Moldorm, quase sempre é ele, de tão comum que é encontra-lo.


Moldorm é uma centopeia formada por bolas que leva dano na cauda apenas... ele fica louco, anda feito louco, e derruba link pra fora da tela se ele vacilar.


Claro que, isso faz a luta voltar pro começo, mas nesse Zelda nem é tão difícil, pois link conta com o Pulo, e essa skill é maravilhosa contra um chefe que te empurra... é só pular por cima xD.


A pena é pega na primeira fase.


Genio



O segundo chefe é um Gênio da Lampada, que surge escondido na garrafinha dele, e zomba de link por ser invulnerável a ataques...


As vezes ele sai, solda energia... mas ele só pode ser derrotado quando link quebra a lâmpada dele, com o poder dos Braceletes e seu instinto de explodir vasos.


Um chefe em que vaso é a fraqueza... isso é genial... genial... vish.


O Bracelete 1 é pego na segunda fase.


Slime Eyes


Essa coisa que parece um olho gigante, é também um tipo de Zol, modo chefe.


Ele fica grudado no teto, provocando link por não vê-lo, mas ele pode ver link, e fica jogando zols pra atrapalhar. Porém... é só bater contra a parede com muita força, usando as botas, que ele cai...


Mas ele é invulnerável a ataques comuns, e a cada golpe de espada, ele se divide em dois, nunca se separando totalmente... 


Com um impulso corrido de link, ele é cortado ao meio e ai, fica vulnerável a cortes.


A Bota é a arma obtida na terceira fase.


Angler Fish



Link luta contra um peixe, no meio da água, nadando! É legal ver a luta na horizontal, é algo que eu nunca tinha visto (no Zelda 2 o jogo inteiro é assim, mas eu não analisei ele ainda então, sempre fico perplexo).


Ele é um peixão bravo que manda peixes menores pra atacar, bate nas paredes pra fazer cair pedra e é isso. 


Link, equipado com os Pés de Pato (Nadadeiras oficialmente) pode mergulhar e nadar de boa, e todas as armas ficam ativas como se ele tivesse no solo (sem aquela frescura de impedir uso de armas por estar na água) e ai, fica fácil derrota-lo.


O Pé de Pato é pego na fase dele, a fase 4.


Slime Eel



Lembra que falei de uma versão do Pincer chefão? É tipo isso que esse carinha é, mas é mais complicado.


Na verdade esse é o chefe que mais achei difícil, pois ele é forte pra caramba, aparece aleatóriamente, e ele só leva dano se retirado da parede, sendo exposto e recebendo facadas. 


Só que, tem 4 tubos por onde ele ataca, e tem uma cauda giratória bem no meio da tela (que é dele). 


Puxando ele, a cauda afunda e ele se expõe, mas ainda assim é complicado... e sabe de que fase ele é chefe? A arma eficiente contra ele é o gancho... que é pega na fase dele, seguindo o padrão, e qual a fase do gancho? A do Stalfo Grandão.


Sério, essa poderia ser a fase mais tensa se tivesse mais puzzles, pois só em chefes ela bate o recorde em dificuldade. Alias, mesmo tirando ele da parede pra bater, nem sempre ele se expõe, as vezes ele sai e fica andando e atacando como um Moldorm da vida... ou seja, além de ser preciso superar a cauda central, puxar ele da parede, e atacar seu corpo antes dele voltar, é preciso contar com a sorte pra ele não sair e atacar de frente...


O Gancho é pego na fase 6 (depois de derrotar o Stalfo Mestre)


Facade




A fase 7 conta com o chefe mais legal, e fraco, de todos. É um rosto no chão. É na fase dele que a gente pega o Bracelete 2, mas o ponto fraco dele são as Bombas, itens obtidos por compra logo no começo do jogo.


É uma quebra de padrões, pois geralmente o chefe da fase cai pra arma que a fase disponibiliza... mas okay.




Ele fala, diz que não tem como ser derrotado, quase fala o ponto fraco mas tira onda, e no fim ele é facinho. 


Ele abre buracos aleatórios no chão, e manda azulejos pra atacar. 


Mas ele leva dano de explosivos.



O Bracelete 2 é pego na 7º Fase... mas não serve de nada no chefe.



Evil Eagle e Grim Creeper



Na fase 7, onde só da pra chegar com o Cucco Azul, tem o guardião das aves que surge de mini-chefe e depois, como chefão, montado em sua ave do mal.


Ele some da luta em certa parte, mas a ave permanece atacando, e é difícil derrota-la pois ela costuma jogar ataques letais, fortes pra caramba, com penas perfurantes e vento que joga link pra longe da torre.


Link não cai tudo, não volta do começo da fase, apenas volta pro andar anterior que nada tem, além de uma escadinha, mas sempre que ele cai, a Ave recupera toda a energia.


Derrotar ela demorou, mas usei a lógica, e como na fase dela o Escudo Espelhado (no caso Escudo 2) é a arma encontrada, inventei de usar ele, e deu certo... se bem que tentei correr contra o vento antes... e deu muito errado.


Mesmo defendendo, link vai um pouco pra trás pelo vento, mas ele não toma dano, daí é só pular e dar espadadas ou fazer a águia voar baixo... eu cheguei a pegar a Super Espada (Espada 2) só pra vencer essa águia... Como não há barra de energia nos vilões, eu não sabia se os golpes estavam funcionando, fiquei horas lutando até me tocar que caindo do ringue resetava o chefe.


Bem, a arma obtida na fase 7 é o Escudo 2.


Hot Head



Na fase 8, aquela com um monte de mini chefe, o chefão é apenas isso ai, uma cabeça de fogo.




Ele nem é forte, fala asneiras e tipo, só sabe mergulhar na lava e jogar fogo. Ele é derrotado pro próprio elemento alias, pois a arma da fase dele é o Cajado de Fogo, que é o que causa dano nele.



Pra fechar a fase mais demorada e difícil, botaram um chefe bem meia boca... mas beleza.



Ele é o chefe da fase 8, onde o Cajado de Fogo é liberado.



Acordando o Peixão?

Bem... depois de tudo isso, link pega os 8 instrumentos e toca a música pra acordar o peixe do vento, no ovo gigante... mas o ovo racha e abre passagem pra um templo.



Na real, é um labirinto mágico, e pra passar tem que saber a rota exata.



Essa rota tem na biblioteca, lida em um dos vários livros... que link não podia ler mas do nada aprende a ler...




Pera... acho que a lupa serve pra ler o livro que guarda o segredo da passagem secreta dentro do ovo do Peixe Vento... tipo, não da pra ler esse livro no inicio e nada muda pra link poder lê-lo no final... exceto o fato da lupa ser encontrada, a qual permite ver coisas que antes não eram vistas... então a Grande Side-Quest não é Side-Quest! É uma quest necessária (se você não souber o caminho por detonados) pois sem a lupa, não da pra ler o livro secreto...

Tudo faz sentido agora!



(mas o caminho é fácil de decorar... eu esqueci)

O último chefe: Pesadelo




Passando pelo labirinto, escuro mas sem inimigos, link chega no chefe final, uma sombra, auto-denominada Pesadelo, que é uma entidade formada por todos os maiores temores de link.



Ela assume chefes da história de link, em ordem pré estabelecida, e as lutas equivalem a desses chefes...




Saindo da sombra de link, a criatura toma a forma de um Zol Sombra Gigante... Não me lembro de qual Zelda ele saiu...



Depois vira Agahnim, aquele inimigo feiticeiro do The Past, e usa até as mesmas habilidades com direito a Tênis de Energia (é legal).



Depois vira um Moldorm, representando todas as vezes que essa criatura encheu o saco... detalhe, eles não ficam facilitados não, ainda são os 6 golpes pra serem derrotados, em cada forma. É como se fossem os chefes mesmo.



Daí vem Ganon, em sua forma javali de The Past, com invocação de morcegos de fogo e girando seu bastão, lançando e teletransportando pra onde ele cair. Mesmo esquema do chefão final de The Past...



Daí ele vira um Lanmola, mas sem areia então ele só vai feito louco atrás de link, gruda e não solta mais... se link não der um ataque giratório ele não sai dessa forma...



E por fim, ele assume a forma de Vaati (forma Dethl)... lembra dele? Se não jogou Zelda Minish Cap, não tem como... é o chefe final desse outro Zelda que ainda não analisei... mas já tem seu lugar garantido na cronologia graças a essa aparição memorial. 



Derrotando ele, pulando seus braços e esquartejando o olho central, link sai vitorioso...



E o Grande Peixe acorda.

Antes, a coruja fala com link, diz quem é, fala tudo e se despede...



Aí o peixe se comunica espiritualmente, e depois de um momento "earthbound"...



Com ele se materializando e falando sobre a ilha, seu sonho e o fim de tudo... 



Link toca todos os instrumentos novamente, e o peixe acorda.



Link é esguichado pra cima, como se tivesse saindo pela narina de uma baleia...



E ai ele acorda no mar, boiando.



E bem, eis a minha interpretação da cena...




Link acorda em auto mar, e quando olha pra cima admira o Peixe Voador sobrevoando sua cabeça, passando na frente da luz do sol. 



Mas, só aparece sua silhueta... não aparece detalhes como asas nem nada, afinal na visão de link, o peixe tinha asinhas minúsculas e não daria pra vê-las só na silhueta distante... entretanto...



Acredito que link não estava de fato acima da água, como a ilustração mostra... acredito que ele estava abaixo d'água, observando o peixe abaixo dele, enquanto a grande criatura nadava mais próximo a superfície. 


Sim, link teria se afogado, mas a ilustração mostrando ele acima d'água, agarrado a um tronco, insinua apenas que ele encerrou sua jornada felizão... 



Mas ai volto a dizer, ele ta na água, no mar, onde nem mesmo raças aquáticas (zoras) conseguem sobreviver! Mesmo em Wind Waker, em que link atravessa os oceanos de barquinho, não há tantas vidas na água. Só criaturas nefastas e alguns poucos peixes racionais... logo... fica a critério do jogador imaginar.



A câmera chega a subir e mostrar O Peixe voando, com a mesma aparência do sonho... mas será mesmo que aquilo era real? Ou apenas mais sonhos??


Pra mim, faz sentido... todo o sentido... e pra você?

Bem... é isso...


Eu ia comparar O Peixe Voador com o JabuJabu, aquele peixe que deixou os Zoras pra se lascarem em Wind Waker... e se parar pra pensar até faz sentido... mas acho que a análise já ta grande de mais né?



Obrigado por sua leitura... espero que tenha ficado legal.

See yah!

4 comentários:

  1. Esse game era todo sem sentido,eu ja ouvir falar
    Desse game e pelo que dizem o ''link'' morreu logo no inicio e aquilo era meio que o purgatorio dele,estilo Limbo. Mais Boa analise e aguardo a do minish cap (meu primeiro zelda kk).

    See yah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é preciso ir longe da mitologia Zelda pra entender este... link morto é praticamente um fato (ofuscado pelo otimismo) e se torna mais real quando posto lado a lado com outras histórias Zelda. O esquema de "limbo" é um pouco mais cruel e dark do que a franquia parece oferecer, e eu não vi nada nesse game que sugerisse isso, ainda assim, é uma boa forma de enxergar a bizarra trama de DX.

      Ainda acho, mesmo sabendo da morte de link, que o Majora é o zelda mais pesado narrativamente, ele sim mostrando um tipo de "limbo"... mas o DX me surpreendeu.

      Enfim, sr Vini, o Minish Cap vai ser irado... eu to ansioso pra mostrar onde a Espada se encaixa...

      See yah... rs...

      Excluir
  2. Se não me engano esse link é o do link of the past,Depois da batalha com Ganon ele saiu em viagem pra se encontrar... mas aí abre vaga pro Windwalke.
    Pelo que li sobre a cronologia, windwalker se passa anos após ocarine of thime,mas depois de ler sua análise tenho minhas duvidas,Esse negócio de múltiplos universos e bem complicado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que a grade cronológica oficial ta toda errada. Da pra perceber isso só observando como eles abordam as multiplas realidades, ignorando vários elementos da mitologia Zelda. Tipo, aquela explicação oficial de como as 3 linhas de tempo surgiram é tão idiota, e ignorante, que não da pra engolir. Eles literalmente abandonaram a Triforce na teorização da cronologia, quando a própria Triforce é a chave pra compreensão da cronologia.

      Eu prefiro buscar, entender e analisar seguindo minha própria interpretação, pois geralmente as explicações oficiais são confusas de mais.

      Por isso pretendo analisar jogo por jogo, e no fim conectar todos eles à minha maneira. Se vai ver sr, eu vou explicar isso tudo bem o suficiente pra não haverem mais dúvidas! Eu amo Zelda rs.

      See yah!

      Excluir

CadastroMorte

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner